Sondagem Industrial | Junho de 2014 | Divulgação 18/07/2014
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Sondagem Industrial | Junho de 2014 | Divulgação 18/07/2014

on

  • 184 views

Acessa a íntegra da Sondagem Industrial de junho de 2014.

Acessa a íntegra da Sondagem Industrial de junho de 2014.

Statistics

Views

Total Views
184
Views on SlideShare
184
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Sondagem Industrial | Junho de 2014 | Divulgação 18/07/2014 Sondagem Industrial | Junho de 2014 | Divulgação 18/07/2014 Document Transcript

  • NÍVEL DE ATIVIDADE Pág. 03 CAPACIDADE INSTALADA Pág. 04 ESTOQUES Pág. 05 PRINCIPAIS PROBLEMAS Pág. 06 SITUAÇÃO FINANCEIRA Pág. 07 EXPECTATIVAS Pág. 08 SONDAGEM INDUSTRIAL Ano 17 Número 06 junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 1676-0212Informativo da Confederação Nacional da Indústria O quadro negativo da indústria – baixa atividade, queda no número de empregados e estoquesemelevação– aprofundou-seemjunho.Oresultadodessemês,possivelmente afetado pela realização da Copa do Mundo, foi excepcionalmente negativo. A falta de demanda foi apontada pelos empresários como um dos principais problemas enfrentados pela indústria, provocando forte redução da atividade industrial. A produção e o número de empregados recuaram de forma intensa e disseminada pela indústria e houve novo acúmulo de estoques indesejados. A utilização da capacidade instalada (UCI) recuou 3 pontos percentuais entre maio e junho, para 68%, percentual inferior ao registrado em meses quando tradicionalmente a atividade é mais fraca, como dezembro e janeiro. O índice de UCI efetiva-usual é um dos menores da série, superando apenas o de junho de 2009. As condições financeiras da indústria, medidas pelos índices de satisfação com a margem de lucro e com a situação financeira, mostraram nova piora. Esses índices, que já vinham em deterioração nos últimos trimestres, se aproximaram dos menores valores de suas séries históricas, registrados durante a crise financeira de 2009. As expectativas dos empresários para os próximos meses apontam crescimento moderado da demanda e das compras de matérias-primas. Os industriais ainda esperam manter a quantidade exportada nos próximos meses, mas reduzir o número de empregados. Cenário negativo aprofunda-se em junho Estoque Efetivo-Planejado Junho de 2014 UCI Efetiva-Usual Junho de 2014 Perfil da amostra: 2.115 empresas, sendo 849 pequenas, 770 médias e 496 grandes. Período de coleta: De 1O a 11 de julho de 2014. ANÁLISE ECONÔMICA Forte queda na atividade industrial poderá ter efeitos mais duradouros O quadro negativo é antigo e o agravamento de junho deverá ter consequências mais duradouras. É pouco provável a possibilidade de uma recuperação rápida e sustentada da indústria no curto prazo. Pág. 02
  • 2 Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial ANÁLISE ECONÔMICA O prolongado quadro recessivo da indústria agravou-se em junho. A indústria registra longo período de desaquecimento da atividade, com sucessivas quedas na produção e utilização da capacidade instalada bem inferior ao usual. Em junho, a atividade da indústria reduziu-se de maneira expressiva. O índice de evolução da produção foi de apenas 39,6 pontos, o menor da série mensal do índice (iniciado em 2010). A utilização da capacidade instalada pela indústria foi de 68%, a menor da série mensal do índice, inferior até ao registrado em meses de fraca atividade industrial, como dezembro e janeiro. Os estoques indesejados aumentaram em junho e o índice é o maior desde julho de 2012. A falta de demanda foi apontado como um dos principais problemas do trimestre. Certamente há aspectos atípicos em junho e a realização da Copa afetou de forma excepcional os resultados do mês. Todavia, os resultados da Sondagem dos últimos meses indicam que o quadro negativo é antigo e o agravamento de junho deverá