Ementa Ensino Médio

  • 27,284 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
27,284
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6

Actions

Shares
Downloads
397
Comments
0
Likes
5

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ENSINO MÉDIOPORTUGUÊS E LITERATURAEMENTA: O ensino de Língua Portuguesa, numa visão contemporânea, precisa estarcomprometido, na oralidade, na leitura ou na escrita, com o processo de enunciação e dodiscurso, e sua prática deve estar relacionada a situações reais de comunicação. A Língua Portuguesa é produto da linguagem e carrega dentro de si umahistória de acumulação/redução de significados sociais e culturais. O espaço da LínguaPortuguesa na escola é garantir o uso ético e estético da linguagem verbal; fazercompreender que pela e na linguagem é possível transformar e/ou reiterar o social, ocultural, o pessoal; aceitar a complexidade humana, o respeito pelas falas como parte dasvozes possíveis e necessárias para o desenvolvimento humano.OBJETIVOS GERAIS: São diversos os motivos para se ensinar Língua Portuguesa, entre eles estão: Formar o aluno para a cidadania e para a participação social; Desenvolver o uso da língua materna como geradora de significação e integradora da organização do mundo e da própria identidade; Atribuir significados que extrapolem o texto lido; Utilizar a língua em situações reais de uso, reconhecendo o contexto de produção que envolve a produção da atividade de linguagem; Garantir que o aluno tenha contato com diferentes gêneros textuais.METODOLOGIA: Utilização de diferentes gêneros textuais com temática e estrutura compatíveis com cada série e que circulam socialmente na literatura, no jornalismo, nas ciências, na publicidade, no direito; O procedimento de análise lingüística deve basear-se nas práticas sociais que envolvem a oralidade, a leitura e a escrita tendo como conteúdo estruturante o discurso, que é a língua abordada nas diversas situações de interação; A oralidade, a leitura e a escrita como constituintes das diversas práticas sociais, devem ser estudadas a partir dos gêneros textuais, que são os mediadores das práticas de linguagem;
  • 2. 1 Projeto Político Pedagógico 2010 A análise lingüística deve partir de uma reflexão sobre o uso da língua considerando as regularidades aí presentes para que se proceda à estruturação da regra; As aulas podem ser: expositivas, com a sala organizada em grupos e o professor pode se utilizar dos seguintes recursos e métodos: lousa, aparelhos áudio-visuais, livro didático, livros literários e científicos, seminários, pesquisas, leituras, debates, produção e reestruturação de textos.AVALIAÇÃO: A avaliação deve ser diária e contínua através de: Atividades: oral e escrita; Participação; Assiduidade; Avaliações orais e escritas (objetivas e subjetivas); Trabalhos de pesquisa; Produções de texto.CONTEÚDOS:1º ANOAnálise lingüística: Leitura e interpretação de textos; Gêneros textuais; Funções da linguagem; Variação lingüística; Ortografia; Acentuação; Pontuação; Crase; Estrutura das palavras; Radicais, prefixos e sufixos. A análise lingüística sempre deve ser estudada levando-se em consideração situaçõesreais de uso da língua, procedendo à reflexão sobre o seu uso e não a simples definição edenominação.Literatura: Gêneros literários; Trovadorismo; Humanismo;
  • 3. 2 Projeto Político Pedagógico 2010 Classicismo; Literatura de informação; Barroco; Arcadismo.Produção de textos: Gêneros textuais abordados na análise lingüística.Prática da oralidade2º ANOAnálise lingüística: Leitura e interpretação de textos; Gêneros textuais; Substantivo; Adjetivo; Pronome; Artigo; Numeral; Verbos; Preposição; Conjunção; Advérbio. As classes de palavras sempre devem ser estudadas levando-se em consideraçãosituações reais de uso da língua, procedendo à reflexão sobre o seu uso e não a simplesdefinição e denominação de seus componentes.Literatura: Gêneros literários; Romantismo; Realismo/Naturalismo; Parnasianismo; Simbolismo.Produção de textos: Gêneros textuais abordados na análise lingüística; Coerência e coesão na produção textual.
  • 4. 3 Projeto Político Pedagógico 2010Prática da oralidade3º ANOAnálise lingüística: Leitura, compreensão e interpretação de textual; Gêneros textuais; Análise sintática; Sujeito e predicado; Concordância verbal e nominal; Regência verbal e nominal; Período simples e composto; Coordenação e subordinação; Coesão e coerência; Simulados pré-Enem e pré-vestitubar. A análise lingüística deve ser estudada levando-se em consideração situações reaisde uso da língua, procedendo à reflexão sobre o seu uso e não a simples definição edenominação de seus componentes.Literatura: Gêneros literários; Pré-Modernismo; Vanguarda européia; Semana de Arte Moderna; Modernismo; Literatura contemporânea; Análise literária.Produção de textos: Gêneros textuais abordados na análise lingüística.Prática da oralidadeREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros CurricularesNacionais: Ensino Médio, 1999, p. 137-146.PERFEITO. Alba Maria. Concepções de linguagem, teorias subjacentes e ensino de Língua Portuguesa. In:Concepções de Linguagem e Ensino de Língua Portuguesa. Maringá: EDUEM, 2005, P. 27-79.FARACO, Carlos Alberto. Português: língua e cultura – Ensino Médio. Base Editora: Curitiba, 2005.
  • 5. 4 Projeto Político Pedagógico 2010MATEMÁTICAEMENTA: A matemática como mais uma linguagem para a comunicação dosconhecimentos científicos. Resolução de problemas. Números e álgebra enfocando osconjuntos numéricos, sistemas lineares, matrizes e determinantes e polinômios. Geometriaplana, espacial e analítica. As diferentes funções. O tratamento da informação.OBJETIVOS GERAIS: Possibilitar aos estudantes realizar análise, discussões, conjecturas,apropriação de conceitos e formulações de idéias. Colaborar com o desenvolvimento doraciocínio lógico-matemático, favorecendo o modo de pensar independente e contribuir paraque se aprenda a tomar decisões. Contribuir para a sistematização e ampliação doconhecimento já adquirido pelo aluno e no estabelecimento de correções entre temasmatemáticos e outras áreas do conhecimento.CONTEÚDOS:1º ANO Os números na história da civilização; Conjuntos Numéricos; A Potenciação e a Radiação no conjunto dos números reais; Teoria dos conjuntos; Sistema de coordenadas cartesianas; Introdução a funções; Função Afim; Função Quadrática; Função modular; Função Exponencial; Função Logaritmo; Função Composta e Inversa; Progressão Aritmética; Progressão Geométrica.2º ANO Funções Trigonométricas; Sistemas Lineares, Matrizes e Determinantes;
  • 6. 5 Projeto Político Pedagógico 2010 Analise Combinatória; Binômio de Newton; Probabilidade; Matemática financeira.3º ANO Geometria Espacial e Plana; Geometria Analítica; Polinômios; Equações Polinomiais; Estatística; Números Complexos.METODOLOGIA: Para esta disciplina a metodologia a ser adotada será de acordo com o conteúdo a serabordado e os interesses da comunidade escolar. O encaminhamento metodológico poderáseguir as seguintes tendências da educação matemática: Resolução de problemas: nesta tendência metodológica o ponto de partida é um problema que motive o aluno a desenvolver algum tipo de estratégia de modo que o conhecimento matemático possa ser construído. Cabe ao o professor institucionalizar o saber matemático a medida que faltar informações aos alunos. Investigação: nesta tendência metodológica inicia-se o trabalho por meio de um problema simples em que o aluno tem a oportunidade de: observar, formular e testar conjecturas, justificando-as e até mesmo provando-as. Nesta metodologia a ação do aluno aproxima-se do fazer dos matemáticos. Modelagem Matemática: partindo de um tema, os alunos formulam um problema real e significativo, após o levantamento de dados procura-se meios matemáticos para obter a resolução, modelando a situação aplicando os modelos encontrados, buscando a sua validação. Nesta metodologia os problemas devem ser extraídos da realidade, pois ela consiste na arte de transformar situações da realidade em problemas matemáticos. Etnomatemática: por meio desta metodologia busca-se uma organização da sociedade que permite o exercício da crítica e a análise da realidade valorizando a história da comunidade pelo reconhecimento e respeito a suas raízes culturais. Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC): o uso das TIC favorecem as experimentações matemáticas, potencializando a resolução de problemas. Com os recursos disponíveis os alunos podem “fazer matemática” experimentando, interpretando, visualizando e manipulando os “objetos matemáticos”.AVALIAÇÃO:
  • 7. 6 Projeto Político Pedagógico 2010 Avaliação tem como objetivo principal fornecer informações sobre oprocesso ensino aprendizagem como um todo, colaborando com a construção dos saberes.Ela é formativa, contínua e processual (acompanhamento metodológico), por meio dediferentes instrumentos de avaliação utilizados nesta perspectiva como: observação;participação; atividades desenvolvidas individuais e em grupos; provas individuais; provasem duplas; relatórios; auto-avaliação; seminários; debates, manipulação de materiaisdidáticos entre outros envolvendo resoluções de problemas, permitindo a descrição oral doprocesso utilizado para suas afirmações.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:BIEMBENGUT, Maria Salett; HEIN, Nelson. Modelagem matemática no ensino. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2003.BORBA, Marcelo de Carvalho; PENTEADO, Miriam Godoy, Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica,2001. 104p.BOYER, Carl Benjamin, História da matemática. tradução: Elza F. Gomide. São Paulo: Edgard Blücher, 1974.CHEVALLARD, Yves; BOSCH, Marianna; GASCÓN Josep . Estudar matemáticas: o elo perdido entre o ensino e aaprendizagem; Trad. Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001. 336pCOLLETTE, Jean-Paul. Historia de las matemáticas, Madri: Siglo Veintiuno, 1985.DAMBRÓSIO, Ubiratan. “Etnomatemática – elo entre as tradições e a modernidade”. Belo Horizonte: Autêntia, 2001.DAMBRÓSIO, Ubiratan. Educação matemática 4ed. Campinas: Papirus, 1998. 121p.D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação para uma sociedade em transição. Campinas: Papirus, 1999. 167 p.DANTE, Luiz Roberto. Matemática Contexto e Aplicações:volume único. São Paulo: Ática, 2001.EVES, Howardd. Geometria. trad.: Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1992. (Tópicos de história da matemática para usoem sala de aula; v.3)EVES, Howardd. Introdução a história da matemática; trad.: Hygino H. Domingues. 2.ed. Campinas: UNICAMP, 1997.FILHO, Benigno Barreto; SILVA, Cláudio Xavier. Matemática Aula por Aula. FTD, São Paulo, 2000.GIOVANNI, José Ruy... et al. Matemática Fundamental – Uma Nova Abordagem. FTD, São Paulo, 2002.GIOVANNI, José Ruy... et al. Matemática Fundamental. FTD, São Paulo, 1994.GRAVINA, Maria Alice e SANTAROSA, Lucila. A Aprendizagem da Matemática Em Ambientes Informatizados.IV CongressoRibie, Brasília, 1998 Disponível em:<http://www.mat.ufrgs.br/~edumatec/artigos/artigos.htm>. Acesso em: 02 de jul. de 2002.GRAVINA, Maria Alice, “Os ambientes de Geometria dinâmica e o pensamento hipotético-dedudivo”. 2001. 260 p. Tese(Doutorado em Informática na Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.GRAVINA, Maria Alice, Geometria Dinâmica uma nova abordagem para o aprendizado da Geometria. Anais do VII SimpósioBrasileiro de Informática na Educação, p.1-14, Belo Horizonte, 1996. Disponívelem:<http://www.mat.ufrgs.br/~edumatec/artigos/artigos.htm>. Acesso em 07 de abr. de 2002.LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática; tradução de Carlos Irineu da Costa.Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993. 208 p.LONGEN Adilson, Matemática Ensino Médio- Curitiba : Editora Positivo, 2004 .MORAES, Maria Cândida. O paradigma Educacional Emergente. 6. ed. Campinas: Papirus, 2000. 240 p.PAIVA, Manoel, Matemática:volume único. Moderna, São Paulo, 1999.PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: Ensino Médio Secretaria de Educação Média e Tecnológica.Brasília:MEC/SEMT, 1999.PARANÁ, Secretaria de Educação. Diretrizes Curriculares de Matemática para Ensino Médio . Paraná, julho /2006.PARRA, C.; SAIZ, I. Didática da Matemática. Porto Alegre: Artmed, 1996. p. 258PCN+Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares Aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências danatureza, matemática e suas tecnologias./Secretaria de Educação Média e Tecnológica – Brasília: MEC; SEMTEC, 2002. 144p.POLYA, George. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático; tradução e adaptação Heitor Lisboade Araújo. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1995. 196 p.PONTE, João Pedro da; BROCARDO, Joana; OLIVEIRA, Hélia. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte:Autêntica, 2003.SILVA, Benedito Antonio da. Contrato Didático. In: MACHADO, Silvia Dias Alcântra...et al. Educação Matemática: umaintrodução. 2. ed. – São Paulo: EDUC, 2002. p. 43-64.VALENTE, José Armando.O computador na Sociedade do Conhecimento. Campinas: UNICAMP, 1999. 156 p.
