• Save
Jornal Laboratório Comunicaçao Real
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Jornal Laboratório Comunicaçao Real

on

  • 3,693 views

Jornal laboratório "Comunicação Real produzido pelos alunos do Curso de Jornalismo de Conselheiro Lafaiete - Ênfase em Webjornalismo.

Jornal laboratório "Comunicação Real produzido pelos alunos do Curso de Jornalismo de Conselheiro Lafaiete - Ênfase em Webjornalismo.

Statistics

Views

Total Views
3,693
Views on SlideShare
3,693
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Jornal Laboratório Comunicaçao Real Jornal Laboratório Comunicaçao Real Document Transcript

  • FOTO: Alex Milaggres Alunas da O programete Dia das Mães, produzido pelas alunas Érica Vieira e Fabiana Gonçalves, FOTO: Jacqueline Romero Ferreira UNIPAC são conquistou o segundo lugar na categoria rádio-novela, em concurso realizado durante a Expocom, como parte da programação premiadas em da Intercom-Sudeste, realizado no início de maio, em Juiz de Fora. Essa premiação, inédita em todos os campi da UNIPAC, é um congresso de reconhecimento da comunidade acadêmica pelo trabalho desenvolvido pelo curso de Comunicação da Universidade em Conselheiro Congado Comunicação Lafaiete. Página 4 e Editorial. o chamado vem do sangue e da fé Popula População FOTO: PM de Meio Ambiente de Mariana Uma das tradições mais antigas de est está atenta à Minas, o congado, ainda desperta preserva preservação a emoção e a religiosidade da população. A tradição é preservada da NATUREZA nos municípios do Alto Paraopeba e transmitida de geração a geração. Embora seja uma das principais fontes Um dos mais animados com os geradoras de renda para grande parte dos festejos é o capitão da Guarda de munic municípios do Alto Paraopeba, a mineração é Congado Marujo Nossa Senhora tamb também causadora da degradação ambiental, o que tem preocupado os moradores da região. regi do Rosário e Santa Efigênia, Luiz As Organizações Não-Governamentais e a Organiza Bento da Silva, que herdou do pai e pr própria população estão atentas à ação das mineradoras e exigem, em contrapartida às suas do tataravô a crença e o apego às açõ ações, medidas que preservem a possibilidade manifestações. de renovação dos recursos naturais. ▴ Erosão causada pela exploração mineral na região de Ouro Preto P Página 3 Página 4 Instituições dão FOTO: Frances Elen de Santana / Eliane Lourenço Viana amor e apoio Castro a Monteiro de para a continuação continua FOTOS: Julian da vida O trabalho desenvolvido por instituições de apoio à terceira idade e institui às crianças e adolescentes ganha cada vez mais importância na vida crian da sociedade atual. O Centro de Referência ao Idoso, em Conselheiro Refer Lafaiete, e o Lar Frederico Ozanam, em Ouro Branco, dão ânimo novo d ▴ Marivalda e José Barnabé são moradores do Lar à terceira idade, enquanto o Projeto Recriança, Recrian Frederico Ozanam também também de Conselheiro Lafaiete, busca ser o elo entre a criança, a escola e a família. crian Páginas 7 e 8 ◂ Os jovens aprendem a confeccionar ▸ peças de artesanato e a tocar instrumentos de percussão
  • 2 UNIPAC Lafaiete ▫ junho ▫ 2007 COMUNICAÇÃO RE@L ▫▪ Jornal Laboratório do curso de Jornalismo CONFISSÃO Um olhar sobre Em 1870, quando foi erguido, era difícil deixar de observá-lo: três a cidade para José Carlos Seabra Henriques metros de altura, um metro e meio de e caminhões cada vez circunferência e no alto uma fruteira Quantas vezes, Senhor, eu blasfemei mais velozes que passam onde se destacava um abacaxi. ferindo o Teu poder e onipotência. todos os dias ao seu lado. Quantos namoros começaram ali perto FOTO: Regina Cordeiro O peso de toneladas de Já não recordo as vezes que zombei do chafariz, sob o sol agradável de minério de ferro e concreto verão! Rapazes e moças chegavam em dos que pregam com fé Tua existência. que ajudam a construir o seus cavalos pela Rua Direita. Opa! progresso da região é um Rua Direita? Mas agora o motorista Quantas vezes , Senhor, triste incidência, dos responsáveis pelas está na rua Comendador Baêta Neves, Te vi nos tribunais e condenei trincas e rachaduras que impaciente pelo engarrafamento que ameaçavam as grossas segue para a UNIPAC. Pouca gente paredes construídas Teu silêncio aos que punem a inocência, sabe, mas em 1800 ali era a Rua com pedras e argila. Direita, um trecho do Caminho Novo, invocando a justiça, Deus e a lei. Mas, como tudo que fere passagem obrigatória para quem ia Há no mundo milhares de meninos também cura, a Gerdau para a capital das Minas Gerais – Ouro sem lar, sem pão, sequer uma camisa, AçoMinas, empresa Preto. Donzelas, coronéis e heróis símbolo do progresso, passaram por ali. e Tu dizendo : eu amo os pequeninos... se responsabilizou por Quis o destino que o Alferes resgatar o passado. A Tiradentes, após ser enforcado e ter ▴ Matriz de Nossa Senhora da Conceição reforma já dura um ano seu corpo esquartejado, tivesse os Por que o mundo , Senhor, é desigual ? B uracos, trânsito lento, buzinas, e ainda está longe de terminar, mas seus restos mortais carregados em Por que o homem que mata e que escraviza ultrapassagens e manobras que as torres e cores características do barris por esse mesmo caminho. Mas, é chamado, meu Deus , de racional ? fazem lembrar uma corrida maluca, barroco parecem prometer, a quem como a distância era grande, se faziam em que vale de tudo para chegar na lhes observa no meio do caos, resistir necessárias algumas paradas para a Conselheiro Lafaiete, dezembro de 2001 frente ou, pelo menos, mais rápido. por mais 250 anos. troca da salmoura. O cortejo fúnebre Os motoristas apressados, com parou, então, justamente na bifurcação Os motoristas que utilizam a avenida Telésforo Cândido de Resende para certeza devem esbravejar contra o onde hoje o motorista impaciente quase Cleiber Andrade chegar à parte alta de Conselheiro calor cada vez mais escaldante. Dizem erra o caminho para o seu destino. Lafaiete não percebem que no meio que é culpa do aquecimento global e A placa de sinalização dá o recado Membro da Academia deste caos urbano está uma igreja que, contra isso só existe uma solução: e conta a história do herói morto, mas de Ciências e Letras de embora tenha sido construída no século o ar condicionado do carro, que, o tempo é curto e a pressa de quem Conselheiro Lafayette XVIII, ainda está imponente. A Matriz ironicamente, também é o responsável passa por ali impede a leitura atenta. de Nossa Senhora da Conceição, em pela extinção gradual da camada de Contudo, o destino do nosso motorista estilo barroco, guarda os restos mortais ozônio. está perto. Amanhã ele fará o mesmo EDITORIAL No século XIX era diferente. A caminho e talvez, quem sabe, sobre um de figuras importantes da antiga Vila de Queluz, hoje Conselheiro Lafaiete. temperatura era bem mais amena e tempo para observar a torre branca e Premiação na Expocom Tombada como patrimônio histórico se por acaso o coronel precisasse azul, assim como a placa que diz que pelo município, o templo construído se refrescar, era só mandar alguém aquele caminho leva a vários destinos A UNIPAC Lafaiete obteve uma grande conquista com a premiação por escravos e índios possui obras do buscar água fresca no chafariz do diferentes. Passado e presente no das alunas Érica Vieira e Fabiana Gonçalves, ambas do 7º período artista alemão Guilherme Shumaker e Largo da Matriz de Nossa Senhora da mesmo local: às margens de um novo do curso de Jornalismo, em concurso realizado pela Expocom/ outras vindas de Portugal. Apesar de Conceição. Feita de ferro e bronze, ele caminho para o futuro. Sudesde - 2007 (Exposição da Pesquisa Experimental em ter resistido bem durante 250 anos às ainda resiste ao tempo, que parece voar Comunicação), promovida anualmente pela Sociedade Brasileira chuvas e ao sol, começou a ceder frente para quem está parado no semáforo de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom), o mais por Regina Cordeiro ao abalo resultante de carros, ônibus instalado bem pertinho. 