• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Informação.
 

A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Informação.

on

  • 3,741 views

Slides apresentados na defesa de Dissertação de Roberto Lopes dos Santos Junior, em 12 de março de 2009, junto ao PPGCI UFF-IBICT.

Slides apresentados na defesa de Dissertação de Roberto Lopes dos Santos Junior, em 12 de março de 2009, junto ao PPGCI UFF-IBICT.

Statistics

Views

Total Views
3,741
Views on SlideShare
3,732
Embed Views
9

Actions

Likes
3
Downloads
66
Comments
0

3 Embeds 9

http://www.slideshare.net 7
http://www.linkedin.com 1
https://www.linkedin.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Informação. A contribuição teórica de Alexander Ivanovich Mikhailov para a Ciência da Informação. Presentation Transcript

    • PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (PPGCI-UFF-IBICT) A CONTRIBUIÇÃO TEÓRICA DE ALEXANDER IVANOVICH MIKHAILOV PARA A CONSTRUÇÃO DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO ROBERTO LOPES DOS SANTOS JUNIOR Orientadora: Dra. LENA VANIA RIBEIRO PINHEIRO
    • INTRODUÇÃO
      • Alexander Ivanovich Mikhailov (1905-1988):
      • Engenheiro e pesquisador soviético.
      • Diretor do VINITI (1956-1988) e Vice-Diretor da Federação Internacional de Documentação- FID (1969 a 1977 e entre 1981 a 1988).
      • Um dos teóricos que mais contribuíram para a discussão de questões referentes à produção e gestão da informação científica, na então União Soviética e de parte considerável do extinto bloco socialista.
      • Principais obras: Fundamentos da Informação Científica (1965); Fundamentos da Informatika (1968); Curso introdutório sobre Documentação/ Informação* (1970); Comunicação Científica e Informatika (1976), escrito em conjunto com Arkadii Chernyi e Rudhzero Gilyarevskyi *escrito em conjunto com Rudhzero Gilyarevskyi.
    • Objetivos
      • Objetivo geral
        • Analisar a produção científica de Alexander Mikhailov e sua contribuição teórica para a construção epistemológica da Ciência da Informação.
      • Objetivos específicos
        • Identificar e analisar a origem e a infra-estrutura de pesquisa e informação no processo de desenvolvimento da Informatika / Ciência da Informação, na antiga URSS e na Rússia.
        • Estudar os conceitos de informação, informação científica, informação social e Informatika/Ciência da Informação, elaborados por Mikhailov e colaboradores e sua evolução no decorrer do tempo.
        • Analisar as idéias de Mikhailov em relação às interfaces da Ciência da Informação com outros campos do conhecimento, na sua configuração interdisciplinar.
    • A construção da CI na antiga URSS e na Rússia
      • Breve histórico da infra-estrutura de informação cientifica na antiga URSS (1917-1991)...
      • De 1917 até meados da década de 1930: surgimento das bases para o desenvolvimento de um sistema de informação científica no país. Nacionalização das bibliotecas privadas e institucionais, criação de agências que traduziam e publicavam a literatura científica, e implementação de políticas e cursos para o treinamento de profissionais que pudessem trabalhar com a literatura científica recebida e produzida no país.
      • 1937 a 1945: devido à crescente repressão do líder soviético Josef Stalin e com a participação da URSS na Segunda Guerra Mundial, muito desses serviços foram interrompidos ou transferidos para locais mais afastados.
      • 1946-1953: pós-guerra, duas realidades distintas: uma ligada ao recrudescimento de posturas que prejudicaram a troca de informações e material entre cientistas russos e ocidentais, e outra ligada aos primeiros indícios de um novo sistema de informação no país.
    • Construção da CI na antiga URSS e na Rússia
      • Décadas de 1950 e 1970: desenvolvimento e consolidação do que viria a ser denominado de “sistema de informação cientifica” na União Soviética e florescimento de uma base para a teoria da “Informatika/ Ciência da Informação”, com o aparecimento de uma geração de teóricos e pesquisadores que começavam a discutir as definições e conceitos da emergente área no país.
