Editorial

Muro de
Alziro de Paiva

E

José de Paiva Netto,
jornalista, radialista e
escritor, é Presidente das
Instituiçõ...
Celso Romero

Em 1989, Dom Geraldo Maria
de Moraes Penido (D), então
Arcebispo de Aparecida/SP,
visitou a Sede Mundial da ...
Editorial

Arquivo BV

Trecho do muro de Gerês, que inspirou os versos de Paiva Netto.

A um Muro Antigo
Na estrada de Ger...
Nélida

Jô Soares lança livro na Academia
Jorge Alexandre

Arquivo BV

A escritora e acadêmica Nélida Piñon e
Paiva Netto,...
Cartas
Status da
Mulher da
ONU

Venho parabenizar a revista
Boa Vontade pela reportagem “Status
da Mulher nas
Nações Unida...
Escrevo no intuito de dar os parabéns a Paiva Netto pelo lançamento
da 54ª edição de seu livro As Profecias
sem Mistério. ...
Ao Leitor
Os leitores da rBV têm bons
motivos para celebrar este mês de
junho. A começar pela escolha do
nome da romancist...
Sumário
Editorial

4

4 Editorial

LBV no mundo

32

Especial sobre Paiva Netto

38

Espírito e Ciência

44

Em seu artigo...
pelo autor
Coluna do Garotinho

Campeonato Brasileiro:

José Carlos Araújo é locutor
esportivo da Rádio Globo do
Rio de Janeiro/RJ

C...
Reportagem

LBV

Flashes

solidários

O renomado fotógrafo Chico Audi recebe em seus estúdios a
classe artística para a ca...
Daniel Trevisan

Amanda Françoso

Daniel Trevisan

Da esquerda para
a direita: o casal
Lucimara Augusta e Paiva Netto,
aco...
Reportagem

Oscar
Schmidt

maravilha, a gente levar um pouquinho
de carinho e Amor não só pela música,
mas também mostrand...
zendo aí (…), essa parceria do artista
com a LBV, fazendo com que cresça
cada vez mais para um futuro melhor.
Estamos tamb...
Perfil

Prêmio
inédito para o

Brasil

Nélida Piñon é a primeira escritora de Língua Portuguesa a
receber o “Prêmio Prínci...
Escritora e jornalista Nélida
Piñon na Academia Brasileira
de Letras

Nações Unidas”. Na matéria, apresenta
relevante docu...
Selmy Yassud

Perfil

Por ocasião do seu centenário (1997), o saudoso Dr. Barbosa Lima Sobrinho
foi cumprimentado pelo esc...
países. (...) Mas também há mulheres que aparecem
na ribalta, no teatro (não me refiro ao teatro físico)
da vida, que exib...
P
História

Prefácio

de um jovem país
A saga de Anchieta: o primeiro Educador do Brasil.

D

esde que chegou ao Brasil,
a...
Revista Boa Vontade

23
História

24 Revista Boa Vontade
1553

narra o fato em carta: “A 25 de janeiro
do Ano do Senhor de 1554 celebramos
em paupérrima e estreitíssima casinha
a ...
Turismo

Uma das belas paisagens da Serra Gaúcha

Serra Gaúcha

As várias culturas da Europa no Rio Grande do Sul
Débora V...
Setur/ Fotógrafa: Solange Brum.

Ir à Serra Gaúcha é como
viajar para a Europa
sem sair do Brasil. É uma
mistura da cultur...
1) O estilo europeu predomina nas
construções; 2) A velha locomotiva
ainda faz o trajeto de passageiros
pela Serra Gaúcha ...
Roteiros

do Brasil

ura
Armando Kitam

Nilton Pred
a

Armando Ki
tamura

O monumento mais
visitado de Brasília e
seus amb...
Divulgação

Samba e história

Pery Ribeiro, expoente da
Bossa Nova, foi também
um amuleto para Carmen
Miranda.

Primeira v...
“Cada vez que vou a Brasília,
jogo as malas no hotel, vejo se
mandar um abraço ao tenho ensaio, pego um táxi e energizar”....
LBV no mundo
No destaque, aspecto geral do evento, realizado na Sala de Conferência nº 1, na
Sede da ONU, em Nova York/EUA...
Unidas

Espiritualidade, Ciência e Consciência foram tema de seminário
co-organizado pela LBV na sede da ONU em Nova York/...
LBV no mundo

Na imagem à esquerda: a equipe da LBV em Nova York; ao centro, Danilo Parmegiani,
representante da Instituiç...
O Novo Mandamento de
Jesus e a ONU
Uma das intervenções da platéia
foi a da adolescente Mariana Malaman, integrante da Juv...
Atualidades

Missão de Paz
Crianças da LBV homenageiam soldados
brasileiros que partiram para o Haiti

O

Simone Barreto

...
Major Mozart

Ten. Cel. Novaes

cesso de vocês”, disse emocionado.
Para o Secretário Estadual de
Justiça Dr. César Bastos ...
Especial sobre Paiva Netto

Daniel Trevisan

Flagrante Legionário: na foto
preto-e-branco registrada em
película, Paiva Ne...
Homenagem aos 49 anos de
trabalho de Paiva Netto na LBV
No ano de 1969, Paiva Netto iniciou a
elaboração dos princípios da...
Especial sobre Paiva Netto

segundo João, 14: 2).
A pedra angular do seu pensamento é o Novo Mandamento de Jesus:
Amai-vos...
meios de sustentação para o Povo que
fora vítima da depressão vivida pelo
Reino Unido.
A idéia fundamental era o estabelec...
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Revista Boa Vontade, edição 202
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Revista Boa Vontade, edição 202

502
-1

Published on

A Revista Boa Vontade tem por objetivo levar informações por meio de matérias que abordam temas voltados à cultura, educação, política, saúde, meio ambiente, tecnologia, sempre aliados à Espiritualidade como ferramenta de esclarecimento, auxílio, entendimento e compreensão.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
502
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista Boa Vontade, edição 202