ter consequências mais duradouras. É pouco provável a possibilidade de uma recuperação rápida e sustentada da indústria no curto prazo. Um dos efeitos negativos de efeito mais permanente é a queda no número de empregados. Mesmo tendo a indústria experimentado no passado recente problemas na contratação de mão de obra qualificada, e mesmo diante dos elevados custos envolvidos na demissão de um trabalhador, nos últimos meses a indústria passou a reduzir o número de empregados de forma significativa. A expectativa é de mais cortes nos próximos meses. A volta das contratações levará tempo; será necessário um longo período de melhora na atividade industrial para que o empresário volte a contratar. Outro efeito duradouro se percebe nas condições financeiras. A alta inadimplência e a falta de capital de giro são problemas que estão ganhando maior importância para as empresas. Com isso, as margens de lucro e situação financeira das empresas se deterioram. Como a maior parte do investimento industrial é realizado com recursos próprios, o investimento fica prejudicado. A situação da indústria agravou-se nesse primeiro semestre. Se os problemas estavam relativamente restritos ao setor industrial, com esse agravamento passam a afetar a economia de forma mais ampla na medida em que se aumentam as demissões e se cancelam investimentos. A superação desse quadro exige medidas efetivas, amplas e permanentes, capazes de reverter o ciclo negativo de falta de confiança, baixo investimento e queda na produção. Forte queda na atividade industrial poderá ter efeitos mais duradouros
  • Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial 3 Queda no emprego industrial se acentua O índice de evolução da produção registrou 39,6 pontos em junho, o menor desde 2010. Este foi o oitavo mês consecutivo em que o índice manteve-se abaixo da linha divisória dos 50 pontos, indicando queda na produção. A distância do índice para a linha divisória dos 50 pontos - 10,4 pontos - indica que a queda na produção foi intensa e disseminada. O índice de evolução do número de empregados se afastou ainda mais da linha divisória dos 50 pontos, para 45,2 pontos, o que denota queda mais intensa e disseminada do emprego industrial que nos meses an- teriores. A queda no número de empregados é comum as empresas de todos os portes e se estende pelos setores das indústrias extrativa e de transformação, exceção feita apenas a Fumo e Extração de minerais não metálicos. NÍVEL DE ATIVIDADE Indicador de evolução da produção Queda Aumento Abr 2014 47,3 Mai 2014 Jun 2014 48,4 0 100 39,6 50 Queda Aumento 47,8 46,8 0 100 45,2 50 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam aumento da produção frente ao mês anterior. Evolução do número de empregados Mensal Evolução da produção Mensal Abr 2014 Mai 2014 Jun 2014 45,5 51,1 54,7 47,1 54,9 49,8 41,2 48,6 46,1 52,9 52,8 51,1 46,0 52,1 52,7 50,3 54,5 48,4 40,2 47,4 48,3 48,8 47,3 48,4 39,6 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 Queda Aumento 50
  • 4 Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial A indústria mostra forte desaquecimento em junho. O índice de utiliza- ção da capacidade instalada efetiva-usual voltou a se afastar da linha dos 50 pontos ao recuar de 41,9 pontos para 37,1 pontos. O desaque- cimento, medido pela distância do índice do mês para a linha divisória dos 50 pontos, está entre os maiores da série, superado apenas pelo observado em junho de 2009, quando o índice foi de 36,4 pontos. CAPACIDADE INSTALADA A utilização média da capacidade instala na indústria (UCI) recuou 3,0 pontos percentuais (p.p.) entre maio e junho, para 68%. O percentual é o menor da série mensal, inferior a meses de tradicional desaqueci- mento da atividade da indústria, como dezembro e janeiro. Na compa- ração com junho de 2013, a queda é de 4,0 p.p.. Utilização da capacidade instalada Mensal Abaixo Acima 42,0 41,9 37,1 0 10050 68% 0% 100% Jun 2014 71% 0% 100% Mai 2014 71% 0% 100% Abr 2014 Indicadores variam de 0 a 100. Valores maiores que 50 pontos indicam utilização da capacidade instalada acima do usual para o mês. UCI efetiva em relação ao usual Mensal Utilização da capacidade instalada foi muito baixa Indicador de utilização da capacidade instalada efetiva em relação ao usual Abr 2014 Mai 2014 Jun 2014 46,2 46,8 44,5 46,0 45,9 46,7 44,7 42,0 41,9 41,8 42,2 42,9 41,7 37,1 jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun 2012 2013 2014 UCI Efetiva - usual Linha divisória 50
  • Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial 5 ESTOQUES Excesso de estoques da indústria aumenta em junho A indústria voltou a acumular estoques indesejados. O índice de es- toque efetivo-planejado aumentou de 51,0 para 52,1 pontos, o que revela que o excesso de estoques em junho foi maior que no mês anterior. O acúmulo de estoques é mais significativo entre as grandes empresas, para as quais o índice aumentou 1,7 ponto e alcançou 54,8 pontos. Pelo terceiro mês consecutivo, o índice de evolução dos estoques ficou acima dos 51 pontos, revelando acúmulo de estoques. O índice de junho, 51,7 pontos (apenas 0,2 ponto acima do registrado em maio), mostra que o ritmo de crescimento dos estoques se manteve. Entre os diferentes portes considerados, enquanto os estoques de pequenas empresas se reduziu (índice de 47,6 pontos), os estoques das médias e das grandes se elevaram (índices de 51 e 54 pontos, respectivamente) Indicadores de estoques finais Abaixo Acima 51,0 52,1 0 10050 50,4 Queda Aumento 51,5 51,7 0 10050 51,4 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam crescimento do nível de estoques frente ao mês anterior ou estoque efetivo acima do planejado. Estoque efetivo em relação ao planejado Mensal Evolução do nível de estoques Mensal Abr 2014 Mai 2014 Jun 2014 Abr 2014 Mai 2014 Jun 2014 50 51,5 51,4 50,1 50,0 49,3 48,9 48,4 48,7 49,9 50,1 51,0 50,9 50,6 52,1 50,8 48,8 50,4 50,4 48,2 48,4 49,8 50,1 51,4 51,5 51,7 52,5 52,2 51,8 50,6 50,5 50,4 49,7 50,0 51,2 51,4 51,4 51,7 51,3 50,5 50,7 50,6 49,9 49,9 50,4 51,0 52,1 49,5 49,2 49,8 49,2 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 Evolução Efetivo planejado Linha divisória
  • 6 Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial Falta de demanda se torna o segundo principal problema enfrentado pela indústria Destaca-se a importância de falta de demanda entre os principais problemas enfrentados no segundo trimestre de 2014. O problema passou a ser assinalado por 40,7% das empresas e alcançou a segunda posição no ranking, enquanto no primeiro trimestre foi assinalado por 27,6% das empresas e situava-se em quarto no ranking. O problema só perde em importância para elevada carga tributária, assinalado por 54,5% das empresas. A falta de demanda ganhou importância para empresas de todos os portes. O problema já afetava de forma relevante as pequenas e médias empresas no primeiro trimestre (acima de 30% das respostas) e, no segundo trimestre, a assinalação aumentou 7,4 e 5,6 pontos percentuais (p.p.), respectivamente, para 41,9% e 38%. Para as grandes, o ganho de importância foi ainda mais significativo. A falta de demanda, no primeiro trimestre, foi assinalado por 21,6% das grandes empresas e situava-se na sexta posição no ranking de principais problemas. No segundo trimestre, o problema passou a ser assinalado por 41,6% das grandes empresas (um aumento de 20 p.p.) e situa-se na segunda posição do ranking. Outros dois problemas também ganharam importância no trimestre para o total da indústria: a inadimplência dos clientes e a falta de capital de giro. Em ambos os casos, o percentual de respostas aumentou pelo segundo trimestre consecutivo. A falta de capital de giro é um problema que se tornou relevante, sobretudo para as grandes empresas. A assinalação aumentou 4,4 p.p. no trimestre, para 