      • Década de 1980:alta produção de publicações científicas e a real consolidação do conceito “Informatika”, no campo científico soviético. Por outro lado, aparecia uma segunda realidade, onde o sistema de informação científica no país não estava rendendo o resultado esperado. Após 1985 começaram a surgir críticas abertas de bibliotecários e de outros profissionais de informação acerca da situação que eles estavam vivendo. O campo teórico também começou a ser alvo de críticas. Essas discussões seriam interrompidas com o fim da URSS, em 1991.
      • Após 1991 (Rússia) :corte de recursos para institutos e órgãos científicos. Participação da Ciência da Informação russa reduzida drasticamente. Grande parte da estrutura construída para o chamado “Sistema de informação cientifica Soviética” ou foi dissolvida, ou perdeu consideravelmente sua importância e atuação. Entretanto, tanto o principal órgão de informação científica na Rússia, o VINITI, quanto seus principais periódicos sobreviveram à dissolução da URSS e mantiveram-se em atividade.
    • Construção da CI na antiga URSS e na Rússia
      • VINITI: Instituto Estatal de Informação Científico e Técnica.
      • Principal órgão de pesquisa e estudo sobre a informação na União Soviética e em parte considerável do antigo bloco comunista.
      • Instituído em junho de 1952, por interesse do governo soviético na criação de órgão que controlasse a informação científica produzida e recebida no país e que centralizasse os serviços e métodos de organização da informação.
      • Participou de diversos projetos em diferentes campos científicos, muitos relacionados à utilização de novas tecnologias no armazenamento e disseminação da informação, alguns em convênio com outros órgãos ou institutos soviéticos. Chegou a ter quase vinte mil funcionários, entre 1975 e 1980.
      • O Instituto, após 1991 sofreu uma considerável queda de recursos, teve suas funções e atividades modificadas em propostas e decretos formulados em 1992, e reorganizou seus programas, apesar de ter mantido sua importância graças à atuação dos profissionais do instituto e de Yuri Arskii, Diretor do VINITI desde 1993.
    • Construção da CI na antiga URSS e na Rússia
      • A criação de periódicos secundários, tipo “abstracts” e índices, e em serviços de informação no país existiu desde a ascensão do governo bolchevique ao poder, no final de 1917.
      • Referativnyi Zhurnal : p rincipal periódico secundário russo, publicado a partir de 1952 até os dias de hoje.
      • Englobou edições que tratavam de disciplinas como a Matemática, Astronomia, Química, Mecânica, Física, Biologia, Geologia, Informatika/Ciência da Informação, Proteção ambiental e Ciência da Computação, entre outros.
      • Nesse periódico eram elaborados resumos e descrições bibliográficas de artigos, coleções, patentes e monografias de diferentes tipos de publicações científicas, tanto soviéticas quanto estrangeiras.
      • A partir dos anos 1970 passou a ser distribuido em outros formatos, como fita magnética e microfilme, e m 1982 foi iniciada a produção de um banco de dados para armazenar eletronicamente alguns desses volumes e, em 1995,o periódico apareceu também em versão eletrônica. Apesar de alguns problemas, principalmente ligados à distribuição, o periódico manteve sua importância após 1991.
    • Construção da CI na antiga URSS e na Rússia
      • Formação profissional em Informatika/ Ciência da Informação.
      • 1917 a 1927: instituição de cursos para bibliotecários em Moscou e em Petrogrado para bibliotecas públicas e científicas.
      • Década de 1930: instituição de cursos “práticos” de organização da informação e para bibliotecários técnicos em Moscou, para coleta, organização e disseminação de publicações e material científico.
      • Década de 1950: após um refluxo nos anos 1930 e 1940, surgimento dos primeiros cursos de informação no país. Em 1959 é instituído, no VINITI, o primeiro curso de pós-graduação em Informação científica na URSS.
      • Décadas de 1960 e 1980: criação de outros cursos de graduação e pós-graduação, implantados em universidades e em institutos de pesquisa na URSS, alguns organizados ou supervisionados pelo VINITI .