5º período de Jornalismo importante evento científico da comunicação no Brasil. Elas concorreram na Categoria Rádio - Modalidade Radionovela, com vitrine cultural o projeto “Dia das Mães”, que narra os conflitos cotidianos entre mãe e filha. Ao conquistar o 2º lugar, numa disputa com centenas de alunos de faculdades de comunicação da região Sudeste, elas ajudaram a consolidar o nome da UNIPAC como instituição séria e comprometida com o desenvolvimento integral do aluno, por meio de ensino/pesquisa/extensão de qualidade e focado nas EDISON Edison é uma metrópole que em conseqüência da linha editorial da necessidades da sociedade contemporânea. Isso representa maior aparenta oferecer crescimento a publicação, que privilegiava matérias visibilidade para o curso de Comunicação Social da Universidade, todos. Nela vive Josh Pollack (Justin sobre política e polícia. “Eles afirmaram que em curto tempo já construiu uma imagem de seriedade no PODER E Timberlake), um ambicioso jornalista que estávamos falando demais e que o ensino/pesquisa de iniciação científica e na preparação do aluno CORRUPÇÃO que está iniciando sua carreira como ponto forte do jornal eram os repórteres”. para enfrentar, com competência, o mercado de trabalho. repórter investigativo num pequeno O que parecia um elogio, poderia ser, na Esta conquista deve ser creditada ainda aos alunos, ao jornal comunitário. Após descobrir fraudes na polícia local, verdade, uma ameaça velada. “Disseram que poderia acontecer professor-orientador e ao conjunto do corpo docente do curso de Pollack manifesta desejo de publicar a história, mas enfrenta alguma coisa comigo. Pensei em desistir pela minha família, mas Comunicação Social da UNIPAC. Merece destaque, em todo esse a relutância de seu chefe, Moses Ashford (Morgan Freeman). o amor pela profissão prevaleceu”, orgulha-se a futura jornalista. processo, a atuação do professor Geraldo Seabra, coordenador do O alvo de Pollack é a FRAT, a maior unidade de polícia da Durante dois meses as ligações foram rastreadas pela polícia, curso de Comunicação Social e orientador do trabalho premiado, cidade, que age no combate ao tráfico de drogas. No jornalismo sempre originadas de telefones públicos, mas os criminosos não na medida em que incentivou e garantiu o aporte teórico e investigativo, muitas vezes o profissional é visto como herói, foram identificados. metodológico necessário para Érica e Fabiana desenvolverem como aquele que arrisca a própria vida para cumprir o seu Para a estudante do 3° período de jornalismo da UNIPAC seu projeto. papel social. Conquistam muitos inimigos e acabam sendo Lafaiete, Juliana Monteiro de Castro, o filme causa impressões Importante referenciar o trabalho da coordenação do curso, vítimas de suas fontes: policiais, políticos ou personalidades diferentes em quem está cursando jornalismo e para quem que assegura as condições indispensáveis para que os alunos influentes. É o caso do jornalista global Caco Barcellos, ao já é formado. “Quando ainda estamos na faculdade somos tenham acesso às informações e às novas tecnologias. Entre as retratar em seu livro “Rota 66 – A história da polícia que mata”, motivados pelo idealismo. Acreditamos que vamos mudar o realizações da coordenação do curso destaca-se a Semana da a realidade de pessoas inocentes que foram mortas por mundo. Infelizmente, a verdade, na maioria das vezes, agrada Comunicação, que este ano focalizou o tema “Comunicação para policiais. Ele sofreu várias represálias. a poucos. Lidar com a informação é uma responsabilidade que resultados: o que o mercado espera do novo profissional?”. Este O caso de Tim Lopes também repercutiu por muito tempo pode representar risco”, destaca. evento proporciona rico intercâmbio não apenas entre o ambiente na mídia. Seu assassinato a sangue frio e com requintes de Mesmo com todos os desafios da profissão, o jornalismo acadêmico e os alunos, mas também destes com o mercado crueldade foi denunciado nos telejornais e documentários investigativo é muito importante para a sociedade. É uma forma profissional, reunindo num mesmo espaço os principais atores do exibidos em noticiários de vários países e retratado num de defesa do cidadão contra aquilo que ele, muitas vezes, não tem setor. programa sobre o tráfico de drogas no conjunto de Favelas do conhecimento. Jornalistas também morrem ao fazer uma simples A boa colocação das duas alunas, que já atuam no mercado Alemão, no Rio de Janeiro. cobertura diária. No Brasil, 27 jornalistas foram mortos entre 1996 do jornalismo, reflete também a seriedade com que as atividades Perseguições desse gênero não acontecem apenas na e 2006. O país é o 11° no ranking de mortes de profissionais da acadêmicas devem merecer na rotina estudantil, na medida esfera nacional. Uma estudante de jornalismo que não quis área. em que são, de fato, a iniciação para a inserção do aluno na ser identificada, trabalhava como editora num jornal no interior pesquisa científica, bem como do futuro profissional na vida da por Anizia Sol Vidal e Rosane Silveira Barbosa de Minas e em 2005 passou a sofrer ameaças por telefone comunidade. 3º período de Jornalismo REITORIA - Reitor Licenciado da Unipac] Prof. Bonifácio José Tamm de Andrada Reitor em UNIPAC LAFAIETE EXPEDIENTE exercício] Lauro Lopes Pinheiro Pró-Reitoria de Ensino e Assuntos Acadêmicos III] Profª.Floripes de Souza Veiga DIRETORIA - Diretor Geral] Carlos de Oliveira Cunha Diretor Acadêmico] MG 482 km 03 - Bairro Prof. Marcelo Alvim Jorge Diretor Administrativo] Dylan Moreira Franco Coordenador do Curso Gigantes/Caixa Postal 51 Comunicação Re@l de Comunicação Social] Prof. Geraldo Seabra Conselho Editorial] Prof. Geraldo Seabra, Profª. Conselheiro Lafaite ∙ MG Jornal Laboratório do Simone Melo, Profª. Lílian Bahia, Prof. Willian Adeodato e Prof. Anízio Viana Editor de Fotografia] CEP. 36.400.000 Curso de Jornalismo Prof. Hélio Passos Editoração Eletrônica] Prof.ª. Soraia Nogueira Editora-chefe] Profª. Lílian UNIPAC LAFAIETE Bahia Registro] MG05301 JP Revisão] Profª. Lílian Bahia, Prof. Geraldo Seabra, Profª. Simone Telefax: (031) 3769-4000 Melo, Prof. Willian Adeodato e Prof. Anízio Viana Impressão Gráfica] Fumarc – BH tiragem 1000 CGC: 17.080.078/0107-14 exemplares Site: www.unipaclafaiete.edu.br/unipacon E-mail: comunicacaoreal@unipaclafaiete.edu.br
  • UNIPAC Lafaiete ▫ junho ▫ 2007 3 COMUNICAÇÃO RE@L ▪▫ Jornal Laboratório do curso de Jornalismo TCC A HORA DA pelos professores Simone Melo, Geraldo Braga, Lílian Bahia, Anízio Viana e Darlan Santos. A definição dos temas a serem evidenciados nos trabalhos é baseada principalmente no critério que indica sua ligação com a identidade do povo, conforme orientação da equipe de professores, buscando as fontes de informação nos pilares da DECISÃO cultura e do folclore local e regional. Temas abordados nos Trabalhos de Conclusão de Curso: 1 ≡ O broco da Gerarda a partir de um olhar midiático – Autoria: Christiane Nogueira Lopes. Orientação: Anízio A conclusão de um curso traz sempre um certo alívio, mas também apreensão. Como ingressar no mercado de Viana. Co-orientação: Rondom Marques; trabalho, o que fazer, que caminhos seguir? Dentro do espaço acadêmico traz ainda outra preocupação: a elaboração e apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), pré-requisito para a oficialização do término do curso. Muitas 2≡ Marchas e contra-marchas de um carnaval: a maior festa dúvidas surgem nos últimos períodos e a mais comum é quanto ao tema a ser desenvolvido. Para ajudar os alunos a popular do Brasil, sob a ótica da imprensa lafaietense. definir o tema, assim como estruturar a monografia, a coordenação do curso de Jornalismo da Universidade Presidente Autoria: Regina da Silva Costa e Alexsandra Barbosa Antônio Carlos (UNIPAC) Lafaiete criou uma comissão de professores que se reúne periodicamente com os estudantes. Gabriel. Orientação: Simone Melo; Ao mesmo tempo em que representam um desafio, os TCCs apontam também novas perspectivas da formação do aluno na área de pesquisa em comunicação. Essas pesquisas são fundamentais não apenas para a formação acadêmica, 3 ≡ Ilustres anônimos. Autoria: Juliana Leijoto. Orientação: na medida em que o aluno aprenderá a fazer investigação científica, mas também na medida em que vai aproximá-lo da Anízio Viana; realidade da vida da comunidade, por meio da investigação de temas relacionados à rotina de vida da sociedade. 