Conceito de ergonomia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Conceito de ergonomia

on

  • 19,407 views

 

Statistics

Views

Total Views
19,407
Views on SlideShare
19,407
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
178
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Conceito de ergonomia Conceito de ergonomia Document Transcript

  • Conceito de ErgonomiaÉ o estudo científico de adaptação dos instrumentos, condições e ambiente detrabalho ás capacidades psicofisiológicas, antropométricas e biomecânicas dohomem.A ERGONOMIA é uma ciência multídisciplinar com a base formada por várias outrasciências. A Antropometria e a Biomecânica fornecem as informações sobre asdimensões e os movimentos do corpo humano. A Anatomia e a Fisiologia Aplicadafornecem os dados sobre a estrutura e o funcionamento do corpo humano. APsicologia, os parâmetros do comportamento humano. A Medicina do Trabalho, osdados de condições de trabalho que podem ser prejudiciais ao organismo humano.Da mesma forma, a Higiene industrial, a Física, a Estatística e outras ciênciasfornecem informações a serem utilizadas pela ERGONOMIA, de forma a possibilitar oconhecimento e o estudo completo do sistema homem-máquina-ambiente detrabalho, visando a uma melhor adequação do trabalho ao homem.Adaptação dos instrumentos, condições e ambiente de trabalho às capacidadespsicofisiológicas antropométricas e biomecânicas do homem, de forma a:LER E DORTAtualmente a doença mais notificada no trabalho é a L.E.R.(Lesões por Esforços Repetitivos,também conhecida como D.O.R.T.(Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) quesão lesões ocorridas em ligamentos, músculos, tendões e em outros segmentos corporaisrelacionadas com o uso repetitivo de movimentos, posturas inadequadas e outros fatores como aforça excessiva.Atinge a capacidade motora dos membros superiores englobando um conjunto de doençascomo: Tenossinovite (inflamação do tecido que reveste os tendões), Tendinite (inflamação nostendões), Picondilite (inflamação das estruturas do cotovelo), Bursite (inflamação nasarticulações dos ombros), Miosites (inflamação dos músculos), Síndrome Cervicobraquial(compressão dos nervos da coluna cervical), entre outros.A LER e a DORT, são a segunda maior causa de afastamento de trabalho no Brasil. Nos últimoscinco anos, foram 532.434 afastamentos, sem contar os casos que ainda estão na justiça (FolhaSP,1999).Esse aumento é causado pelo crescimento da informática e da automação onde o trabalho écada vez mais especializado, tornando o trabalhador um prestador de serviço de uma atividadelimitada e repetitiva.Como meio de intervir no andamento do trabalho e implantar períodos de pausas, a GINÁSTICALABORAL surge como uma atividade auxiliadora e essencial, oferecida as empresas e aostrabalhadores, na forma de prevenção a doenças como a LER e DORT, tendo como objetivoreduzir a tensão muscular, melhorar a circulação, reduzir a ansiedade, o estresse e a fadiga,melhorando a prontidão mental e facilitando o trabalho.Tipos de Ginástica Laboral:Ginástica Preparatória (no início do expediente);Ginástica Compensatória (durante o expediente) eGinástica de Relaxamento (no final do expediente).*Categorias profissionais que encabeçam a DORT:bancários, operadores de linha de montagem,
  • operadores de telemarketing, digitadores, jornalistas e secretárias.Fonte: Instituto Nacional de Prevenção ás LER/DORTA HISTÓRIA DA ERGONOMIADesde a pré-história a Ergonomia já estava presente. O homem pré-histórico, ao fixar na ponta de uma varauma lasca de pedra afiada para facilitar a caça de uma forma mais confortável, segura e eficaz estavainconscientemente realizando ergonomia.Em 1949, na Inglaterra, o termo ergonomia foi oficializado pelo engenheiro inglês Murrell ao criar a primeirasociedade de ergonomia do mundo: a ErgonomicResearchSociety. No entanto, o termo Ergonomia teve origemem 1857, quando o polonês W. Jastrzebowski intitulou um de seus trabalhos como "Esboço da Ergonomia ouCiência do trabalho baseada sobre as verdadeiras avaliações das ciências da natureza".A ergonomia teve seu reconhecimento científico e desenvolveu-se em função dos avanços tecnológicos doséculo XX, principalmente após a 2ª guerra mundial, quando as incompatibilidades entre o progresso humano eo progresso técnico exacerbaram-se. Os equipamentos militares (aviões mais velozes, radares, submarinos esonares) exigiam dos operadores decisões rápidas e complexas em situações críticas de combate.Segundo Hendrick (1993), a Ergonomia teve várias fases:Ergonomia de Hardware ou Tradicional - concentrou os estudos nas características (capacidades e limites)físicas e perceptivas do ser humano e na aplicação dos dados no design de controles, displays e arranjos deinteresse militar.Ergonomia do Meio Ambiente - tem o interesse de compreender melhor a relação do ser humano com seu meioambiente (natural ou construído). Preocupa-se com efeitos de temperatura, ruído, vibração, iluminação eaerodispersóides.Ergonomia de Software ou Cognitiva - lida com questões de processamento