      • 1985 a 1991: surgem críticas abertas de profissionais e pesquisadores sobre a situação em que o ensino de informação passava na União Soviética.
    • Construção da CI na antiga URSS e na Rússia
      • Após 1991: a grande maioria das instituições de ensino de Biblioteconomia e Ciência da Informação, na Rússia, continuou em atividade e conseguiu, de alguma forma, obter alguns benefícios advindos de uma realidade mais democrática e menos centralizadora no país. Entretanto, sofreu com a tumultuada transição para o capitalismo na Rússia.
      • Nauchno-Tekhnicheskaya Informatsiya: um dos principais canais nos quais os profissionais formados discutiram questões referentes à Ciência da Informação no país . Instituido em 1961 e em atividade, como uma revista de periodicidade mensal. Em 1967 foi dividido em duas séries e possui edição em inglês (respectivamente Scientific and Technical Information Processing e Automatic Documentation and Mathematical Linguistics ). Entre 1961 a 1988, Mikhailov foi editor-chefe da revista.
      • Cursos oferecidos em âmbito internacional: destaque para o Instituto para a Qualificação de Profissionais da Informação (IPKIR) e ao instituto Krupskaya para a cultura de Leningrado, que formaram centenas de estudantes de países comunistas, em Ciência da Informação e Biblioteconomia. Muitos desses cursos seriam encerrados na década de 1990.
    • Construção da CI na antiga URSS e na Rússia
      • Eventos técnicos e científicos em Informatika/ Ciência da Informação.
      • Pela bibliografia pesquisada, u m dos primeiros eventos realizados na União Soviética ocorreu em 1924, no primeiro Congresso Nacional de Bibliotecas e, em 1936, numa conferência que discutiu os problemas teóricos da Biblioteconomia e da Bibliografia. Posteriormente são encontrados registros de conferências apenas em meados dos anos 1950.
      • Décadas de 1960 a 1980: registro de diversos congressos, tanto na URSS quanto internacionalmente, que discutiram as novas tecnologias de processamento e disseminação da informação, e aspectos relacionados à informação científica e a Informatika/ Ciência da Informação.
      • Comitê de Estudos sobre Pesquisa de Base Teórica da Informação, ou FID/RI (1965-1986): coordenado por Mikhailov, foi onde ocorreu uma efetiva interação da Ciência da Informação soviética com o campo de estudo norte-americano e da Europa ocidental. Espaço para análise e discussão de questões teóricas da Ciência da Informação / Informatika, aspectos relacionados à sua evolução epistemológica e à relação interdisciplinar da Informatika com outras ciências e disciplinas.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Breve histórico da Ciência da Informação (1895 a 1969):
      • Aproximadamente entre 1895 a 1940: uma fase na qual era adotado mais o termo Documentação, que começava a tomar forma, marcado pela visão do advogado belga Paul Otlet e, posteriormente, da documentalista francesa Suzane Briet, na Europa, e em iniciativas de institutos como o ADI (American Documentation Institute), nos Estados Unidos.
      • Entre 1945 a 1961: a Ciência da Informação começava a ser esboçada, com o aparecimento de novas idéias e teorias como, por exemplo, a Cibernética, a Recuperação da Informação e a Teoria da Informação, formuladas logo após o final da segunda guerra mundial, e da inclusão do termo informação científica na nomenclatura desse ainda embrionário campo de estudo.
      • 1961 a 1969: a Ciência da Informação, segundo Pinheiro (2005), entrou numa “fase conceitual e de desenvolvimento interdisciplinar”, ou seja, de definição de seu campo teórico e de reconhecimento de seu caráter interdisciplinar. Nesse período aparecem diferentes nomenclaturas para a área , como Informatika, Ciência da Biblioteca e da Informação, Ciência e Engenharia da Informação e Ciência e Tecnologia da Informação.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Produção teórica/ Informação Científica:
      • Principal objeto de estudo da Informatika / Ciência da Informação.
