Your SlideShare is downloading. ×
Tabulação das propostas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tabulação das propostas

1,159
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,159
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PROPOSTAS APRESENTADAS NAS PRÉS-CONFERÊNCIAS, REUNIÕES COLETIVAS E DE PAIS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS e ESTADUAIS. 2013
  • 2. COLABORADORAS 45 – Escolas Municipais EI e EF 07 – Escolas Estaduais PROPOSTAS
  • 3. ÍTENS FORÇA FRAQUEZA O QUE FAZER? SUGESTÕES 1-Oferta de ensino infantil (creches) 2-Oferta de educação fundamental 3-Oferta de ensino médio 4-Oferta de educação superior 5-Evasão escolar 6-Merenda escolar 7-Transporte escolar 8-Oferta de vaga para o AEE e qualidade de atendimento 9-Oferta de educação de jovens e adultos e qualidade de atendimento 10-Bibliotecas escolares 11-Espaço físico (salas de aulas da escola) 12-Quantidade de alunos por sala de aula 13-Espaço físico de lazer e esportes 14-Avaliação escolar 15-Formação e qualificação do corpo docente, direção e coordenação 16-Violência na escola (maus tratos das crianças) 17-Ofertas de ensino profissionalizante 18-Participação dos pais na vida escolar dos filhos 19-Participação dos pais na vida da escola 20-Atuação do conselho de escola e APM 21-Escola de tempo integral 22-Limpeza da escola 23-Segurança na escola 24-Qualidade da educação (IDEB) 25-Espaço físico geral da escola (interno e externo) 26- Recursos humanos compatível com o atendimento de qualidade 27-Aplicação dos recursos financeiros na educação 28-OUTROS!!!! FORMULÁRIO PARA O PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
  • 4. I-OFERTA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: •Abertura de concurso público e processo seletivo para atender a demanda com profissionais qualificados. •Construção de novas unidades escolares e ampliação de outras unidades para atender a demanda de vagas. •Contratar funcionários e professores para preencher as vagas existentes. •Capacitação obrigatória para profissionais em horário de trabalho, sem direito a certificado ou fora do horário com direito ao mesmo. •Auxiliar para a professora do maternal um. •Sala adaptada com banheiros para o maternal 1. •Colocar nas escolas materiais de primeiros socorros e curso de formação dos funcionários para sua devida aplicação. •Capacitação dos funcionários no geral em horário de trabalho. •Desdobramentos das salas que ainda estão juntas do B1 e B2 e do M1 e M2. •Porteiros nas escolas para controlar a entrada e saída de pessoas. •Contratação de funcionários da área de saúde, para socorrer possíveis emergências e administrar medicações prescritas pelo médico da criança. •Adequação do uso dos berços reclináveis, para prevenir sufocamento por refluxo. •Entrega do material logo no primeiro dia de aula juntamente com o uniforme. •Agilidade nas substituições de funcionários. •Diálogo unificado entre os níveis da educação. •Professor Assistente a cada dez alunos, a partir do maternal 1 e maior número de profissionais capacitados.
  • 5. •Unificação pela Secretaria de Educação, da linha pedagógica das Unidades escolares. •Estudo demográfico da cidade, para planejar a construção de novas unidades, bem ampliação das já existentes. •Implantar o apostilamento. •Planejar a reposição das aposentadorias e demissões. •Na construção, ampliação ou reforma de escolas, convidar o gestor da escola para participar juntamente com Engenheiro e Arquiteto, a fim de otimizar o espaço para finalidade pedagógica. •Oferecer transporte escolar para as crianças que não conseguem vaga próximo de sua residência. •Antes de implantar um projeto de ensino, oferecer capacitação e formação aos profissionais nele envolvidos. •Enviar recursos específicos para aquisição de brinquedos e materiais pedagógicos, além do PDDE, visto que brincar faz parte da rotina infantil. •Rever o número de crianças por Agente de Desenvolvimento Infantil e Educadora Adjunto Infantil e de Creche. •Coordenação Pedagógica em todas as escolas. •Oferecer curso de capacitação para as Educadoras como ocorreu em 2011. •Climatização de todas as salas. •Antecipar a licitação para compra de materiais para o início do ano. •Concurso para professores e ADIs.
  • 6. II-OFERTA DE ENSINO FUNDAMENTAL: •Contratar profissional específico para cuidar dos alunos (Inspetor de alunos). •Oferta de capacitação para todos os profissionais da educação. •Diminuição de alunos por sala de aula. •Reduzir a burocracia para o professor. •Trabalhar com apostilas para os alunos da rede Municipal. •Introduzir a progressão anual compatível. •Deixar por conta dos pais para matricular o filho nas escolas de 6º ano. •Construção de mais escolas na região do bairro Atlântico para amenizar os transtornos dos ônibus. •Construção de novos prédios em locais mais acessíveis e em bairros novos. •Estudo prévio das demandas por bairro, para evitar que as crianças façam longos deslocamentos para estudar. •Melhorar a qualidade do material didático e a entrega do referido material. •Escolas de período integral com educadores especializados para aulas de arte, música, esporte, etc.. •Valorização do profissional de educação: remuneração e plano de carreira que favoreça a progressão funcional. •Acesso de todos à internet para elaborar semanários, provas e aulas diversificadas. •Diminuir distanciamento entre gestores e docentes. •Acompanhamento especializado para criança especial. •Que os casos severos de inclusão sejam encaminhados para órgãos especializados. •Padronização dos conteúdos por bimestre e por ano escolar.
  • 7. •Contratação de mais um dentista na escola para fechar o período de atendimento. •Agilidade na contratação de estagiário. •Construção de mais escolas de tempo integral com a devida infraestrutura. •Contratação de professores para o lugar dos estagiários. •Mudança na rota do transporte escolar, para proporcionar a permanência dos alunos na escola, quando mudarem para bairros novos. •Metodologia de ensino unificada. •Contratar profissional na área de psicopedagogia. •Ampliar a jornada do professor efetivo para substituição •Ampliar para mais uma aula de Educação Física e Arte. •Construir playgrounds nas escolas. •Sala adequada para as bibliotecas e de PRR. •Professores concursados para substituição eventual nas escolas, fazendo parte do corpo docente. Não havendo substituição, ele auxilia na alfabetização. •Contratação de eventual pela própria escola • Processo seletivo para as oficinas e concurso e processo seletivo para professores. • Defasagem na aprendizagem. Atendimento especializado e parceria entre professores do município e estado. • Transformar em rotina, o trabalho que vem sendo realizado com as famílias. • Discussão mais aprofundada da rotatividade e permanência das “equipes gestoras”. • Ampliar salas, nas escolas de período parcial, para atendimento de alunos que não querem período integral.
