<ul><li>Projecto  Bairros em Lisboa 2012 </li></ul>Coordenação : CEACT/UAL - Centro de Estudos de Arquitectura, Cidade e T...
<ul><ul><li>O Bairro é … </li></ul></ul><ul><ul><li>−   Uma malha urbana composta por ruas e edifícios com espessura tempo...
O conceito de “Bairro” é…  Uma referência constante nos mais diversos tipos de discurso (comum, técnico, científico, promo...
Perante tal diversidade considera-se fundamental: −  Abordar o “Bairro” como um espaço físico - na sua componente históric...
Bairro 2 de Maio Bairro Alto da Serafina Bairro Alto Bairro América Bairro Andrade Bairro Azul Bairro Estrela de Ouro Bair...
<ul><ul><li>Análise de menção da palavra bairro nos Instrumentos de Gestão do Território em vigor em Lisboa </li></ul></ul...
Inquérito preliminar on-line (Maio 2010) - Indique até cinco bairros do concelho de Lisboa
Dos bairros que indicou, qual o mais representativo daquilo que considera um bairro de Lisboa?
Se residiu ou reside em algum dos bairros que indicou, refira qual(is):
Classifique as seguintes afirmações de acordo com a sua ideia de bairro de Lisboa: 6 6 Item Sim, sempre Sim, às vezes Não ...
Concelho de residência Concelho de estudo ou trabalho
Ano Desenvolvimento do projecto 2010 <ul><li>Pesquisa bibliográfica - caracterização do estado da arte, nacional e interna...
Processo Época Unidade (morfo-génese) Exemplos Com plano  Anteriores a 1755 Traçado regular ainda muito agarrado ao terren...
Processo Época Unidade (morfo-génese) Exemplos Com plano  Estado Novo <ul><li>Bairros Sociais de iniciativa pública  </li>...
Processo Época Unidade (morfo-génese) Exemplos Com plano  Anos 70 Bairros Sociais —  Cidade Nova / prédio Chelas  Anos 80 ...
Questões que inquietam e suscitam debate: −  Como distinguir os “Bairros” na Lisboa de hoje? −  Será possível estabelecer ...
( ... )
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto

2,533
-1

Published on

Apresentação do projecto Bairros em Lisboa 2012, coordenado pelo CEACT/UAL, realizada na mesa redonda "O lugar do Bairro" (Jan. 2011). Autoras: Filipa Ramalhete e Assunção Gato

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,533
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
42
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Vi Conferência e-Learning na EXPONOR | 16 de Abril de 2010
  • Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto

    1. 1. <ul><li>Projecto Bairros em Lisboa 2012 </li></ul>Coordenação : CEACT/UAL - Centro de Estudos de Arquitectura, Cidade e Território da Universidade Autónoma de Lisboa Parceiros : IHRU – SIPA | e-Geo | CML
    2. 2. <ul><ul><li>O Bairro é … </li></ul></ul><ul><ul><li>− Uma malha urbana composta por ruas e edifícios com espessura temporal e arquitectónica. </li></ul></ul><ul><ul><li>− Uma unidade de base da vida urbana, que não corresponde a uma definição político-administrativa nem é um simples suporte físico de um grupo populacional. </li></ul></ul><ul><ul><li>− Uma área sem demarcação territorial, mas delimitada na memória e no imaginário colectivo dos seus residentes. </li></ul></ul><ul><ul><li>− Um referencial geográfico onde se observa a sobreposição de temporalidades, espacialidades e sociabilidades diversas. </li></ul></ul><ul><ul><li>− Um lugar que promove a criação de marcas identitárias partilhadas no colectivo e reconhecidas no exterior. </li></ul></ul><ul><ul><li>− Uma realidade que permite a intersecção da objectividade da vida social com as subjectividades da sua representação. </li></ul></ul><ul><ul><li>− Um sítio onde se “cresce” pessoal e socialmente e onde se criam memórias. </li></ul></ul>
    3. 3. O conceito de “Bairro” é… Uma referência constante nos mais diversos tipos de discurso (comum, técnico, científico, promocional, histórico, político, estratégico, ficcional…); Uma realidade de existência global mas com características diferenciáveis localmente; Uma ideia que é facilmente identificável mas dificilmente definível. O projecto de investigação “Bairros em Lisboa, 2012” surge da grande dificuldade de encontrar um critério empírico de definição de “Bairro” e da grande diversidade de lugares e realidades (sociais, culturais, arquitectónicas, históricas, espaciais) na cidade de Lisboa, onde esse termo se aplica com toda a propriedade.
    4. 4. Perante tal diversidade considera-se fundamental: − Abordar o “Bairro” como um espaço físico - na sua componente histórica e urbanística - mas também como um espaço que configura práticas sociais, que é utilizado, vivenciado e representado pelos seus habitantes e utilizadores. − Compreender a que contextos – espaciais, históricos, arquitectónicos, sociais, culturais – se associa o conceito de “Bairro” − Definir os critérios que podem ser utilizados para definir o que é um “Bairro, numa cidade plural como Lisboa. − Retratar de uma forma tão completa quanto possível alguns “Bairros” de Lisboa, a fim de compreender a amplitude do seu papel nas novas formas de habitar a cidade contemporânea e de contribuir para o seu conhecimento e ordenamento.
    5. 5. Bairro 2 de Maio Bairro Alto da Serafina Bairro Alto Bairro América Bairro Andrade Bairro Azul Bairro Estrela de Ouro Bairro Grandella Bairro da Ajuda Bairro da Boavista Bairro da Calçada dos Mestres Bairro da Cruz Vermelha Bairro da Curraleira Bairro da Encarnação Bairro da Flamenga Bairro da GNR Bairro da Horta Nova Bairro da Liberdade Bairro da Prodac Bairro da Quinta da Calçada Bairro da Quinta da Luz Bairro da Quinta das Conchas Bairro da Quinta de Barros Bairro da Quinta do Cabrinha Bairro da Quinta do Charquinho Bairro da Quinta do Jacinto Bairro da Quinta do Lavrado Bairro da Quinta do Morgado Bairro da Rocha Bairro da Liberdade Bairro das Amendoeiras Bairro das Calvanas Bairro das Colónias Bairro das Estacas Bairro das Furnas Bairro das Galinheiras Bairro das Salgadas Bairro de Alcântara Bairro de Caselas Bairro de Inglaterra Bairro de Santa Cruz Bairro de Santos Bairro de São João Bairro de São Miguel Bairro do Alto da Ajuda Bairro do Alvito Bairro do Arco do Cego Bairro do Armador Bairro do Calhau Bairro do Caramão da Ajuda Bairro do Casalinho da Ajuda Bairro do Condado Bairro do Relógio Bairro dos Actores Bairro dos Alfinetes Bairro dos Funcionários da Cadeia de Monsanto Bairro dos Lóios Bairro dos Retornados Bairro dos Sete Céus Bairro Estrela d'Ouro Bairro Lopes Bairro Madre Deus Bairro Novo de Belém Bairro Novo de Benfica Bairro Novo do Grilo Bairro Padre Cruz Bairro São João de Brito Vox populi : topónimo de “bairro” em Lisboa total 67
    6. 6. <ul><ul><li>Análise de menção da palavra bairro nos Instrumentos de Gestão do Território em vigor em Lisboa </li></ul></ul><ul><ul><li>PU ALTO DO LUMIAR 1ª PUBLICAÇÃO RCM 126/98 248 IS-B 27/10/1998: “Artigo 41.º Critérios para a área histórica da Estrada da Torre e áreas livres adjacentes a norte (UPG XII). 1 — O objectivo consiste em preservar o bairro histórico e ordenar as suas áreas ainda disponíveis .” </li></ul></ul><ul><ul><li>ACRRU MOURARIA - ALARGAMENTO ÁREA 1ª PUBLICAÇÃO DR 35/97 221 IS-B 24/9/1997: “ Os Decretos Regulamentares n.os 61/86, de 3 de Novembro, e 6/92, de 18 de Abril, delimitaram como área crítica de recuperação e reconversão urbanística parte da zona da Mouraria, um dos bairros mais antigos e característicos da cidade de Lisboa .” </li></ul></ul><ul><ul><li>P ara todos os outros casos, é utilizada a designação “zona” </li></ul></ul>
    7. 7. Inquérito preliminar on-line (Maio 2010) - Indique até cinco bairros do concelho de Lisboa
    8. 8. Dos bairros que indicou, qual o mais representativo daquilo que considera um bairro de Lisboa?
    9. 9. Se residiu ou reside em algum dos bairros que indicou, refira qual(is):