      • Utilizado primeiramente em 1959, no artigo “Finalidades y problemas de la información científica,” no periódico Boletín de la Unesco para las Bibliotecas .
      • Entre 1960 a 1965, Mikhailov e colaboradores trabalharam em diferentes artigos e livros, onde consideram a Informação científica não somente como objeto de estudo, relacionado à produção científica, mas também uma espécie de disciplina, o que acabou recebendo consideráveis criticas, com as quais Mikhailov e colaboradores concordaram, buscando então uma nova nomenclatura para a área.
      • Entre 1996 a 1971, a informação científica foi considerada uma subárea de estudo ou campo cientifico, e depois passou a ser reconhecida como objeto de pesquisa, daí ser delineada a sua estrutura e função.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Produção teórica/ Informação Científica:
      • Sua emergência deveu-se ao crescimento exponencial da literatura científica e técnica produzida e publicada, causando uma espécie de “crise” ou “explosão” da informação. Em conseqüência, tornou-se necessária uma atividade que permitisse eficiente armazenamento, organização e recuperação desse tipo de informação para apoio ao cientista e pesquisador (MIKHAILOV, CHERNYI, GILYAREVSKYI, [1968] 1973, p. 43; 1969).
      • “ Informação lógica obtida durante o processo de conhecimento, o qual reflete adequadamente as leis do mundo objetivo e se utiliza na prática histórico-social” (MIKHAILOV, 1967, p.239-240).
      • Diferencia-se do conceito puro de informação, considerado amplo demais por Mikhailov e colaboradores.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Produção teórica/ Informação Científica:
      • Características e propriedades da informação cientifica a partir do documento FID 530, de 1975. (fonte MIKHAILOV, CHERNYI, GILYAREVSKYI, [1975] 1980, p.75.)
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Produção teórica/ Informação científica
      • Indentificando as propriedades e tipos de informação cientifica ( Fonte: MIKHAILOV, CHERNYI, GILYAREVSKYI, [1975] 1980. p. 88.)
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Produção teórica/ Informação científica
      • Característica “econômica” da informação científica: Mikhailov indica que há facilidade em se calcular economicamente os custos e os ganhos financeiros advindos de atividades de informação científica, porém, não seus benefícios e vantagens para um determinado organismo ou empresa que investe ou que se utiliza desse serviço. O autor destaca também a impossibilidade de se medir o valor econômico da informação cientifica, mesmo que a forma onde a mesma é publicada (livros, revistas) possa ser medido.
      • Característica social da informação cientifica e de sua disseminação: a informação científica muitas vezes se encontra em uma forma “prematura”, e, nesse estágio, a mesma não recebe apoio e atenção, nem da sociedade nem da classe cientifica, que às vezes, por diferentes motivos, pode recebê-las, até mesmo com certa hostilidade.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Informatika/ Ciência da Informação
      • Proposta inicialmente em dezembro de 1966, por Mikhailov e colaboradores, foi utilizada pela área na antiga URSS, nas décadas seguintes.
      • “ Disciplina científica que estuda a estrutura e as propriedades (não especificamente o conteúdo) da informação científica, assim como as leis que regem as atividades ligadas à informação cientifica, sua teoria, história, metodologias e organização. O objetivo da Informatika é o de desenvolver métodos e meios eficientes de registro, processamento analítico sintético, armazenamento, recuperação e disseminação da informação científica (MIKHAILOV, 1967, p.241)”.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Informatika/ Ciência da Informação III
      • Principais características da área, identificadas pelos autores (Mikhailov et al. [1975] 1980):
      • “ Informática é uma disciplina científica e não uma ciência independente.
      • Informática estuda a estrutura e as propriedades da informação cientifica, mas não de qualquer informação, nem mesmo informação semântica.