de informação. Seu campo detrabalho é fortalecido pela informatização de processos e produtos, que exige, cada vez mais, uma Ergonomiade interface com o usuário.Macroergonomia - enfatiza a interação entre os contextos organizacional e psicossocial de um sistema.Diferencia-se das demais fases por priorizar o processo participativo. Isto garante que a intervenção ergonômicatenha um melhor resultado, reduzindo a margem de erros de concepção e que as modificações tenham melhoraceitação por parte dos trabalhadores.A Ergonomia embora não seja uma descoberta deste século vem sendo uma "ferramenta" amplamente utilizadapor profissionais de diversas áreas que querem agregar funcionalidade aos seus projetos e contribuir para umamelhor qualidade de vida das pessoas.A IMPORTÂNCIA DA ERGONOMIAA importância da Ergonomia está na contribuição para a promoção da segurança e bem-estar das pessoas econseqüentemente a eficácia dos sistemas nas quais elas se encontram envolvidas.No Brasil, a Ergonomia vem ganhando notoriedade devido às exigências de uma Norma Regulamentadora doMinistério do Trabalho e Emprego, a NR-17. A atual redação da NR-17 foi estabelecida pela Portaria nº 3.751,de 23 de Novembro de 1990.Dentre os vários itens desta norma, o item 17.3 refere-se ao mobiliário dos postos de trabalho, preconizandoque ele deve ser adaptado não só às características antropométricas da população, mas também à natureza dotrabalho, ou seja, as exigências da tarefa.
  • O OBJETIVO DA ERGONOMIAO objetivo da ergonomia é otimizar as interações do ser humano com suas atividades de forma integrada,promovendo eficácia, segurança, saúde e bem-estar do usuário.MÉTODOS E TÉCNICAS DA ERGONOMIA A Ergonomia utiliza métodos e técnicas científicas para observar o trabalho humano.A estratégia utilizada pela Ergonomia para apreender a complexidade do trabalho é decompor a atividadeem indicadores observáveis (postura, exploração visual, deslocamento).A partir dos resultados iniciais obtidos e validados com os operadores, chega-se a uma síntese quepermite explicar a inter-relação de vários condicionantes à situação de trabalho.Como em todo processo científico de investigação, a espinha dorsal de uma intervenção ergonômica é aformulação de hipóteses.Segundo LEPLAT "o pesquisador trabalha em geral a partir de uma hipótese, é isso que lhe permiteordenar os fatos". São as hipóteses que darão o status científico aos métodos de observação nas atividadesdo homem no trabalho.A organização das observações em uma situação real de trabalho é feita em função das hipóteses queguiam a análise, mas também, segundo GUERIN (1991), em função das imposições práticas ou dasfacilidades de cada situação de trabalho.Os comportamentos manifestáveis do homem são freqüentemente observáveis pelos ergonomistas, comopor exemplo:Os deslocamentos dos operadores - esses podem ser registrados a partir do acompanhamento dospercursos realizados pelo operador em sua jornada de trabalho. O registro do deslocamento pode explicara importância de outras áreas de trabalho e zonas adjacentes. Exemplo; em uma sala de controle odeslocamento dos operadores até os painéis de controle está relacionado à exploração de certasinformações visuais que são fundamentais para o controle de processo; o deslocamento até outros colegaspode esclarecer as trocas de comunicações necessárias ao trabalho.Técnicas utilizadas na análise do trabalhoPode-se agrupar as técnicas utilizadas em Ergonomia em técnicas objetivas e subjetivas.• Técnicas objetivas ou diretas: - Registro das atividades ao longo de um período, por exemplo, atravésde um registro em video. Essas técnicas impõem uma etapa importante de tratamento de dados.• Técnicas subjetivas ou indiretas:- Técnicas que tratam do discurso do operador, são os questionários,os check-lists e as entrevistas. Esse tipo de coleta de dados pode levar a distorções da situação real detrabalho, se considerada uma apreciação subjetiva. Entretanto, esses podem fornecer uma gama de dadosque favoreçam uma análise preliminar.Deve-se considerar que essas técnicas são aplicadas segundo um plano preestabelecido de intervenção emcampo, com um dimensionamento da amostra a ser considerado em função dos problemas abordados. View slide
  • Métodos diretosObservaçãoÉ o método mais utilizado em Ergonomia pois permite abordar de maneira global a atividade no trabalho.A partir da estruturação das grandes classes de problemas a serem observados, o Ergonomista dirige suasobservações e faz uma filtragem seletiva das informações disponíveis.Observação assistidaInicialmente considera-se uma ficha de observação, construída a partir de uma primeira fase deobservação "aberta".A utilização de uma ficha de registro permite tratar estatisticamente os dados recolhidos; as freqüênciasde utilização, as transições entre atividades, a evolução temporal das atividades.Em um segundo nível utiliza-se os meios automáticos de registro, áudio e video.O registro em video é interessante à medida que libera o pesquisador da tomada incessante de dados, quesão, inevitavelmente, incompletos, e