20,1%. Já a inadimplência ganhou importância maior para as pequenas empresas, com acréscimo de 3,9 p.p. de assinalação, para 30,2%. Para esse grupo de empresas, a inadimplência é o terceiro principal problema (atrás de elevada carga tributária e falta de demanda). PRINCIPAIS PROBLEMAS Principais problemas enfrentados pela indústria no trimestre (%) Indústria geral - ponderado por porte de empresa 3,7 11,2 7,5 7,2 9,8 13,2 16,3 17,1 24,3 24,6 31,1 31,9 27,6 58,3 5,0 5,6 6,9 7,1 7,1 10,7 18,6 18,9 22,0 22,6 25,4 31,3 40,7 54,5 Outros Taxa de câmbio Falta de matéria prima Distribuição do produto Capacidade produtiva Falta de financ. de longo prazo Inadimplência dos clientes Falta de capital de giro Taxas de juros elevadas Falta de trabalhador qualificado Alto custo da matéria prima Competição acirrada de mercado Falta de demanda Elevada carga tributária I-14 II-14
  • Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial 7 SITUAÇÃO FINANCEIRA Situação financeira mostra nova deterioração A insatisfação da indústria com as margens de lucro aumentou. O índice de satisfação com a margem de lucro operacional recuou para 39,3 pon- tos. Trata-se do quarto trimestre consecutivo de recuo do índice, que é o menor desde o segundo trimestre de 2009. O acesso ao crédito permanece difícil. O índice de facilidade de acesso ao crédito recuou para 38,3 pontos, mantendo-se distante da linha divi- sória dos 50 pontos, o que mostra disseminação dessa dificuldade entre os empresários. O índice é o menor desde o segundo trimestre de 2009. Indicadores de satisfação com a margem de lucro operacional e com a situação financeira, de facilidade de acesso ao crédito e de evolução do preço médio das matérias-primas Indicadores variam de 0 a 100. Valores maiores que 50 indicam satisfação com a margem de lucro operacional e a situação financeira, facilidade no acesso ao crédito ou aumento no preço médio das matérias-primas. Margem de lucro operacional 2º trimestre de 2014 39,3Ruim 0 100 Boa 50 Acesso ao crédito 2º trimestre de 2014 38,3Difícil 0 100 Fácil 50 A situação financeira da indústria piorou no trimestre. O índice de sa- tisfação com a situação financeira se afastou ainda mais da linha de 50 pontos. Diferentemente do observado no primeiro trimestre de 2014, mesmo grandes empresas mostram situação financeira ruim. Situação financeira 2º trimestre de 2014 44,6Ruim 0 100 Boa 50 0 10050 Preço médio das matérias-primas 2º trimestre de 2014 58,9Queda Aumento O preço médio das matérias primas mostrou novo crescimento no se- gundo trimestre, ainda que menor que em trimestres anteriores. O índice recuou de 65,6 para 58,9 pontos, mantendo-se acima dos 50 pontos. Linha divisóriaLucro Operacional Situação Financeira Acesso ao Crédito Preço Médio das Matérias-primas 30 35 40 45 50 55 60 65 70 II-13 III-13 IV-13 I-14 II-14
  • 8 Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial EXPECTATIVAS Expectativas permanecem moderadas A expectativa com relação a demanda para os próximos seis meses se tornou mais positiva. O índice aumentou de 53,7 pontos em junho para 55,2 pontos em julho, o que denota um aumento no otimismo. Apesar do aumento no índice, esse permanece abaixo do usual para o mês, o que revela que o otimismo é moderado. O otimismo aumentou em especial para as empresas de menor porte. A variação do índice de expectativa de demanda entre junho e julho foi de 2,7 pontos para pequenas empresas, 1,9 ponto para médias e 0,8 ponto para grandes. A indústria espera manter inalterada a quantidade exportada nos pró- ximos seis meses. Apesar da queda de 50,3 para 49,7 pontos entre ju- nho e julho, o índice permanece próximo à linha divisória de 50 pontos. Considerando 28 diferentes setores da indústria extrativa e de trans- formação, 15 tem expectativa de queda em suas vendas externas, enquanto 10 esperam aumentá-las. Indicadores de expectativa de evolução da demanda e da quantidade exportada * Os indicadores variam de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam expectativa de crescimento da demanda ou da quantidade exportada nos próximos seis meses. Demanda Mensal Quantidade exportada Mensal Queda Aumento 53,7 55,2 0 10050 Mai 2014 Jul 2014 Jun 2014 53,7 50,3 49,7 0 10050 Jul 2014 Jun 2014 Queda Aumento Mai 2014 48,9 35 40 45 50 55 60 65 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 Demanda Linha divisóriaQuantidade exportada
  • Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial 9 EXPECTATIVAS Os empresários esperam reduzir o número de empregados nos próximos seis meses. O índice de expectativa permaneceu abaixo da linha divisória de 50 pontos, em 48,2 pontos em julho. Ressalte-se que, entre os portes, médias e grandes empresas tem expectativa de queda do número de empregados (índices de 47,5 e 47,9 pontos, respectivamente), enquanto pequenas esperam manter o número de empregados (índice de 49,5 pontos, próximo à linha divisória). A indústria espera intensificar, ainda que moderadamente, a compra de matérias-primas. O índice de compras de matérias primas aumentou de 51,1 pontos para 52,4 pontos entre junho e julho, se afastando da linha divisória, mas ainda 3,6 pontos inferior ao registrado no mesmo mês de 2013. O índice aumentou especialmente para as empresas de menor porte: 2,1 pontos e 1,6 pontos para pequenas e médias, respectivamen- te. O aumento do índice das grandes foi de apenas 0,6 ponto. Indicadores de expectativa de evolução do número de empregados e das compras de matérias-primas Os indicadores variam de 0 a 100. Valores maiores que 50 indicam expectativa de crescimento do número de empregados ou de compras de matérias-primas nos próximos seis meses. Compras de matérias-primas Mensal Número de empregados Mensal 48,2 0 10050 Jul 2014 Jun 2014 Queda Aumento Mai 2014 52,4 0 10050 Jul 2014 Jun 2014 Queda Aumento Mai 2014 51,3 48,5 51,1 48,7 35 40 45 50 55 60 65 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 Número de empregados Compras de matérias-primas Linha divisória
  • 10 Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial Produção Nº de empregados UCI (%) UCI efetiva-usual Evolução Efetivo/planejado Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal Mensal jun/13 mai/14 jun/14 jun/13 mai/14 jun/14 jun/13 mai/14 jun/14 jun/13 mai/14 jun/14 jun/13 mai/14 jun/14 jun/13 mai/14 jun/14 INDÚSTRIA GERAL 46,0 48,4 39,6 48,1 46,8 45,2 72 71 68 42,9 41,9 37,1 50,6 51,5 51,7 51,4 51,0 52,1 POR REGIÃO GEOGRÁFICA NORTE 47,6 46,3 46,8 47,3 47,2 52,1 69 70 73 44,1 40,9 41,5 47,4 54,3 51,4 49,4 49,9 49,7 NORDESTE 47,7 49,9 41,3 48,0 46,5 46,0 71 70 68 44,2 44,6 39,6 50,5 50,7 50,2 50,9 51,3 50,4 SUDESTE 44,4 46,9 37,7 47,8 46,3 44,3 72 70 67 41,4 39,8 35,4 50,6 51,8 52,8 51,1 51,4 52,9 SUL 45,1 46,0 34,8 48,8 47,1 43,4 74 73 68 43,0 40,3 32,9 52,5 51,4 53,2 55,9 53,8 56,3 CENTRO OESTE 50,9 54,3 48,5 49,2 48,6 47,3 72 72 72 45,1 45,2 42,7 50,2 51,9 51,9 48,0 47,2 47,8 POR PORTE PEQUENA 43,9 46,5 40,2 46,3 46,4 45,0 65 65 62 40,5 41,5 37,7 48,0 49,1 47,6 46,9 47,6 48,0 MÉDIA 43,9 47,3 38,2 46,6 45,8 44,6 68 69 67 40,3 41,2 35,5 51,0 50,6 51,0 51,4 50,4 50,8 GRANDE 48,1 49,9 40,1 49,7 47,5 45,7 77 75 72 45,4 42,4 37,7 51,6 53,2 54,0 53,7 53,1 54,8 POR SETOR INDÚSTRIA EXTRATIVA 47,8 54,0 48,4 46,8 51,1 50,5 70 72 72 43,4 47,0 43,0 48,5 47,2 46,6 46,4 48,5 45,8 Extr. de carvão, petróleo e gás - - - - - - - - - - - - - - - - - - Extr. de minerais metálicos 42,6 50,0 47,4 42,2 45,8 48,7 70 70 73 39,7 51,6 47,2 45,8 45,8 38,6 43,8 47,7 43,8 Extr. de min. não metálicos 49,3 54,0 49,3 48,3 52,1 50,7 69 71 69 43,7 44,4 41,2 48,4 48,6 48,4 46,7 50,7 47,2 Ativ. de apoio à extração - - - - - - - - - - - - - - - - - - INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO 44,8 47,2 39,0 47,3 46,2 44,7 69 69 66 41,6 41,3 36,6 50,3 51,0 50,8 50,9 50,3 51,1 