Your SlideShare is downloading. ×
0
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
A comercialização de energia no Brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A comercialização de energia no Brasil

2,023

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,023
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
50
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Paulo Cezar C. Tavares Vice Presidente de Gestão de Energia 21 de Setembro de 2005
  • 2. SUMÁRIO 1. Evolução do mercado livre 1-1. Crescimento do Mercado 1-2. Evolução dos Preços 1-3. Leilão de Energia Nova 2. Regulação da comercialização de energia 3. Novos produtos 4. Convênio com a BM&F – leilões de “ajuste” 5. Perspectivas da Expansão da Oferta 6. CPFL Brasil 7. Conclusões
  • 3. 1. EVOLUÇÃO DO MERCADO LIVRE 1-1. CRESCIMENTO DO MERCADO
  • 4. NÚMERO DE CLIENTES Evolução no Número de Clientes Livres 406 400 729% 350 40% 300 291 250 200 143% 150 120 100 145% 880% 49 50 150% 2 5 0 Jan/01 Jan/02 Jan/03 Jan/04 Jan/05 Jul/05 Fonte: CCEE - Jul/05
  • 5. ENERGIA CONSUMIDA NO MERCADO LIVRE Evolução nodo Consumo no Mercado Livre (MWh) Evolução Número de Clientes Livres 9000 8000 7703 7000 469% 26% 6110 6000 5000 135% 4000 3000 2600 92% 2000 577% 1353 1000 8% 186 200 0 Jan/01 Jan/02 Jan/03 Jan/04 Jan/05 Jul/05 Fonte: CCEE - Jul/05
  • 6. ESTE CRESCIMENTO DEVE-SE EM GRANDE PARTE A ATUAÇÃO DAS COMERCIALIZADORAS • As Comercializadoras de Energia Elétrica - Promovem a racionalização no rateio das sobras e déficits de energia através da incorporação das leis de oferta e procura do livre mercado - Assumem o risco de preço e viabilizam o preço de equilíbrio; - Assumem os riscos de quantidade e prazo, ajustando o portfólio de compra ao portfólio de venda; - Assumem o risco de crédito do consumidor e o risco de performance comercial do gerador; - Oferecem liquidez ao mercado de consumidores livres, viabilizando a competição e permitindo a redução de preços para os consumidores finais. - Aumentam a liquidez do Mercado Livre e do mercado de liquidação de diferenças.
  • 7. EXPECTATIVAS Mercado Livre 12000 10000 R$ 4,4 Bi 8000 MWm 6000 00 4000 7.7 2000 0 2005 2006 16% do Mercado nacional 32% do Setor Industrial
  • 8. EXPECTATIVAS Mercado Livre 12000 R$ 6,3 Bi 43% 10000 Migração 36% de Novos R$ 4,4 Bi Clientes 8000 5,5% 50 .0 MWm 11 6000 00 4000 7.7 2000 0 2005 2006 16% do Mercado nacional 22% do Mercado nacional 32% do Setor Industrial 48% do Setor Industrial
  • 9. A COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA Atendimento do Mercado pela Comercialização de Energia em R$ apenas commodity 90% 10% Mercado Regulado Mercado Livre • Mercado Livre inclui Comercializadoras e Outros Agentes
  • 10. A COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA Atendimento do Mercado pela Comercialização de Energia em MWh em R$ 84% 16% 90% 10% Mercado Regulado Mercado Livre Mercado Regulado Mercado Livre • Mercado Livre inclui Comercializadoras e Outros Agentes
  • 11. A COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA • As 5 maiores comercializadoras do Brasil associadas representam 2/3 de toda energia comercializada no país CPFL (24%) PETROBRAS (17%) ENERTRADE (11%) 84% VALE ENERGIA (8%) 16% EL PASSO RIO GRANDE (6%) Mercado Regulado Mercado Livre OUTRAS (34%) Fonte: CCEE - Jul/05
