Generos textuais 3

  • 86,540 views
Uploaded on

Formação sobre Gêneros Textuais - parte 3 …

Formação sobre Gêneros Textuais - parte 3
Unidade 5 - 2 ano
PNAIC - Araucária - PR
http://despactando.blogspot.com.br/

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
86,540
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
23

Actions

Shares
Downloads
1,277
Comments
3
Likes
21

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. GÊNEROS TEXTUAIS - 3
  • 2. Unidade 05 Parte III Camila Ribeiro
  • 3. Proposta de trabalho com gêneros textuais Sequência Didática
  • 4. Sequências didáticas Uma sequência didática é um conjunto de atividades escolares organizadas, de maneira sistemática, em torno de um gênero textual oral ou escrito. Dolz, Norrevaz e Schneuwly, 2004 Apresentação da situação Produção Inicial Módulo 01 Módulo 02 Módulo n Produção Final
  • 5. Apresentação da situação Produção Inicial Módulo n Produção Final Momento em que o professor apresenta aos alunos a tarefa e os estudos que irão realizar. Os alunos, já informados sobre o projeto, irão expor o que sabem e pensam sobre o assunto, por meio de produção de texto, conversas, etc. A produção inicial trata-se de uma avaliação prévia e é através dela que o professor conhece as dificuldades dos alunos e obtém meios de estabelecer quais atividades deverão ser empregadas na sequência didática. Atividades (exercícios e pesquisas) planejadas metodicamente, com a finalidade de desenvolver as capacidades do aluno. Os módulos devem ser direcionados às dificuldades encontradas na produção inicial dos alunos e visando a superação dessas dificuldades, devem propor atividades diversificadas e adaptadas às particularidades da turma. Avaliação do que conseguiram aprender no decorrer da sequência didática (comparação entre produção inicial e produção final).
  • 6. Livros literários que apresentam gêneros textuais
  • 7. Antecipação da leitura Patati Patata Hora de dormir.avi
  • 8. Coisas boas que nos levam a uma boa noite de sono: * Ver o vídeo da música “Hora de dormir”, da dupla Patati e Patatá. * Listar algumas dessas coisas: travesseiro, beijo dos pais, cobertor, cama quentinha, um pijama bem legal. Antecipação da leitura
  • 9. Steve Webb nasceu em Newcastle, e estudou na Faculdade de Arte de Bristol. Ele é autor da obra de grande sucesso Tanka Tanka Skunk. Ele vive com seus três filhos. SOBRE O AUTOR/ILUSTRADOR
  • 10. OUTRAS OBRAS DO AUTOR/ILUSTRADOR
  • 11. O tradutor Luciano Vieira Machado, nasceu em Aracaju - SE, em 1950. Licenciado em Letras pela Universidade de Brasília, atuou como tradutor na Administração Central dos Correios. Recebeu onze prêmios nacionais por traduções de obras do inglês, alemão, francês e espanhol. SOBRE O TRADUTOR
  • 12. http://www.youtube.com/watch?v=xFnpugxg0VY
  • 13. – QUAIS GÊNEROS PODEMOS TRABALHAR A PARTIR DESTE LIVRO? CONVITE CARTA
  • 14. Condições de produção • Quem escreveu? (papel social) • Para quem escreveu? (interlocutor) • O que escreveu? (sobre a participação em uma festa) • Como escreveu? (gênero - convite) • Para que escreveu? (função)
  • 15. Que tipos de convite existem? •Seleção e classificação de acordo com a situação sociodiscursiva:
  • 16. CONVITE CASAMENTO
  • 17. CONVITE FORMATURA
  • 18. CONVITE FESTA JUNINA
  • 19. CONVITE ANIVERSÁRIO
  • 20. CONVITE FESTA DO PIJAMA
  • 21. Intergênero • Refere-se a um gênero que se apropria de outro para exercer uma determinada função; desse modo, a forma é de um gênero, mas a função é de outro. • Veja os exemplos a seguir:
  • 22. EM FORMATO DE BULA DE REMÉDIO
  • 23. EM FORMATO DE JORNAL
  • 24. Características do convite Objetivo do convite data horário autor Mensagem sobre o evento
  • 25. Suporte do convite • Papel; • Digital. Formas de entrega do convite • Correio; • Pessoalmente; • Digital.
  • 26. “VIVIANA, RAINHA DO PIJAMA” SEQUÊNCIA DIDÁTICA A PARTIR DO LIVRO:
  • 27. 1. EIXO DA LEITURA
  • 28. Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios relativos aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas crianças. Apresentar a capa do livro para as crianças, ler o título, falar sobre o autor (biografia) e perguntar se elas imaginam sobre o que falará a história; se já a conhecem; por que será que o título se chama Viviana, a Rainha do Pijama? Explicar que durante a história Viviana convidará alguns animais para uma festa do pijama. Nessa festa haverá um concurso de pijamas, quem vencerá?
  • 29. Compreender textos lidos por outras pessoas, de diferentes gêneros e com diferentes propósitos. - O que os animais quiseram dizer quando afirmaram que Viviana era a dona do pijama mais animal? - O que significam as palavras ou expressões: bárbara, irado, tremenda, chocante e ousado; macaco tão atirado; pijama mais animal?
  • 30. Reconhecer finalidades de textos lidos pelo professor ou pelas crianças. - Ler a carta que Viviana mandou e perguntar: para que serve esse texto que Viviana escreveu? Localizar informações explicitas em textos de diferentes gêneros, temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente. Após a resposta dos animais que aparecem no texto, perguntar como é o pijama de cada um.
