9.1917 1920

2,590 views
2,383 views

Published on

Os principais sucessos entre 1917 e 1920. O surgimento do samba. Vida e Obra de Sinhô e Pixinguinha

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,590
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
555
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

9.1917 1920

  1. 1. História da Música Popular A Música Popular de 1917 a 1928
  2. 2. Principais acontecimentos: <ul><li>Surgimento do sistema eletromagnético de gravação </li></ul><ul><li>“ Pelo Telefone” (Donga) gravado por Sinhô marca o início do gosto pelo samba. </li></ul><ul><li>As marchinhas de carnaval começam a ser gravadas. </li></ul><ul><li>Música norte-americana no pós-guerra. </li></ul><ul><li>Música cantada. </li></ul>
  3. 3. Entre 1917 e 1928, a música popular brasileira vive um período de transição e modernização, ao qual se seguiria sua primeira grande fase. Marcada pela onda de renovação de costumes que impera no pós-guerra, é um período de transformação e formação de novos gêneros musicais e implantação de inventos tecnológicos relacionados com a área do lazer.
  4. 4. 1917 - 1920 <ul><li>Pelo Telefone – samba (Donga e Mauro de Almeida) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Quem São Eles – samba/carnaval (Sinhô) </li></ul><ul><li>O Matuto – cateretê (Marcelo Tupinambá e Cândido Costa </li></ul><ul><li>O Despertar da Montanha – tango (Eduardo Souto) </li></ul>
  6. 6. 1917-1920 <ul><li>Já Te Digo – samba (Pixinguinha e China) </li></ul><ul><li>Fala Meu Louro – samba (Sinhô) </li></ul><ul><li>O Pé de Anjo – marcha/carnaval (Sinhô) </li></ul>
  7. 7. Sinhô (1888-1930) José Barbosa da Silva ou Sinhô nasceu em 8 de setembro de 1888, no Rio de Janeiro, Sinhô (a origem do apelido é desconhecida), mulato, filho do mestre pintor (profissional especializado em reproduzir imagens em paredes) Ernesto Barbosa da Silva. Um apaixonado pelos grupos de choro que esperava ver o filho transformado em grande músico.
  8. 8. É na Casa Beethoven que burila o samba 'Quem são eles?', provocando Pixinguinha e sua turma. É seu primeiro sucesso, cantado no Carnaval de 1918 e ponto de partida para a carreira de compositor. Extremamente vaidoso e com grande capacidade de se auto-promover, torna-se conhecido no Rio de Janeiro, freqüentando todas as rodas, com amigos marginais, intelectuais, boêmios ou milionários. Cansei Jura
  9. 9. Famoso nos anos 20, suas músicas ganham sucesso no teatro de revista, um dos grandes lançadores de compositores e cantores na época. A vedete Araci Cortes faz de Sinhô um de seus autores favoritos e suas músicas ajudam cantores como Francisco Alves e Carmen Miranda a avançarem em suas carreiras. A Medida do Senhor do Bonfim Alivia estes Olhos
  10. 10. Em 1929, em São Paulo, participa da campanha eleitoral de Júlio Prestes e se apresenta no Teatro Municipal, onde mostra a nova composição Cansei. Volta ao Rio e Mário Reis faz grande sucesso com seu Jura. Sinhô está no auge. Mas, a tuberculose. à qual não dá atenção desde meados dos anos 20, cobra seu preço. No dia 4 de agosto de 1930, viajando na barca Sétima, da Ilha do Governador para o Rio, sofre forte hemoptise. O Rei do Samba chega ao velho Cais Pharoux, já morto. Amar a uma só Mulher Burucutum
  11. 12. Pixinguinha (1897-1973) Alfredo da Rocha Vianna Filho, o Pixinguinha, nasceu em 23 de Abril de 1897. A família Vianna era numerosa; dos catorze filhos, muitos cantavam e tocavam instrumentos. O caçula, Pixinguinha, começou no cavaquinho e acompanhava o pai que tocava flauta em alguns bailes. Logo começou a estudar música, experimentando também o bombardino e aos doze anos, compunha sua primeira obra, o choro Lata de leite, inspirado nos boêmios (os chorões da época), que bebiam o leite deixado nas portas das casas, quando retornavam das noitadas e dos bailes. A casa dos Vianna reunia chorões ilustres, como Candinho do Trombone, Viriato, Bonfiglio de Oliveira, e muitos outros.
  12. 13. Em 1915 Pixinguinha era destaque da emergente Música Popular Brasileira. Já havia gravado discos e editado músicas de sucesso. Os jornais da época começavam a citar o jovem flautista. Em 1917 o músico era solicitado para as principais festas carnavalescas. Dois anos depois, formou-se o conjunto Oito Batutas, composto de flauta, violões, piano, bandolim, cavaquinho e percussão. Carinhoso Ai, eu queria
  13. 14. Dois anos depois, formou-se o conjunto Oito Batutas, composto de flauta, violões, piano, bandolim, cavaquinho e percussão. Em breve o conjunto se tornava moda também nos salões elegantes, e a aristocracia já cansada da música erudita, se renderia ao charme dos rapazes &quot;morenos&quot;. Gavião Calçudo
  14. 15. A década de 40 trouxe problemas para Pixinguinha. Betty estivera doente e o mercado de trabalho estava ruim, com a invasão da música norte-americana nas rádios. Além disso, o músico já não tinha a mesma embocadura para o uso da flauta. Em 1946, trocaria definitivamente o instrumento pelo sax, formando uma dupla com o flautista Benedito Lacerda. Já na metade da década de 50 surgiu a Velha Guarda, reunindo, entre outros, os amigos Donga e João da Baiana. Em 57, Pixinguinha já com 71 anos, gravou seis discos, dos quais se destacam, Os Cinco Companheiros, Pixinguinha e sua banda e Carnaval dos Bons Tempos Ingênuo
  15. 16. No final dos anos 40 começou a sofrer do coração e em 1958, teve a sua segunda crise cardíaca. Ao longo de sua vida, recebeu cerca de 40 troféus e medalhas e em 1961, foi nomeado, pelo então presidente Jânio Quadros, para o Conselho Nacional de Música; não chegando a assumir o cargo, já que Jânio renunciaria O Malhador
  16. 17. Em Junho de 1972 Betty faleceu; sem a companheira de sempre, Pixinguinha passaria a viver em companhia de Alfredinho e sua nora. A alegria voltou em 1973, quando nasceu Eduardo, seu segundo neto. Pixinguinha compôs então pela última vez, Eduardinho no choro. Vinte e seis dias depois, faleceu na Igreja Nossa Senhora da Paz, aonde tinha ido para batizar o filho de um amigo. Seu corpo foi velado no MIS e no dia seguinte, enterrado no cemitério de Inhaúma, junto ao de Betty. O povo, em uma última homenagem, cantou Carinhoso. Rosa

×