Your SlideShare is downloading. ×
Everson Costa - Conjuntura Econômica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
167
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Belém/Pa, 05/09/2013
  • 2. CONJUNTURA ECONÔMICA 1 - Crise mundial; 2 - Impactos na economia brasileira; 3 - Inflação; 4 - Mercado de Trabalho e Renda; 5 - Negociações Coletivas; 6 – Cenários futuros. CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES LIBERAIS UNIVERSITÁRIOS REGULAMENTADOS - CURSO DE FORMAÇÃO SINDICAL -
  • 3. Produto Interno Bruto - 2013 Fonte: IBGE, Ministério da Fazenda e Banco Central do Brasil Elaboração: DIEESE
  • 4. CRISE MUNDIAL E SEUS IMPACTOS NO CRESCIMENTO NACIONAL
  • 5. CONJUNTURA CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL E SEUS REFLEXOS  A crise é global e tende a ser de longa duração.  A crise é continuidade da crise de 2008 e atualmente afeta fortemente as finanças dos Estados.  O Brasil tem capacidade para enfrentar a crise no curto prazo, mas não ficou imune aos seus efeitos.
  • 6. Produto Interno Bruto Taxa de Crescimento Acumulada ao Longo do Ano Brasil, 2002 a 2011 Fonte: IBGE, Ministério da Fazenda e Banco Central do Brasil Elaboração: DIEESE em (%) 2,7 1,1 5,7 3,2 4 6,1 5,2 -0,3 7,5 2,7 0,9 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Acumulado 2002-2012 46,07% Acumulado 2009-2012 11,10% Média 2002-2012 3,53% Média 2009-2012 2,71% 62,34% 21,45% 18,14% Composição do PIB pela ótica da demanda, 2012 Consumo das Famílias Consumo da Administração Pública Formação Bruta de Capital Fixo A Variação de Estoques e Exportação Líquida de Bens e Serviços foram negativas em 0,50 e 1,43, respectivamente, fechando o 100%.
  • 7. Produto Interno Bruto - 2013 Fonte: IBGE, Ministério da Fazenda e Banco Central do Brasil Elaboração: DIEESE
  • 8. Baixo crescimento decorre de combinação de fatores • Incertezas e crise nos países desenvolvidos (especialmente na Europa) • Taxa de investimento privado não deslancha (apesar do governo ter atendido praticamente toda a pauta empresarial) • Crise da indústria ▪ Resultado da indústria em 2012 - retração de 2,7% na produção física – foi o segundo pior resultado desde1992, exceto 2009
  • 9. Porque os investimentos diminuíram? • Governo elevou juros entre 2010 e 2011 para combater inflação • Baixo crescimento econômico em 2011 • Incertezas geradas pela crise mundial • Cenário macroeconômico de 2012 ficou mais incerto e volátil, dificultando o planejamento das empresas • A boa notícia é que o investimento voltou a crescer no último trimestre de 2013; • Se o investimento é sustentável, é outra história
  • 10. Conjuntura – Cenários atuais • Baixo crescimento econômico e desoneração tributária impactando as receitas da União, Estados, Municípios e Fundos Públicos • Queda do FPE/FPM atingindo principalmente os Estados/Municípios mais pobres e mais carentes de serviços públicos • Pressão da sociedade por mais e melhores serviço públicos (manifestações de Junho) • Restrições orçamentárias impondo cortes de gastos ou contenção de despesas • Discussão dos royalties e financiamento da educação
  • 11. Foram várias as medidas para reduzir custos e “desempacar” a economia • 1) Desoneração da folha de pagamentos, que abrangerá 42 setores (15 já desonerados) • 2) Elevação das alíquotas de importação • 3) Redução do custo da energia elétrica • 4) Redução das taxas de juros • 5) Ambicioso programa de investimentos em rodovias e ferrovias, com previsão de mais de R$ 130 bilhões • O Programa de Sustentação do Investimento (PSI) disponibilizará R$ 100 bilhões em 2013 para investimentos, com taxa média em torno de 3,5% ao ano (juros reduzidos e prazos longos) • Criação de linha de crédito e redução de impostos para a construção civil (em 12/12). • A relação investimento público/PIB saiu de 2,6% em 2003 para 4,5% em 2012.