  • 12. 1. EVOLUÇÃO DO MERCADO LIVRE 1-2. EVOLUÇÃO DOS PREÇOS
  • 13. PREÇOS NO MERCADO DE ENERGIA • Incremento à competição no mercado de energia – Benefícios aos clientes e à sociedade em geral Preço de Contrato para Clientes Finais - Preço A2 contrato de 1 ano apenas commodity 90 85 75 60 R$/WMh 45 30 15 0 2003 2004 2005 Mercado Livre Mercado Cativo
  • 14. PREÇOS NO MERCADO DE ENERGIA • Incremento à competição no mercado de energia – Benefícios aos clientes e à sociedade em geral Preço de Contrato para Clientes Finais - Preço A2 contrato de 1 ano apenas commodity 90 85 75 60 R$/WMh 45 30 70 15 0 2003 2004 2005 Desconto 18% Mercado Livre Mercado Cativo
  • 15. PREÇOS NO MERCADO DE ENERGIA • Incremento à competição no mercado de energia – Benefícios aos clientes e à sociedade em geral Preço de Contrato para Clientes Finais - Preço A2 contrato de 1 ano apenas commodity 90 85 85 75 60 R$/WMh 21% 45 30 70 55 15 0 2003 2004 2005 Desconto 18% 35% Mercado Livre Mercado Cativo
  • 16. PREÇOS NO MERCADO DE ENERGIA • Incremento à competição no mercado de energia – Benefícios aos clientes e à sociedade em geral Preço de Contrato para Clientes Finais - Preço A2 contrato de 1 ano apenas commodity 90 85 85 85 75 60 R$/WMh 21% 45 12% 30 70 55 48 15 0 2003 2004 2005 Desconto 18% 35% 44% Mercado Livre Mercado Cativo
  • 17. LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE Contratos de 8 anos de duração Energia vendida nos leilões públicos 4000 90,00 3500 80,00 70,00 Preço(R$/MWh - linha) 3000 MWmed (colunas) 57,51 60,00 2500 50,00 2000 40,00 1500 30,00 1000 20,00 500 57,51 57,51 57,51 57,51 10,00 0 - 2005 2006 2007 2008 Início 2005 Início 2006 Início 2007 Início 2008
  • 18. LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE Contratos de 8 anos de duração Energia vendida nos leilões públicos 4000 90,00 3500 80,00 61,71 70,00 Preço(R$/MWh - linha) 3000 MWmed (colunas) 57,51 60,00 2500 50,00 2000 40,00 1500 67,33 67,33 67,33 30,00 1000 20,00 500 57,51 57,51 57,51 57,51 10,00 0 - 2005 2006 2007 2008 Início 2005 Início 2006 Início 2007 Início 2008
  • 19. LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE Contratos de 8 anos de duração Energia vendida nos leilões públicos 4000 90,00 62,66 3500 80,00 61,71 70,00 Preço(R$/MWh - linha) 3000 MWmed (colunas) 57,51 60,00 2500 50,00 2000 75,46 75,46 40,00 1500 67,33 67,33 67,33 30,00 1000 20,00 500 57,51 57,51 57,51 57,51 10,00 0 - 2005 2006 2007 2008 Início 2005 Início 2006 Início 2007 Início 2008
  • 20. LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE Contratos de 8 anos de duração Energia vendida nos leilões públicos 4000 70,52 90,00 62,66 3500 80,00 61,71 70,00 Preço(R$/MWh - linha) 3000 MWmed (colunas) 57,51 83,13 60,00 2500 50,00 2000 75,46 75,46 40,00 1500 80,44 80,44 80,44 30,00 1000 20,00 500 57,51 57,51 57,51 57,51 10,00 0 - 2005 2006 2007 2008 Início 2005 Início 2006 Início 2007 Início 2008
  • 21. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 6000 MWm 5000 9153 4000 3000 2000 1000 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 D. Contratada (%)
  • 22. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 6000 MWm 5000 9054 4000 3000 2000 1000 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 D. Contratada (%) 99
