Your SlideShare is downloading. ×
Exoftalmia
Exoftalmia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Exoftalmia

427

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
427
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. EXOFTALMIA – ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA – EXOFTALMIA: PROTRUSÃO DO GLOBO OCULAR DE MAIS DE 18 MM, SECUNDÁRIA À FUNÇÃOENDOCRINOLOGÓGICA OU ALTERAÇÃO HORMONALExoftalmia é definida como uma "protrusão anormal do globo ocular,também rotulado como proptose. Proptose é definida comoexoftalmia. Proptose é quando o globo ocular se projeta 18 mm oumenos e exoftalmia é a protrusão de mais de 18 mm. Alguns cientistasusam o termo exoftalmia, para os casos de proptose secundária adisfunção endocrinológica. Portanto, aqui seguiremos esta orientação,e endócrino não mediado a protrusão do globo ocular vai ser referidacomo proptose e exoftalmia será reservado para a protrusãosecundária a endocrinopatias. A base etiológica da proptose pode serinflamatória, vascular, ou infecciosa. Em adultos, orbitopatiatireoideana é a causa mais comum de exoftalmia unilateral ebilateral. Outras causas incluem neoplasias, como hemangiomascavernosos, linfangiomas, linfomas, granulomatose de Wegener ecelulite orbitária. Em crianças, proptose unilateral é frequentementedevido a um quadro de celulite tipo-orbital, e, em casos bilaterais,neuroblastoma e leucemia são mais prováveis. Por exemplo,linfangiomas, pela sua natureza histológica, pode aumentar detamanho durante doenças virais e resultam num aumento no volumeorbital. Um hemangioma linfa ruptura pode aumentar, devido à suaruptura e sequestro de sangue, que patologicamente é descrito comoum quisto chocolate. Varizes orbitais podem resultar em proptose comaumento da pressão venosa na órbita como visto com uma manobrade Valsalva ou mudança de posição postural. A etiologiada tireóide relacionada à exoftalmia é um processo auto-imune
  • 2. mediado por inflamação dos tecidos orbitais, predominantementeafetam a gordura e os músculos extra-oculares. Os linfócitos, plasma,e mastócitos são os constituintes celulares no presente processo. Adeposição de glicosaminoglicanos e o influxo de água aumentam osconteúdos orbitais. A obstrução da veia oftálmica superior com fluxovenoso também contribui para o ingurgitamento orbital. Nuneryseparou os pacientes com orbitopatia em tipo I e tipo II relacionadoscom a tireóide. Aqueles do tipo I não têm miopatia restritiva,enquanto aqueles com tipo II têm. O tipo I acredita-se ser causadopor ácido hialurônico fabricado pelos fibroblastos orbitais,estimulando a hiperplasia lipóide e edema. Pacientes com diabetestipo II miopatia restritiva e têm diplopia no angulo de 20 ° de fixação.Enfisema orbital pode ser uma importante causa de proptose e requertratamento de emergência. Não importa qual etiologia pode ser,saliência globular é secundária ao aumento no volume dentro doslimites fixos ósseos orbitais. Uma vez que a órbita é maior em suaface anterior, os conteúdo orbitais são deslocados anteriormente,resultando em proptose e exoftalmia. AUTORES PROSPECTIVOS Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologia-Neuroendocrinologista CRM 20611 Dra. Henriqueta V. Caio Endocrinologista – Medicina Interna CRM 28630AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃODOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.Referências Bibliográficas:Dr. João Santos Caio Jr, Endocrinologista, Neuroendocrinologista, Dra. Henriqueta Verlangieri Caio,Endocrinologista, medicina interna – Van Der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil - Epstein O, Perkin D,Cookson J, deBono DP. Clinical Examination. 3rd ed. Mosby; 2003. Henderson JW. Orbital Tumors. 3rd ed.New York: Raven Press; 1994. Nunery WR. Ophthalmic Graves disease: a dual theory ofpathogenesis. Oph Clin N Amer. 1991;4. Migliori ME, Gladstone GJ. Determination of the normal range ofexophthalmometric values for black and white adults. Am J Ophthalmol. Oct 15 1984;98(4):438-42. Dunsky IL. Normative data for hertel exophthalmometry in a normal adult black population. OptomVis Sci. Jul 1992;69(7):562-4. Bolaños Gil de Montes F, Pérez Resinas FM, Rodríguez García M, GonzálezOrtiz M. Exophthalmometry in Mexican adults. Rev Invest Clin. Nov-Dec 1999;51(6):341-3. Kashkouli MB,Nojomi M, Parvaresh MM, Sanjari MS, Modarres M, Noorani MM.Normal values of hertelexophthalmometry in children, teenagers, and adults from Tehran, Iran. Optom Vis Sci. Oct2008;85(10):1012-7. Tsai CC, Kau HC, Kao SC, Hsu WM. Exophthalmos of patients with Graves disease inChinese of Taiwan.Eye (Lond). May 2006;20(5):569-73. Preechawai P. Anthropometry of eyelid and orbitin four southern Thailand ethnic groups. J Med Assoc Thai. Feb 2011;94(2):193-9. Ahmadi H, Shams PN,Davies NP, Joshi N, Kelly MH. Age-related changes in the normal sagittal relationship between globe andorbit. J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2007;60(3):246-50.

×