  • 12. Desonerações Fonte: Ministério da Fazenda *Corresponde a 75% do potencial para 2012 e 2013, pois o último pedido de restituição trimestral do ano corrente (2012 e 2013) ocorre no período seguinte (2013 e 2014, respectivamente). Ou seja, em 2014, o valor de R$ 2,7 bilhões refere-se a impacto residual de 2013. 2012 2013 2014 Redução da CIDE para zero para gasolina e diesel 8,9 11,4 11,4 Redução do IPI (automóveis, caminhões e material de construção, linha branca, BK, móveis, papel de parede e etc). 8,5 11,8 7,1 Redução para zero do prazo de apropriação dos créditos de PIS/COFINS sobre a aquisição de bens de capital. 7,6 - - Aumento dos limites das faixas de tributação de SIMPLES e MEI. 5,7 5,9 6,5 REINTEGRA* 3,4 3,4 2,7 Desoneração a folha de pagamentos 3,8 16,0 24,7 Redução do IOF sobre operações de crédito pessoa física (de 3% para 1,5%). 2,8 3,6 3,6 Alíquta zero de PIS/COFINS sobre o trigo e massas 1,1 0,6 - Banda Larga - redes 0,5 1,0 1,0 Desoberação da cesta básica - 5,5 8,2 Aumento dos limitas do lucro Presumido - - 1,0 Demais 2,2 10,9 22,0 Total 44,5 70,1 88,2 Medidas Institucionais Impacto (em bilhões R$)
  • 13. CONJUNTURA ECONÔMICA INFLAÇÃO
  • 14. Custo e Variação da Cesta Básica Junho de 2013 Capital Valor da cesta Variação mensal (%) Porcentagem do salário mínimo líquido Tempo de trabalho Variação no ano (%) Variação anual (%) São Paulo 340,46 -0,46 54,58 110h28m 11,66 18,37 Porto Alegre 329,16 1,85 52,77 106h48m 11,82 17,45 Manaus 316,29 -2,07 50,71 102h38m 8,96 15,55 Vitória 315,63 -3,14 50,60 102h25m 8,50 13,66 Brasília 312,09 2,87 50,03 101h16m 13,10 20,17 Rio de Janeiro 310,00 -3,55 49,70 100h35m 10,00 14,66 Belém 309,01 0,08 49,54 100h16m 13,78 22,15 Belo Horizonte 308,48 -2,00 49,45 100h06m 6,05 16,01 Florianópolis 307,44 0,29 49,29 99h46m 6,00 18,19 Recife 296,67 1,97 47,56 96h16m 19,17 28,17 Curitiba 294,50 -1,15 47,21 95h34m 8,55 12,40 Fortaleza 292,86 -1,33 46,95 95h02m 15,86 24,25 Goiânia 289,62 -1,48 46,43 93h59m 10,05 18,68 João Pessoa 285,47 -0,39 45,77 92h38m 20,02 24,36 Natal 284,69 1,07 45,64 92h23m 18,79 21,50 Campo Grande 275,91 -1,95 44,23 89h32m 13,57 - Salvador 260,20 0,86 41,71 84h26m 14,56 22,04 Aracaju 248,07 3,05 39,77 80h30m 21,57 24,22 FONTE: DIEESE
  • 15. Determinantes da inflação atual • Preços dos alimentos; • Preços administrados: tarifas públicas (transportes, energia elétrica, etc.); • Variação cambial: encarecimento de insumos, impactos nos aluguéis e nos contratos administrados; • Sazonais: passagens aéreas, excursões, educação; • Despesas pessoais: cigarro e emprego doméstico; • Combustíveis (dieesel, gasolina) e aço (commodities);
  • 16. Evolução do IPCA-IBGE Fonte: IBGE Elaboração: Ministério da Fazenda Ano jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Acumulado no ano 2010 0,75% 0,78% 0,52% 0,57% 0,43% 0,00% 0,01% 0,04% 0,45% 0,75% 0,83% 0,63% 5,91% 2011 0,83% 0,80% 0,79% 0,77% 0,47% 0,15% 0,16% 0,37% 0,53% 0,43% 0,52% 0,50% 6,50% 2012 0,56% 0,45% 0,21% 0,64% 0,36% 0,08% 0,43% 0,41% 0,57% 0,59% 0,60% 0,79% 5,84% 2013 0,86% 0,60% 0,47% 0,55% - - - - - - - - 2,50% Nota: IPCA Maio/2013 = 0,37% IPCA Junho/2013 = 0,26% IPCA Julho/2013 = 0,03% Acumulado em 2013 (Jan-Jul) = 3,18% Acumulado em 12 meses = 6,27%
  • 17. Fonte: IBGE Elaboração: DiEESE OBS: Estimativas INPC e IPCA a partir de Agosto de 2013 INPC e IPCA Acumulado em 12 meses 6,38% 5,71% 6,27% 5,84% 3,00% 3,50% 4,00% 4,50% 5,00% 5,50% 6,00% 6,50% 7,00% 7,50% 8,00% INPC IPCA
  • 18. MERCADO DE TRABALHO
  • 19. Evolução do Estoque do Emprego Formal Brasil, 2002 a 2011 Fonte: MTE, Rais *MTE, CAGED Elaboração: DIEESE OBS: Dados ajustados O Saldo entre admitidos e desligados de janeiro a julho de 2013 no Caged foi de 907 mil 28,7 29,5 31,4 33,2 35,2 37,6 39,4 41,2 44,1 46,3 47,6 5,5% 3,0% 6,3% 5,8% 5,8% 7,0% 4,9% 4,5% 6,9% 5,1% 2,8% 2,5% 3,5% 4,5% 5,5% 6,5% 7,5% 8,5% 9,5% 10,5% 11,5% 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012* Estoque do Emprego (Em Milhões) Variação ano a ano
  • 20. Evolução do Salário Médio real de admissão e desligamento por setor de atividade – R$ (ICV/2012) Brasil, 2009 e 2012 Fonte: MTE, Caged Elaboração: DIEESE OBS: dados sem ajuste 2009 2012 2009 2012 Admitidos 1.341,84 1.640,00 - - Desligados 1.504,72 1.794,78 31,2 26,8 Admitidos 924,20 1.039,08 - - Desligados 1.118,26 1.150,80 22,6 20,1 Admitidos 1.047,19 1.156,89 - - Desligados 1.372,98 1.418,74 48,6 36,7 Admitidos 995,13 1.099,45 - - Desligados 1.077,46 1.173,79 9,4 9,5 Admitidos 807,72 882,43 - - Desligados 898,88 939,42 16,9 15,4 Admitidos 970,43 1.059,22 - - Desligados 1.086,68 1.126,48 19,6 17,4 Admitidos 1.306,89 1.337,12 - - Desligados 1.333,54 1.460,16 31,7 33,0 Admitidos 685,39 789,45 - - Desligados 740,10 828,03 11,3 12,1 Admitidos 907,71 1.006,19 - - Desligados 1.023,72 1.079,41 18,0 16,3 Serviços Administração Pública Agropecuária, extr. vegetal, caça e pesca Total Extrativa mineral Indústria de transformação Serviços Industr. de Utilidade Pública Construção Civil Comércio Setores Tipo de Movimentação Salário Médio Real Mensal Tempo Médio de Emprego (Em Meses) Total de Movimentações por Tipo Tipo de Movimentação 2009 2012 Admitidos 16,19 20,43 Desligados 15,19 19,56 Saldo 1,00 0,87 Em Milhões
  • 21. Relação entre os Salários Médios dos Admitidos e Desligados Brasil, 2006 – 2013* 94,9% 93,2%93,4% 92,5% 88,7% 91,8% 90,8% 88,9% 20132012201120102009200820072006 Fonte: MTE, Caged Elaboração: DIEESE *Até março de 2013
  • 22. O BALANÇO DO EMPREGO FORMAL EM TODO O BRASIL POR SETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ANO DE 2012 (JAN-DEZ)
  • 23. QUADRO DEMONSTRATIVO DA MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO FORMAL POR SETORES ECONÔMICOS DE ATIVIDADES NO ANO DE 2012 (JAN-DEZ) - BRASIL- SETORES ADMITIDOS DESLIGADOS SALDO ECONOMICOS EXTRATIVA MINERAL 63.342 52.066 11.276 IND. TRANSFORMACAO 3.947.007 3.855.263 91.744 SERV.IND.UTIL.PUB. 106.994 96.674 10.320 CONSTRUCAO CIVIL 2.906.117 2.750.052 156.065 COMERCIO 5.189.981 4.790.397 399.584 SERVICOS 8.256.132 7.563.171 692.961 ADMIN. PUBLICA 113.758 117.590 -3.832 AGROPECUARIA 1.291.929 1.285.560 6.369 TOTAL 21.875.260 20.510.773 1.364.487 FONTE: MTE / CAGED ELABORAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO: DIEESE/PA
  • 24. FONTE: MTE/CAGED ELABORAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO: DIEESE/PA
  • 25. SETORES ECONÔMICOS ANO (JAN-DEZ) 2011 (JAN-DEZ) 2012 (JAN-DEZ) ADM DESLIG SALDO ADM DESLIG SALDO EXTRATIVA MINERAL 65.868 46.205 19.663 63.342 52.066 11.276 IND. TRANSFORMACAO 4.114.798 3.890.389 224.409 3.947.007 3.855.263 91.744 SERV.IND.UTIL.PUB. 105.587 95.970 9.617 106.994 96.674 10.320 CONSTRUCAO CIVIL 2.875.731 2.639.809 235.922 2.906.117 2.750.052 156.065 COMERCIO 5.113.378 4.636.011 477.367 5.189.981 4.790.397 399.584 SERVICOS 8.158.524 7.200.309 958.215 8.256.132 7.563.171 692.961 ADMIN. PUBLICA 115.257 99.464 15.793 113.758 117.590 -3.832 AGROPECUARIA 1.381.539 1.295.954 85.585 1.291.929 1.285.560 6.369 TOTAL 21.930.682 19.904.111 2.026.571 21.875.260 20.510.773 1.364.487 FONTE: MTE / CAGED ELABORAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO: DIEESE/PA QUADRO DEMONSTRATIVO DA FLUTUAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHOS FORMAIS NO BRASIL NOS ANOS DE 2011 E 2012
  • 26. FONTE: MTE / CAGED ELABORAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO: DIEESE/PA
  • 27. O BALANÇO DO EMPREGO FORMAL NAS REGIÕES DO BRASIL NO ANO DE 2012 (JAN-DEZ)
  • 28. QUADRO DEMONSTRATIVO DA MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO FORMAL NAS REGIÕES DO BRASIL NO ANO DE 2012 (JAN-DEZ) LOCAL ADMITIDOS DESLIGADOS SALDO NORTE 975.049 894.779 80.270 NORDESTE 3.042.128 2.830.930 211.198 SUDESTE 11.574.461 10.897.237 677.224 SUL 4.344.016 4.106.597 237.419 CENTRO-OESTE 1.939.606 1.781.230 158.376 TOTAL 21.875.260 20.510.773 1.364.487 FONTE: MTE / CAGED ELABORAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO: DIEESE/PA
  • 29. FONTE: MTE / CAGED ELABORAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO: DIEESE/PA
  • 30. LOCAL ANO (JAN-DEZ) 2011 (JAN-DEZ) 2012 (JAN-DEZ) ADM DESLIG SALDO ADM DESLIG SALDO NORTE 1.017.579 872.677 144.902 975.049 894.779 80.270 NORDESTE 3.088.867 2.733.212 355.655 3.042.128 2.830.930 211.198 SUDESTE 11.665.313 10.637.223 1.028.090 11.574.461 10.897.237 677.224 SUL 4.279.889 3.945.372 334.517 4.344.016 4.106.597 237.419 CENTRO-OESTE 1.879.034 1.715.627 163.407 1.939.606 1.781.230 158.376 TOTAL 21.930.682 19.904.111 2.026.571 21.875.260 20.510.773 1.364.487 FONTE: MTE / CAGED ELABORAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO: DIEESE/PA QUADRO DEMONSTRATIVO DA FLUTUAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHOS FORMAIS NAS REGIÕES DO BRASIL NOS ANOS DE 2011 E 2012
  • 31. CONJUNTURA: PRINCIPAIS ASPECTOS A VALORIZAÇÃO DO SALÁRIO MINIMO 2002 - 2013
  • 32. SALÁRIO MÍNIMO Política de Valorização do Salário Mínimo Salário mínimo teve um ganho real de 70,49% de abril de 2001 a Janeiro de 2013. Só em 2013 estima-se que haverá: • R$ 32,7 bilhões de incremento de renda na economia • R$ 15,9 bilhões o incremento na arrecadação tributária sobre o consumo • 45,5 milhões de pessoas que têm rendimento referenciado no salário mínimo
  • 33. CONJUNTURA AS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS
  • 34. O BALANÇO DAS NEGOCIAÇÕES SALARIAIS NO PARÁ EM TODO O BRASIL 2008 – 2012 (JAN-DEZ)
  • 35. Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE Fonte: DIEESE Obs.: Foram considerados somente os reajustes salariais das 704 unidades de negociação com registro em todos os anos da série 2008 a 2012 2008 2009 2010 2011 2012 % % % % % Acima do INPC-IBGE 78,3 80,5 87,8 87,1 94,6 Mais de 5% acima 0,6 1,7 4,3 1,4 4,4 De 4,01% a 5% acima 0,9 1,4 3,4 1,4 4,0 De 3,01% a 4% acima 3,3 2,8 8,8 5,7 3,7 De 2,01% a 3% acima 9,7 11,4 16,3 15,2 28,4 De 1,01% a 2% acima 29,7 25,7 27,7 36,1 34,2 De 0,01% a 1% acima 34,2 37,5 27,3 27,3 19,9 Igual ao INPC-IBGE 10,7 11,6 7,7 7,1 4,1 De 0,01% a 1% abaixo 9,5 5,4 4,0 4,8 1,1 De 1,01% a 2% abaixo 0,9 0,6 0,1 0,4 0,1 De 2,01% a 3% abaixo 0,3 0,6 0,1 0,3 - De 3,01% a 4% abaixo - 0,1 0,1 - - De 4,01% a 5% abaixo - 0,1 0,1 - - Mais de 5% abaixo 0,4 1,0 - 0,3 - Abaixo do INPC-IBGE 11,1 7,8 4,5 5,8 1,3 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Variação
  • 36. O BALANÇO DAS NEGOCIAÇÕES SALARIAIS NO PARÁ EM TODO O BRASIL 1º SEMESTRE (JAN-JUN) 2008 - 2013
  • 37. Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE Brasil, 2008-2013 (em %) Variação 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Acima do INPC-IBGE 75,9 78,0 87,2 84,4 96,3 84,5 Mais de 5% acima 0,3 1,8 6,1 2,4 8,3 0,6 De 4,01% a 5% acima 1,2 1,5 3,4 2,4 5,8 0,0 De 3,01% a 4% acima 3,4 2,1 6,4 7,0 4,6 6,7 De 2,01% a 3% acima 6,7 8,2 11,9 10,1 27,9 12,8 De 1,01% a 2% acima 28,7 18,0 24,1 33,9 29,1 29,6 De 0,01% a 1% acima 35,7 46,3 35,4 28,4 20,6 34,8 Igual ao INPC-IBGE 12,2 14,0 8,5 8,0 2,8 7,0 De 0,01% a 1% abaixo 10,7 5,2 3,7 6,4 0,9 7,9 De 1,01% a 2% abaixo 0,6 0,9 0,0 0,6 0,0 0,3 De 2,01% a 3% abaixo 0,3 0,3 0,3 0,6 0,0 0,3 De 3,01% a 4% abaixo 0,0 0,0 0,3 0,0 0,0 0,0 De 4,01% a 5% abaixo 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Mais de 5% abaixo 0,3 1,5 0,0 0,0 0,0 0,0 Abaixo do INPC-IBGE 11,9 7,9 4,3 7,6 0,9 8,5 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários Obs.: Para efeitos de comparação, foram considerados, em todos os anos, os reajustes salariais das mesmas 328 unidades de negociação