    10. 10. Classifique as seguintes afirmações de acordo com a sua ideia de bairro de Lisboa: 6 6 Item Sim, sempre Sim, às vezes Não Conjunto de edifícios da mesma época 28.6%34 69.7%83 1.7%2 Conjunto de edifícios que obedecem a um plano urbanístico 26.1%31 64.7%77 9.2%11 Conjunto de ruas de uma mesma freguesia 26.9%32 62.2%74 10.9%13 É um dormitório 3.4%4 29.4%35 67.2%80 Existem relações familiares 36.1%43 60.5%72 3.4%4 Existe comércio tradicional 74.8%89 24.4%29 0.8%1 Existe vivência diurna de rua 79.0%94 21.0%25 - Existe vivência nocturna de rua 25.2%30 73.1%87 1.7%2 Existem espaços verdes e jardins 32.8%39 66.4%79 0.8%1 Existem relações estreitas de vizinhança 46.2%55 53.8%64 - Vivem pessoas de vários estratos sociais 32.8%39 66.4%79 0.8%1 Vivem sobretudo pessoas do mesmo estrato social 10.1%12 64.7%77 25.2%30
    11. 11. Concelho de residência Concelho de estudo ou trabalho
    12. 12. Ano Desenvolvimento do projecto 2010 <ul><li>Pesquisa bibliográfica - caracterização do estado da arte, nacional e internacional, sobre a génese e evolução do conceito de bairro </li></ul><ul><li>Estabelecimento de parcerias (IHRU | e-Geo | CML) </li></ul><ul><li>Definição da primeira proposta de tipologias </li></ul><ul><li>Primeiro mapeamento </li></ul><ul><li>Inquéritos teste e início de 2 casos de estudo (Campo de Ourique e Graça) </li></ul><ul><li>Organização da Mesa redonda O lugar do Bairro </li></ul>2011 <ul><li>Pesquisa bibliográfica </li></ul><ul><li>Realização de entrevistas a actores-chave </li></ul><ul><li>Continuação do trabalho de campo (mais 4 bairros), incluindo l evantamento histórico, urbanístico e arquitectónico e registo fotográfico e cartográfico dos estudos de caso, </li></ul><ul><li>Produção de cartografia </li></ul><ul><li>Comunicação no SIEF </li></ul>2012 <ul><li>Análise de resultados e redefinição de tipologias </li></ul><ul><li>Divulgação e aplicação de conteúdos </li></ul>
    13. 13. Processo Época Unidade (morfo-génese) Exemplos Com plano Anteriores a 1755 Traçado regular ainda muito agarrado ao terreno, ausência de praça e de grandes eixos estruturantes. - Vila Nova do Olival ou da Oliveira - Bairro Alto e Madragoa (Bairro do Mocambo) séc. XVI (vias em quadrícula, definindo quarteirões rectangulares ou trapezoidais ) Reconstru-ção pombalina Morfologia urbana regular ortogonal, com normas arquitectónicas explícitas - Baixa Ressano Garcia Morfologia urbana regular ortogonal, sem normas arquitectónicas - Bairro de Campo de Ourique, Avenidas Novas Primeira República / Estado Novo Primeiros bairros sociais de iniciativa pública Morfologia urbana regular Bairros de iniciativa privada Pequenos e médios loteamentos, muito marcados por pré-existências (estruturas da propriedade e viárias) - Bairro Social do Arco Cego - Bairro Andrade, Bairro das Colónias, Bairro Inglês ...     
    14. 14. Processo Época Unidade (morfo-génese) Exemplos Com plano Estado Novo <ul><li>Bairros Sociais de iniciativa pública </li></ul><ul><li>(influenciados pelos princípios da Cidade jardim) </li></ul><ul><li>Bairro/ vivenda/ localizados no limite da cidade. </li></ul><ul><li>Bairro social </li></ul><ul><li>(influenciados pela carta de Atenas) </li></ul><ul><li>Bairro / Pequeno prédio </li></ul><ul><li>Bairro / Movimento Moderno </li></ul><ul><li>Urbanizações de iniciativa privada </li></ul><ul><li>Pequenos e médios loteamentos, muito marcados por pré-existências fundiárias e viárias. </li></ul><ul><li> </li></ul>Alvito, Encarnação, Santa Cruz, Madre Deus, - Alvalade / Restelo - Olivais   - Benfica, Lumiar, Carnide ....   
    15. 15. Processo Época Unidade (morfo-génese) Exemplos Com plano Anos 70 Bairros Sociais — Cidade Nova / prédio Chelas Anos 80 e 90 Bairro de iniciativa autárquica (EPUL) Telheiras, Alto do Restelo, Carnide ... Passagem ao séc. XXI Grande urbanização e grande acção regeneraçao urbana (aprovado em 1997) Alto do Lumiar (Alta de Lisboa) Expo 98 / Parque das Nações Sem Plano (ou planta orgânica) Desde a origem da cidade Geometria muito variável acompanhando a topografia dos locais onde se implanta. Edificação ao longo de antigas estradas de saída de Lisboa <ul><li>- Alfama, Castelo, Sé, Mouraria, Graça, Alcântara… </li></ul><ul><li>Rua de Santa Marta/ R. de São Sebastião </li></ul><ul><li>Rua de Arroios </li></ul><ul><li>Estrada de Benfica </li></ul><ul><li>... </li></ul>
    16. 16. Questões que inquietam e suscitam debate: − Como distinguir os “Bairros” na Lisboa de hoje? − Será possível estabelecer uma tipologia dos bairros existentes? − De que forma essa tipologia poderá ser útil para o ordenamento da cidade? − Porque razão certos projectos urbanos vingam como “Bairro” e outros não? − Como é que os residentes e os utentes da cidade caracterizam um “Bairro”? − Como é que se apropriam e representam o espaço do “Bairro”? − Poderá a expansão urbana das últimas décadas ser associada ao conceito de “Bairro” ou está-se perante realidades que exigem novas designações e formas de classificar a cidade? − Como sobreviverá o “Bairro” de cariz popular a processos de nobilitação urbana e de “musealização” de tipicidades? − Porque razão os Instrumentos de Gestão do Território e os documentos estratégicos não coincidem na leitura que fazem dos “Bairros”?
    17. 17. ( ... )
    1. A particular slide catching your eye?

      Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

    ×