  • 8. - Parceria com as escolas estaduais para maior oferta do EJA a partir do 6 º ano. - Professor assistente no primeiro ano. - Participação do professor na elaboração do material. - Existem itens no material didático inadequado, formar equipe para avaliação do material a ser distribuído. - Grade curricular diferenciada para atender as oficinas (tempo integral). - Professores especialistas PEB II como Educação Física e Artes. - Cursos de atualização, orientações pontuais e cobranças acentuadas com a qualidade da educação. - As oficinas devem ser ministradas por profissional capacitado e auxiliado por estagiário. - Contratar professores de música, balé, artesanato, teatro e dança. - Contratar bibliotecários e estender o atendimento das bibliotecas para a comunidade. - Ampliar a oferta de escolas de tempo integral. - Retorno da oferta do Curso de Magistério. - Melhorar o comprometimento e capacitação dos profissionais. - Criar projetos de incentivo à leitura. - Reorganização da estrutura física das escolas de tempo integral e reorganização do espaço físico das escolas de ensino fundamental. - Equipe multidisciplinar na escola. - Criação de pólos do CAICA para agilizar o atendimento dos alunos. - Voltar a reprovação para o aluno que não atingir a nota mínima. - Mais cursos e atividades para alunos do período integral.
  • 9. III-OFERTA DO ENSINO MÉDIO: •Participação efetiva da família. •Diminuir o número de alunos por sala de aula. •Oferecer mais aulas práticas para os alunos em laboratórios. •Criar eventos, feira de ciências, festivais de músicas (para revelar talentos). •Investir em reformas das escolas existentes. •Mais vagas para o ensino profissionalizante. •Construção de novos prédios nos bairros novos. •Parcerias entre comunidade e escola. •Estudo prévio das demandas dos bairros, para evitar longos deslocamentos dos estudantes. •Mudança e aplicação do ECA. •Contratação de professores. •Comprometimento do governo, escola e comunidade com a qualidade. •Pesquisa de campo pelo Conselho Municipal de Educação para averiguar a necessidade da escola na comunidade. •Regulamentação da ronda escolar principalmente no período noturno. •Progredir de acordo com a nota e não em regime de progressão continuada. •Valorização profissional e formação continuada para incentivar o ingresso no magistério. •(Investir em laboratórios específicos: ciências, química, informática, etc.,). •Informatizar as bibliotecas. •Destinar mais recursos financeiros para valorização profissional e ampliações das escolas já existentes.
  • 10. Estudantis. •Acompanhamento mais próximo por parte da comunidade. •Cumprimento das regras escolar por toda equipe técnica. •Retornar as aulas de Educação Moral e Cívica e Ensino Religioso. •Oferecer cursos profissionalizantes na escola pública. •Curso preparatório para vestibulares. • Abrir salas no período da tarde e vespertino, sem acabar com o noturno. Salas de ensino médio profissionalizante integrado ao ensino médio regular. • Atender melhor as especificidades do mercado de trabalho. •Optar por ensino médio regular ou técnico •Buscar a oferta de Faculdades Federais para o Município
  • 11. IV-OFERTA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR: •Ampliação de cursos nas Universidades. •Instituições públicas acessíveis à população de baixa renda. •Criação de novos cursos em faculdades públicas e ampliação de vagas. •Ampliar os cursos e vagas na Fatec. •Oferta de cursinho público de reciclagem para alunos concluintes do Ensino Médio público. •Ampliar a oferta de bolsas de estudo pelo Município. •Priorizar o atendimento aos alunos oriundos da rede pública. •Convênio entre Faculdades Particulares e Públicas e Município para bolsas de estudo na graduação e pós-graduação. •Fiscalizar a graduação/licenciatura de formação de professores alfabetizadores. •Ampliar cursos na UNESP e Fatec. •Parceria para oferta de cursos superiores para funcionários (ex. antiga Pedagogia Cidadã). •Federalizar FEA (Fundação Educacional de Araçatuba). •Maior controle dos cursos de modalidade à distância. •Parcerias com as faculdades através de atendimento que pode ser prestado. •Parceria com o CRAS para acompanhamento das famílias cuja criança tem que caminhar mais de 2 km para chegar à escola. •Junto com o Conselho Tutelar responsabilizar os pais pelas faltas de filhos reincidentes. •Ampliação de Cursos nas Faculdades Públicas. •Rigorosa fiscalização dos cursos por parte do MEC. •Mais oferta de cursos no período noturno. •Eliminar o sistema de cotas. •Exame de suficiência para todos os cursos, assim como já tem para o Contador, Advogado, etc.
  • 12. V-EVASÃO ESCOLAR: •Ocorre mais no ensino médio devido â falta de atrativo dentro das salas de aulas e a necessidade do menor trabalhar. •Oferecer cursos técnicos e profissionalizantes, com oportunidade de estágios a partir do 6º ano no período inverso do estudado. •Professores mais preparados. •Maior rigidez e eficácia do Conselho Tutelar. •Penalizar os pais que não cumprirem com as regras da ECA. •Sensibilizar a família quanto à importância da escola na vida das crianças. •Oferecer currículo mais flexível para as crianças. •Acabar com paternalismo: bolsa família, vale leite, vale gás, auxílio reclusão, etc.,. •Ampliação de projetos comunitários de acordo com cada realidade. •Maior atuação do Conselho Escolar e estreitar mais o contato da escola com a família. •Parceria com o CRAS para o acompanhamento das famílias cuja criança tem que caminhar mais de dois km para chegar à escola. •Junto com o Conselho Tutelar, responsabilizar os pais pelas faltas reincidentes dos filhos. •Apoio familiar em relação à frequência escolar. •Separação por faixa etária no EJA. •Projetos criativos para tornar a escola mais atrativa. •Implantação de escolas de tempo integral com boa infraestrutura e bons profissionais. •Maior atuação do Conselho Tutelar e Promotoria. •Punição para os pais que não encaminhar os filhos para a escola e para o reforço em período oposto. •Propiciar ambiente acolhedor e atraente para pais e filhos. •Conscientizar a família para o acompanhamento da vida escolar dos filhos.