  1. 1. Editorial Muro de Alziro de Paiva E José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor, é Presidente das Instituições da Boa Vontade. stive algumas vezes em Portugal. País lindo, de gente acolhedora. Terra da nostálgica Amália Rodrigues (1920-1999), que Foi Deus*¹ quem levou, faz pouco tempo. Sempre gostei de ouvi-la cantando esse fado, ao som de guitarras afinadíssimas e chorosas. Por sinal, contam que, influenciada por amigos, não iria gravá-lo. Entretanto, reconsiderou, e seu sucesso foi imenso. Sorte para Amália, sorte para nós. Isso me lembra outra história, a de que alguns artistas famosos de Hollywood se negaram a interpretar o papel principal de nada mais nada menos que Casablanca. Sorte para Humphrey Bogart e para nós também. Uma dessas viagens deu-se em novembro de 1994, depois que o Dr. José Aparecido de Oliveira*², então Embaixador do Brasil naquela naçãoirmã, ligando lá para casa, fraternalmente “convocou-me” para assistir, na capital lusitana, ao lançamento da pedra fundamental da sede da Fundação LusoBrasileira do Mundo de Língua Portu- Espelho do Gerês, localizado na Serra de mesmo nome, em terras lusitanas. Revista Boa Vontade Amália Rodrigues guesa. Presente estava, entre diversas personalidades de Portugal, da África e do Brasil, o eminente arquiteto Oscar Niemeyer, com sua voz calma e afetuosa e seu coração grande e apaixonado pelas causas sociais. Após a solenidade, o Embaixador apresentou-me o Dr. Jorge Sampaio, que, naquela ocasião, presidia a Câmara Municipal de Lisboa. Hoje, ele é o Presidente da República. Em seguida, houve uma recepção na casa do amigo Aparecido, sob a batuta de sua distinta esposa, Dona Leonor. São momentos de cariciosa lembrança, quando fui gentilmente convidado a assinar com os Reprodução BV Gerês
  2. 2. Celso Romero Em 1989, Dom Geraldo Maria de Moraes Penido (D), então Arcebispo de Aparecida/SP, visitou a Sede Mundial da LBV, em São Paulo/SP, onde foi fraternalmente recepcionado pelo escritor Paiva Netto. Julio Almeida Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, nos papéis centrais de “Rick” e “Ilsa” em Casablanca, um estrondoso sucesso de Hollywood, considerado o segundo melhor filme americano. Em cenas de Casablanca, que reproduz um café americano, “Sam”, personagem interpretado pelo ator Dooley Wilson, toca enquanto Humphrey Bogart o observa. Dom Raymundo Damasceno Assis, Arcebispo de Aparecida. Arquivo BV PhotoDisc Há alguns anos, durante um evento em Lisboa, confraternizaram o atual Presidente de Portugal, Dr. Jorge Sampaio (E), o ex-Embaixador do Brasil em Portugal, Dr. José Aparecido de Oliveira (C), e o Diretor-Presidente da LBV, José de Paiva Netto (D). demais um protocolo de doação de monumental pintura de Nossa Senhora Aparecida (obra do arquiteto e artista plástico João de Souza Araújo) à famosa Basílica dedicada à Mãe de Jesus, naquele tempo sob o comando Oscar Niemeyer do estimado D. Geraldo Maria de Moraes Penido (1918-2002), seu saudoso Arcebispo Emérito. Em 1989, visitou-me na Legião da Boa Vontade e tive a honra de ser recebido, juntamente com minha família, em sua residência, numa tarde memorável, tendo ao lado sua bondosa irmã Dona Geralda, também hoje falecida. Que Deus eternamente os guarde em Seu Seio de Misericórdia. (Na atualidade, a grande Catedral tem a direção do ilustre Dom Raymundo Damasceno Assis.) Torre de Belém, um dos mais famosos monumentos de Lisboa/Portugal, situa-se na margem direita do Rio Tejo. Revista Boa Vontade
  3. 3. Editorial Arquivo BV Trecho do muro de Gerês, que inspirou os versos de Paiva Netto. A um Muro Antigo Na estrada de Gerês para Braga, existem muitos muros velhos... Mas há um antigo, especialmente antigo, bem na curva, que à alma afaga... Antigo como o Amor e como as dores... Tão pequeno... mas nos faz sorrir aos favores de nos abrir, à alma triste, um prazer amplo, de descobrir, no seio do campo, a beleza divinal das flores. Enquanto outros — grandes!... — não têm a expressão com que, na sua pequenez, fala ao coração. Sim, porque, se este não é o maior dos órgãos do corpo, tudo sente e tudo vê, porque tudo vê e tudo sente... Eis seu escopo. Oh! Muro pequeno, pequeno Muro, tão carregado de Vida! Vida! Vida! como a hera que cobre os teus lados, feitos de pedra amolecida Revista Boa Vontade e humanizada pelos anos, muitos anos... Ah! Muro Antigo! de pedra antiga... A quanta história assististe!... E do muito que ouviste, conta-me um pouco. E tas escutarei, não de ouvido mouco, de tanto viajante, que por aqui passa, e não te vê... Pois loucos laços lhe turbam a mente... E que oportunidade perde, pois não te sente o canto dos séculos acerantes. Sim, porque a roda roda... E o que foi, retorna adiante... E, talvez, Muro Antigo, antigo Muro, os que são cegos para não ver-te, e surdos para não ouvir-te, tenham aprendido, finalmente, que, para escutar o lamento ou o cantar da própria pedra, é tão preciso, morta a regra, amar todos os amores do Amor Divino sem rancores. Até que surgiu aquele, gracioso, bem na curva, mas que, de tão pequeno, quase não podia ser visto. Estava lá, contudo, firme, cumprindo a sua função de não permitir que, num estreito espaço não preenchido, alguém distraidamente, talvez mesmo uma criança ou um idoso, caísse no precipício profundo. Serra do Gerês Em outra ocasião, fui levado a um local encantador, Amares, onde passamos algumas horas respirando ar puro, coisa cada vez mais rara, conversando com pessoas da comunidade, além das que também visitavam o lugar. Na volta, a caminho de Braga, deliciando-me com a paisagem da Serra do Gerês, pude observar a seqüência de muros de pedra, o que é comum na região. Uns eram pomposos, outros mais singelos. Até que surgiu aquele, gracioso, bem na curva, mas que, de tão pequeno, quase não se dava a perceber. Estava lá, contudo, firme, cumprindo a sua função de não permitir que, num estreito espaço não preenchido, alguém distraidamente, talvez mesmo uma criança ou um idoso, caísse no precipício profundo. E quis, então, prestar-lhe uma homenagem, como a uma pessoa humilde, desconhecida na sua modéstia, que nem por isso deixa de, por Amor, cumprir o seu dever. E, ainda no autocarro, ousei, perdoem-me, sem ser poeta, os seguintes versinhos, para musicá-los depois. (Ao lado) Qual o recado do pequeno Muro? Este: em que é menor que um rei aquele que não foge à sua responsabilidade? Merece de todos nós o apoio e a distinção por persistir, com honra,
  4. 4. Nélida Jô Soares lança livro na Academia Jorge Alexandre Arquivo BV A escritora e acadêmica Nélida Piñon e Paiva Netto, num momento de descontração. S enti muita alegria ao saber que a nossa querida Nélida Piñon conquistou, neste mês de junho, o “Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras”, que jamais fora conferido a uma escritora nascida em nosso país (Leia entrevista da escritora na página 18). Ela foi a primeira mulher a dirigir a Academia Brasileira de Letras (ABL), no período das comemorações do centenário da Casa de Machado de Assis. Ocupa a cadeira de número 30, cujo patrono é o jornalista e romancista, nascido em Bagé/RS, João Carlos de Medeiros Pardal Mallet (1864-1894). É uma tenaz batalhadora dos Direitos Humanos, destacadamente os das mulheres. Para Nélida, o nosso carinho e respeito. E um grande beijo no coração. (Paiva Netto) em viver a sua dignidade. A elite de um país é o seu Povo. ________________ *1 Foi Deus — Este fado de Alberto Fialho Janes foi imortalizado pela diva Amália Rodrigues (19201999). O escritor e apresentador Jô Soares e o Dr. Pedro de Paiva J ô Soares lançou no dia 9 de junho, na ABL, seu mais recente romance, Assassinatos na Academia Brasileira de Letras. A história do livro se passa em 1924 e o cenário é o Rio de Janeiro antigo, em que alguns acadêmicos fictícios aparecem mortos nos mais diversos e famosos pontos de visitação carioca, tais como: o Copacabana Palace, o Petit Trianon, a sede da ABL, o Estádio do Fluminense, a Estrada de Ferro do Corcovado, a Candelária e outros. O autor enfatiza que a obra é uma maneira de se retornar aos bons tempos, em que as pessoas podiam andar despreocupadas pelas ruas da cidade. O advogado Pedro de Paiva prestigiou o lançamento e, na ocasião, representou seu pai, o dirigente da LBV, José de Paiva Netto, tendo a oportunidade de cumprimentar diversos acadêmicos como o Senador Marco Maciel — que relembrou a visita que fez ao Templo da Boa Vontade, em Brasília/DF —, e também o acadêmico Ivan Junqueira, Presidente da ABL. O Dr. Pedro foi recebido com muito carinho por Jô Soares, que mandou um beijão para o Líder da Legião da Boa Vontade, além de encaminhar a obra autografada com a seguinte mensagem: “Paiva Netto, um beijo do gordo. Jô Soares. 09/06/05”. E Paiva Netto, ao receber o livro, declarou: “Ao Jô, que, com sua verve, torna a nossa vida mais interessante, um beijo também”. (Simone Barreto) José Aparecido de Oliveira — Homem de vasta cultura e político de grande influência, que serviu o Brasil como Ministro das Relações Exteriores, foi o primeiro Ministro da Cultura e Embaixador em Portugal, entre outros cargos em sua extensa vida pública. Ele também foi o propositor da criação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e integra o Conselho da Ordem do Mérito da Fraternidade Ecumênica, do ParlaMundi da LBV. *2 Divulgação Cidade do Porto, Portugal. Revista Boa Vontade
  5. 5. Cartas Status da Mulher da ONU Venho parabenizar a revista Boa Vontade pela reportagem “Status da Mulher nas Nações Unidas” (Editorial de Paiva Netto), contendo a mensagem encaminhada pela LBV à 49a Sessão da Comissão do Status da Mulher, nas Nações Unidas, Nova York, EUA. É muito importante que sejam divulgados continuamente para todas as classes sociais os avanços conseguidos pelas mulheres nas suas lutas políticas, culturais, científicas e filosóficas, para a conquista da igualdade de gênero, conforme consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos. O Instituto de Pesquisas e Ensino da Cultura Espírita (IPECE), com sede em São Paulo, no Itaim Bibi, também desenvolve, no seu âmbito de ação, programa de trabalho no sentido de divulgar diretrizes de orientação para a mulher brasileira conscientizar-se a respeito de seu real papel a ser desempenhado na própria Humanidade. Como cita o escritor Paiva Netto, com relação à igualdade de gêneros: “Valorizar a Mulher dignifica o Homem”. (Claudine Tchekmeniam Carneiro — Diretora de Divulgação do IPECE) Lendo a BOA VONTADE (edição de nº 201), fico feliz em ver o progresso que nunca parou. Quando abro a revista e vejo tantas matérias que irão conscientizar milhões de brasileiros e estrangeiros, me emociono. (...) A LBV está muito à frente ao levar o verdadeiro status da Mulher, da Mulher espiritualizada, na ONU. Parabéns, Irmão Paiva e toda equipe da Editora Elevação. (Luiz Donizetti de Melo — Brasília/DF) A revista BOA VONTADE está passo a passo maravilhosa, do princípio ao fim, incluindo a apresentação, com colorido forte e vibrante. Todos os assuntos estão muito bem-escritos, a começar pelo da capa: “A Força da Mulher nas Nações Unidas”, passando ao “Alerta Verde”, “Estatuto do Idoso” e o grande sucesso do lançamento, na Bienal do Rio, do livro As Profecias sem Mistério. (Argencília Cândida dos Santos — São Paulo/SP) Manifesto o agradecimento dos meus familiares — minha esposa, Rosane, meus filhos Matheus Willians e Ana Clara — pelo maravilhoso livro As Profecias sem Mistério, fruto do Amor Humano Divinizado que toca nosso íntimo, o recôndito de nossos Espíritos. Esclarece nossas mentes, harmoniza nossas vidas e lares, enfim, reconduz a criatura ao Seu Criador. É como o viajante, cansado e sôfrego pelas árduas lutas da caminhada, mas, depois de muito perseverar, encontra o oásis, a Paz. Prezado Paiva Netto, minha família dedica-lhe estas singelas palavras que nasceram de nossos corações. Muito obrigado! (Anderson Willians Antunes Borges — Niterói/RJ) In memoriam Homenagem ao Deputado e amigo da LBV, Sr. Jorge Cauhy. F Revista Boa Vontade Arlete Genari Ao discursar, o Depualeceu, no último tado afirmou: “Este Título dia 31 de maio, o resgata uma dívida antiga Deputado Distrique o povo de Brasília tal Jorge Cauhy. tinha para com esse granNascido em 27 de janeiro de empreendedor e desde 1924, em Uberlândia/ pertador de almas. Paiva MG, mudou-se para a caNetto, empenhado no ideal pital federal em outubro de realizador de Alziro Zarur 1959. Casado, pai de cinco Jorge Cauhy (1914-1979), construiu o filhos, fundou e presidiu a Templo da Boa Vontade e o ParlaAssociação Comercial do Núcleo Bandeirante. Foi diretor da Junta Comercial Mundi (da LBV), materializando do Distrito Federal e membro efetivo do o que o fundador da Instituição Conselho de Desenvolvimento Social preconizava: a existência de um da Secretaria de Serviços Sociais. Em Campo Neutro, irrestritamente 1995, o Deputado prestou uma home- ecumênico, no qual todas as criatunagem ao jornalista e escritor José de ras pudessem confraternizar”. A Legião da Boa Vontade soPaiva Netto, laureando-o com o Título lidariza-se com os familiares e de Cidadão Honorário de Brasília, sendo entregue no Conjunto Ecumênico da amigos do Deputado Jorge Cauhy LBV. Foi a primeira vez que a Câmara e envia as mais sinceras vibrações Legislativa do DF se reuniu fora de sua de Paz e gratidão ao seu Espírito eterno. sede em Brasília. As Profecias sem Mistério: mensagem que conforta! O novo lançamento de As Profecias sem Mistério, do escritor Paiva Netto, traz assuntos de grande importância, contidos na Bíblia Sagrada, que são questões atuais para a Humanidade. Sem atemorizar ninguém, a sua mensagem apenas orienta qual o caminho melhor para trilharmos, sem opressão e fanatismo. Mostra-nos que vale a pena viver, mas com responsabilidade e muito Amor. Parabéns, Paiva Netto! (Gladys Farago Gomes — Joinville/SC) Gostaria de parabenizar o escritor Paiva Netto pelo lançamento da nova edição do livro As Profecias sem Mistério. Este, com certeza, é mais um presente que ele concede não só aos Legionários da Boa Vontade, mas a todas as pessoas que se interessam pela Espiritualidade. Tive a oportunidade de ver a capa desta nova edição (quando
