Your SlideShare is downloading. ×
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trovadorismo e humanismo

2,733

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,733
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Trovadorismo/Primeira Época MedievalOrigem:-O nome “Trovadorismo” vem de “trovadour” (poeta, aquele que traz a música e a poesia);-Origina-se na região de Provença, na França, com a cantiga de amor. Já a cantiga de amigo éde origem ibérica;-Principal trovador: rei Dom Dinis;Delimitação:-Começa em 1189 (ou 1198), data provável da Canção da Ribeirinha, cantiga de amor de PaioSoares de Taveirós, considerada o mais antigo texto escrito em galego-português;-Termina em 1434, com a nomeação de Fernão Lopes para o cargo de Guarda-mor da Torre doTombo ;Contexto histórico:-A cultura trovadoresca reflete o momento histórico que caracteriza o período;-Na Europa, a organização das Cruzadas em direção ao Oriente;-Na Península Ibérica, a luta contra os mouros;-O poder descentralizado e as relações entre os nobres determinadas pelo Feudalismo;-O poder espiritual nas mãos do clero católico, detentor da cultura responsável pelopensamento teocêntrico;-O contrato feudo-vassálico (fidelidade e trabalho em troca de proteção) de dois nobres;-A sociedade patriarcal;3 Cancioneiros: da Ajuda, da Biblioteca Nacional e da Vaticana:-Cancioneiro da Ajuda: é o mais antigo de todos que se tem notícia e é também o menoscompleto, já que compreende apenas cantigas anteriores ao do reinado de Dom Dinis;-Cancioneiro da Biblioteca Nacional: trata-se de uma cópia italiana que inclui a obra de D. Dinise de seus filhos;-Cancioneiro da Vaticana: inclui obras dos 4 tipos de cantigas;OBS: as cantigas satíricas ocupam um grande espaço nos Cancioneiros da Vaticana e daBiblioteca Nacional;Cantigas:-Poemas para se cantar, acompanhados de instrumentos musicais;-Classificam-se em líricas (sentimento/demonstração de amor) e satíricas (demonstração deironia/de crítica);
  • 2. Cantigas líricas: de amor e de amigo-Cantiga de amor -> características:*influência provençal, ou seja, requintada e cortês com que se comportavam as pessoas nascorte da região;*eu lírico masculino (de classe baixa, inferior);*mulher é idealizada, superior (nobre, senhora, dona);*amor é impossível, platônico (já que o eu lírico é pobre e a mulher amada é rica);*coita de amor;*ambiente palaciano;*amor cortês (não dá características, nem o nome da mulher);*linguagem formal;*teocentrismo;*pode haver refrão;-Cantiga de amigo ->características:*eu lírico feminino;*mulher é camponesa;*amor é físico;*homem está ausente (saudade do amigo –> coita de amor, porém escreve que se ele nãovoltar, o eu lírico fica com outro, ou seja, ela não fica sofrendo por muito tempo);*ambiente campestre;*linguagem informal;*refrão constante;*diálogo com mulheres confidentes, como a mãe, irmãs, amigas e natureza;*teocentrismo;->Classificação:*Albas: quando os amantes passam a noite juntos e, entristecidos, veem o dia amanhecer, jáque o homem partirá;*Barcarolas: quando a mulher diz que o homem servirá ao exército, lamentando que estejamsendo construídas as barcas do rei, as quais levarão seu amado;*Bailias ou bailadas: festas, bailes, onde ambos, após estarem juntos, separam-se;*Marinhas: banhos de mar, ocasião notável para que homem e mulher estivessem juntos;*Romaria: narram recordações de um tempo que, estando ainda o amigo presente, iam comoutros casais pelas estradas visitar os santuários religiosos;*Pastorelas: também sob forma de recordação, narra a alegria de estar ao lado do amadopastor e ter passado com ele os melhores dias;*Dialogadas: diálogos com a natureza, mãe ou amigas, sempre a perguntar sobre o amado;*De fonte/ de tear: falam da saudade, da ausência do amado, enquanto estão tecendo,buscando água;
