Agenda rmbh

210 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
210
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Agenda rmbh

  1. 1. OS LIMITES DEOS LIMITES DE BELO HORIZONTE:BELO HORIZONTE: ENTRE O CHOQUE EENTRE O CHOQUE E O ENCONTRO DASO ENCONTRO DAS CIDADESCIDADES
  2. 2. Belo Horizonte e seus limites • Belo Horizonte: 2.452.617 habitantes (IBGE) Região Metropolitana de BH: 5.044.532 habitantes (3ª. maior aglomeração populacional brasileira). • Municípios que fazem fronteira urbanizada com Belo Horizonte: Contagem, Ribeirão das Neves, Vespasiano, Santa Luzia, Sabará, Nova Lima e Ibirité.
  3. 3. Belo Horizonte (Regionais) VN – Venda Nova; N – Norte; Ne – Nordeste; L – Leste; CS – Centro-Sul; B – Barreiro (incluindo a Oeste); NO – Noroeste; P – Pampulha Cidades vizinhas conurbadas: V – Vespasiano; SL – • Região do limite: 103 quilômetros lineares de extensão; 200 m de largura
  4. 4. Tabela 1 Número de domicílios por região do limite e porcentagem com relação ao total  Região Número de domicílios Percentual do total Venda Nova 2866 13,2 Pampulha 1854 8,54 Norte 1048 4,82 Nordeste 2510 11,56 Leste [1] 2914 13,42 Barreiro [2] 7724 35,58 Centro-Sul 150 0,69 Noroeste 2638 12,15 Total 21704 100 1. Inclui favela do Taquaril/Castanheiras.
  5. 5. A problemática dos limites • Dificuldade dos moradores em determinar onde moram: 10% dos entrevistados. • Problemas sócio-econômicos, políticos, culturais e simbólicos. • Problemas específicos: disparidade na oferta de serviços públicos; problemas de identidade; exclusão social.
  6. 6. A problemática dos limites • Fatores: expansão urbana desocontrolada e falhas nas políticas de planejamento conjunto: - movimento de “extensão indefinida” da cidade - para a maior parte das pessoas, é impossível pagar pelo acesso a toda infra-estrutura já instalada pelo poder público: à população de baixa renda resta ocupar terras periféricas - de uma forma geral, o investimento em infra- estrutura não tem atraído a população, pelo contrário vem expulsando-a. Valorização imobiliária x permanência dos moradores
  7. 7. A problemática dos limites • No entanto, a situação na região de limites é, pressupostamente, pior que a situação comumente descrita para as periferias da cidade, uma vez que essas comunidades são atingidas por um duplo fenômeno de exclusão: - a exclusão comum a toda e qualquer periferia; - e sofrem, ainda, de problemas específicos, relacionados com habitar uma região de limite entre dois ou mais municípios.
  8. 8. Habitar o limite é um problema? • Os municípios tendem a ver o cidadão do outro lado como um ônus; não desejam que seus recursos sejam gastos com cidadãos de outras comunidades, gerando, pois, um conflito de natureza político-econômica entre as administrações públicas. • “Terra de ninguém”: essas regiões se tornam locais que recebem uma assistência dúbia e falha dos poderes públicos.
  9. 9. Habitar o limite é um problema? • A questão espacial específica envolvida no problema dos limites incide diretamente na condição sócio-política de seus cidadãos, no que se refere ao seu grau de centralidade política (Reis e Mata-Machado): - os cidadãos dos limites ocupam os locais mais distantes possíveis do centro da capital, bem como dos respectivos núcleos urbanos; - assim, estão mais distantes dos núcleos decisórios e capacitores da sociedade; - menos complexas são suas teias de relações sociais; - mais difícil é o reconhecimento dessas populações pelos agentes políticos.
  10. 10. Habitar o limite é um problema? • Não ocupam um espaço nem “rural” nem “urbano”: - não apresentam mais uma cultura socioeconômica ligada à terra, mas ao trabalho na cidade; - no entanto, ao mesmo tempo, não fazem parte da malha econômica e produtiva dos núcleos da cidade, nem mesmo desfrutam da infra-estrutura instalada na metrópole.
