• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
XIV CBE - MESA 4 - Roberto Esteves - 24 outubro 2012
 

XIV CBE - MESA 4 - Roberto Esteves - 24 outubro 2012

on

  • 427 views

 

Statistics

Views

Total Views
427
Views on SlideShare
427
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    XIV CBE - MESA 4 - Roberto Esteves - 24 outubro 2012 XIV CBE - MESA 4 - Roberto Esteves - 24 outubro 2012 Presentation Transcript

    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Mesa 4 Desafios e Aceitação da EnergiaNuclear e da Geração Termoelétrica Outubro, 2012 R. Esteves
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE• A aceitação de uma nova tecnologia pelo público não está associada ao risco mas à “percepção” do risco.• Três fatores são importantes para a “percepção” do risco: – O público; – A situação que envolve risco; e – A “convivência” entre eles. (Percepção do risco)
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBERisco “real” versus “percepção” do Risco.– Embora difícil de avaliar em muitos casos, o risco é uma grandeza mensurável.– Contudo, é a “percepção” do risco, e não o risco “real”, que responde pelo nosso comportamento perante as situações que vivemos.– O risco pode ser alto e haver uma percepção baixa.– O risco pode ser baixo e haver uma percepção alta.
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBERisco “real” versus “percepção” do Risco.– Exemplo 1: • Dois passageiros sentados lado a lado no mesmo avião. Não é incomum ter um deles rezando um terço enquanto o outro pode estar tomando um drink.– O risco para ambos é o mesmo. Porém a percepção do risco é completamente diferente entre eles.– O que leva um passageiro a estar relaxado e o outro a estar em pânico. • É a intimidade com a exposição que um deles tem e que o outro não adquiriu. (Interação com o sistema). • A “percepção” é uma atitude psicológica em relação risco real. “Não é racional”
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBERisco “real” versus “percepção” do Risco.– Exemplo 2: • O que leva a um evento de um terremoto seguido de um Tisuname, que juntos ceifaram cerca 26 mil vidas imediatas, e deram como consequência um acidente nuclear, que não ceifou nenhuma vítima, ser este último considerado o “pior” acidente e o mais comentado dos três? • Resposta: Ainda vai matar!!
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBERisco “real” versus “percepção” do Risco.– Exemplo 3: • O feriado de 12/10 passado matou 84 pessoas nas estradas brasileiras a exemplo de muitos outros feriados estendidos que ceifam centenas de vidas. A morte nas estradas brasileiras por ano (40.000) é superior à perda de vidas em toda a guerra do Vietnan. (Uma morte a cada 12 min.) • Porém, isto não parece afetar o ânimo para se deslocar de automóvel nestes eventos e mesmo diariamente. • Resposta: – a) A convivência gera uma percepção do risco pequena? – b) e/ou, você acredita que gerencia o risco!
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Exemplo 4: Emissão de CO2 por kWh de energia elétrica gerada em centrais térmicas Usina a Carvão 955g Usina a Óleo 818g Usina a Gás 446g Usina Nuclear: 4g!!! Qual a usina que você aceitaria morar na vizinhança! A poluição não é a percepção do risco!!
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Exemplo 5: Quantidade de combustível a ser transportado para operar uma usina Térmica de 1.000 MWe por ano 1.100.000 t 5,5 metaneiros Gás Natural de 200.000 t (GNL) 1.400.000 t 7 petroleiros Óleo de 200.000 t 2.200.000 t 11 cargueiros Carvão de 200.000 t 30 t 3 caminhões Nuclear de 10 t Qual a usina de maior potencial de risco ambiental? Qual a percepção do risco?
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Exemplo 6: Quantidade de rejeitos gerados para operar uma usina Térmica de 1.000 MWe por ano. • 7 milhões de toneladas de gases Usina a Carvão liberados na atmosfera. • 200.000 toneladas de cinzas. • ~CO2 (Operação do gerador Diesel) Usina Nuclear • 12 m3 de rejeitos de baixa radiação. • 1 ton de rejeitos de alta atividade. Qual a usina de maior impacto ambiental? Qual a percepção do risco?
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Rejeito radioativo per capita na França anual Lixo Industrial: 2 500 kg Lixo Tóxico: 100 kg Rejeito Nuclear Menor que: 1 kg LILW: 100g HLW : 10gHLW toda vida: 800g/ capita
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Estocagem em depósitos profundos - França
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE– Os rejeitos provenientes das fontes de energia termoelétricas não nucleares, constituídos de grandes quantidades, são dispersos no meio ambiente indiscriminadamente.– Os rejeitos provenientes da geração termonuclear, constituídos de muito reduzidas quantidades, são confinados e tornados inacessíveis.– Qual é a percepção do risco de menor impacto atual e futuro?.......
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE– Toda pesquisa de opinião pública sobre aceitação de riscos reflete somente a Percepção do Risco sendo volúvel e momentânea.
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Public Opinion Evolution in USA since 80’s A percepção do risco é volúvel CHER. FUKSource: Bisconti Research INC, Feb 2012
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Public Opinion Evolution in Britain in this Century A percepção do risco é volúvel Ponto de inversão FUK Source: FORATOM 2012
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Public Opinion Evolution in France since 90’s A percepção do risco é volúvel (A questão principal é estratégica) FUK To your mind, the decision to produce three quarters of the French electricity production with nuclear power results in rather advantages or drawbacks?" Source: CREDOC4
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBEConsumo mundial de energia em milhões de toneladas equivalentes de petróleo Conclusão: as novas fontes de energia não substituem as anteriores mas são agregadas ao sistema Fonte: BP 2011
    • XIV Congresso Brasileiro de Energia – XIV CBE Mesa 4 Obrigado Outubro, 2012 R. Esteves