• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Recursos Naturais - Estudo de Caso Automotivo
 

Recursos Naturais - Estudo de Caso Automotivo

on

  • 1,156 views

...


The job pretend study an automotive gas emission case and their impact in the economy.
O trabalho aborda o caso de emissões de gases no setor automotivo e suas externalidades econômicas.

Statistics

Views

Total Views
1,156
Views on SlideShare
1,156
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
9
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Recursos Naturais - Estudo de Caso Automotivo Recursos Naturais - Estudo de Caso Automotivo Presentation Transcript

    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente EMISSÕES DE POLUENTES NO SISTEMA AUTOMOTIVO BRASILEIRO
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente Sumário 1.0 Conceito 1.1 Como os gases são formados 3.0 Políticas de Comando e Controle 3.1 As políticas de Comando e Controle já existentes 3.2 Resultados das Políticas 3.3 Ranking de emissões de gases poluentes e de CO2 de veículos nacionais (IBAMA) 4.0 Estudo de Caso (Valoração) 4.1 Custo da Poluição na RMSP (Região Metropolitana de São Paulo) 5.0 Conclusão 5.1 Soluções Propostas 2.0 Efeitos 2.1 Quais são os gases 2.2 Externalidade Negativa: Poluição do Ar
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente Motor de ignição por faísca de quatro tempos 1.0 Conceito 1.1 Como os gases são formados AR Combustível + Poluentes
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 2.0 Efeitos 2.1 Quais são os gases Os principais gases emitidos, pela combustão dos veículos, são: Monóxido de Carbono (CO) Dióxido de Carbono (CO 2 ) Aldeídos Dióxidos de nitrogênio – NO 2 Hidrocarbonetos – HC
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 2.0 Efeitos 2.2 Externalidade Negativa: Poluição do Ar A combustão dos combustíveis fósseis provoca externalidades adversas sendo destacadas a poluição do ar nos grandes centros urbanos e mudanças climáticas. A poluição do ar provoca danos à saúde, além de provocar outros custos ambientais. Vejamos abaixo uma breve descrição dos danos causados à saúde: Aldeídos Hidrocarbonetos – HC Seu principal efeito é a irritação dos olhos, nariz e garganta. Podem também afetar os pulmões. Alguns HC aromáticos polinucleados tem sido associados com o aparecimento do câncer . São responsáveis, em grandes concentrações, por irritação do trato superior e nos olhos
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 2.0 Efeitos 2.2 Externalidade Negativa: Poluição do Ar Dióxido de Carbono (CO2) Dióxidos de nitrogênio – NO ² Monóxido de Carbono (CO) Reduz a capacidade de transporte de oxigênio aos tecidos. Uma exposição durante 8 horas de concentrações de 10 a 35mg/m3 provoca enfraquecimento visual e tensão fisiológica em pacientes com deficiências cardíacas. Aumenta a incidência de bronquite em idade escolar. Dão origem à formação de peróxidos, aldeídos e ácidos, produtores de irritação dos olhos, má visibilidade, principalmente em condições climáticas adversas. Uma associação entre a poluição do ar pelo SO² acompanhado de material particulado e efeitos sobre a saúde do homem em vários graus de severidade.
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 3.0 Políticas de Comando e Controle 3.1 As políticas de Comando e Controle já existentes Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Conselho Nacional do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis A CETESB é o órgão técnico conveniado pelo IBAMA para assuntos de homologação de veículos em âmbito nacional, tendo também a responsabilidade pela implantação e operacionalização do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE . Todos os novos modelos de veículos e motores nacionais e importados são submetidos obrigatoriamente à homologação quanto à emissão de poluentes Principal responsável pela formulação das Resoluções, sendo a 354/04 a mais atual, pois entrará em vigor a partir de 2010. Tal resolução é conhecida como OBD-BR2 que tem como principal função o monitoramento do nível de poluentes emitidos no automóveis em circulação no Brasil. Tem como principais atribuições exercer o poder de polícia ambiental; executar ações das políticas nacionais de meio ambiente, referentes às atribuições federais, relativas ao licenciamento ambiental, ao controle da qualidade ambiental, à autorização de uso dos recursos naturais e à fiscalização, monitoramento e controle ambiental; e executar as ações de competência da União de conformidade com a legislação ambiental vigente.