  • 23. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 6000 MWm 5000 9054 4000 7412 3000 2000 1000 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 D. Contratada (%) 99
  • 24. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 630 6000 MWm 5000 9054 4000 6782 3000 2000 1000 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 D. Contratada (%) 99 92
  • 25. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 630 6000 MWm 5000 9054 4000 6782 3000 2000 1000 1172 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 1172 D. Contratada (%) 99 92
  • 26. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 630 6000 MWm 5000 9054 4000 6782 3000 2000 1000 1172 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 1172 D. Contratada (%) 99 92 100
  • 27. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 630 6000 MWm 5000 9054 4000 6782 3000 2000 3154 1000 1172 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 1172 3154 D. Contratada (%) 99 92 100
  • 28. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 630 6000 MWm 5000 9054 4000 6782 3000 2000 1829 1000 1172 1325 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 1172 3154 D. Contratada (%) 99 92 100 42
  • 29. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 9000 99 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 630 6000 MWm 5000 9054 4000 6782 3000 2000 1829 1000 2500 1172 1325 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 1172 3154 2500 D. Contratada (%) 99 92 100 42
  • 30. PERFORMANCE NOS LEILÕES DE ENERGIA EXISTENTE 10000 99 9000 Demanda Contratada Dem. NÃO Contratada 8000 7000 630 6000 MWm 5000 9054 4000 6782 3000 2000 1829 1000 2500 1172 1325 0 2005 2006 2007 2008 2009 Total Demanda 9153 7412 1172 3154 2500 D. Contratada (%) 99 92 100 42 0 Média Global: 66,49%
  • 31. 1. EVOLUÇÃO DO MERCADO LIVRE 1-3. LEILÃO DE ENERGIA NOVA
  • 32. DEMANDA PARA ENERGIA NOS LEILÕES 8000 7000 2400 6000 5000 Nova 15/20 Anos Botox 15/20 Anos MWm 4000 Existente 8 Anos 2500 2500 Botox 15/20 Anos Existente 3 Anos 3000 800 800 2000 1100 1100 1100 1000 700 700 700 0 2006 2007 2008 2009 2010
  • 33. PREÇO DA ENERGIA NOVA 300,00 274,31 250,00 225,86 200,00 189,98 185,26 157,75 R$/MWh 150,00 118,72 130,98 100,00 101,49 87,07 TIR real do Equity 50,00 60/40 Debty/Equity 8% de juros reais Prazo de 20 Anos 0,00 TIR 12% TIR 15% TIR 18%
  • 34. 2. REGULAÇÃO DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA
  • 35. HISTÓRICO RECENTE DA REGULAÇÃO Decreto 5163 30/7/04 - Regulamenta a Comercialização de Energia Elétrica 07/04 • Regulamenta as diretrizes para comercialização de energia elétrica estabelecidas na Lei 10848 • Define cliente potencialmente livre como: “... atendido em qualquer tensão, não tenha exercido a opão de compra a despeito de cumprir as condições dos artigos 15 e 16 da lei 9074...” • Permite que clientes acima de 0,5 MW sejam atendidos por fonte alternativa
  • 36. HISTÓRICO RECENTE DA REGULAÇÃO Decreto 5163 30/7/04 Regulamenta a Decreto 5249 20/10/04 Comercialização de - Redefine consumidor Energia Elétrica potencialmente livre 07/04 10/04 • Remete a definição de cliente potencialmente livre à lei 9074 • Demanda igual ou superior a 3 MW • Atendidos em tensão igual ou superior a 69 kV (A2) • Retira ~3 % do mercado potencialmente livre em 2005 (cerca de 1000 MWmed)
