Comercialização de Energia Renovável: importância no mercado livre e principais ações futuras
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Comercialização de Energia Renovável: importância no mercado livre e principais ações futuras

on

  • 683 views

XXII SNPTEE – Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica

XXII SNPTEE – Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica

Statistics

Views

Total Views
683
Views on SlideShare
683
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
11
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Comercialização de Energia Renovável: importância no mercado livre e principais ações futuras Presentation Transcript

  • 1. Comercialização de Energia Renovável: importância no mercado livre e principais ações futuras XXII SNPTEE – Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica Alexandre Viana Gerência Executiva de Leilões & Mercado Regulado 16 de outubro de 2013
  • 2. Comercialização de Energia no Brasil • A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE foi autorizada pela Lei nº 10.848, de 15/03/2004, e instituída pelo Decreto nº 5.177, de 12/08/2004, como pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, sob regulação e fiscalização da Aneel. • A CCEE tem como missão viabilizar as atividades de comercialização de energia elétrica no Brasil, além de zelar pelo bom funcionamento do mercado e fomentar discussões sobre aprimoramentos do setor. 2
  • 3. Principais Atribuições da CCEE • • • • Realizar os leilões de energia elétrica, sob delegação da Aneel • Administração do Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e Ambiente de Contratação Livre (ACL) Implantar e divulgar as Regras de Comercialização e os Procedimentos de Comercialização (PdCs) • Manter o registro dos dados de energia gerada e consumida pelos agentes da CCEE Apuração das infrações e cálculo de penalidades por variações de contratação de energia • Monitoramento das condutas e ações empreendidas pelos agentes da CCEE • • • Gerenciar e efetuar a liquidação financeira dos montantes contratados nos leilões de energia de 3 reserva Apuração do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), utilizado para liquidação da energia comercializada no curto prazo Manter o registro dos contratos firmados entre os agentes da CCEE Contabilizar e liquidar as transações realizadas no mercado de curto prazo
  • 4. Produtos da CCEE Principais Produtos da CCEE em 2013 Estimativa em R$ bi 45.0 40.2 40.0 Operações Totais em 2013: R$ 85 bilhões 35.0 30.0 25.0 22.8 20.0 15.0 15.0 10.0 3.0 5.0 0.2 0.0 Liquidação do MCP RRV MCSD – Apuração das Cessões Energia de Reserva 2.0 1.8 Regime de Cotas Regime de Cotas de GF Angra I e II Leilões 4
  • 5. Macro esquema de funcionamento do Mercado de Curto Prazo Negociação e pagamento bilateral Negociação de compra e venda de energia (preços, volumes) ACR: Leilões ACL: Balcão e Bolsas de energia (BRIX, BBCE) Negociação e recebimento bilateral Informações contratuais para registro na CCEE Dados da posição física (consumo quando consumidor ou distribuidora) * Dados da posição física (geração quando gerador) * Garantias Financeiras relativas a posição financeira do MCP Garantias Financeiras relativas a posição financeira do MCP Aporte das Garantias Financeiras Aporte das Garantias Financeiras Posição financeira a liquidar no MCP (crédito ou débito) Instituição Financeira Posição financeira a liquidar no MCP (crédito ou débito) Vendedor Comprador Liquidação Financeira MCP (crédito ou débito) * No caso de comercializador pode haver somente posição contratual e não haver consumo ou geração
  • 6. Evolução de Agentes na CCEE Participação - 2013 2700 2550 2400 2250 2100 1950 1800 1650 1500 1350 1200 1050 900 750 600 450 300 150 0 Classe Gerador a Título de Serviço Público Gerador Autoprodutor Distribuidor Comercializador Gerador Produtor Independente Consumidor Especial Consumidor Livre Total [%] 1,3% 1,7% 1,8% 5,7% 20,3% 45,1% 24,1% 100,0% 2000 1 2001 1 2002 1 2003 1 2004 1 2005 1 2006 1 2007 1 2008 1 2009 1 2010 1 2011 1 2012 0 2013 0 Gerador Autoprodutor 0 3 8 11 11 14 15 21 24 28 34 41 42 44 Gerador a Título de Serviço Público 15 19 19 20 20 22 27 30 29 28 28 31 32 34 Distribuidor 35 39 41 42 42 43 43 43 43 45 45 46 47 46 Comercializador 5 18 31 35 41 47 44 48 55 70 93 113 147 148 Gerador Produtor Independente 2 15 26 37 45 65 83 88 130 169 262 312 445 524 Consumidor Especial 0 0 0 0 0 0 0 0 194 221 455 587 992 1165 Consumidor Livre 0 0 0 0 34 470 613 684 459 445 485 514 595 621 146 194 Importador Total 58 95 126 662 826 915 935 1.007 1.403 1.645 2.000 2.582 7