  6. 6. Escrevo no intuito de dar os parabéns a Paiva Netto pelo lançamento da 54ª edição de seu livro As Profecias sem Mistério. Esta obra, em especial, personifica a Voz do que Clama no Deserto, alertando a Humanidade quanto à responsabilidade perante o seu livrearbítrio. Os escritos do autor jogam por terra a pregação dos especuladores da desesperança, aqueles que, sem nenhum fundamento espiritual-religioso, lucram com o desespero alheio. O medo tolhe o raciocínio das pessoas que, dessa forma, acabam sendo facilmente manipuladas. Esta obra, contudo, não torna os fatos profetizados em “água com açúcar”, como a dizer: “Relaxem, isso tudo que está relatado não irá acontecer”. Ele apresenta a medida exata do resultado da semeadura boa ou má da criatura humana. (...) Parabéns ao autor pela atitude inaudita de sempre convidar o Povo ao raciocínio, à reflexão sobre as ações do Homem na sociedade, sem jamais impor, porém, oferecendo aos que procuram o esclarecimento, a ferramenta do Amor Fraterno a abrir-lhes a consciência. Gratíssimo! (Mário Augusto Brandão — Glorinha/RS) O livro As Profecias sem Mistério, em sua 54ª edição, é mais uma grande contribuição de Paiva Netto para que a Humanidade perceba que está amparada pela Divina Causa de Jesus. Destaco o capítulo “Jesus, o Pão Vivo que desceu do Céu”, na apresentação do Evangelho do Cristo, segundo João, 6:48: Eu sou o Pão da Vida! e 50: Este é o Pão que desceu do Céu, para que se coma dele e não se morra!. Nele vemos a grandeza do Cristo em afirmar-nos que Ele é o Pão da Vida, com o qual estaremos livres da “morte” que é a ignorância espiritual, causa primeira de tantas problemáticas mundiais, que a cada dia banaliza ainda mais a existência humana. (...) A preocupação constante é o alertamento de Paiva Netto quanto à urgente necessidade de utilizarmos a Comunicação a serviço de Deus. “LBV é 100% Comunicação” é o seu lema. Basta vermos a Super Rede Boa Vontade de Comunicação, bem como sua brilhante literatura, que na verdade são produtores de conhecimento a serviço do bem-comum. (Eliane Maria Barcelos Silva — São Paulo/SP) Li, com muita honra, um dos primeiros exemplares da notável obra As Profecias sem Mistério, do escritor Paiva Netto. O iluminado título chegou às minhas mãos durante a transmissão do programa Ecumenismo, que tratava do tema “Dia de Pentecostes”*. Dialogava eu, àquela altura, com o Padre Silvio Andrei, da Paróquia Rainha Revista bonita, bem editada e erudita Agradeço a remessa dos exemplares da bonita, bem editada e erudita revista BOA VONTADE, que, para honra minha, abrigou modesto trabalho sobre o “Protocolo de Kioto”. Espero, em outra oportunidade e com assunto de interesse, merecer outra reprodução. (Desembargador José Carlos Teixeira Giorgis — Porto Alegre/RS) Arquivo pessoal Li com atenção as matérias da BOA VONTADE, que tem um novo formato, mais prático e moderno. De fato, um trabalho digno de aplausos. O conteúdo é forte em suas mensagens, verdadeiro em suas denúncias. A revista mistura o factual com a pesquisa da nossa verdadeira história e, mais, pode ser consultada por estudantes e pesquisadores. A matéria “Respirando a Morte” representa um ato de coragem e de amor ao Ser Humano (características do Irmão Paiva). A publicação é abrangente, tem largo perfil ecumênico. Uma revista a ser lida, guardada para consultas, que distrai e traz Paz à Alma do leitor. (Hilton AbiRihan, radialista e jornalista — Rio de Janeiro/RJ). Antônio Carlos estava ainda em fase de produção) e fiquei encantada com sua beleza e bom gosto. Não tenho dúvida de que continuará sendo mais um sucesso de vendas. Venho acompanhando as notícias do lançamento deste livro, todos os dias, pela Super Rede Boa Vontade (...). Também tive o prazer de ouvi-lo, ao vivo, comentando os novos capítulos da obra, o que me deixou muito feliz. Foi realmente um presente para mim. Muito obrigada por mais este presente! (Helen Winkler Baragão — e-mail) Fato e História dos Apóstolos da Igreja Católica Apostólica Romana, localizada na Vila Monumento, no Ipiranga, São Paulo/SP, e com o Ministro da Religião de Deus Jayme Bertolin. O Padre Silvio frisou, ao vivo, que o trabalho do Presidente das Instituições da Boa Vontade (IBVs) é um poderoso exemplo da ação do Espírito Santo. No trabalho de Evangelização e Apocaliptização da Humanidade terrena e espiritual a coleção O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração (da qual faz parte As Profecias sem Mistério) mostrou-se essencial, porque é a Revelação da Revelação. Jesus, o Cristo de Deus, foi quem falou da necessidade da presença do Paráclito para o avanço do conhecimento sobre as Leis Divinas. E a Missão do Líder da LBV é expressão singular e inequívoca da presença do Espírito Santo atuando na preparação da Volta Gloriosa de Nosso Senhor e Mestre. (Paulo Alziro Schnor — São Paulo/SP) ________________ *Dia de Pentecostes — A data é celebrada 50 dias após a Páscoa, quando se comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos. Revista Boa Vontade
  7. 7. Ao Leitor Os leitores da rBV têm bons motivos para celebrar este mês de junho. A começar pela escolha do nome da romancista Nélida Piñon para receber o “Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras”, distinção conquistada pela primeira vez por um escritor do Brasil. Nesta edição da láurea concorria o total de 31 candidatos procedentes do Brasil, Canadá, Estados Unidos, Holanda, Hungria, Índia, Israel, Kuwait, México, Noruega, Peru, Portugal, República Dominicana, Reino Unido, Suécia e Espanha. Um dia antes de o resultado ser divulgado, durante evento ocorrido em Oviedo/Espanha, Nélida concedeu entrevista exclusiva à BOA VONTADE, na qual conta detalhes da sua vida e de sua trajetória na literatura. Os ares do “Velho Mundo” também inspiraram o editorial escrito por Paiva Netto. Em seu artigo “Muro de Gerês”, o jornalista conta as experiências vividas em Portugal — quando lá esteve pela força de suas funções. Outro relevante fato a ser festejado neste período são os 49 anos de trabalho do dirigente da LBV, em 29 de junho, dia dedicado à memória de São Pedro e São Paulo. Foi nesta data que Paiva Netto iniciou seu apostolado em favor dos que padecem do corpo e da Alma. Por iniciativa da própria juventude, a comemoração para esta expressiva marca se dará no “30º Congresso Internacional do Jovem da Boa Vontade”, que se realizará em Uberlândia/MG, neste 25 de junho. Esta edição também chega para o leitor com uma novidade: a seção “Samba e História”, que traz a série de entrevistas feitas pelo radialista Hilton Abi-Rihan em programa de mesmo nome — exibido pela Super Rede Boa Vontade de Rádio e Rede Mundial de Televisão — com destaques do mais popular ritmo do nosso País. O estreante deste espaço é o cantor Pery Ribeiro, expoente da Bossa Nova e o primeiro a gravar Garota de Ipanema. Boa leitura! Os editores ANO XXIII • Nº 202 • junho de 2005 BOA VONTADE é uma publicação mensal das IBVs, editada pela Editora Elevação. Diretor e Editor responsável Francisco de Assis Periotto MTE/DRTE/RJ 19.916 JP Redação Editor Executivo: Gerdeilson Botelho Subeditora: Débora Verdan Revisão Adriane Schirmer Neuza Alves Walter Periotto Wanderly Albieri Baptista Colaboradores Alvino Barros, Antonio Paulo Espeleta, Daniel Rocha, Elias Paulo, Leonardo Mattiuzzo, Leonardo Roustaing, Maria Aparecida da Silva, Paulo Azor, Pedro de Paiva, Profa Nádia Lauriti, Rita Silvestre, Silvia Bovino e William Luz Arte Sumário Projeto Gráfico: João Periotto Capa: João Periotto e Alziro Braga Foto de capa: Arquivo pessoal da escritora Produção Edição nº 202 4 Editorial 8 Cartas 13 Coluna do Garotinho 14 Reportagem 18 Perfil 22 História 26 Turismo 29 Notícias de Brasília 30 Samba e História 32 LBV no mundo 10 Revista Boa Vontade BOA VONTADE 36 Atualidades 38 Especial sobre Paiva Netto 44 Espírito e Ciência 49 Literatura 50 Acontece 54 Melhor Idade 56 Ação Jovem LBV 60 Soldadinhos de Deus 62 Pedagogia do Cidadão Ecumênico Endereço para correspondência: Av. Rudge, 938 — Bom Retiro CEP 01134-000 — São Paulo/SP Tel.: (11) 3358-6868 — Caixa Postal 13.833-9 — CEP 01216-970 Internet: www.boavontade.com E-mail: info@boavontade.com Impressão: PROL Editora Gráfica A revista BOA VONTADE não se responsabiliza por conceitos emitidos em seus artigos assinados.
  8. 8. Sumário Editorial 4 4 Editorial LBV no mundo 32 Especial sobre Paiva Netto 38 Espírito e Ciência 44 Em seu artigo, Paiva Netto escreve “Muro de Gerês”. 13 Coluna do Garotinho José Carlos Araújo comenta a venda dos jogadores de clubes brasileiros aos times europeus. 18 Perfil Coluna do Garotinho 15 A renomada escritora Nélida Piñon — que ganhou (neste mês) o “Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras”, um reconhecimento nunca antes concedido a um brasileiro — conta detalhes de sua trajetória na literatura e vida pessoal. 22 História A saga de uma das figuras mais importantes do passado brasileiro, o Padre José de Anchieta. 32 LBV no mundo Perfil 18 Espiritualidade, ciência e consciência são o foco das discussões, durante seminário co-organizado pela Legião da Boa Vontade na Sede das Nações Unidas, em Nova York (EUA). 38 Especial sobre Paiva Netto Em homenagem aos 49 anos de trabalho do jornalista e radialista Paiva Netto nas lides da Legião da Boa Vontade, data que se comemora neste 29 de junho, a Equipe de Estudos Ecumênicos produziu matéria sobre uma de suas teses pioneiras: a Economia da Solidariedade, distinguindo-a da Economia Solidária. História 22 44 Espírito e Ciência O polêmico debate sobre a Eutanásia na visão do Dr. Osvaldo Hely Moreira, vice-Presidente da Associação MédicoEspírita de Minas Gerais. Ação Jovem LBV 56 56 Ação Jovem LBV Uberlândia/MG recebe a juventude do Brasil e do mundo para o “30º Congresso Internacional do Jovem da Boa Vontade”. O evento debaterá o tema “Política de Deus” e homenageará Paiva Netto pelos 49 anos de trabalho na LBV. Revista Boa Vontade 11
  9. 9. pelo autor
  10. 10. Coluna do Garotinho Campeonato Brasileiro: José Carlos Araújo é locutor esportivo da Rádio Globo do Rio de Janeiro/RJ C omo tem sido em épocas anteriores, o Campeonato Brasileiro começa de um jeito e termina de outro. Tal e qual nos últimos anos, despontaram no início os favoritos à conquista do título e às vagas nas competições internacionais, mas nada assegura que o panorama será o mesmo a partir do meio do ano. Tudo porque a abertura das contratações pelos clubes europeus sempre desfigura os principais times brasileiros. Em meio à competição, os grandes destaques acabam se transferindo para a Itália, Espanha, Alemanha, França, Portugal e outros centros menos conhecidos. Bem antes de o Campeonato Brasileiro principiar, a questão já era discutida. Sabia-se que os clubes perderiam seus mais importantes valores, porque não há como competir, em poderio financeiro, com os europeus. Os clubes brasileiros, sem grandes fontes de renda, não podem se dar ao luxo de não negociar seus jogadores. E não há como impedir também que um atleta, praticamente, faça sua independência financeira. A diferença entre o que os europeus pagam e os salários daqui é incomparável. Qual é a saída? Uns defendem que o calendário nacional seja adequado ao europeu. Assim, quando começar o período de inscrições para os clubes de lá, o Campeonato Brasileiro já terá terminado. Mas, nessa hipótese, pesa a questão climática: o inverno deles coincide com o verão daqui. As férias escolares européias são diferentes das nossas. Tudo isso influi no desempenho do atleta e também na aclimatação familiar. Outra idéia lançada é a de incluir no regulamento um item que proíba a transferência de atletas durante o período de disputa do nosso Campeonato. Essa medida garantiria que os clubes mantivessem seus elencos do início ao fim da disputa. Seja qual for a preferência, é importante que os dirigentes se reúnam e discutam a questão. É preciso, em atenção ao torcedor, solucionar o problema. O Campeonato Brasileiro tem brilho próprio, mas se os clubes continuarem perdendo seus astros durante a competição, o interesse do público tende a desaparecer. O atacante Robinho, do Santos, é exemplo de jogador brasileiro bastante visado pelos clubes europeus. Site oficial do Santos Reprodução BV197 dois em um. Revista Boa Vontade 13
  11. 11. Reportagem LBV Flashes solidários O renomado fotógrafo Chico Audi recebe em seus estúdios a classe artística para a campanha de 55 anos da LBV Débora Verdan e Natália Lombardi O fotógrafo e empresário Chico Audi visitou, recentemente, as instalações da Rede Boa Vontade de Comunicação (TV, Rádio, Internet, Editora e Gravadora), localizadas na Fundação José de Paiva Netto, em São Paulo/SP. Acompanhado por sua assessora, Tânia Cristina Matias, ao passar pelos ambientes, entusiasmouse com a organização. “Eu conheço todas as emissoras do País e fiquei pasmo com a estrutura da LBV, da televisão, do rádio, da internet. É um mundo! O mundo do Bem, da turma do Bem, como eu defini. A gente sente uma força especial aqui”, declarou. Durante a visita, Chico Audi conversou com o dirigente da LBV, o jornalista e radialista Paiva Netto. Para o empresário, esse bate-papo “foi uma emoção especial, uma energia muito boa ter tido a oportunidade de conhecer o senhor José de Paiva Netto. Foi algo que me fez pensar que talvez eu seja especial. Nas conversas, parecia que nós nos conhecíamos de longa data, eu fiquei muito à vontade e aí eu sinto por que a LBV tem essa força”. Sempre engajado nessas iniciativas, 14 Revista Boa Vontade Chico Audi fotografa, anualmente, em seu moderno estúdio localizado no Itaim Bibi, zona sul da capital, os artistas que participam das campanhas publicitárias da Organização, que, na análise dele, “faz parte da nossa vida porque aqui se faz o Bem. E não é só para mostrar não, aqui tem criança sim, na escola, estudando. Quando me perguntam por que eu ajudo a LBV, respondo: ‘porque essa criança que está estudando hoje na Instituição, tendo instrução, pode vir a ser um médico que poderá salvar a minha vida, a vida da minha família, ou de um amigo meu’. Então tem de ajudar sim! É tão pouco o que a gente faz que não pode parar nunca! A LBV é a verdade!”. Durante esses 55 anos, a LBV tem levado Amor, solidariedade, dignidade e cidadania a milhões de crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos, colaborando para melhorar a qualidade de vida deles, devolvendo-lhes o respeito próprio e a auto-estima. Os números comprovam essa realidade: somente em 2004, foram prestados mais de 3,5 milhões de atendimentos às populações em risco social e pessoal em todo o País.
