Uploaded on

 

More in: Sports , Travel , Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
303
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Ela e a bola! Bruna Ávila (305) Bibiana Fagundes (305) Marcos Gigghi (302) Marcelo Takeda (302) Marcelo Ramalho (302)  Luísa Mota (302)
  • 2.
    •  
    • Hoje a inserção das mulheres no esporte é tida como mais natural tanto nas arquibancadas como também nas coberturas, comentários e na prática. Vide Fátima Bernardes, Renata Fan, Milena Ceribelli. As jogadoras da seleção brasileira que deixam a arquibanca de queixo caído quando entram em campo. Sem falar na árbitra Sílvia Regina e na bandeirinha Ana Paula Oliveira que fizeram história .  
    •  
  • 3.
    • O futebol não é “apenas” um esporte. É sinônimo de raça, amor e loucura para um país inteiro. Mais importante que as eleições, as contas a pagar ou a morte da sogra, o futebol é o único esporte capaz de unir todas as classes da sociedade. Do presidente ao porteiro da empresa, todo mundo tem sua própria “análise” da rodada do fim de semana.
    • Há quem proteste contra a apatia do povo diante dos problemas sociais em contrapartida ao amor pelo futebol. Mas o futebol está “no sangue”. E o equilíbrio é a chave de tudo. Torcer faz bem. Futebol é alegria. E as mulheres fazem parte disso dentro e fora de campo.
  • 4.
    •  
    • Tem até muita mulher que entende mais de futebol que alguns cuecas por aí. Estes, aliás, estão cada vez mais acostumados com a presença feminina nos estádios. Vibramos juntos, cantamos juntos, quebramos tabus. É claro que a presença masculina é muito maior. O que afasta a mulherada do estádio é a violência, assim como a falta de educação de uma minoria machista que freqüenta os jogos.
  • 5.
    • Proibidas na Antiguidade de participar dos Jogos Olímpicos como atletas e como espectadoras, o caminho percorrido pelas mulheres foi longo. Desde o princípio, as mulheres tiveram que se esforçar para ter um pé no mundo do esporte. Isso pode ser visto, por exemplo, através da ainda dominante presença masculina no esporte e da menor exposição das mulheres. A participação maior ou menor da mulher em atividades esportivas, seja como praticante ou expectadora, variou de cultura para cultura, de época para época.
  • 6.
    • Os últimos tempos deixaram-me a pensar. Será que o futebol ainda se joga dentro das 4 linhas com 11 jogadores para cada lado, que lutam por uma bola, com o objectivo de marcar golos? E o árbitro é um mero fiscal que deve interferir o menos possível no jogo? Começo a ter dúvidas sobre este conceito tradicional de futebol. É óbvio que os tempos mudam, e o futebol também tem que evoluir. Mas será que a evolução está correcta? Vejamos:
  • 7.
    • - Atualmente, os jogadores estão mais preocupados com o objectivo central do jogo, que é marcar golos, do que proporcionar um bom espectáculo. O importante é marcar golos, independentemente da forma como o fazem. Desde que a bola entre, está tudo bem, especialmente se o árbitro validar esse golo;
    •  
    • - A bola deixou de ser redonda, na maioria das vezes. Isto é: em vez de se olhar para a bola e disputá-la, olha-se para a canela do adversário e para qual o melhor modo de a atingir. Com sorte o árbitro não vê;
  • 8.
    • - Os árbitros por sua vez, interferem cada vez mais no jogo e no seu resultado. Cortam jogadas, marcam faltas de forma muito subjectiva (as cores da camisola ajudam a explicar), interferem em lances limpos, trocam os pés pelas mãos, tomam decisões precipitadas, etc, etc.;
    • - Mas os jogadores não ajudam a tarefa do árbitro: tentam a todo custo esconder as faltas dos árbitros e nunca admitem que erraram; ameaçam os árbitros verbal e fisicamente como se de um jogo de boxe se tratasse; perderam o respeito pelos árbitros e não o escondem; e nunca são castigados pelos seus treinadores e clubes, que apadrinham este teatro;
  • 9.
    • - Mas actualmente, outros elementos entraram em campo: os dirigentes dos clubes e das entidades reguladoras do futebol em Portugal. Afinal parece que são estes que decidem quantos golos uma equipa marca ou quantos pontos pode ganhar. Parece que o telefone passou também a ser considerado campo de futebol. E os árbitros são as linhas de comunicação.
  • 10.
    • O futebol em Portugal está assim, ou ainda pior. Os jogos mais parecem combates de Wrestling, onde tudo vale e a única regra parece ser a de sair imune. Dentro das 4 linhas a coisa não vai bem, mas fora também não está melhor, porque em Portugal temos que consideram o futebol numa perspectiva maniqueísta: de um lado o futebol de campo, do outro o futebol dos bastidores. E todos saiem impunes, como se tudo estivesse bem.
    • Quem fica a perder são os adeptos. Aqueles que gostam do futebol enquanto espectáculo. Aqueles que decidem ir aos estádios e apoiar a sua equipa. Aqueles que torcem, que gritam, que vibram. Mas quem se importa com os adeptos?
  • 11. Muito Obrigado!