  • 13. VI-MERENDA ESCOLAR: •Cardápio com variedade de frutas e legumes e leite longa vida no lugar do chá e da bebida láctea. •Maior controle de qualidade dos alimentos. •Oferecer dois tipos de mistura para a criança escolher. •Fazer com que os cardápios sejam cumpridos conforme sua elaboração. •Enviar frutas e legumes no início da semana. Não deixar faltar ingrediente. •Acompanhamento rigoroso por parte da empresa terceirizada, em relação à quantidade e qualidade dos alimentos oferecidos. •Contratação de auxiliar de cozinha para as EMEBS de Educação Infantil. •Servir fruta todos os dias da semana. Incluir sucos naturais. •Substituir a água pelo leite na bebida láctea. •Acrescentar outra opção no dia em que é servido polenta. •Agendar reunião entre as nutricionistas da empresa e Prefeitura para discussão e definição do cardápio. •Evitar os enlatados e contratar mais cozinheiras. •Incrementar mais diversificação na alimentação: frutas, legumes e verduras. •Implantar o aparador de atendimento em todas as escolas. •Oferecer jantar nas escolas de tempo integral. •Melhorar a qualidade da carne e peixe. •Trabalhar com os alunos para evitar o desperdício. •Alimentação escolar diferente e inferior nas escolas de periferia em relação às escolas centrais.
  • 14. •Substituir o lanche pela janta no período da tarde. •A empresa terceirizada deve investir no treinamento das cozinheiras/merendeiras. •Professores devem acompanhar as refeições das crianças. •Criar hortas comunitárias. •Criar opção de mistura, já que não há de cardápio. •Aumentar a quantidade de mistura. •Colocar pão no lugar da bolacha no café da manhã. •Aumentar a per capta por aluno para cálculo da quantidade a ser disponibilizada. •Alimentação diferenciada para alunos com alergia a determinado alimento. •Incluir profissionais da educação na hora de elaboração do cardápio. •Exposição do cardápio semanalmente em local visível. •Substituir prato, copo e talher de plástico por prato e talher de inox e copos de vidro. •Equipar as cozinhas com eletrodomésticos modernos para facilitar o trabalho. •Sobremesa todos os dias da semana. •Oferta de leite para todos e não só para o berçário. •Avaliar melhor a empresa terceirizada. •Aumentar a oferta de produtos naturais. •Alimentos com maior valor nutricional. •Voltar à gestão da merenda para a Prefeitura. •Colocar outras frutas como: manga, pera, uva, morango. •Substituir enlatados, embutidos e industrializados por outros produtos mais saudáveis.
  • 15. VII-TRANSPORTE ESCOLAR: •Ônibus equipado com assentos infantis. •Aumentar rede de atendimento diversificando as rotas, para que o trajeto residência- escola, não fique tão longo. •Capacitar os profissionais. •Continuar com os monitores e respeitar o horário de saída dos alunos. •Aquisição de veículo adaptado para transporte de crianças até cinco anos. •Colocar transporte para a educação infantil, tanto para aula como para atividades culturais. •Melhoria nos equipamentos de segurança. •Melhorar a conservação da frota. •Avaliar qualidade dos serviços dos motoristas. •Tornar o transporte dos alunos 100% com frota própria. •Monitores concursados para cuidar dos alunos. •Rotas alternativas para distâncias intermediárias e para escola de tempo integral. •Fim da terceirização. •Rotas mais abrangente, incluindo mais escolas. •O bairro da Jacutinga não tem transporte escolar. •Estender o transporte para o ensino infantil. •Transporte para a EJA no fundamental I, II e ensino médio. •Transporte para os profissionais participar de eventos culturais. •Município não atende a rede estadual.
  • 16. VIII-OFERTA DE VAGA PARA O AEE E QUALIDADE DE ATENDIMENTO •Adequar as escolas com espaço próprio. •Maior tempo de atendimento por aluno •Agilizar treinamento das cuidadoras para melhor atender às necessidades do aluno especial. •Equipe (multidisciplinar) de especialista para elaborar e dar atendimento aos alunos e auxiliar o professor. •Criação de pólos do CAICA, mais próximos dos bairros, com equipe multidisciplinar de atendimento. •Contratar mais professores para atender à demanda. •Disponibilização e capacitação de cuidadores. •Agilizar os laudos médicos. •Retorno da classe especial. •Parceria Educação/Saúde para elaboração do laudo. •Adequação dos espaços físicos para acessibilidade. •Criar centros com especialistas por áreas (surdos, mudos, mental, etc). •Diminuir as burocracias para atendimento. •Rever o sistema de distribuição dos profissionais nas unidades escolares, pela Secretaria. •Autonomia para a Direção Escolar solicita o atendimento de acordo com as necessidades da unidade. •Parceria da secretaria com a APAE. •Criar escola polo com atendimento por equipe multidisciplinar. •Oferecer atendimento mais de uma vez por semana ao aluno. •Capacitação continuada dos profissionais envolvidos. •Criar centro de atendimento para outras deficiências: dislexia, TDHA e doenças mentais. •Parceria entre as escolas do ensino fundamental ciclo I e II. • Atender todos os alunos com necessidades especiais, mesmo os sem laudo.
  • 17. IX-OFERTA DA EJA E QUALIDADE DE ATENDIMENTO: •Adequar às escolas e contratar mais professores especialistas. •Aumentar o número de polos e fornecer transporte escolar. •Maior divulgação em diferentes mídias das escolas que oferecem o EJA. •Iniciar o atendimento criança mesmo sem o laudo médico, para ganhar tempo até que seja providenciado. •Atender a criança no mesmo período em que estuda, facilitando para os pais e diminuindo as faltas. •Equipe multidisciplinar mais atuante. •Direção e coordenação presente no horário mais atuante. •Mais apoio ao profissional que trabalha na EJA, por parte da Secretaria. •Auxílio financeiro para o aluno (motivação). •Colocar transporte noturno. •Projeto de atendimento 24 horas semanais •Separação das turmas (termo 1 e Termo 2). •Guarda Municipal nas EJAS noturnas. •Curso de capacitação para os professores. •Criação de currículo que realmente atenda às necessidades da clientela. •Implantar campanhas de matrículas e ações para reduzir a evasão. •Não permitir a classe multisseriada. •Oferecer vagas próximas das residências dos alunos com necessidades especiais. •Criação de currículo que realmente atenda às necessidades da clientela. •Implantar campanhas de matrículas e ações para reduzir a evasão.
