GORDURA VISCERAL: ONDE ELA SE LOCALIZA E QUAIS OS
MALEFÍCIOS QUE A GORDURA VISCERAL TRAZ PARA NOSSA
SAÚDE

PERA E MAÇÃ
Emb...
cardiovascular e diabetes tipo 2. Nas mulheres, o que também está
associado com o câncer de mama e a necessidade de cirurg...
promove o acúmulo de gordura abdominal. Pesquisadores e médicos
estão tentando medir a gordura abdominal e correlacioná-la...
afetar profundamente a nossa saúde. Um dos hormônios é a leptina
(é produzida principalmente pelos adipócitos ou células g...
entre as pessoas com peso normal, aqueles com relação cinturaquadril superior tiveram tanta dificuldade como aqueles com I...
Brasil; Yusuf S, Hawken S, Ounpuu S, Dans T, Avezum A, Lanas F, McQueen M, Budaj A, Pais P,
Varigos J, Lisheng L, INTERHEA...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Obesidade visceral é muito prejudicial à saúde

354 views
253 views

Published on

Mesmo as mulheres que realmente não ganham peso podem ainda ganhar centímetros na cintura. Ao mesmo tempo, as mulheres podem aceitar essas mudanças como um fato inevitável da vida pós-menopausa. Mas nós agora estamos cientes de que como nossas cinturas aumentam a circunferência, aumentando também os nossos riscos à saúde. A gordura abdominal ou visceral , é particularmente preocupante, porque é um fator-chave em uma variedade de problemas de saúde

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
354
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Obesidade visceral é muito prejudicial à saúde

