Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisadores da União Soviética e Rússia

504 views

Published on

Slides apresentados na defesa de tese de Roberto Lopes dos Santos Junior, em 17 de março de 2014, junto ao PPGCI UFRJ-IBICT

Published in: Science
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
504
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • “Introdução” fica melhor para o texto escrito e não falado !
  • Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisadores da União Soviética e Rússia

    1. 1. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DOUTORADO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (PPGCI-UFRJ-IBICT) METRIAS DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICAS E A CONTRIBUIÇÃO DOS PESQUISADORES DA UNIÃO SOVIÉTICA E RÚSSIA ROBERTO LOPES DOS SANTOS JUNIOR Orientadoras : Rosali Fernandez de Souza Lena Vania Ribeiro Pinheiro
    2. 2. Contextualização da pesquisa • País com status de influente potência internacional - grau de investimento em Ciência e Tecnologia - desenvolvimento de áreas de pesquisa e desenvolvimento; - formação de centros de pesquisa de qualidade ; - produção acadêmica (artigos científicos, comunicações em congressos, entre outros) e de patentes; e - fomento à inovação nas empresas e instituições públicas e privadas • Rússia ( antiga União Soviética) superpotência: - campo científico e tecnológico expressivo; - consolidação das áreas em ciência e tecnologia na URSS; - quantificação da produção científica e tecnológica ; - prognósticos do desenvolvimento de C&T ; e - desenvolvimento de estudos cientométricos.
    3. 3. Definição da ambiência da pesquisa • Estudos métricos ou de caráter quantitativo na URSS - início : final do século XIX e início do século XX - consolidação: décadas de 1960 e 1970 - continuação das atividades na Rússia após a dissolução da URSS em 1991 (WOUTERS, 1999) • Contribuições de autores russos/ soviéticos para esse campo de estudo: - V. Nalimov 1910-1997 - G. Dobrov 1929-1989 (república soviética da Ucrânia) - A. I. Mikhailov 1905-1988 - V. Markusova após o fim da URSS
    4. 4. Questões da pesquisa • De que forma ocorreu o desenvolvimento dos estudos de metrias na antiga URSS e na Rússia pós- soviética? • Quais as principais temáticas analisadas e discutidas pelos pesquisadores “líderes” em metrias, na URSS e Rússia?
    5. 5. JUSTIFICATIVA • representatividade numérica e de conteúdo da produção bibliográfica soviética em estudos métricos • reconhecimento da contribuição da pesquisa russo/soviético para o desenvolvimento das metrias - especialmente bibliometria e cientometria - e o fato dessa produção ser pouco estudada no Brasil e no exterior • possibilidade de investigar produção científica publicada de Nalimov, Dobrov, Mikhailov e Markusova que se encontra em língua inglesa, francesa e espanhola.
    6. 6. Hipótese • a contribuição de determinados autores oriundos da antiga URSS e da Rússia pós- comunista referente aos estudos teóricos relacionados à cientometria, bibliometria e informetria é consistente e o cenário russo- soviético é relevante para o desenvolvimento e evolução dessas disciplinas científicas.