4 ≡ Agostinho Campos: sua influência por meio das ondas Segundo Geraldo Seabra, coordenador do curso de comunicação, a linha de pesquisa é estipulada em função do da Rádio Carijós. Orientação: Darlan Cunha; projeto pedagógico e os alunos devem adequar seus trabalhos a esta linha pré-elaborada pela comissão de professores 5 ≡ As peças teatrais apresentadas pelo curso de de Trabalhos de Conclusão de Curso, supervisionada pela professora Simone Melo. A universidade incentiva os alunos Comunicação Social e sua sistemática no contexto a pesquisarem temas que possam contribuir para o desenvolvimento da comunidade, o que enfatiza o compromisso da acadêmico e profissional do jornalista. Autoria: Cássio UNIPAC de se integrar à vida dos moradores de Conselheiro Lafaiete e região. Mendes. Orientação: Geraldo Braga; O professor Seabra lembra que tempo não falta para que a elaboração seja bem feita e o tema, escolhido com cuidado. O coordenador chama a atenção para o fato de que “o profissional de hoje deve ser também um empreendedor. 6 ≡ Jornalismo esportivo no rádio. Autoria: Hamilton de Se o tema do TCC for atual, pode apontar caminhos para o futuro profissional. Por isso o aluno deve estar antenado e Paula Maia. Orientação: Geraldo Braga; ver para onde o mercado sinaliza, para onde está a oportunidade de trabalho. É preciso apaixonar-se pelo assunto e ter 7 ≡ Desenvolvimento do jornal impresso em Conselheiro consciência de que o trabalho de pesquisa não é coisa que se faz na hora em que se deseja. É uma busca incessante até Lafaiete. Autoria: Rafaela Melo. Orientação: Lílian o final. Começar cedo e escolher bem o tema são imprescindíveis”. Bahia. Para a realização dos Trabalhos de Conclusão de Curso são destinadas 280 horas no último período para que o aluno possa se dedicar à pesquisa e buscar suporte de orientação. Quem já se decidiu quanto ao tema, ou mesmo para quem por Kátia Matos deseja orientação para definir o que vai pesquisar, e não quer deixar para a última hora, deve procurar a comissão formada 5º período de Jornalismo AMBIENTAL Movimentos degradação sociais, fiscalização das empresas e conscientização da regional preocupa especialistas população podem colaborar para a diminuição da degradação e impactos A ambientais na região. tividade fundamental para o crescimento econômico- social do Brasil, a mineração é responsável por 30% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) nacional e Degradação ambiental causada ▸ 35% das riquezas produzidas em Minas Gerais. Mas é também por exploração mineral na reconhecida como uma das principais causadoras da degradação FOTO: PM de Meio Ambiente de Mariana região de Mariana ambiental, o que torna imprescindível medidas que preservem a possibilidade de renovação de recursos naturais. O licenciamento e a fiscalização ambiental no Estado são responsabilidades do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) e conta com apoio técnico da Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), que possui em seu cadastro 173 barragens ligadas à mineração somente no Quadrilátero Ferrífero. A região do Alto Paraopeba, na qual Conselheiro Lafaiete está localizada Ampliar áreas de preservação e que abrange o Quadrilátero Ferrífero, desperta preocupação dos profissionais ligados ao meio ambiente e Organizações Para Rezende, que cursa Engenharia de Minas na UNIPAC Lafaiete, o grande potencial regional para crescimento Não-Governamentais (ONGs), que já constatam a necessidade industrial minerário traz a necessidade de aumento das áreas de preservação ambiental na região, apesar de algumas urgente de redução da degradação ambiental e seus impactos já terem sido atingidas pela ação degradadora da mineração, como o Parque das Cachoeiras em Congonhas. No na natureza. início deste ano, o recurso natural foi atingido por vazamento de finos de minério de ferro que afetou a normalidade e o As ONGs ambientais trabalham ativamente na preservação equilíbrio natural, começou na cabeceira do Ribeirão Santo Antônio. Em alguns dias a piscina foi limpa e liberada para da natureza, chegando algumas vezes a interferir nas obras uso, mas a companhia está sendo acusada por crime ambiental. de expansão das empresas, como no caso da Barragem de A CVRD esclarece que houve carreamento de fino de minério de ferro (material inerte) em função do volume de Marés II – Mina João Pereira, em Belo Vale. Há três anos a ONG chuvas na região. Tal carreamento ocorreu proveniente da barragem para o Ribeirão Santo Antônio, vindo a desaguar Associação do Patrimônio Histórico Artístico e Ambiental de Belo no Balneário do Parque da Cachoeira, localizado a cerca de 2 km da barragem. A Companhia garante não haver Vale (APHAA – BV) mantém embargada a obra de ampliação de nenhum tipo de comprometimento da estrutura da barragem, que está em perfeito estado e com todas as condições um depósito por meio de uma Ação Civil Pública em que a CVRD de segurança para sua operação normal, conforme constatado em vistoria da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Companhia Vale do Rio Doce) é acusada de crime ambiental (Feam). pela constatação de corte de vegetação da mata atlântica durante Nesse sentido, a Companhia Vale do Rio Doce apresentou ao Conselho Municipal de Defesa de Meio Ambiente tais obras. (Codema) de Congonhas um relatório técnico com a análise dos problemas de assoreamento identificados nas margens A Assessoria de Comunicação Social da CVRD explica que do Ribeirão Santo Antônio e no Parque da Cachoeira. O relatório contém uma proposta de medidas ambientais a serem todas as operações feitas nas obras de ampliação do depósito de executadas, como a recuperação do córrego Santo Antônio e revitalização do Parque da Cachoeira. A Companhia estéril de Marés II, localizado na mina de João Pereira, seguem enfatiza que a execução das medidas está condicionada à aprovação do Codema. as normas ambietais legais e estão amparadas em decisões da No intuito de evitar problemas ambientais graves como o ocorrido em Congonhas, a Prefeitura de Conselheiro Justiça. A Companhia destaca que o desmate para a construção Lafaiete fiscaliza as áreas ocupadas pelas empresas e suas obras de expansão, de acordo com Francis Maurice do Depósito de Estéril de Marés II foi realizado com amparo legal, Hubert Mouton, diretor do Departamento de Meio Ambiente. “A vistoria periódica foi um dos recursos encontrados pelo garantido pela licença do Instituto Estadual de Florestas (IEF). Os município para minimizar ou até mesmo evitar impactos ambientais na região” explica Maurice. técnicos garantem ainda que a implementação da pilha de estéril O diretor adianta que são realizados trabalhos voltados à conscientização da população para a preservação está de acordo com a licença ambiental expedida pela Fundação do meio ambiente e a observação de possíveis impactos ambientais causados por empresas. Essa preocupação em Estadual do Meio Ambiente (Feam), autorização do IEF e outorga informar a sociedade tem início nas escolas municipais, para que ao receber esas informações, as crianças sejam do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam). multiplicadoras do bem. Elas, que representam o futuro, já devem começar a lutar pelo bem-estar da nossa ecologia”, Segundo o secretário da APHAA – BV, Marcos Virgilio Ferreira destaca Maurice. de Rezende, engenheiro agrônomo pela UFLA, a preocupação com a preservação ambiental deve partir da sociedade, “já que as empresas possuem interesse maior na expansão e obtenção de por Márcia Maria 3º período de Jornalismo lucros do que em cuidar da natureza”.