  12. 12. Daniel Trevisan Amanda Françoso Daniel Trevisan Da esquerda para a direita: o casal Lucimara Augusta e Paiva Netto, acompanhado pelo fotógrafo Chico Audi e sua assessora, Tânia Cristina Matias, no Gabinete da Presidência, na Fundação José de Paiva Netto, em São Paulo/SP. Campanha de 55 anos da LBV Por isso, a significativa adesão das classes artística e esportiva às campanhas da LBV, o que vem, uma vez mais, confirmar a credibilidade da Instituição junto aos seus colaboradores. No dia 7 de junho, participaram a cantora Duda; as apresentadoras de TV Amanda Françoso e Solange Frazão; os esportistas Gustavo Borges e Oscar Schmidt; as duplas sertanejas Guilherme Santiago e Ataíde Alexandre; os grupos de pagode Bokaloka e Revelação; e o próprio Chico Audi. Após serem fotografados, os artistas, que doaram o direito de imagem e cachês, gravaram um VT Institucional que apresentará retrospectiva do trabalho realizado pela LBV em mais de meio século de fundação e aproveitaram para deixar uma mensagem especial ao Povo brasileiro: “Freqüentei uma das estruturas da LBV; fui ver de perto muitas coisas. Fui homenageado lá; as crianças fizeram coisas bonitas para mim. Tenho uma ligação muito boa e velha com a LBV. É muito bom você participar de uma coisa que dá certo, algo bonito que todo mundo reconhece como tal, e ceder aquilo que tem de mais precioso. No meu caso, o que tenho de mais precioso é a minha imagem, que construí com a Revista Boa Vontade 15
  13. 13. Reportagem Oscar Schmidt maravilha, a gente levar um pouquinho de carinho e Amor não só pela música, mas também mostrando nossa Boa Vontade. (…) Estou muito feliz mesmo de estar participando junto com a LBV. E espero estar anos e anos aí, colaborando também.” Duda “É uma mensagem tão simples: é só ter um pouquinho de Boa Vontade e atender a LBV. Vá visitar a LBV e você poderá ver crianças, toda a participação da idade mais jovem até a mais avançada, até a Terceira Idade. (...) É tão maravilhoso! O mais importante é você visitar e ver como é 16 Revista Boa Vontade “Para mim é um prazer imenso fazer este trabalho para vocês de todo o Duda coração. (…) Se cada um fizesse um pouquinho do que Paiva Netto faz pelas pessoas, o nosso Brasil, o nosso mundo seria muito melhor. A gente vê muitas crianças na rua, coisas ruins acontecendo. E é bom ter alguém como ele e como a LBV para ajudar ao próximo. (…) A gente está fazendo só um pouquinho do muito que a LBV tem feito pelo nosso País. (…) Ajudar ao próximo é muito bom. Eu estou muito feliz.” Simony “Nós estivemos há uns dois anos na Instituição (Supercreche Jesus e Instituto de Educação José de Paiva Netto). E mais uma vez agora, e, sem dúvida nenhuma, vemos cada vez crescendo mais o trabalho de vocês. A gente está aqui para poder parabenizá-los. Sempre que vamos (à LBV), voltamos impressionados com o carinho das crianças, das pessoas, dos professores. Ficamos muito felizes de poder ser uma prova viva de tudo isso que vocês estão fa- Grupo Bokaloka Gustavo Borges Guilherme Santiago Clayton Ferreira “(…) É um prazer imenso estar participando da Campanha da LBV, dos seus 55 anos. Quero agradecer ao Paiva Netto pela oportunidade que está me dando de participar, porque eu acho isso uma indispensável a sua participação.” Solange Frazão Fotos: Daniel Trevisan minha carreira. Eu a estou cedendo para que a gente possa fazer, ajudar, que a LBV seja cada vez maior e que cresça cada vez mais, ajudando tanta gente que precisa.” Oscar Schmidt Ataíde Alexandre
  14. 14. zendo aí (…), essa parceria do artista com a LBV, fazendo com que cresça cada vez mais para um futuro melhor. Estamos também aqui para isso, para somar e fazer com que o mundo fique cada vez melhor.” Ataíde, da dupla Ataíde Alexandre. Fotógrafo Chico Audi “(…) A LBV não é só uma campanha. Acompanho há quantos e quantos anos o trabalho bacana de vocês. Então, eu acho que a gente só pode, cada um à sua maneira, colaborar. (…) Eu quero agradecer a todos, mandar o meu forte abraço, a minha admiração, o meu respeito, o meu carinho ao Presidente Paiva Netto e a todas as pessoas que, direta ou indiretamente, colaboram com esse trabalho; a todas que atendem, Simony Solange Frazão que dispõem do seu tempo, das suas habilidades, do seu talento para ajudar. A vocês que são, com certeza, pessoas de Boa Vontade, fica aqui todo o meu respeito.” Amanda Françoso Elias Paulo Em seu moderno estúdio, Chico Audi fotografa Amanda Françoso. Grupo Revelação “(…) É um grande prazer fazer parte deste trabalho da LBV, comemorando 55 anos, e dar a nossa contribuição também para o social. Para mim, é um dever de todo cidadão, de todos nós, dar o nosso apoio. (…) A pessoa, o cidadão, cada um tem de fazer a sua parte, a sua contribuição para que a gente tenha um País melhor.” Gustavo Borges Revista Boa Vontade 17
  15. 15. Perfil Prêmio inédito para o Brasil Nélida Piñon é a primeira escritora de Língua Portuguesa a receber o “Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras” Leila Marco star à frente de seu tempo, e em muitos casos ser pioneira num feito. Esta tem sido a marca registrada da romancista e jornalista carioca, nascida no bairro de Vila Isabel, Nélida Piñon. No último 15 de junho, confirmou mais uma vez esta tendência ao ser escolhida para receber o “Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras 2005”. Um reconhecimento nunca antes concedido a uma escritora brasileira, em 25 anos de entrega da láurea. O anúncio da honraria ocorreu em Oviedo (Astúrias, norte da Espanha). Concorreram com a escritora os norte-americanos Paul Auster e Philip Roth e o israelense Amos Oz, após uma eleição preliminar que indicou os quatro nomes para a votação final, entre 31 candidaturas de diversas nações. Nélida, que tem uma biografia invejável, foi também a primeira brasileira a receber o Prêmio Juan Rulfo (1995) e o Prêmio Internacional Menéndez Pelayo (2003), além de ser a única mulher a ter presidido a Academia Brasileira de Letras (ABL). Segundo o Presidente do júri que a escolheu, Víctor García de la Concha, diretor da Real Academia Espanhola da Língua (RAE), ela tem sido “aclamada E 18 Revista Boa Vontade pela crítica como a voz mais destacada da literatura brasileira e transportou ao âmbito universal a complexa realidade da Ibero-América”. Dona de um talento precoce, começou a escrever, aos 10 anos de idade, e não parou mais. Ficou consagrada, em 1961, quando lançou o romance Guia-Mapa de Gabriel Arcanjo. Sua produção literária já foi publicada em mais de vinte países e traduzida para dez idiomas. Entre outros títulos de sua lavra, cabe ressaltar Tempo das frutas (1966); Fundador (1969); A Casa da Paixão (1972); Sala de Armas (1973); Tebas do meu coração (1974); A força do destino (1977); A República dos Sonhos (2002) e Vozes do Deserto (2004). Um dia antes da divulgação do resultado, a romancista concedeu entrevista exclusiva para o quadro “Abrindo o Coração”, da Rede Mundial de Televisão. No bate-papo com a repórter Isabela Ribeiro, evitou o “já ganhou”, e preferiu não comentar o prêmio em si. Mas presenteia o público com detalhes surpreendentes de sua vida, deixando surgir o perfil da mulher forte e senhora de suas vontades. Nélida também aborda o papel feminino na sociedade contemporânea e os obstáculos que enfrenta. Por sinal, quando ocupava o cargo máximo da Academia Brasileira de Letras, convidou a LBV para participar do projeto do Centro de Memória da ABL, e falou, na ocasião, à nossa reportagem: “Admiro muito José de Paiva Netto que está à frente de uma Instituição importantíssima, comovente, de atuação social única (...). Eu até convidaria esse homem excepcional, que tem um grande peso político, religioso e social que, por meio da Legião da Boa Vontade, estivesse à frente de uma campanha que eu julgo indispensável hoje, contra a violência, sobretudo a violência perpetrada contra a mulher. Isso vindo de uma voz masculina, de uma voz do peso autoral, moral, do Dr. Paiva Netto, seria extraordinário. E a Legião da Boa Vontade tem condições de assumir essa campanha pelo que representa no Brasil”, afirmou. Realmente o Líder da LBV sempre teve um pensamento afinado com essa permanente luta de valorização integral da mulher, a exemplo do que se pode ler em artigo de sua lavra, publicado na edição nº 201 da revista BOAVONTADE: “Status da Mulher nas
  16. 16. Escritora e jornalista Nélida Piñon na Academia Brasileira de Letras Nações Unidas”. Na matéria, apresenta relevante documento da Legião da Boa Vontade divulgado pela ONU em seus seis idiomas oficiais e entregue a delegações de Estado e a organizações não-governamentais — em que registra: “Pelo nosso prisma, a Mulher tem direito a ser Presidente da República, condutora de religiões, capitã de indústria, de aviões e navios transatlânticos; tem direito de ser médica, engenheira, professora... No trabalho, há um justo conceito de valor entre homens e mulheres: o da competência. Então, os sexos nisto estarão harmonizados. Que brilhe o Homem, que brilhe a Mulher, conforme a competência de cada um. Isto não quer dizer que homens e mulheres são totalmente iguais. Aí está pelo menos, de início, a anatomia para desmentir. O que quero dizer é que não se devem sustentar antigas barreiras e levantar novas, firmadas em tabus, preconceitos e interesses espúrios para impedir maior influência da Mulher sobre o destino do mundo. Homem e Mulher dependem um do outro. Completam-se”. Revelações de uma escritora BOA VONTADE — Qual a sua ligação com a Galícia, na Espanha? Nélida — Eu comecei a amar a Galícia muito cedo. Tive a felicidade de perceber logo que era uma menina, então uma mulher, de dupla cultura: a brasileira e a de casa, que era a cultura galega. Cresci em meio a muito amor, uma vida familiar forte, e que sempre me acompanhou. Pois bem, aos 10 anos a minha família decidiu — meus avós, Daniel e Amada; meu pai, Lino e minha mãe, Carmen — que seria hora de eles voltarem, passarem uma longa temporada na Europa. Sobretudo em Galícia. Os preparativos foram fenomenais. Lembro-me de que fomos encomendar as malas, não eram malas e sim baús. Como você vê no cinema, que as atrizes puxam as gavetas e vão saltando as peças. (...) Era um período em que a Espanha vivia um momento muito dramático, não só porque havia terminado a Guerra Civil e a Segunda Guerra Mundial, mas o país ficou numa situação difícil com os aliados. Não recebeu ajuda de modo algum. Então, havia uma penúria muito grande. Assim, levamos na nossa bagagem (só para as pessoas ouvirem, abrindo o coração), sabonete, goiabada, pessegada, café, fazendas, sedas, pasta dental. Tudo que você pode imaginar. E fomos com algum dinheiro, claro. De modo que, quando nós chegamos lá foi uma festa extraordinária. Há pouco, em fim de março, tive outra alegria profunda. Eu que já fui muito homenageada pela Espanha, inclusive com um anel de brasão, dado numa cerimônia, quando ganhei o título de doutor honoris causa. A primeira mulher a receber esse título em 504 anos. E, agora, recebi um título que foi aprovado pelo Parlamento: “filha adotiva de Cotobade”, que é um conselho de muitas aldeias. Minha família é de todas as aldeias. Foram dias de festas, e em uma dessas solenidades, havia uns 200 camponeses, tratores, todo mundo veio me ver, aplaudir. E um dos prêmios que ganhei, uma peça linda de esmalte, representando uma pontezinha modesta e uma capela, justo porque eles leram que o momento mais emocionante, quando chego a Galícia, foi naquele lugar. BV — Esses laços familiares muito fortes, o amor pela Galícia e Brasil contribuíram para inspirar suas obras? Nélida — Sim, marcou a minha sensibilidade, imaginação e capacidade Revista Boa Vontade 19