  • 38. CENÁRIOS FUTUROS
  • 39. TERCEIRIZAÇÃO
  • 40. TERCEIRIZAÇÃO 1. Dissolve o Direito do Trabalho ao desconstruir direitos da CLT e da Constituição. Ou seja, há a redução de salários e de benefícios sociais dos trabalhadores como meio de sobrevivência; 2. Torna lícito todo contrato de prestação de serviço terceirizado; 3. Acaba com a atividade-fim da empresa. Ou seja, pode terceirizar qualquer função (torneiro, operador de máquina, ferramenteiro etc.); 4. Permite a subcontratação de empresas (quarteirização...). A terceirizada pode repassar o serviço para outra empresa; 5. Acaba com a responsabilidade solidária da contratante (na prática – quem contrata não responde por abusos – acidentes etc,- da empresa que contratou); 6. Estimula, possibilita e dá sustentação às cooperativas fajutas (a famosa coopergato, exploradora de trabalhador); 7. Assegura de vez a Pejotização. O que é isso? Você, em vez de ser contratado como mecânico, fresador etc. – você será contratado como pessoa jurídica. Vai na Prefeitura, abre empresa, emite Nota Fiscal. Adeus férias, 13º, Fundo de Garantia. É uma espécie de trabalho escravo moderno, embalado em Nota Fiscal; 8. Gera a fragmentação continuada das empresas, ao possibilitar a novas empreiteiras e terceirizadas integralizarem seu capital em 30 dias, tornando possível o interesse empresarial de criar facilmente suas próprias empresas terceirizadas, precarizando, acintosamente, sob a proteção da lei; 9. Retira do Estado a fiscalização e a vigilância, delegando esse papel às empresas contratantes, piorando barbaramente as condições de saúde e segurança no trabalho, mais ainda dos terceirizados. Na prática: mais doenças, mutilações e mortes no trabalho; 10. Enfraquece os vínculos formais de trabalho, pois estimula a rotatividade, ao tornar mais frágil ainda a relação capital-trabalho, gera empregos precários e transitórios.
  • 41. Salário mínimo em 2014 e 2015 • Em 2014 o SM terá o segundo menor reajuste real em 12 anos • O mínimo é reajustado de acordo com a inflação do ano anterior, e tem como aumento real o PIB de dois anos antes • Em 2014 o aumento real será equivalente ao PIB de 2012 (0,9%) • Em 2011 foi ainda menor: 0,4% • A Política de Valorização do Salário Mínimo, transformada em lei há dois anos, tem como prazo de validade o ano de 2015 • Essa será uma batalha importante dos sindicatos em 2015
  • 42. INFLAÇÃO 2014 ESTIMATIVA DENTRO DA META 4,50%
  • 43. CRESCIMENTO ESTIMADO ACIMA DE 4,00% CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASIL - 2014
  • 44. Roberto Sena Everson Costa dieesepa@amazonet.com.br 091-3241-3093 / 3241 3008 OBRIGADO!