  • 4 UNIPAC Lafaiete ▫ junho ▫ 2007 COMUNICAÇÃO RE@L ▫▪ Jornal Laboratório do curso de Jornalismo Alunas de FOTO: Allex Milagres Comunicação Social da UNIPAC LAFAIETE são premiadas na EXPOCOM importante para ela é que, “além da satisfação de ter feito esse programa, que nos trouxe uma premiação, vai fazer diferença no meu curriculum. Estou me formando no final do ano e pretendo entrar logo no mercado de trabalho, que, em nossa região, está saturado de profissionais ▴ Geraldo Seabra comemora o sucesso do de comunicação. Acredito que o esforço na elaboração trabalho com Érica e Fabiana desse trabalho nos ajudará a alcançar nossos objetivos”, enfatiza. O programete “Dia das Mães”, produzido pelas alunas Érica tempo oferecido pela programação radiofônica. Durante todo o ano A boa coordenação do curso, o nível elevado do corpo Vieira e Fabiana Gonçalves, do 7º período de Jornalismo da o programa, que narra a discussão entre mãe e filha, passou por docente da UNIPAC e os recursos tecnológicos disponíveis UNIPAC Lafaiete ficou em segundo lugar na Expocom-Sudeste várias adaptações, gravações e edições. aos discentes, na opinião das alunas, foram peças-chave (Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação da Segundo Érica, um dos diferenciais desse programa é o para o sucesso alcançado pelo programa. “Contamos Região Sudeste), realizada no início de maio, em Juiz de Fora, humor, “usado de forma bem tranqüila e com linguagem moderna. com total apoio técnico para a elaboração e a edição do como parte da programação da Intercom. Elas concorreram Narramos uma discussão entre mãe e filha, que fala sobre a vida trabalho. Não podemos deixar de ressaltar o excelente na categoria rádio, modalidade Rádionovela com centenas amorosa da garota. A mãe, sempre com muita sensibilidade, chama trabalho realizado por Rodrigo Samor, operador de estúdio de trabalhos de faculdades de comunicação de todo o País. a atenção da filha e tenta mostrar o erro de ter vários namorados. de gravação do laboratório de rádio da UNIPAC, que foi o O Intercom é o mais importante evento científico da área de Durante a conversa, usamos um humor ligth, que conquistou a responsável pela edição do programa”, destaca Érica. Comunicação Social no Brasil. todos”, explica. O projeto deste trabalho surgiu em 2006 durante as aulas Fabiana acredita que a produção desse trabalho foi muito de Radiojornalismo, ministradas pelo professor Geraldo Seabra, importante para o seu aprendizado, pois lhe possibilitou aprender por Márcia Maria 3º período de Jornalismo que sugeriu a atividade adaptada para os curtos espaços de detalhes importantes da linguagem radiofônica. Mas o mais C O NG A D O GADO a fé que canta Os rituais que antecedem as apresentações O ritual é cheio de significados. A rainha e o rei do Congo e dança são personagens importantes e têm a responsabilidade de carregar a coroa da guarda. Normalmente a coroa é transmitida de mãe para filha ou para sobrinha, mas em casos especiais pode ser entregue a uma eleita, de preferência “O que vale é o chamado do sangue. Tudo alguém da irmandade que tenha linhagem africana. “Nunca acontece com a batida do coração. Eu mesmo vou deixar de ser rainha de Nossa Senhora. Até lá no céu, comecei quando nasci. O congado é muito forte em eu vou continuar sendo”, emociona-se dona Luiza Natividade mim. Em 1994, quando eu tinha 25 anos, meu pai me Maia, de 80 anos, 10 dos quais dedicados ao reinado. Os passou a faixa de capitão. A vida inteira eu fui preparado homens também demonstram grande devoção e afirmam para, um dia, assumir esta responsabilidade; mas quando que “ser rei do congado é uma grande responsabilidade. chegou a hora fiquei inseguro”, conta, emocionado, o capitão É uma alegria. Já tive três rainhas”, brinca Paulo José dos da Guarda de Congado Marujo Nossa Senhora do Rosário e Santos, também com 80 anos, sendo 15 participando das Santa Efigênia, Luiz Bento da Silva. comemorações do reinado. Ele explica que estar à frente do grupo é uma grande Manter a indumentária colorida que chama atenção honra, justamente pela responsabilidade e pela tradição. Os de quem observa os cortejos pelas ladeiras históricas de dois momentos mais importantes da guarda são a passagem Congonhas nem sempre é tarefa fácil para os congadeiros. ▴ Mestre Luiz Bento: “Eu quero ser congadeiro a minha e a retirada da faixa de capitão. “Se Deus quiser e Nossa “Temos dificuldades de encontrar os tecidos. A fita de vida inteira” Senhora do Rosário deixar, eu quero ser congadeiro a cetim já sumiu do mercado, então os enfeites ficam Folia de Reis minha vida inteira”, enfatiza Luiz Bento, que hoje comanda descaracterizados”, lamenta Luiz Bento. Cada peça das A Folia de Reis é outra manifestação igualmente presente a terceira geração da guarda. Como não tem filhos, ele já vestes tem um significado específico. As jóias representam na cidade de Congonhas. Entre os dias 24 de dezembro, prepara seu sobrinho, Bento Apolinário dos Santos, de 10 a riqueza da África, a realeza em que os negros viviam, véspera de Natal, e 6 de janeiro, Dia de Reis, um grupo de anos, segundo os costumes e tradição do congado, para que num contraste com a realidade que vivenciaram depois, na cantadores e instrumentistas percorre a cidade em visita aos ele possa assumir a condução do grupo. condição de escravos. Fitas e faixas lembram as cores dos presépios, representando o mestre da folia, contra-mestre, O congado, congada ou congo é uma manifestação santos católicos e umbandistas. Também os instrumentos os três reis magos, palhaço e os foliões, trajando roupas cultural do festejo popular religioso de formação afro- são utilizados para ditar o ritmo do congado, como surdão, coloridas. Munido de seus instrumentos – violão, sanfona, brasileira. O dicionário Houaiss o define como um “tipo de caixa, caixa-de-repique, reco-reco, zabumba, chequeré, reco-reco, chocalho, cavaquinho, triângulo e pandeiro, dentre dança dramática que representa a coroação de um rei (e boiar, triângulo, chocalho e pandeiro. Na Folia de Reis são outros, cada componente entoa versos relativos à visita às vezes também de uma rainha) do Congo, constituída de acrescentados à lista o violão, a sanfona e o cavaquinho. dos reis magos ao menino Jesus. A Folia de Reis no Brasil cortejo com passos e cantos, onde a música acompanha a Cada guarda possui a sua peculiaridade para buscar a recebe forte influência dos ritmos e da dança portuguesa. expressão dramática dos textos”. Mas esta manifestação harmonia. Antes da apresentação são realizados rituais de A miscigenação dos portugueses com os negros e índios alcança definição bem mais ampla quando expressa pela preparação, mas geralmente os festeiros tomam um gole de resultou nesse estilo diferenciado. população e mescla crença religiosa com a emoção de cachaça curtida com raízes. Porém, constata-se a tendência Em 1995 foi fundado o Diretório Regional de Congado integrar uma comunidade que se sente irmanada pela tradição. em acabar com este costume porque é grande a preocupação Nossa Senhora do Rosário, Folia de Reis e Pastorinhas, Dessa forma, tal manifestação contribui para consolidar as por parte dos dirigentes com o uso abusivo do álcool, uma em Congonhas, com vistas a organizar os grupos, auxiliar identidades individuais e coletivas da comunidade. vez que muitos congadeiros já freqüentam o grupo Alcoólicos na parte burocrática de documentação para a composição Esta manifestação é profundamente respeitada na Anônimos (AA). de novos grupos, zelar pela caracterização das guardas região do Alto Paraopeba, localizada num populoso trecho do O ápice dos festejos do congado acontece no mês de e, principalmente, reerguer e manter os costumes e Circuito da Estrada Real e parece manter vivas as tradições outubro, quando se comemora o dia de Nossa Senhora do tradições do congado. “Antes não havia preocupação com do povo mineiro antigo. O Congado Marujo Nossa Senhora Rosário; guardas se intercalam e se entrecruzam, enchendo documentação. A guarda existia e pronto. Agora, com o do Rosário e Santa Efigênia, de Congonhas, tem origem na o adro da Igreja do Rosário com cores e ritmos. Pouco a diretório, é que percebemos a importância de registrar e guarda de mesmo nome, fundada em 1863 no Alto do Rio pouco é formado extenso cortejo e ocorre um dos momentos manter a documentação em ordem. Hoje, as guardas são Doce pelo Capitão Lucas Arruda, tataravô do atual capitão mais marcantes da tradição e os congadeiros parecem registradas no cartório, na Secretaria de Estado da Cultura, Luiz Bento da Silva. relembrar e cantar o tempo da escravidão. em Belo Horizonte, e devem ser publicadas no Diário Oficial”, O respeito e a devoção passam de pai para filho. “O pai Atualmente estão ativas em Congonhas as guardas explica Luiz Bento da Silva. tem a obrigação de transmitir para os filhos os costumes e do Congado Marujo Nossa Senhora do Rosário e Santa a tradição, mas o filho tem a liberdade de seguir ou não”, Efigênia, o Congado Beija Flor do Campinho, Nossa Senhora afirma Luiz Bento. Ao contrário do que muitos pensam, do Rosário Sereia do Mar e o Congado Dança de Langa qualquer pessoa pode participar dos festejos de congado, Nossa Senhora do Rosário do Alto Maranhão. Além dessas, independente da condição financeira, raça ou cor. “O que estão em atividade também seis grupos de Folias de Reis e por Jacqueline Romero Ferreira importa é a simpatia pelo movimento”, enfatiza o capitão. um de Pastorinhas. 3º período de Jornalismo
  • UNIPAC Lafaiete ▫ junho ▫ 2007 5 COMUNICAÇÃO RE@L ▪▫ Jornal Laboratório do curso de Jornalismo UNIPAC LAFAIETE forma primeira turma de jornalismo capacidade argumentativa, iniciativa e consciência do O mês de julho chega e com ele o marco de um da busca pela concretização dos sonhos, diversidade papel do jornalista na dinâmica da sociedade. importante momento para o Curso de Jornalismo da Unipac e profissionalismo, características primordiais aos “Espero que os alunos formandos estejam orgulhosos Lafaiete. A formatura da primeira turma que será realizada profissionais que buscam no jornalismo o caminho para da caminhada, da conquista e da formação recebida”, no dia 27 de julho é o resultado de quatro anos de esforço a justiça social e democratização da informação”, afirma ressalta o coordenador do Curso de Comunicação Social e dedicação. O que parecia um sonho agora se torna Rondon Marques, professor de Telejornalismo. da Unipac Lafaiete, professor Geraldo Seabra. É verdade realidade para estes alunos. Nessa trajetória acadêmica, A formatura da primeira turma e o fato de muitos que toda formatura certamente provoca uma mudança de muitos ficaram pelo caminho por diversos motivos. Mas já atuarem na área, traz novas expectativas para os vida. A realidade bate à porta e, o que parecia há quatro para quem conseguiu vencer os grandes desafios chegou a alunos de jornalismo e publicidade e propaganda. Isso anos ser um sonho, agora com o canudo nas mãos, tudo hora de comemorar. Além dos preparativos para as festas, demonstra que o mercado, principalmente no interior, está muda. Um mundo de certezas, incertezas e desafios e a grande preocupação do momento é a apresentação da em expansão e cada vez mais exige bons profissionais. medo, até mesmo para quem já ocupa um lugar no cativo monografia que finaliza a sua preparação acadêmica. A prática do jornalismo não está voltada apenas para mercado de trabalho. Após receberem o tradicional “canudo”, inicia-se uma a informação dos acontecimentos. Mais do que um “Se antes a faculdade parecia nos proteger, agora nova fase na vida como ser humano, cidadão e profissional. instrumento de veiculação noticiosa ele contribui para a a responsabilidade está somente em nossas mãos. Sou O exercício do jornalismo abre uma imensidão de novas construção da história da humanidade. um jornalista!!! E certamente ser jornalista neste cenário possibilidades diante do mundo. O fato de desempenhar Para muitos, os jornalistas são considerados as grandes mundial turbulento requer muito mais do que garra, o papel de informar, comprometido com a verdade e testemunhas da história contemporânea. E vivenciar esse requer, sobretudo, amor à profissão”, desafia Seabra. O responsabilidade social, requer dos novos profissionais momento em que se forma a primeira turma de Jornalismo coordenador salienta ainda que a ética, tão bombardeada, uma postura ética diante da sociedade. Segundo a da Unipac Lafaiete é algo extremamente gratificante. precisa ser resgatada, a palavra responsabilidade precisa formanda Rafaela Melo, a faculdade contribuiu muito para “Acompanhei as aventuras e desventuras desses alunos ser novamente difundida. “E como educador, acredito no a sua formação ética e moral, e se sente preparada para o - alguns, colegas de trabalho - e o que posso afirmar, com potencial de cada formando”. E, passados quatro anos mercado de trabalho. “O jornalismo mudou se comparado certeza, é que esse grupo é especial: por ser o primeiro e de luta, todos podem se orgulhar da qualidade do curso, com a prática de 10 anos atrás, quando não se aplicava por contar com pessoas que abraçaram o jornalismo não do ensino recebido e da competência dos nossos alunos. ainda a seriedade comparada com o mercado atual”, só como profissão, mas também como missão de vida”, “Tenho certeza de que são e serão bons profissionais”, avalia. festeja o professor e mestre, Darlan Santos. atesta Seabra. Parabéns e boa sorte! E que venham as Embora para muitos estudantes o mercado de A professora e mestre Simone Melo avalia que a novas turmas! trabalho pareça algo amedrontador, para os novos formatura da primeira turma do curso de Jornalismo jornalistas, a menos de um mês da formatura, o mercado é um marco para a instituição. “O nível dos alunos/ não é tão desafiador. A maioria dos formandos já atua profissionais que a universidade agora lança no mercado na área. Isso mostra as possibilidades oferecidas pelo mostra a seriedade do curso e a excelência do ensino curso e demonstra a qualidade dos alunos e da formação aqui ministrado”, analisa Melo. Para os formandos e o profissional proporcionada pela universidade. “Ninguém corpo docente fica o sentimento de realização de missão disse que ser o primeiro é fácil. A primeira turma que se cumprida. Afinal, os alunos que agora se lançam no por Kátia Matos, Flávia Clara, Kelly Daniella forma em jornalismo na Unipac Lafaiete é um exemplo mercado têm visão crítica da realidade da profissão, boa 5º período de Jornalismo ▾ Refaela da Silva, Regina Costa, Hamilton Maiae Alexsandra Barbosa. FOTO: Kátia Matos
  • 6 UNIPAC Lafaiete ▫ junho ▫ 2007 COMUNICAÇÃO RE@L ▫▪ Jornal Laboratório do curso de Jornalismo O OUTRO LADO saber exatamente o que diz, pois, depois de trabalhar em outra casa noturna pensou ter encontrado um companheiro ideal. “Ele era um homem bom para mim e meu filho, mas DA “VIDA FÁCIL”: não consegui suportar os ciúmes e tive que deixá-lo. Ele era meu príncipe encantado”, lembra. Sozinha, após procurar emprego por dois O dia-a-dia de profissionais que têm um sonho meses, se viu de volta à prostituição. Com um salário mínimo era impossível sustentar A realização de um documentário sobre quartos da boate por acharem os filhos e pagar o aluguel. “Comecei na a prostituição em Conselheiro Lafaiete pelos mais seguros. A maioria rua, agora trabalho num lugar onde me sinto alunos do segundo período de Jornalismo trabalha na profissão há mais mais protegida”, disse ela. Seu primeiro da UNIPAC, em 2006, vai ficar na história do de cinco anos e não mantém programa foi aos 16 anos. “Era um senhor curso de Jornalismo da Universidade, pois, relação sexual sem proteção. grosso e de meia idade. Muito frio, ele me além do aprendizado acadêmico, a turma O primeiro contato revelou tratou como mercadoria. Senti por ele tanto FOTOS: Everaldo Gomes, teve oportunidade de pesquisar e conhecer fatos interessantes sobre a nojo e desprezo, mas não podia voltar atrás. Fábio Vieira, Rosane Barbosa e Sérgio Laviann mais de perto um tema sempre marcado por vida das garotas como, por Ele me ofendeu muito com palavras e tentou preconceitos e tabus. Os estudantes tiveram exemplo, as fotos na mesa da me agredir”. sala demonstrando que, apesar da profissão, As gravações chance ainda de aprender e desenvolver Seu filho mais velho mora com a técnicas de produção de telejornalismo, elas mantêm estreita relação com seus A principal preocupação foi com a não- avó e o caçula, a poucos metros do seu redação e edição de textos. familiares. Bichinhos de pelúcia enfeitam identificação das personagens (razão pela trabalho. “Hoje separo minha vida pessoal O trabalho foi detalhado e discutido um dos quartos, assim como um terço na qual todos os nomes aqui utilizados são da profissional com o asfalto. Tudo que em sala de aula com o professor Sérgio cabeceira da cama, numa demonstração de fictícios) mas, também, com o cuidado de ganho é para cuidar dos meus filhos”. Laviann, que ministrava a disciplina fé e esperança por dias melhores. Fabiana desmistifica a lenda de que garotas não perder nenhuma expressão durante as Seminários Integrados de Arte e Cultura, na Cristina, 37 anos, belos cabelos loiros, filmagens. Olhos em super close, às vezes de programa não beijam na boca, “isso é época. A turma saiu a campo para realizar divorciada e mãe de quatro filhos, se rasos d’água, deixam clara a emotividade mentira! Se os homens são feios e pagam o documentário “Jogos de dados I”. Foram apresenta diante da equipe vestida com diante de questões sobre a vida cotidiana. a mais a gente beija. Ser forem bonitos, nem montadas equipes responsáveis pela mini-saia e top. Simpática e extrovertida, diz Expressam a busca por pensamentos e precisa pedir, o beijo vai de graça mesmo!”