permite a fusão entre os comportamentos verbais, posturais e outros.O video pode ser um elemento importante na análise do trabalho, mas os registros devem poder sersempre explicados pelos resultados da observação paralela dos pesquisadores.Os registros em video permitem recuperar inúmeras informações interessantes nos processos de validaçãodos dados pelos operadores. Essa técnica, entretanto, está relacionada a uma etapa importante detratamento de dados, assim como de toda preparação inicial para a coleta de dados (ambientação dosoperadores), e uma filtragem dos períodos observáveis e dos operadores que participarão dos registros.Alguns indicadores podem ser observados para melhor estudo da situação de trabalho (postura,exploração visual, deslocamentos etc).Direção do olharA posição da cabeça e orientação dos olhos do indivíduo permite inferir para onde esse está olhando.O registro da direção do olhar é amplamente utilizado em Ergonomia para apreciação das fontes deinformações utilizadas pelos operadores. As observações da direção do olhar podem ser utilizadas comoindicador da solicitação visual da tarefa.O número e a frequência das informações observadas em um painel de controle na troca de petróleo emuma refinaria, por exemplo, indicam as estratégias que estão sendo utilizadas pelos operadores nadetecção de presença de água no petróleo, para planejar sua ação futura.ComunicaçõesA troca de informação entre indivíduos no trabalho podem ter diversas formas: verbais, por intermédio detelefones, documentais e através de gestos.O conteúdo das informações trocadas tem se revelado como grande fonte entre operadores, esclarecedorada aprendizagem no trabalho, da competência das pessoas, da importância e contribuição doconhecimento diferenciado de cada um na resolução de incidentes.O registro do conteúdo das comunicações em um estudo de caso no Setor Petroquímico da RefinariaAlberto Pasqualini, Canoas - RS, mostrou a importância da checagem das informações fornecidas pelos View slide
  • automatismos e pelas pessoas envolvidas no trabalho, através de inúmeras confirmações solicitadas pelosoperadores do painel de controle.O conteúdo das comunicações pode, além de permitir uma quantificação de fontes de informações einterlocutores privilegiados, revelar os aspectos coletivos do trabalho.PosturasAs posturas constituem um reflexo de uma série de imposições da atividade a ser realizada. A postura éum suporte à atividade gestual do trabalho e um suporte às informações obtidas visualmente. A postura éinfluenciada pelas características antropométricas do operador e características formais e dimensionaisdos postos de trabalho.No trabalho em salas de controle, a postura é condicionada à oscilação do volume de trabalho. Emperíodos monótonos a alternância postural servirá como escape à monotonia e reduzirá a fadiga dooperador. Em períodos perturbados a postura será condicionada pela exploração visual que passa a ser opivô da atividade. Os segmentos corporais acompanharão a exploração visual e excutarão os gestos.Estudo de traçosA análise é centralizada no resultado da atividade e não mais na própria atividade. Ela permite confrontaros resultados técnicos esperados e os resultados reais.Os dados levantados em diferentes fases do trabalho podem dar indicação sobre os custos humanos notrabalho mas, entretanto, não conseguem explicar o processo cognitivo necessário à execução daatividade. O estudo de traços pode ser considerado como complemento e é usado, com freqüência, nasprimeiras fases da análise do trabalho. O estudo de traços pode ser fundamental no quadro metodológicopara análise dos erros.Métodos subjetivosO questionário é pouco utilizado em Ergonomia pois requer um número importante de operadores.Entretanto a aplicação de questionário em um grupo restrito de pessoas pode ser utilizada parahierarquizar um certo número de questões a serem tratadas em uma análise aprofundada.As respostas dos questionários podem ser úteis para a contribuição de uma classificação de tarefas e depostos de trabalho. O questionário, entretanto, deve respeitar a amostra e as probabilidades de aplicação.Deve-se ressaltar que com o questionário se obtém as opiniões, as atitudes em relação aos objetos, e queelas não permitem acesso ao comportamento real.Segundo PAVARD & VLADIS (1985), o questionário é um método fácil e se presta ao tratamentoestatístico, e, se corretamente utilizado, permite coletar um certo número de informações pertinentes parao Ergonomista.Tabelas de avaliaçãoEsse tipo de questionário permite aos operadores avaliarem, eles mesmos, o sistema que utilizam. Oobjetivo é apontar os pontos fracos e fortes dos produtos. No caso de avaliação de programas, uma tabelade avaliação deve cobrir os aspectos funcionais e conversacionais.Entrevistas e verbalizações provocadasA consideração do discurso do operador é uma fonte de dados indispensável à Ergonomia. A linguagem,segundo MONTMOLLIN (1984), é a expressão direta dos processos cognitivos utilizados pelo operadorpara realizar uma tarefa.