  • 7. Ambiente de Contratação Livre - Agentes ACR 73% Potencial ACL (regras atuais) Consumidores aptos a migrar Potencial Especiais ACL 27% ACL 46% Potencial Livres • Maior parte do potencial de migração para o ambiente livre está nos consumidores especiais • Mercado para a venda de energia incentivada para esses agentes 8
  • 8. Comercializador varejista Regras de comercialização e operação na CCEE são complexas para consumidores especiais e pequenos geradores (energia incentivada) ; objetivo é simplificação da operação. Comercializador varejista ficará responsável por representar o agente junto à CCEE. Concentração de consumidores especiais debaixo dos varejistas reduz custos de transação para os vendedores (negociação com um grande agente ao invés de transações pulverizadas). ACL Comercializador Varejista MC1 C1 MC2 C2 Consumidores Especiais MC3 C3 MC4 C4 ...... MCn Cn (Adesão Simplificada) MG1 MG2 ...... MGn ~ ~ ~ G1 G2 Gn Geradores de Pequeno Porte (Adesão Simplificada) 9
  • 9. Comercializador varejista Comercializador varejista poderá vender energia por produtos para os clientes, que podem escolher comprar somente eólicas, somente PCHs, etc Produto também poderá ser um mix de fontes renováveis para garantir a entrega mesmo em períodos sem ventos ou sem chuva Possibilidade de aproveitar complementaridade entre vento, água, biomassa Produtos também podem combinar diversas eólicas, em um mix de ventos de regiões diferentes Comercializador Varejista CE CE CE CE 10
  • 10. Comercializador varejista Mercados de eletricidade maduros possuem um elevado índice de liquidez (Índice de Rotatividade).  O mercado brasileiro apresentou no último mês de agosto/2013 um Índice de Rotatividade no ACL de 2,53.  Acreditamos que o Comercializador Varejista possa ser um elemento indutor de liquidez no ACL. 11
  • 11. Comparação dos Índices de Liquidez Electricity Markets’ Churn Rates Germany 10 8 Nord Pool 6 GB 4 Netherlands Brazil France 2 Colombia 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Source: OFGEM/CCEE Liquidez do mercado brasileiro:  Índices ainda distantes da Alemanha e do Nord Pool (mercados maduros) 12
  • 12. Registro CCEAL Atual – Portarias MME nº 455/2012 e 185/2013 Calendário de operação atual (base mensal) Redução de contratos (MS+17) Registro e Validação de Contratos (ex-ante mensal) Ajuste Ajuste e Validação Resultado da Dados de Liquidação de Contratos contabilização Medição Financeira MS+7du MS+8du MS+9du MA-2du MA-1du M-1       M M+1 Até MS+21du MS+26/27du M+2 MA-2du: Limite para registro do CCEAL pelo agente vendedor MA-1du: Limite para validação do CEEAL pelo agente comprador MS+8du: Limite para ajuste do CCEAL pelo agente vendedor MS+9du: Limite para validação do ajuste do CCEAL pelo agente comprador MS+21 du: Certificação do resultado da contabilização MS+26/27 du: Débito/Crédito da Liquidação Financeira do MCP. 13
  • 13. Registro CCEAL Futuro, 01.02.2014 – Portarias MME nº 455/2012 e 185/2013 Calendário de operação (Registro em base semanal x Contabilização em base mensal*) Modelagem de ativos no Soma Registro e Validação de Contratos (ex-ante semanal) MA-10du S-2 SA-2du SAS-1 1du M-1      Ajuste dados de Redução de medição contratos MS+7du MS+17du Liquidação Financeira MS+26/27du S ... S M M+1 M+2 MA-10 du: Limite para sanar as pendências de modelagem de ativo(s) no SOMA SA-2du: Limite para registro e validação até as 18hs SA-1du: Entrada de dados por contingência até as 12hs SA-1du: Divulgação do PLD no site da CCEE MS+7du: *Limite para ajuste de montantes mensais e anuais para meses futuros * Considerando não haver alterações nos prazos vigentes de consolidação dos dados de medição contábil. 14
  • 14. Considerações Finais A CCEE atua como o operador do mercado de energia elétrica no Brasil, zelando pelo bom funcionamento da comercialização de energia no ACR e ACL.  Estimamos que as operações da CCEE para 2013 totalizarão R$ 85 bilhões.  Houve um expressivo crescimento do número de consumidores especiais nos últimos 05 anos. (2008: 194 >>> 2013: 1165) Eles representam 45% dos agentes da CCEE.  O ACL representa 27% do mercado brasileiro e com as regras atuais pode chegar a 46%.  O Comercializador Varejista busca simplificar a operação e a adesão dos consumidores especiais e pequenos geradores. Acreditamos que ele funcionará como um elemento indutor de liquidez no ACL.  Dada as operações dinâmicas e a necessidade de registro ex-ante (Portarias MME nº 455/2012 e 185/2013), o Comercializador Varejista será uma forma de auxiliar na organização das operações do mercado. 15
  • 15. Obrigado! Central de Atendimento: 0800-10-00-08 e-mail: atendimento@ccee.org.br site: www.ccee.org.br