      • Informática estuda todos os processos de comunicação cientifica levados a efeito tanto pelos canais formais (i.e., através da literatura cientifica), quanto pelos canais informais (contatos pessoais entre cientistas e especialistas, correspondência, permuta de “Preprints”, etc.).
      • Informática pertence às disciplinas sociais ligadas com o estudo do fenômeno e das leis peculiares à sociedade humana. “
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Análise da nomenclatura Informatika (informática) e sua utilização
      • Mikhailov e colaboradores, em 1966, decidiram usar o termo Informtatika (Informát[informação]+ika[automática ou automação]), baseado em outras disciplinas que receberam classificação parecida nessa época, como a Cibernética, Semiótica e Cosmonáutica, entre outras.
      • Os autores buscam diferenciar a Informatika do conceito Documentação, seja ligada às teorias de Paul Otlet ou à visão anglo-saxônica relacionada a novas tecnologias de armazenamento da informação. Os autores também tentaram diferenciar a Informatika dos conceitos Ciência da Informação (para os autores, muito amplo, por abranger outras informações além da científica) e Informatologia, desenvolvidos em meados da década de 1960.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Análise da nomenclatura Informatika (informática) e sua utilização
      • No Brasil, entre aproximadamente 1968 e 1973, os conceitos Ciência da informação e Informática se revezaram na classificação da área no país. Essa questão começou a ser parcialmente resolvida em 1970, com a criação do primeiro curso de mestrado em Ciência da Informação, instituído pelo IBBD e, em 1972, o primeiro número do periódico Ciência da Informação, no artigo “Da Bibliografia a ciência da informação: um histórico e uma posição”, escrito por Hagar Espanha Gomes e Célia Ribeiro Zaher. Uma “última palavra” sobre essa questão, indiretamente corroborando o que foi discutido no artigo de 1972, foi dada por Hagar Espanha Gomes, na introdução da coletânea “Ciência da informação ou Informática?”, publicada em 1980.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Inter-relação com outras disciplinas
      • Inter e transdisciplinaridade: origem e definições
      • Braga (1999, p.9) afirma que um dos primeiros conceitos que podem ser relacionados com a interdisciplinaridade foi elaborado em 1840, na obra do cientista inglês William Whewell, que utilizou o termo “consiliente”. Outros trabalhos importantes para o desenvolvimento desse conceito foram os livros “La Rebelion de las Massas” (1929), de Ortega y Gasset e Two Cultures (1959) de C. P. Snow
      • Entretanto, essa discussão só tomaria forma e seria amplamente estudada após 1945, principalmente entre as décadas de 1960 e 1970 onde o estudo sobre a interdisciplinaridade ganharia espaço no campo acadêmico, principalmente nas pesquisas do teórico suíço Jean Piaget e em organismos como a UNESCO e a OCDE.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Inter e transdisciplinaridade: origem e definições
      • Conceito de interdisciplinaridade: “Método de pesquisa e de ensino suscetível de fazer com que duas ou mais disciplinas interajam entre si, esta interação podendo ir da simples comunicação das idéias até a integração mutua dos conceitos, da epistemologia, da terminologia, da metodologia, dos procedimentos, dos dados e da organização da pesquisa (JAPIASSU e MARCONDES, 1991)”.
      • Conceito de transdicilipnaridade: etapa superior à interdisciplinaridade, na qual não basta atingir interações e reciprocidade entre pesquisas específicas, mas sim situar essas ligações no “interior de um sistema total, sem fronteiras estabelecidas entre as disciplinas” (JAPIASSU, 1976 apud PINHEIRO, 2006b, p.114).
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • interdisciplinaridade e o pensamento de Mikhailov
      • Em relação a Mikhailov, o autor também deu considerável atenção a essa característica em sua produção intelectual, porém, com maior profundidade, apresentando não só as áreas, mas de que forma essas relações aconteciam. A primeira abordagem do autor (em conjunto com Chernyi e Gilyarevskyi) nesse tema foi em 1965, no artigo “A interconexão entre a informação científica com as Bibliotecas e a Bibliografia”, publicado no periódico Soviet Biblioteki .