  • 31. Ler em voz alta, com fluência, em determinadas situações. - Escolher alguns alunos para ler a resposta dos animais. Relacionar textos verbais e não verbais, construindo sentidos. Como era o pijama de Viviana? Por que acha que os animais gostaram do pijama dela?
  • 32. 2. EIXO DA ORALIDADE
  • 33. Participar de interações orais em sala de aula, questionando, sugerindo, argumentando e respeitando o turnos de fala. - Solicitar que cada aluno escolha o pijama que mais gostou e argumente o porquê da escolha.
  • 34. 3. EIXO DA ANÁLISE LINGUÍSTICA
  • 35. 3.1 DISCURSIVIDADE, TEXTUALIDADE E NORMATIVIDADE: Reconhecer gêneros textuais e seus contextos de produção. - Perguntar aos alunos: Quando queremos convidar alguém para uma festa, o que fazemos? - Levar os alunos a comparar convites de festas com as cartas escritas por Viviane e pelos animais.
  • 36. 3.2 - Eixo de Analise Linguística: a apropriação do sistema de escrita alfabética Conhecer a ordem alfabética e seus usos em diferentes gêneros. - Listar o nome dos animais que foram convidados por Viviana para a festa e colocar em ordem alfabética. Reconhecer diferentes tipos de letras em textos de diferentes gêneros e suportes textuais. - Explorar com os alunos os diferentes tipos de letras usados nas cartas dos animais para Viviana.
  • 37. Dominar as correspondências entre letras e grupos de letras e seu valor sonoro, de modo a escrever palavras e textos. - Solicitar que os alunos escrevam ou completem o nome dos animais a partir de letras moveis. Compreender que palavras diferentes compartilham certas letras. - Chamar a atenção dos alunos para as rimas das palavras apresentadas no texto.
  • 38. 4. EIXO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS ESCRITOS
  • 39. Planejar a escrita de textos considerando o contexto de produção, organizar roteiros, planos gerais para atender a diferentes finalidades com ajuda de escriba. - Planejar junto com os alunos a escrita de convites para que os alunos de outras turmas participem de um concurso de ____________ (escolher junto com a turma). - Perguntar aos alunos o que deve aparecer nos convites e listar no quadro.
  • 40. Produzir textos de diferentes gêneros com autonomia, atendendo a diferentes finalidades. - Dividir os alunos em grupo para que produzam convites.
  • 41. Atividade em grupos: • ESCOLHER UM LIVRO DA CAIXA DO 2º ANO E FAZER UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA • Considerar: • 4 eixos da Língua Portuguesa, • Conteúdos de Língua Portuguesa, • 10 princípios do SEA, • Dificuldades apresentadas (ver Perfil da Turma) • Critérios de avaliação (produção final).
  • 42. Links sobre Produção de Textos  Leitura e produção de textos na Alfabetização parte 1 : Histórias de professoras e o trabalho com Anúncios http://www.youtube.com/watch?v=Gf8f4V9i2yA  Leitura e produção de textos na Alfabetização parte 2 : Classificados (continuação) http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=y05s2Wta_1A  Parte 1 – Produção de textos na escola : Coletivo, individual e em duplas http://www.youtube.com/watch?v=rS0bOT3bkEo  Parte 2 – Trabalhando com Gêneros http://www.youtube.com/watch?v=graksZ607ZE  Parte 3 - Revisando o texto: http://www.youtube.com/watch?v=-d6qr5fLQuA  Reescrita coletiva (3ª série) http://www.youtube.com/watch?v=OIX1mQM6x0M
  • 43. Referências • BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997, 2003. • BELINTANE, C. Linguagem oral na escola em tempo de redes, 2000. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517- 97022000000100004&lng=es&nrm=iso Acesso em 01/06/2013. • BOZZA, S. Ensinar a ler e escrever: uma possibilidade de inclusão social. Org. Rogério Bozza. Pinhais: Editora Melo, 2008, 148 p. • BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi. O ensino da compreensão e a formação do leitor: explorando as estratégias de leitura. In: SOUZA, Ivane Pedrosa e BARBOSA, Maria Lúcia Ferreira de Figueiredo. Práticas de leitura no ensino fundamental. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. • BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. Anna Rachel Machado, Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.
  • 44. Referências • CENPEC. Curso Olimpíada de Língua Portuguesa. 2012. • DOLZ, J; SCHNEUWLY, B. Os gêneros escolares – das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, São Paulo: Mercado das Letras, 2004, p. 71 a 94. • DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard e DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, São Paulo: Mercado das Letras, 2004. • MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Angela Paiva; MACHADO, Anna Rachel e BEZERRA, Maria Auxiliadora. Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. • MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008. • MACHADO, D. Z. A infraestrutura textual do gênero ombudsman: um estudo interacionista sociodiscursivo. Disponível em http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/workingpapers/article/viewFile/1984- 8420.2009v10nespp127/11932
  • 45. Referências • SILVA, I. M. M. Gêneros digitais: navegando rumo aos desafios da educação a distância. • SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, São Paulo: Mercado das Letras, 2004. • VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1994. • VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.