  17. 17. Selmy Yassud Perfil Por ocasião do seu centenário (1997), o saudoso Dr. Barbosa Lima Sobrinho foi cumprimentado pelo escritor Paiva Netto. O então Presidente da ABI estava acompanhado pela sua simpática esposa, Dona Maria José (centro), e pela então Presidente da ABL, a escritora Nélida Piñon. Certa feita, Paiva Netto declarou: “Se tivemos durante 103 anos um Dr. Barbosa, é porque ele teve uma Dona Maria José”. de inventar, de engendrar coisas. Eu acho que não seria quem sou se não fosse essa mulher de dupla cultura. Meus pais foram de uma generosidade extraordinária, abriam mão de coisas para eles, para me oferecer uma formação impressionante. Tenho uma dívida de gratidão excepcional com meus pais, pois me deram a oportunidade de estudar o mundo grego e latino. Tive uma formação que não era muito típica do católico, que leva você para o Novo Testamento. Como freqüentei colégio alemão, estudei muito o Antigo Testamento. Posso conversar sobre teologia do Antigo Testamento, porque me interessa muito o mundo religioso, das grandes religiões. Ganhei tudo isso, combinado com essa Espanha, da qual nós (brasileiros) também emergimos, fomos muito forjados por eles também, não só pelo africano e o indígena. BV — A senhora viaja bastante, as outras culturas estão presentes na sua obra? Nélida — Olha, no meu caso, excepcionalmente, é um enriquecimento acentuado. Mas também temos de levar em conta casos como o de Machado de Assis, que nunca saiu do Rio de Janeiro. Ele teria feito só uma viagem para Nova Friburgo (interior do Rio). E Carlos Drummond de Andrade só foi a Buenos Aires. Mas eram gênios. (...) Eu não seria quem sou, se não tivesse viajado, pensado, lido tanto, tocado de algum modo o coração desses outros povos. Sou uma mulher muito sensível, ainda bem que forte. 20 Revista Boa Vontade BV — Todo escritor tem uma preocupação maior. Qual seria a sua inquietação intelectual? Nélida — Tenho uma permanente inquietação, uma necessidade muito grande de ampliar o meu saber, o conhecimento. Eu não posso viver onde estamos se não tiver consciência de hoje e do passado. Gosto de freqüentar cinco mil anos de História. Como escritora o que me atrai muito, o que me faz tomar cuidado ou inquietar-me, é que quero ser capaz de criar um discurso inovador, rejuvenescido.Ter a sensação que ainda sou uma mulher renovadora, que pensa, que se atreve a destruir aquilo que sabia antes para criar uma coisa nova. Não tenho medo de enfrentar o desconhecido. Eu não posso perder a capacidade de emocionar-me, de comover-me, de ter compaixão e misericórdia. Nesse sentido sou muito São Paulo, gosto muito da linhagem teológica de Paulo. De (Santo) Agostinho. Saindo do preconceito que eles tinham com as mulheres. Mas isso é outra coisa. BV — O saudoso jornalista Samuel Wainer costumava dizer que todo jornalista é um literato fracassado ou vice-versa. A senhora acredita nisso? Nélida —Talvez ele quisesse dizer que pertenceu a uma geração, e ainda há alguns assim, de homens cultos, com grande leitura literária. Então sabia que às vezes o jornalismo pode ter uma escritura passageira, porque é consumida naquele dia. Ele sempre soube, ou terá sabido, que a literatura tem uma permanência extraordinária. Agora, eu sou uma apaixonada pelo jornalismo, mas são linguagens diferentes. Ele talvez tenha sido um pouco dramático, no sentido que haja fracasso nas duas instâncias criadoras, para o jornalista e o escritor. Cada um segue a sua vocação. Falta muito à grande imprensa brasileira a figura do repórter culto, que seja corajoso, quebre tabus, que não se deixe corromper de modo algum. Eles são essenciais para a vida da sociedade, para que ela veja o que está ocorrendo nos bastidores, nos subterrâneos, porões, grotões. BV — A sua estréia na literatura foi com o livro Guia-Mapa de Gabriel Arcanjo. Na obra, aborda a questão do pecado, do perdão, e também a protagonista conversa com o seu anjo guardião, fala da questão dos mortais com Deus. A senhora acredita nessa força maior, que existe uma Espiritualidade Superior? Nélida — Olha, esse livro eu escrevi com 17 anos, ele foi publicado quando tinha uns 22, 23 anos. Um momento da minha vida que estava inaugurando o meu corpo, minhas paixões. Em meio a tudo isso, possuía também grandes indagações metafísicas. Deus sempre foi uma presença muito forte na minha vida, porque venho de uma família religiosa. Mas interessante, esse amor a Deus, que sempre tive com absoluta naturalidade, nunca impediu que desenvolvesse uma atração pelo mundo panteísta dos deuses gregos. Não tenho na minha trajetória obsessões religiosas, nunca as tive. Sou muito aberta, sou inclusive iconoclasta em muitos aspectos da religião (...) Você sabe que os intelectuais não gostam de falar em Deus; eu falo, pois Ele me ajudou muito a viver. BV — Como a senhora avalia a mulher contemporânea na sociedade? Nélida — A mulher deu um salto extraordinário nos últimos cem anos, claro que não é um fenômeno novo na trajetória humana. (...) Ela foi abafada, humilhada historicamente, e vou lhe dizer, ainda hoje isso ocorre em muitos
  18. 18. países. (...) Mas também há mulheres que aparecem na ribalta, no teatro (não me refiro ao teatro físico) da vida, que exibem uma frivolidade, banalidade, vulgarização excepcional. Então, a tendência de certas pessoas é acreditar que elas se perderam em meio à liberdade; porque se desnudam, são promíscuas em muitos aspectos. Mas não é bem isso. Nós temos de entender que há Seres Humanos que se queimam na ascensão, outros mantêm-se equilibrados. (...) Não estou sendo moralista quando falo contra a promiscuidade, mas critico uma certa promiscuidade, e não a experiência de vivenciar o amor, a paixão, ou ter uma relação, ou seja, não é isso. O que percebo é que a promiscuidade é uma coisa pegajosa; anestesia a emoção. Não estou falando que a pessoa precisa amar para estar com alguém. Digo que essa promiscuidade — repito a palavra — faz com que a pessoa vire um objeto, perca a ternura no trato alheio, comece a achar que o corpo do outro é território da invasão, e não percebe que o seu pode também ser invadido, sem qualquer proveito. “Ah, não tem problema!”. Não é assim. O corpo é uma entidade. Eu sou o meu corpo. BV — “Valorizar a Mulher é dignificar o Homem”. Esse pensamento do jornalista Paiva Netto exprime a idéia de que valorizar o sexo feminino não significa desvalorizar o masculino. De fato não tem nada a ver uma coisa com a outra. Nélida — (...) É preciso dizer que, nesse processo de autodefinição, os conflitos são inevitáveis. E além do mais, só põem em evidência uma coisa que nós sempre soubemos e que é preciso saber: que além de sermos diferentes, somos mulheres. O Ser Humano é uma entidade privada e é muito difícil você se aproximar do outro, mesmo nas circunstâncias mais íntimas, o que é então uma maravilha também. Ou seja, nós não somos iguais; somos singulares, cada qual é uma singularidade. Portanto, requer um empenho profundo quando um se acerca, se aproxima do outro (...). BV — Mais uma vez gostaríamos de agradecer-lhe por nos receber. Nélida — Agradeço muito o convite de vocês, mando o meu abraço ao Presidente Paiva Netto, que sempre é muito gentil e carinhoso comigo. Admiro o trabalho (da LBV) e estou sempre à disposição, espero que tenha podido contribuir de alguma forma. Claro que o mistério é meu, mas procurei dentro das minhas possibilidades repartir com todos. Revista Boa Vontade 21
  19. 19. P História Prefácio de um jovem país A saga de Anchieta: o primeiro Educador do Brasil. D esde que chegou ao Brasil, aos 19 anos, em 1553, em uma frota que trouxe o segundo Governador-Geral, Duarte da Costa, duas coisas o Padre José de Anchieta nunca deixou de fazer: levar a mensagem da fé cristã e ensinar o que sabia aos índios e colonos dessas terras, mesmo que para isso fosse preciso enfrentar os mais rudes e hostis caminhos. Um outro grande baluarte de nossas artes, o músico e maestro Heitor Villa-Lobos (1887-1959), que teve nele um exemplo para o trabalho que empreendeu, disse certa feita*: “O maior homem da História do Brasil foi José de Anchieta, precursor da educação musical. Ele foi o nosso primeiro instrumento de cultura, lidando com gerações bárbaras. (...) Anchieta não se limitou aos objetivos imediatos, procurando despertar os sentimentos artísticos dos índios, através da música e do teatro. Só uma visão genial apreenderia, de tão longe, o privilégio desses processos da verdadeira cultura, realizando nas selvas a mais profunda dignificação do homem”. E com suas canções, poemas, sermões e peças teatrais — compostos por ele em latim, português, espanhol 22 Revista Boa Vontade e tupi — o religioso realizava a catequese, dando continuidade à missão da Companhia de Jesus, na qual fora recebido como noviço, dois anos antes da viagem ao mundo novo (em 1551), ainda em Portugal. A tarefa de Anchieta — que nasceu na Tenerife, uma das ilhas Canárias, pertencente à Espanha, em 1533 — e dos demais jesuítas, liderados pelo Padre Manuel da Nóbrega (1517-1570), não foi nada fácil. No Brasil daquela época, poucos eram os brancos, em relação ao número de indígenas, e, mesmo eles acabavam por abandonar os costumes originais. Enfrentavam ainda a revolta dos nativos ante as tentativas de escravizá-los. Nesta terceira leva em que chegou o noviço José, vieram mais seis outros padres, e logo foram encaminhados por Nóbrega a diversos locais no País. Para a capitania de São Vicente, sob a liderança do Padre Leonardo Nunes seguiu um grupo, e nele estava Anchieta. Em nosso país encontrou a vocação de ensinar, graças à grande bagagem adquirida durante os anos em que estudou no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, em Portugal, dos 14 aos 18 anos, no qual se tornou mestre da língua e lingüista, desenvolvendo os talentos da prosa, poesia e dramaturgia. Para lecionar, teve também de se comunicar com os nativos daqui, aprendendo as primeiras palavras do Abanheenga, língua geral dos índios tupis e guaranis, com o Padre Auspicueta. Foi José de Anchieta ainda que percebeu uma raiz comum entre os diversos dialetos indígenas, consagrando o termo “tupi” para designar essa origem. Anos depois, com o conhecimento que adquiriu, pôde escrever a Gramática da Língua mais falada na Costa do Brasil, em que dá as bases do idioma tupi. O livro passou a ser usado por todas as missões. A maior capital brasileira também tem estreita ligação com a saga heróica desses missionários, o que, certamente, influenciou o caráter pacifista do desbravamento das terras paulistanas. Boa parte das cidades despontou a partir da edificação de um forte, mas, São Paulo surge da fundação de um colégio, sob a inspiração de Nóbrega, e a participação de mais treze jesuítas, vindos de São Vicente. De um barracão próximo a uma aldeia de índios, surgiria a grande metrópole, e é o próprio Anchieta que
  20. 20. Revista Boa Vontade 23
  21. 21. História 24 Revista Boa Vontade
  22. 22. 1553 narra o fato em carta: “A 25 de janeiro do Ano do Senhor de 1554 celebramos em paupérrima e estreitíssima casinha a primeira missa, no dia da conversão do Apóstolo São Paulo e, por isso, a ele dedicamos a nossa casa”. Este casebre servia de dormitório, enfermaria, escola, refeitório, cozinha e mesmo de capela, até o crescimento da localidade e surgimento de novas e melhores construções. O Diretor-Presidente da Legião da Boa Vontade, José de Paiva Netto, é quem dá a esse episódio um caráter ainda mais especial. Para ele, não é por acaso que a maior cidade brasileira teve essa origem. Na década de 1980, estando exatamente no marco zero da capital paulista, no pátio do colégio, proferiu discurso, no qual destacava: “Quando você pretende transplantar para um jardim árvore de rara preciosidade, vai buscar o mais competente jardineiro. “Jesus transplantou a Árvore do Seu Evangelho e do Seu Apocalipse, da Palestina para o nosso país, como está revelado no livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, do Espírito Humberto de Campos. E foi buscar para essa obra gigantesca aqueles que, com Ele, a semearam, há dois mil anos, naquela distante região do Oriente Médio. “Foi buscar, evidentemente, os mesmos humildes jardineiros que O ajudaram, no Cristianismo primitivo, a fazer a semeadura da Árvore (...)”. Relembrando nomes como o de Anchieta, Nóbrega, Manuel de Paiva, Luiz da Gran, Diogo Jácome, João de Almeida, comenta o dirigente da LBV: “(...) A maioria renasceu no Brasil. E, aqui, no Pátio, eles fizeram o replantio da Árvore do Evangelho, com os parcos e primitivos meios que tinham em suas calejadas e sofridas mãos (...)”. Paiva Netto conclui suas palavras afirmando que, nos tempos atuais, se repete, a partir de São Paulo para o Brasil e o mundo, um novo ciclo de evangelização, só que pregando o Cristianismo do Novo Mandamento (Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei; João 13:34), preparando para essa grande missão todos de Boa Vontade, que são os bandeirantes modernos de Nosso Senhor Jesus Cristo! Mais de 4 mil versos latinos escritos, na areia, à Virgem Maria. E não é apenas neste episódio que o sacerdote se destacou, também na missão de paz com os tamoios, depois que estes, aliados dos franceses, fizeram uma tentativa de tomar São Paulo, em 10 de julho de 1562. Pois apesar da vitória portuguesa, o embate foi sangrento para ambos os lados. Manuel da Nóbrega vendo que as razões que levaram os tamoios a tal atitude foram as tentativas por parte dos colonos de Portugal em escravizá-los, e que, portanto, eram justos seus motivos, chamou Anchieta para ambos empreenderem a difícil tarefa de pacificação e amizade. Após intermináveis conversas entre os dois lados e enfrentando até mesmo o risco de morte, em sete meses que ficaram cativos, os jesuítas alcançam a paz com as tribos cujos chefes estiveram em Iperoig, Ubatuba/SP. É durante esse exílio forçado que o religioso escreve também o famoso poema de 4.172 versos latinos nas areias da praia, intitulado De Beata Virgine Dei Matre Maria (Da Virgem Santa Maria Mãe de Deus). Voltando para o Colégio São Vicente, José de Anchieta trata de passar para o papel os versos, decorados um a um por ele. Em 1567, expulsa com Estácio de Sá os franceses do Rio de Janeiro. Dois anos depois, é nomeado reitor do colégio de São Vicente e, em 1578, é elevado a provincial da Companhia de Jesus no Brasil. Neste tempo, viaja toda a nação para espalhar a fé cristã, visita colégios de padres, funda outros em Pernambuco, Bahia e Espírito Santo. Cansado e alquebrado pela doença e inúmeras atividades, deixa com a idade de 52 anos o cargo de provincial. Viaja para o Rio, mas a necessidade o faz ir para o Espírito Santo onde encerra seus dias, morrendo a 9 de junho de 1597, em Reritiba/ES, com 63 anos de vida e 44 de apostolado em nosso País. É tamanha a comoção na colônia com seu falecimento que mais de 3.000 índios acompanham o enterro, num percurso de 90 quilômetros, de Reritiba até Vitória, para despedir-se de um homem que, durante toda a sua existência, se dedicou a ensinar e a levar a fé em Deus. [L.S.M.] ___________ *Palavra extraída do livro Presença de Villa-Lobos (Brasília, Mec/Dac, MVL, 1970, p.114, v.5) Revista Boa Vontade 25