    7. 7. OBJETIVOS Objetivo Geral • analisar a produção científica em estudos de metrias da comunicação e informação científica na antiga União Soviética e Rússia, a fim de identificar autores e sua contribuição para o desenvolvimento dos estudos quantitativos Objetivos específicos • estudar o cenário histórico do campo científico e tecnológico da antiga URSS e Rússia, buscando contextualizar origem, trajetória e instituições onde os estudos métricos foram desenvolvidos • identificar os principais temas estudados pelas métricas em informação científica na antiga URSS/ Rússia - meados da década de 1960 até o início dos anos 2000 - e temas referentes à comunicação científica e políticas de investimentos nos setores em Ciência e Tecnologia, visando a conhecer a contribuição do russo/soviético nesse campo de estudo
    8. 8. METODOLOGIA • Pesquisa de natureza documental-descritiva e exploratória, contemplando três etapas marcantes: Primeira parte: levantamento e discussão das origens, evolução e desenvolvimento dos estudos de metrias, destacando principais características e áreas interdisciplinares Segunda parte: identificação do estado da arte em Ciência, Tecnologia e Inovação na antiga União Soviética e Rússia, destacando informações sobre a evolução e consolidação dos estudos de metrias durante o século 20 e início do século 21 Terceira parte: estudo da produção dos autores Nalimov, Dobrov, Mikhailov e Markusova para identificar os principais conceitos e tópicos que nortearam as respectivas pesquisas em metrias na URSS/ Rússia
    9. 9. Metodologia de Coleta de Dados • Revisão de literatura do desenvolvimento histórico e principais características dos estudos de metrias em geral • Fontes de naturezas diversas (livros, artigos de periódicos, comunicações em congressos) de áreas do conhecimento diferentes para embasar a investigação dos estudos métricos na antiga URSS e Rússia: - fontes das áreas da História da Ciência, Sociologia da Ciência, Filosofia da Ciência e Ciência da Ciência - fontes referentes ao desenvolvimento dos estudos métricos na URSS após 1956 • Revistas científicas onde Nalimov, Dobrov, Mikhailov e Markusova publicaram artigos, com destaque para as revistas Industrial Laboratory, Research Evaluation e Technological Forecasting and Social Change.
    10. 10. Principais fontes consultadas dos autores analisados • MIKHAILOV: livros Fundamentos da Informatika (1968), Curso introdutório sobre informação / documentação (1971) e Comunicação Cientifica e Informatika (1976), em colaboração com A. Chernyi e R Gilyarevskyi • DOBROV e NALIMOV, produção em periódicos de diferentes áreas, livro Cientometria (1969), escrito por Nalimov e Mulchenko • MARKUSOVA, artigos e apresentações em congressos e simpósios realizados entre as décadas de 1990 e 2000; conferências realizadas pelo International Society for Scientometrics and Informetrics (ISSI)
    11. 11. REFERENCIAL TEÓRICO
    12. 12. Estudos de Metrias • Bibliometria : “(...) estudo dos aspectos quantitativos da produção, disseminação e uso da informação registrada. (...) desenvolve padrões e modelos matemáticos para medir esses processos, usando seus resultados para elaborar previsões e apoiar tomadas de decisões” (VANTI, 2002, ). • Cientometria: “(...) estudo de aspectos quantitativos da ciência como uma disciplina ou uma atividade econômica. Faz parte da sociologia da ciência e tem sua aplicação nas decisões políticas sobre a ciência.”. Tague-Sutcliffe (1992) • Informetria: “(...) estudo dos aspectos quantitativos da informação em qualquer formato, e não apenas registros catalográficos ou bibliografias, referente a qualquer grupo social, e não apenas aos cientistas. A informetria pode incorporar, utilizar e ampliar os muitos estudos de avaliação da informação que estão fora dos limites da bibliometria e cienciometria (MACIAS-CHAPULA, 1998,)”. • Webometria: “(...) uso das técnicas bibliométricas para estudar as relações entre diferentes sites em ambiente Web (ROBREDO, VILAN FILHO, 2010)”
