Your SlideShare is downloading. ×
O Absolutismo
O Absolutismo
O Absolutismo
O Absolutismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O Absolutismo

468

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
468
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. O Absolutismo-A partir da Baixa Idade Média, verificou-se um processo de fortalecimento daautoridade real. Esse fortalecimento deu-se em detrimento do poder autônomo danobreza, fruto da própria crise feudal e do agravamento das reações camponesas-Estado centralizado: a autoridade política estende-se até os limites da nação, de modoque as leis, regulamentações, impostos, estabelecidos pelo Estado, aplicam-se em todoterritório do país, assim como sua força militar e a justiça. Porém houvemecanismos quelimitaram o poder do Estado, como a participação popular nas decisões, como aConstituição, um Parlamento independente. Porém nenhum desses elementos estavapresente nos Estados da Idade Moderna, constituindo-se o Absolutismo (poderabsoluto)-Vários fatores possibilitaram esse tipo de poder. O enfraquecimento da nobreza ditadopela crise feudal e pelo crescimento das revoltas camponesas, que ameaçavam suasterras, fazendo com que a força militar nobre não conseguisse as conter. Assim,percebe-se que a nobreza necessitava de um Estado forte, capaz de garantir-lhe suasterras, seus privilégios e seu poder-O caráter incipiente da burguesia também contribuiu para esse fortalecimento daautoridade real. Embora enriquecida com o crescimento da atividade mercantil, a novacamada burguesa ainda estava distante de uma condição em que pudesse suplantar opredomínio da nobreza e implementar as ações necessárias para um efetivo crescimento.Portanto, para haver a abertura de estradas, construção de portos, etc., a burguesiaprecisava, também, de um Estado forte. Porém, a riqueza gerada pela burguesia(comércio) trazia possibilidades ao rei de cobrar impostos, fazendo com que ocorresseuma relação rei-burguesia-A manutenção de um divisão social estamental foi de grande importância para aconsolidação do fortalecimento real:*A primeira camada, a do clero, foi dividida em uma pequena camada de bispos eabades (grandes proprietários de terras) e em uma grande massa de padres e vigários*A segunda camada, a da nobreza, dividia-se em aristocracia, composto pelos principaisnobres do reino, e a provincial, que procurava sobreviver por meio de seus antigosdireitos e privilégios senhoriais*A terceira camada, ou terceiro estado, abrangia a maioria da população, entreburgueses, artesãos e camponeses. A burguesia se dividia em alta, composta pordescendentes do patriciado urbano, e em baixa, agrupando funcionários públicos,profissionais liberais e pequenos comerciantes
  2. O Absolutismo francês-Deu-se após um longo processo. Já no final da dinastia capetíngia, o poder real ganhouum impulso no reinado de Filipe IV, o Belo, que impôs-se cobre a Igreja, levando aoCisma do Oriente. Durante o século XIV, o poder monárquico ganhou forte impulsocom a dinastia Valois. Em 1337, no reinado do primeiro rei Filipe VI, que se precipitouna Guerra dos Cem Anos, contra a Inglaterra, cuja guerra teve um significado profundopara a consolidação do Estado nacional e do poder real na França-Essa consolidação se ampliou após o término da guerra, porém despertou uma forteoposição de uma série de setores descontentes da nobreza e da burguesia, além dospopulares. A adoção da religião calvinista por esses setores deu a essa luta umaconotação religiosa, tanto que as lutas políticas que assolaram a França foram chamadasde Guerra de Religião-No reinado de Francisco II, houve o primeiro massacre de huguenotes e o confrontootornou-se generalizado. Elizabeth I da Inglaterra apoiou os huguenotes (calvinistasfranceses) e Felipe II de Espanha, os católicos-Durante o governo de Carlos IX, cujos primeiros 11 anos transcorreram sob a regênciade sua mãe, Catarina de Médicis (autoriza cultos calvinistas no meio rural, mas não nascidades, para não ofender os burgueses), a luta entre católicos e protestantes aumentou.Tentando pacificar, Catarina, pelo Edito de Saint Germain, concedeu aos huguenotes odireito de culto em algumas cidades e o direito de manter quatro fortalezas-Contudo, temendo a crescente influência do almirante Coligny, líder huguenote, sobreo rei, Catarina tramou com Henrique, duque de Guise, líder dos católicos, o assassinatode Coligny. O atentado falhou, mas acabou desencadeando o massacre de mais de trêsmil protestantes pelas ruas de Paris, sendo denominado Noite de São Bartolomeu-O massacre reacendeu a guerra civil, que se transformou na Guerra dos TrêsHenrique, correspondente ao reinado de Henrique III, irmão de Carlos IX. O poder realfoi contestado por Henrique de Guise, que fundou a Liga Católica para pressionar o rei,e por Henrique de Navarra e Bourbon, que era huguenote e sucessor do trono por serprimo do rei. A morte de Henrique III, sem herdeiros, consolidou a pretensão deHenrique de Navarra e Bourbon, porém essa pretensão se deparou com a forte oposiçãodos setores católicos, fazendo com que o mesmo se convertesse ao catolicismo-Henrique IV deu início à dinastia de Bourbon, que consolidou o Absolutismofrancês. O rei pacificou o país e decretou o Edito de Nantes, que concedia liberdade deculto aos huguenotes e o direito de conservar algumas fortalezas para sua proteção. Aomesmo tempo em que o rei se aproxima da nobreza, ele dá à burguesia condições paraseu desenvolvimento quase autônomo