  • 37. HISTÓRICO RECENTE DA REGULAÇÃO Decreto 5163 30/7/04 Regulamenta a Decreto 5249 20/10/04 Comercialização de Redefine consumidor Energia Elétrica potencialmente livre 07/04 10/04 • Janela de 3 meses na regulação • Vários consumidores e comercializadores assumiram compromissos • Desgaste desnecessário para os agentes no mercado livre • Compromissos desfeitos pela regulamentação “a posteriori”
  • 38. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO No Mercado Regulado a comercializadora pode ... Vender nos leilões de energia existente
  • 39. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO No Mercado Regulado a comercializadora pode ... Vender nos leilões de ajuste Vender nos leilões de energia existente
  • 40. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO No Mercado Livre a comercializadora pode ... Atender Clientes Livres
  • 41. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO No Mercado Livre a comercializadora pode ... Prestar serviços Atender Clientes Livres
  • 42. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO No Mercado Livre a comercializadora pode ... Adquirir energia dos produtores independentes Atender Clientes Livres Prestar serviços
  • 43. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO No Mercado Livre a comercializadora pode ... Representar clientes na CCEE Atender Clientes Livres Prestar serviços Adquirir energia dos produtores independentes
  • 44. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO A comercializadora não pode ... (mas deveria) Constituir portfólio de fontes alternativas • Clientes A4 só podem consumir de fonte alternativa - Obrigatoriedade de fechar contrato entre Gerador e Consumidor diretamente - Participação da comercializadora é alternativa para expandir este mercado - Formação de portfolio de compra e venda de energia de fontes alternativas é viável na comercialização - Favorece o mercado de energia - Favorece os consumidores que poderão ser alcançados com maior facilidade - Favorece a condição de atendimento ao mercado consumidor por favorecer a expansão de fontes alternativas - Poderia ser viável a venda para as distribuidoras também, para a “energia distribuída”
  • 45. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO A comercializadora não pode ... (mas deveria) Comprar energia no leilão de energia existente Constituir portfólio de fontes alternativas
  • 46. NO ATUAL CONTEXTO REGULATÓRIO A comercializadora não pode ... (mas deveria) Comprar nos leilões de ajuste Constituir portfólio de fontes alternativas Comprar energia no leilão de energia existente
  • 47. 3. NOVOS PRODUTOS
  • 48. NOVOS PRODUTOS DE ENERGIA • Mercado livre cresce em 2 aspectos: Quantidade e Qualidade • Desenvolvimento de novos produtos ajustados às necessidades dos consumidores - Atende necessidades especiais de cada cliente demandadas pelo mercado; - Redução da energia fornecida por intempestividades (ex: Greves, parada para manutenção,etc...) - Preços indexados ao produto do consumidor (ex: reajuste do alumínio, papel e outras commodities)
  • 49. PAPEL DAS COMERCIALIZADORAS • Desenvolvimento de novos produtos ajustados às necessidades dos consumidores - Agilidade na formatação de produtos que atendam às demandas dos clientes; - Garantia de que o cliente paga o preço de mercado pela energia e produtos (realização de leilões). - Precificação adequada das flexibilidades demandadas pelo cliente.