  • 3. Cantigas satíricas: de escárnio e de maldizer:-Principais satirizados são: nobres, fidalgos, soldadeiras, jogralesas ou o clero;-Cantiga de escárnio: características:*crítica indireta (nome da pessoa não é dito, porém as características descritas aevidenciavam);*ambiguidade;*trocadilhos e jogos semânticos feitos a partir de um processo denominado, pelos trovadores,de “equívoco”;-Cantigas de maldizer: características:*crítica direta (nome da pessoa é dito, se não é, há alguma característica predominante que aevidencia);*linguagem chula, ofensiva, sem duplo sentido;-O fato das cantigas, sobretudo as de amigo, fazerem uso do refrão, pressupõe a existência deum coro, o qual dá maior impulso aos poemas, posto que, provavelmente, também sedançasse ao som das cantigas;-Presença de paralelismo: duas séries de estrofes paralelas só diferentes nas palavrasterminais, que mudam a rima, conservando o sentido. Cada estrofe é formada por dois versos,acrescidos de um refrão;Novelas de cavalaria-Representam a prosa trovadoresca;-Originárias das canções de gesta, canções guerreiras, em versos, cujo centro eram heróis ourebeldes, visionários, lendários por suas ações em prol do bem comum;-Exemplo: Demanda do Santo Graal;->Ciclos:*Ciclo greco-latino (clássico): constituído por influência dos heróis gregos e romanos que, pelamanipulação da Igreja aos mitos pagãos da Antiguidade, são convertidos em heróis medievais,cavaleiros a serviços de Cristo;*Ciclo carolíngio: assuntos de respeito às ações de Carlos Magno e os Doze Pares de França.Revestem-se de caráter guerreiro e têm como objeto as lutas francesas contra os mouros;*Ciclo Bretão ou arturiano: a organização dos assuntos gira em torno dos feitos do rei Arthur eos cavaleiros da Távola (mesa) Redonda. Apenas esse ciclo se destacou em Portugal;
  • 4. Humanismo-É a transição entre o Trovadorismo e Classicismo;Delimitação:-1418 (34)- Fernão Lopes é nomeado guarda-mor (administrador) da Torre do Tombo;-1527- Sá de Miranda traz a medida nova-> Começo do Classicismo;Contexto Histórico:-Transição do Teocentrismo para o Antropocentrismo (homem é o centro) – mudança dementalidade;-Invenção da imprensa (imprimir), facilitando a divulgação, aproximando os homens;-Desenvolvimento comercial – mercantilismo- Portugal se torna grande potência – pessoaspagam por algo (principalmente com sal), não é mais troca;-A burguesia surge, tirando o poder da Igreja;-Volta da cultura greco-latina (volta da valorização do homem);-Grandes navegações – choque cultural;Características do gênero lírico:-separação da poesia e da música;-poesia palaciana (releitura da cantiga de amor);-eu lírico masculino;-aprimoramento da poesia: língua (português, não sendo mais galego-português), tema(metáforas e metonímias) e métrica(redondilhos maiores ou menores):*Metáforas: comparações abreviadas. Exemplo: A minha vida é (“alegre como” é retirado) umpalco iluminado;*Metonímia: estreita relação de sentido entre dois elementos. Exemplo: Lemos Gil Vicente(significa que lemos a obra dele, não ele);Poesia palaciana-Substituiu as cantigas trovadorescas, rompendo com a música, a qual era feita apenas para o“fundo” para declamações;-Uma modalidade mais sofisticada, mais elaborada, com eu lírico masculino;-Metonímias e metáforas;O Cancioneiro Geral de 1516-Cancioneiro: conjunto de obras de diversos autores que estão reunidos em um único livro;-Alguém oferecia um mote aos poetas humanistas e, assim, os mesmos desenvolviam asglosas, ou seja, glosar um mote, naquela época, equivalia a desenvolver o tema oferecido pelopoeta;-Foram sendo abandonados os refrões trovadorescos e predominando as redondilhas,denominadas medida tradicional;