  • 8. 7 Projeto Político Pedagógico 2010BIOLOGIAEMENTA: Estudo da biosfera e das relações existentes entre os seres que a compõe,além do desenvolvimento de todos os seus componentes observando o ciclo característicodos elementos mais importantes.OBJETIVOS GERAIS: Buscar o desenvolvimento, por parte dos alunos, de competências quelhes permitam lidar com informações e conviver harmonicamente com elas no sentido deadota-las ou refuta-las , posicionar-se diante dos fatos que exijam a sua participação sociale compreender o mundo em que vivem.CONTEÚDOS:1º ANO Introdução ao estudo da Biologia; Ecologia; Ciclos Biogeoquímicos; Citologia; Composição química dos organismos; A célula, sua estrutura e funcionamento; Componentes orgânicos e inorgânicos; Síntese de DNA e RNA; Origem da vida.2º ANO Propriedades dos seres vivos; Classificação dos seres vivos; Sistema natural e regras de nomenclaturas; Os grandes reinos Reino fungi; Reino monera Reino protista Reino animal; Reino vegetal; Fisiologia animal comparada.3º ANO Reprodução e desenvolvimento Embriologia; Genética; Evolução.
  • 9. 8 Projeto Político Pedagógico 2010METODOLOGIA: Do ponto de vista da pedagogia histórico-crítica a disciplina de biologia iráconsiderar a diversidade social, cultural e o conhecimento prévio do aluno. Para isso oprofessor deverá promover o debate em sala de aula, com o objetivo de realizar umaavaliação diagnóstica, levantando o conhecimento do aluno. O aluno é dito como um sujeito inacabado, reflexivo, investigativo,interessado que busca conhecer e compreender a sua realidade. As ações pedagógicas proporcionadas pelo professor terão a intenção depermitir que o aluno “supere” as concepções anteriores, compreendendo os conceitoscientíficos superando assim o conhecimento empírico.AVALIAÇÃO: De acordo com as diretrizes curriculares de biologia para o ensino médio,versão julho de 2006, deve ser compreendida como uma prática emancipadora. A propostasugere uma avaliação com caráter reflexivo, que permita tanto aos professores como aosalunos observar os avanços e dificuldades para superá-los. Nesta perspectiva poderão ser utilizados os seguintes instrumentos deavaliação: Observação Participação Atividades desenvolvidas individuais e em grupos Provas individuais Provas em duplas Relatórios Auto Avaliação Seminários Debates, etc.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:BAPTISTA, G.C.S. Jornal a Página da Educação, ano 11, nº 118, dez 2002, p.19BASTOS, F. História da Ciência e pesquisa em ensino de ciências. In: NARDI,R. Questões Atuais no Ensino de Ciências. SãoPaulo: Escrituras,1998.BIZZO, N. Manual de Orientações Curriculares do Ensino Médio, MEC, Brasília, 2004.BERNARDES,J.A .& FERREIRA, F. P. de M. Sociedade e Natureza. In: CUNHA, S.B. da & GUERRA,A.J.T. A QuestãoAmbiental.Diferentes Abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.CARRETRO, Mario. Construir y enseñar las ciencias experimentales. Aique Grupo Editor. Argentina.FRIGOTTO, Gaudêncio, CIAVATTA, Maria. Ensino Médio: ciência, cultura e trabalho.Secretaria de Educação Média e Tecnológica – Brasília: MEC, SEMTEC, 2004.KRASILCHIK, Myriam. Prática de Ensino de Biologia. 4ª ed. revisado e ampliado. – São Paulo: Editora da Universidade de SãoPaulo, 2004.KRASILCHIK, Myriam. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: Editora daUniversidade de São Paulo, 1987.KUENZER,A . Z. Ensino Médio: Construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez, 2002.MEC/SEB – Orientações Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Brasília, 2004.MORIN,E. O Pensar Complexo e a Crise da Modernidade. In: GUIMARÃES,M. A formação de Educadores a AmbientaisCampinas, São Paulo: Papirus, 2004.SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Departamento de Ensino Médio. Texto elaborado pelosparticipantes do “I e II Encontro de Relações (In) pertinentes”. Pinhais (2003) e Pinhão (2004).SIDEKUM,A. Bioética: como interlúdio interdisciplinar. Revista Centro de Educação. vol.27,n.º 01. Edição 2002, disponível emwww.ufsm.br/ce/revista/index.htm
  • 10. 9 Projeto Político Pedagógico 2010HISTÓRIAEMENTA: Estudo dos processos históricos relativos às ações e as relações humanaspraticadas no tempo. Reflexão a respeito dos contextos históricos em que os saberes foramproduzidos e repercutiram na organização da sociedade comparando com a realidadecontemporânea. Investigação da História política, econômica, social e cultural, juntamentecom conceitos relativos a consciência histórica.OBJETIVOS GERAIS: Superar o desafio de desenvolver o senso crítico, rompendo com avalorização do saber enciclopédico, socializando a produção da ciência histórica, passandoda reprodução dos conhecimentos à compreensão das formas de como se produz. Rompercom a linearidade espaço-tempo utilizando-se de temas com levantamento de problemas.Selecionando os conteúdos estruturantes: Trabalho, Cultura, Poder e Espaço articulando ascategorias de análise tempo e espaço.CONTEÚDOS:1º ANO Introdução ao estudo da história o conhecimento histórico os fatos e o contexto a historiografia e os preconceitos históricos fontes históricas o tempo histórico modos de produção A antiguidade alguns aspectos da pré-história. a pré-história na América. o Egito antigo. a mesopotâmia. os hebreus os fenícios. o império persa. as origens da civilização grega. a Grécia clássica. a cultura grega. A Grécia antiga a criação da polis e a luta social. Esparta : a pólis militar. Atenas: a polis política. a guerra do peloponeso. Alexandre magno e o helenismo. Data significativa: 13 de maio 20 de novembro (consciência negra) O mundo romano. localização geográfica e ocupação humana. da comunidade a república. a mitologia na Grécia e Roma.
  • 11. 10 Projeto Político Pedagógico 2010 o cristianismo no império romano suas causas e conseqüências. Idade média. formação do feudalismo. a alta idade média. o império bizantino. o mundo árabe. os francos e o império carolíngio. a baixa idade média. - a evolução do feudalismo A baixa idade média: crise e decadência do feudalismo. cruzadas. A transição para a idade moderna. A formação das monarquias nacionais. As primeiras civilizações da América maias astecas incas primitivos O descobrimento da América. O renascimento cultural, urbano e comercial. Questões religiosas. reforma religiosa. contra-reforma. O absolutismo definição características teóricos países que apresentaram esta teoria Conquista da América. conflito a colonização sobre diversos pontos de vista. dominação européia. conseqüências da exploração e dominação. penetração portuguesa no Paraná. povoamento do litoral paranaense. empresa agrícola colonial. expansão territorial. contradições e conflitos no Brasil colônia. A formação da sociedade colonial Brasileira. relações sociais na colônia. os ameríndios no Paraná. trabalho: livre e escravo no Brasil e Paraná. o cotidiano escravo e a resistência à escravidão no Brasil e Paraná2º ANO Transição do feudalismo para o capitalismo A questão do trabalho no feudalismo e no capitalismo A Europa no século XVII – Poder do rei poder crescente da burguesia A expansão e o ciclo minerador no Brasil Cultura e o poder nas cidades mineiras O iluminismo (filosofia e religião) O liberalismo O trabalho na economia liberal (trabalho / riqueza)
  • 12. 11 Projeto Político Pedagógico 2010 A revolução industrial (trabalho / tecnologia) Conflitos na América Ibérica (poder e cultura) A revolução francesa (cultura / poder / trabalho) A independência da América Ibérica A independência do Brasil (poder / família) A Europa no séc. XIX A transição do Império a República3º ANO Brasil na 1ª República; 1ª Guerra Mundial; Revolução Russa; A crise de 1929 Nazismo, fascismo e Stalinismo. Limites das democracias ocidentais. A Gênese do Estado Novo no Brasil. 2ª Guerra Mundial Afirmação dos Estados Unidos e da União Soviética A formação do “blocos”; ONU, OTAN, Pacto de Varsóvia. O processo de descolonização. A Guerra fria e as “esferas de influências”. A nova divisão internacional do trabalho. As intervenções militares e Guerras localizadas. Consolidação do capitalismo monopolista. A industrialização Brasileira. A relação cidade / campo e o caso paranaense. O populismo na América Latina. O desenvolvimento na América Latina e no Brasil. As ditaduras militares. Lutas sociais nos países desenvolvidos. A organização dos trabalhadores do Terceiro mundo. Revolução: chinesa, cubana e nicaragüense. O socialismo contemporâneo. Movimento da Terceira via. Dívida externa e dependência. O Brasil contemporâneo na ordem internacional. Tecnologia e sociedade. A produção do conhecimento técnico e a reprodução das desigualdades sociais. Comunicação de massa e indústria cultural. Os movimentos da contra-cultura. Cultura e memória social. Crescimento populacional e recursos naturais. O homem e o mundo natural. A ameaça nuclear e o movimento anti-armamentista.METODOLOGIA: O ensino na área de história propiciará aos alunos pensar historicamente,desenvolvendo habilidades de interpretação de textos, de pesquisas, partindo deproblematizações, análise de documentos históricos, sempre desconstruindo o contexto,para perceber não só as informações que proporciona, como também o sentido oculto, seucontexto e seus silêncios, sua ligação maior com a sociedade e o tempo.
