Copa sem escola_14 05 14
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Copa sem escola_14 05 14

  • 98 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
98
On Slideshare
98
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. P O R T O A L E G R E – Quando começou a de- sapropriação dos mora- dores da vila Dique, lo- calizada atrás do aero- porto Salgado Filho, na capital gaúcha, em 2009, a prefeitura ofe- receu transporte para que os filhos em idade escolar continuassem a estudar nos colégios próximos às suas anti- gas casas. A mudança foi para o Porto Novo, um conjunto habitacio- nal distante cerca de no- ve quilômetros. Mas, pouco tempo depois, es- sa ajuda acabou. “Eles tiveram que pegar ônibus e não tinham di- nheiro para passagem. Muitos chegaram a per- deroano”,lamentaAlme- rinda Argenta Gambin, de 47anos, conhecida co- mo Miranda, líder comu- nitária e membro da dire- toria do Clube de Mães. Naquele momento, as famílias começaram a buscar vagas em escolas nos arredores, mas não havia para todos. Para piorar, eles conviviam com o preconceito de se- rem “diqueiros”, ou seja, da vila Dique, conhecida porserumaregiãoviolen- ta da cidade. Agora, passados quase cinco anos do início das remoções, as pessoas já estão mais adaptadas à mudança, mas ainda não há escolas para to- dos na região. A estudante Bianca da Silva Ortiz, de 15, conti- nua a estudar no antigo colégio e gasta mais de uma hora no ônibus. Mas conta com a solidarieda- de para arcar com o custo do transporte. “Como es- tou fazendo o curso (de culinária) aqui no Clube de Mães, recebo vale- transporte”, relata. Para ela, a mudança foi boa. “Tinha muita gente que morava em situação muito precária”, lembra. Em Porto Alegre foram maisde3.200famíliasde- sapropriadas. Dificuldade detransporte efaltade vagas BrunoMoreno bmoreno@hojeemdia.com.br RIO DE JANEIRO – Per- to do meio-dia de uma sexta-feirademarço,Lu- cas*, de 15 anos, acom- panha com o olhar os alunos que retornam da escola, na comunidade Novo Lar, no Recreio, zonaOestedo RiodeJa- neiro.Enquantoisso,pe- neira a areia que será utilizada para fazer o concreto de um barra- co. Desde o ano passa- do, o garoto não pisa em uma sala de aula e o trabalho de ajudante de pedreirotemsidoaprin- cipal ocupação. Ele é um dos milhares de crianças e adolescen- tes das cidades-sede da Copa do Mundo que ti- veram o direito à educa- ção lesado. A estimati- va é a de que entre 57,3 mil e 76,5 mil, com ida- de entre zero e 19 anos, tenham sido removidos por conta das obras re- lacionadas direta ou in- diretamente ao Mun- dial de futebol e às Olimpíadas de 2016. Com isso, enfrentaram dificuldades para conti- nuar a vida escolar, co- mo mostra o Hoje em Dia desde a última se- gunda-feira. No Rio de Janeiro não há um número preciso, masoComitêdosAtingi- dospelaCopaeOlimpía- das estima em mais de 10 mil famílias removi- das em função desses megaeventos. RETORNO AfamíliadeLucasmora- va na vila Recreio II e foi removida para a cons- truçãodoBRTTransoes- te, em 2012. Como com- pensação, receberam o apartamento de um pro- grama habitacional em Campo Grande, no extre- mo oeste da capital flumi- nense. Entretanto, não se adaptaramà novarealida- de. Por isso, no ano passa- do alugaram uma quitine- te (quarto, banheiro, cozi- nha e sala) na Novo Lar, comunidade a 300 metros da antiga vila Recreio II. A família, composta pe- la mãe, padrasto e quatro filhos, foi desmembrada. Dois dos irmãos não fo- ram para Campo Grande e decidiram morar com a avó. Outro irmão, Rodri- go*,de16,tambémtraba- lha ajudando o padrasto na construção de casas. “A escola era boa aqui perto. Lá (em Campo Grande), os alunos que mandam na escola, é uma bagunça. Hoje passo o dia na lan house, fico sentado aqui no banco da árvore,ajudomeupadras- to”, diz Lucas. Eleafirmaquesentefal- ta da escola,mas não a de Campo Grande. Apesar disso, só pretende voltar em 2015. Assim, terá per- dido três anos de estudos, abandonados em 2012. “Quandovoltamos,fizins- crição pela internet, só consegui escola pro lado deCampoGrande. Nãoti- nha escola perto”, relata. Para a assessora de Di- reitos Humanos na Anis- tia Internacional no Bra- sil,RenataNeder,asfamí- lias não poderiam ter sido levadas para áreas distan- tes. “O reassentamento deve ser em área próxima e em condições adequa- das. Nunca você pode le- var uma família para uma situaçãopior.Esseproces- so aprofunda as desigual- dades urbanas”, avalia. A Secretaria Municipal de Habitação do Rio de Janeiro informou que na obra do BRT Transoeste foram desapropriadas 666 famílias, e que elas foram acompanhadas por assistentes sociais até os moradores alcançarem a autonomia. *Nomesfictícios > Portersido removidode ondemorava, jovemde15anos estásemestudar desde2012 COPA SEM ESCOLACOPA SEM ESCOLA TERCEIRADEUMASÉRIE RIODEJANEIRO–Adolescentequeparoudeestudarem2012ajudaopadrastoemserviçosdepedreiro Da sala de aula para o canteiro de obra PORTONOVO–Conjuntoabrigafamíliasremovidasparaobrasnacapitalgaúcha FOTOSSAMUELCOSTA hojeemdia.com.br 31BeloHorizonte,quarta-feira,14.5.2014 HOJEEMDIAMinas