    13. 13. ESTUDOS DE METRIAS NA CI “técnicas quantitativas e estatísticas de medição dos índices de produção e disseminação do conhecimento científico” (FONSECA, 1986 & ARAÚJO, 2006)
    14. 14. Evolução e desenvolvimento de setores em Ciência e Tecnologia na URSS e Rússia (1920-1945) ANOS 1920 - surgimento de universidades e centros de pesquisa - criação de institutos ligados à área militar, econômica e a campos como medicina e comunicação, favorecendo a descentralização das pesquisas produzidas no país - reestruturação da Academia de Ciências russa ANOS 1930-1940 - aumento do número de profissionais possuidores de um nível educacional elevado : de 543 mil em 1928 para mais de 2 milhões e 500 mil em 1941 1936 – 1940 período de repressão Stalin - centenas de cientistas expurgados de seus cargos, presos e executados Segunda guerra mundial - centros de pesquisa e institutos transferidos ou diminuíram atividade - intelectuais e cientistas sofreram grandes provações
    15. 15. Evolução e desenvolvimento de setores em Ciência e Tecnologia na URSS e Rússia (1945-1970) 1945-1953 - políticas repressivas do partido comunista - rígido controle ideológico aos trabalhos científicos - cientistas e pesquisadores afastados de suas atividades, presos ou executados ANOS 1950 - 1960 - investimentos em física e cosmonáutica proporcionando maior prestígio internacional à URSS - primeira bomba atômica Soviética (1949), satélite Sputnik e o primeiro homem no espaço, Yuri Gagarin - desenvolvimento e consolidação do “sistema de informação científica” (VINITI em 1952) ANOS 1970 - ápice dos setores em Ciência e Tecnologia - crescimento de institutos científicos na URSS (de 3.447, em 1950, para 5.327 em 1975 - aumento de mais de cinquenta por cento em 25 anos)
    16. 16. Evolução e desenvolvimento de setores em Ciência e Tecnologia na URSS e Rússia (1980 em diante) 1980-1991 - descentralização de recursos e de investimentos - diversificação da estrutura de dependência do complexo militar industrial e da Academia de Ciências Soviética 1992-1996 - Mudanças na antiga estrutura científica soviética, com o fim ou adaptação de projetos e investimentos para a nova realidade não comunista 1996-2000 - recuperação do campo científico e tecnológico (criação de “cidades tecnológicas”, zonas econômicas especiais e de centros de inovação, criação de laços científicos com o ocidente, instituição de prêmios para a criação de novos produtos) a partir de 2000 - reestruturação do campo científico russo - políticas de criação intelectual e produção científica - reorganização das empresas de médio e grande porte
    17. 17. Cronologia dos estudos de Metrias na URSS e Rússia (1893-1936) • Origem no final do século 19 (a partir de 1893) com o surgimento das disciplinas História e Filosofia da ciência, posteriormente Ciência da Ciência ou Sociologia da Ciência • 1921 constituição da Comissão da História do Conhecimento, subordinada à Academia de Ciências da URSS) - primeiro instituto internacional de estudos da História da Ciência e Tecnologia que permitiu o surgimento, consolidação e publicação de estudos estatísticos e quantitativos • a partir de 1936 destruição desse campo de pesquisa na era Stalin
    18. 18. Cronologia dos estudos de Metrias na URSS e Rússia(1956-1972) APÓS 1956 abertura política por Nikita Kruschev - a ciência da ciência é retomada - os estudos quantitativos se consolidam ANOS 1960 - realização de congressos com a apresentação dos primeiros resultados de pesquisas quantitativas relacionadas à História/Sociologia da ciência produzidas na União Soviética e em partes do leste europeu - consolidação três centros de pesquisa (e seus líderes-V. V. Nalimov, G. M. Dobrov e A. I. Mikhailov) que ajudaram a modelar os estudos métricos na URSS. Mirsky (1972) dividiu os estudos quantitativos da década de 1960 na URSS em três grupos: • analise metodológica de problemas ligados à pesquisa cientifica (teoria matemática do experimento) • estudo de metodologias que analisam matematicamente e quantitativamente o desenvolvimento cientifico • aplicação de métodos quantitativos e matemáticos para a descrição de fenômenos científicos e definição de tendências do desenvolvimento científico