  • 13. 12 Projeto Político Pedagógico 2010 Os educandos farão do conhecimento histórico uma ferramenta paraconhecer o mundo de modo crítico e autônomo. A proposta terá um rompimento com a linearidade espaço-tempoutilizando-se de temas com levantamento de problemas selecionando os conteúdosestruturantes, Trabalho, Cultura, Poder e Espaço fazendo articulação com as categorias deanálise tempo e espaço. A História possibilitará reflexões a respeito dos contextos históricos em queos saberes foram produzidos e repercutiam na organização da sociedade não deixando defazer comparações com a realidade contemporânea. Para construir uma narrativa histórica, serão utilizadas: a narração, adescrição e a argumentação, incluindo a temática, “História e Cultura Afro-Brasileira eAfricana”, de acordo com a Lei 1.639/2003. A proposta será realizada com outras linguagens da história, partindo doconhecimento do aluno, trabalhando com atividades significativas e fazendo relação comconteúdos propostos, superando o tradicionalismo e a história linear colocado em outrosmomentos históricos. Possibilitando assim aos educandos reflexões a respeito doscontextos históricos em que os saberes foram produzidos.AVALIAÇÃO: A avaliação terá como objetivo superar a classificação; será um processocontínuo e diagnóstico de aprendizagem, no qual o aluno terá oportunidade de gerar novosconhecimentos e estabelecer comparações com o início do processo, verificando a suaaprendizagem. No processo serão utilizados instrumentos da avaliação formativa eprocessual, realizada durante o processo ensino-aprendizagem. O professor deveráacompanhar como cada educando se desenvolveu na apropriação do conhecimentohistórico. A recuperação de estudos será paralela, quando houver necessidade ostrabalhos e atividades os quais os educandos não apresentaram resultados satisfatórios,poderão ser refeitos.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:BOUTIN, Leônidas, 1925. Histórias paranaenses. 2ª ed. Curitiba: Editora do Chain, 2006.BRASIL, Ministério da Educação. Educação Africanidades Brasil. Universidade de Brasília – UNB. 2006.BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 1992.LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora Unicamp, 2003.PEDRO, Antonio. História da Civilização Ocidental: Geral e Brasil, integrada. São Paulo:FTD,1997.PETTA, Nicolina Luiza de. OJEDA, Eduardo Aparício Baez. História: Uma Abordagem Integrada. Volume único. São Paulo:Moderna, 2ª ed. 2003.PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi. História da cidadania. 3ª edição. São Paulo: Contexto, 2005.RIBEIRO, Darcy, 1922. Os índios e a civilização: A integração das populações indígenas no Brasil moderno. São Paulo:Companhia das Letras, 1996.RIBEIRO, Darcy, 1922-1997. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.TREVISAN, Edilberto. O Centro Histórico de Curitiba: sua formação – tentativa de localização de seus moradores. 1668-1853 –2ª ed. Curitiba: Ed. do Chain, 2006.VICENTINO, Cláudio. História Geral. São Paulo: Scipione, 2002 (ENSINO MÉDIO) .WACHOWICZ, Ruy Christowam. História do Paraná: Curitiba: Editora Gráfica Vicentina Ltda, 1988.Jornal mundo Jovem, Folha de Londrina.Orientações Curriculares DEM 2.006.
  • 14. 13 Projeto Político Pedagógico 2010GEOGRAFIAEMENTA: Análise do espaço geográfico produzido, apropriado pela sociedade;objetos naturais, culturais, técnicos e relações sociais, culturais, políticas e econômicasinter-relacionadas. A sociedade e a natureza abordadas como um par dialético. A produçãodo espaço pela sociedade por meio do trabalho.OBJETIVO GERAL: Permitir que o aluno desenvolva uma leitura crítica do mundo atual,possibilitar a compreensão das relações sócio-espaciais deste período histórico docapitalismo que quer a globalização econômica e, com ela, a fragmentação do espaço; darcondições para a apreensão das contradições e conflitos de toda ordem, implícitos eexplícitos no Espaço Geográfico.CONTEÚDOS:1º ANOConteúdos estruturantes: Dimensão econômica d produção do espaço Geopolítica Dimensão socioambiental Dimensão cultural e demográficaConteúdos Específicos: Dimensão socioambiental; A evolução do pensamento geográfico; Cartografia (escala, coordenadas geográficas, fusos horários); Os movimentos da Terra (translação e rotação); Estrutura geológica (dinâmicas internas e externas do relevo); Recursos naturais; Fatores do clima; As paisagens naturais e os Biomas; Águas; Questões ambientais (degradação ambiental, movimentos ambientalistas) e desenvolvimento sustentável.2º ANOConteúdos estruturantes: Dimensão econômica d produção do espaço Geopolítica
  • 15. 14 Projeto Político Pedagógico 2010 Dimensão socioambiental Dimensão cultural e demográficaConteúdos Específicos: Dimensão geopolítica (geopolítica, dinâmicas culturais e demográficas); Socialismo, Capitalismo e a Guerra Fria; Globalização; Internacionalização do Capital; Blocos econômicos; Conceito de subdesenvolvimento e desenvolvimento; Agropecuária; Indústria e recursos energéticos; Nacionalismo e etnias (Grupos separatistas); Regionalização do espaço.3º ANOConteúdos estruturantes: Dimensão econômica d produção do espaço Geopolítica Dimensão socioambiental Dimensão cultural e demográficaConteúdos Específicos: Dimensão Dinâmica Cultural, Economia da Produção; Aspectos Físicos do Brasil; Divisão Política e Administrativa do Brasil; Regiões Geoeconômicas; Aspectos populacionais do Brasil; Agricultura brasileira; Recursos naturais do Brasil; Atividade Industrial do Brasil; Meios de transporte do Brasil; Geografia do Paraná; Revisão dos conteúdos dos anos anteriores.METODOLOGIA: O estudo será por meio de livros textos e aulas explicativas, evoluindo paraos textos mais complexos, os conteúdos são enfocados de forma prática, facilitando suacompreensão, conscientizando-os quanto aos elementos formadores da sociedade, aatividade industrial e a integração do espaço nacional e mundial, países industrializados e
  • 16. 15 Projeto Político Pedagógico 2010subdesenvolvidos sociedades desiguais e espaços desiguais. Utilizando para alcançar estefim materiais como: Mapas; Atlas; Recursos áudio visuais; Aulas de campo; Pesquisas; Tecnologias disponíveis na escola.AVALIAÇÃO: A avaliação deve ser diagnóstica e continuada, para que seja respeitadasas diferenças de ensino/aprendizagem, responsabilidade e também o aprendizado peloeducando. A avaliação deve superar estas barreiras para melhor refletir a realidade doeducando e verificar sua aprendizagem. A recuperação paralela deve também ser continuada para não haverdefasagem entre os educandos. A avaliação deve ser tanto somativa quanto formativa, para isto deve-se tervárias formas de avaliação como: Leitura e interpretação de texto; Produção de texto; Participação em aula; Tarefas individuais e coletivas (maquetes, relatórios e aulas decampo); Avaliação processual (escrita e oral); Diária, contínua e somativa; Pesquisas; Seminários.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:ANDRADE, M. A. de; RIGOLIM, T. B. Geografia. São Paulo: Ed. Ática. 2005.ANDRADE, M. C. de Geografia Ciência da Sociedade. São Paulo: Atlas, 1987.ARAÚJO, Regina. Construindo a Geografia. Org. GUIMARÃES, Raul Borges e Ribeiro, Wagner da Costa. São Paulo: Moderna,1999.BRASIL. LDB – 9394/96 de 20/12/1996. Brasília, 1997.CASTELLAR, Sonia; MAESTRO, Valter. Geografia. 2ª ed. São Paulo: Quinteto, 2002.MOREIRA, Igor. O Espaço Geográfico – Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Ed. Ática. 2001.________, Construindo o Espaço. Obra em 4 vol. de 5ª a 8ª séries. São Paulo: Ed. Ática. 2000.PARANÁ. Diretrizes Curriculares de Geografia: para o ensino fundamental. Curitiba: SEED, 2006.SENE, E. de; MOREIRA, J.C..Geografia Geral e Brasil. São Paulo: Scipione, 1998.GARCIA, H.C., GARAVELO, T.M. GEOGRAFIA DE OLHO NO MUNDO DO TRABALHO. São Paulo: Scipione, 2005.
  • 17. 16 Projeto Político Pedagógico 2010ARTEEMENTA: As artes visuais como linguagem na educação em geral e escolar,articulada às questões sociais em diferentes contextos educativos e na vida dos cidadãos.Os recortes significativos das artes visuais.OBJETIVOS GERAIS: As disciplinas que trabalham os estudos relacionados a ARTE – EducaçãoArtística e Arte, tem como objetivo, possibilitar as experiências estéticas e compreendercomo aproximar e proporcionar o olhar estético para as produções artísticas e para ocotidiano. Tornar o educando sujeito na construção do conhecimento mediante acompreensão dos processos de trabalho, de criação, de produção e de cultura. Produzir uma educação pela arte que transmita significados que estãopróximos da vida concreta do educando. Este processo mobiliza tanto os significados e ossímbolos quanto os sentimentos e as experiências a que se propõe. Educar para uma sociedade mais justa e igualitária; transformando assim,sua realidade social.CONTEÚDOS: Cada linguagem artística possui uma história e elemento básico por meiodo qual ela se manifesta, ou seja: Música, Teatro, Dança e Artes Visuais. Destes elementosbásicos derivam-se os conceitos axiológicos e elementos de estética e metodológicos daarte, contemplando assim o Ensino Fundamental e Médio com uma abordagem crítica ecompleta da arte. No CEEP os conteúdos do Ensino Médio abordados em cada série são:1º ANO INTRODUÇÃO A FILOSOFIA DA ARTE: * Obra de Arte: Conceitos, elementos essenciais e leituras diversas. * Industria Cultural: Escola de Frankfurt; Subproduto e lixo pop. HISTÓRIA DA ARTE: * História Geral da Arte: Arte Pré-Histórica; Arte na Mesopotâmia e Egito;Arte Greco-Romana; Arte na Idade Média (Arte Bizantina & Gótica); Arte Renascentista. ARTES VISUAIS: * Forma: Composição, experimentação; suportes; espacialidade; texturas emovimento (dinâmicas, força, fluência e equilíbrio). * Luz: Decomposição da luz branca; cor (pigmento e percepção da cor);tons; valores e classificação das cores; sombras e luz; contraste. MÚSICA:
  • 18. 17 Projeto Político Pedagógico 2010 * Distribuição dos sons de maneira sucessiva e simultânea; qualidades dosom e suas variações (intensidade, duração, altura e timbre); estruturas musicais. TEATRO: * Elementos dramáticos: Personagem, enredo, espaço cênico. * Signos da Representação teatral: Da personagem; visuais; sonoros; doespaço cênico. * Gêneros Teatrais: Tragédia, Comédia, Drama e suas características. DANÇA:* Elementos do Movimento: corpo, espaço, ações dinâmicase relacionamentos.2º ANO HISTÓRIA DA ARTE: Renascentista, Maneirismo & Barroco; Rococó & Romantismo; ArteNeoclássica & Realismo; Impressionismo e Pós-Impressionismo. ARTES VISUAIS: * Forma: Composição, experimentação; suportes; espacialidade; texturas emovimento (dinâmicas, força, fluência e equilíbrio). * Luz: Decomposição da luz branca; cor (pigmento e percepção da cor);tons; valores e classificação das cores; sombras e luz; contraste. MÚSICA: * Distribuição dos sons de maneira sucessiva e simultânea; qualidades dosom e suas variações (intensidade, duração, altura e timbre); estruturas musicais. TEATRO: * Elementos dramáticos: Personagem, enredo, espaço cênico. * Signos da Representação teatral: Da personagem; visuais; sonoros; doespaço cênico. * Gêneros Teatrais: Tragédia, Comédia, Drama e suas características. DANÇA:* Elementos do Movimento: corpo, espaço, ações dinâmicase relacionamentos.3º ANO HISTÓRIA DA ARTE:
  • 19. 18 Projeto Político Pedagógico 2010 Vanguardas Européias; Op & Pop Arte; Arte Africana; História da ArteBrasileira: Arte Colonial (Missão Artística Holandesa, Arte Barroca e Missão ArtísticaFrancesa) Arte Moderna do Brasil (Semana de Arte Moderna, Tarsila do Amaral e DiCavalcanti); Década de 30 a 70 (Portinari, Grupo Santa Helena, Grupo dos 19,Abstracionismo no Brasil, Grupo Frente & Movimento Concretista; Grupo Neoconcreto); Arteindígena; Arte paranaense. ARTES VISUAIS: * Forma: Composição, experimentação; suportes; espacialidade; texturas emovimento (dinâmicas, força, fluência e equilíbrio). * Luz: Decomposição da luz branca; cor (pigmento e percepção da cor);tons; valores e classificação das cores; sombras e luz; contraste. MÚSICA: * Distribuição dos sons de maneira sucessiva e simultânea; qualidades dosom e suas variações (intensidade, duração, altura e timbre); estruturas musicais. TEATRO: * Elementos dramáticos: Personagem, enredo, espaço cênico. * Signos da Representação teatral: Da personagem; visuais; sonoros; doespaço cênico. * Gêneros Teatrais: Tragédia, Comédia, Drama e suas características. DANÇA:* Elementos do Movimento: corpo, espaço, ações dinâmicase relacionamentos. É importante destacar que na disciplina de Arte estes conteúdos sãoenfatizados na parte histórico-teórica, possibilitando ao educando maior capacidadecompetitiva em exames como vestibulares e concursos. Outro ponto a se destacar é que, nos conteúdos trabalhados serãoinseridos de forma temática as propostas governamentais de cultura afro-brasileira, culturada paz e outros.METODOLOGIA: O trabalho em sala de aula deve-se pautar pela relação que o ser humanotem com a arte: sua relação é de produzir arte, desenvolver um trabalho artístico ou desentir e perceber as obras artísticas. No espaço escolar, o objeto de trabalho é o conhecimento. Desta formadevemos contemplar na metodologia do ensino da arte estas três dimensões, ou seja,devemos estabelecer como eixo o trabalho artístico, que é o fazer, o sentir e perceber, quesão as formas de leitura e apropriação e o conhecimento, que fundamenta e possibilita aoaluno um sentir e perceber e um trabalho mais sistematizado, superando o senso comum doconhecimento empírico.AVALIAÇÃO:
  • 20. 19 Projeto Político Pedagógico 2010 Praticar uma avaliação formativa: integra quase que “naturalmente” a gestão das situações problemas. Trabalhar a avaliação formativa contextualizada. Trabalhar a avaliação contínua. Envolver os alunos na avaliação de suas competência, explicitando e debatendo os objetivos e critérios, valorizando a avaliação mútua. Os balanços de conhecimento e auto-avaliação. Avaliar: participação assiduidade, trabalhos, seminários, trabalhos em grupo, pesquisas. Avaliar todo o processo de participação. Avaliação prática do fazer crítico.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:ANDRADE, Ana Luiza; ALMEIDA, Tereza Virgínia de; ANTELO, Raul e CAMARGO; Mª Lúcia de Barros (org.) –“DECLÍNIO DA ARTE – ASCENÇÃO DA CULTURA”, Florianópolis – SC: Letras Contemporâneas e ABRALIC,1998.ARGAN, Giulio Carlo – “ARTE MODERNA (1909-1992)”, traduç. Dense Bottmann e Frederico Carotti. São Paulo– SP: Companhia das Letras, 1992.FISCHER, Ernst – “A NECESSIDADE DA ARTE”, traduç. Leandro Konder. 9ª ed. – Rio de Janeiro – RJ:Guanabara Koogan, 2002.GOMBRICH, Ernst Hans – “A HISTÓRIA DA ARTE – (1909-2001)”, traduç. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro – RJ:LTC, 2006.MARTINS, Mirian Celeste, PICOSQUE, Gisa e GUERRA, Mª Terezinha Telles – “DIDÁTICA DO ENSINO DEARTE – A LINGUA DO MUNDO: POETIZAR, FRUIR E CONHECER ARTE”, São Paulo – SP: FTD, 1998.NAVES, Rodrigo – “A FORMA DIFÍCIL”, 2ª ed., 3ª impress.São Paulo – SP: Editora Ática, 2001.RICHTER, Ivone Mendes – “INTERCULTURALIDADE E ESTÉTICA DO COTIDIANO NO ENSINO DAS ARTESVISUAIS”, Campinas – SP: Mercado de Letras, 2003.
  • 21. 20 Projeto Político Pedagógico 2010EDUCAÇÃO FÍSICAEMENTA: Estudo do corpo e suas relações nas dimensões: histórica, política,econômica, filosófica e social. Analise da cultura geral, cultura corporal, consciência corporale práticas corporais.OBJETIVOS GERAIS: Estudar a cultura corporal de movimento relacionando-o com a cultura porele produzida historicamente e a que ainda está por produzir. Além de buscar a formação deum sujeito critico por meio da participação nas atividades desenvolvidas nas aulas de modoconsciente.CONTEÚDOS: Na disciplina de Educação Física os conteúdos relacionados abaixo sãoabordados nas 3 séries. GINÁSTICA Alongamento; Ginástica localizada; A atividade física e a qualidade de vida; A influência do movimentar e do não movimentar na manutenção da qualidade de vida e a relação do mesmo com as doenças crônico-degenerativas; Capacidades físicas (força / resistência / potência muscular / flexibilidade); Sistemas energéticos; Controle de peso corporal; IMC; Noções nutrição x atividade física; Substratos energéticos (carboidratos, proteínas, etc.); Suplementos alimentares; Visão de corpo: modismos relacionados à estética corporal; IMC; Noções nutrição x atividade física; Substratos energéticos (carboidratos, proteínas, etc.); Suplementos alimentares; Visão do corpo: modismos relacionados á estética corporal; Influência da ditadura do corpo “perfeito” (anorexia, bulimia, vigorexia e anobalizantes). Programa de atividade física (condicionamento físico); Orientação postural (ginástica corretiva);
  • 22. 21 Projeto Político Pedagógico 2010 Qualidade de vida (saúde); Noções de fisiologia. JOGOS Jogos Recreativos; Jogos Intelectivos; Jogos Cooperativos; Jogos Competitivos; Diferenças entre jogos e esportes; Jogos de cunha tradicional ou popular. DANÇA Dança folclórica; Danças regionais; Dança de salão; Danças populares. ESPORTE Esportes coletivos e individuais: basquetebol, voleibol, futsal, atletismo, handebol, futebol; Outras modalidades esportivas; Diferença de esporte e educação física; Esporte rendimento e mídia; Relação do esporte com sistema financeiro; O que dos esportes é possível se trabalhar na Educação Física; História dos esportes específicos; Regras, fundamentos, técnica e tática; Saúde x esporte.METODOLOGIA: A metodologia a ser adotada é a proposta crítico-superadora, a qualassocia a dinâmica da sala de aula à intenção prática do aluno para uma maiorcompreensão da realidade. O professor organizará e reorganizará o seu trabalho visando as diversasmanifestações corporais, evidenciadas nas formas da ginástica, do esporte, da dança e daslutas. Os esportes devem ser trabalhados partindo do levantamento de suasraízes históricas, concepções e evolução social. Os jogos e as brincadeiras serão tratados a partir da realidade regional pormeio das expressões e manifestações características da região por meio do levantamentode dados, apresentações e exposições. A consciência corporal irá abordar situações do dia-a-dia, iniciando dasnoções que possui de corpo, destacando as características dos jovens e adolescentes,explorando as possibilidades de movimentos, estimulando a criatividade, a crítica e asuperação de limites.
  • 23. 22 Projeto Político Pedagógico 2010 A ginástica irá tratar do conhecimento histórico, suas origens e a suadisseminação no Brasil, assim como atividades específicas de ginástica utilizando música. Organização de eventos com a participação ativa dos alunos, nodesenvolvimento e na aplicação das atividades. A diversidade cultural será abordada por meio do conhecimento demanifestações culturais como a capoeira buscando o que ela representa na luta pelasrelações contrahegemônicas. Utilizar a leitura e a produção de textos para auxiliar o aluno a formarconceitos próprios a partir do seu entendimento da realidade bem como a associação comoutras áreas do conhecimento.AVALIAÇÃO: Avaliar, segundo a concepção de Educação Física adotada pelasDiretrizes, busca uma coerência entre a concepção defendida e as práticas avaliativas queintegram o processo de ensino aprendizagem, ou seja, ensino, aprendizagem e avaliaçãodevem ser vistos como integrantes de um mesmo sistema. A avaliação deve ser contínua,permanente e cumulativa. Sendo assim, cabe ao professor a partir da avaliação diagnóstica,planejar e propor encaminhamentos que visem a superação das dificuldades constatadas.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:ABRAMOVAY, M. e CASTRO, M. G.. Ensino médio: múltiplas vozes. Brasília: MEC, UNESCO, 2003.BARRETO, D.. Dança...: ensino, sentidos e possibilidades na escola. Campinas/SP. Autores Associados, 2004.BRACHT, V. [...et al.]. Pesquisa em ação: educação física na escola. Ijuí/RS. Editora Unijuí, 2003.BRACHT, V. e CRISÓRIO, R. (orgs.). A educação física no Brasil e na Argentina: identidade, desafios e perspectivas,Campinas/ SP. Autores Associados, 2003.BRACHT, V. e ALMEIDA, F. Q.. A política do esporte escolar no Brasil: a pseudovalorização da educação física. Campinas/SP. RBCE. Autores Associados, v. 24, p.87-101, 2003.___________. Educação física e aprendizagem social. Porto Alegre/RS. Magister, 1992.___________. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. Ijuí/RS. Editora Unijuí, 2005.___________. Educação física: conhecimento e especifidade. São Paulo/SP. Revista Paulista de Educação Física.Suplemento n. 2. 1996.CIAVATTA, M e FRIGOTTO, G. (orgs.) Ensino médio: ciência, cultura e trabalho, Brasília: MEC, SEMTEC, 2004.COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo/SP. Cortez, 1992.DAOLIO, J. . Educação física e o conceito de cultura. Campinas/SP. Autores Associados, 2004.DUARTE, N. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar, Campinas. SP.Caderno CEDES, v. 19, n.44, 1998.DUCKUR, L. C. B. . Em busca da formação de indivíduos autônomos nas aulas de educação física. Campinas/SP. AutoresAssociados, 2004.FILHO, L. C. . Política educacional e educação física. Campinas/SP. Autores Associados, 2002.KUNZ, E. (org.). Didática da educação física v. 1. Ijuí/RS. Editora Unijuí, 2003.KUNZ, E. (org.). Didática da educação física v. 2. Ijuí/RS. Editora Unijuí_______. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí/RS. Editora Unijuí, 2003._______. Educação física: ensino & mudanças. Ijuí/RS. Editora Unijuí, 2004.MORAES, A. C. . Orientações curriculares do ensino médio, Brasília: MEC, SEB, 2004.NANNI, D. . Dança da pré-escola à universidade. NETO, A. F., GOELLNER, S e BRACHT, V. . As ciências do esporte noBrasil. Campinas/SP. Autores Associados, 1995.SOARES, C. L. . Educação física: raízes européias e Brasil. Campinas/SP. Autores Associados, 2ª ed., 2001.
  • 24. 23 Projeto Político Pedagógico 2010INGLÊSEMENTA: A Língua Estrangeira (Língua Inglesa) como um meio que permite aoestudante ler, compreender e produzir textos. O uso da linguagem oral para comunicação noidioma inglês. Relação entre língua estrangeira e o processo de globalização.OBJETIVOS GERAIS: Compreender a interação da Língua Inglesa com o mundo globalizadodesenvolvendo maior consciência sobre sua importância. Promover a apreciação doscostumes e valores de outras culturas, contribuindo para desenvolver a percepção daprópria cultura por meio da compreensão da cultura estrangeira. Proporcionar condiçõespara a percepção da função interdisciplinar desempenhada pela língua estrangeira nocurrículo.CONTEÚDOS:1º ANO Apresentação de diversos textos para interpretação; Técnicas de leitura – Inglês Instrumental: “skimming, scanning and guessing”, cognatos e falsos cognatos (como auxiliar na compreensão); Review on: Personal and object Pronouns, To Be (present and past – affirmative, interrogative and negative forms); Present and Past Continuous; There to be – present and past; WH questions; Interrogative Pronouns; Simple Present – affirmative, negative and interrogative forms; Possessive Case; Possessive adjectives; Simple Past – regular verbs (affirmative, negative and interrogative forms); Plural e “nouns” Countable and uncountable nouns; Imperativo; Gêneros textuais (de acordo com o interesse e realidade da turma); HQs.2º ANO Inglês instrumental: retomada do conteúdo do 1º ano, marcadores discursivos, afixos. Simple Past – regular and irregular verbs (affirmative, negative and interrogative forms) (Review);
  • 25. 24 Projeto Político Pedagógico 2010 Possessive adjectives and possessive pronouns; “Going to” - future (affirmative, negative and interrogative forms); “Simple Future” (affirmative, negative and interrogative forms); Adverbs; Adjectives (uses); Conditional Would; Modal Verbs; Some propositions; Gêneros textuais (de acordo com o interesse e realidade da turma); Linguagem musical.3º ANO Retomada das estratégias de leitura (skimming, scamming and guessing); Retomada: Simple Present, Simple Past, Going to, Simple Future, Modal Verbs; Reflexive pronouns (uses); Reflexive pronouns; Present Perfect tense (affirmative, negative and interrogative forms); Present Perfect Continuous (affirmative, negative and interrogative forms); Question tag; Vocabulário musical; Phrasal verbs; Passive voice; Gêneros textuais (de acordo com o interesse e realidade da turma).METODOLOGIA: O conteúdo gramatical estabelecido será trabalhado de formacontextualizada, utilizando e revisando freqüentemente as técnicas de leitura. Os textostrabalhados serão de caráter “informativo”, “literário” e “atual”, proporcionando ao aluno oredimensionamento de conhecimento de mundo, permitindo que este seja exposto ainsumos instrumentais e discursivos e terá, então, as chaves que abrirão as portas para ummundo mais rico e certamente muito mais cosmopolita.AVALIAÇÃO: O aluno precisa ser envolvido no processo de avaliação, uma vez quetambém é construtor do conhecimento, seu esforço precisa ser reconhecido por meio deações como o fornecimento de “feedback” sobre seu desempenho e o entendimento do“erro” como parte integrante da aprendizagem. É fundamental a coerência entre o ensino e a avaliação, partesinseparáveis do processo, que é permeado por provas, trabalhos escritos, seminários eapresentações entre outros.
  • 26. 25 Projeto Político Pedagógico 2010REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:MURPHY, Raymond. English Grammar in Use. Cambridge, UK, Cambridge University Press (2003)RICHARDS, Jack. New Interchange – vol. 1, 2 e 3. Cambridge University PressNETO, Mitrano; LOUREIRO, Marise; ANTUNES, Mara Alice. Insight.FERRARI, Mariza; RUBIN, Sarah. Inglês para o Ensino Médio. Ed. Scipione.AMOS E PRESCHER. The New Simplified Grammar. Dichmond Publishing.PARANÁ, Governo do Estado. Diretrizes curriculares de Língua Estrangeira Moderna para o Ensino Médio. 2006PARANÁ, Governo do Estado – SEED. Língua Estrangeira Moderna - Espanhol e Inglês / vários autores. –Curitiba: 2006. – p. 256
  • 27. 26 Projeto Político Pedagógico 2010QUÍMICAEMENTA: Compreensão da química como um campo estruturado de conhecimentosque permite justificar fenômenos macroscópicos e microscópicos. Estudo das relações entreos elementos do ecossistema por meio dos conteúdos estruturantes: matéria e suanatureza, biogeoquímica e química sintética e também o desenvolvimento deconhecimentos aplicáveis ao sistema produtivo, industrial e agrícola.OBJETIVOS GERAIS: Reconhecer o papel da química e suas aplicações no nosso cotidiano,articulando o conhecimento científico tecnológico numa respectiva interdisciplinar.Reconhecer os aspectos químicos relevantes na interação individual e coletiva do serhumano com o ambiente e desenvolver as capacidades de criação e de crítica, utilizando asmais variadas linguagens para expressar o conhecimento científico construído.CONTEÚDOS:1º ANOMATÉRIA E SUA NATUREZA Estrutura da Matéria, substância, mistura, métodos de separação, fenômenos físicos; Estrutura atômica, distribuição eletrônica; Tabela Periódica; Ligações Químicas.QUÍMICA SINTÉTICA Química do Carbono; Hidrocarbonetos;2º ANOMATÉRIA E SUA NATUREZA Funções Químicas; Reações Químicas.BIOGEOQUÍMICA Soluções; Estudo dos Gases.3º ANOMATÉRIA E SUA NATUREZA Eletroquímica; Radioatividade.
  • 28. 27 Projeto Político Pedagógico 2010BIOGEOQUÍMICA Termoquímica; Cinética Química; Equilíbrio Químico.METODOLOGIA: Para abordar os conceitos de química serão considerados inicialmente àspré-concepções dos alunos. As fórmulas matemáticas devem ser compreendidas como umalinguagem e não como o objeto central da aprendizagem, visto que o objeto de estudo daquímica é as relações do homem com a natureza. O comportamento microscópico será explicado por meio de modelos. A experimentação é um recurso didático apropriado para promover acompreensão dos fenômenos químicos. Atividades como debates, produção de textos, desenhos e cartazesdeverão ser utilizados para expressar os conhecimentos construídos.AVALIAÇÃO: Avaliação da disciplina de Química deverá ser formativa e processual, comcaráter diagnostico e contínuo. Os instrumentos de avaliação a serem utilizados serão:leitura, interpretação de textos, leitura e interpretação da Tabela Periódica, pesquisabibliográfica, apresentação de seminários, visitas, atividades de campo, pesquisas,entrevistas, observações, etc.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química. Porto Alegre. Rio Grande do Sul: Artmed, 2001.BAUMLER, E. Um século de química. Melhoramentos. São Paulo.BRADY, J. e HUMISTON, G. E. Química Geral. LIVROS TÉCNICOS CIENTÍFICOS,1981.CHASSOT, A. I. Catalisando Transformações na Educação. Ijuí RS, Unijuí, 1993.CHASSOT, A . A ciência através dos tempos. São Paulo: Editora Moderna, 1997.CHASSOT, A. educação conSciência. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003.CHASSOT, A . PARA QUE(M) é útil O ENSINO. Canoas: Ed. Da Ulbra, 1995.HENRY, J. A revolução cientifica e as origens da ciência moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1998.KOSIK, K. Dialética do Concreto. São Paulo: Paz e Terra, 1969.KUWABARA, I. Química. In: KUENZER, A. Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. 3. ed. SãoPaulo: CORTEZ, 2002. p. 152 - 161.MORTIMER, E. F.e MACHAD0, A. H. Química para o ensino médio: volume único. 1.ed. São Paulo: SCIPIONE, 2002.NANNIN, R.; Revista Eletrônica de Ciências: v.26, Mai 2004.NOVAIS, V. Química. São Paulo: ATUAL, 1999. v. 1.PINTO, A . Ciência e Existência. São Paulo: Paz e Terra, 1969.QUAGLIANO, J.V.e VALLARINO, L.M .Química. 3 ed. GUANABARA DOIS, 1979.RODRIGUES, C. M. Guia de los estudios universitarios – Química. EDICIONESUNIVERSIDAD DE NAVARRA, 1977.ROSSI, P. O nascimento da ciência moderna na Europa. Bauru:EDUSC,2001.SANTOS, W. L. P.e MÓL, G.S.; Química e Sociedade: cálculos, soluções e estética. São Paulo: Nova Geração, 2004.SANTOS, W. L .P. e MORTIMER, E.F. ENSAIO - Pesquisa em Educação em Ciências. Uma análise de pressupostos teóricosda abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira, v.2, n.2, Dez.2002.SARDELLA, A. ; FALCONE, M. Química: Série Brasil. São Paulo: ÁTICA, 2004.SARDELLA, A. ; MATEUS, E. Dicionário Escolar de Química. 3.ed. São Paulo: ÁTICA, 1992.VANIN, J. A. Alquimistas e químicos: o passado, o presente e o futuro. São Paulo : MODERNA, 2002.
  • 29. 28 Projeto Político Pedagógico 2010FÍSICAEMENTA: A Física como um campo estruturado de conhecimentos que permite acompreensão dos fenômenos físicos que cercam o nosso mundo macroscópico emicroscópico. O Universo como objeto de estudo da Física: sua evolução, suastransformações e as interações que nele se apresentam. O quadro conceitual de referência da Física em três campos de estudo:Movimento, Termodinâmica e Eletromagnetismo.OBJETIVOS GERAIS: Construir um ensino de Física centrado em conteúdos e metodologiascapazes de levas os estudantes a refletir sobre o mundo das ciências sob a perspectiva deque esta ciência não é fruto apenas da pura racionalidade científica. Assim, busca-secontribuir para o desenvolvimento de um sujeito crítico, capaz de admirar a beleza daprodução científica e compreender a necessidade deste conhecimento para entender ouniverso de fenômenos que o cerca, percebendo a não neutralidade de sua produção, bemcomo os aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais desta ciência, seucomprometimento e envolvimento com as estruturas que representam esses aspectos.CONTEÚDOS:1º ANO Observamos que os conteúdos abaixo relacionados não precisam sertrabalhados na ordem listada. A Física como ciência experimental; Evolução da Física; Importância da Física; Lei Física; Métodos da Física; Cinemática Escalar; O que é cinemática; Ponto material e corpo extenso; Repouso, movimento e referencial; Trajetória e posição escalar; Deslocamento e caminho percorrido; Velocidade escalar e instantânea; Movimento uniforme; Função horária;
  • 30. 29 Projeto Político Pedagógico 2010 Gráficos da velocidade; Equação de Torricelli; Movimento Uniformemente Variado; Aceleração; Movimento acelerado; Movimento retardado; Composição de Movimentos; Vetores; Operações com vetores; Força e movimento; Força; Leis de Newton; Aplicação das Leis de Newton; Plano inclinado; Energia; Trabalho de uma força; Trabalho da força peso; Energia potencial; Impulso e quantidade de movimento; Princípio da conservação da quantidade de movimento; Algarismos significativos; Gravitação Universal; Hidrostática; Conservação da energia; Movimento relativo; Introdução sobre Física Moderna.2º ANO Observamos que os conteúdos abaixo relacionados não precisam sertrabalhados na ordem listada. Termometria; Escalas termométricas; Dilatação térmica; Calorimetria; Calor latente, sensível e específico; Termodinâmica; Transmissão de calor;
  • 31. 30 Projeto Político Pedagógico 2010 Óptica geométrica; Leis de reflexão; Estudo dos espelhos planos; Estudo dos espelhos esféricos; Prismas; Lentes esféricas e delgadas; Instrumentos ópticos; Óptica de visão; Radiação Térmica; Espectro de energia; Efeito foto elétrico; Aplicações da Física Moderna.3º ANO Observamos que os conteúdos abaixo relacionados não precisam sertrabalhados na ordem listada. ELETROSTÁTICA Primeiros conceitos Carga elétrica Processos de eletrização FORÇA ELÉTRICA Lei de Coulomb CAMPO ELÉTRICO Linhas de força; Campo elétrico de uma carga; Campo elétrico de várias cargas; TRABALHO E POTENCIAL ELÉTRICO Trabalho de uma força elétrica; Energia potencial elétrica; Potencial elétrico; Diferença de potencial; CAPACITORES Energia armazenada em um capacitor; Capacitor plano; Associação de capacitores; CORRENTE ELÉTRICA Sentido da corrente elétrica;
  • 32. 31 Projeto Político Pedagógico 2010 Tipos de corrente elétrica; Efeitos de corrente elétrica; Elementos de um circuito elétrico. ESTUDO DE RESISTORES Resistência elétrica; Leis de Ohm; Potência elétrica dissipada; Associação de resistores: série, paralela e mista ESTUDO DOS GERADORES Gerador; Rendimento de um gerador; ESTUDO DOS RECEPTORES O que é um receptor; Balanço energético; Física Moderna; Teoria da Relatividade; Teoria Quântica; Partículas elementares.METODOLOGIA: Partir do conhecimento prévio dos estudantes a respeito do conteúdo científico, levantado a partir de investigação feita pelo professor. A mediação entre o estudante e o professor se dará pelo conhecimento físico, processo organizado e sistematizado pelo professor. Igualmente importante é considerar o cotidiano do estudante.; Considerar a História que mostra a evolução das idéias e conceitos físicos, assim como a História Geral, de modo que destaque a neutralidade da produção científica, suas relações externas, sua interdependência com os sistemas produtivos, os aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais desta ciência; Os modelos matemáticos como construção humana, uma aproximação dos fenômenos físicos, com limite de validade delimitado pela conjetura utilizada para a construção do modelo, portanto não para todas as situações; A importância de considerar a Filosofia da Ciência no ensino de Física. Afastar-se do mito cientificista sem negar o valor da Ciência; A experimentação como uma metodologia de ensino; No desenvolvimento teórico considerar a Física como um campo disciplinar de conhecimento. Assim, os conceitos físicos devem ser concebidos, independentes da metodologia utilizada, a partir do referencial teórico. Lembrar que Física clássica, Física Moderna e Contemporânea são nomes dados devido limitações temporais; O contemporâneo dever ser pensado como a abordagem atual de um conteúdo. Não se trata de aplicações tecnológicas de um conteúdo físico. Na opção por
  • 33. 32 Projeto Político Pedagógico 2010 uma tecnologia, o conteúdo físico deve receber destaque; Esse campo disciplinar mantém relações com outras disciplinas, portanto é adequado realizar um trabalho multidisciplinar.AVALIAÇÃO: Ao avaliar o professor de física deve considerar a compreensão do alunoda relação do homem com a natureza, assim como os conhecimentos construídos quantoaos aspectos históricos, conceituais e culturais, a evolução das idéias em Física e a nãoneutralidade da ciência. Deve-se buscar, sempre uma avaliação do processo de aprendizagemcomo um todo, não só para verificar a apropriação do conteúdo mas para, a partir dela, oprofessor encontrar subsídios para intervir.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:CARRON, W. Física: volume único. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 2003. (coleção Base)CHASSOT, Attico. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 1995.EINSTEIN, Albet; INFELD, Leopoldo. A evolução da Física. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.GLEISER, Marcelo. A dança do Universo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.GREF (Grupo de Reelaboração do Ensino de Física) Física. São Paulo: Edusp, 1993. 3 volumes.HALLIDAY, David et al. Fundamentos da Física. 4.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1995. 4volumes.HAZEN, Robert M.; TREFIL, James. Saber Ciência. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.HEWITT, Paul G. Física conceitual. 9.ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.TIPLER, Paul A. Física. 4.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2000. 3 volumes.TOLEDO, Paulo A. Soares. O mundo das cores. São Paulo: Moderna, 1995. (Col. Desafios)AMALDI, Ugo. Física: Imagens da Física. São Paulo, Editora Scipione, 1995.BISCUOLA, Gualter José; Maiali, André Cury. Física. São Paulo, Editora Saraiva, 1997. Volume único, 2ª edição.BONJORNO, Regina Azenha. Física Fundamental: 2º grau, São Paulo, Editora FTD, 1999.CARROM, Wilson; GUIMARÃES,Osvaldo. As faces da Física. 2.ed. São Paulo: Moderna. 2002.GASPAR, Alberto. Física 1: Mecânica. São Paulo, Editora Ática, 2000.GASPAR, Alberto. Física 2: Ondas, Óptica e Termodinâmica. São Paulo, Editora Ática, 2000.GASPAR, Alberto. Física 3: Eletromagnetismo, Física Moderna. São Paulo, Editora Ática, 2000.GONÇALVES FILHO, Aurélio. Física e Realidade: Eletromagnetismo. São Paulo, Editora Scipione, 1997. Volume 3.GONÇALVES FILHO, Aurélio. Física e Realidade: Física Térmica e Óptica. São Paulo, Editora Scipione, 1997. Volume 2.GONÇALVES FILHO, Aurélio. Física e Realidade: Mecânica. São Paulo, Editora Scipione, 1997. Volume 1.GREF (Grupo de Reelaboração do Ensino de Física). Física 1: Mecânica. São Paulo, Edusp, 1999.GREF (Grupo de Reelaboração do Ensino de Física). Física 2: Termodinâmica e Óptica. São Paulo, Edusp, 1999.GREF (Grupo de Reelaboração do Ensino de Física). Física 3: Eletromagnetismo. São Paulo, Edusp, 1999.MÁXIMO, Antônio. Curso de física. 5.ed. São Paulo: Scipione. 2000. 3 volumes.OLIVEIRA, Geraldo Fulgêncio de. Física: Uma Proposta de Ensino. São Paulo, Editora FTD, 1997.PARANÁ, Djalma Nunes. Física. São Paulo: Ática, 1999.RAMALHO JR, Francisco. Os fundamentos da física. 7.ed. São Paulo: Editora Moderna, 1999. 3 volumes.Sites indicados para consulta:http://www.adorofisica.com.br/index.htmlhttp://www.amasci.com/miscon/miscon.htmlTrata-se dos “mitos da ciência”, em especial sobre a Física, explicando equívocos sobre ciência encontrados em livros, na cultura popular e namídia (em inglês).http://www.prossiga.br/prossigabrasil/Site Prossiga Brasil, programa do CNPq que é um portal de informação brasileira em ciência e tecnologia. Contém links para diversas instituiçõesde pesquisa e tecnologia e universidades do Brasil e diversas informações sobre pesquisas, pesquisadores, cursos, etc.http://www.feiradeciencias.com.br/Site do prof. Luiz Ferraz Neto. Tudo sobre Feiras de Ciências, com inúmeras experiências, orientações e artigos.http://www.egroups.com/list/ciencialist/ Listas de discussão sobre Ciência.http://fisica.ufpr.br/ntnujava/Site do Prof. Fu-Kwun Hwang, do departamento de Física da Universidade Federal do Paraná. Contém dezenas de animações em Javaenvolvendo as diversas áreas da Física.
  • 34. 33 Projeto Político Pedagógico 2010http://www.cdcc.sc.usp.br/Site do CDCC (Centro de Divulgação Científica e Cultural). Visite, em especial, o Setor de Física e o Programa Educ@r.http://www.sbf.if.usp.brSociedade Brasileira de Física (SBF).http://www.colorado.edu/physics/2000/cover.htmlSite Physics 2000, da University of Colorado. Contém várias aulas de Física recheadas de animações (em inglês).http://www.planetafisica.net/Neste site é possível encontrar um pouco de tudo sobre física (teoria, histórico, biografias de cientistas, exercícios, vestibulares, etc.http://www.canal-1.com.br/personal/almino/fisica.htmSite pessoal do professor Aldino Brasil de Souza. Contém resumos, dicas, fórmulas, história da Física, sistemas de unidades, curiosidades, etc.http://www.eciencia.usp.br/Centro de difusão científica, tecnológica e cultural da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP.http://mesonpi.cat.cbpf.br/verao98/marisa/GoPEF.htmlGrupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC – SP.http://www.sbf.if.usp.br/Link da Sociedade Brasileira de Física.http://tritium.fis.unb.br/cgrad/www/pqhp.htmAqui você pode encontrar uma infinidade de outros links de Física no mundo. Você pode escolher por país.http://www.fisica.ufc.brPágina do departamento de Física da Universidade Federal do Ceará. Contém sugestões para feiras de ciências, textos diversos sobre ciências,provas de olimpíadas de Física, programas, etc.http://www.terra.com.br/fisicanet/Site do professor Alberto Ricardo Pr¬ss. Contém várias sugestões para Feiras de Ciências, provas de vestibulares e simuladas, enciclopédia,biografias, simulações, dicas e textos sobre Física Moderna, Biofísica, Astronomia, etc.http://www.phys.ufl.edu/~phy3054/Welcome.htmlSite Physics 2 do prof. Selman Hershfield da Universidade da Flórida (University of Florida). Contém várias simulações direcionadas às aulasmultimídia para um curso de introdução à Física. É possível, também, acessar textos digitalizados de aula (em inglês).http://www.if.usp.br Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP).http://www.ifi.unicamp.br/~accosta/Site do Instituto de Física da Universidade Estadual de Campinas. Entre outros assuntos é possível encontrar fotografia, holografia, astronomia,biografias e curiosidades.http://educar.sc.usp.br/youcan/Versão brasileira do site do Mundo de Beakman, cujo programa de TV é muito famoso, mantida pelo Centro de divulgação Científica e Cultural daUSP-São Carlos. Possui respostas a diversas perguntas e demonstrações interativas de ciências em geral.http://home.onestop.net/ciencia/Site Ciência em Resumo. Publicação bimestral, com traduções e adaptações de artigos científicos, de algumas das principais revistas do mundo.Apesar da ênfase em Biologia, tem muito de Física também.http://ludoteca.if.usp.brA Experimentoteca-Ludoteca é um núcleo de trabalho e pesquisa do Instituto de Física da USP. Permite acesso ao Projeto Ripe (Rede deInstrumentação para o Ensino), ao Scite (Central de recursos para professores e estudantes), e oferece download de programas interessantes.http://www.conviteafisica.com.br/Site Convite à Física, contém textos, biografias, experimentos, dicas, links, dúvidas, eventos, etc.http://www.fisica.ufpb.br/~romeroSite do prof. Romero, da UFPB, com muitas indicações de animações e textos.
