Álcool

1,675 views
1,574 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,675
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
75
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Álcool

  1. 1. Álcool
  2. 2. O ÁlcoolO álcool (do árabe al-kohul) é uma classede compostos orgânicos que possui na suaestrutura um ou mais grupos de hidroxilas, -OH, ligados a carbonos saturados. Écomumente utilizado comocombustível, esterilizante, solvente e é ocomponente principal das bebidasalcoólicas.
  3. 3. Classificação Álcoois primáriosOs álcoois primários têm ogrupo hidroxila ou oxidrila ligado a um carbonoprimário, como por exemplo, o etanol. Suafórmula geral é:(Na figura, R representaum radical hidrocarboneto qualquer).
  4. 4.  Álcoois secundários A fórmula geral dos álcoois secundários é:(onde R representa um radical hidrocarboneto qualquer).
  5. 5.  Os álcoois secundários têm o grupo hidroxila ligado a um carbono secundário (isto é, um átomo de carbono que está ligado a apenas dois outros átomos de carbono), como é o caso do 2-propanol:
  6. 6.  Álcoois terciários Os álcoois terciários têm o grupo hidroxila ligado a um carbono terciário. Como o 2-metil-2-propanol e o trimetilcarbinol. A fórmula geral é:(Na figura, R representa um radicalhidrocarboneto qualquer).
  7. 7. TiposO etanol ou álcool etílico é o tipo de álcool mais comum. Está contido nas bebidas alcoólicas, é usado para limpeza doméstica e também é combustível para automóveis. A fórmula do álcool etílico é CH3CH2OH. O metanol ou álcool metílico é um álcool que não deve ser ingerido, pois é extremamente tóxico para o fígado. A fórmula do metanol é CH3OH.
  8. 8.  No fenol, de fórmula química é C6H6O, a hidroxila está ligada a um anel benzênico. Na maioria dos textos, este composto não é considerado um álcool. Álcool anidro é um álcool com até 1% de água (já que é difícil a obtenção de álcool totalmente puro), e pode ser adicionado à gasolina para aumento da octanagem, atuando como antidetonante, para que a gasolina possa ser comprimida no pistão do motor carburante ao máximo e não entre em combustão antes de acionada a vela do motor.
  9. 9. O álcool bornílico é obtido ligado com o hidroterpendio que corresponde à cânfora. O álcool desnaturado é uma composição com o metileno.
  10. 10. NomenclaturaA nomenclatura dos álcoois é baseada na dos hidrocarbonetos de que derivam: basta substituir a letra o do final por ol. Se essa nomenclatura for ambígua quanto à posição da hidroxila, o sufixo ol deve ser por ela precedido. Por exemplo, propan- 2-ol indica um grupo hidroxila ligado ao carbono 2 do propano. Também pode ser escrito 2-propanol.
  11. 11.  Em certos casos pode ser necessário usar a nomenclatura na forma prefixal. Nesse caso, deve-se usar o prefixo hidróxi. Por exemplo, se tivermos um grupo hidroxila ligado a um anel benzênico, podemos usar o nome hidróxibenzeno (essa substância é usualmente conhecida como fenol).
  12. 12.  Em outros casos, o álcool possui outros sufixos, dependendo da quantidade de grupos hidroxila.-ol: quando a cadeia possui apenas umgrupo hidroxila.Ex: Etanol (CH3-CH2-OH)
  13. 13. -Diol: quando existem dois grupos hidroxilana cadeia carbônica.Ex: Pentano-1,2-diol-Triol: quando a cadeia possui três gruposhidroxila.Ex: Hexano-1, 2,3-triol.
  14. 14. Produção
  15. 15.  O álcool é produzido a partir matérias primas com origem vegetal que possuem altos índices de frutose. A principal matéria prima utilizada é a cana-de-açucar, mas existe também o uso de outras matérias como o milho, a mandioca e o eucalipto. Após o corte, é feito o transporte da matéria para a usina, onde ocorre a lavagem e a moagem seguida da filtragem, de onde são obtidos a garapa e o bagaço. A garapa é aquecida, formando um líquido viscoso e rico em açúcar, o melaço. Depois, adiciona-se ao melaço um pouco de água e ácido, de onde obtemos o mosto. Após 50 horas de fermentação 13% do mosto torna-se álcool e é enviado para a destilação.
  16. 16.  Para obter o álcool etílico a partir da mistura é feita uma destilação fracionada. Para o álcool puro ou anidro, retira-se a água excedente. O processo consiste na adição de cal vivo à mistura que ao entrar em reação com a água forma o hidróxido de cálcio que não é solúvel em álcool, assim formando uma mistura heterogênea que é separada. O álcool produzido é quantificado através de medidores de vazão ou tanques calibrados e depois enviados para o armazenamento, onde aguardam a posterior remoção por meio de caminhões para a comercialização. Cada litro de álcool obtido na destilação produz cerca de 12 litros de resíduos que e recebem o nome de vinhaça e são aproveitados como fertilizante no próprio canavial.
  17. 17. Bebida Alcóolica
  18. 18. Bebida alcoólica é toda a bebida quecontenha álcool etílico, também chamadode etanol.
  19. 19. ProcessoO álcool é produzido pela fermentação de açúcares contidos em frutas, grãos e em caules (como na cana-de-açúcar). As bebidas alcoólicas são classificadas em: fermentadas, destiladas e compostas.
  20. 20. Exemplos:Origem Bebida Fermentada Bebida DestiladaSumo Bagaceira, Armagnac, Brandy, Conhaque, Vinho, Champagnede Uva Pisco, Grappa (aguardente de vinho).Caldoda cana- Vinho de cana Cachaça, Rumde-açúcarCereal Cerveja (Cevada), Saquê (Arroz). Bourbon, Gim, Uísque, Vodka.Suco Tequila, Mezcalde agaveMel HidromelAnis Arak, Ouzo, Pastis, Patxaran, Absinto.Suco Sidra Calvadosde MaçãSuco Slivovitz, Schnapsde Ameixa
  21. 21. O abuso precoce da bebidaPesquisas recentes sobre os efeitos doálcool no cérebro de adolescentesmostram que essa substância, consumidanum padrão considerado nocivo, afeta asregiões responsáveis por habilidadescomo memória, aprendizado, autocontrole e principalmente a motivação.
  22. 22.  HipocampoO hipocampo está ligado aos processos dememorização e aprendizado. Experimentoscom ratos realizados na UniversidadeDuke, nos EUA, mostraram que, em cobaiasadolescentes, o álcool tornou mais lenta do que emespécimes adultos a atividadedos neurônios envolvidos na formação denovas memórias. Conforme foi aumentada adosagem de álcool, a atividade cessoucompletamente.Em adolescentes humanos, isso pode ser a explicaçãopara os lapsos de memória durante o abuso do álcool.Antigamente, pensava-se que essa situação ocorriaapenas em adultos.
  23. 23.  Lobo frontal O lobo frontal está ligado à concentração, ao planejamento e à iniciativa; essa área é essencial para qualquer pessoa controlar o impulso e medir as consequências de seus próprios atos. Um estudo realizado na Universidade da Carolina do Norte submeteu ratos ao equivalente a quatro dias de intensa bebedeira. O dano cerebral nas cobaias adolescentes foi duas vezes maior do que nas adultas. Com base nisso, conclui-se que o consumo de álcool em larga escala na adolescência pode levar o adolescente, na fase adulta, a ter dificuldades para, entre outras coisas, tomar decisões e definir o que é certo ou errado para si.
  24. 24. Efeitos maléficos do álcool Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), estudos apontam que o "consumo baixo ou moderado de álcool" resulta em uma redução no risco de doenças coronárias. Porém, a OMS adverte que "outros riscos para a saúde e o coração associados ao álcool não favorecem uma recomendação geral de seu uso".
  25. 25.  Foi comprovado que o consumo não moderado de álcool está associado a um maior risco de doença de Alzheimer e outras doenças senis, angina de peito, fraturas e osteoporose, diabetes, úlcera duodenal, cálculo biliar, hepatite A, linfomas, pedras nos rins, síndrome metabólica, câncer no pâncreas, doença de Parkinson, artrite reumática e gastrite. O consumo não moderado também pode dificultar a memória e o aprendizado, e até piora a pontuação em testes de QI.
  26. 26.  Além disso, um estudo recente feito na Austrália demonstra que o consumo de álcool é culpado por mais casos de câncer do que se julgaria. Segundo o estudo, mais de 2600 casos de câncer de mama e quase 1300 casos de câncer de boca estariam relacionados com o hábito do consumo de álcool.
  27. 27. Etanol no sangueEtanol no sangue Estágio Sintomas(gramas/litro) Nenhuma influência0,1 a 0,5 Sobriedade aparente Perda de eficiência,0,3 a 1,2 Euforia diminuição da atenção, julgamento e controle. Instabilidade das emoções, incoordenação0,9 a 2,5 Excitação muscular. Menor inibição. Perda do julgamento crítico Vertigens, desequilíbrio,1,8 a 3,0 Confusão dificuldade na fala e distúrbios da sensação. Apatia e inércia geral.2,7 a 4,0 Estupor Vômitos, incontinência urinária e fezes. Inconsciência, anestesia.3,5 a 5,0 Coma MorteAcima de 5 Morte Parada respiratória
  28. 28. Alcoolismo e toxicidade crônicaO alcoolismo é uma doença crônica, caracterizada pela dependência de etanol. Na prática clínica, constata-se que o alcoólatra cada vez mais depende da substância para viver, desenvolvendo grave dependência física quando este é retirado.
  29. 29.  Nenhuma parte do organismo humano é menos atingida dos efeitos nocivos do álcool. Em pessoas saudáveis que utilizam o álcool moderadamente, a maioria dos efeitos patológicos pode ser revertido. Porém, quando consumido com exagero ou em indivíduos com patologias prévias, as consequências nos órgãos podem ser graves e irreversíveis.
  30. 30.  Um alcoólatra é definido como o indivíduo que consome mais de quatro drinques por dia, ou seja, 60 g de álcool por dia nos últimos seis meses.
  31. 31. Bebidas mais consumidas e sua concentração de etanol Quantidade equivalente a um drinque (15 g deBebida etanol) 340 ml (600 ml de cerveja = aprox. 30 g deCerveja (5% de etanol) álcool)Bebidas destiladas 43 ml a 25 ml (1 dose = aproximadamente 15 g(conhaque, uísque, vodca, rum e cachaça) de álcool)(40 a 65% etanol). 142 ml (1 garrafa = 5,5 drinques = ~ 82 g deVinho de mesa (11% de etanol) álcool)Vinhos fortificados (vermute, Sherry, Porto) 85 ml (1 dose – aproximadamente 7,5 g de(18% de etanol). álcool)
  32. 32. Alterações orgânicas do álcoolNeurológica - Demência alcoólica, Metabólica/renal - Cetoacidose alcoólica,degeneração cerebelar, síndrome de síndrome hepato renal,Wernicke-Korsakoff, mielinólise pontina hipocalcemia, hipofosfatemia.central.Dermatológica - Rubor da face, eritema Gastrintestinal - Cirrose, hepatite alcoólica, úlceras,palmar, olhos vermelhos, edema de pancreatite.pálpebras, dermatite seborreica.Cardiovascular - Hipertensão arterial, Nutricional - Beribéri, pelagra, deficiênciamiocardiopatia. de riboflavina e piridoxina. Hematológico/imunológico - Aumento deCâncer - Boca, esôfago, fígado, tireoide, infecções, leucopenia, VCM elevado, coagulaçãopróstata, reto, pâncreas, estômago. prejudicada.Endócrino/reprodutivo - Impotência, Musculo esquelético - Gota, miopatia, necrosehipoglicemia, feminilização em homens. asséptica do quadril.
  33. 33. Álcool Combustível
  34. 34. O álcool combustível (Etanol) é um biocombustível produzido, geralmente, a partir da cana-de- açúcar, mandioca, milho ou beterraba. Ele é utilizado desde o início da indústria automotiva, porém, com a utilização de combustíveis fósseis, no começo do século XX, mais barato e abundante, o etanol tornou-se uma opção praticamente ignorada.
  35. 35. A utilização do etanol que sem dúvida é a mais frequente, e que se iniciou tão logo surgissem os primeiros motores a combustão interna, é seu uso como combustível: a maior parte da produção de álcool do mundo é destinada a fins energéticos, e a maior parte utilizada para fins energéticos é etanol. A primeira experiência de uso do etanol como combustível no Brasil aconteceu no ano de 1927. A Usina Serra Grande Alagoas foi a primeira do país a produzir etanol combustível.
  36. 36. O primeiro carro a álcool lançado foi o Fiat 147 em 1978. Daí até 1986, o carro a álcool ganhou o gosto popular dos brasileiros, sendo que a quase totalidade dos veículos saídos das montadoras brasileiras naquele ano utilizava esse combustível.
  37. 37. Impacto Ambiental Atualmente, há correntes que questionam o impacto ambiental do álcool combustível, pelos severos danos do desmatamento necessário para abrir espaço à monocultura de cana-de-açúcar e pelo efeito nocivo da queima da palhada, necessária para se preparar a cana para a produção de álcool. Esses danos hoje já se fazem sentir, apesar da utilização do álcool ser ínfima se comparada aos derivados de petróleo. Contudo, a queima da palhada está decaindo com o aumento da mecanização da lavoura. Também se deve levar em conta o fato de que o efeito da queima é minimizado pela absorção de CO2 através da fotossíntese da cana-de-açúcar.
  38. 38. 3º EM M01 Cecília; Cleber; Gilvan; Guilherme; Kennedy; Rafael Maroto.

×