. seleção de elenco, fotografia, sonoplastia, Olhos de menina que aos 23 anos se viu abandonada pelo lembranças sobre vivências certamente reportagem, dados estatísticos, edição e marido e responsável por quatro crianças. desconhecidas ou desacreditadas por muitas Renata sente-se incomodada com a produção. O primeiro passo foi a criação do “Trabalhei em lojas, padarias e casas de pessoas. câmara e pede: “Não vão filmar todo meu history board (desenho de cada cena) pela família. Mesmo assim meus filhos estavam rosto, não é? Caso esse trabalho fique Carol, 22 anos, chega vestida com equipe de produção. passando necessidades e esta atividade foi roupas comuns, como as que usa para ir a famoso, não quero que minha filha me a única forma que encontrei para sustentá- uma balada. Sobre a pele clara, algumas reconheça assim”. Ela fala de sua infância Garotas de programa abrem o jogo los”. e do relacionamento difícil com o padrasto tatuagens chamam atenção. Ela esclarece A equipe de seleção de elenco Com mais de dez anos de prostituição, que escolheu esta profissão por curiosidade e conta que, num momento em que sua procurou a boate José Ramires, ela já trabalhou em boates de Belo Horizonte e pelo dinheiro. “Penso no meu futuro, só família estava reunida, o padrasto convidou popularmente conhecida como JR. Lá e em São Paulo e confidencia que “passar isso. Tudo que eu ganho vai para uma todos a assistirem um filme que baixou na trabalham aproximadamente 40 mulheres, pelo que eu já passei só Deus sabe como poupança. Como qualquer garota, quero sair internet: era um trabalho que ela havia feito com idade entre 20 e 30 anos, que devem até hoje ainda estou viva!”. Ela diz que, logo daqui”. Decidida, desde cedo abriu o para uma boate de Belo Horizonte. A jovem ter documentação completa e idade mínima apesar do dinheiro compensar, em média jogo com seus pais: “minha família sempre estava com sua filha de meses no colo. de 18 anos. Elas fazem de três a quatro R$ 800,00 por semana, a vida é muito dura, soube o que faço, não quis esconder. Foi a Na tela, um clipe onde ela aparecia nua. programas por noite, cobram em média pois freqüentemente sofre agressões físicas, minha opção e eles precisam respeitar. Como Após esse fato, as discussões tornaram-se R$50,00 por hora e preferem utilizar os suporta a falta de higiene e de humanidade não aceitaram, eu me afastei deles”. Bem à ainda mais freqüentes e a situação ficou dos clientes. insustentável. Com 19 anos deixou sua vontade, ela falou do seu antigo sonho de Ao falar dos filhos ela se emociona e fazer Medicina, mesmo não tendo concluído casa, sofreu agressões físicas e também afirma que eles são “tudo o que eu tenho na o ensino médio. Hoje já não tem esperanças se feriu emocionalmente. Renata é vaidosa vida. Não sei qual seria a reação deles se de continuar os estudos e não sabe o que vai e preocupada com seu futuro. Seus planos soubessem minha verdadeira profissão”. Com fazer quando deixar a boate. incluem abandonar a profissão e abrir uma relação aos cuidados com a saúde, Cristina pequena confecção para sua mãe. Um caminho sem volta explica que sempre usa o preservativo e faz exames regularmente. Ela conta que recebe Num quarto de paredes brancas com de três a quatro clientes por noite, sendo que fundo vermelho, Fabiana, 22 anos, encanta “a maioria é casada. Eles procuram em nós a equipe de jovens jornalistas com sua o refúgio e o carinho que muitas vezes faltam espontaneidade. Com gestos expansivos e em seus casamentos”, enfatiza. Apesar das naturais, transmite aos entrevistadores um marcas, que denunciam a vivência sofrida, ar de sinceridade. Mãe de dois meninos, ela Cristina ainda tem fantasias e sonha com um precisou abrir mão de seus sonhos muito grande amor. Seu maior desejo é deixar a cedo. “Não sou feliz; ninguém é feliz aqui! prostituição, casar-se para reconstruir sua Tudo isso é uma prisão. Algo que vicia. Você família e ser feliz. pode até sair, mas volta”, afirma. Ela parece Alunos do 3 º período de Jornalismo ◘ OS ENTRAVES DA PRODUÇÃO INDEPENDENTE ◘ SELEÇÃO MUSICAL A trilha sonora de trabalho foi escolhida de forma a dar um clima ideal Em todas as etapas da produção do documentário os alunos tiveram dificuldades a superar, pois às cenas. As faixas são, em sua maioria, agitadas, do ritmo “dance”, que se o script incluía tomadas em vários lugares, como, por exemplo, na calçada, no apartamento, no centro encaixam perfeitamente nas noites de boemia que as garotas freqüentam. da cidade e no posto de gasolina. Essa última foi a mais emocionante, pois já eram 22 horas e as Loves Comes Again, do Dj Tiesto, é o track mais agitado e foi usado nas alunas precisavam voltar para a UNIPAC a tempo de entrar na van e retornarem às suas casas. Era pequenas cenas de passagem das garotas dançando no bordel. preciso, portanto, fazer uma cena bem feita e com rapidez. Sérgio abordou um caminhoneiro que se Algumas baladas também foram selecionadas, como Cannoball, de recusou, argumentando que a “minha mulher já é cismada comigo, ainda mais se ela vê isso”. Outro Damiem Rice, e Glory Box, do Prostihead. Esta última foi previamente motorista concordou em participar da filmagem, mas o diretor preferiu gravar com um aluno, usando escolhida para finalizar o documentário, por suas características próprias apenas o caminhão para não comprometer a imagem do caminhoneiro nem precisar de autorização de harmonia e letra. A balada é melancólica, do estilo Indie Rock com vocal de imagem. feminino bem depressivo. As letras são recheadas de expressões de conflito Os alunos atuaram como motorista e prostituta e os caminhoneiros que acompanhavam as pessoal e insatisfação com a vida. filmagens deram algumas dicas de como abordar as garota e de como elas reagem. Com esses Superando as dificuldades - Muitos foram os problemas enfrentados toques, os alunos-atores deram mais vida aos personagens reais. Acaba mais uma noite exaustiva. para a produção do documentário, sendo que um deles ocorreu quando o Faltavam poucas cenas e o dia da apresentação estava chegando. Sérgio Laviann gravou o restante proprietário da Casa de Show JR proibiu a saída das garotas para gravação. e a edição corria contra o tempo para concluir o documentário. A equipe avalia que esta produção Mas a situação ficou sob controle graças à disposição de duas alunas foi um bom exercício para todos os alunos que participaram da produção, pois eles aprenderam que atuaram como atrizes para continuar as gravações, já que não iriam que comunicar não é apenas transmitir notícia, mas também saber se relacionar com os colegas de comprometer suas identidades. equipe, expor os problemas e dificuldades e, acima de tudo, participar efetivamente, colocando-se à Eram 19 horas de uma quinta-feira chuvosa, daquelas noites em que disposição para o trabalho. Descaso público – A equipe responsável pela coleta de informações não conseguiu estatísticas as pessoas nem pensam em sair de casa; ideais para tomar um chocolate quente e ficar debaixo do edredom. Alguns alunos se apresentam no hotel, municipais oficiais sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), violência, agressão e local marcado para as gravações, aguardando os outros e as duas novas estupro, pois a Secretaria Municipal de Saúde somente dispunha de dados sobre os casos de AIDS. “atrizes”. Para evitar transtornos na recepção do hotel, todos resolvem subir e Não obteve ainda informações sobre a prostituição local. Após muita insistência dos alunos, a Polícia aguardar na suíte e começam a preparar o ambiente para as cenas. Verificam Civil informou que o responsável por esses dados é a Polícia Militar, que, por sua vez, enfatizou a posição da câmera e começam a gravar os bastidores, como as tomadas que o índice de prostituição na cidade de Conselheiro Lafaiete é zero. Os estudantes também não do dinheiro caindo e do gelo sobre a cama desarrumada. Enquanto isso, as conseguiram a informação que desejavam no Fórum da cidade. meninas chegam e começam a se preparar para entrar no banheiro.
