Oficina Jogos e Gamificação - Parte 1 (jogos)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
953
On Slideshare
322
From Embeds
631
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
6
Comments
0
Likes
0

Embeds 631

http://nteregional.com.br 631

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Parte 1 Jogos: discussão teórica >Jogos e Aprendizagem. >Autoria, Autonomia, Interação e Colaboração. >Avaliação em atividades com uso de jogos. >Proposta para uso de jogos no contexto escolar.
  • 2. Unanimidade sobre a importância da utilização dos jogos no processo de ensino aprendizagem. Por que utilizar jogos educativos no processo ensino aprendizagem?
  • 3. Mattar (2010) jogos só pela sensação de prazer à qual os jogadores são submetido acaba propiciando um aprendizado involuntário e descompromissado, sem pressão. Qual o problema em aplicar esta estratégia de aprendizado leve e sem cobranças em nossas escolas? Metodologia esta onde o aluno aprende quando menos espera e reproduz este conhecimento de forma natural e na maioria das vezes coletivamente. Prensky, sempre faz referência a jogos, afirma que todos eles tem algo a ensinar. Por que não introduzir jogos ao contexto escolar ou então transformar o aprendizado em algo tão prazeroso quanto os games? O aprendizado baseado em jogos digitais (Digital Game Based Learning, (...) DGBL) está baseado em‐ duas premissas: os aprendizes mudaram em diversos pontos fundamentais e são de uma geração que experienciou profundamente, enquanto crescia, pela primeira vez na história, uma forma radicalmente nova de jogar computadores e videogames.‐ Assistimos então a uma descontinuidade, inclusive na maneira como essas gerações aprendem. Por isso, boa parte dos dados que colhemos e das teorias que formulamos no passado, sobre como as pessoas pensam e aprendem, podem não se aplicar mais. Devemos levar em consideração novos estilos de aprendizagem. DGBL, ainda utilizado timidamente, não é o único método, mas é um método que consegue atingir essa nova geração. E o DGBL não serve apenas para atividades de revisão, mas para o aprendizado efetivo de diversos temas. (MATTAR, 2009)
  • 4. Pontos para discutir... > Aprendizagem exige experiência, não apenas memorização abstrata > Cenários simulados (papeis ativos, autorais): # Os objetivos da aprendizagem precisam ser autênticos: # Problematizar situações reais. # Desenvolver a cidadania do estudante. # Trabalhar colaborativamente, aprender a argumentar, negociar textos mais bem fundamentados (concertar resultados), intervir na realidade com responsabilidade (ética profissional). Que tipo de jogos fomentam a autoria, autonomia, interação e colaboração estudantil? > Os que tem como objetivo ou permitem ao professor orientar e avaliar os procedimentos de aprendizagem, sem serem intrusivos. Autoria, Autonomia, Interação, Colaboração e uso de jogos educativos.
  • 5. Como é a avaliação no contexto do uso de jogos educativos? > Avaliação diagnóstica (ex: ludo educativo). > Permitem ao professor conhece as dificuldades dos estudantes. > Os erros no jogo evidenciam os pontos serem rediscutidos com os estudantes. > As dificuldades para avançar no jogo podem mostrar a necessidade de trabalhar o desenvolvimento de algumas competências. É preciso estar atento? O que fazer com os resultados dos jogos? Avaliação em atividades com uso de jogos.
  • 6. 1. Planejamento. 2. Experimentação. 3. Síntese rápida dos conteúdos mencionados em cada jogo. 4. Verificação das regras. 5. Proposta de atividades relacionadas aos conteúdos dos jogos. Atenção para algumas questões didáticas!
  • 7. > Jogo: Estação da multiplicação. > Conteúdo: Multiplicação. > Objetivos: Desenvolver a percepção de sequência numérica. Análise coletiva de uso e jogo educativo. Exemplo 1 Qual atividade associada pode ser proposta?
  • 8. > Jogo: Ludo Educativo. > Conteúdo: Diversos conteúdos (9° ano/E.M). > Objetivos: Revisar o conteúdo de História do 9° ano E.M. Análise coletiva de uso e jogo educativo. Exemplo 2 Qual atividade associada pode ser proposta?
  • 9. > Jogo: Jogo da Migração. > Conteúdo: Migração e mecanismos de adaptação. > Objetivos: Reconhecer as características das aves migratórias e estudar as adaptações ao voo. Análise coletiva de uso e jogo educativo. Exemplo 3 Qual atividade associada pode ser proposta?
  • 10. > Jogo: Jogo da memória do futebol. > Conteúdo: Passes e jogadas do futebol. > Objetivos: Conhecer os passes e jogadas do futebol. Análise coletiva de uso e jogo educativo. Exemplo 4 Qual atividade associada pode ser proposta?
  • 11. Explorando recursos >CD com sugestões do NTE-Regional: >PhET (Physics Education Technology): Simuladores de fenômenos físicos, químicos, biológicos e matemáticos. # Online: https://phet.colorado.edu/pt/ # Offline: http://www.baixaki.com.br/download/phet.htm Observação – problematização – explicação – jogo entre grupos.
  • 12. > Formação de grupos de professores. > Exploração do CD e das simulações. > Elaboração de proposta inicial contendo: # Conteúdo e objetivo(s). # Atividade associada ao uso do jogo. # Avaliação. > Socialização: # Novas possibilidades. # Discussão da adequação das propostas. # Socialização de recursos já utilizados pelo grupo. Atividade 1 – Proposta de atividade com uso de jogo educativo: