Auto – Avaliação da Biblioteca escolar  Novembro 2008 Natália Pina
Agenda <ul><li>Porque é que a biblioteca escolar existe? </li></ul><ul><li>Sentido da auto- avaliação  </li></ul><ul><li>O...
 
Porque existe a biblioteca escolar ? “ As bibliotecas podem ter um impacto positivo no sucesso educativo dos alunos, parti...
Sentido de auto - avaliação <ul><li>Instrumento pedagógico de melhoria de práticas da biblioteca escolar  </li></ul><ul><l...
Objectivos Implicados  Analisar os  processos e  resultados; Identificar <ul><li>os pontos fortes  </li></ul><ul><li>os po...
Etapas do processo  <ul><li>Selecção do domínio para a realização da auto-avaliação: </li></ul><ul><ul><li>Apoio ao Desenv...
O envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores <ul><li>Estar envolvido no processo desde o principio;  </li></ul><ul>...
O envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores Departamentos  Curriculares Pais e Encarregados  de Educação   Conselh...
O impacto que se espera que venha a ter na biblioteca <ul><li>Conhecer os pontos fortes e áreas de melhoria; </li></ul><ul...
Impactos que se perspectivam para as  aprendizagens dos alunos <ul><li>Recolha e selecção da informação em diferentes supo...
Impactos que se perspectivam para as  aprendizagens dos alunos “ School libraries are vital to effective learning in an in...
Impactos que se perspectivam para o trabalho dos professores <ul><li>Utilização dos recursos da BE- planificação conjunta ...
Comunicação dos resultados  Como será feita a comunicação e a integração dos resultados  no relatório de avaliação da esco...
“ O aluno actual deseja ser o “capitão” da sua própria aprendizagem. Mas isso implica a sua orientação nesta viagem da inf...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ses6apresentaavaliaçãO Be

341 views
257 views

Published on

avaliação

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
341
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ses6apresentaavaliaçãO Be