  • 35. 34 Projeto Político Pedagógico 2010FILOSOFIAEMENTA: Pretende-se desencadear nesta disciplina as provocações para a formaçãodo ser humano na sua totalidade, considerando que o aluno é o sujeito aprendizagem e estáinserido em um contexto social, político e econômico. Como a escola prepara os indivíduospara o desempenho de papéis sociais, deve primar pela integração ao cotidiano dacomunidade onde atua e, neste sentido esta disciplina desempenha importante papel. Assim, a partir dos conteúdos estruturantes apresentados nas DiretrizesCurriculares, o educando tem possibilidade de perceber e identificar-se com o meio em quevive e com o de sua escola, projetando suas possibilidades de integração social escudadoem conhecimentos diversificados. Destarte, ampliam-se as possibilidades para o surgimentode cidadãos com uma postura mais crítica em relação a esses desafios educacionaisintegradores.OBJETIVOS GERAIS Oportunizar o questionamento, a discussão e o debate, com a finalidadede desenvolver o encadeamento do raciocínio lógico e a capacidade de análise crítica parainterpretar e encaminhar soluções de problemas que necessitem de investigação crítica eracional, além de provocar indagações sobre os princípios fundamentais relacionados aomundo e ao homem. A disciplina de Filosofia apresenta uma dualidade entre o ensino deFilosofia e o Filosofar, com aspectos que abrangem valores éticos, políticos, estéticos,históricos e epistemológicos. Com esta dualidade atuante, a Filosofia pode viabilizarinterações com as demais disciplinas e até provocar, no educando, preocupaçõesambientais, no sentido de que é este Sujeito em formação, habitante do planeta, quemdeverá ser o agente transformador da forma de existir no futuro, uma vez que já se percebea exaustão planetária provocada pelo modus vivendi disseminado pelo capitalismo mundial. A Escola deve ser o palco para o exercício da prática filosófica de pensar,refletir e orientar-se dentro de um encadeamento do raciocínio lógico, no sentido de que énecessário analisar a existência deste ser adolescente em formação e as implicações sócio-políticas de sua existência dentro de um contexto que o molda e que é por ele moldado. Para isso, urge a formação de cidadãos críticos com conhecimentosradicais de um ideal político que busque a universalidade de uma sociedade ciosa de suasleis e de seus valores morais.CONTEÚDOS ESTRUTURANTES Conteúdos estruturantes de Filosofias são conhecimentos basilares destadisciplina, que se constituíram historicamente, em contextos e sociedades diferentes, masque neste momento ganham sentido político, social e educacional, tendo em vista oestudante de Ensino Médio. As Diretrizes Curriculares propõem a organização do ensino de Filosofiapor meio dos seguintes conteúdos estruturantes:
  • 36. 35 Projeto Político Pedagógico 2010 • Mito e Filosofia; • Teoria do Conhecimento; • Ética; • Filosofia Política; • Filosofia da Ciência; • Estética.DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS:1º ANOMITO E FILOSOFIA - Saber mítico – a origem de todas as coisas. - Saber filosófico - Nascimento da Filosofia. - Passagem do Mito ao Logos – A razão filosófica. - Filósofos da antiguidade. - Do senso comum ao senso crítico ou filosófico. - O que é filosofia? - A questão do conhecimento. - Razão filosófica e razão científica. - A Filosofia como exercício da ironia. - Declaração de Paris para a Filosofia. - Preconceito e reflexão Filosófica. - O que é esclarecimento?TEORIA DO CONHECIMENTO. - Possibilidades do conhecimento. - O conhecimento como justificação teórica. - As fontes do conhecimento. - Platão e Protágoras: relativismo e racionalismo. - O problema da verdade: conhecimento como justificação teórica. - Filosofia e método. - Filosofia e história. - Filosofia e matemática. - A lógica aristotélica. - Descartes e as regras para bem conduzir a razão. - Hume e a experiência no processo do Conhecimento. - Kant e a crítica da razão. - Conhecimento e Lógica.
  • 37. 36 Projeto Político Pedagógico 20102º ANO ÉTICA - Pluralidade Ética. - Ética e felicidade. - Ética e moral. - A amizade como questão para a ética. - A amizade e a justiça. - Amizade e sociedade. - O homem: animal e racional. - Liberdade como autonomia do Sujeito. - Razão, desejo e vontade: os limites da liberdade. - A necessidade das normas. - Jean-Paul Sartre: A existência precede a essência. - O homem é liberdade - A necessidade das normas. - Senso comum éticoFILOSOFIA POLÍTICA - O preconceito contra apolítica e a política de fato. - O Ideal político. - Democracia: a esfera pública. - Política e retórica. - Maquiavel e o poder. - Política e Ética. - Política e poder. - Política e violência – O estado como detentor do monopólio daviolência. - Relação entre violência e poder. - Desigualdade social e violência no Brasil. - Política e ideologia. - Direitos sociais e violência. - A propriedade privada como fundamento da liberdade. - A representação política. - A crítica de Marx ao liberalismo. - Marx e a liberdade. - Republicanismo – Liberdade como não dominação. - A lei como garantia da liberdade. - Cidadania formal e/ou participativa.
  • 38. 37 Projeto Político Pedagógico 20103º ANO FILOSOFIA DA CIÊNCIA - O que é Ciência? - Filosofia e Ciência. - Senso comum e Ciência. - A Filosofia da Ciência como estudo da metodologia científica. - Diferença entre Ciência comum e Ciência revolucionária. - Revoluções científicas. - Progresso da Ciência. - Ciência e Ética: Bioética. - Bioética e aborto. - Educação sexual. - Ciência e ideologia.ESTÉTICA - Filosofia e Arte. - Reflexões sobre a beleza na história da humanidade. - Baumgarten e o belo. - O mercado do gosto – Industria cultural. - O gosto como um fato social. - O juízo de gosto na filosofia. - O juízo do gosto na arte. - A universalização do gosto. - Exigências para o bom gosto. - Arte e sociedade. - Necessidade da arte. - O sentido da imagem. - O cinema como expressão de visão do mundo. - Estética e sociedade.ENCAMINHAMENTOS METODOLÓGICOS Adota-se nessa unidade escolar o Livro Didático Público de Filosofia,como guia dos conteúdos, enriquecido com textos da atualidade e notícias da imprensaescrita. Segundo as Diretrizes Curriculares de Filosofia, o trabalho com os conteúdosestruturantes e seus correspondentes conteúdos específicos, tendem a acontecer em quatromomentos distintos: - mobilização para o conhecimento: provocação e motivação dainvestigação filosófica;
  • 39. 38 Projeto Político Pedagógico 2010 - problematização: desenvolvimento do questionamento ao identificar eanalisar os problemas decorrentes da abordagem inicial. - investigação: desenvolvimento da elaboração de análises eaprofundamento da situação proposta, observada a superficialidade inicial. Este é umgrande passo na experiência filosófica: mergulhar no questionamento. - criação de conceitos: análise de diferentes maneiras de enfrentar oproblema, ocasião em que o aluno tem condições de criar textos com suas consideraçõessobre o conteúdo abordado. É o momento rico da criação de uma linguagem deentendimento e esclarecimento da situação e do problema.AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM E CRITÉRIOS A avaliação deve servir tanto como instrumento para o processoensino/aprendizagem como para a prática pedagógica do educador, ocupando espaços defixação de conteúdos, com intervenções que façam ligações com a realidade econômica,política e social da comunidade. Para tanto, deve-se procurar inovações no processo deavaliação, com a diversificação dos instrumentos de avaliação e fazendo com que o alunotenha clareza de como está sendo avaliado. Após a avaliação o professor deverá fazer asintervenções necessárias. Deve-se utilizar vários instrumentos de avaliação e o aluno deve terclareza de como será avaliado. No cotidiano escolar, a avaliação é parte do trabalho dosprofessores, inclusive para a fixação de conteúdos. No Plano de Trabalho Docente, oplanejamento será resultado desta análise, com a adoção das seguintes características: ▪ Solicitação de Atividades Complementares de acordo com o avançonos conteúdos básicos, notadamente na exigência da produção de textos. ▪ Promoção de debates sobre os temas apresentados pelos conteúdos epor acontecimentos na sociedade regional e notícias de relevância no plano nacional einternacional e principalmente sobre o meio ambiente. ▪ Avaliação principal dividida em três partes: Trabalho de pesquisa,Produção textual e Prova escrita, com questões objetivas e dissertativas. Qualquer umadas três modalidades será aplicada como recuperação paralela de conteúdos,independentemente dos valores de nota alcançados. ▪ Se a avaliação resultar negativa, aplicar-se-á uma prova escrita comconsulta aos conteúdos estudados e com análise pontual. ▪ A Avaliação através das Atividades Complementares tem o valormáximo de 4,0 (quatro), portanto representa até 40% do valor da nota.
  • 40. 39 Projeto Político Pedagógico 2010 ▪ Avaliação principal tem o valor máximo de 6,0 (seis), portanto vale até60% da nota.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASARANHA, M. L. A. e MARTINS, M. H. P. FILOSOFANDO. SP: Ed. Globo, 1994.________. Temas de Filosofia. SP: MOderna, 1994.ARISTÓTELES. METAFÍSICA. Porto Alegre: Ed. Globo, 1969.BOFF, Leonardo. Saber cuidar. RJ: Vozes, 1999.BLACKBURN, S. Dicionários Oxford de Filosofia. RJ: Jorge Zahar Editor, 1997.CHAUÍ, Marilena. O que é Ideologia. SP: Brasiliense, 1995.DESCARTES. Discurso do Método. Os Pensadores. SP: Nova Cultural, 1996.FERRATER MORA, José. Dicionário de Filosofia. SP: Martins Fontes, 2001.GARDNER, Howard. A Nova Ciência da Mente. SP: EDUSP, 1995.HEEMANN, Ademar. Natureza e Ética. Curitiba: UFPR, 1998.HUISMAN, Denis. Dicionário de Obras Filosóficas. SP: Martins Fontes, 2000.HUME, D. Investigação acerca do Entendimento Humano. SP: Nova Cultural, 1989.JAPIASSU, H. e MARCONDES. Dicionário Básico de Filosofia. RJ: Jorge Zahar, 1993.KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1994.LOCKE, John. Ensaio acerca do Entendimento Humano. SP: Nova Cultural, 1997.PLATÃO. A REPÚBLICA. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.PRÉ-SOCRÁTICOS. Vida e Obra in Os Pensadores. SP: Nova Cultural, 1996.REALE, Giovanni. História da Filosofia Antiga, Vol. I. SP: Ed. Loyola, 1993.________. História da Filosofia Antiga, Vol. II. SP: Loyola, 1994.________. História da Filosofia Antiga, Vol. V. SP: Loyola, 1995.ROSS, David. Aristóteles. Lisboa: Dom Quixote, 1987.SADER, Emir. O desafio ambiental. RJ: Record, 2004.SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos. SP: IEB, 2005.VÁRIOS AUTORES. Livro Didático Público de Filosofia. Curitiba: SEED-PR, 2006.VÁSQUEZ, Adolfo S.. (2007) FILOSOFIA DA PRÁXIS. SP: Expressão Popular.