  • A entrevista pode ser consecutiva à realização da tarefa (pede-se ao operador para explicar o que ele faz,como ele faz e por que).Entrevistas e verbalizações simultâneasAs entrevistas podem ser realizadas simultaneamente à observação dos operadores trabalhando emsituação real ou em simulação.A análise se concentra nas questões sobre a natureza dos dados levantados, sobre as razões quemotivaram certas decisões e sobre as estratégias utilizadas.Dessa maneira o Ergonomista revela a significação que os operadores tem do seu próprio comportamento.As verbalizações devem ser aplicadas com cuidado e de maneira a não alterar a atividade real de trabalhoQUAL O PAPEL DA ERGONOMIA PARA A SAÚDE?A ergonomia se preocupa com as condições gerais de trabalho, tais como, a iluminação, osruídos e a temperatura, que geralmente são conhecidas como agentes causadores de malesna área de saúde física e mental, mas que o estudo procura traçar os caminhos para acorreção. O seu objetivo é aumentar a eficiência humana, através de dados que permitam quese tomem decisões lógicas.O custo individual é minimizado através da ergonomia, que remove aspectos do trabalho, que alongo prazo, possam provocar ineficiências ou os mais variados tipos de incapacidades físicas.Nas condições em que a atividade do indivíduo envolve a operação de uma peça deequipamento, na maioria das vezes, ele passa a constituir, com este equipamento, um sistemafechado. Este visa apresentar muitas das características de auto-regulamentação (feedback).Como dentro de tal sistema é o indivíduo quem usualmente decide, torna-se necessário queele seja incluído no estudo da eficiência do sistema. Para que a eficiência seja máxima épreciso que o sistema seja projetado como um todo, com o homem completando a máquina eesta completando o homem.ERGONOMIA - CIÊNCIA DO CONFORTOÉ uma ciência multidisciplinar que envolve aspectos ligados a anatomia, fisiologia, biomecânica, antropometria,psicologia, engenharia, desenho industrial, informática e administração de maneira a proporcionar ao homemmais conforto, segurança e eficiência em qualquer atividade.Nosso consultor, eng. Osny apresenta de forma direta e eficaz todos os apectos relacionados ao tema.Uma pequena viagem ao Mundo da ErgonomiaNoções FundamentaisO QUE É ERGONOMIA?ERGONOMIA: palavra de origem gregaERGO = que significa trabalhoNOMOS = que significa regrasUma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".A ergonomia surgiu junto com o homem primitivo, com a necessidade de se proteger e sobreviver. Sem querer,o homem primitivo, começou a aplicar os princípios da ergonomia, ao fazer seus utensílios de barro para tirarágua de cacimbas e cozinhar alimentos, fazer tacapes para se defender ou abater animais. Ele exercia a mesmaatividade com menos esforço, com mais conforto!Mas, foi na revolução industrial que a ergonomia começou a surgir. Nas grandes guerras ela teve umaimportância fundamental no desenvolvimento de armas e equipamentos bélicos que deveriam ser precisos ehabilitados a serem usados por soldados de vários países com medidas antropométricas diferentes (altura é um
  • item, apenas!)Foi na segunda Guerra Mundial que os aliados agrupados com os mais diferentes biotipos, jamais visto em umexército, que começaram a perceber que o armamento precisava ser projetado, montado, desmontado e usadoem função do "tamanho" do soldado ou serviço de engenharia.Foi a junção da tecnologia com as ciências humanas com a criação da EngineeringPsychology, com as primeirasentidades mais importantes: INGLATERRA 1949 ErgonomicResearchSociety e EUA 1961InternationalErgonomicsAssociation - 40 países.Como podemos notar, a ergonomia surgiu em função da necessidade do ser humano, cada vez mais quereraplicar menos esforço físico e mental, nas atividades diárias. O Computador, a calculadora, são dois exemplosde produtos ergonômicos diminuindo o esforço mental.Podemos aplicar estudos ergonômicos no lar, no transporte, no lazer, na escola e, principalmente no trabalho,ou seja, em qualquer lugar.As duas tendênciasErgonomia dos métodos e das tecnologias, mais americana, contínua necessidade de adaptação da máquina aohomem.Ergonomia da organização do trabalho, européia, estudo da inter-relação entre o homem e o trabalho, como ohomem “sente” e “experimenta” o trabalho. Ergonomia da Conscientização.Tríade básica da Ergonomia:ConfortoSegurançaEficiênciaA perfeita integração entre as condições de trabalho e a tríade: Conforto – Segurança - Eficiência doTrabalhador, pode ser considerada a busca da ergonomiaPara se atingir este objetivo:Anatomia – Fisiologia - Biomecânica (postura) – Antropometria – Psicologia – Engenharia - Desenho Industrial– Informática – Administração, é o caráter interdisciplinar da ergonomia que tanto nos fascina!ERGONOMIA = CIÊNCIA DO CONFORTO.A ergonomia tem sido fator de aumento de produtividade das empresas e da qualidade do produto bem comoda qualidade de vida dos trabalhadores, na medida em que a mesma é aplicada com a finalidade de melhoraras condições ambientais, visando à interação com o ser humano.A ergonomia estrutura-se a partir dos conhecimentos científicos sobre o ser humano, isso é, sobre suascaracterísticas