  • 18. •Não permitir a classe multisseriada. •Oferecer vagas próximo das residências dos alunos com necessidades especiais. •Parceria com a saúde para agilizar as avaliações. •Criação de pólos para atender a necessidade do fundamental II. •Levar o atendimento para todos os bairros. •Diversidade de métodos e materiais. •Oferta de ônibus para os alunos interessados de bairros distantes. • Revisão do currículo, para adequar à realidade. • Definir apenas um programa de educação, o ENCEJA acaba desvalorizando o EJA. • Implantar laboratório de informática, conforme demanda do local.
  • 19. X-BIBLIOTECAS ESCOLARES: •Construção de espaço adequado nas escolas de educação infantil. •Programar bibliotecas em todas as unidades escolares, •Aquisição de livros e mobiliários suficientes e contratação de profissional específico para a função (bibliotecário). •Parceria escolas e Secretaria Municipal de Educação, cadê? •Aumento do acervo de livros adequados para as idades. •Quantidade de livros suficientes para atender todos os alunos. •Incrementar a participações dos pais na semana de Literatura. •Implantar plano de gestão das bibliotecas (sala de leitura) que englobasse a instalação das salas, manutenção do espaço físico e do acervo. •Verba específica para compra de livros gibis. •Implantar bibliotecas no ensino fundamental. •Digitalização dos acervos. •Ampliação de recebimento de acervos do Governo Federal pelo Programa Nacional da Biblioteca Escolar. •Pensar em acervo bibliográfico para os professores. •Promover feira de troca de livros. •Manter os acervos atualizados com aquisições de lançamentos recentes. •Implantar projetos para incentivar a leitura. •Retomar projeto “Folha da Região na sala de aula”. •Estudar a possibilidade de acervo que possa ser emprestado ao aluno. •Oportunizar acesso também à comunidade. •Sala específica para biblioteca com mobiliário próprio. •Enviar os livros escolhidos pela escola, na quantidade certa e com a edição atualizada.
  • 20. XI-ESPAÇO FÍSICO (SALA DE AULA): •Várias escolas com problemas nas coberturas (telhados). •Climatização das salas de aula. •Salas ambientes para cada tipo de atividade. •Cadeiras e carteiras adequadas aos tamanhos dos alunos. •Mobiliários modernos e com manutenção. •Salas de berçários com solário conjugado. •Melhorar os espaços físicos para as crianças de tempo integral. •Criar a sala de recursos. •Sala de descanso na escola de tempo integral. •Agilizar as reformas das escolas. •A Secretaria precisa responder os ofícios das escolas, solicitando urgente ampliação/construção, quando há espaço disponível na própria Escola. •Cobrar das empresas terceirizadas a realização dos serviços contratados, o seu cumprimento dentro dos prazos estabelecidos. •Colocar na discussão das construções/reformas a equipe da escola que vai sofrer com os serviços. •Destinar verba anual para manutenção geral do prédio escolar. •Substituir a lousa por quadro branco. •Equipar as salas com TV, Vídeo, DVD, data show e computador. •Oportunizar a reforma de todas as escolas, e não apenas de algumas.
  • 21. XII-QUANTIDADE DE ALUNOS POR SALA DE AULA: •O ideal são 20 alunos para o ensino fundamental 1, 25 para ensino fundamental 2 e quando houver inclusão apenas 15 alunos. •Respeitar as leis que estabelecem as quantidades por segmento/modalidade. •Estabelecer critério e avaliação para os casos de inclusão. •Cinco alunos por ADI.
  • 22. XIII-ESPAÇO FÍSICO DE LAZER E ESPORTES: •Construção de cobertura para os dias chuvosos e piso apropriado onde não existe. •Construção de espaço físico próprio (coberto) nas escolas que não possuem, para a prática de esporte e lazer. •Construção de parques nas escolas pra os alunos de 1º e 2º anos. •Construção de quiosques cobertos e ampliação dos parques de areia. •Implantar projetos para ocupação por parte dos alunos e comunidade das áreas de esporte e lazer existentes. •Implantação de salas de dança, balé, música, judô, karatê, com profissionais da área, nas escolas de tempo integral. •Quadra poliesportiva, piscina, com piso adequado. •Manutenção das quadras, ginásios esportivos e salas ambientes. •Arborização dos parques infantis. •Confeccionar brinquedos com pneus. •Disponibilizar uma pessoa habilitada para monitorar as atividades recreativas da comunidade, nos finais de semana. •Programar projetos em parceria com a Secretaria de Esportes. •Salas de balé nos CEMFICAS.
  • 23. XIV-AVALIAÇÃO ESCOLAR: •Estabelecer padrão de avaliação no ensino fundamental que avalie o progresso individual, sem comparações entre as crianças. •Melhorar o programa de reforço escolar. •Avaliação diagnóstica e provinha Brasil, deveria além de quantificar a situação da educação, propor ações de melhorias e mudanças. •Elaboração de um relatório mais prático, padronizado e de fácil preenchimento e entendimento. •Implantar o apostilamento para facilitar a unificação entre as escolas do sistema municipal. •Promover treinamentos para os professores. •Falta devolutiva diagnóstica da prova Brasil. •Avaliação específica para os alunos de inclusão. •Pensar a avaliação como um processo de retomada do processo ensino aprendizagem e não como instrumento de medida e de classificação. •Abolir as avaliações externas. •Acompanhar a qualidade de ensino em todos os níveis da educação. •Avaliações contínuas e diárias. •Mais exigências nas avaliações. •Continuidade da avaliação paralela e contínua dos alunos.
  • 24. •Observar o contexto local para o critério de avaliação. Ex. Prova Brasil •Critérios diferentes, para avaliar alunos com necessidades especiais que não possuem laudo técnico. •Coerência entre o que se pede e que é cobrado. •Deixar somente os relatórios de observação sem fotos (custo inviável para a escola). •Abolir os portfólios para o ensino fundamental. •Avaliar o aluno pelo seu conhecimento e não pelo sistema imposto. •Aceitar o sistema de avaliação usado pelas professoras nos momentos de avaliação. •Discutir com todos os professores sobre o sistema de ensino de escrita no município. •Aplicar provas de acordo com que de fato aprendem na escola. •Retenção de alunos com dificuldade na série atual. •A avaliação externa da própria rede deve levar em conta não apenas o desempenho em provas. •A formação do cidadão deve estar acima do aferimento de conteúdos e habilidades. • Mostrar mais atividades e menos fotos.