Alimentos 47,4 50,3 43,6 48,0 47,2 47,1 70 71 69 44,5 45,7 43,5 50,8 50,7 50,8 50,9 50,8 50,4 Bebidas 37,0 47,2 38,6 46,3 46,8 45,7 62 63 62 35,4 40,1 36,2 47,6 54,0 50,5 50,6 52,4 47,4 Fumo - - - - - - - - - - - - - - - - - - Têxteis 45,7 50,5 40,7 46,0 46,1 44,2 69 69 67 39,2 41,2 37,0 52,9 55,6 55,1 54,1 55,7 54,8 Vestuário 43,7 50,0 42,7 44,4 47,7 45,8 69 72 69 39,7 44,4 38,5 50,0 53,0 55,6 53,4 51,1 54,0 Couros e artefatos 47,2 42,1 31,9 49,5 48,1 44,3 73 67 63 43,9 38,5 31,4 51,3 54,7 50,0 52,7 51,2 51,2 Calçados e suas partes 39,0 43,5 32,8 44,9 46,6 43,5 69 72 64 37,7 37,5 33,0 54,9 51,4 55,0 57,3 55,6 56,4 Madeira 43,4 41,1 37,0 43,4 43,2 43,5 59 61 60 37,0 37,2 35,3 42,6 45,6 48,7 43,0 41,0 47,0 Celulose e papel 41,9 46,5 33,9 49,7 46,9 45,9 72 74 68 41,2 43,5 34,7 50,0 47,2 49,5 52,1 49,1 51,5 Impressão e reprodução 43,6 51,7 34,5 44,3 50,0 46,8 68 69 62 42,0 48,7 36,9 44,1 46,5 39,8 39,7 43,1 44,7 Derivados do petróleo 50,0 48,5 38,8 48,3 45,6 46,3 78 76 78 41,7 45,6 44,7 44,6 44,4 41,3 46,4 48,5 46,1 Biocombustíveis 57,3 62,1 55,6 53,0 47,7 47,1 73 73 74 46,1 46,6 43,5 47,6 56,3 50,8 40,3 42,0 39,1 Químicos, exc. limpeza e perfum. 48,1 51,5 43,2 48,8 48,2 47,7 71 72 69 45,2 43,5 39,0 48,2 51,1 51,9 49,6 52,8 54,9 Limpeza e perfumaria 44,9 51,6 38,2 50,7 50,0 43,6 67 69 64 40,4 43,8 36,0 57,6 50,8 42,9 53,9 49,2 45,0 Farmacêuticos 53,6 53,6 47,5 54,2 53,4 49,2 72 67 65 50,9 45,0 42,5 53,4 52,1 48,4 50,0 47,2 44,4 Borracha 43,9 39,8 29,8 44,7 44,9 41,0 70 66 61 40,9 35,2 28,7 58,7 43,3 50,7 60,9 46,7 50,7 Material plástico 41,5 48,9 35,4 46,5 45,9 45,3 69 67 64 41,3 42,4 32,9 50,8 52,6 50,3 48,8 51,9 51,7 Minerais não metálicos 42,1 46,9 44,3 45,5 44,9 45,2 71 72 71 41,6 42,0 40,1 51,6 50,8 52,4 53,8 50,0 52,5 Metalurgia 47,4 45,1 36,7 47,4 44,5 40,1 70 69 64 42,0 37,9 32,4 51,1 44,9 45,5 50,0 46,4 48,5 Produtos de metal 44,5 42,6 37,3 48,9 44,1 42,9 68 64 63 40,8 36,9 32,9 46,3 48,7 50,8 48,1 45,6 49,6 Informática, eletr. e ópticos 44,8 45,5 34,7 45,3 45,1 46,1 63 67 60 39,9 39,5 33,0 55,1 48,8 52,9 58,3 55,0 54,4 Máquinas e materiais elétricos 50,0 42,0 38,0 52,9 43,3 44,9 68 68 58 44,1 36,3 33,7 43,1 56,8 45,6 45,9 54,7 54,3 Máquinas e equipamentos 46,9 46,4 39,8 49,7 47,3 44,1 72 69 68 44,7 40,7 37,1 52,2 51,9 52,1 53,4 53,3 55,9 Veículos automotores 49,6 40,8 31,7 48,6 41,4 41,2 74 67 62 42,5 33,3 26,3 49,1 53,2 52,8 46,6 50,0 51,6 Outros equip. de transporte 35,0 42,0 33,3 43,8 37,0 30,6 65 68 66 32,5 32,3 29,2 68,8 48,1 36,1 67,9 48,1 44,4 Móveis 37,9 43,8 33,0 44,2 43,5 41,4 67 68 64 35,7 38,4 33,0 49,4 51,6 48,9 46,7 52,2 48,3 Produtos diversos 41,1 47,6 35,3 46,6 47,6 41,9 65 70 62 40,2 41,9 32,8 49,1 53,0 56,5 51,0 54,0 55,6 Manutenção e reparação 52,8 50,0 42,4 51,3 51,2 45,8 68 64 66 47,4 40,5 44,6 45,8 54,2 52,8 42,3 50,0 50,0 Indicadores variam no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam crescimento da produção ou do número de empregados frente ao mês anterior, utilização da capacidade instalada acima do usual para o mês, estoques acima do planejado ou aumento dos estoques. - : Setor não divulgado por não ter atingido o limite mínimo de empresas estabelecido pela amostra. NÍVEL DE ATIVIDADE CAPACIDADE INSTALADA Resultados por região, porte e setor ESTOQUES PRODUTOS FINAIS
  • Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial 11 Lucro operacional Preço médio das matérias-primas Situação financeira Acesso ao crédito Trimestral Trimestral Trimestral Trimestral II-13 I-14 II-14 II-13 I-14 II-14 II-13 I-14 II-14 II-13 I-14 II-14 INDÚSTRIA GERAL 42,2 42,0 39,3 63,7 65,6 58,9 47,5 47,2 44,6 40,8 39,2 38,3 POR REGIÃO GEOGRÁFICA NORTE 38,3 43,7 47,4 61,3 58,5 56,4 42,9 51,6 48,3 35,6 42,3 44,6 NORDESTE 43,4 43,4 41,7 62,3 63,8 58,0 47,4 47,0 44,8 40,4 37,8 36,4 SUDESTE 40,1 39,9 37,1 63,6 65,8 59,0 46,4 45,6 43,5 42,2 40,3 39,0 SUL 43,0 43,2 36,1 65,5 68,3 59,5 48,8 48,9 44,1 40,0 38,9 37,2 