Your SlideShare is downloading. ×
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Palestra: Crescimento e Competitividade do Setor Produtivo Brasileiro. Palestrante: João Carlos Ferraz

1,148

Published on

Palestra sobre fatores como a questão energética e o peso da energia elétrica na estrutura de custos do setor produtivo nacional, os investimentos em infraestrutura, as políticas macro-econômica, …

Palestra sobre fatores como a questão energética e o peso da energia elétrica na estrutura de custos do setor produtivo nacional, os investimentos em infraestrutura, as políticas macro-econômica, tributária e educacional.

Published in: Business, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,148
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. João Carlos Ferraz 13 de Maio de 2009 Bienal de Energia 2009 3a. Conferência Internacional para Clientes Corporativos CEMIG … and, if I had to bet…. I would bet in Brazil…. Prof. Masahisa Fujita, President, Institute of Developing Economies, Symposium “Rise of the Next Giants: Anatomy of BRICs”, Tokyo, Dec. 2006
  • 2. Construir o futuro é necessário
    • Crise tem relações e impactos muito diferenciados entre países, setores e empresas
    • Crise veio e irá embora. Enxergar além do horizonte da incerteza e construir o futuro é necessário
    • O Brasil pode emergir + forte se explorar suas vantagens específicas:
      • Mercado interno, em particular consumo de massas
      • Infraestrutura, em particular o complexo energias
  • 3. A long and winding road...
  • 4.
    • Um forte sentimento de pertencimento nacional, em um contexto de rica diversidade cultural e regional
    • Democracia estabelecida, instituições em consolidação
    • Estado relativamente organizado, necessitando fortalecer suas capacidades
    • Sociedade desigual mantêm o (amplo) mercado doméstico abaixo de seu potencial. O crescimento recente da renda real de classes de menor poder aquisitivo abre novas oportunidades de expansão e acumulação de riquezas
    Em que país vivemos?
  • 5.
    • Indústria financeira desenvolvida, mas ainda enviesada por um elevado patamar de juros
    • Diversidade ambiental ainda pouco valorizada
    • Base de recursos naturais muito rica e ainda em expansão
    • Infraestrutura ainda insuficiente para sustentar um crescimento inclusivo
    • Sistema produtivo complexo mas carente de investimentos e, principalmente, de capacidade de inovar
    • Capacidades: algumas ilhas e poucos arquipélagos com forte competência educacional e científica
    • Deterioração da segurança cidadã e baixa qualidade da educação e da saúde
    Em que país vivemos?
  • 6. 2006: desempenho comparado no Teste Pisa de Matemática Destaque: frágeis competências ... Fonte: CEPAL
  • 7.
    • ...e baixo esforço em inovação
    2005: capacidade inovadora da indústria Fonte: De Negri/IPEA (*) PINTEC-IBGE 31 mil empresas declararam realizar algum tipo de inovação P&D interno: 0,6% vendas (EU = 1,2%) Lançam novos produtos (p/o mercado): 10% das empresas (EU = 37%) Empresas inovadoras (*) Empresas com P&D contínuo Empresas c/Laborat. P&D Pessoal dedicação exclusiva P&D Doutores Mestres Outros 31.715 2.133 (6,7%) 743 (2,3%) 884 2.665 33.025
  • 8. Yesterday ...
  • 9. Crescimento liderado pelo mercado interno: consumo e investimentos Contribuição ao crescimento por trimestre (%) Fonte: Banco Central do Brasil
  • 10. ...pelo crescimento da massa salarial...
  • 11. ... e forte expansão do investimento... Desde 2005.II, FBCF cresce acima do PIB
  • 12. ...resultando em expansão do emprego formal Em março, elevação do emprego formal pelo segundo mês consecutivo (+0,11% em relação a janeiro)
  • 13. Drama...
  • 14. Crise: profunda, intensa e sincronizada… Variação, 3m/3m, ajuste sazonal (ambos eixos) Fonte: Bradesco Taxa de crescimento da produção industrial Um vírus mutante e adaptativo ataca e expõe fragilidades de cada país
  • 15. Sinais de estabilização em alguns mercados de ativos indicam luz no fim do túnel? Fonte: Bloomberg “ é possível ... 2010... crescimento do mundo... liderado e explicado pelo crescimento ... do Brasil, Índia e China” Vitoria Saddi, University of Southern California e RGE Monitor Fonte: FMI
  • 16. No Brasil: impacto mais forte e concentrado que nas crises anteriores Fontes: IBGE, Elaboração: BNDES
  • 17. Queda da produção industrial concentrada em alguns setores FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO Fonte : IBGE. Elaboração: BNDES Contribuição à queda da produção industrial (mar-09/set-08), com ajuste sazonal 3 Setores respondem por 56% da queda
  • 18. Queda das exportações explica maior parte do resultado negativo industrial Fonte: IBGE e Funcex. Elaboração: BNDES Contribuição das exportações e da demanda doméstica na queda da produção industrial – Set/08 a Mar/09 Mais de 50% da queda resulta da fraca demanda externa
  • 19. Mas ... será que paramos de cair? FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO Fonte: IBGE; BNDES Bolsa em alta Dólar em baixa Fonte: IBGE; BNDES Criação de empregos positiva Atividades não dependentes de crédito em alta
  • 20. Para não dizer que não falei de flores…. Quem sabe faz hora, não espera acontecer….
  • 21. Crise internacional: fragilidade diferenciada entre países
    • Maior fragilidade
    • Mercado interno limitado e baixa renda
    • Setor financeiro frágil