psicofisiológicas, para a partir deles, conceber equipamentos ou modifica-los e não o contrário,isso é, aplicar o conhecimento em máquinas para depois procurar a pessoa certa.Uma das Ergonomia, muito pouco conhecida, a ergonomia de concepção, que planeja, estrutura todo o projetoa partir dos dados referentes do ser humano. Muito mais econômico projetar, conceber, montar um ambientecom ergonomia do que corrigi-lo depois.Nota: Antes de projetar, definir, construir, comprar, montar qualquer ambiente de trabalho ou lazer, consulteum especialista em ergonomia. Sai mais em conta. Confira!A ergonomia estuda a situação de trabalho como:Atividades, Ambientes Físicos, Iluminação, Ruído, Temperaturas, Postos de Trabalho, Dimensões, Formas,Concepção, etc.... Buscando dar o máximo de conforto, segurança e eficiência.Os três (quatro) tipos principais:1. Ergonomia de CorreçãoAtua de maneira restrita, modificando os elementos parciais do posto de trabalho, como: Dimensões,Iluminação, Ruído, Temperatura, etc.Tem eficácia limitada, é cara!2. Ergonomia de ConcepçãoInterfere amplamente no projeto do posto de trabalho, do instrumento, da máquina ou do sistema deprodução, organização do trabalho e formação de pessoal.Não se esqueça: Ao Iniciar, Modificar, Aumentar seu Escritório, sua Linha de Produção, seu Trabalho, Consulte
  • um especialista em Ergonomia.3. Ergonomia de ConscientizaçãoEnsina o trabalhador a usufruir os benefícios de seu posto de trabalho.Isto é:Manter a Boa postura, uso adequado de mobiliários e equipamentos, como usar uma cadeira adequadamente,por exemplo. Implantação de pausas, ginástica laboral (antes, durante e depois da atividade). Comoconscientizar as pessoas da limitação de seu corpo. Como treinar as pessoas a serem mais ificiêntes com seucorpo, dos seus subordinados, dos seus amigos e parentes.4. Ergonomia ParticipativaEstimulada pela presença de um Comitê Interno de Ergonomia (CIE) que engloba representantes da empresa edos funcionários, utiliza as ferramentas da ergonomia de conscientização para que haja o pleno usufruto doprojeto ergonômico, seja esse implementado pela ergonomia de concepção ou de correção. Um CIE só funcionaquando é simples, de baixo custo. Como costumo dizer: Quando o Presidente se interessar da agenda do CIE,você chegou lá!Não esqueça: Ergonomia de Conscientização:É fundamental para a obtenção dos objetivos propostos pelo projeto ergonômico, pois é pela realização detreinamento, palestras, cursos de aprimoramento e atualização constante que é possível educar o funcionárioacerca dos meios de trabalho menos prejudiciais para a sua saúde individual e, ao mesmo tempo, mostrar-lhetodos os benefícios das propostas ergonômicas para a saúde da coletividade.Algumas Definições:"Ergonomia é o conjunto de conhecimentos científicos relativos ao homem e necessário para os engenheirosconceberem ferramentas, máquinas e conjuntos de trabalho que possam ser utilizados com o máximo deconforto, segurança e eficiência." - Murrel, 1949 - Britânico."O esboço da ergonomia ou ciência do trabalho baseada sobre as verdadeiras avaliações das ciências danatureza. Ciência do uso das forças e das capacidades humanas no trabalho" -W. Jartrzebowski, 1857"Um conjunto de conhecimentos científicos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos,máquinas e dispositivos que possam ser utilizados com o máximo de conforto, segurança e eficiência." -Wisner, 1987COMO A ERGONOMIA PODE NOS AJUDAR?Sendo ERGONOMIA a ciência que estuda toda e qualquer atividade física e mental com menos esforço,percebe-se, facilmente que aqueles que não a praticam estão perdendo muito...:- Correndo riscos de adquirir doenças, principalmente as músculo-esqueléticas como as LER/DORT e dores elesões da coluna. São elas as principais doenças que mais se beneficiam da ERGONOMIA.- Perdendo em lucros, pois o mundo globalizado de hoje, altamente competitivo, requer alta produtividade eeficácia em todas as atividades da empresa e um time perfeito e vencedor.Os países do chamado primeiro mundo, capitaneados pelos EUA, investem bilhões de dólares anualmenteem ERGONOMIA, muito além da Legislação: Porquê? Você já viu um norte americano jogar dinheirofora? A resposta é fácil : Dá Lucro!Confira no link de ARTIGOS deste Portal e por meio das palestras do Eng. Osny Telles Orselli, como aergonomia pode aumentar seus lucros, diminuir a fadiga, aumentar a produtividade, como preveniras LER/DORT. Como conscientizar a empresa como um todo, o que é o estágio superior da ergonomia emuma estratégia de RH, o que o mundo está fazendo para aumentar a produtividade e eficácia através daergonomia. Dá até para calcular o retorno sobre o investimento, pois se você pensar que isso custa..., o melhoré cortar e anular, pois custos são para serem diminuídos. Retorno é para checar o investimento. Sempre penseem investimento e não em custos!É assim que Coreanos (do Sul), Chineses e Indianos aprenderam com com os Norte Americanos.Pratique ERGONOMIA e todos saem ganhando: O trabalhador, O Empresário, O Governo.Mais Ergonomia, mais conforto, mais saúde mais qualidade de vida, mais SUSTENTABILIDADE!ERGONOMIA E CONSCIENTIZAÇÃO / ERGONOMIA DE CONSCIENTIZAÇÃOPORQUE É A MAIS IMPORTANTE?