  23. 23. Turismo Uma das belas paisagens da Serra Gaúcha Serra Gaúcha As várias culturas da Europa no Rio Grande do Sul Débora Verdan Fotos: Prefeituras Municipais de Gramado e de Canela I r à Serra Gaúcha é como viajar para a Europa sem sair do Brasil. É uma mistura da cultura e da tradição européia com o charme brasileiro. Muitas pessoas pensam que as cidades dessa região ficam situadas na encosta de um morro, recobertas de neve nos dias frios do ano. E logo, cria-se a imagem de turistas diante de uma lareira, degustando um vinho ou saboreando um fondue num ambiente acolhedor, quente e rústico. A Serra é formada por três regiões: a de colonização italiana, a de tradição alemã e aquela em que predomina a cultura gaúcha, mistura que a torna um local único. Região das Hortênsias — Esta localidade é uma das mais bemestruturadas da Serra Gaúcha para receber o visitante. Os caminhos cercados por essas flores constam 26 Revista Boa Vontade dos melhores roteiros turísticos do Brasil. Hotéis, pousadas e restaurantes oferecem opções que vão do confortável simples ao refinamento sofisticado. Colonizada por italianos e alemães, revela muita influência da gastronomia dos dois países, traço que combina com a típica culinária gaúcha. Em Canela, a temperatura no verão é de aproximadamente 21,5°C e, no inverno, de 7,6ºC. Com cerca de 30 mil habitantes, a cidade tem, além da agradável hospitalidade, lugares que vale a pena conhecer como o Parque do Pinheiro, um dos mais antigos em todo o Sul do País. Estima-se que a árvore que deu nome ao Parque, e que ainda está em plena produção, tenha entre 500 e 700 anos de idade. Mede 42 metros de altura e 2,7 metros de diâmetro. Outro lugar atraente é a Floresta Encantada, que fica diante da Cascata do Caracol. Com extensão de 405 metros, o teleférico leva a um mirante com vista para a Cascata e para o Vale da Lageana. O parque
  24. 24. Setur/ Fotógrafa: Solange Brum. Ir à Serra Gaúcha é como viajar para a Europa sem sair do Brasil. É uma mistura da cultura e da tradição européia com o charme brasileiro. rante o Natal da Luz, por exemplo, Gramado recebe pelo menos um turista para cada habitante. O número de pessoas, na cidade, às vezes, dobra em um fim de semana. Uma das principais características do clima são as quatro estações bem definidas. A 900 metros de altura, a cidade apresenta temperaturas abaixo de zero nos meses de junho, julho e agosto. É quando ocorrem nevascas, e Gramado se veste de branco. Nessa temporada, brincar na neve é mais uma atração. A neblina, ou névoa, também é freqüente, criando a poética de um inverno verdadeiramente cinematográfico. Respirar o ar puro da região é comparável a vislumbrar belos e exóticos horizontes. Por um capricho da Natureza, o turista pode ter essas duas emoções e gravá-las para sempre na boa memória. Alguns dias em contato com a fantasia européia da Serra Gaúcha deixam o visitante influenciado pela magia do lugar. Tudo parece calculado para encontrar você e sua família. A tradição das casas enfeitadas e das ruas bem-cuidadas demonstra que, antes dos visitantes, os moradores foram os primeiros a se apaixonar pela SerFotos: Divulgação. proporciona a prática de esportes radicais com o trekking, mountainbike e canyonning. O visitante poderá percorrer as trilhas da Floresta Encantada para encontrar elementos da fantasia imaginária e desfrutar também de inúmeros equipamentos de diversão e lazer. Quem gosta de emoção não pode deixar de conhecer a cidade de Garibaldi. Lá, uma velha locomotiva, a Maria-Fumaça, encanta pessoas de todas as idades. É o único trem de passageiros do Rio Grande do Sul e faz um trajeto turístico pela Serra Gaúcha duas vezes por semana. Percorre 23 km, com uma velocidade de até 30 km/h, rangendo nos trilhos e soltando baforadas de fumaça entre os municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa. Na estação de Garibaldi, o passeio reserva cantoria italiana, simulação de assalto ao trem e degustação de vinho. Nesse município, também existe a Pista de esqui D. Santini, com infra-estrutura de parque, que oferece 350 metros de pista artificial para iniciantes, teleférico com 40 cadeirinhas, tobogã de 300 metros, restaurante panorâmico, chalés de montanha, artesanato e uma maquete da Serra Gaúcha. Todos os anos, durante o mês de julho, ocorre o Campeonato Brasileiro de Esqui. Outra cidade que encanta o turista, por sua beleza, é Gramado. Lá se realizam eventos importantes como o Festival de Cinema, que atrai brasileiros e estrangeiros. Du- A Cascata do Caracol, localizada em parque de mesmo nome, em Canela/RS, é um dos pontos turísticos mais visitados do Estado e tem uma queda de 131 metros. A entrada do Parque do Caracol, a natureza exuberante do local e o Castelinho, todos localizados em Canela/RS. Revista Boa Vontade 27
  25. 25. 1) O estilo europeu predomina nas construções; 2) A velha locomotiva ainda faz o trajeto de passageiros pela Serra Gaúcha duas vezes por semana, percorrendo os municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa e 3) As flores são uma das atrações do local 28 Revista Boa Vontade 2 3 Setur/ Fotógrafa: Solange Brum. 1 Photo.com ra. Quem resistir a esses encantos ainda corre o risco de se render ao sabor do chocolate artesanal, ao requinte dos fondues, à exuberância dos cafés coloniais ou aos temperos da comida italiana, alemã ou gaúcha. A Serra “Alemã” — Os municípios colonizados pelos alemães localizam-se na parte mais baixa da Serra. Em alguns deles, como o Alto Feliz, Feliz, São Vendelino e Tupandi, se tem a sensação de estar na Alemanha. Casas em estilo enxaimel, construídas no século passado pelos imigrantes, ainda são habitadas. Até mesmo as edificações mais recentes, com telhados em estilo silesiano e pintura colonial e no interior dos aposentos, lembram a imigração. A preservação do dialeto é questão de honra para os descendentes dos imigrantes. Em algumas localidades, o Português é tão pouco usado que os moradores têm dificuldade para recordar as palavras. Além do idioma e muitos hábitos, os antigos moradores também legaram a alegre e deliciosa tradição do Kerb, festa típica na qual não faltam lingüiça, cuca, chope e a animação das bandinhas. Vale a pena conhecer! Uma das descobertas mais encantadoras para quem percorre essa região do Rio Grande do Sul é perceber que os contos de fadas parecem reais. Flores nas janelas, jardins impecáveis, lagos cuidadosamente planejados e a arquitetura fazem com que esse pedacinho do Brasil se torne um cantinho da Europa. Divulgação Turismo
  26. 26. Roteiros do Brasil ura Armando Kitam Nilton Pred a Armando Ki tamura O monumento mais visitado de Brasília e seus ambientes — Na primeira foto, aspecto da Sala Egípcia; ao centro, perspectiva externa do Conjunto Ecumênico da LBV (ParlaMundi, Sede Administrativa e o Templo da Boa Vontade); e, na imagem abaixo, a Fonte Sagrada. Templo da Boa Vontade é destacado no Salão do Turismo de SP A procura dos turistas internacionais por boas opções nas regiões brasileiras tem se consolidado como uma das maiores fontes de renda para a economia do País. Prova disso são os primeiros resultados do Plano Nacional de Turismo — lançado pelo governo federal em 2003 — divulgados pela Embratur. Segundo o órgão, a atividade foi responsável por gerar um lucro superior a 1,6 bilhão de dólares para o Brasil, durante o primeiro semestre do ano passado. Para estimular ainda mais o cres- tes tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais dos destinos turísticos que oferecem as cinco regiões. Participaram do evento as Secretarias de Turismo de todos os Estados brasileiros, até mesmo a do Distrito Federal esteve com um estande no pavilhão vermelho. O Templo da Boa Vontade, como monumento mais visitado da capital do Brasil, teve destaque no estande da Setur/DF. Um banner do TBV foi estampado e folhetos de divulgação do monumento foram distribuídos. [R.O.] cimento do setor, foi realizado no Expo Center Norte, em São Paulo/SP, entre os dias 1º e 5 de junho, o Salão do Turismo, primeiro grande evento do gênero realizado no País, que trouxe 451 novos roteiros turísticos pelo Brasil, organizados pelo Ministério juntamente com agências de marketing, de viagens internacionais e governos estaduais. Teve como objetivo ampliar a oferta turística brasileira, descentralizando a procura de viagens dos destinos tradicionais. Nos estandes espalhados pela feira, os mais de 100 mil visitan- Subsecretário do Governo Federal Nádia Preda visita Templo da Paz João Areis Preda O subsecretário João Carlos Nogueira, da Secretaria Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial, órgão de assessoramento ao Presidente do Brasil e que compõe a estrutura da Presidência da República, durante visita ao Templo da Boa Vontade — A Pirâmide dos Espíritos Luminosos, fala de sua admiração pela proposta pedagógica da LBV. “Essa estratégia educacional, a partir de uma proposta precisa, a qual tive a oportunidade de conhecer melhor hoje, parte do pressuposto de que o Ecumenismo é um valor humano e um valor pedagógico. Nós temos a promoção da O subsecretário deixa seu depoimento registrado no livro de visitas do Templo da Boa Vontade igualdade racial também com uma estratégia de ação, e ambas buscam fazer com que as populações se encontrem. Não acreditamos que o desenvolvimento no nosso País, da nossa sociedade, possa se dar de forma equilibrada sem o encontro das diferenças pessoais”, ressalta Nogueira. Para o subsecretário “a LBV está de parabéns. Não basta você ter um grande projeto, é preciso ter uma proposta pedagógica, o sentido educativo dela, e hoje observei a movimentação das pessoas no interior da LBV. É um projeto vitorioso! E ele tem muito a fazer e contribuir com as políticas de governo e, sobretudo, com a sociedade brasileira”. Na mesma data da visita ao Templo da Paz, Nogueira participou das gravações do programa Brasil Democrático, veiculado pela Rede Mundial de Televisão. Revista Boa Vontade 29
  27. 27. Divulgação Samba e história Pery Ribeiro, expoente da Bossa Nova, foi também um amuleto para Carmen Miranda. Primeira voz para Garota de Ipanema Francisco Trombino O Reprodução BV A seção “Samba e História”, cuja série de entrevistas é comandada pelo radialista Hilton Abi-Rihan (foto), estréia, este mês, com o cantor Pery Ribeiro. ano era 1938. Um burburinho rondava a classe artística: o início da carreira de Carmen Miranda nos Estados Unidos da América. Mas algo não estava bem, os empresários americanos demoravam a encaminhar o contrato de trabalho da artista para o Brasil. Solução encontrada por uma conhecida dela: uma simpatia na qual Carmen teria de levar um bebê para casa e, se ele fizesse xixi em sua cama, no dia seguinte a correspondência viria. Dalva de Oliveira e Herivelton Martins, embora desconfiados da tal superstição, concordaram em conduzir o filho à residência da amiga. O pequeno Pery mal chegou e a cantora fez com que bebesse uma verdadeira cascata de sucos, vitaminas, água... e nada. Carmen começou a ficar desesperada e foi para a sala relaxar um pouco. Quando voltou ao quarto, uma surpresa a aguardava. Pery tinha feito tanto xixi na cama que seria preciso até trocar o colchão. Abi-Rihan (D), ao lado de Pery Ribeiro, durante o programa Samba e História, nos estúdios da Super Rádio Brasil AM 940 kHz, do Rio de Janeiro. 30 Revista Boa Vontade “Quero mandar um abraço ao Paiva Netto. Eu o conheci há muitos anos, na época do grande Alziro Zarur, e o Paiva Netto merece toda a nossa consideração, respeito e carinho, porque a Obra a que deu continuidade na LBV é algo maravilhoso.” Por mais estranho que pareça, a promessa deu certo e A Pequena Notável receberia, um dia depois, a tão sonhada carta com o convite para viajar para os EUA e tentar a sorte em Hollywood. Mesmo sem ter a mínima idéia do que estava ocorrendo, o menino participou deste curioso episódio. Como o destino costuma pregar peças, passado muito tempo, é o próprio cantor quem está trabalhando e morando na terra do Tio Sam. Recentemente, Pery Ribeiro esteve no Samba e História*1 para falar dessa nova fase da carreira, e aproveitou para dar os parabéns ao dirigente da LBV por ter criado uma atração voltada para a cultura nacional, que abre espaço até aos artistas que permanecem fora da mídia, mas que possuem talento. O programa, apresentado pelo consagrado radialista Hilton Abi-Rihan, é exibido pela Super Rede Boa Vontade de Rádio e Rede Mundial de Televisão, tendo neste número da revista sua seção inaugural. Durante o bate-papo, enviou um recado ao Líder da Instituição. “Quero