  11. 11. Foco da pesquisa • Quem são os habitantes dos limites? • Qual sua percepção sobre a problemática dos limites? • Quais as condições de vida dos moradores dos limites, a partir de seu ponto de vista.
  12. 12. Serviços estaduais • Os serviços citados são de responsabilidade / fornecimento do Estado de Minas Gerais, e são providos / gerenciados por empresas estatais. • Por isso, não se esperava haver diferença na oferta desses serviços quando se comparam os dois lados do limite.
  13. 13. Serviços municipais • Devido à ausência de coordenação entre os municípios, esperava-se observar uma grande disparidade na oferta desses serviços ao se comparar um e outro lado do limite, como se comprovou ao analisar o serviço de coleta de lixo e atendimento médico. • Esses serviços apresentaram uma avaliação melhor por parte habitantes do limite que moram na capital.
  14. 14. Avaliação do serviço de coleta de lixo, por lado do limite 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00% 70,00% 80,00% 90,00% bom mais ou menos ruim não há atendimento BH Outro lado Total BH 82,50% 9,50% 4,80% 3,20% Outro lado 86,20% 7,10% 4,70% 2,00% Total 84,40% 8,30% 4,80% 2,60% bom mais ou menos ruim não há atendimento
  15. 15. Porcentagem de pessoas que apontam problemas na coleta de lixo, por lado do limite 0,00% 50,00% 100,00% BH Não BH Total BH 82,70% 17,30% Não BH 85,60% 14,40% Total 84,20% 15,80% não sim
  16. 16. Avaliação do atendimento médico, por lado do limite 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% BH Não BH Total BH 40,50% 20,90% 37,20% 1,40% Não BH 21,80% 28,70% 46,80% 2,80% Total 31,10% 24,80% 42,00% 2,10% bom mais ou menos ruim não há atendime nto
  17. 17. Porcentagem de pessoas que apontam problemas no atendimento médico, por lado do limite 0,00% 20,00% 40,00% 60,00% 80,00% BH Outro lado Total BH 41,90% 58,10% Outro lado 30,60% 69,40% Total 36,30% 63,70% não sim
  18. 18. O uso de comprovantes de endereço emprestados Nos locais onde os serviços públicos fundamentais são muito precários, os moradores dos limites tentam burlar a lei, na busca de uma política pública que julguem de melhor qualidade: • 14% dos moradores afirmam usar comprovante de endereço emprestado, • 21% conhecem pessoas do bairro que se utilizam da mesma estratégia.
  19. 19. O uso de comprovantes de endereço emprestados • Quanto pior avaliados, maior é o número de pessoas que se utiliza de comprovante de endereço de vizinho para acessar o serviço onde acreditam ser de melhor qualidade.
  20. 20. A identificação dos limites com a capital • A maior parte dos moradores dos limites tem como referência com o município de Belo Horizonte. • O lado do limite pertencente a Belo Horizonte é visto como “superior”.
  21. 21. A identificação dos limites com a capital • Quando perguntada se gostaria de morar em BH, 32% dos moradores dos municípios limítrofes responde afirmativamente. • Limite de Venda Nova, situado em Ribeirão das Neves e Vespasiano: 61,5%. • Região Centro-Sul: único local em que 100% dos entrevistados estão satisfeitos com o lugar onde moram. • Exceção: limite com Contagem.
  22. 22. Local de votação dos residentes dos limites • 70% dos moradores do limite em Sabará votam em Belo Horizonte. • 50% para os moradores do limite em Nova Lima votam em Belo Horizonte. • 30% dos moradores da faixa do limite situada em Vespasiano e Ribeirão das Neves (região de Venda Nova) votam em Belo Horizonte. • Exceção: limite com Contagem.
  23. 23. Os limites como regiões de exclusão social reforçada • A renda per capita média dos limites, R$323,42, é inferior à renda per capita da Região Metropolitana de Belo Horizonte, que é de R$ 623,00 (PNUD-2008). • A grande maioria das residências situadas nos limites é modesta ou pobre (80% do total).
  24. 24. Muito obrigado! • Bruno Moreno – • 55 31 9816-5011 brunoehmoreno@gmail.com • Artênius Daniel – • 55 31 8833-9406 arteniusdaniel@gmail.com • www.twitter.com/_Limites

×