  • POR QUE É A MAIS ESQUECIDA?POR QUE OS COMITÊS INTERNOS DE ERGONOMIA NÃO FUNCIONAM?Dentre as várias definições de ERGONOMIA, podemos citar:Ergonomia como Ciência do uso das forças e das capacidades humanas no trabalho.Ou, mais remotamente, 1857 W. JARTRZEBOWSKI“O esboço da ergonomia ou ciência do trabalho baseada sobre as verdadeiras avaliações das ciências danatureza”.Ou, mais recentemente, 1987 WisnerUm conjunto de conhecimentos científicos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos,máquinas e dispositivos que possam ser utilizados com o máximo de conforto, segurança e eficiência.Também se sabe que há duas tendências:Mais européia:Ergonomia da organização do trabalho, estudo da inter-relação entre o homem e o trabalho, como o homem“sente” e “experimenta” o trabalho.Mais Americana:Ergonomia dos métodos e das tecnologias, contínua necessidade de adaptação da máquina ao homem.Na realidade a ergonomia estrutura-se a partir dos conhecimentos científicos sobre o ser humano, i.é, sobresuas características psicofisiológicas para, a partir deles, conceber equipamentos ou modificá-los e não ocontrário, i.é, aplicar o conhecimento em máquinas para depois procurar a pessoa certa.O caráter multidisciplinar da ergonomia que nos fascina:ANATOMIA- FISIOLOGIA – BIOMECÂNICA (postura) – ANTROPOMETRIA – PSICOLOGIA – ENGENHARIA –DESENHO INDUSTRIAL – INFORMÁTICA – ADMINISTRAÇÃO...Sabemos que a tríade básica da ergonomia pode ser super resumida como: CONFORTO – SEGURANÇA -EFICIÊNCIAA perfeita integração entre as condições de trabalho e a tríade: CONFORTO – SEGURANÇA-EFICIÊNCIA dotrabalhador ou do posto de trabalho pode ser considerada a busca da ergonomia.Ainda dentro de condições básicas de qualquer cursinho de ergonomia, eles ensinam que há três tipos deergonomia, que acho que poderiam ser três e meio ou quatro:Vamos recordar:1- ERGONOMIA DE CORREÇÃO:Envolve e estuda: Atividade; Ambientes físicos; Iluminação, ruído, temperatura, etc; O posto de trabalho;Dimensões, formas, concepção etc. Atua de maneira restrita modificando os elementos parciais do posto detrabalho, como: Dimensões, Iluminação, Ruído, Temperatura, etc. Tem eficácia limitada, pois corrigir semprecusta mais dinheiro.2 -ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO:Interfere amplamente no projeto, da concepção do posto de trabalho, do instrumento, da máquina ou dosistema de produção, da organização do trabalho e formação de pessoal.3- ERGONOMIA (D)E CONSCIENTIZAÇÃO:Ensina ao colaborador ou associado a usufruir os benefícios de seu posto de trabalho. Boa postura, Usoadequado de mobiliários e equipamentos. Implantação de pausas, Ginástica laborativa (antes, no meio e depoisda atividade).Não importando a modalidade e sim a finalidade foi desenvolvido o que chamamos de COMITÊ DEERGONOMIA:COMITÊ DE ERGONOMIA: grupo de pessoas que juntas trabalham em prol da conscientização e viabilização deum projeto ergonomicamente correto.Formado por um Comitê Interno de Ergonomia (CIE) que englobe representantes da empresa e dosfuncionários, utiliza as ferramentas da ergonomia de conscientização para que haja o pleno usufruto do projeto
  • ergonômico, seja esse implementado pela ergonomia de concepção ou de correção.O foco principal do Comitê de Ergonomia e a prática da ergonomia de conscientização, sendo queessa conscientização se faz a partir do primeiro grupo a ser conscientizado que é o próprio CIE.Esta conscientização é fundamental para a obtenção dos objetivos propostos pelo projeto ergonômico, pois épela realização de treinamento, palestras, cursos de aprimoramento e atualização constante que é possíveleducar o funcionário acerca dos meios de trabalho menos prejudiciais para a saúde individual e, ao mesmotempo, mostrar-lhe todos os benefícios das propostas ergonômicas para a saúde da coletividade.Vamos aprofundar sempre resumindo:Cada empregado precisa saber que o risco de ter uma lesão na coluna, no seu ombro, no seu punho, no seulocal de trabalho varia e depende da natureza do seu trabalho.Se os empregados estão manuseando materiais, a possibilidade de ter uma lesão na coluna é cinco vezes emeio maior do que a média dos outros trabalhos.Para o pessoal de enfermagem este número está perto de quatro vezes!Quanto maior o risco, maior a necessidade de um programa de prevenção de lesões músculo-esqueléticas.Levando em conta a velha receita de que não há elixir milagreiro para a prevenção de uma LER-DORT oulombalgia ou hérnia de disco, o CIE deve estar consciente de que a empresa decidiu focalizar no treinamento,na educação (e se for o caso no uso ou implementação de algum acessório como banquinho, cadeira, novabancada, apoio para pés, cinto lombar, etc) além