  1. 1. Auto – Avaliação da Biblioteca escolar Novembro 2008 Natália Pina
  2. 2. Agenda <ul><li>Porque é que a biblioteca escolar existe? </li></ul><ul><li>Sentido da auto- avaliação </li></ul><ul><li>Objectivos implicados </li></ul><ul><li>Etapas do processo </li></ul><ul><li>O envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores </li></ul><ul><li>O impacto que se espera que venha a ter na biblioteca </li></ul><ul><li>Impactos que se perspectivam para as aprendizagens dos alunos </li></ul><ul><li>Impactos que se perspectivam para o trabalho dos professores </li></ul><ul><li>Comunicação dos resultados </li></ul>
  3. 4. Porque existe a biblioteca escolar ? “ As bibliotecas podem ter um impacto positivo no sucesso educativo dos alunos, particularmente nos primeiros níveis do ensino básico e secundário, desde que a biblioteca escolar seja orientada por um bibliotecário credenciado, um especialista em informação que está activamente envolvido no desenvolvimento do currículo a nível individual, em grupo e na sala de aula.” Todd(2005) Informação Conhecimento Desenvolver o conhecimento e compreensão A biblioteca escolar não é “a biblioteca na escola, mas toda a escola é uma biblioteca” Todd(2005)
  4. 5. Sentido de auto - avaliação <ul><li>Instrumento pedagógico de melhoria de práticas da biblioteca escolar </li></ul><ul><li>Aferir a eficácia dos serviços e identificar as áreas de sucesso e as áreas que necessitam de intervenção </li></ul><ul><li>Aferir o impacto da biblioteca escolar no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos </li></ul><ul><li>Avaliar a qualidade e eficácia da Biblioteca escolar </li></ul><ul><li>Definir as metas </li></ul><ul><li>Instrumento de avaliação do trabalho na Biblioteca </li></ul>
  5. 6. Objectivos Implicados Analisar os processos e resultados; Identificar <ul><li>os pontos fortes </li></ul><ul><li>os pontos fracos </li></ul><ul><li>necessidades </li></ul><ul><li>Promover a melhoria; </li></ul><ul><li>Desenvolver a qualidade </li></ul>
  6. 7. Etapas do processo <ul><li>Selecção do domínio para a realização da auto-avaliação: </li></ul><ul><ul><li>Apoio ao Desenvolvimento Curricular </li></ul></ul><ul><ul><li>Leitura e Literacias </li></ul></ul><ul><ul><li>Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão da Biblioteca Escolar </li></ul></ul><ul><li>Preenchimento do documento referente ao Perfil da BE; </li></ul><ul><li>Recolha de evidências; </li></ul><ul><li>Análise e interpretação das evidências recolhidas; </li></ul><ul><li>Apresentação dos resultados; </li></ul><ul><li>Elaboração de um plano de acção para melhoria dos pontos fracos detectados; </li></ul><ul><li>Identificação do perfil /Comparação dos resultados; </li></ul><ul><li>Recolha de novas evidências para avaliar as estratégias de melhoria constantes do plano de acção. </li></ul>
  7. 8. O envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores <ul><li>Estar envolvido no processo desde o principio; </li></ul><ul><li>Ser líder coadjuvante desse processo; </li></ul><ul><li>Unir vontade e acções; </li></ul>participar activamente no processo <ul><li>resposta a questionários grelhas de observação </li></ul><ul><li>sugestões de actividades </li></ul>Recolha de evidências <ul><li>resposta a questionários </li></ul><ul><li>outras solicitações feitas pelo coordenador biblioteca </li></ul>Docentes Alunos Conselho Executivo
  8. 9. O envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores Departamentos Curriculares Pais e Encarregados de Educação Conselho Pedagógico participam na fase de recolha de evidências dando resposta a alguns questionários participam na fase de recolha de evidências dando resposta a alguns questionários dá parecer acerca do relatório de auto-avaliação
  9. 10. O impacto que se espera que venha a ter na biblioteca <ul><li>Conhecer os pontos fortes e áreas de melhoria; </li></ul><ul><li>Melhorar o desempenho da BE; </li></ul><ul><li>Construir projectos de mudança; </li></ul><ul><li>Conhecer melhor o trabalho desenvolvido pela BE; </li></ul><ul><li>Adequar a acção da BE aos interesses e às necessidades dos utilizadores. </li></ul>
  10. 11. Impactos que se perspectivam para as aprendizagens dos alunos <ul><li>Recolha e selecção da informação em diferentes suportes/ compreensão/ transformação em conhecimento; </li></ul><ul><li>Aumento dos níveis de leitura/ compreensão leitora; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento das competências ao nível das literacias da informação; </li></ul><ul><li>Utilização dos recursos da BE em articulação com o currículo; </li></ul><ul><li>Melhorias comportamentais e formativas ; </li></ul><ul><li>Promoção do trabalho autónomo. </li></ul>
  11. 12. Impactos que se perspectivam para as aprendizagens dos alunos “ School libraries are vital to effective learning in an information age school. Just don’t say it, show it!” Ross J Todd
  12. 13. Impactos que se perspectivam para o trabalho dos professores <ul><li>Utilização dos recursos da BE- planificação conjunta de actividades no espaço da Biblioteca e sala de aula; </li></ul><ul><li>Melhorar a articulação com departamentos no desenvolvimento de actividades de ensino/ aprendizagem; </li></ul><ul><li>Motivar o desenvolvimento do trabalho colaborativo com a BE </li></ul><ul><li>utilização das fontes de informação. </li></ul>
  13. 14. Comunicação dos resultados Como será feita a comunicação e a integração dos resultados no relatório de avaliação da escola Relatório final Apresentação dos resultados no Conselho Pedagógico Integrar no relatório de avaliação da escola <ul><li>pontos fortes; </li></ul><ul><li>áreas de melhoria; </li></ul><ul><li>resultados de desempenho; </li></ul><ul><li>recomendações. </li></ul>
  14. 15. “ O aluno actual deseja ser o “capitão” da sua própria aprendizagem. Mas isso implica a sua orientação nesta viagem da informação. O professor bibliotecário é o guia que tudo fará para que o aluno chegue a bom porto. Se tal acontecer, a biblioteca escolar provará, sem qualquer dúvida, ser a identidade fulcral da aprendizagem, em pleno séc. XXI e no futuro.” In: newsletter nº 3 (2008) http://www.rbe.min-edu.pt/news/newsletter3/bib_sec_21.pdf

×