  • 25. XV-FORMAÇÃO DO CORPO DOCENTE, DIREÇÃO E COORDENAÇÃO: •Cursos específicos para promover a inclusão. •Proporcionar treinamentos para todos os profissionais das escolas. •Alteração do Plano de Carreira para criação do cargo de coordenador de escola por meio de concurso público. •Oferecer formação em horário de trabalho, conforme a lei. •Utilizar a verba destinada à formação de profissionais, para todos. •Retorno dos simpósios e ampla divulgação dos cursos oferecidos. •Melhores salários e condições de trabalho. •Oferta de cursos para professores do ciclo – 4º e 5º anos. •Formação e qualificação em horário de trabalho e em horários diferenciados. •Incentivos para o professor participar do curso. •Seminários, cursos e palestras com mais frequência. •Certificado e carga horária para os cursos realizados. •Pesquisar junto às escolas, sobre temas a serem abordados nas formações. •Semana de planejamento antes do início do ano letivo. •Revisão do Plano de Carreira e também fazer valer. •Incluir todos os segmentos da escola na formação contínua. •Ampliar a oferta de cursos de extensão na área de educação infantil. •Autonomia da escola para desenvolver o regimento interno. •Ampliar a oferta de cursos de capacitação. •Escolha de cursos que realmente auxilie a prática da sala de aula. •Notificação da escola à Secretaria do professor que não exerce a função corretamente, e a devida providência por parte da Secretaria. •Capacitação para direção, coordenação e secretaria escolar. •Promover viagens formativas para toda a equipe da escola.
  • 26. XVI-VIOLÊNCIA NA ESCOLA (MAUS TRATOS): •Desenvolver projetos com mensagens de respeito mútuo, interação e limites, a ser trabalhado com os pais, alunos e funcionários. •Contratação de funcionários para monitorar horário de entrada e saída e recreio dos alunos. •Estabelecer políticas públicas para mais prevenção e maior segurança nas escolas. •Revisão do ECA e regimentos escolares. •Promoção de palestras educativas para o público interno da escola e famílias. •Ronda escolar permanente nas escolas. •Autonomia para a escola repreender a criança e convocar a família para conscientização de limites no seu comportamento. •Buscar ajuda e parceria do CREAS e CRAS. •Contratar inspetores de alunos para ajudar na observação dos alunos. •Criar rede de proteção aos alunos expostos às situações de violência que acabam se repetindo dentro do ambiente escolar. •Implantar projetos escolares que estimulem a resolução de conflitos por meios não violentos. •Destinar um professor mediador na unidade escolar, para cuidar de projetos que visem intensificar relacionamentos saudáveis. •Valorizar o bom comportamento, as ações positivas em favor da escola e das relações interpessoais. •Penalizar rigorosamente dentro da lei, o adulto que praticar violência de maus tratos dentro do ambiente escolar. •Introduzir no PPP da escola estudos sobre “Violência Escolar”. •Colocar câmeras e vigias nas escolas. •Implantar programa como os Gestores da Paz, para atuar diretamente nas escolas, preparando professores, funcionários e pais sobre as questões de violência escolar, com apoio jurídico, da saúde e educação. •Atuação firme da Escola junto com Conselho Tutelar. •Apurar denúncias e punir infratores seja quem for. •Investimento na formação da equipe escolar para trabalhar com a situação. •Envolver a Saúde e Assistência Social para desenvolver projetos com as crianças e famílias.
  • 27. XVII-OFERTAS DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE: •Ampliar vagas e cursos variados e gratuitos. •Parcerias com empresas para encaminhar jovens para o mercado de trabalho. •Oferecer bolsas de estudos de cursos em escolas particulares. •Curso técnico em período integral, mais base comum e parte diversificada. •Oferta de cursos profissionais de acordo com as necessidades do mercado. •Melhor avaliação dos cursos da ETEC.
  • 28. XVIII-PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA VIDA ESCOLAR DOS FILHOS: •Incentivar os pais com palestras, atividades e participação no Conselho de Escola. •Conscientizar os pais através de palestras educativas, vídeos e reuniões bimestrais. •Promover o debate social da participação em toda a rede. •Estimular o acompanhamento constante de tarefas e atividades dos filhos. •Promover momentos na escola que envolva a família. •Projeto “Família na Escola” e reuniões temáticas. •Palestras com especialistas (Psicólogo e Pedagogo) •Vincular o recebimento da bolsa família à presença dos pais nas reuniões da escola. •Realizar as reuniões no horário que atenda melhor os pais (noite). •Condicionar o atendimento da vaga do filho (a) à presença constante nas reuniões. •Formação para pais e responsáveis. •Criação da “Escola de Pais”.
  • 29. XIX-PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA VIDA DA ESCOLA: •Tornar as reuniões de pais mais reflexivas em relação à educação. •Planejar eventos mais atrativos. •Criar leis que obriguem a participação dos pais. •Parcerias com o Conselho Tutelar e outras Entidades que elaborem formas de exigir a responsabilidade dos pais. •Envolver os pais no planejamento e execução dos projetos da escola. •Implantar projeto “amigos da Escola”. •Palestras com temas que aproximem os pais da escola, ex: Planejamento Familiar, Aborto, Violência Doméstica e Escolar, etc. •Participação dos pais nos passeios, recreio e mutirão de limpeza. •Ampliar o trabalho voluntário em atividade comunitária.
  • 30. •XX-ATUAÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA E APM: •Cobrar atuação mais efetiva dos dois órgãos. •Registrar os eventos dos dois órgãos. •Divulgar o trabalho do Conselho e APM. •Que as decisões sejam tomadas em conjunto (pessoal interno da escola e comunidade externa) e que sejam respeitadas. •Promover capacitação dos integrantes dos órgãos citados. •Promover o aumento do número de pais nos colegiados. •Efetiva participação do Conselho nas decisões da Escola. •Seleção para participar do Conselho de que está comprometido com o trabalho da escola. •Tornar menos burocrática a participação dos órgãos. •Os membros do Conselho precisam ter mais informações, para não se tornarem meras figuras decorativos.
