0
A segunda geração do
Romantismo
A segunda Geração
• A segunda geração do Romantismo tem seus
traços mais facilmente identificáveis no campo
da poesia e se...
O início
• A publicação do livro Poesias, de Álvares de
Azevedo, em 1853, é considerada por parte da
crítica como marco in...
O Grande Inspirador
• Lord Byron
Em meio a toda essa agitação existencial, que se
tornou o paradigma do homem romântico qu...
“Curtição”
O noturno, o aventuresco, o
macabro, o satânico, o
incestuoso, os elementos do
romantismo maldito.
Abrangem o a...
O Oceano
Rola, Oceano profundo e azul sombrio, rola!
Caminham dez mil frotas sobre ti, em vão;
de ruínas o homem marca a t...
Poetas romanticos
Fagundes Varela
Luís Nicolau Fagundes Varela nasceu no
estado do Rio de Janeiro, na cidade de
Rio Claro, em 18 de Agosto d...
À LUCÍLIA
Se eu pudesse ao luar, Lucília bela,
Queimar-te a fronte de insensatos beijos,
Dobrar-te ao colo, minha flor sin...
Casimiro de Abreu
Casimiro José Marques de
Abreu
(Barra de São João, 4 de
janeiro de 1839 — Nova
Friburgo,18 de outubro de...
Saudades
O sino do campanário
Que fala tão solitário
Com esse som mortuário
Que nos enche de pavor.
Então - Proscrito e so...
Álvares de Azevedo
Manuel Antônio Álvares de Azevedo nasceu na
cidade de São Paulo em 12 de setembro de
1831. Ainda crianç...
Adeus, meus Sonhos!
Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!
Não levo da existência uma saudade!
E tanta vida que meu peit...
Características gerais do Ultra-
Romantismo
• liberdade criadora (o conteúdo é mais importante que a forma; são
comuns des...
Gabriel Salles da Matta Machado
( Montador do Slide)
Obrigado
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

2ª Geração do Romantismo

69,044

Published on

Slide sobre a 2ª geração Literaria do romantismo no Brasil e seus inspiradores e autores.

Published in: Education
1 Comment
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
69,044
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
386
Comments
1
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "2ª Geração do Romantismo"