    • Altos níveis de endividamento
    • Fundamentos econômicos frágeis
    • Pouca experiência com crises
    • Momento econômico de baixo crescimento
    • Política econômica de baixa resposta
    • Baixa capacidade de realizar investimentos públicos
    • Menor fragilidade
    • Mercado interno amplo, diversificado
    • Setor financeiro saudável
    • Baixo endividamento
    • Fortes fundamentos econômicos
    • Experiência em crises
    • Momento econômico de alto crescimento
    • Política econômica pró-ativa
    • Alta capacidade de realizar investimentos públicos
  • 22.
    • Maior fragilidade
    • Estrutura especializada
    • Exportação de poucos produtos (recursos naturais)
    • Desvantagens de custo
    • Cadeias produtivas internas de baixa complexidade
    • Inserção secundária em circuitos internacionais
    • Empresas estrangeiras “fly by night”
    • Baixo investimento em inovação
    • Menor fragilidade
    • Estrutura diversificada
    • Exportação diversificada (produtos e países)
    • Vantagens de custo
    • Cadeias produtivas internas bem estabelecidas
    • Inserção internacional no comando de cadeias
    • Empresas estrangeiras com bases produtivas estabelecidas
    • Alto investimento em inovação
    Fragilidade diferenciada entre estruturas produtivas
  • 23. Fonte: IBGE Projeção: BNDES Taxa de investimento (% PIB) Brasil: perspectivas p/investimento ainda promissoras Previsão
  • 24. 2009-2012: US$ 567 bilhões de investimento Consistência dos planos de investimento: taxa de crescimento anual 2009-2012: 9.6% Painel BNDES: 52% do investimento total
  • 25. Investimentos em energia e infraestrutura não foram afetados pela crise BNDES – Pesquisa Ago/2008 X Dez/2008 (R$ bilhões) Fonte: BNDES Não Afetados Afetados
  • 26.
    • Forte crescimento dos desembolsos
    • Destaque paraprojetos de infraestrutura
    Em 2008: investimentos financiados => 13,3% da FBCF Papel estratégico do BNDES no fomento ao investimento ...
  • 27. (Not) the end…
  • 28.
    • O antes
    • Exuberância irracional dos mercados => ineficiências (empresariais, de políticas públicas e de referências teóricas) escondidas por um sistema de preços crescentes
    • O durante
    • Busca de flexibilidade => capacidade de rapidamente mudar posições
    O rei está (e ficará) nu!
  • 29. Voltam os fundamentos da competitividade
    • O depois (talvez...)
    • Tendências competitivas e tecnológicas
      • Pressão de custos x difusão de tecnologias (TICs) eficientes e diferenciadoras
      • + intensidade de conhecimento c/emergência de novas tecnologias (bio/nano) => novos segmentos de mercado, novos competidores, substituição de produtos e processos
      • Sustentabilidade energética e ambiental como rotina
    • Estratégias corporativas
      • Prudentes => baixo endividamento, novos mercados, competição por custos e diferenciação (muito forte!)
      • Pró-ativas => investimento para consolidar posições (fixo, F&A e em inovação)
  • 30.
    • Política econômica: estabilidade
    • Políticas sociais: crescente eficácia
    • Políticas de investimento: em construção
    Nosso track record : continuidade com evolução Essencial: políticas públicas bem direcionadas e eficazes Esta também deve ser a agenda para o futuro
  • 31. Explorando fortalezas...
    • Crescente eficácia das políticas públicas pró-investimento
    • Indústria financeira cautelosa, mas forte e capitalizada e bancos públicos pró-ativos
    • Setor privado saudável e com capacidade de resistência
    • Mercado externo: oportunidades para consolidar liderança em segmentos competitivos
    • Demanda doméstica com potencial de expansão pela ampliação do consumo de massa => complexo alimentos
    • Oportunidades de alto retorno e baixo risco => infraestruturas , em particular, complexo energias
  • 32. ... mitigando debilidades...
    • Avançar sobre nossa maior debilidade => competências
    • Educação : maior consciência coletiva, investimentos maciços eficazes e permanentes, foco na qualidade
    • Inovação : aumentar o investimento privado (nestes tempos de incerteza?). Foco em nichos de competência => cadeia de conhecimentos, bens e serviços associados aos recursos naturais – alimentos, minerais, energias-
    • + dedicação do setor público
  • 33.
    • Cada nação tem história, estrutura, demandas, aspirações e interesses nacionais próprios. Portanto, estratégia e políticas de desenvolvimento únicas
    • Promover o interesse nacional é promover mais e melhores empregos . Mais e melhores empregos para sustentar o desenvolvimento do país
    • Este é o ponto de convergência entre as lógicas do cidadão e das empresas com a lógica pública. Este deve ser o eixo de orientação das decisões de política pública e privada
    Chegou a hora?
  • 34. O momento e os nervos
    • O Brasil está em um período de disjuntiva:
      • “ mais uma vez... estamos bem em casa ... mas ... fatores exógenos forçam o pé no freio “...
      • OU
      • “ aprendemos com o passado: a resilience dos sobreviventes constituem base importante para o enfrentamento da crise “
    • 2007/2010... ... no futuro, este poderá ser visto como o período do turn-around brasileiro...
  • 35. 13 de Maio de 2009 Bienal de Energia 2009 3a. Conferência Internacional para Clientes Corporativos CEMIG So… if you have to invest…. how would you invest in Brazil?

×