Rede urbana nacional

14,684 views
14,192 views

Published on

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
14,684
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
112
Actions
Shares
0
Downloads
226
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Rede urbana nacional

  1. 1.  Caraterizar a rede urbana portuguesa Analisar a distribuição espacial dos centros urbanos em Portugal Equacionar medidas conducentes ao equilíbrio da rede urbana Equacionar o papel das cidades médias na reorganização da rede urbana
  2. 2. ou sistema urbanoO conjunto das cidades e suasperiferias, integradas num dadoterritório, que estabelecem entre sirelações de ordem hierárquica dedependência ou complementaridade. Analisada a 3 escalas: oregional onacional ointernacional
  3. 3. Distribuição espacial Importância Dimensão das cidades das cidades das cidades  número de habitantes  funções que oferece Menor contraste dos elementos Maior o equilíbrio da rede/sistema urbano
  4. 4. Caso PortuguêsQUAL O TIPO DE REDE URBANA?
  5. 5. AcentuadodesequilíbrionadistribuiçãoespacialMaior númerode cidades nasNUT IINorte ( 51%)Centro (41%)Lisboa (17%)
  6. 6. Caso PortuguêsDIMENSÃO DEMOGRÁFICA
  7. 7. A grandemaioria dascidadeslocaliza-se noLitoral,encontrando-seas de maiordimensão entreSetúbal e Vianado Castelo
  8. 8. No Interior,menor númerode cidades e amaioria depequenadimensãodemográfica
  9. 9. Maioria sãocidades com 100mil ou menoshabitantes
  10. 10. Destacam-seLisboa e Porto
  11. 11. Apresenta um DESEQUILÍBRIOUm grande número de cidades de pequena dimensão;Um número reduzido de cidades de dimensão média;Duas cidades de maior dimensão.
  12. 12. Caso PortuguêsQUAL O TIPO DE REDE URBANA? REDE DESEQUILIBRADA PORQUÊ? QUAIS AS CAUSAS?
  13. 13. REDE DESEQUILIBRADA PORQUÊ? QUAIS AS CAUSAS? 1. Razões históricas  Presença mediterrânea  Organização urbana muçulmana (Lisboa, Almancil)2. Proximidades das redes de comunicação3. Presença de grandes investimentos (indústrias)4. Fatores biofísicos (solos férteis, planícies, baixaaltitude)5. Reforço das cidades de maior dimensão demográfica.
  14. 14. Caso Português DIMENSÃO FUNCIONAL
  15. 15. Dimensão Funcional As cidades são espaço estruturantes do território porque:• Disponibilizam emprego• Prestam serviços• Difundem ideias• Distribuem bensPela população nas áreas de influência ou hinterland Estabelecem diferentes níveis de centralidade
  16. 16. Dimensão Funcional CENTRALIDADEPorto – Fluxos frequentespara acesso a funções muitoespecializadas. A sua área lugar que oferece bens centrais e ou Lugar central –de influenciasua área de influência) [Função central]. serviços (à é grande. Bens centrais – encontram-se apenas em determinadosOutros centros – fluxosfrequentes com à deslocação das pessoas). locais (obriga grande áreade influência no nordeste Quanto à frequência de utilização (produtos e serviços):transmontano, ex: bens vulgares (pequena área de influência = pequeno raioBragança. de eficiência), bens raros (grande área de influência = grande raio de eficiência).
  17. 17. Dimensão Funcional 1. A área de influência doCENTRALIDADE Porto e de Lisboa ultrapassa a dimensão geográfica da respetivaLimiar mínimo - mínimo de consumidores que garante arendibilidade de cada bem. área metropolitana. 2. O interior apresentaLimiar máximo - área até onde esse bem é procurado vastas[influenciada pela rede de transportes]. áreas de marginalidade funcional muito forte.
  18. 18. Assenta no pressuposto de queMarginalidadefuncional funções muito especializadas, como hospitais, não podem ser disponibilizadas universalmente e deverão estar acessíveis a uma distância aceitável. A não existência dessas funções básicas ou as dificuldades de acesso constituem um indicador de marginalização geográfica e social.
  19. 19. A área de influência: limiar mínimo e máximo • M/m frequência de utilização • M/m facilidade de aquisição • Raio de eficiênciaFonte: ANTUNES, 1999, p.108
  20. 20. Dimensão Funcional3. As funções muitoespecializadas centram-seno litoral.4. Arquipélagos sob ainfluência da áreametropolitana do Porto ede Lisboa.
  21. 21. Índice de centralidade dos centros urbanos da Região Centro- A centralidade de umlugar está directamente Aveiro Viseurelacionada com: Guarda1) Número de funções Coimbra2) Diversidade/Grau deespecialização das funções Leiria Castelo Branco3) Número de unidadesfuncionais Fonte: INE, 2004, p.24
  22. 22. Índice de marginalidade funcional por freguesia À escala da Região CentroFonte: INE, 2004, p.53- Dicotomias litoral/interior, rural/urbano. Fonte: INE, 2004, p.51- O peso da interioridade e de uma certa periferização.
  23. 23. ANÁLISE DEEXEMPLOS
  24. 24. Dimensão Funcional1. A deslocação para aquisição de funções muito especializadas evidenciaaCENTRALIDADE estrutura de dependência que existe no território regional,relativamente ao centro urbano do Funchal.2. Acção polarizadora de Funchal.3. A capacidade de atracção do Funchal aqui materializada naconvergência de fluxos faz-se sentir pelas 54 freguesias da região, emboracom maior intensidade nas freguesias mais próximas a este centro (…).
  25. 25. Unidade deQueimadosgraves para aregião Norte Hospital de Santo António - Porto
  26. 26. Transplanteshepáticos emcrianças – nopaís Hospitais Universitários de Coimbra
  27. 27. TratamentosOncológicosna regiãoNorte Hospital de São João - Porto
  28. 28. HOSPITAIS DE AVEIRO e COIMBRA: Raios de eficiência/Áreas de influência Fontes: http://www.huc.min-saude.pt http://www.hip.pt
  29. 29. Fonte: RODRIGUES, 2004, p.54Fonte: MARQUES, 2004, p.147
  30. 30. Campus Universitário de Santiago 30 Origem geográfica dos alunos colocados em Engenharia 25 Electrónica e Telecomunicações, em 2006 (em %) - Por Distrito/CAE de candidatura - 20 15Fonte: http://www.ua.pt 10 5 0 R.A.Açores E. D. e Vouga Castelo Branco V. do Castelo Santarém R.A.Madeira Bragança Vila Real Coimbra Guarda Braga Leiria Viseu Porto Oeste Aveiro Fonte: http://www.acessoensinosuperior.pt
  31. 31. Em síntese:1. Rede Bicéfala/Bipolar (importância das funções),partilhada por Lisboa e Porto (apesar da fraca projeção parao exterior).2. Extensa mancha litoral com urbanização difusa, onde sedestacam diversos centros urbanos.3. Urbanização linear ao longo da costa algarvia.4. Rede de pequenas e médias cidades no interior.
  32. 32. Desequilíbrio da Rede Urbana Que Consequências?1. Diminuição das relações de complementaridade entre centros urbanos;2. Redução da capacidade de inserção das economias regionais na economia nacional;3. Diminuição do dinamismo económico e social;4. Menor competitividade nacional.
  33. 33. Como Equilibrar? Que vantagens trará? Cidade como centro de organização do territórioReforçar as relações de Valorizar o papel das complementaridade cidades de média dimensãoentre centros urbanos
  34. 34. O que é uma cidade média?Conceito dinâmicoPode classificar-se quanto:1. à dimensão (quantitativo populacional); N.º de Habitantes Dimensão <100.000 Cidades Pequenas 100.000 a <250.000 Cidades Médias >/= 250.000 Cidades Grandes Fonte: LOPES e CARVALHO (2008)
  35. 35. Exemplos de cidades médias em Portugal Cidade N.º de Habitantes Vila Nova de Gaia 178.225 Amadora 175.872 Braga 109.460 Almada 101.500 Coimbra 101.069 Funchal 100.526
  36. 36. O que é uma cidade média?Conceito dinâmicoPode classificar-se quanto:2. às funções que integra e o papel que desempenha nosistema urbano a nível regional e sub-regional .
  37. 37. Como DESENVOLVER CIDADES DO INTERIOR? Potencializar as especificidades da região Estabelecer relações de complementaridade Coordenar ações com a administração centralExemplos:Programa POLISRepartição das FinançasTribunalCampus universitário…
  38. 38. O Papel das Cidades Médias Necessidade de uma visão  Projetar as aglomerações policêntrica do sistema urbanas no espaço urbano; internacional;  Reorganizar o espaço urbano, evitando o Reforço de eixos urbanos despovoamento do interior; ou constelações urbanas.  Reduzir as assimetrias regionais;  Desenvolver a relação de complementaridade;
  39. 39. O Papel das Cidades Médias  Aumentar o dinamismo interno Necessidade de uma visão das cidades diminuindo a sua policêntrica do sistema dependência face ao Estado; urbano;  Distribuir bolsas de emprego;  Contrariar a expansão Reforço de eixos urbanos desordenada e caótica das ou constelações urbanas. AMLisboa e AMPorto;  Promover o desenvolvimento sustentável.

×