  1. 1. GORDURA VISCERAL: ONDE ELA SE LOCALIZA E QUAIS OS MALEFÍCIOS QUE A GORDURA VISCERAL TRAZ PARA NOSSA SAÚDE PERA E MAÇÃ Embora o termo possa parecer estranho, ou seja, que a gordura, "se alastra na região abdominal na meia idade” esta é uma preocupação maior do que nunca. Como as mulheres passam por sua meia-idade, a proporção de gordura para o peso corporal tende a aumentar mais do que em homens. Especialmente na menopausa, quilos extras tendem a acumular-se em torno da cintura, a gordura provoca mudanças na proporção que é encontrada no corpo apresentando mudanças no armazenamento de gordura nos tecidos favorecendo a parte superior do corpo, que geralmente fica mais fina, e se acumulando ao longo dos quadris e coxas. Mesmo as mulheres que realmente não ganham peso podem ainda ganhar centímetros na cintura. Ao mesmo tempo, as mulheres podem aceitar essas mudanças como um fato inevitável da vida pós-menopausa. Mas nós agora estamos cientes de que como nossas cinturas aumentam a circunferência, aumentando também os nossos riscos à saúde. A gordura abdominal ou visceral , é particularmente preocupante, porque é um fator-chave em uma variedade de problemas de saúde. A gordura subcutânea você pode pegar com a mão, ao passo que a gordura visceral, por outro lado, encontra-se fora do alcance, profundamente dentro da cavidade abdominal, onde preenche os espaços entre os órgãos abdominais. A gordura visceral tem sido associada a distúrbios metabólicos, risco aumentado para doença
  2. 2. cardiovascular e diabetes tipo 2. Nas mulheres, o que também está associado com o câncer de mama e a necessidade de cirurgia de vesícula biliar. Locais de gordura abdominal: de um modo geral , a gordura abdominal ou visceral (se localiza em torno dos órgãos da cavidade abdominal ) ou subcutânea (que se encontra entre a pele e a parede abdominal ). A gordura localizada atrás da cavidade abdominal, chamado de gordura retroperitoneal, é geralmente considerada como gordura visceral. Vários estudos indicam que a gordura visceral é mais fortemente correlacionada com fatores de risco, tais como a resistência à insulina, o que prepara o terreno para a diabetes tipo 2. Alguns estudos sugerem que as camadas mais profundas de gordura subcutânea, podem também estar envolvidas na resistência à insulina (nos homens, mas não nas mulheres). Onde está a gordura abdominal? A gordura acumulada na parte inferior do corpo (a forma de pêra) é por via subcutânea, enquanto que a gordura na zona abdominal (a forma de maçã) é visceral. GORDURA SUBCUTÂNEA E VISCERAL Onde a gordura de uma mulher acaba se localizando é influenciada por vários fatores. A hereditariedade é uma só: os cientistas identificaram uma série de genes que ajudam a determinar o número de células de gordura que um indivíduo desenvolve e onde essas células são armazenadas ( Proceedings of the National Academy of Sciences , 25 de abril de 2006). Hormônios são também envolvidos. Na menopausa, diminui a produção de estrogênio e os andrógenos (hormônios masculinos presentes em pequenas quantidades nas mulheres) aumentam - uma mudança que tem sido associada em alguns estudos para aumento da gordura abdominal após a menopausa. Alguns pesquisadores suspeitam que a queda nos níveis de estrogênio na menopausa também está ligada ao aumento dos níveis de cortisol, um hormônio do estresse que
  3. 3. promove o acúmulo de gordura abdominal. Pesquisadores e médicos estão tentando medir a gordura abdominal e correlacioná-la com os riscos de saúde e monitorar as mudanças que ocorrem com a idade e ganho de peso ou perda total . As técnicas de medição mais precisas são ressonância magnética e tomografia computadorizada , mas são caras e não estão disponíveis para uso rotineiro. No entanto, pesquisas usando esses métodos de imagem mostrou que a circunferência da cintura reflete a gordura abdominal. Foi largamente ultrapassada a relação cintura -quadril (tamanho da cintura dividida pelo tamanho do quadril ) como um indicador de distribuição de gordura, porque é mais fácil de medir e mais preciso. Há também evidências de que a circunferência da cintura é um melhor preditor de problemas de saúde do que o índice de massa corporal (IMC ), que indica apenas a gordura corporal total. O que há de errado com a gordura abdominal ? A gordura corporal, ou tecido adiposo, já foi considerado como pouco mais do que um depósito de armazenamento de gordura esperando passivamente para ser utilizado para produzir energia. ADIPONECTINA Mas a pesquisa sugere que as células de gordura - células de gordura principalmente abdominal - são biologicamente ativas . É mais correto pensar em gordura como um órgão ou glândula endócrina, produzindo hormônios e outras substâncias que podem
  4. 4. afetar profundamente a nossa saúde. Um dos hormônios é a leptina (é produzida principalmente pelos adipócitos ou células gordurosas, sendo que sua concentração varia de acordo com a quantidade de tecido adiposo. Na obesidade os níveis de leptina estão aumentados, que normalmente é liberado após uma refeição e reduz o apetite. As células de gordura também produzem o hormônio adiponectina, que influencia a resposta das células à insulina. Embora os cientistas ainda estão decifrando os papéis dos hormônios individualmente está se tornando claro que o excesso de gordura corporal, principalmente abdominal, perturba o equilíbrio normal e o funcionamento desses hormônios. Os cientistas também estão observando que a gordura visceral produz substâncias químicas do sistema imunológico chamadas citoquinas - por exemplo, o fator de necrose tumoral e interleucina -6 - que pode aumentar o risco de doença cardiovascular através da promoção da resistência à insulina e da inflamação crônica de baixo nível. Estes