CENTRO OESTE 44,9 40,8 43,7 64,3 66,8 59,6 49,7 46,9 46,4 40,1 37,4 41,0 POR PORTE PEQUENA 40,2 39,8 38,1 64,7 65,7 60,8 43,9 43,1 40,9 38,6 38,1 36,5 MÉDIA 38,8 39,8 37,5 64,0 67,3 59,5 43,7 44,6 42,4 39,1 37,6 36,3 GRANDE 44,9 44,2 40,9 63,0 64,7 57,7 51,2 50,5 47,6 42,8 40,6 40,2 POR SETOR INDÚSTRIA EXTRATIVA 46,0 42,6 44,4 56,5 61,1 58,0 47,5 45,8 47,8 39,9 38,1 35,2 Extr. de carvão, petróleo e gás - - - - - - - - - - - - Extr. de minerais metálicos 36,8 41,7 42,1 51,5 56,3 53,9 39,7 41,1 45,6 40,6 31,3 28,6 Extr. de min. não metálicos 47,4 40,6 43,4 56,9 61,3 59,3 48,6 45,3 46,4 39,3 39,8 35,9 Ativ. de apoio à extração - - - - - - - - - - - - INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO 40,6 40,7 38,2 64,4 66,3 59,7 45,6 45,4 42,7 40,0 38,6 37,5 Alimentos 45,2 45,3 44,3 64,8 67,0 58,9 49,4 50,0 48,4 43,0 40,9 39,2 Bebidas 38,3 43,4 40,9 64,4 63,5 58,9 42,9 50,0 44,0 41,4 42,0 30,7 Fumo - - - - - - - - - - - - Têxteis 38,0 36,5 34,8 67,5 67,2 57,4 45,1 42,9 40,2 40,5 39,1 38,6 Vestuário 37,6 39,7 37,9 65,1 66,2 63,1 41,7 43,5 41,5 37,6 35,9 34,3 Couros e artefatos 46,7 38,1 32,4 70,6 78,8 70,0 51,1 44,2 40,9 41,7 33,1 35,4 Calçados e suas partes 38,9 38,8 35,7 65,0 68,9 60,7 44,2 48,9 40,0 39,2 39,4 37,5 Madeira 35,7 37,3 35,4 59,5 65,1 60,8 40,1 44,1 40,0 35,0 37,5 33,0 Celulose e papel 39,6 46,3 39,8 69,0 71,7 59,4 44,4 51,5 48,0 40,4 39,4 37,2 Impressão e reprodução 44,2 38,4 38,8 63,1 67,1 60,2 47,2 41,4 41,8 41,7 37,2 36,1 Derivados do petróleo 42,9 45,3 45,0 56,7 58,3 53,8 48,2 54,4 46,3 40,9 38,5 44,6 Biocombustíveis 36,7 30,4 34,4 59,5 63,0 59,4 43,8 37,1 34,8 34,5 19,8 30,6 Químicos, exc. limpeza e perfum. 40,8 46,9 46,4 62,8 65,5 61,2 48,1 50,3 52,9 40,4 43,6 47,7 Limpeza e perfumaria 41,9 40,2 40,4 70,6 72,5 65,7 55,3 43,1 44,1 38,5 36,3 40,2 Farmacêuticos 50,0 48,4 50,0 67,5 62,1 62,5 52,5 50,0 50,0 50,0 40,6 39,6 Borracha 42,2 42,9 35,6 59,4 61,1 60,1 42,2 45,7 38,9 40,6 31,0 35,6 Material plástico 36,4 42,3 34,9 68,8 71,2 55,4 41,9 46,0 40,7 37,9 37,3 37,2 Minerais não metálicos 40,5 39,9 40,3 59,4 59,9 58,3 43,6 44,5 41,9 42,2 41,3 38,5 Metalurgia 39,5 37,7 36,9 59,6 65,6 56,0 46,9 43,3 43,3 40,2 41,1 42,2 Produtos de metal 41,4 38,2 32,9 64,3 65,5 58,9 47,1 43,2 40,1 37,9 38,5 37,0 Informática, eletr. e ópticos 41,5 42,2 38,6 65,2 66,1 58,3 45,7 44,7 43,2 39,7 39,3 35,4 Máquinas e materiais elétricos 43,9 38,1 31,8 64,2 62,2 59,8 48,0 38,4 37,5 41,4 37,5 39,8 Máquinas e equipamentos 43,0 44,2 37,1 63,9 69,7 63,7 49,2 47,2 42,0 39,8 38,9 35,9 Veículos automotores 36,6 34,1 31,5 66,7 68,3 59,2 40,8 41,7 38,7 40,3 39,2 34,9 Outros equip. de transporte 28,8 33,0 31,6 66,3 71,6 61,8 33,8 40,9 31,6 37,5 28,1 18,8 Móveis 36,2 37,9 35,2 66,3 65,3 56,6 41,5 43,0 40,8 37,8 39,2 37,0 Produtos diversos 43,3 36,3 37,1 60,3 65,0 60,3 45,2 40,8 39,7 38,2 43,4 40,5 Manutenção e reparação 44,7 45,0 42,0 64,7 59,2 59,1 51,3 45,2 43,5 39,6 36,5 35,0 Indicadores variam de 0 a 100. Valores maiores que 50 indicam satisfação com a margem de lucro operacional e a situação financeira, facilidade no acesso ao crédito ou aumento no preço médio das matérias-primas. - : Setor não divulgado por não ter atingido o limite mínimo de empresas estabelecido pela amostra. Resultados por região, porte e setor SITUAÇÃO FINANCEIRA
  • Ano 17, n.06, junho de 2014 Sondagem Industrial Demanda Quantidade exportada Compras de matéria-prima Nº de empregados Mensal Mensal Mensal Mensal jul/13 jun/14 jul/14 jul/13 jun/14 jul/14 jul/13 jun/14 jul/14 jul/13 jun/14 jul/14 INDÚSTRIA GERAL 58,9 53,7 55,2 54,2 50,3 49,7 56,0 51,1 52,4 51,5 48,5 48,2 POR REGIÃO GEOGRÁFICA NORTE 63,1 55,5 60,9 49,5 48,0 49,1 60,6 53,0 61,0 54,0 50,7 56,0 NORDESTE 62,8 58,6 60,2 56,6 52,3 52,7 58,7 56,3 57,3 54,4 51,4 50,8 SUDESTE 56,1 49,6 52,4 53,7 49,4 49,0 54,1 46,9 49,9 49,7 45,6 46,3 SUL 57,9 51,4 51,5 52,1 50,9 47,7 55,2 49,6 49,1 50,8 48,3 45,6 CENTRO OESTE 60,8 