      • O autor ressaltou a necessidade de se discutir aspectos referentes à inter-relação entre diferentes disciplinas e campos do saber, indicando uma nova realidade, na qual fica evidenciado o “(...) desaparecimento progressivo de tradicionais fronteiras entre diferentes campos de conhecimento. (...) Para que seu trabalho seja frutífero, devem-se conhecer os resultados de investigações que são levadas a cabo em outros campos científicos e técnicos” (MIKHAILOV et al., [1968] 1973, p.36).
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Relação da Informatika / Ciência da Informação com outras áreas de conhecimento (Biblioteconomia/ bibliografia/ Ciência do livro).
      • Apesar dessa relação ser colocada como uma das mais importantes na Informatika / Ciência da Informação, são apresentadas também fortes criticas de Mikhailov a essas áreas, tanto no escopo teórico quanto prático.
      • No aspecto prático, Mikhailov e colaboradores afirmam que as diferenças entre o campo de atuação da Informatika/ Ciência da Informação com os das bibliotecas precisam ser apresentadas e, em alguns casos, ressaltadas, como, por exemplo, que o escopo de trabalho e de pesquisa da Informatika/ Ciência da Informação é mais amplo e diversificado do que as atividades relacionadas à bibliografia e biblioteconomia que, na maioria das vezes, centralizam-se nos livros, periódicos ou outros tipos de publicações encontradas nas bibliotecas.
      • Em relação a ciência do livro os autores afirmam que esse campo de estudo é importante para a Informatika/ Ciência da Informação, pois oferece conhecimentos importantes sobre as principais etapas e estágios de formação e do desenvolvimento das publicações e documentos científicos.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Relação da Informatika / Ciência da Informação com outras áreas de conhecimento (Cibernética).
      • Segundo definição de Wiener (1984): “(…) um campo mais vasto que inclui não apenas o estudo da linguagem, mas também o estudo das mensagens como meios de dirigir a maquinaria e a sociedade, o desenvolvimento de máquinas computadores e outros autômatos (…), certas reflexões acerca da psicologia e do sistema nervoso, e uma nova teoria conjetural do método científico” .
      • Sobre a relação da Cibernética com a Informatika/ Ciência da Informação, Mikhailov e colaboradores assinalam, inicialmente, uma certa indefinição de como e de que forma essa relação poderia ser medida, seja no campo teórico ou prático, devido as duas áreas serem recentes e com um escopo teórico ainda não totalmente delimitado. Por outro lado, são indicados fatores de similaridade entre essas duas áreas científicas como, por exemplo, na busca de soluções eficientes para diferenciados problemas relacionados à recuperação e ao processamento lógico da informação científica ,baseados em diferentes suportes automatizados.
      • Os autores também reagiram com certa cautela ao analisar outros aspectos dessa teoria como, por exemplo, a possibilidade da tecnologia substituir meios formais de comunicação e conhecimento ou que essa tecnologia pudesse algum dia ter maior “inteligência” que seus criadores
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Relação da Informatika / Ciência da Informação com outras áreas de conhecimento (Ciência da Ciência/ Sociologia da Ciência).
      • Papel inovador da Rússia e URSS no desenvolvimento dessa ciência, entre o final do século XIX até os anos 1930 e, a partir de meados dos anos 1960, em obras como o livro Ciência da Ciência (Nauka o nauke), escrito por G. M. Dobrov, publicado em 1966, e o livro Cientometria (Naukometryia), escrito por V. V. Nalimov e Z. M. Mulchenko, publicado em 1969.