  • 50. VOLATILIDADE NO PREÇO DE CURTO PRAZO • Volatilidade Semanal no preço de curto prazo 350% Submercado Sul 300% 250% volatilidae 200% 150% 100% 50% 0% 80% Submercado Sudeste fev-05 jun-05 abr-05 jul-05 mar-05 jan-05 dez-04 mai-05 70% 60% tempo volatilidae 50% 40% 30% 20% 10% 0% fev-05 jun-05 abr-05 jul-05 mar-05 jan-05 dez-04 mai-05 tempo
  • 51. 4. CONVÊNIO COM A BM&F – LEILÕES DE “AJUSTE”
  • 52. CONVÊNIO COM BM&F Pregão de Contratos de Curto Prazo “Leilão de Ajuste” RESULTADOS DO LEILÃO DE 29/8/05 Energia Quantidade de Energia Vendida Nº de Contratos Vendida e nº de Contratos 140 280 260 120 240 220 100 200 180 80 160 140 60 120 100 40 80 60 20 40 20 0 0 Sudeste Nordeste Sul MWm 118,5 12,5 0,5 nº de Contratos 237 25 1
  • 53. CONVÊNIO COM BM&F Pregão de Contratos de Curto Prazo “Leilão de Ajuste” RESULTADOS DO LEILÃO DE 29/8/05 Preços Negociados Submercado SUDESTE NORDESTE SUL Preço [R$/MWh] 39,15 39,70 22,00 22,50 39,25 Preço [% PLD] 124 121 123 Total negociado : R$ 3,7 Milhões • A BM&F concedeu o direito aos associados da ABRACEEL de participar do pregão da bolsa • O gerador e/ou o consumidor livre que desejar negociar energia no pregão deverá fazer através de uma corretora credenciada ou através de um membro da ABRACEEL • Próximo Leilão 28/9/05 • Pode atingir 0,5 R$ bilhões por ano (11% do movimento no mercado livre) • Possível expansão da oferta para outros produtos • contratos de maior prazo
  • 54. A BM&F • Maior bolsa de derivativos do Hemisfério Sul • 5ª maior bolsa de futuros do mundo 2. CONVÊNIO COM A BM&F – LEILÕES DE “AJUSTE”
  • 55. CONVÊNIO COM BM&F Vantagens do produto ABRACEEL/BM&F • credibilidade da BM&F (maior Bolsa do Hemisfério Sul e 5ª maior do Mundo) • transparência Com a evolução do mercado “a vista” podemos desenvolver um Mercado Futuro e de Derivativos
  • 56. 5. PERSPECTIVAS DA EXPANSÃO DA OFERTA
  • 57. BALANÇO ENERGIA ASSEGURADA • Cenário de Demanda de Referência Balanço Sistema Interligado Nacional (MWm) 57.078 55.213 55.200 1.668 - - - 54.001 121 55.410 1.554 55.092 - 52.897 - 53.646 3.015 50.166 4.588 - 50.986 Déficit Sobra 3.869 Carga 48.309 En. Ass. 46.297 2005 2006 2007 2008 2009 2010
  • 58. BALANÇO ENERGIA ASSEGURADA • Cenário de Demanda Otimista Balanço Sistema Interligado Nacional (MWm) 57.979 1.677 55.898 55.200 - 461 56.302 - 54.001 839 55.437 - 52.897 54.361 - 2.387 50.166 4.131 51.615 - Déficit 3.818 48.766 Sobra Carga 46.348 En. Ass. 2005 2006 2007 2008 2009 2010
  • 59. DEFICIT DE GÁS NATURAL Balanço Gás Natural Brasil Balanço do Gás Natural no Brasil 120 100 80 MMm3/dia 60 40 20 0 2005 2006 2007 2008 2009 DEMANDA POTENCIAL 66.8 77.7 90.1 97.1 102.1 OFERTA 50.0 64.2 68.8 85.0 88.5 Deficit 16.9 16.1 25.7 12.2 13.6 Demanda Potencial Oferta Déficit Disp. de térmicas a GN (GW) 5,3 6,4 7,2 7,9 7,9 Restrição Térmica a GN (GW) 2,7 2,6 4,3 2,2 2,5 Disponibilidade Efetiva (GW) 2,6 3,8 2,9 5,7 5,4
  • 60. COMERCIALIZADORAS NO PERÍODO DE CRISE Crise de Energia Elétrica é risco mas não é necessariamente ruim para as comercializadoras - possibilidade de negociar novos produtos (ex.: certificados) - expansão dos negócios de comercialização se deu durante a crise de 2001/2002
  • 61. 6. CPFL Brasil
  • 62. CPFL BRASIL: Resultados 2T05 Destaques Crescimento de 134% nas vendas do 1S05 X 1S04 12 novos clientes livres no 2T05 • 6 clientes fora da área de concessão Energia Vendida Mercado Livre¹ (GWh) 2.990 1.593 1.278 134% 697 129% Centro de Operação Comercial – Campinas / SP 2T04 2T05 1S04 1S05 ¹ Exclui transações com empresas do Grupo, CCEE e suprimento