  3. -Com a morte de Henrique IV, o trono passou para Luís XIII, que, criança, teve comoregente sua mãe, Maria de Médicis, a qual delegou o governo ao cardeal Richarlieu,que se empenhou em fortalecer o poder real. Os Estados Gerais foram convocados pelaúltima vez em 1612; os huguenotes, que formavam “um Estado dentro do Estado”,foram vítimas de uma luta, até a derrota que lhes custou a perda dos direitos políticos emilitares, conservando apenas a liberdade de culto-Externamente, Richelieu aliou-se aos protestantes, que lutavam contra os Habsburgocatólicos, durante a Guerra dos Trinta Anos, a qual teve como origem um conflitopolítico no centro político de Habsburgo, o Sacro Império Romano Germânico. A lutaeclodiu quando o reino da Boêmia, pertencente ao Império, queria se tornarindependente, tendo como estopim uma questão religiosa (pois era calvinista e estavasob domínio católico)-Os Habsburgos reinavam na Espanha e no Sacro Império, tendo ainda o domínio sobreo Franco Condado, do sul da Itália e de outras regiões na Europa. Esse poder eracontestado pelo reino da Boêmia, pela Holanda (recém independente dos Habsburgo),pela Suécia (que tinha uma disputa com o Sacro Império no mar Báltico) e pela Rússia(que tinha disputas de fronteiras com o Império)-Para a França, essa guerra abria a possibilidade de reduzir o poder de Habsburgo naEuropa e consolidar-se como principal monarquia europeia. Foi por essa razão queRichelieu colocou a França na guerra, criando uma situação contrária, pois a Françaera um país católico e, mesmo assim, entrou na guerra ao lado dos protestantes daBoêmia, contra o império católico, o que mostra que os interesses políticos erammaiores que os religiosos-Os objetivos de Richelieu foram atingidos. A guerra, que se concluiu após sua more,pela Paz de Westfália, deu à França as províncias da Alsácia e Lorena, além deenfraquecer o poder Habsburgo na Europa-O apogeu do Absolutismo francês se deu no reinado de Luís XIV, chamado o Rei Sol,que subiu ao trono ainda criança. O governo foi exercido pelo cardeal Mazzarino, queeliminou as frondas (associações de nobres e burgueses revoltados contra constantesaumentos de impostos), afastando a última ameaça ao Absolutismo. O rei assumiupessoalmente o governo, concentrando os poderes, fazendo com que a frase do mesmofoi (“O Estado sou eu”) constitui-se em realidade-A situação econômica da França começou a deteriorar-se. A revogação do Edito deNantes revelou-se mais prejudicial do que se imaginava a princípio. Ela significou aperda de capitais, enfraquecendo a atividade produtiva interna. Além disso, p séculoXVIII trouxe um imenso crescimento da produção manufatureira na Inglaterra,cristalizada com a Revolução Industrial, tornando impossível qualquer tipo deconcorrência por parte da França
  4. -A morte de Luís XIV e a posse de Luís XV marcam o início do declínio da monarquiafrancesa. O novo rei teve de conviver com uma economia que dava sinais deesgotamento, com o descontentamento da burguesia e com a crescente reação popular.Em uma tentativa de reverter essa situação, Luís XV sustentou uma guerra contra aInglaterra, a Guerra dos Sete Anos, que ocasionou resultados catastróficos para aeconomia francesa: a perda do Canadá e da índia, peças importantes do império colonialfrancês-Com isso, o Iluminismo surgia, tal visão serviu como base teórica para a luta que secomeçava a travar contra o Absolutismo, os privilégios da nobreza e o controle doEstado sobre a economia, através de suas idéias de liberdade e igualdade-No reinado de seu sucessor, Luís XVI, essa combinação de elementos provocou aRevolução Francesa, que destruiu o Absolutismo e a monarquia francesaO Absolutismo inglês-O processo de centralização do poder e de fortalecimento da monarquia atingiu aInglaterra no século XIII. Ao se tratar da formação da monarquia inglesa, os barõesfeudais ingleses, em uma reação às pesadas taxas impostas pelo rei João Sem-Terra,impuselham-lhe a Magna Carta. Esse documento estabelecia limitações ao poder real,criando o Grande Conselho que é o embrião do Parlamentoinglês-A Magna Carta propunha que o rei não poderia criar impostos, convocar tropas oudeclarar guerra sem autorização do Grande Conselho, que reunia membros do clero eda nobreza. Posteriormente, com a incorporação de representantes do povo em seusquadros, o Grande Conselho (ou Parlamento) significa um avanço expressivo na criaçãode um mecanismo de representação da população no poder. Contudo, sua existênciarepresentou um limitador ao poder real, impedindo o Absolutismo-Porém, durante a dinastia Tudor, o poder monárquico conheceu um fortalecimento quepermitiu ao rei um controle total sobre o Parlamento-Assim, o Parlamento converteu-se em um órgão do poder real e não de limitação aomesmo, tornando-se absoluto. Portanto, percebe-se que na Inglaterra existiu uma formaparticular de Absolutismo, fazendo com que a monarquia jamais se constituísse em umEstado de direito (instituído), mas sim de fato (fazer com que o Parlamento estejasubmetido ao rei)-O crescimento do comércio gerou uma transformação sensível nas atividadeseconômicas da nobreza. Os contatos cada vez mais intensos com a região de Flandres(através das feiras), rico na produção de manufaturas de tecidos, tornava a produção delã a mais lucrativa atividade agrícola. Terras foram convertidas em pastagens para acriação de ovelhas. Apropriando-se dessas terras, os nobres cercavam-nas, delimitandosua propriedade e expulsando as populações camponesas, atitude denominadacercamentos

×