  • 31. XXI-ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL: •Falta estrutura física e professores qualificados. •Aumenta-se a área física com as reformas e número de funcionários permanece o mesmo. •Professores para acompanhamento escolar (PRR). •Ampliar atividades de esporte e lazer, intercaladas com momentos de descanso. •Diversificar as atividades para se tornarem mais atraentes. •Ampliar vagas e escolas com esse atendimento, mas com as devidas estruturas antes de iniciar seu funcionamento. •Reformulação das atividades oferecidas. •Reforçar a alimentação escolar. •Contratação de monitores com formação específica para a área em que vai atuar. •Contratar estagiário apenas para auxiliar o professor/monitor, e não para assumir o seu lugar. •Equipar as oficinas com materiais de fantasia, jogos, instrumentos musicais, artesanato, ping-pong, skates, grafite, etc. •Adequação da rotina, de acordo com a faixa etária da criança. •Destinar um Supervisor habilitado para acompanhar as atividades pedagógicas. •Melhorar a oferta de projetos oferecidos no período oposto, alimentação e acompanhamento. •Só implantar novas escolas, depois de sanados os problemas detectados. •A Filosofia e a Concepção Pedagógica da Escola de Tempo Integral são ótimas, mas a implementação deixa a desejar.
  • 32. XXII-LIMPEZA DA ESCOLA: •Ensinar o aluno a cuidar da limpeza da escola, começando a limpar sua própria carteira ou móvel que utilize. •Ampliar o número de funcionários de limpeza nas escolas. •Visitas frequentes do Supervisor da empresa terceirizada para acompanhar o trabalho. •Oferta de equipamentos específicos para limpeza minuciosa. •Limpeza da carteira pelo aluno como trabalho de conscientização de higiene e conservação do ambiente escolar. •Mais funcionários para limpeza de ventiladores e área externa das escolas. •Maior quantidade e qualidade dos produtos utilizados. •Aquisição de máquinas: lavadora de piso de pressão, escova, etc. •Fazer a apresentação dos profissionais da empresa terceirizada aos profissionais da escola. •Organizar os horários de limpeza junto com a equipe escolar e exigir comprometimento dos funcionários e monitoramento da empresa. •Treinar o pessoal e ceder os uniformes com identificação da empresa. •Cuidar também, da higiene dos alunos (escovação de dentes, banho, asseio, etc).
  • 33. XXIII-SEGURANÇA NA ESCOLA: •Presença constante da Guarda Municipal nas escolas localizadas em bairros da periferia. •Disponibilizar um Guarda Municipal para cada escola, principalmente no horário noturno. •Colocar segurança e instalar câmeras em todas as escolas. •Ampliar a Ronda Escolar para todas as escolas. •Alarme da Escola vinculado ao da Guarda Municipal. •Atividades nos finais de semana com a comunidade, através de projetos em parceria com outras secretarias. •Sistema de segurança câmeras e alarmes em torno da escola. •Fechar as escolas com muros e retirar os alambrados. •Que as escolas possam chamar o SAMU sem que a Guarda Municipal precise vir Junto nas emergências/urgências. •Um caseiro, um guarda municipal e à noite um vigia para cada escola. •Instalação de catracas e cartão magnético na entrada e saída de alunos em todas as escolas.
  • 34. XXIV-QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (IDEB): •Retorno das avaliações no 5º ano, para detectar e sanar as falhas. •As provas deveriam ficar na escola e mandar apenas o gabarito para órgão responsável. •Usar os resultados do IDEB para realmente, investir e repensar as práticas educativas. •Proporcionar métodos e atividades mais motivadoras. •Maior divulgação das metas alcançadas. •Aumentar o número de avaliações por ano. •Elaboração das avaliações pelo município, dentro dos parâmetros de conteúdo mínimo exigido. •Trabalho em equipe nos dois ciclos. •Avaliar a escola com índices de acordo com sua realidade. •Presença mais efetiva da Orientação Educacional, participando dos momentos pedagógicos. •Professores concursados desde os berçários. •Montagem de equipe multidisciplinar para atendimento por pólos. •Rever a aplicação da prova diagnóstica como forma de avaliação tanto para o aluno quanto para a escola. •Mudanças nas regras quanto à montagem, aplicação e correção das provas, bem como dos valores atribuídos e divulgados na imprensa. •Estabelecer metas para a escola desde a educação infantil. •Valorizar a escola e funcionários da escola que cumprir as metas. •Investir em formação continuada de docentes e gestores. •Criar planos de parceria para as escolas com dificuldades de atingir as metas. •Teste de múltipla escolha, nem sempre é capaz de avaliar o aprendizado do aluno.
  • 35. •Rever o trabalho e apresentar propostas diferenciadas. •Unificação da rede com apostilamento. •Implantar o contrato do professor por exclusividade. •Mudar a forma de aplicação das avaliações. •Preparar melhor os alunos para realização das provas. •Menos documentos e mais qualidade. •Revisão das metas estabelecidas. •Proposta pedagógica para as escolas, levando em consideração a realidade de cada uma. •Rever os critérios de avaliação, mediante a política de inclusão. •Rever a aprovação automática. • Avanço e melhorias conquistados monitorados pelo Conselho de Educação.
  • 36. XXV-ESPAÇO FÍSICO GERAL DA ESCOLA (INTERNO E EXTERNO): •Reformas, ampliações e construções (berçários), trocas de forros e reparos nas redes elétricas. •Cobrir as áreas externas das escolas. •Ampliações, reformas e construções obedecendo à lei de acessibilidade. •Projetos de plantio de hortas e jardins no espaço escolar. •Colocação de gradil em volta de todas as escolas. •Playground de madeira parar alunos das séries iniciais. •Sala apropriada para descanso. •Espaços para o professor receber e conversar com os pais. •Avaliação periódica dos espaços físicos das escolas, levantamento das suas reais necessidades de reformas, ampliações e manutenção do que não está bom. •Desburocratizar o processo de manutenção dos prédios escolares.