  28. 28. “Cada vez que vou a Brasília, jogo as malas no hotel, vejo se mandar um abraço ao tenho ensaio, pego um táxi e energizar”. Paiva Netto. Eu o co- vou lá para o TBV, pois quero Assim como os nheci há muitos anos, na milhões de peregrime energizar.” nos que freqüentam o TBV*2, o músico percorre a espiral da Nave, um ritual criado pelos próprios visitantes. “Tem um caminho no miolo da Pirâmide, em que há uma fila para ir ao centro. Você vai caminhando para sair daquele círculo, e é uma energia fantástica, fora a construção, um ambiente de primeiríssimo mundo”. O artista ressalta ainda o Ecumenismo Irrestrito preconizado pelo TBV. “Ali não importa de qual religião você é. O importante é estar dentro da Pirâmide e se energizar pelo que ela lhe oferece. E quando sai, a gente se sente leve, é Programa Samba e História — Exibido pela Rede Boa Vontade de Rádio, aos domingos, às 5 horas da manhã e às 14 horas. Na Rede Mundial de Televisão, aos sábados, às 23 horas, e aos domingos, às 15 e 23 horas. *1 *2 O Templo da Boa Vontade — A Pirâmide dos Espíritos Luminosos — já recebeu mais de 15 milhões de turistas e peregrinos, segundo dados da Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur), e está localizado no SGAS 915, lotes 75 e 76. Informações: (61) 245-1070. Carmen Miranda, A Pequena Notável. Reprodução BV época do grande Alziro Zarur, e o Paiva Netto merece toda a nossa consideração, respeito e carinho, porque a Obra a que deu continuidade na LBV é algo maravilhoso. Sei que ele gosta muito de mim e eu gosto muito dele. Temos uma admiração mútua e desejo que Deus lhe dê vida longa para continuar essa Obra maravilhosa, a qual ele deu prosseguimento depois de Zarur de uma forma magistral e divina”, disse. Foi o primeiro intérprete da música Garota de Ipanema (1963) — uma das canções brasileiras mais tocadas e gravadas no mundo (além de 3.000 vezes) —, de Barquinho, entre outras. Por isso, considera-se um dos pioneiros da Bossa Nova, que, segundo ele, é “o maior movimento musical brasileiro de todos os tempos”. O nome Pery Ribeiro foi presente do radialista César de Alencar, da Rádio Nacional. Antes o músico se chamava Pery Martins, mas a mãe, Dalva de Oliveira, questionava “se não usar Oliveira, não usará Martins também”, diverte-se. A estréia aconteceu por acaso, durante o programa Meio-Dia, da TV Tupi. Pery era cinegrafista. Num determinado dia, um cantor faltou na atração e, para não haver “buraco”, o apresentador Jaci Campos, que já conhecia o trabalho do cameraman, o chamou para cantar. O músico Luiz Bonfá o orientou em diversos momentos da carreira e foi quem o impulsionou a gravar seu primeiro disco 78 rotações, com as músicas Manhã de Carnaval e Samba de Orfeu, mas o primeiro sucesso foi Inteirinha, de Luiz Vieira. Com Bonfá, gravou o LP Pery Ribeiro e Seu Mundo de Canções Românticas, um estilo sempre presente em sua trajetória. Quando vem ao Brasil faz questão de visitar os amigos, parentes e o Templo da Boa Vontade, o monumento mais visitado da capital federal. “Cada vez que vou a Brasília, jogo as malas no hotel, vejo se tenho ensaio, pego um táxi e vou lá para o TBV, pois quero me uma sensação muito gostosa, de energia interior forte”, explica. Atualmente, Pery Ribeiro faz turnês com a cantora Leny Andrade com um repertório do melhor da Bossa Nova e do Jazz. Em novembro, há um concerto já agendado para a Europa. [D.V.] _______________________ Revista Boa Vontade 31
  29. 29. LBV no mundo No destaque, aspecto geral do evento, realizado na Sala de Conferência nº 1, na Sede da ONU, em Nova York/EUA. Da esquerda para a direita, compondo a mesa, Dr. Masaru Emoto, cientista e escritor japonês; o Embaixador Anwarul K. Chowdhury, de Bangladesh, Subsecretário-Geral da ONU; Dra. Ida Urso, Presidente da Aquarian Age Community; Maria Malaman, representante da LBV; e Iris Spellings, da Aquarian Age Community. Espiritualidade, Ciência e Consciência nas Nações Danilo Parmegiani Fotos: Eliana Gonçalves A reportagem abaixo foi publicada nos Estados Unidos pelos jornais Brazilian Press, Brazilian Voice e Luso-Americano. Os periódicos têm circulação em 12 Estados norteamericanos (Nova Jersey, Nova York, Connecticut, Massachusetts, Flórida, Washington, Virgínia, Maryland, Califórnia, Rhode Island, Pensilvânia e Geórgia). 32 Revista Boa Vontade Como as Dimensões Espirituais da Ciência e da Consciência podem ajudar as Nações Unidas e a Humanidade a alcançar melhores padrões de vida, num contexto de maior liberdade? Essa pergunta foi pauta do seminário co-organizado pela Legião da Boa Vontade (LBV), no dia 26 de maio de 2005, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, reunindo pesquisadores e lideranças internacionais em torno do desafio de encontrar caminhos mais eficazes para vencer os problemas que o mundo enfrenta na atualidade. Nesse contexto, o encontro representou um marco na formação do novo paradigma que deve ser estruturado para que se compreendam as dimensões espirituais e sua aplicabilidade no desenvolvimento sustentável do Planeta, apresentando propostas que vão ao encontro dos objetivos traçados pelo Diretor-Presidente da Instituição, José
  30. 30. Unidas Espiritualidade, Ciência e Consciência foram tema de seminário co-organizado pela LBV na sede da ONU em Nova York/EUA de Paiva Netto, desde 2000, quando lançou o Fórum Mundial Permanente Espírito e Ciência (FMPEC), da LBV (www.forumespiritoeciencia.org.br). O evento lotou a Sala de Conferências nº 1 da ONU. O entusiasmo do público surpreendeu até o comitê organizador, que, às vésperas, precisou transferir o local para um auditório maior, por causa da grande quantidade de inscrições. Abriu o seminário a musicista Dra. Eileen Kalaa Ain, conhecida por exibir composições de improviso a partir da vibração do ambiente. Em seguida, houve as palavras iniciais da Aquarian Age Community (Aquaac) e da LBV, que possuem status consultivo na ONU e lideram o subcomitê de organizações não-governamentais Dimensões Espirituais da Ciência e da Consciência. Redirecionar as prioridades mundiais, passando de uma consciência individualista e nacional para uma consciência global e elevada, proveniente da alma, foi tema do discurso da presidente da Aquaac, Dra. Ida Urso. Para ela, essa mudança renovará o sentido de liberdade. Já a educadora Maria Conceição Malaman, representante da LBV na ONU, saudou os participantes com a mensagem de Paiva Netto, intitulada “Transformação pela consciência espiritual”, constante do seu artigo “Questão de Morte ou de Vida?”. A Revista Boa Vontade 33
  31. 31. LBV no mundo Na imagem à esquerda: a equipe da LBV em Nova York; ao centro, Danilo Parmegiani, representante da Instituição no evento, aparece ao lado do Embaixador Anwarul K. Chowdhury; à direita, o lingüista e cientista social James Hurtak. platéia acompanhou atenta o texto por meio de publicação sobre o Fórum Mundial Permanente Espírito e Ciência — elaborada especialmente para esse seminário em três idiomas (português, inglês e espanhol) —, no qual o autor defende o reconhecimento, pelo Ser Humano, de sua identidade espiritual e a necessidade de sua integração no Amor. A representante do Conselho da Conferência das Organizações Não-Governamentais com Relações Consultivas para as Nações Unidas (Congo), Leslie Wright, compareceu ao encontro para prestigiar a palestra da Legião da Boa Vontade. “A LBV sempre faz um excelente trabalho”, afirmou. Outra personalidade conhecedora do trabalho da organização brasileira e que também participou do seminário foi o lingüista e cientista social James Hurtak, um dos palestrantes da Primeira Sessão Plenária do FMPEC, que ocorreu, em 2000, no Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica (ParlaMundi), em Brasília/DF. “O fórum da LBV é a centelha do que precisa ser feito pelo mundo, reunindo pensadores, educadores, jornalistas, doutores, pessoas de diferentes conhecimentos, cujas experiências nas dimensões espirituais tragam esperança à Humanidade”, recordou-se. As conferências principais ficaram a cargo de duas sumidades nas respectivas áreas de atuação. O Embaixador 34 Revista Boa Vontade Anwarul K. Chowdhury, de Bangladesh, Subsecretário-Geral da ONU, e o cientista e escritor japonês Masaru Emoto demonstraram, sob a ótica das relações humanas e da Ciência, a diferença que a Espiritualidade pode exercer na superação de desafios, como os oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), estabelecidos, em 2000, pelas Nações Unidas e assumidos por 191 países membros — entre eles o Brasil —, devendo ser alcançados até 2015. Evolução da consciência O Embaixador Chowdhury, reconhecido mundialmente pela função que passou a desempenhar em 2001, a de Alto Representante da ONU para os Países Menos Desenvolvidos, focou sua apresentação no impacto que a evolução da consciência pode causar no cumprimento dos ODMs. “É muito importante que as nações mundiais e a sociedade civil se reúnam no desenvolvimento dessa consciência para ajudar outras partes do mundo, sentir que fazemos parte de uma comunidade global e que, portanto, precisamos cuidar uns dos outros. Somente assim atingiremos as metas do milênio”, argumentou. A respeito da iniciativa de um evento na ONU da natureza desse seminário, disse: “Tudo está conectado. Temos de ter sempre em mente que cada aspecto da existência humana está inter-relacionado. Causamos impacto uns sobre os outros; então, temos de ter uma visão geral sobre toda a existência humana”. Particularmente em relação à obra que a LBV realiza, declarou: “Eu quero encorajar o trabalho que desenvolvem. Fazem um trabalho maravilhoso, o qual aprecio muito”. Mensagens Secretas da Água A pesquisa do Dr. Masaru Emoto, autor do livro The Hidden Messages in Water (Mensagens Secretas da Água), já foi apresentada no mundo inteiro, tendo sido traduzida para dezenas de idiomas. Tanta repercussão se deve ao fato de o cientista ter conseguido captar, por meio de microscópio, fotografias de cristais d’água congelados. As imagens tomam belas formas quando o líquido está exposto a palavras com boas vibrações. Do mesmo modo, o oposto ocorre, desfigurando o cristal fotografado quando palavras negativas e destrutivas são usadas. “Minha pesquisa pode, gradativamente, despertar nas pessoas os mistérios da vida, revelados pela água. Também poderão perceber a relação intrínseca que existe entre a água e as pessoas. Tudo vibra. Se criarmos boa vibração, criaremos bons fenômenos”, ressaltou.
  32. 32. O Novo Mandamento de Jesus e a ONU Uma das intervenções da platéia foi a da adolescente Mariana Malaman, integrante da Juventude Ecumênica da Boa Vontade nos Estados Unidos, que ficou empolgada ao ver as fotos dos belos cristais formados quando a água é exposta a palavras com boas vibrações. Dirigindo-se ao Dr. Emoto, contou a todos um pouco sobre o programa Peace and Good Will Garden (Jardim da Paz e da Boa Mariana Malaman Vontade), no qual jovens da LBV promovem atividades em escolas norte-americanas para mobilizarem estudantes a refletir sobre a paz, a concórdia e o amor, “inspiradas pelo Novo Mandamento de Jesus: Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei (João, 13:34)”. A pergunta de Mariana ao cientista foi se ele já teve curiosidade para saber qual imagem o líquido teria ao contato com o Mandamento do Cristo. Várias pessoas, depois da palestra, cumprimentaram-na pela participação e disseram que “seria certamente a mais bela de todas”, conta ela. A diretora da World Peace Prayer Society, Deborah Moldow, ressaltou essa marca do trabalho da Instituição. “A LBV é a demonstração prática dos ensinamentos de Jesus. Eu amo a LBV, porque ela não se preocupa com quem está certo ou errado, ou de quem é a culpa, simplesmente vai e realiza. Vive a consciência cristã e demonstra que o amor pode curar o mundo.” Sede das Nações Unidas, em Nova York (Estados Unidos). As atividades continuam O seminário foi resultado das atividades permanentes do subcomitê de ONGs Dimensões Espirituais da Ciência e da Consciência, o qual a LBV colidera desde outubro de 2004. O convite para integrá-lo partiu de Diane Williams, Presidente do Comitê de Espiritualidade, Valores e Interesses Globais de ONGs nas Nações Unidas, durante a realização da Segunda Sessão Plenária do FMPEC, também ocorrido no ParlaMundi, no ano passado. O grupo, composto de várias organizações parceiras que focam essa temática, pretende promover com outros comitês e organizações com status consultivo na ONU, em outubro de 2005, um grande evento, chamado “O espírito da ONU”, o qual celebrará ainda os 60 anos das Nações Unidas. Transformando o Homem a partir do Espírito No raiar deste novo milênio, o mundo enfrenta inúmeros problemas globais, que desafiam o Ser Humano a repensar conceitos e atitudes. O avanço tecnológico da Humanidade chega a patamares surpreendentes, contudo acompanhado pelo constrangedor paradoxo da crescente desigualdade social. Governos mundiais, as Nações Unidas e a sociedade civil empenham-se para garantir a sustentabilidade do Planeta e melhor qualidade de vida a todas as pessoas. Esse quadro do nosso momento histórico mostra uma etapa decisiva da trajetória evolutiva do mundo. O novo paradigma espiritual que surge acaba por se apresentar como medida urgente que promova a maturidade e a responsabilidade dos coletivos a partir da transformação íntima do indivíduo. Como pioneiramente apregoa Paiva Netto, “Cuida do Espírito, reforma o Ser Humano. E tudo se transformará”. Revista Boa Vontade 35
  33. 33. Atualidades Missão de Paz Crianças da LBV homenageiam soldados brasileiros que partiram para o Haiti O Simone Barreto Fotos: Jorge Alexandre. rgulho por representar o Brasil no cenário mundial, no cumprimento de tarefa no Haiti, misturado à emoção na despedida dos parentes que aqui ficaram. Assim foi marcada a solenidade do embarque de mais uma tropa do 3º Contingente da Força Expedicionária Brasileira (FEB), que partiu no dia 1º de junho do Rio de Janeiro/RJ — da base aérea do Galeão —, rumo a Porto Príncipe, capital do Haiti, com um total de 205 homens do Exército e 75 da Marinha. Cada grupo que participa da missão de paz da ONU permanece seis meses no País ajudado. O objetivo dos solda- dos é dar segurança à população, auxiliar na reconstrução das cidades e garantir que o processo eleitoral, que ocorre nos meses de outubro, novembro e dezembro deste ano, seja realizado de forma democrática e com sucesso. Antes de embarcarem, os militares cantaram o Hino Nacional Brasileiro e fizeram uma prece pedindo Paz para os povos e para que a missão fosse bem-sucedida. A convite do Tenente-Coronel Novaes, responsável pela tropa, e do Dr. César Bastos, da Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania do Rio de Janeiro, o Coral Ecumênico Infantil LBV cantou as músicas Pai-Nosso, Canção do Exército e Queremos a Paz, simbolizando uma homenagem em nome de todos os cidadãos do País. O Tenente-Coronel Novaes afir- mou ser importante a presença da Legião da Boa Vontade num ato tão significativo para eles. “As crianças cantaram no momento mais importante para nós, que é a hora do nosso embarque. O canto do Coral das crianças da LBV será o último som que os soldados vão levar da nossa Pátria. (...) Pode ter certeza de que vamos lembrar muito disso no Haiti. Nós agradecemos a presença da LBV aqui. Fiquem com Deus no Brasil e nós vamos torcer, também, pelo su- Coronel Mangiavacchi Dr. César Bastos Coral Ecumênico Infantil LBV emociona militares no Rio de Janeiro.