    19. 19. Cronologia dos estudos de Metrias na URSS e Rússia (1973-2012) • 1973-74 nova geração de pesquisadores e acadêmicos, formados ou fizeram parte do VINITI, analisaram diferentes aspectos relacionados aos estudos métricos e quantitativos no país. • 1992 2012 pesquisas relacionadas aos seguintes temas: - estado da arte da ciência russa pós-comunista - comunicação entre cientistas dentro e fora da Rússia - análises das universidades - análises de campos de pesquisa específicos russos – em especial a Nanotecnologia (a partir de 2008) - estudos sobre a produção bibliográfica russa
    20. 20. PESQUISADORES ESTUDADOS V. Nalimov G. Dobrov A. I. Mikhailov V. Markusova
    21. 21. Vasily Nalimov
    22. 22. V. Nalimov 1959 artigo em coautoria com Vledutz e Styazhkin - análise do crescimento exponencial da ciência, a partir do estudo quantitativo da produção e avaliação de artigos - análises estatísticas sobre o crescimento e produção de periódicos - características da comunicação cientifica em cibernética, documentação e química “Emergência de uma nova disciplina científica a lidar com questões de caráter quantitativo e exponencial na ciência, com forte viés estatístico, cibernético e, em menor medida, da química”. (NALIMOV, 1961)
    23. 23. Cientometria: principais características apontadas por V. Nalimov - controle sobre os processos de desenvolvimento científico podem ser obtidos a partir da ampla utilização de medições quantitativas da ciência; a ciência contemporânea pode e deve ser controlada por instituições estatais; os métodos estatísticos nem sempre são necessários; comitês e organismos ligados a Academia de Ciência Soviética preferem realizar trabalhos de cunho qualitativo (NALIMOV, MULCHENKO, [1969] 1971) - Cientometria: disciplina independente, que permite o estudo e avanço de hipóteses sobre o desenvolvimento da ciência, podendo ser utilizada também no “controle do desenvolvimento da sociedade, sua cultura e forças produtivas” (NALIMON, MULCHENKO, [1969] 1971) - processo de prognóstico cientifico deve ser apenas uma parte (preparatória)do método de levantamento quantitativo da ciência
    24. 24. V. Nalimov A cientometria e os índices de citação • principal índice em atividade o norte-americano Science Citation Index (SCI), publicado pelo Institute for Scientific Information, na Filadélfia (EUA) • SCI instrumento satisfatório para a mensuração quantitativa e para a análise estatística do fluxo de informação científica produzida internacionalmente. SCI ferramenta que possibilita a construção de gráficos que identificam a rede de citação entre autores • análise de críticas e questionamentos sobre a real eficácia do SCI (cobertura insuficiente, dados bibliográficos excessivamente resumidos, ausência das iniciais dos autores, ambiguidades na hora do SCI apresentar os nomes e iniciais de pesquisadores russos, etc.) • princípios estatísticos de índices de citação estimularam uma nova questão de pesquisa para a documentação
    25. 25. V. Nalimov A cientometria e a comunicação da informação científica na União Soviética • o impacto da ciência soviética em âmbito internacional • análise das referências bibliográficas de periódicos soviéticos e ocidentais em diferentes disciplinas e estudos comparativos sobre o período de demora da publicação de artigos em periódicos soviéticos e ocidentais • ciência soviética, apesar de manter alta produção de artigos, apresenta uma quantidade relativamente baixa se comparada a alguns países ocidentais, não representando o potencial científico da URSS, prejudicado pelo atraso e demora da troca e disseminação de ideias entre os canais de comunicação científica do país