  • 41. 40 Projeto Político Pedagógico 2010SOCIOLOGIAEMENTA: Estudo das relações sociais visando a conquista da cidadania promovendouma reflexão transformadora da realidade social em que se encontra inserido.OBJETIVOS GERAIS: A sociologia crítica pretende possibilitar o entendimento da totalidadesocial como um fenômeno contraditório; possibilitar ao aluno compreender a dinâmica dasociedade como resultado das relações sociais que se complementam e se conflitam demodo que se perceba nelas um elemento ativo; proporcionar a concepção de cidadaniacomo uma prática transformadora.CONTEÚDOS:1ª SÉRIE O Surgimento da Sociologia e Teorias Sociológicas o A consolidação do capitalismo e a ciência da sociedade; o Sociologia no cotidiano; o Sociologia no Brasil; o Teorias Sociológicas (positivista-funcionalista; compreensiva e dialética). Processo de Socialização e Instituições Sociais o sociabilidade e socialização; o contatos sociais; o processos sociais; o aparelho de reprodução social ideológico (família, igreja e escola) e repressora (exército, polícia, prisão, direito/tribunal). o Sexualidade e Casamento; o Sexualidade e individualidade: O amor romântico e a modernidade; o Sexualidade e sociedade: Moral sexual e ordem social; o Sexo, procriação e família; o Sexo e Mercado; o Sexo e Liberdade.2ª SÉRIE Cultura e Indústria Cultural o Cultura e ideologia; o valores culturais brasileiro; o relações entre cultura erudita e popular;
  • 42. 41 Projeto Político Pedagógico 2010 o indústria cultural no Brasil; o relações entre educação e cultura; o movimentos de contracultura Trabalho, Produção e Classes Sociais o Modos de produção ao longo da história; o trabalho no Brasil; o trabalho e as desigualdades sociais; o trabalho e o lazer; o trabalho e mobilidade social.3ª SÉRIE Poder, Política e Ideologia o Relações de poder no cotidiano; o importância das ações políticas; o conceito de democracia; o autoritarismo; totalitarismo; o poder, ideologia, dominação e legitimidade; o avanço global da democracia liberal; o as diferentes formas de Estado; o expressões da violência nas sociedades contemporâneas. Direito, Cidadania e Movimentos Sociais o Conceito de direitos humanos; o contexto histórico do surgimento dos direitos humanos; o Declaração Universal dos Direitos Humanos; o características dos direitos humanos; o conceito de direitos humanos; o cidadania e movimentos sociais; o movimentos sociais no Brasil.METODOLOGIA: A disciplina de sociologia irá discutir a diversidade social e cultural. Paraisso o professor utilizará os seguintes procedimentos de ensino: análise e discussão de documentários, filmes e entrevistas; leitura e análise de textos; debates; aulas expositivas;
  • 43. 42 Projeto Político Pedagógico 2010 análise de periódicos; produção de textos; dramatização; mesa redonda; confecção de desenhos; relatórios; reflexão sobre os conteúdos trabalhados; pesquisas; trabalhos em grupo; participação em debates e palestras; elaborar, participar e apresentar seminários.AVALIAÇÃO: A avaliação será continua e permanente utilizando os seguintesinstrumentos: análise de textos produzidos pelos alunos; relatórios; participação doeducando em palestras, debates e trabalhos em grupo; dramatização; provas escritas eorais.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:ARANTES, Antônio. O que e cultura popular. São Paulo: Brasiliense, 1990.ARAÚJO, Luiz Bernardo Leite. Religião e modernidade em Habermas. São Paulo: Loyola,ARENDT, Hannah (1968) Entre o Passado e o Futuro, São Paulo: Perspectiva.DURHAN, Eunice. Família Operária: consciência e ideologia. Dados: Revista de Ciências Sociais, v.23, n.2, p.201-213, 1980.ABRAMOVAY, Ricardo. O que é fome? São Paulo: Brasiliense, 1991.BENEVIDES, Maria V. de Mesquita. Cidadania Ativa. São Paulo: Ática, 1994BERGER, Peter I. e LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. 14ª edição. Petrópolis: Vozes, 1997.BERGER, Peter I. Perspectivas Sociológicas – uma visão humanística. 3ª edição. Petrópolis: Vozes, 1976.BOAS, Franz. Antropologia Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.BOBBIO, Norberto. As teorias das formas de governo. Brasília: UNB, 1985.BOURDIEU, P. (1997). Sobre a Televisão. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.BOURDIEU, Pierre (coord). A Miséria do Mundo. 2a. ed. Petropólis, RJ: Vozes, 1998.Lisboa : DIFEL, 1989.BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que e folclore. São Paulo: Brasiliense, 1989.BRASIL. GOVERNO FEDERAL. Lei n.º 9.394 20 de Dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoNacional.Brasil. Rio de Janeiro: Record, 2000.BRASIL.MEC.C.N.E. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Área Ciências Humanas e suas Tecnologias,Brasília, DF, 1999CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de Muros. São Paulo: Editora 34, 2000.CASTELLS, Manuel. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000.CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.Chauí, Marilena. Convite a Filosofia. 7ª ed. São Paulo: Atica, 2001.COHN, Gabriel (org.) Para Ler os Clássicos. Rio de Janeiro: livros técnicos e científicos, 1977COHN, Gabriel. Crítica e Resignação: fundamentos da sociologia de Max Weber. São Paulo: T.A Queiroz, 1979CORREA, Lesi. Reflexões sobre a Exclusão e a Inclusão da Sociologia no Currículo Escolar. In: Revista Mediações, Londrina:Editora da Universidade Estadual de Londrina, v. 1, n.º 1, jan-jun, 1996COSTA, Cristina. Sociologia: Introdução à Ciência da Sociedade. 2.ª ed. São Paulo: Moderna, 1997COSTA, Sergio. A Mestiçagem e seus contrários: etnicidade e nacionalidade no Brasil Contemporâneo. In: Tempo Social;Revista de Sociologia da USP. São Paulo, n.º 13 (1): pp 143-158, maio de 2001.CUNHA, Euclides da. Os sertões. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.DaMATA, Roberto. Em Torno do Autoritarismo Político: reflexões, dúvidas, indagações. In: Instituto de Estudos Avançados daUSP, Documento, n.º 4, Série Educação, junho de 2001, pp 16-37. / 9 folhasDAMATTA, Roberto. A Casa e a Rua: espaco, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de
  • 44. 43 Projeto Político Pedagógico 2010DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1991.de janeiro: Paz e Terra, 1990.DURKHEIM, E. Os pensadores. Tradução de Carlos Alberto R. de Moura. São Paulo: Abril Cultural, 1978.DURKHEIM, E. Sociologia. Org. José Albertino Rodrigues. 6ª edição. São Paulo: Ática, 1993DURKHEIM, Émile (1975) As Regras do Método Sociológico, São Paulo: CEN.Durkheim, Emile. As Formas Elementares da Vida religiosa. São Paulo: Martim Claret, 1988.Engels, Friedrich, A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, (9ª Edição),Rio de Janeiro, Civilização Brasileira,1984.FARIA, A L. G. A Ideologia do Livro Didático. 10.ª ed. São Paulo: Cortez, 1991FERNANDES, Florestan. A Sociologia no Brasil. São Paulo: Petrópolis, RJ: Vozes, 1977FORACCHI, Marialice Mencarini & MARTINS, José de Souza. Sociologia e Sociedade (Leituras de introdução à Sociologia).21ª reimpressão, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora, 1999.FREIRE, Paulo. Paulo Freire e educadores de rua: Uma abordagem crítica. UNICEF, 1984. Rio de Janeiro.FREYRE, G. Casa grande & senzala. Rio de Janeiro, J. Olympio, 1994.FREYRE, G. Ordem e progresso. Rio de Janeiro, J. Olympio, 1962.FREYRE, G. Sobrados e mucambos. Rio de Janeiro, J. Olympio, 1961.GRAMSCI, Antônio. Concepção Dialética da História,1986. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira S.A, 1986.HOLANDA, Sérgio B. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro, José Olímpio, 1984.IANNI, O (org). Teorias de estratificação social: leituras de sociologia. 2 a. ed. SãO PAULO: Companhia Editora Nacional, 1973IANNI, O A idéia de Brasil moderno. São Paulo, Brasiliense, 1992.IANNI, Octavio: Teorias da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996IANNI, Octávio. Sociologia da Sociologia. São Paulo: Ática, 1989Karl Marx e Friedrich Engels. Ideologia Alemã. 3ªed. Lisboa: Editorial Presença: São Paulo: Martins Fontes , s/d. v1, p.26.Karl Marx. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. RJ, Paz e terra. 1977.KLIKSBERG, Bernardo. Desigualdade na América Latina. São Paulo: Cortez, 2000LÖWY, Michael. Ideologias e Ciência Social: elementos para uma análise marxista.2a.ed. São Paulo: Cortez,1985.( Capítulo II-PositivismoMARCONDES, Ciro. Ideologia. O que todo Cidadão precisa saber sobre ideologia. São Paulo: Global, 1985MARTINS, Carlos B. O que é Sociologia. 7.ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1984MARX POR ELE MESMO. O Pensamento vivo de Marx. Martin Claret, 1985MARX, K. e ENGELS F. Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Editora Moraes,MARX, K. O Capital : crítica da economia política: Livro I (Volume 2). 18o. ed. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. Rio deJaneiro: Civilização Brasileira, 2002 (2v.: 966p.)MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. Tradução de Pietro Nasset. São Paulo: Martin Claret, 2002 (textode 1848)MARX, Karl . Manuscritos Econômicos Filosóficos.São Paulo: Martim Claret,2003MARX, Karl. O Dezoito Brumário de Louis Bonaparte. 2a. ed. Tradução de Silvio Donizete Chagas. São Paulo: Centauro, 2000MEKSENAS, Paulo. Aprendendo Sociologia: a paixão de conhecer a vida. 4.ª ed. São Paulo: Loyola, 1987MEKSENAS, Paulo. Sociologia da Educação: uma Introdução ao estudo da escola no processo de transformação social. SãoPaulo: Loyola, 1988OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução a Sociologia. 23a ed. São Paulo: Ática, 2000ORTIZ, R. (1988). A moderna tradição brasileira. São Paulo, Brasiliense.ORTIZ, Renato: Cultura Brasileira & Identidade Nacional.São Paulo: Ed. Brasiliensa, 1985PARANÁ. SEED. DEPARTAMENTO DE 2.º GRAU. Proposta Curricular de Sociologia para o Ensino de 2.º grau. Curitiba, 1994QUINTANEIRO, Tania et all. Um Toque de Clássicos: Durkheim, Marx, Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.RIDENTI, Marcelo. Classes Sociais e Representação. São Paulo: Cortez, 1994 (Coleção Questões da nossa Época, v.31).RIDENTI, Marcelo. Política pra quê? São Paulo: 1992RODRIGUES, Alberto Tosi. Determinismo social e interação individual em Durkheim, Weber e Simmel. Acessado em23/02/2001, disponível em http://www.politica.pro .RODRIGUES, José Albertino (Org). Émile Durkheim. São Paulo: Ática, 1990. ColeçãoSANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 3.ª ed. São Paulo: Cortez, 1997.TOMAZI, Nelson D. (org.). Iniciação à Sociologia. São Paulo: Atual, 1993VIEIRA, Evaldo. Sociologia da Educação: Reproduzir e Transformar. São Paulo: FTD, 1994WEBER, Max (1983) Ciência como Vocação, Brasília/São Paulo: UnB/CultrixWEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo.9.ª ed. São Paulo: Pioneira, 1994.WEBER, Max. Burocracia. IN: Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar,1974. pp.229-282.(organização e introdução deH.H. Gert e Wright Mills; tradução de Waltensir Dutra)Weber, Max. Economia e Sociedade - Fundamentos da Sociologia Compreensiva, Trad. Regis Barbosa e Karen ElsabeBarbosa, Editora UNB, Brasilia, 1999, vol. 1 e 2;WEBER, Max. Os letrados Chineses. IN; Ensaios de Sociologia pp.471-501.WEFFORT, F (org). Os Clássicos da Política. Volume 1 e Volume 2. São Paulo: Ática, 1994