59,7 59,6 57,1 49,8 50,0 56,8 57,1 54,6 52,9 51,5 50,9 POR PORTE PEQUENA 58,3 52,5 55,2 52,9 51,9 50,5 55,8 50,7 52,8 51,8 48,8 49,5 MÉDIA 57,7 52,4 54,3 52,6 48,3 47,6 54,3 49,7 51,3 49,1 46,7 47,5 GRANDE 59,9 54,9 55,7 55,6 50,6 50,3 57,0 52,1 52,7 52,6 49,2 47,9 POR SETOR INDÚSTRIA EXTRATIVA 59,3 60,1 57,9 63,0 55,4 51,4 54,9 54,9 51,5 52,3 51,9 50,7 Extr. de carvão, petróleo e gás - - - - - - - - - - - - Extr. de minerais metálicos 45,0 48,6 43,1 54,2 45,5 41,7 40,0 41,2 39,1 43,3 41,7 37,5 Extr. de min. não metálicos 62,7 62,2 60,4 71,4 60,9 54,5 58,5 57,1 54,2 53,9 53,4 53,2 Ativ. de apoio à extração - - - - - - - - - - - - INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO 58,4 52,6 54,8 53,8 49,8 49,3 55,6 50,4 52,2 50,9 47,9 48,3 Alimentos 61,4 59,8 59,6 60,2 57,0 57,2 57,6 55,9 55,8 53,2 51,8 52,3 Bebidas 59,6 53,2 62,3 54,2 53,6 52,8 59,0 52,8 58,6 50,5 51,8 52,2 Fumo - - - - - - - - - - - - Têxteis 57,5 52,3 53,0 47,8 49,2 43,4 51,9 50,8 49,2 48,9 46,9 46,8 Vestuário 59,5 55,3 56,7 48,6 51,1 50,0 54,8 51,3 53,0 50,4 51,0 51,4 Couros e artefatos 57,1 47,6 54,8 62,5 43,8 39,1 54,3 46,0 50,5 51,1 43,0 47,5 Calçados e suas partes 58,5 51,5 52,9 56,4 50,0 44,6 53,9 49,5 51,5 50,4 48,5 51,0 Madeira 53,5 48,9 50,3 50,0 41,1 46,7 52,4 48,2 50,0 50,3 49,7 46,6 Celulose e papel 61,0 53,9 56,6 53,8 55,0 52,5 59,0 51,2 52,8 51,7 47,7 46,8 Impressão e reprodução 59,3 53,0 59,9 - - - 56,5 50,7 57,2 51,7 49,7 50,0 Derivados do petróleo 58,3 58,3 65,0 50,0 53,6 50,0 55,0 52,8 60,0 51,7 44,4 48,8 Biocombustíveis 59,8 62,1 57,4 57,7 61,5 42,5 58,1 58,9 50,0 50,8 52,4 46,3 Químicos, exc. limpeza e perfum. 56,4 54,7 59,2 51,8 50,8 54,4 55,8 53,8 56,9 52,6 48,8 49,4 Limpeza e perfumaria 69,9 59,1 59,3 58,3 50,0 57,1 69,7 56,8 57,9 59,4 50,8 47,9 Farmacêuticos 63,3 62,8 60,5 59,4 57,1 58,3 61,7 59,5 62,1 56,7 53,4 55,6 Borracha 55,5 38,1 48,4 57,1 34,6 39,6 53,9 38,4 46,7 48,4 39,8 42,8 Material plástico 58,7 53,8 56,8 51,0 47,0 44,0 55,2 52,2 54,0 50,3 47,8 49,1 Minerais não metálicos 59,3 53,7 57,3 63,7 57,0 58,0 56,1 52,0 54,5 50,2 49,7 51,1 Metalurgia 55,3 47,9 47,2 50,0 50,9 47,4 54,9 43,6 47,5 49,1 43,1 43,9 Produtos de metal 60,0 45,0 49,3 48,3 47,1 41,7 56,1 44,7 47,5 52,7 42,9 44,9 Informática, eletr. e ópticos 56,8 47,5 50,6 58,8 58,0 54,4 50,5 44,9 49,4 45,7 47,1 46,0 Máquinas e materiais elétricos 57,5 50,0 46,9 55,4 48,9 48,8 57,3 46,0 45,1 53,1 45,7 41,7 Máquinas e equipamentos 56,2 50,3 47,3 50,0 47,7 48,5 53,9 47,3 46,7 49,7 47,9 45,3 Veículos automotores 54,1 46,4 48,6 50,0 40,9 48,0 53,4 44,9 48,3 48,1 42,4 42,1 Outros equip. de transporte 57,5 51,0 51,3 55,0 50,0 55,0 55,3 53,0 51,3 51,3 43,0 47,4 Móveis 54,9 49,7 53,7 47,1 46,4 48,2 53,6 48,9 51,3 49,6 44,7 47,3 Produtos diversos 50,0 50,8 54,8 46,4 37,5 45,8 50,9 47,5 49,2 50,0 45,2 45,2 Manutenção e reparação 56,9 53,6 51,2 - - - 54,2 51,2 48,8 50,0 50,0 51,2 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam expectativa positiva. - : Setor não divulgado por não ter atingido o limite mínimo de empresas estabelecido pela amostra. SONDAGEM INDUSTRIAL | Publicação mensal da Confederação Nacional da Indústria - CNI | www.cni.org.br | Diretoria de Políticas e Estratégia - DIRPE Gerência Executiva de Política Econômica - PEC | Gerente-executivo: Flávio Castelo Branco | Gerência Executiva de Pesquisa e Competitividade - GPC Gerente-executivo: Renato da Fonseca | Análise: Marcelo Souza Azevedo | Estatística: Roxana Rossy Campos e Aretha Silícia Lopez Soares | Informações técnicas: (61) 3317-9472 - Fax: (61) 3317-9456 - email: sond.industrial@cni.org.br | Supervisão Gráfica: Núcleo de Editoração CNI Assinaturas: Serviço de Atendimento ao Cliente - Fone: (61) 3317-9989 - email: sac@cni.org.br. Autorizada a reprodução desde que citada a fonte. Para informações metodológicas, veja www.cni.org.br/sondagemindustrialcni EXPECTATIVAS Resultados por região, porte e setor