    26. 26. V. Nalimov “depois” da cientometria • após 1970 análises relacionadas à Filosofia da Ciência • a partir da década de 1980 análises relacionadas à Psicologia • não rejeita a construção de um sistema automatizado (baseado em dados quantitativos) ligado a prognósticos científicos • afirma que aspectos relacionados diretamente aos pesquisadores que produzem, organizam e trabalham com esses dados também devem ser levados em consideração, ressaltando que a lógica humana segue por caminhos diferenciados das produzidas por meios automatizados • discutiu questões relacionadas a linguística sobre a forma em que a informação científica é produzida, apresentada e disseminada, influindo no fluxo da comunicação na ciência contemporânea
    27. 27. V. Nalimov Crescimento exponencial da ciência • Trabalhos nos anos 1950 e 1960: análise dos resultados apresentados pelo físico e historiador da ciência Derek de Solla Price, que identificaram o crescimento exponencial na ciência contemporânea, corroborando com alguns dos resultados apresentados pelo pesquisador inglês. • Análise dos mecanismos que identificam o crescimento exponencial da produção científica: - Equações matemáticas e gráficos - Leis bibliométricas de Zipf, Bradford e Lotka • Estudos nos anos 1970 buscando identificar características relacionadas ao crescimento exponencial da ciência na realidade soviética (bibliotecas, periódicos, Academia de Ciências)
    28. 28. Gennady Dobrov
    29. 29. G. Dobrov • Na então república soviética da Ucrânia apareceria o segundo campo em Cientometria, centralizada no pesquisador Gennady Dobrov (1929-1989), em atividade entre as décadas de 1960 e 1980 • Nasceu em 1929, em Artemovski, Ucrânia .Graduado em 1950 pela Escola Politécnica de Kiev e pós-graduado em História da Tecnologia, em 1961 • Assumiu o cargo de chefia no Departamento de História e Tecnologia, do Instituto de História da Academia de Ciências ucraniana, iniciando carreira profissional e bibliográfica ligada à Ciência da Ciência • Estudos dessa disciplina na Ucrânia : – origens entre as décadas de 1880 e 1890 – considerável produção entre os anos 1910 e inicio dos 1920 – produção decaiu consideravelmente após 1925 (assim como na Rússia) – retorno da produção após 1953, utilizando conceitos da cibernética
    30. 30. G. Dobrov Análises das políticas científicas e tecnológicas realizadas na União Soviética • Estudos explicando as origens e desenvolvimento do campo científico e tecnológico soviético, entre a revolução de 1917 às décadas de 1970 e 1980 • Apresentou (focando na República Socialista Soviética da Ucrânia) os organismos que realizavam o gerenciamento científico de pesquisas e projetos na URSS, sua organização e estrutura hierárquica • Construção de políticas nacionais de cunho científico, em médio e longo prazos
    31. 31. G. Dobrov Da ciência da ciência à cientometria • Anos 1960: análise sobre o desenvolvimento de “(...) métodos matemáticos buscando generalizar a experiência histórica do desenvolvimento da ciência e em realizar predições sobre o futuro” • Importância de estudos estatísticos e matemáticos, além da disciplina ciência da ciência, para a produção científica contemporânea • Cientometria: “(...) campo de estudo que realiza pesquisas de caráter estatístico buscando apresentar informações sobre o desenvolvimento científico, produzindo prognósticos sobre a ciência, em disciplinas específicas e aos setores em Pesquisa e Desenvolvimento (DOBROV, KORENNOI, 1969, p.169)” “ (...) desenvolvimento de trabalho visando representar os problemas da organização da ciência sobre a forma de modelos matemáticos”(DOBROV, 1973)
    32. 32. G. Dobrov Prognósticos científicos para áreas de pesquisa ou disciplinas específicas • Construção e utilização de metodologias ou cálculos que permitem o prognóstico do desenvolvimento científico, a nível macro ou em disciplinas específicas • Análises sobre os fatores a serem considerados na constituição desses tipos de estudo (críticas às práticas realizadas nos países capitalistas e a autores como Derek de Solla Price) • Discussão sobre as principais características que garantem o desenvolvimento eficiente de pesquisas relacionadas aos prognósticos nos setores em Ciência e Tecnologia • Sistemas que organizam e produzem prognósticos científicos: - Nível macro (Ucrânia) - Campos específicos (educação)