  • UNIPAC Lafaiete ▫ junho ▫ 2007 7 COMUNICAÇÃO RE@L ▪▫ Jornal Laboratório do curso de Jornalismo Rádio atuação constante junto à comunidade, por meio da difusão das atividades coletivas e motiva a atuação das demais entidades parceiras. “Para que se tenha melhor resultado na divulgação das comunitária: atividades é necessário ter audiência. Por isso mantemos uma programação voltada para todas as faixas etárias, classes e segmentos culturais, esclarece o coordenador Amauri Antônio Machado. A Rádio Cidade funciona graças ao trabalho de 30 um canal a serviço da comunidade voluntários, entre jornalistas, locutores e operadores e diretores. Além das entidades parceiras, o custo de manutenção e atualização é mantido com a ajuda de empresas, por meio de Com a aprovação da lei n.º apoio cultural. em conformidade com a legislação profissional vigente. 9.612, de fevereiro de 98, que define Apesar de a Rádio Cidade ter sido a primeira emissora A principal característica das rádios comunitárias, de o serviço de radiodifusão comunitária, a demanda comunitária autorizada a funcionar em Conselheiro Lafaiete, acordo com pesquisadores da área, é que ela deve ser gerida para se obter uma concessão desse tipo de emissora no Brasil não foi a pioneira na cidade. Durante quatro anos, a Rádio pela própria comunidade na qual está inserida, inclusive na cresceu muito nos últimos anos. Atualmente, segundo dados Matriz, 106,9 FM, prestou importantes serviços à comunidade definição da programação. Este tipo de emissora radiofônica do Ministério das Comunicações, operam no país 2.470 rádios local, com programação voltada para temas educativos, é outorgada a fundações e associações comunitárias sem fins comunitárias legalizadas e mais de 4 mil processos encontram- informativos e culturais. A emissora era vinculada à paróquia de lucrativos, com sede na localidade de prestação do serviço, cuja se em tramitação, enquanto se preparam para o cumprimento Nossa Senhora da Conceição e funcionava apoiada em liminar, concessão tem validade por três anos, permitida a renovação de etapas exigidas, como por exemplo a comprovação de que foi cassada em novembro de 99, encerrando, então, suas por igual período, desde que cumpridas as exigências da lei e representatividade da associação no bairro e a capacidade atividades. outras disposições legais vigentes. técnica necessária ao funcionamento. O coordenador da emissora era Anderson José Dutra, Segundo informações divulgadas pelo Ministério das A rádio comunitária é um tipo especial de emissora FM e radialista e atual coordenador da Rádio Educativa Queluz, que Comunicações, a emissora comunitária não pode ter vínculos possui alcance máximo limitado a 1 km a partir de sua antena entrará no ar dentro de pouco tempo. Segundo ele, foi importante com partidos políticos e instituições religiosas, entre outras. A transmissora. Para seu funcionamento exige-se a montagem de a experiência de atuar numa rádio comunitária e desenvolver programação deve ter finalidade educativa, artística, cultural um estúdio com equipamentos básicos, como toca-disco de vinil atividades voltadas para o desenvolvimento das pessoas. “Eu já e informativa e deve estar voltada para o benefício coletivo, ou CD, um gravador-reprodutor de fitas, uma mesa de áudio e um havia trabalhado em emissora de grande porte, mas procurei ser além de prover atividades artísticas e jornalísticas, bem microfone. Algumas emissoras utilizam também o computador profissional e desenvolver meu papel com a mesma dedicação”, como a integração dos membros da comunidade. Devem ser que ajuda os operadores na montagem da programação, com a afirma Dutra. O radialista avalia como positivo o trabalho das respeitados os valores éticos e sociais da pessoa e da família, seleção de músicas e vinhetas. emissoras comunitárias, já que estão mais próximas dos sem discriminação de raça, religião, sexo, convicções político- De acordo com a legislação do setor, uma emissora ouvintes, por não existir burocracia e formalidades, como nas ideológico e partidárias e condição social. À rádio comunitária é comunitária deve estar voltada para atender aos interesses rádios comerciais. vedada ainda a propaganda comercial, a não ser sob a forma comunitários, para a difusão das idéias coletivas, bem como Outro importante papel das emissoras comunitárias, de patrocínio cultural de estabelecimentos localizados na sua para promover a formação e a integração da comunidade, destacado por Anderson Dutra, é o apoio à formação de novos área de cobertura. estimular o lazer, a cultura e o convívio social. Deve prestar profissionais, por haver menos cobrança e exigências, deixando Esse tipo de classificação radiofônica teve sua imagem serviços de utilidade pública e contribuir para o aperfeiçoamento o locutor ou outro funcionário livre para desenvolver sua arranhada nos últimos anos pelo uso indevido das emissoras. Na profissional nas áreas de atuação dos jornalistas e radialistas, capacidade de inserção no mercado de trabalho. Para a ouvinte maioria dos casos, tais emissoras têm sido utilizadas para servir Rogéria dos Santos, residente no bairro Carijós, em Conselheiro a interesses pessoais, políticos e religiosos. Muitas funcionam FOTO: José Carlos Vieira Lafaiete, a rádio comunitária tem cumprido importante papel ilegalmente. O assunto é polêmico e o movimento em defesa junto à sociedade, com uma programação variada que atende a da legalização das rádios comunitárias reclama que o Ministério ouvintes de diferentes idades e preferências musicais e culturais, das Comunicações denomina as emissoras comunitárias, de além de divulgar atividades desenvolvidas pelas comunidades, uma forma geral, como “piratas”. sem qualquer tipo de distinção. AS ONDAS COMUNITÁRIAS Já Tatiane Koda Teixeira, ouvinte do bairro Sagrado NO ALTO PARAOPEBA Coração de Jesus, também em Conselheiro Lafaiete, entende que apesar dos poucos recursos técnicos e financeiros das emissoras comunitárias, elas têm total condição de oferecer Atualmente cinco emissoras comunitárias estão em ao ouvinte uma boa programação, além de prestar serviços de funcionamento na região do Alto Paraopeba, localizadas utilidade pública. “Este tipo de rádio deve ser um canal direto em Conselheiro Lafaiete, Congonhas, entre Rios de Minas, com os moradores, com as comunidades, abrindo espaço para Cristiano Otoni e Ouro Branco. Em Conselheiro Lafaiete foi a divulgação e promoção de atividades esportivas, educativas e instalada, em 2005, a Rádio Comunitária Cidade, na freqüência culturais”, destaca. 105,9 FM, instalada no bairro São Sebastião. O processo para a instalação da emissora, coordenada pela Associação de Radio- comunicação Comunitária de Conselheiro Lafaiete (ARCCOL) ▴ Programador no estúdio da Rádio Comunitária por José Carlos Vieira ,durou seis anos. Com programação variada, a emissora tem Cidade - FM 3º período de Jornalismo PROJETO se sentir donos do lugar para saber “O que falta no mundo lá fora RECRIANÇA que não são inferiores a ninguém”, a gente tenta passar aqui dentro. afirma. As crianças desenvolvem dons Rinaldo também coordena o que a sociedade não acredita que ensina com arte e amor Perequetê, grupo folclórico afro- elas sejam capazes de possuir. indígena de música, dança e Elas vêem que arte é pra todos; recitação de poesias. De acordo independente da renda. Basta com ele, estas atividades estão querer”. A afirmação da educadora FOTO: Juliana Monteiro de Castro entre as mais admiradas pelos educandos. ”Gosto de tudo Luana Rodrigues dos Reis, resume bem a idéia do Projeto aqui. Do ritmo, do toque. Eu toco e sinto a minha liberdade”, Recriança, que busca incentivar a auto-estima, o senso declara Maxwell Júnior Tito,12, que há quase dois anos crítico, a integração e a apropriação. freqüenta o projeto. Esse é um dos principais objetivos do Projeto Os jovens podem participar do projeto por quatro anos Recriança, implantado há quatro anos, que atende de 100 ou até completarem 14 anos de idade, quando então devem a 120 crianças por ano. A iniciativa é custeada pelo Lar de ser desligados do Recriança e ceder espaço para que outros Maria e atende a crianças de baixa renda, com idade entre sejam também beneficiados. A partir daí os adolescentes sete e 14 anos, que se encontram situação de risco. passam a receber orientação até completarem 16 anos, A coordenadora Luciana da Silva Abreu explica que quando, de acordo com a disponibilidade de vagas, são os educandos são geralmente encaminhados ao Recriança encaminhados a outros projetos sociais, como o Linha Verde. porque os pais precisam trabalhar ou são indicados pelo Mas o vínculo estabelecido entre educandos e educadores, Conselho Tutelar, quando apresentam déficit de atenção muitas vezes, é difícil de ser quebrado. É o caso de Ingrid na escola. ”Aqui eles canalizam a indisciplina em forma de Souza, 14 anos, e José Luiz Henrique Ferreira, de 15. de potencial artístico: arte popular trabalhada no grupo Ambos foram desligados do programa, mas continuam no “Perequetê”, no Grupo de Cantores, na capoeira, teatro, Perequetê. “O projeto aumentou a minha auto-estima, mas pintura, reciclagem, na arte dos mosaicos ”, explica. sair fez parecer que faltava alguma coisa em mim. Sinto O projeto busca ser o elo entre família, escola e criança, ▴ A boa integração entre os jovens e os instrutores é muito importante muita saudade daqui”, declara José Luiz. no que são apoiadas pelo Programa de Recuperação de Na grande roda as crianças recebem noções de ética, Famílias (PRF). “O objetivo é desenvolver nessas crianças cidadania e preservação ambiental e, em grupos menores, era agitado e nervoso. Hoje ele conversa e aceita melhor condição para gerar renda. Elas podem ainda atuar como são orientadas a desenvolver atividades como a leitura, as coisas que eu falo. Mesmo que fique chateado, ele me agentes de transformação na família”, completa. reciclagem e reforço escolar. Elas aprendem capoeira e obedece”, destaca. Os pais também demonstram confiança nas atividades dança e ainda dispõem de uma sala para inclusão digital. Os desenvolvidas pelo Recriança, como demonstra a doméstica O CAMINHO É A ARTE interessados em fazer doações ou outras contribuições ao Regina Maria Barbosa, 40, que afirma sentir-se tranqüila Recriança devem ligar para o telefone (31) 3721-1243. O educador Rinaldo Moura Batista, o Didi, está integrado por saber que os filhos estão em segurança durante sua ao projeto desde o começo. “Gosto de realizar trabalhos em jornada de trabalho.”Quando deixo meus filhos, Alanderson, por Juliana de Castro grupo para que os jovens se integrem. Em cada canto da 11, e Ana Cristina, 8, aqui, eu fico sossegada, pois sei que 3º período de Jornalismo instituição temos um trabalho deles. Esses jovens precisam são bem cuidados. Vejo isso pelo Alanderson, que antes