  • 63. CPFL BRASIL: Resultados 2T05 O aumento da receita bruta contribuiu para bom resultado do EBITDA e Lucro Líquido Receita Bruta Aumento da receita bruta no 2T05 640 Aumento da energia vendida no mercado livre Aumento da venda de serviços 392 344 63% 203 69% Atualmente a CPFL Brasil atende a 74 clientes livres 2T04 2T05 1S04 1S05 25 clientes fora da área de concessão das distribuidoras do grupo EBITDA Lucro Líquido 78 115 51 76 39 52% 57 50% 30 20 93% 88% 2T04 2T05 1S04 1S05 2T04 2T05 1S04 1S05
  • 64. CPFL BRASIL: CRESCIMENTO DA COMERCIALIZAÇÃO 74 50 14 Ganho de Cliente Livres nº 24 Escala 18 Market Share1 % 14 2003 2004 2005 Retenção de 86% da energia que migrou das distribuidoras do Mesa de Comercialização – Sala de Comercialização – Campinas SP Campinas SP grupo em 2004 1Market Share: Considera valor mensal ao final de cada período
  • 65. CPFL BRASIL: CRESCIMENTO DA COMERCIALIZAÇÃO • Crescimento de vendas em 129% no 2T05 e 134% no 1S05 • Conquista de 12 novos clientes no mercado livre no 2T05 • Diversificação do portfólio de produtos e serviços de valor agregado, com crescimento expressivo nos últimos anos
  • 66. Revista Maiores e Melhores da Exame 2005 MELHORES E MAIORES DO SETOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS (correios, concessionárias de energia elétrica, de abastecimento de água e gás, de administração portuária, de rodovias e pontes, de serviços de tráfego aéreo, distribuidoras de GLP etc.) CPFL BRASIL 2º Maior Crescimento CPFL Brasil 1º Invest. no Imobilizado CPFL Brasil 1º Riqueza por Empregado CPFL Brasil 1º Liderança de Mercado CPFL Brasil - Liquidez Corrente CPFL Brasil - Rentabilidade CPFL Brasil -
  • 67. Revista Valor 1000 SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA – AS MELHORES CPFL BRASIL 2º Rentabilidade CPFL Brasil 1º Cobertura de Dívidas CPFL Brasil 1º Giro do Ativo CPFL Brasil 1º Crescimento Sustentável CPFL Brasil - Receita Líquida CPFL Brasil - Geração de Valor CPFL Brasil - Margem da Atividade CPFL Brasil - Liquidez Corrente CPFL Brasil -
  • 68. 7. CONCLUSÕES
  • 69. CONCLUSÕES (1/3) • Mercado livre traz redução substancial no custo de energia dos consumidores livres, com impacto positivo sobre a economia e desenvolvimento do País; • Alguma estabilidade nas regras institucionais e regulatórias do modelo setorial é suficiente para que as comercializadoras fortaleçam sua participação no mercado • Mercado Livre demonstrou ser auto-sustentado com o crescimento expressivo no último ano • Cliente que experimenta o Livre Mercado não tem objetivo de abandoná-lo
  • 70. CONCLUSÕES (2/3) • Comercializadoras preservam seu papel no mercado e representam estabilidade nos preços e mitigação dos riscos para os clientes • Comercializadoras podem ampliar sua atuação trazendo benefício ao sistema elétrico e consumidores • Possibilitar criação de portfolio de Energia das Fontes Alternativas é favorável ao consumidor
  • 71. CONCLUSÕES (3/3) • Em síntese: A experiência internacional mostra que nenhum país do mundo retroagiu na abertura do mercado de energia elétrica. “O mercado livre veio para ficar e através da competição, tornar eficiente os negócios com energia elétrica no Brasil e no Mundo”

×