  • 37. XXVI-RECURSOS HUMANOS COMPATÍVEIS COM ATENDIMENTO DE QUALIDADE: •Revisão e adequação do Plano de Carreira envolvendo todos os segmentos da Educação (melhorar a redação, ser mais clara e precisa em relação às datas e percentuais). •Abertura de concurso público e contratação de pessoal. •Inclusão do professor volante em cada período de aula. •Contratar auxiliares para cuidar dos alunos menores. •Contratar profissionais volantes efetivos na secretaria, para cobrir abonadas, licenças, férias e recessos de funcionários. •Proibir a contratação de estagiários para ocupar o lugar do professor/monitor. •Propor encontros para trocas de experiências com professores de outras áreas. •Contratação de Coordenador Pedagógico para as escolas com número menor de alunos. •Implantação de um Centro de Diagnóstico e Avaliação. •Oferecer cursos de formação com profissionais especializados: fonoaudiólogos, psicólogos, enfermeiros, pediatras, etc. •Fazer a verba da educação chegar nas escolas
  • 38. •Gestão firme da Secretaria com os professores que não cumprem suas funções. •Suprir rapidamente os cargos vagos. •Tornar o pagamento das aulas extraordinárias e carga suplementar mais atraente, incluindo percentual do descanso semanal remunerado. •Assegurar um período maior de exercício para o contratado (processo seletivo e outros). •Agilidade no processo de concurso e de contratação temporária •(Aumento do horário de HTPL remunerado devido aos inúmeros documentos, relatórios, FIAP, preparo de aulas, correção de provas, cadernetas, etc). •Auxílio cultura para os funcionários da Educação. •Redução de documentos repetitivos. •Implantar jornada única, com salário dos dois períodos. •Colocar enfermeiro em escola de educação infantil.
  • 39. XXVII-APLICAÇÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DA EDUCAÇÃO: •Aplicação de 15% do PIB na educação. •Melhorar salário dos professores e funcionários da educação. •Planejamento financeiro, elencando as prioridades de acordo com a realidade de cada escola. •Transparência dos gastos com a verba do FUNDEB. •Cumprimento da data base para reajuste salarial. •Prestação de contas dos recursos financeiros utilizados para compra de material, reformas, ampliação, construção, cursos de formação e outros gastos. •Maior autonomia na administração dos recursos, de acordo com as necessidades da escola. •Distribuição dos recursos financeiros de acordo com a realidade e necessidade da escola. •Bolsa de estudos para a Universidade Pública e Privada. •Rever progressões funcionais no Plano de Carreira. •Fazer cumprir a Lei 204 de 22/12/2009. •Auditoria constante dos recursos aplicados. •Simpósios, congresso e formação continuada com nomes renomados do cenário educacional.
  • 40. •Atender todas as escolas e não só as escolas padrão. •Criar um portal de transparência para a aplicação das verbas do FUNDEB. •Intensificar as ações de participação dos Conselhos – FUNDEB, Educação e Alimentação. •Estudar junto ao Estado, a possibilidade de incluir os professores conveniados nas situações de substituições. •Aumento da verba mensal repassada às escolas. •Atuação do Conselho de Educação na data base da categoria. •Acionar a ADEEMA e AMPARA para acompanhar o cumprimento da Lei 204. •Enviar 04 trocas de uniformes para cada aluno, o ano todo. •Investir em programa de software para elaboração de documentos, registros de notas e frequência em caderneta. •Aquisição de notebooks para professores do ensino fundamental.
  • 41. XXVIII-REALIDADE DA ESCOLA: QUE ESCOLA NÓS QUEREMOS? E O QUE DEVEMOS FAZER PARA ISSO? – VIII EIXO DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. • Ampliar os convênios dos setores públicos e privados da comunidade para atender a demanda de vagas; •Ampliar o número de varas do conselho tutelar; •Criar um conselho tutelar específico para a área da educação; •Ampliar o número de conselhos tutelares; •Articulação entre as SMP e SME para verificação de demandas; •Criar uma comissão após a CME, que possa elabora o PME; Após a elaboração do PME ser realizada uma audiência pública. •Adequação do horário das reuniões do CME para maior participação; •Promover a integração e articulação entre as secretarias municipais (educação, saúde, cultura, esportes, etc.) de planejamento e a secretaria de educação na elaboração de políticas de urbanização assegurando o acesso à educação. •Promover a divulgação das reuniões dos conselhos para maior participação popular. •Assessoria administrativo de gestão pública/contábil/jurídico para os conselhos. Assessoria administrativa, jurídico e contábil para os conselhos. •Reavaliar a terceirização da merenda e da limpeza (qualidade); Buscar a constante melhoria da qualidade da alimentação escolar e limpeza das escolas. •Municipalização do ensino fundamental II conforme planejamento e estrutura do município;
  • 42. •Assegurar que a elaboração do PME seja participativa com a presença dos profissionais e trabalhadores da educação tornando-se uma política pública; • Maior número de cuidadores com formação para crianças com deficiência; •Maior agilidade na avaliação; Buscar maior agilidade das parcerias que garantam a avaliação multidisciplinar do aluno; •Professor de AEE exclusivo para cada UE no município; •Rever as políticas de atendimento do CAICA (responsabilidades); ampliação dos pólos de atendimento para atender a proximidade da residência dos alunos, considerando a proporção de atendimento de um CAICA para 10.000 alunos; Estruturar o CAICA para a ampliação do atendimento, criação de pólos e/ou convênios. •Avaliações externas x crianças com deficiências; •Criar pólos de atendimento com uma equipe multidisciplinar; •Avaliação específica para cada criança; •Garantir a em resolução do o número de alunos com deficiências dentro em sala; •Garantir o respeito às diversidades dos alunos, criando uma rede de atendimento efetivo (CAICA, conselho tutelar e outros atendimentos especificos); •Descentralizar o CAICA, trazendo o atendimento para os bairros; •Ampliação dos centros de atendimento da área da saúde – CAICAs; •Que cada bairro da cidade receba um pólo de cultura; •Promover e assegurar parceria entre Secretaria de Saúde e Secretaria de Educação para ampliação de equipe multidisciplinar para dar suporte aos professores do monitoramento aos alunos que necessitem de atendimento; Buscar parcerias para a criação de centros de atendimentos (formação continuada do professor) em educação especializada para dar suporte aos professores e acompanhamento dos alunos que necessitem de atendimento educacional especializado.
  • 43. •Articulação entre a SME e a diretoria regional do ensino para trabalhar a situação do conflito de transição educacional dos alunos; •Superar as diferenças entre escolas de periferia e central: merenda alimentação escolar, estrutura, etc.; •Divulgação das datas de reuniões dos conselhos (educação, fundeb, alimentação escolar e de escolas); •Valorização dos profissionais da educação/segunda licenciatura especifica na área educacional para na progressão acadêmica funcional; •Revisão da LC 204; •Garantir a discussão salarial a nível municipal; •Revisão do plano de carreira no que tange a carga horária do professor Ed. Infantil; •Realizar censo em nível municipal para conhecer os profissionais da educação (quem são esses profissionais?); •Maior transparência na prestação de contas dos recursos financeiros da educação no município de Araçatuba; •Integração curricular município/estado; (A) •Formação para conselheiros de escolas; (A) •Encontro anual de conselhos de escola; (A) •Criação do Fórum Municipal de Educação; (A) •Cursos voltados à família dos alunos (escola de pais); (A). •Integrar as políticas públicas dos vários conselhos municipais; (A). •Criação do centro de formação do professor profissionais da educação; (A). •Efetivar convênios com as escolas de educação especial, para atender a demanda das vagas das pessoas com deficiência intelectual e/ou múltiplas de zero até seis anos que possuam severo comprometimento intelectual; (A).