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 3.0 Políticas de Comando e Controle 3.1 As políticas de Comando e Controle já existentes Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Conselho Nacional do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Controle Comando
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 3.0 Políticas de Comando e Controle 3.2 Resultados das políticas Fonte: Proconve
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 3.0 Políticas de Comando e Controle 3.2 Resultados das políticas Fonte: Proconve
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 3.0 Políticas de Comando e Controle 3.3 Ranking de emissões de gases poluentes e de CO2 de veículos nacionais (IBAMA) O Ministério do Meio Ambiente divulgou na terça-feira, 1º, novo ranking de emissões de gases poluentes e de CO2 dos modelos de veículos fabricados em 2009.
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 4.0 Estudo de Caso 4.1 Custo da Poluição na RMSP (Região Metropolitana de São Paulo) Distribuição das emissões veiculares na região de estudo segundo a distribuição da frota de automóveis por município da RMSP. As cores denotam a intensidade da emissão, sendo vermelho o local com a maior emissão e a azul (fundo) significa que não há emissão. Emissões veiculares,com dados da CETESB no modelo de dispersão atmosférica CIT (Californian Institut of Tecnology)
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 4.0 Estudo de Caso 4.1 Custo da Poluição na RMSP (Região Metropolitana de São Paulo) Desenvolvida pelo Banco Mundial por Lvovsky (2000), sintetizada pela fórmula abaixo: ∆ S = b * ∆C * P Em que ∆S é a o impacto na saúde, b é a função dose-resposta, ∆C é a variação na concentração do poluente MP10 e P é a população exposta a tal concentração. Metodologia
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 4.0 Estudo de Caso 4.1 Custo da Poluição na RMSP (Região Metropolitana de São Paulo) Produção Sacrificada “ Técnica da produção sacrificada: Mede o dano ambiental a partir da perda de produção por ele causada. Por exemplo, o custo da poluição da água é pelo menos equivalente à perda de recursos pesqueiros decorrentes do vazamento de efluentes em rios, lagoas ou baías.” (Feijó et al. 2001, p.332)
      • Custos com saúde
      A redução na concentração de 6,4µg/m³ de MP (Micro partículas inaláveis), significam menos 1.306 internações. De acordo com o DATASUS(2005) custo de cada internação por problemas respiratórios é de R$ 575,27. Portanto, custo em potencial de redução total em valores monetários é de R$ 751.076,86
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 4.0 Estudo de Caso 4.1 Custo da Poluição na RMSP (Região Metropolitana de São Paulo) A concentração de 6,4µg/m³ de MP (Micro partículas inaláveis), significa 6.256.000 de dias perdidos. Sendo o custo de cada dia “não” trabalhado de R$ 85,04. Portanto, custo total em valores monetários é de R$ 532.027.611,91
      • Dias de trabalhos perdidos
    • Economia Recursos Naturais Meio Ambiente 5.0 Conclusão 5.1 Soluções Propostas
      • Manutenção das políticas já adotas de Comando e Controle;
      • Incentivos a produção de carros de energia limpa (flex,elétrico,etc...);
      • Financiamentos especiais para desenvolvimento ‘limpo’;
      • Criação de pedágios dentro das cidades (forçando o não uso do automóvel);
      • Redução do IPVA para quem utilizasse quantidade mínima de vezes o carro;
      • Incentivar a utilização de transportes coletivos menos poluentes, como trolebus e metrô;
      • Uso de transportes alternativos, como bicicletas através da construção de ciclovias;
      • Incentivo da carona solidária, com a criação de pedágios urbanos e isenção de pagamento para carros com três passageiros (incluindo o motorista) ou mais.