de executar uma análise ergonômica dos postos de trabalho.Muitas empresas coletam dados irrefutáveis a respeito de programas de segurança e um forte compromisso anível gerencial no sentido de reduzir a incidência, os custos e horas perdidas ocasionadas por lesões músculo-esqueléticas.Assim, vocês estão entendendo que muitas vezes, até por força de uma inspeção da DRT, saímos correndo aadquirir uma cadeira ou banquinho (a pressa é inimiga da perfeição), mas esquecemos da causa e do meio.Não adianta nada comprar ou trocar mobiliário, implementar acessórios e/ou produtos ergonômicos ou afinssem antes proceder a uma análise de conscientização através do CIE. Esta é a principal causa dos problemasde muitos CIE. Quantas vezes nos deparamos vendo o usuário torto, com os pés flutuando no ar, com umacadeira caríssima e você pergunta para ele porque ele não usa pelo menos uma das aquelas 3 ou 4 alavancas ?E Ele responde: Nem sei para que servem! Ninguém me disse nada!Além de ensinar a tirar o máximo proveito de um novo (ou velho) mobiliário é necessário ensinar como ter boapostura, a importância das pausas, porque ele precisa disso, porque ele precisa regular a altura e espaldar dacadeira ou banco, por aí vai.COMO SERIA O ESBOÇO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO, POR EXEMPLO, DE PREVENÇÃO DELESÕES DA COLUNA?Muitos dos itens abaixo se aplicam a qualquer programa de prevenção de doenças ou sintomas músculo-esqueléticas1- Aplicar um programa de Conhecimentos Gerais- Fazer com que o associado/empregado/usuário absorva as técnicas de prevenção para adota-las dentro eFORA do ambiente de trabalho.- A importância dos exercícios físicos dentro e FORA do ambiente de trabalho;- A importância de se cuidar durante o transporte, trabalhos de fins de semana, esporte e lazer;- Fazer com que o empregado seja um multiplicador destas técnicas dentro e principalmente FORA do ambientede trabalho, pois vai melhorar seu relacionamento familiar, sua QUALIDADE DE VIDA- Melhorar sua motivação dentro e FORA do ambiente de trabalho com conseqüente aumento da produtividadee eficácia.- No caso de lesões de coluna, devemos conscientizar o empregado/associado (e ao CIE e ao treinador) doprograma preventivo com alguns dados estatísticos (que aqui colocamos, alguns dos EUA para vocês veremque o problema lá é enorme também; coloque dados da empresa ou do corporate se existir).- Não fique surpreso em saber que 80% a 90% da população MUNDIAL vai sofrer algum tipo de lesão na colunadurante suas vidas.
  • -Nos locais de trabalho, um a cada três empregados experimenta algum tipo de problemas nas costas oucoluna.- Na média, cada empresa norte americana gasta mais de US$120.000,00/ ocorrência com essas lesões.- De acordo com o Departamento de Estatística do Trabalho dos EUA, 31 milhões de americanos sofrem delesões na coluna relativas ao trabalho, e essas lesões representam cerca de 33% de todas as reclamações deindenizações trabalhistas.- De fato, apenas no Estados Unidos, 20 a 30 bilhões de dólares por ano são gastos em tratamento médico,associados à lesão da coluna e 40 a 60 bilhões de dólares em horas de trabalho perdidas, incapacidade ecuidados com crianças.- Lesão da Coluna é a mais cara e é também a lesão do trabalho mais freqüente nos Estados Unidosatualmente.- Certamente você conhece alguém que já sofreu de lesão na coluna: A dor é constante e a lesão é debilitante.2 - Aplicar um programa de Conhecimentos Científicos:- Explicar como são e como funciona "as costas" (até a palavra deve ser bem escolhida: costas ao invés decoluna); fotos, silhuetas, etc.- Oferecer conhecimentos básicos de antropometria- Mostrar mecanismos de funcionamentos básicos de nosso sistema músculo-esquelético apenas para que setenha noção de corpo x espaço.- Uma das coisas mais importantes: Explicar detalhadamente a razão da importância da postura correta, poisvai permitir o corpo a otimizar sua função enquanto reduz stress e tensões nos músculos e ossos. Istoaumentará o conforto e vai reduzir a fadiga, EM PÉ OU SENTADO!!* A parte inferior da coluna atua como um ponto de alavanca que suporta o peso do corpo e da carga.* A coluna opera a uma relação de 10:1 com este ponto (média mundial para as medidas antropométricasconhecidas). Isso significa que quando você curva na altura da cintura, as forças na região inferior da colunasão maiores do que 500 Kg de pressão para um saco de cimento, por exemplo, (50 kg).3- Aplicar um programa de Entendimento de Mobiliário e assessórios: Aqui vai entrar eventualmente a explicação da nova bancada com altura regulável, um novo banco, cadeira,um cinto lombar, importância de um EPI,etc.4- Aplicar os Programa de Prevenção:Um programa de prevenção de lesões da coluna precisa de técnicas apropriadas de manuseio (e não sólevantamento) da carga, de qualquer carga (até ½ kg). (Liste-as neste ponto com slides, cartazes e filme).Vocês estão vendo que um programa de prevenção de doenças músculo-esqueléticas passa por umtreinamento de conscientização onde fatos como os relatados acima devem ser passados ao treinador e aosassociados, obviamente com a devida cautela.