e outros compostos bioquímicos, alguns ainda não identificados, acredita-se que tenham efeitos deletérios sobre a sensibilidade das células à insulina, pressão sanguínea, e à coagulação do sangue. Uma razão para o excesso de gordura visceral ser tão prejudicial pode ser a sua localização perto da veia porta, que transporta o sangue a partir da área intestinal para o fígado. Substâncias liberadas pela gordura visceral, incluindo ácidos graxos livres, entre a veia porta e seu trajeto para o fígado, onde eles podem influenciar a produção de lipídios no sangue . A gordura visceral está diretamente ligada com o colesterol total mais elevado e aumento de LDL (mau colesterol), baixo HDL ( bom colesterol) e resistência à insulina. A resistência à insulina significa que o músculo do seu corpo e as células hepáticas não respondem adequadamente aos níveis normais de insulina, o hormônio pancreático que carrega a glicose para o interior das células do corpo. Os níveis de glicose no sangue sobem , aumentando o risco de diabetes. Juntos, a resistência à insulina, a glicose sanguínea alta, o excesso de gordura abdominal, os níveis de colesterol desfavoráveis (incluindo triglicérides elevados ), e pressão arterial elevada constituem a síndrome metabólica, um importante fator de risco para a doença cardíaca e o acidente vascular cerebral. O excesso de gordura na cintura tem sido associada a vários outros distúrbios. Um estudo europeu de cerca de 500 mil mulheres e homens descobriram que , para as mulheres , a relação cintura -quadril superior a 0,85 foi associado com um aumento de 52 % no risco de câncer colorretal. Um estudo da comunidade de longa duração sobre a aterosclerose conduzido por pesquisadores da Wake Forest University descobriram que, mesmo
  5. 5. entre as pessoas com peso normal, aqueles com relação cinturaquadril superior tiveram tanta dificuldade como aqueles com IMC maior na realização de várias atividades do cotidiano, como entrar e sair da cama e realizar tarefas domésticas. Uma medida da cintura maior também prevê o desenvolvimento de pressão sanguínea elevada , independentemente da gordura corporal total, de acordo com um estudo de 10 anos de adultos chineses publicado em agosto de 2006 pela American Journal of Hypertension. Finalmente, um estudo apresentado na reunião anual da Society for Neuroscience 2005 descobriu que as pessoas mais velhas, com barrigas maiores tiveram pior memória e menos fluência verbal. Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologia – Neuroendocrinologista CRM 20611 Dra. Henriqueta V. Caio Endocrinologista – Medicina Interna CRM 28930 Como Saber Mais: 1. O aconselhamento de médicos sobre o estilo de vida para pacientes com gordura visceral ou obesos (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central,) evitarem maior ganho de peso, induz a comportamentos preventivos, de acordo com os resultados... http:// hipotireo.wordpress.com/nossa-clinica/ 2. Os participantes foram aleatoriamente designados para 2 grupos distintos, recebendo orientação de estilo de vida, com orientação de médicos e enfermeiras especializadas, usando um protocolo padronizado... http:// gorduravisceral.blogspot.com/ 3. Aproximadamente 60% dos participantes foram capazes de manter o peso depois de 3 anos... http:// gorduravisceral.wordpress.com/a-clinica/ AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. Referências Bibliográficas: Prof. Dr. João Santos Caio Jr, Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Dra. Henriqueta Verlangieri Caio, Endocrinologista, Medicina Interna – Van Der Häägen Brazil, São Paulo,
  6. 6. Brasil; Yusuf S, Hawken S, Ounpuu S, Dans T, Avezum A, Lanas F, McQueen M, Budaj A, Pais P, Varigos J, Lisheng L, INTERHEART Study Investigators. (2004). "Effect of potentially modifiable risk factors associated with myocardial infarction in 52 countries (the INTERHEART study): case-control study". Lancet 364 (9438): 937–52. doi:10.1016/S01406736(04)17018-9.PMID 15364185; Carey D.G.P. (1998). Abdominal Obesity. Current Opinion in Lipidology. (pp. 35-40). Vol. 9, No 1. Retrieved on April 9, 2012; Razay, George, "Obesity, Abdominal Obesity and Alzheimer's Disease", Dementia & Genetic Cognitive Disorders, July 2006; Poehlman, Eric T. (1998). Abdominal obesity: the metabolic multi-risk factor 9 (8). pp. 469–471; Stanhope, Kimber L.; Peter J. Havel (March 2010). "Fructose consumption: Recent results and their potential implications". Annals of the New York Academy of Science 1190. doi:10.1111/j.1749-6632.2009.05266.x; Elliott, Sharon; Nancy L Keim, Judith S Stern, Karen Teff and Peter J Havel (November 2002)."Fructose, weight gain, and the insulin resistance syndrome". American Journal of Clinical Nutrition 76 (5): 911–922; Perez-Pozo, SE; et al (22). "Excessive fructose intake induces the features of metabolic syndrome in healthy adult men: role of uric acid in the hypertensive response". International Journal of Obesity 34: 454–461; Choi, Mary (March 2009). "The Not-so-Sweet Side of Fructose". JASN. 3 20 (3): 457–459; Heindel, Jerrold (2011). "The Obesogen Hypothesis of Obesity: Overview and Human Evidence". Endocrine updates. 4 30: 355–365. doi:10.1007/978-1-4419-7034-3_17. Contato: Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305 Nextel: 55(11) 7717-1257 ID:111*101625 Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj. 121/122 Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002 e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br www.clinicavanderhaagen.com.br www.clinicasvanderhaagenbrasil.com.br www.crescimentoinfoco.com.br www.obesidadeinfoco.com.br www.tireoidismo.com.br http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+ Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17

×