    33. 33. G. Dobrov A comunicação científica e as novas tecnologias • Fatores para a organização e gerenciamento eficiente da tecnologia automatizada: - Equipamentos técnicos (hardware) - uma equipe metodológica que produz e gerencia o conjunto de conhecimentos e competências (software) - Conjunto de medidas socioeconômicas, de organização e de gestão para diferentes características desse sistema (orgware) • Exemplos práticos de utilização das novas tecnologias pela ciência nos anos 1970: - Sistema de Avaliação para as Novas Tecnologias (SANT) - Sistema Integrado de Organização de Tecnologias(I-SOT) - Sessões ou Painéis Assistidos por Computadores (CAPS) - Grupos de Pesquisas Internacionais Assistidas por Computadores (CAITR)
    34. 34. Alexander Mikhailov
    35. 35. A. I. Mikhailov • Diretor e coordenador do VINITI de 1956 a 1988 • Por duas vezes vice-diretor da Federação Internacional de Documentação, ou FID (1969-1976 e 1981-1988) • Mikhailov foi dos teóricos que mais contribuíram para a discussão de questões referentes à produção e gestão da informação científica, não só na então União Soviética, mas de parte considerável do extinto bloco socialista
    36. 36. A. I. Mikhailov Características dos setores em Ciência e Tecnologia após 1945 • Crescimento exponencial da produção científica e técnica e o aparecimento de uma crise informacional nos setores em C & T. - Críticas de ideias propostas por autores “burgueses” como Derek de Solla Price sobre esse fenômeno. • Particularidades ligadas a consolidação da “ciência maior”, e das barreiras comunicacionais (inter linguística, intralinguística e semiológica) sofridas pelos campos científico e tecnológico pós 1945.
    37. 37. A. I. Mikhailov Comunicação científica • Para que o campo cientifico adapte-se aos fenômenos do crescimento exponencial de sua produção, mostra-se necessário o estudo de aspectos relacionados a disseminação da informação científica na sociedade, a partir da comunicação científica • “processos de apresentação, distribuição e recebimento da informação científica na sociedade humana. Esses processos formam o mecanismo básico para o desenvolvimento da ciência (MIKHAILOV, CHERNYI, GILYAREVISKYI, [1976] 1984).” • análise sobre as leis, características de um sistema de comunicação científica e os principais processos de troca informacional : - Formal (documentos científicos) - Informal (conversas, contatos pessoais) - Colégios invisíveis .
    38. 38. A. I. Mikhailov Tipos de literatura / publicação científica • Segundo Mikhailov e colaboradores, a variedade de publicações científicas existentes explicitam a complexidade dos canais onde a informação científica é transmitida e comunicada Definem três classes de publicações científicas : - Primária (publicações que apresentam novas informações científicas ou novas formulações para fatos ou ideias): livro científico, anais de conferências, livros texto e manuais, publicações periódicas, publicações técnicas (patentes) e catálogos técnicos - Secundária (publicações que contém informações sobre os documentos científicos primários): literatura de referência (enciclopédias, manuais, dicionários, catálogos, guias...), índices bibliográficos, bibliografias, índice de citação - Não publicados: relatórios técnico-científicos, teses, manuscritos, pré prints, fichas de informação
    39. 39. A. I. Mikhailov Leis bibliométricas • Objetivos da mensuração da produtividade científica Efeito Mateus: proposto por Robert Merton em 1968, sobre um número reduzido de pesquisadores que produzirem grande quantidade de artigos e detém maior patrocínio a seus estudos • Características, potencialidades e limitações sobre a obsolescência da literatura cientifica Vida média: “tempo durante o qual a metade de toda a literatura publicada no campo até o presente momento passará ao desuso”. • Leis de Bradford, Zipf e Bradford-Zipf: Influência, eficácia e utilização dessas leis na distribuição e funcionamento dos periódicos científicos e da informação científica Análise de pesquisas feitas por autores ocidentais como por exemplo, o inglês Bertham Brookes
    40. 40. Valentina Markusova
