Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil

2,108 views
2,030 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,108
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
88
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil

  1. 1. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009Síntese por Camila Coelho, Carla Gabriela, Idalina Daniela e Karen Silva Disciplina de Fund. e Metod. da Ed. Infantil Prof. Nara Nehme 24/04/2012
  2. 2. Organização ARTICULAM-SE com as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Reúne PRINCÍPIOS, FUNDAMENTOS e PROCEDIMENTOS para ORIENTAR as políticas públicas na área e a ELABORAÇÃO, PLANEJAMENTO, EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO de propostas pedagógicas e curriculares.
  3. 3. Currículo(ART. 3º) É concebido como umconjunto de práticas que buscam articular as experiências e os saberes das crianças com os conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural, artístico, ambiental, científico etecnológico, de modo a promover o desenvolvimento integral de crianças de 0 a 5 anos de idade.
  4. 4. Proposta pedagógica(ART. 4º) Deverá considerar que acriança, centro do planejamento curricular,é sujeito histórico e de direitos que, nasinterações, relações e práticas cotidianasque vivencia, constrói sua identidadepessoal e coletiva, brinca, imagina,fantasia, deseja, aprende, observa,experimenta, narra, questiona e constróisentidos sobre a natureza e a sociedade,produzindo cultura.
  5. 5. Educação Infantil, primeira etapa da Educação OFERECIDA: creches e pré-escolas. Caracterizam como espaços institucionais não domésticos. Constituem estabelecimentos educacionais públicos ou privados. IDADE: crianças de 0 a 5 anos PERÍODO: Diurno, em jornada integral ou parcial, regulados e supervisionados por órgão competente do sistema de ensino e submetidos a controle social. Acontece em tempo parcial, a jornada de, no mínimo, 4 horas diárias e, em tempo integral, a jornada com duração igual ou superior a 7 horas diárias.
  6. 6. Princípios Éticos: da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem comum, ao meio ambiente e às diferentes culturas, identidades e singularidades. Políticos: dos direitos de cidadania, do exercício da criticidade e do respeito à ordem democrática. Estéticos: da sensibilidade, da criatividade, da ludicidade e da liberdade de expressão nas diferentes manifestações artísticas e culturais.
  7. 7. Função sociopolítica e pedagógica Oferecer condições e recursos para usufruirem seus direitos civis, humanos e sociais; Assumir a responsabilidade de compartilhar e complementar a educação e cuidado das crianças com as famílias; Possibilitar tanto a convivência e ampliação de saberes e conhecimentos de diferentes naturezas;
  8. 8.  Promover a igualdade de oportunidades educacionais no que se refere ao acesso a bens culturais e às possibilidades de vivência da infância; Construindo novas formas de sociabilidade e de subjetividade comprometidas com a ludicidade, a democracia, a sustentabilidade do planeta e com o rompimento de relações de dominação etária, socioeconômica, étnico-racial, de gênero, regional, linguística e religiosa.
  9. 9. Objetivo Apropriação, renovação e articulação de conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens. Direito à proteção, à saúde, à liberdade, à confiança, ao respeito, à dignidade, à brincadeira, à convivência e à interação com outras crianças. Prever condições para o trabalho coletivo e para a organização de materiais, espaços e tempos. Educação integral – cuidado indissociável ao processo educativo.
  10. 10.  Dimensões expressivo-motora, afetiva, cognitiva, linguística, ética, estética e sociocultural da criança. Participação, diálogo e escuta cotidiana das famílias, o respeito e a valorização de suas formas de organização; Estabelecimento de uma relação efetiva com a comunidade local e de mecanismos que garantam a gestão democrática e a consideração dos saberes da comunidade; Reconhecimento das especificidades etárias, das singularidades individuais e coletivas das crianças, promovendo interações entre crianças de mesma idade e crianças de diferentes idades;
  11. 11.  Acessibilidade Apropriação, reconhecimento, respeito e valorização dos povos indígenas, Culturas africanas, asiáticos, europeus e de outros países da América. Combate ao racismo e à discriminação. Proteção contra qualquer forma de violência – física ou simbólica – e negligência no interior da instituição ou praticadas pela família, prevendo os encaminhamentos de violações para instâncias competentes.
  12. 12. Povos Indígenas Relação viva com os conhecimentos, crenças, valores, concepções de mundo e as memórias de seu povo; Identidade étnica e a língua; Continuidade à educação tradicional oferecida na família e articular-se às práticas sócio-culturais de educação e cuidado coletivos da comunidade; Adequar calendário, agrupamentos etários e organização de tempos, atividades e ambientes de modo a atender as demandas de cada povo indígena.
  13. 13. Territórios Rurais São elas: – crianças filhas de agricultores familiares, extrativistas, pescadores artesanais, ribeirinhos, assentados e acampados da reforma agrária, quilombolas, caiçaras, povos da floresta. Reconhecer os modos próprios de vida como fundamentais para a constituição da identidade; Víncular à realidade, suas culturas, tradições e identidades, e práticas ambientalmente sustentáveis; Flexibilizar calendário, rotinas e atividades Valorizar e evidenciar os saberes e o papel dessas populações na produção de conhecimentos sobre o mundo e sobre o ambiente natural; Ofertar brinquedos e equipamentos que respeitem as características ambientais e socioculturais da comunidade.
  14. 14. Eixos Norteadores Interações e a brincadeira Conhecimento de si e do mundo Experiências sensoriais, expressivas, corporais , expressão da individualidade e respeito pelos ritmos e desejos da criança Diferentes linguagens e o progressivo domínio por elas de vários gêneros e formas de expressão: gestual, verbal, plástica, dramática e musical Experiências de narrativas, de apreciação e interação com a linguagem oral e escrita, e convívio com diferentes suportes e gêneros textuais orais e escritos
  15. 15. Construção das relações quantitativas,medidas, formas e orientações espaços-temporaisConfiança e a participação nas atividadesindividuais e coletivasAprendizagem mediadas para a elaboraçãoda autonomia nas ações de cuidado pessoal,auto-organização, saúde e bem-estar
  16. 16.  Incentivo a curiosidade, a exploração, o encantamento, o questionamento, a indagação e o conhecimento das crianças em relação ao mundo físico e social, ao tempo e à natureza Promoção do relacionamento e a interação das crianças com diversificadas manifestações de música, artes plásticas e gráficas, cinema, fotografia, dança, teatro, poesia e literatura
  17. 17.  Interação, cuidado, e a preservação e o conhecimento da biodiversidade e da sustentabilidade da vida na Terra, assim como o não desperdício dos recursos naturais recursos tecnológicos e midiáticos: Utilização de gravadores, projetores, computadores, máquinas fotográficas
  18. 18. Avaliação Criação de procedimentos para acompanhamento do trabalho pedagógico e para avaliação do desenvolvimento das crianças, sem objetivo de seleção, promoção ou classificação, garantindo: – observação crítica e criativa das atividades, das brincadeiras e interações das crianças no cotidiano; – utilização de múltiplos registros realizados por adultos e crianças (relatórios, fotografias, desenhos, álbuns etc.); – documentação específica que permita às famílias conhecer o trabalho da instituição junto às crianças e os processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança na Educação Infantil; – não permitir a retenção na Educação Infantil.
  19. 19. Transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental (ART. 11) A proposta pedagógica deve prever formas para garantir a continuidade no processo de aprendizagem e desenvolvimento das crianças, respeitando as especificidades etárias, sem antecipação de conteúdos que serão trabalhados no Ensino Fundamental. (ART. 12) Cabe ao Ministério da Educação elaborar orientações para a implementação dessas Diretrizes.

×