      • Mikhailov e colaboradores afirmam que os dois campos apresentam pontos em comum, como, por exemplo, o interesse em examinar os fluxos e processos de informação e transmissão da informação científica; a análise da eficiência do trabalho científico para sua posterior melhoria, e em tentar estabelecer prognósticos sobre o desenvolvimento da ciência. Mas os autores ressaltam também que existem diferenças entre os dois campos de pesquisa, no que diz respeito à abordagem em que é analisado o fluxo de informação no campo científico. Na Informatika/ Ciência da Informação é reconhecido que as atividades de Informação científica formam uma parte diferenciada e independente do processo de comunicação científica.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Relação da Informatika / Ciência da Informação com outras áreas de conhecimento (Matemática).
      • A relação entre a Matemática, mais especificamente a Lógica Matemática, com a Informatika/ Ciência da Informação, segundo Mikhailov e colaboradores, aparece especificamente nos procedimentos práticos, nos quais uma área contribuía na definição de conceitos e métodos de avaliação e classificação realizadas pela outra. Os autores destacam, também, que a utilização da Matemática pela Informatika/ Ciência da Informação é diretamente na criação de linguagens informativas para a “formalização de processos de dedução lógica para teorias ou conceitos científicos” ou seja, uma espécie de “codificação” da informação que permita, posteriormente, uma rápida localização da mesma.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação
      • Relação da Informatika / Ciência da Informação com outras áreas de conhecimento (Psicologia).
      • Para Mikhailov e colaboradores, a relação entre a Informatika/ Ciência da Informação e a Psicologia permite uma análise mais aprofundada do documento científico, não só no que diz respeito à preparação ou organização do mesmo, mas também de buscar conhecer seu processo de criação e desenvolvimento, permitindo um controle mais qualitativo sobre esse tipo de material.
      • Os autores indicaram três “recentes” (para a época em que o artigo ‘informatics; its scope and methods’, foi escrito, em 1969) ramos da Psicologia que apresentam algum tipo de interesse para a Informatika/ Ciência da Informação: a psicologia do trabalho, a psicologia da engenharia e a psicolingüística.
    • As idéias de Mikhailov e sua contribuição para a Ciência da Informação.
      • Relação da Informatika / Ciência da Informação com outras áreas de conhecimento (Semiótica).
      • A Semiótica, ou ciência dos signos, baseia-se no estudo e análise dos sinais e da sua transmissão. Na Ciência da Informação, seria com as idéias do engenheiro e matemático norte-americano Claude Shannon (1916-2001), que a semiótica encontraria sua relação mais evidente com a área. Em especial, cita-se a teoria matemática da comunicação, que permitiu o desenvolvimento de estudos da comunicação e de conceitos relacionados à “(...) quantidade de informação, quantidade mínima de informação (o célebre Bit), redundância, ruído, transmissor, receptor, canal” .
      • Inicialmente, Mikhailov viu a relação entre as duas ciências na utilização e no desenvolvimento de tecnologias e formas automatizadas de armazenamento e codificação documental. Para o autor, o uso eficiente de conceitos da Semiótica em questões referentes aos equipamentos e máquinas de tradução de documentos, na decifração de linguagens antigas e em problemas de Lingüística seria de grande ajuda para com a Informatika/ Ciência da Informação.
      • Posteriormente, ao analisarem as interfaces das duas ciências, Mikhailov e colaboradores chegaram à divisão da Semiótica em três partes: Pragmática, Semântica e Sintática.
    • CONSIDERAÇÕES FINAIS
      • Esta dissertação pode ser concluída com a afirmativa de que o pensamento e idéias de Miklhailov, ao lado de outros grandes pesquisadores norte-americanos, soviéticos e da Europa ocidental contribuíram, direta ou indiretamente, para sedimentar sólida base teórica e conceitual desse campo científico. Estes fundamentos permitiram a sua sustentação e consolidação, a partir da década de 1960, e particularmente Mikhailov tem seu nome firmado como um dos grandes teóricos da Ciência da Informação, na segunda metade do século XX, cujas idéias têm seu prolongamento até hoje - permanecem vivas.
    • TÉRMINO DA APRESENTAÇÃO
      • OBRIGADO PELA ATENÇÃO.