    41. 41. V. Markusova • Atualmente diretora do Centro de Pesquisa em Serviço de Informação, no VINITI, e professora do curso de Biblioteconomia (Library Science) e Ciência da Informação na Universidade do Alabama (EUA) • Principal pesquisadora a realizar na Rússia pesquisas quantitativas/ cientométricas após o fim da URSS. • A partir de 1992 apresenta produção bibliográfica considerável, realizando estudos sobre o campo de ensino e pesquisa na Rússia pós-comunista
    42. 42. V. Markusova: Comunicação e colaboração científica no campo de pesquisa russo • A partir de meados dos anos 1990, levantamentos sobre os fluxos de comunicação e disseminação da informação científica na Rússia • Trabalhos confirmaram a ampliação dos locais de troca de informações científicas com os Estados Unidos, União Européia e Ásia, e a manutenção da inter-relação científica entre pesquisadores russos
    43. 43. V. Markusova: Políticas de investimentos em ciência, tecnologia e inovação • Discutiu o patrocínio e investimento, a nível governamental e de forma privada, dado aos pesquisadores russos, nos anos 1990 e 2000 • Apesar de instável, houve ajuda da Fundação Internacional em Ciência (ISF), liderada pelo bilhonário George Soros, durante os anos 1990, e da Fundação Russa de Pesquisa Básica (RFBR) • Inserção e adaptação de pesquisadores e centros de estudos russos na nova realidade de patrocínio de pesquisas no país
    44. 44. V. Markusova: Universidade/ centros de ensino e pesquisa na Rússia • Levantamentos sobre os financiamentos, indicadores de output e a colaboração científica entre as universidades russas com outros centros de pesquisa no país e no exterior • Análises comparativas dos métodos de medição quantitativos e indicadores de produtividade dessas universidades com outras metodologias existentes na Europa e Estados Unidos • Institutos obtiveram benefícios de uma realidade mais democrática, globalizada e menos centralizadora no país. Entretanto,sofrem com a tumultuada transição para o capitalismo na Rússia
    45. 45. V. Markusova Análise da produtividade das pesquisas na Rússia • análise dos resultados e produtos obtidos em pesquisas desenvolvidas pelo campo científico russo. Três categorias de análise: - abordagens em nível macro: levantamento quantitativo da produtividade científica russa no pós-comunismo - análises em grupos de pesquisa específicos: produtividade das pesquisadoras da Rússia, e em regiões especificas do país (Novosibirsk) - análises em disciplinas científicas específicas: biossegurança, nanotecnologia e oncologia
    46. 46. Conclusão • Nas cenas russa e ucraniana houve o desenvolvimento consistente da comunicação científica e dos estudos de metrias, derivando análises e contribuições que ocasionalmente foram visualizadas e discutidas internacionalmente. • Destaca-se o papel das ideias de Nalimov, Dobrov e Mikhailov no desenvolvimento desses estudos na URSS que, de diferentes maneiras, manteriam seu caráter precursor após o fim do comunismo. • As pesquisas de V. Markusova mostram consonância com trabalhos paralelos realizados na Rússia após 1991, onde suas análises quantitativas / cientométricas podem ser consideradas importantes fontes de informação sobre a ciência russa pós- comunista.
    47. 47. Conclusão (cont.) • Os estudos métricos realizados na URSS e Rússia, mesmo com todos os problemas advindos das políticas comunistas e da instabilidade econômica no capitalismo, mostram que esse campo de estudo, com pesquisadores e centros pesquisas consistentes, incentivos governamentais e alguma atenção ao que está sendo produzido e discutido em outros países , apresenta trabalhos de qualidade. • A pesquisa realça também a importância e pertinência dos estudos de metrias (e campos corelatos ligados à comunicação científica e de políticas em Ciência e Tecnologia) para a Ciência da Informação, onde foi percebido que a bibliometria e a cientometria encontraram um leque diversificado de análise, não somente no Brasil, EUA e Europa ocidental, mas até mesmo em países pertencentes à antiga “cortina de ferro”.
    48. 48. Спасибо!

    ×