  • 44. •Cada unidade escolar apresentar seu plano plurianual (PPA) para os quatro anos subsequentes para o conselho municipal (CME); (B). •Cada unidade escolar apresentar anualmente até o mês de maio o plano anual orçamentário ao CME; (B). Legenda das emendas ADITIVAS: ACRÉSCIMO DE UM TERMO OU PARTE, COMPLEMENTANDO O TEXTO OU PARÁGRAFO; SUPRESSIVAS: SUPRESSÃO DE UMA PARTE OU TODO PARÁGRAFO; SUBSTITUTIVAS: SUPRESSÃO DE UM TERMO OU PARTE DO PARÁGRAFO (MARCADO EM VERMELHO) E SUBSTITUÍDO POR NOVO TERMO OU PARTE (MARCADO EM VERDE); EMENDAS NOVAS: ADIÇÃO DE PROPOSTA NÃO CONTIDA NOS PARÁGRAFOS DO EIXO.
  • 45. “A LEI NÃO MODIFICA AS PESSOAS, O QUE AS MODIFICAM É A CONSCIÊNCIA PAUTADA EM AÇÕES ÉTICAS. A MORAL TRAZEMOS DO BERÇO E A ÉTICA APRENDEMOS COM A VIDA. PHD. PAULO NEVES DE CARVALHO
  • 46. QUADRO RESUMO DAS PROPOSTAS ORDE M TEMAS QTID ADE. 01 Oferta de Educação Infantil 31 02 Oferta de Educação Fundamental 55 03 Oferta de ensino Médio 30 04 Oferta de ensino superior 21 05 Evasão escolar 20 06 Merenda escolar 40 07 Transporte Escolar 19 08 Oferta de vaga para o AEE e qualidade de atendimento 22 09 Oferta da EJA e qualidade de atendimento 30 10 Bibliotecas Escolares 21 11 Espaço físico ( sala de aula) 17 12 Quantidade de alunos por sala de aula 04 13 Espaço físico (lazer e esportes) 13 14 Avaliação escolar 27 15 Formação do corpo docente, direção e coordenação 23 16 Violência na escola (maus tratos) 21 17 Oferta de Ensino Profissionalizante 06 18 Participação dos pais na vida escolar dos filhos 12 19 Participação dos pais na vida da escola 09 20 Atuação do Conselho de Escola e APM 10 21 Escola de tempo integral 16 22 Limpeza da escola 12 23 Segurança na escola 11 24 Qualidade da educação (IDEB) 30 25 Espaço físico geral da escola (interno e externo) 10 26 Recursos Humanos compatíveis com o atendimento de qualidade 20 27 Aplicação dos recursos financeiros da educação 24 28 VIII Eixo da Conferência Municipal de Educação – A Realidade da Escola: Que escola nós queremos? E o que devemos fazer? 45 TOTA L TOTAL 599
  • 47. EMEB – ALICE COUTO MORAES EMEB – PROFª LEDA APARECIDA LIMA MARTINS EMEB – PROFª ANA MARIA BARROS EMEB – LEONÍSIA DE CASTRO EMEB – PROF. ANTONIO RODRIGUES MARTINS EMEB – LUCILENE DO NASSCIMENTO EMEB - APARECIDA GARCIA RICO EMEB - MARIA ADELAIDE CAMARGO CARDOSO EMEB – CAMILA TOMASHINSKY EMEB – PROFª MARIA DE SOUZA FREITAS EMEB – CARMÉLI AMELLO FONSECA EMEB – PROFª MARIA HELENA DE FREITAS CARLI EMEB – CLÁUDIO EVANGELISTA TEIXEIRA EMEB – MARIANA GUEDES TIBAGY EMEB – DEODATO IZIQUE EMEB – MARIANA ZANCHETA VENTUROLLI EMEB – PROFª EGLES GABAS DE CARVALHO EMEB – MARIAZINHA S. O. MILOCH EMEB - ELZA VIEIRA DE BRITO ZONETTI EMEB – MÁRIO DE MOURA EMEB – ENOY CHAVES DA COSTA LEONE EMEB – PROFª NEYDE SIMAÃO DA MATTA EMEB – PROFª ESTHER GAZONI EMEB – PROFª NORMA GAZONI MARTINS EMEB – FAUSTINA MAXIMIANO DO AMARAL EMEB – CAIC PROFª RAMONA MARTINS COELHO EMEB – FAUSTO PERRI EMEB – SELMA MARIA TREVELIM DE JESUS EMEB – PROF. FLORIANO CAMARGO DE ARRUDA BRASIL EMEB – SÉRGIO ESGALHA EMEB – FRANCISCA ARRUDA FERNANDES EMEB – PROFª SÔNIA MARIA CORRÊA EMEB – PROFª HÉLIA PINHOLI MUNGO EMEB – MONSENHOR VICTOR RIBEIRO MAZZEI EMEB – PROF. IBIS PEREIRA PAIVA EMEB CRISTIANO OLSEN EMEB – ÍNDIO POTI E.E. PROF. ABRANCHE JOSÉ EMEB – ISIS PEREIRA PAIVA E.E. ARANTES TERRA EMEB – JACINTO GUILHERME DE MOURA E.E. ARTHUR LEITE CARRIJO EMEB – JOANITA GALVÃO SAMPAIO E.E. ARY BOCUHY EMEB – JOSÉ HERCULANO DE ARAÚJO ORDINE E.E. JOSÉ CÂNDIDO EMEB – PROF. JOSÉ MACHADO NETO E.E. MARIA APARECIDA BALTHAZAR POÇO EMEB – PROFª JULIETA ARRUDA CAMPOS E.E. VITOR ANTONIO TRINDADE EMEB – PROF. LAURO BITENCOURT EMEB – PROF. LEÃO NOGUEIRA RELAÇÃO DAS ESCOLAS COLABORADORAS

×