  34. 34. Major Mozart Ten. Cel. Novaes cesso de vocês”, disse emocionado. Para o Secretário Estadual de Justiça Dr. César Bastos “como todas as ações feitas pela Obra — que procuram levar às crianças uma noção sempre do civismo, da participação, não só do ensino, mas do envolvimento como cidadão integral —, neste evento elas estão tendo uma noção do que o Brasil vai fazer no Exterior. Isso faz crescer dentro das crianças, das próprias pessoas que são tratadas pela LBV, uma formação cidadã, vendo que o Brasil é participativo e que elas, por intermédio da LBV, podem ter participação integral num Brasil melhor”. Segundo o Major Mozart, da Força Aérea Brasileira: “É importante a presença das crianças nessas missões, principalmente missões da General Curado ONU, porque elas levam esperança para a tropa de Paz. Além disso, vemos que é mais uma parte familiar. Envolve os militares, a esperança de um futuro para todos nós”, frisou. O Coronel Mangiavacchi, Comandante do 3º Contingente da Força Brasileira de Paz para o Haiti, falou da incumbência brasileira e da mensagem dos pequenos da LBV. “Para nós, foi bonito, muito tocante ver as crianças da Legião da Boa Vontade homenageando, cantando canções militares, a Canção do Exército. É um grupo que tem ligação de amizade com as nossas unidades e gentilmente compareceu aqui, prestando a homenagem. É importante ter as crianças participando desses momentos”, finalizou. O General Curado, Comandante Haiti Área: 27.400 km² Clima: Tropical Idioma: francês e crioulo (oficiais) Principais cidades: Porto Príncipe (capital), Carrefour, Cap-Haïtien. Militar do Leste, também reafirmou o papel de Paz da missão ao Haiti, maior efetivo da ONU. “Nosso sentimento de família é bem arraigado no Povo brasileiro e, ele, nós levaremos para os nossos Irmãos do Haiti. Também estaremos presentes na reconstrução do País”. Religiosa enaltece trabalho educacional da LBV “O resultado do trabalho da LBV é o desenvolvimento e a transformação da nossa sociedade”, afirma Fariba Vahdat. que o trabalho que a Legião da Boa Vontade promove com os meninos e meninas trará bons frutos para a população. “Nas Escrituras Bahá’is encontramos um trecho que diz que ‘todo Ser Humano é uma rica mina em jóias preciosas, e que tão somente a Educação poderá revelá-la’. Com certeza, muitas ‘minas’ estão sendo garimpadas aqui, e o resultado disso é o desenvolvimento e a transformação de nossa sociedade. Parabéns!”. Após a visita, a representante da Fé Bahá’í participou, ao vivo, do programa Ecumenismo, transmitido pela Rede Mundial de Televisão. [R.O.] Cida Linares “Foi uma grande alegria poder visitar a LBV e testemunhar o trabalho maravilhoso que vocês têm realizado”. Essa foi a frase registrada por Fariba Vahdat, Coordenadora do Instituto de Capacitação Leonora Armstrong da Comunidade Bahá’í do Estado de São Paulo, no livro de depoimentos do local, após conhecer de perto o atendimento realizado pelo Conjunto Educacional da Obra — formado pelo Instituto de Educação José de Paiva Netto e pela Supercreche Jesus —, na capital bandeirante. Recepcionada pelo Coral Ecumênico Infantil LBV, a religiosa frisou Revista Boa Vontade 37
  35. 35. Especial sobre Paiva Netto Daniel Trevisan Flagrante Legionário: na foto preto-e-branco registrada em película, Paiva Netto realiza informal reunião com integrantes da Juventude Ecumênica da Boa Vontade de Deus. Economia da e Solidariedade Equipe de Estudos Ecumênicos Em homenagem aos 49 anos de trabalho do jornalista e radialista Paiva Netto nas lides da Legião da Boa Vontade, data que se comemora neste 29 de junho, a Equipe de Estudos Ecumênicos produziu matéria sobre uma de suas teses pioneiras: a Economia da Solidariedade, distinguindo-a da Economia Solidária. Para o Líder da LBV, a valorização humana tem seu foco na Espiritualidade. O Presidente das Instituições da Boa Vontade, José de Paiva Netto, por sua comprovada erudição e seus diversificados talentos é reconhecido 38 Revista Boa Vontade como um homem da renascença: jornalista, radialista, apresentador de TV, escritor, compositor, poeta, educador, empreendedor social e administrador. Consegue ser uma síntese rara, pois, ao mesmo tempo, é pensador, comunicador e homem de ação. Elaborou um sistema filosófico por meio do qual aborda as grandes questões da vida humana, sociais e espirituais: o Espiritualismo Ecumênico. A sua obra apresenta espírito e matéria harmonizados com a Lei Onidirigente da Vida e daí resultam os valores da Ética Ecumênica que dá acertada direção ao relacionamento humano nos campos econômico, social e político. Os conceitos que desenvolve reconhecem a religiosidade (coração-sentimento), a ciência (cérebro-razão), porém tudo sublimado pela essência espiritual (alma-intuição). A complexidade do conhecimento somente pode ser equacionada holisticamente se reconhecida a existência do Espírito (Energia Inteligente) criado à imagem e semelhança de Deus (Energia Superinteligente) definido por Jesus, o Cristo, como Espírito-Amor; e, pelo entendimento da existência das múltiplas dimensões em interatividade compulsória e perpétua: Na Casa de meu Pai há muitas moradas (Evangelho do Cristo,
  36. 36. Homenagem aos 49 anos de trabalho de Paiva Netto na LBV No ano de 1969, Paiva Netto iniciou a elaboração dos princípios da Economia Humana e Espiritual da Solidariedade Ecumênica (ou simplesmente Economia da Solidariedade Humana) dentro da Estratégia da Sobrevivência, antevendo o desfecho do chamado socialismo real e os limites do capitalismo globalizado que se seguiria. Os seus artigos publicados no Brasil e no Exterior, as palestras pelo rádio e pela televisão, os livros publicados em inúmeros idiomas têm inspirado muitos intelectuais na criação de propostas alternativas viáveis no território do pensamento econômico. O dirigente da LBV, durante o “29º Congresso do Jovem da Boa Vontade”, que reuniu milhares de moços em Goiânia/GO, em 3 de julho de 2004. Economia Solidária comparadas Revista Boa Vontade 39
  37. 37. Especial sobre Paiva Netto segundo João, 14: 2). A pedra angular do seu pensamento é o Novo Mandamento de Jesus: Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei (Evangelho do Cristo, segundo João, 13:34), porque demonstra que “a Ciência iluminada pelo Amor eleva o Ser Humano à conquista da Verdade”. Desde que a sua obra começou, há décadas, a ser disseminada pelo Brasil e pelo mundo, multiplicam-se grupos de estudos de seu pensamento que é do mais alto alcance e do maior interesse, por caracterizar-se como Espiritualidade aplicada aos campos objetivos da ação. Dentre eles surgiu a Equipe Paiva Netto de Estudos Ecumênicos com a finalidade de aprofundar a compreensão das idéias de seu patrono por meio do estudo, da pesquisa e do diálogo. Um dos temas que têm motivado jovens de todas as idades — “Jovem é aquele que não perdeu o ideal” — que participam deste aprendizado é a proposta econômica do Líder da LBV. No ano de 1969, Paiva Netto iniciou a elaboração dos princípios da Economia Humana e Espiritual da Solidariedade Ecumênica (ou simplesmente Economia da Solidariedade Humana) dentro da Estratégia da Sobrevivência, antevendo o desfecho do chamado socialismo real e os limites do capitalismo globalizado que se seguiria. Os seus artigos publicados no Brasil e no Exterior, as palestras pelo rádio e pela televisão, os livros 40 Revista Boa Vontade publicados em inúmeros idiomas têm inspirado muitos intelectuais na criação de propostas alternativas viáveis no território do pensamento econômico. Por ocasião do “8º Fórum da Juventude Ecumênica da Boa Vontade de Deus”, realizado em 17 de abril deste ano, no Espaço Ecumênico da Religião de Deus,em Porto Alegre/RS, sob o tema Economia da Solidariedade Humana, o trabalho a seguir foi apresentado. Na primeira parte, traremos a Economia Solidária, suas características, possibilidades e limites. Com esta finalidade buscamos o auxílio do livro Introdução à Economia Solidária, do notável professor Paul Singer, publicado no ano de 2003. E, também, do trabalho organizado pelo respeitado sociólogo Boaventura de Sousa Santos, Produzir para Viver, editado no ano de 2002. Na segunda parte, que será publicada no próximo número da revista BOA VONTADE, disponibilizaremos aos leitores um relato do desenvolvimento da Economia da Solidariedade Ecumênica, bem como as suas inspiradoras contribuições de vanguarda que repercutem, até mesmo, por meio de contribuições ao Conselho Econômico e Social da ONU (Ecosoc), conforme destacou o economista, ex-Ministro do Trabalho e Deputado Federal, Dr. Walter Barelli. Finalmente, a Equipe de Estudos Ecumênicos apresentará uma conclusão comparativa entre a Economia da Solidariedade Ecumênica e a Economia Solidária. Economia Solidária Origem — A Economia Solidária surgiu no início do século XIX em razão do empobrecimento dos artesãos provocado pela introdução de máquinas que deram início à Revolução Industrial. Na Grã-Bretanha houve a expulsão dos camponeses do campo para a cidade, seguida da exploração nas indústrias que surgiam degradando a vida do proletariado nascente. As indústrias caracterizavam-se por jornadas de trabalho que chegavam a 18 horas diárias. Entre a mão-deobra utilizada nas fábricas estavam a infantil e a idosa, o que prejudicava até a reprodução e manutenção da classe trabalhadora. Nesse panorama, o empresário Robert Owen (1771-1858) resolveu adotar algumas medidas que visavam humanizar o tratamento aos operários: limitou a jornada de trabalho, proibiu a utilização de mão-de-obra infantil e ofereceu a elas a oportunidade de estudar. As providências de Owen surpreenderam a todos pelo aumento da produtividade, mesmo ocorrendo o acréscimo das despesas (criando escolas, etc.), a empresa tornou-se bastante lucrativa. Esse fato atraiu a atenção de pessoas em todo o mundo que procuravam entender como o crescimento do bem-estar dos trabalhadores poderia gerar maior lucratividade. No ano de 1817, Owen apresentou ao governo britânico um projeto mais avançado com a finalidade de criar
  38. 38. meios de sustentação para o Povo que fora vítima da depressão vivida pelo Reino Unido. A idéia fundamental era o estabelecimento de Aldeias Cooperativas que tinham como meta viabilizar condições de trabalho na agricultura e na indústria que permitissem a subsistência dos cooperados. O excedente da produção seria trocado entre as Aldeias. O plano foi recusado pelo governo e Owen partiu para uma visão mais extremada de sua proposta. Ele passou, então, a objetivar uma mudança completa no sistema social e uma abolição da empresa lucrativa capitalista (Cole, 1944, p. 20). Desistindo da implantação de suas idéias na Grã-Bretanha, mudou-se para os Estados Unidos com o escopo de fundar uma Aldeia Cooperativa que seria um modelo de organização para a sociedade do futuro. O empreendimento não alcançou o êxito pretendido e Owen retornou à sua terra, em 1829. No período em que esteve fora, vários de seus seguidores realizaram empreendimentos inspirados em suas idéias, a exemplo da comunidade que publicou o jornal cooperativo The Economist. O owenismo foi também adotado pelo movimento sindical e cooperativo da classe trabalhadora. Em determinado momento, os operários objetivaram em suas greves não apenas obter melhores condições de remuneração e de trabalho, mas buscavam substituir os seus empregadores no mercado com a criação O que é Economia Solidária? Os meios de produção — Enquanto na empresa capitalista os meios de produção pertencem ao dono do capital, na empresa solidária o capital e os meios de produção pertencem aos que nela trabalham. Finalidade — A empresa capitalista objetiva exclusivamente o lucro, a empresa solidária procura maximizar a quantidade e a qualidade do trabalho. Propriedade — A empresa capitalista pertence aos investidores, a empresa solidária é propriedade de todos os trabalhadores por meio de uma divisão igualitária. Hierarquia e autoridade — Na empresa capitalista, o poder concentra-se no capitalista ou nos gerentes por ele contratados. Na empresa solidária, a administração é exercida por sócios eleitos para a função que a conduzem segundo diretrizes aprovadas em assembléias gerais, ou em conselhos de delegados eleitos pelos sócios. A empresa solidária é basicamente de trabalhadores que, apenas secundariamente, são seus proprietários. Lucros — Na empresa capitalista, o lucro é distribuído entre os investidores, remunerando o capital investido. Na empresa solidária, as sobras destinam-se a: fundo indivisível; reinvestimento; fundos sociais de cultura, educação, de saúde, etc, e, eventualmente, para divisão entre os sócios. Não há remuneração de capital, portanto não há lucro. Remuneração — Na empresa solidária, não existem assalariados. Todos os trabalhadores são sócios que fazem retiradas que variam conforme a receita. Em muitas situações existe diferenciação nas retiradas, de acordo com o que ficou definido pelos próprios trabalhadores. Responsabilidade e participação — A informação na empresa solidária é democraticamente compartilhada, pois todos têm responsabilidade sobre as decisões. Revista Boa Vontade 41

×