É necessário que TODOS estejam conscientes de que se a empresa escolheu a implementação de um programade prevenção de lesões da coluna através de um programa de segurança a fim de reduzir a incidência de lesõesda coluna e ao mesmo tempo obter dois grandes resultados deste investimento:• Quando a incidência de lesões da coluna diminui, a saúde e a moral dos empregados aumenta;• Os custos de indenizações diminuem, permitindo a empresa investir em outros programas de segurança ebem-estar.5- Aplicar um programa de Acuidade Visual:Fazer com o empregado através de cartazes com imagens, silhuetas, semelhantes àquelas usadas durante otreinamento, agora colocadas nos refeitórios, vestiários, postos de trabalho, lembre-se e se recorde sempredestes treinamentos.*É bastante interessante a idéia de se entregar estes cartazes para que sejam levados aos ADC s, sindicatos,grêmios e clubes, para suas casas. Não esqueça, neste caso, de cuidar do nome, logomarca de sua empresa.Nada funciona sem marketing!
  • Importante:O enfoque fora do ambiente de trabalhoPorque razão o enfoque no FORA do ambiente de trabalh é importante?Nos EUA, 30 % das lesões músculo-esqueléticas têm origem em atividades de risco FORA do trabalho.E no Brasil?Depende, mas certamente aqui essa porcentagem é muito superior. Dados colhidos não cientificamente,durante minhas palestras e cursos neste Brasil, pode checar até 75 %!Mas, atenção - muitos são os fatores a serem pesquisados: depende de como o trabalhador vai à empresa(três conduções, como a média na região de Guarulhos?) ou o ônibus passa perto da casa dele? Quais grausde serviços públicos estão disponíveis no seu lar?Parece dificíl de entender, mas regiões de maior risco de segurança pública nos bairros faz aumentar o estresseà insegurança que o trabalhador vai levar para dentro de sua fábrica e vai aumentar o risco – probabilidade deele contrair uma lesão.Boas escolas, plano de saúde, lazer, cursos profissionalizantes, etc são agentes de risco positivos ou negativos,dependendo se funcionam bem ou mal.Quando implementar um programa destes, o CIE (Comitê Interno de Ergonomia) deve prover até o diplomaque a alta gerencia vai dar aos associados, no seu término, com palmas, para o novo “Especialista emColuna”.Assim o papel do Comitê de Ergonomia deve ser focado desde o inicio nos modelos de Ergonomia (d) eConscientização.O Comitê de ergonomia deve envolver a todos os setores, até o financeiro, controller.Desde que a diminuição das dores, principalmente nas costas e membros superiores através da ergonomia, éum grande fator de aumento da produtividade, não nos parece óbvio envolver o setor de finanças, de controle,da empresa?Vai facilitar na hora de explicar o investimento (e não custo) de um programa de treinamento, de compra denovo mobiliário (mas consciente e com treinamento), por exemplo. E vamos falar de investimento e mostrar oretorno.Somente quando há este comprometimento geral o trabalho funciona.Um animador externo das reuniões ou mesmo a presença de palestras elucidativas com pessoal externo ésempre fortalecedor e enriquecedor.Não é necessário um manual de como formar CIEs.Menos formalidade e mais conscientização é o ideal.Muitas vezes na primeira reunião do CIE, os membros da SST, responsável pela organização geral, fazapresentações extremamente técnicas, cansativas, apresentando aquele brutal (literalmente) calhamaço depapel com laudo ou levantamento ergonômico contratado, às vezes, com altos custos, às vezes até com vídeo,cálculos de força e momento fletor da vértebra Lx, onde está descrito que tudo está errado ou até que estácerto mas que, infelizmente, não é PRÁTICO.As vezes deparamos com laudos onde o CIE deveria fechar a fábrica de tantas não conformidadesapresentadas! Porém, é preciso ter consciência e ser realista. Não, não é assim.Vamos estudar alternativas, vamos melhorar paulatinamente, vamos adequar aos poucos.Devemos lembrar que nas pequenas ações temos as grandes reações.Exemplos negativistas também servem para lembrar que as próximas reuniões serão ineficazes, atéridicularizadas e fadadas ao fim.A má condução de um CIE é uma perda irreparável: Perdem os trabalhadores, os responsáveis pela SST, perdeo sindicado, a CIPA, a empresa, o país