  • 8 UNIPAC Lafaiete ▫ junho ▫ 2007 COMUNICAÇÃO RE@L ▫▪ Jornal Laboratório do curso de Jornalismo A OUSADIA Lugares aparentemente pacatos, como “Em assaltos, o melhor é não reagir e acionar Entre Rios de Minas e Santa Rita de Ouro imediatamente a polícia”, alerta. Preto, já sentem os efeitos da criminalidade. O crime mais grave acorreu em Entre DOS Até casos de agressão contra idosos Rios de Minas, quando o assaltante Rodrigo tornaram-se mais freqüentes, o que tem de Assis Silva pediu água na residência do causado apreensão aos moradores. As aposentado Pedro Cardoso da Cruz, 73. Ao CRIMINOSOS vítimas são, em sua maioria, pessoas com entrar, Rodrigo exigiu a carteira e o ameaçou idade acima de 60 anos que moram sozinhas com um facão que estava na casa. Pedro e recebem aposentadorias e benefícios reagiu e na luta conseguiu desarmá-lo, mas em bancos. A Polícia Militar orienta a Rodrigo o agrediu com vários chutes da população, aos idosos principalmente, para a região do abdômen e fugiu sem levar nada. FOTO: Graciely Batista da Mata necessidade das pessoas terem atitudes preventivas, bem Mesmo ferido, Pedro conseguiu chegar à casa de como prestar mais atenção às pessoas desconhecidas parentes, que logo o socorreram e chamaram a polícia. que se aproximam. Pedro ficou três dias internado no hospital de Entre Rios, Nos últimos cinco anos ocorreram cerca de 20 casos mas como seu estado se agravou, ele foi transferido de violência contra idosos nessas cidades, sendo que para Belo Horizonte, onde submeteu-se a uma cirurgia. a maioria permanece sem solução. A aposentada Diná Durante o período de internação ele revelou a identidade Epifânia Damacena, 67, moradora de Santa Rita de do agressor, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu em Ouro Preto, conhece bem essa realidade de violência e decorrência de infecção generalizada. o sentimento de desproteção. Em setembro de 2006 dois A polícia localizou o assassino após denúncia homens invadiram sua casa e levaram a quantia de R$ anônima. Indignada com a brutalidade do criminoso, a 1.950. ”Eram duas horas da manhã quando acordei com o sobrinha da vítima, Márcia da Anunciação Reis, resolveu barulho e perguntei quem era. Eles responderam que era tornar público o caso. ”Eu divulguei o caso por meio de um assalto, me encostaram na parede e pediram minha panfletos, para que toda população da cidade soubesse bolsa. Entreguei pensando que eles estavam armados, do crime e a justiça fosse feita. Só punindo criminosos é mas não estavam”, conta. Após a fuga, Diná foi à casa de que podemos evitar que fatos como esse aconteçam com uma vizinha e ligou para a polícia, que não identificou os outras pessoas”, afirma. criminosos. O caso ainda não foi solucionado. Rodrigo confessou o crime e foi condenado a 20 anos ▴ Dona Diná foi acordada no meio da noite pelos ladrões e Outra vítima desse tipo de violência foi Maria Isabel de detenção. O escrivão da polícia civil de Entre Rios, teve seu dinheiro roubado Cardoso Torrozo, de 72 anos. Após sair de uma agência José Raimundo da Silva, acredita que casos assim são A polícia explica que a melhor forma de evitar estes bancária, em Ouro Preto, notou que dois homens a motivados pelo uso de drogas. ”Muitos jovens usuários de tipos de furtos é a prevenção. O soldado Daniel Gomes, observavam, mas os ignorou e continuou a andar. Minutos droga envolvem-se com o crime para sustentar o vício e o 26, da 8° Companhia da Polícia Militar do distrito de Santa depois, ao verificar a bolsa, deu pela falta de parte do caso do Rodrigo é um exemplo disso”, finaliza. Rita de Ouro Preto, aconselha os idosos a irem aos bancos dinheiro e percebeu que havia sido roubada. ”Acho que acompanhados de um parente ou amigo, não deixar o foram dois rapazes que me observavam de fora do banco. dinheiro à vista e trancar bem a casa. ”Muitas pessoas Provavelmente eles viram que a bolsa estava aberta e que moram em cidades pequenas não trancam as portas à pegaram o dinheiro de uma forma que nem senti”. Maria por Alexandre Augusto da Costa , Ana Paula de Resende , noite por acharem que não correm risco”. Para o soldado, voltou ao local, viu os suspeitos e chamou a polícia, mas Graciely Batista da Mata esse tipo de comportamento facilita a ação dos bandidos. 3º período de Jornalismo eles não foram encontrados. “O Centro melhora a condição de vida e rejuvenesce a gente. Sentimos um ânimo novo só em falar que estamos Instituições vindo pra cá! Há uns quatro anos me aposentei e faço uns bicos como faxineira em prédios para complementar a aposentadoria e ainda cuido de minha filha que tem problemas de saúde. Há uns oito meses, passando aqui de apoio dão perto, resolvi entrar”. A declaração é da aposentada Lenita Rosa, 64 anos, freqüentadora do Centro de Referência do Idoso de Conselheiro Lafaiete (CRICL). Instituição pública mantida pela prefeitura local, o Centro foi criado em 2005 a partir da organização do antigo ânimo novo à Centro de Convivência Ser Maior, por meio de convênio entre profissionais do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e da Secretaria de Assistência Social . No Centro são promovidos encontros no período da tarde, quando 3ª idade os idosos fazem aulas para estímulos físicos e recebem acompanhamento médico. A entidade faz, em média, 4 mil atendimentos por mês, graças aos esforços do atual quadro de funcionários, que se desdobra para atender a demanda com eficiência, conforme explica o diretor do centro, Charles Migliavaca. “A função do Centro de Referência é estimular e melhorar o processo de sociabilidade do idoso. O fato de trabalhar com os idosos é extremamente gratificante e o retorno de carinho deles, muito bom”. O fisioterapeuta explica que a evolução do quadro clínico dos idosos já pode ser percebida, pois muitos estavam doentes, faziam freqüentes visitas a médicos e não tinham o hábito de sair de casa. Hoje tudo é diferente. O centro está com um número de funcionários abaixo do ideal, mas não deixamos ninguém ficar sem atendimento”. De acordo com o diretor do Departamento de Recursos Humanos da prefeitura, Sérgio Almeida Pinto, diante das dificuldades, o Centro oferece exclusivamente sessões de fisioterapia e médico geriatra. Apesar disso, a aposentada Benedita Sodré da Silva, 70, freqüentadora do Centro há um ano, continua satisfeita. “A médica do meu bairro me indicou o Centro. As aulas me ajudam a cuidar da saúde e, como eu tenho problemas de pressão, não posso ficar afastada das atividades. Das aulas oferecidas já fiz quase todas. Tudo muito chique. O atendimento é ótimo”, afirma. LAR COMUNITÁRIO FREDERICO OZANAM FOTOS: Frances Elen de Santana / Eliane Lourenço Viana A mesma alegria pode ser percebida pelo depoimento de José Barnabé, 65, aposentado e morador do Lar Comunitário Frederico Ozanam, de Ouro Branco. “Somos muito bem tratados aqui no asilo, graças a Deus. É tudo certinho. Temos hora certa dos remédios e a alimentação é muito boa. Já fazem nove meses que vim pra cá. Saio pra dar uns passeios lá fora de vez em quando. Vou à casa da minha irmã, que mora aqui perto, e à igreja. Mas sempre volto. Gosto mesmo é de morar aqui. Tem muita gente boa, como a Marivalda (também moradora do asilo)”. O asilo da cidade de Ouro Branco foi construído em 2005 com o apoio da Gerdau Açominas, após um incêndio sem vítimas, que destruiu as instalações do antigo asilo. Hoje vivem no Lar 24 idosos, na maioria mulheres. O asilo é instituição filantrópica, que se mantêm com subvenção da prefeitura, além de contribuição paga pelos beneficiários e doações da população. O processo de inserção do idoso no asilo é feito por etapas, segundo a recepcionista Graziele Beatriz. “Os assistentes sociais visitam as casas, onde fazem sindicância para apurar a necessidade da internação. Daí são realizados exames com a geriatra Maria ▴ Fachada do Centro de Referência do Idoso Inês, que autoriza ou não a internação”. A estrutura do Lar oferece cozinha, refeitório, Conselheiro Lafaiete quartos, sala de vídeo, capela, enfermaria com equipamentos e remédios. Os moradores contam com enfermeiras que se revezam em plantões, visitas médicas e ainda seguem tabela alimentar proposta por nutricionista. Os idosos também realizam atividades recreativas, como a produção de artesanato de fuxico. Idosos em aula no Centro ▸ de Referência do Idoso por Eliane Lourenço Viana , Frances Elen de Santana , Consolação D’Ajuda Conselheiro Lafaiete 3º período de Jornalismo