  • 5. Fernão Lopes: o “pai da historiografia portuguesa”-Importância:*Introduz o método científico;*Dá início ao Humanismo*Conta a história de Portugal;-Características do gênero narrativo:*Cronista: conta levemente o dia-a-dia, valorizando os feitos do povo/raia-miúda (através deditados populares, anedotas) e se distanciando da visão regiocêntrica, ou seja, da visãolimitada, ampliando-a;*Historiografia: método científico- uso de documentos narrados com emoção, detalhes;Gil Vicente-1502- Insere o teatro popular em Portugal;-Gênero dramático:*teatro popular: em praça pública, carroças e uso de linguagem popular/informal. Possuía asseguintes características: teocentrismo, preocupação com a punição de Deus e Seujulgamento, religiosidade, moralidade;*autos: peça curta de caráter moralizante, religioso. Principais características: escrita emredondilhos maiores (7) ou menores (5). Há os autos alegóricos, ou seja, que apresentampersonagens alegóricas (simbolizadas), sendo, também, moralizantes, apresentando metáforas(anjos e demônios representando bem e mal). Exemplo: Auto da Barca do Inferno;*Farsa: peça curta, irônica, satírica, criticando os maus costumes sociais da época. Exemplo: AFarsa de Inês Pereira;Resumo das principais obras de Gil Vicente-Auto da Barca do Inferno:*Composta por estrofes em redondilhas maiores;*A visão medieval sobre a punição dos pecados nela ainda predomina;*Tem início quando, em um cais, estão atracadas duas barcas que conduzirão as almas dos queacabam de morrer, as quais são conduzidas por dois arrais (condutores): o do Céu é o Anjo e odo Inferno é o Diabo, os quais julgam os mortos que são trazidos para obter justiça de Deus;*Principais personagens: Fidalgo, Onzeneiro(agiota), Parvo Joane, Alcoviteira Brizida Vaz,Sapateiro, Frade, Corregedor e Judeu, os quais são julgados segundo os direcionamentos daIgreja, menos o Judeu, já que não era cristão;*Salvam-se apenas os Quatro Cavaleiros de Cristo e o parvo Joane, o qual tem umcomportamento inconveniente, mas é bom e puro de coração e o Anjo o convida a embarcar;-A Farsa de Inês Pereira*Inês é uma jovem que, já tendo sido noiva e abandonada, é massacrada pelo trabalhodoméstico imposto pela mãe, resolve, com o auxílio de uma alcoviteira e dois judeus, procurarum marido que alivie sua vida;*Depois do casamento, descobre-se enganada e mais explorada pelo marido do que pela mãe;*Gil Vicente critica o casamento por interesse e a corrupção dos costumes;*Escrita misturando-se o espanhol e o português;*Estrofes possuem 9 versos cada uma, sendo cada verso com 7 sílabas métricas (redondilhasmaiores);
  • 6. -Auto da Lusitânia:*Seu núcleo é mítico-nacionalista;*Lisibea acendeu a paixão do Sol e dele teve uma filha: Lusitânia;*Lusitânia e Portugal se encontraram e se apaixonaram, Lisibea ficou enciumada e morreu,sendo enterrada em uma montanha. Sobre seu túmulo, edificou-se uma cidade que ahomenageia: Lisboa;*é um auto alegórico, suas personagens representaram ações, criaturas e seres que nelasforam simbolizados;*Por meio de dois demônios, Dinato e Berzebu, há a ironia, humor e trocadilhos, sendo usadosna tentativa de denunciar seu país;-Farsa do Velho da Horta:*Representa o ridículo do Velho, com 60 anos, que se apaixona por uma moça jovem que iabuscar temperos em sua horta;*O Velho apaixona-se e, percebendo isso, uma alcoviteira se aproveita da situação e, com apromessa de que realizaria o casamento entre os dois, rouba-lhe toda a fortuna;*O término ocorre quando o Velho recebe a notícia que a jovem casara;Outros cronistas:-Gomes Azurara:*Deu continuidade à Crônica de d. João, de Fernão Lopes;*Porém, ao contrário do mesmo, exalta a força da nobreza, menosprezando a força do povo, àqual Fernão Lopes dera muito valor;-Rui de Pina:*Teve estilo discreto e empregou sutilezas para falar do ambiente da corte;*Possuía visão regiocêntrica em excesso, porém não prejudicou sua força descritiva e ocolorido dado às narrativas, mesmo assim, não obteve sucesso;*Das nove crônicas que escreveu, muitas parecem ser refundições das obras de outroscronistas, especialmente de Fernão Lopes;

×