  1. 1. A segunda geração do Romantismo
  2. 2. A segunda Geração • A segunda geração do Romantismo tem seus traços mais facilmente identificáveis no campo da poesia e seu marco inicial é dado pela publicação da poesia de Álvares de Azevedo, em 1853. Em vez do índio, da natureza e da pátria, ganham ênfase a angústia, o sofrimento, a dor existencial, o amor que oscila entre a sensualidade e a idealização, entre outros temas de grande carga subjetiva. Exemplares desse período são as obras de Fagundes Varela, Casimiro de Abreu e Álvares de Azevedo.
  3. 3. O início • A publicação do livro Poesias, de Álvares de Azevedo, em 1853, é considerada por parte da crítica como marco inicial da segunda geração do Romantismo no Brasil. Essa geração, cujos maiores expoentes são Álvares de Azevedo, Fagundes Varela e Casimiro de Abreu, tem a marca do ultra-romantismo. A angústia, o sofrimento, a dor existencial, o amor que oscila entre a sensualidade e a idealização são alguns dos temas de grande carga subjetiva que tomam o lugar do índio, da natureza e da pátria, dominantes na geração anterior.
  4. 4. O Grande Inspirador • Lord Byron Em meio a toda essa agitação existencial, que se tornou o paradigma do homem romântico que busca a liberdade, Byron escreveu uma obra grandiloqüente e passional. Encantou o mundo inicialmente com seus poemas narrativos folhetinescos, em que não faltam elementos autobiográficos, como Childe Harold's Pilgrimage, e depois o assustou com a faceta satírica e satânica que apresenta em poemas como Don Juan. Foi um dos principais poetas ultra-românticos. O cinismo e o pessimismo de sua obra haveriam de criar, juntamente com sua mirabolante vida, uma legião de jovens poetas "byronianos" por todo o mundo, chegando até o Brasil na obra de grandes escritores, como Álvares de Azevedo.
  5. 5. “Curtição” O noturno, o aventuresco, o macabro, o satânico, o incestuoso, os elementos do romantismo maldito. Abrangem o amor e a morte sob uma perspectiva exacerbadamente egocêntrica.
  6. 6. O Oceano Rola, Oceano profundo e azul sombrio, rola! Caminham dez mil frotas sobre ti, em vão; de ruínas o homem marca a terra, mas se evola na praia o seu domínio. Na úmida extensão só tu causas naufrágios; não, da destruição feita pelo homem sombra alguma se mantém, exceto se, gota de chuva, ele também se afunda a borbulhar com seu gemido, sem féretro, sem túmulo, desconhecido. Do passo do há traços em teus caminhos, nem são presa teus campos. Ergues-te e o sacodes de ti; desprezas os poderes tão mesquinhos que usa para assolar a terra, já que podes de teu seio atirá-lo aos céus; assim o lanças tremendo uivando em teus borrifos escarninhos rumo a seus deuses - nos quais firma as esperanças de achar um portou angra próxima, talvez - e o devolves á terra: - jaza aí, de vez. Os armamentos que fulminam as muralhas das cidades de pedra - e tremem as nações ante eles, como os reis em suas capitais - , os leviatãs de roble, cujas proporções levam o seu criador de barro a se apontar como Senhor do Oceano e árbitro das batalhas, fundem-se todos nessas ondas tão fatais para a orgulhosa Armada ou para Trafalgar. Tuas bordas são reinos, mas o tempo os traga: Grécia, Roma, Catargo, Assíria, onde é que estão? Quando outrora eram livres tu as devastavas, e tiranos copiaram-te, a partir de então; manda o estrangeiro em praias rudes ou escravas; reinos secaram-se em desertos, nesse espaço, mas tu não mudas, salvo no florear da vaga; em tua fronte azul o tempo não põe traço; como és agora, viu-te a aurora da criação. Tu, espelho glorioso, onde no temporal reflete sua imagem Deus onipotente; calmo ou convulso, quando há brisa ou vendaval, quer a gelar o pólo, quer em cima ardente a ondear sombrio, - tu és sublime e sem final, cópia da eternidade, trono do Invisível; os monstros dos abismos nascem do teu lodo; insondável, sozinho avanças, és terrível. Amei-te, Oceano! Em meus folguedos juvenis ir levado em teu peito, como tua espuma, era um prazer; desde meus tempos infantis divertir-me com as ondas dava-me alegria; quando, porém, ao refrescar-se o mar, alguma de tuas vagas de causar pavor se erguia, sendo eu teu filho esse pavor me seduzia e era agradável: nessas ondas eu confiava e, como agora, a tua juba eu alisava. Lord Byron (Tradução de Castro Alves)
  7. 7. Poetas romanticos
  8. 8. Fagundes Varela Luís Nicolau Fagundes Varela nasceu no estado do Rio de Janeiro, na cidade de Rio Claro, em 18 de Agosto de 1841. Em 1861 publicou o primeiro livro de poesia, Noturnas. No ano de 1859 Fagundes Varela viaja para São Paulo, e em 1862 matricula-se na Faculdade de Direito, que nunca seria concluída, optando pela literatura e dissipando- se na boemia, fortemente influenciado pelo ''byronismo'' dos estudantes paulistanos.
  9. 9. À LUCÍLIA Se eu pudesse ao luar, Lucília bela, Queimar-te a fronte de insensatos beijos, Dobrar-te ao colo, minha flor singela, Ao fogo insano de eternais desejos; Ai! se eu pudesse de minh’alma aos elos Prender tu’alma enfebrecida e cálida, Erguer na vida os festivais castelos Que tantas noites planejaste, pálida; Ai! se eu pudesse nos teus olhos turvos Beber a vida da volúpia ao véu, Bem como os juncos sobre as ondas curvos A chuva bebem que derrama o céu, Talvez que as mágoas que meu peito ralam Em cinzas frias se perdessem logo, Como as violas que ao verão trescalam Somem-se aos raios de celeste fogo! Oh! vem Lucília! é tão formosa a aurora Quando uma fada lhe batiza o alvor, E a madressilva, que ao frescor vapora Os ares peja de lascivo amor... Sou moço ainda; de meu seio aos ermos Posso-te louco arrebatar comigo... De um mundo novo na solidão sem termos Deitar-te à sombra de amoroso abrigo! Tenho um dilúvio de ilusões na fronte, Um mundo inteiro de esperanças n’alma, Ergue-te acima de azulado monte, Terás dos gênios do infinito a palma!... (Fagundes Varela)
  10. 10. Casimiro de Abreu Casimiro José Marques de Abreu (Barra de São João, 4 de janeiro de 1839 — Nova Friburgo,18 de outubro de 1860) Em 1859 editou as suas poesias reunidas sob o título de Primaveras.
  11. 11. Saudades O sino do campanário Que fala tão solitário Com esse som mortuário Que nos enche de pavor. Então - Proscrito e sozinho - Eu solto aos ecos da serra Suspiros dessa saudade Que no meu peito se encerra Esses prantos de amargores São prantos cheios de dores: Saudades - Dos meus amores Saudades - Da minha terra! Nas horas mortas da noite Como é doce o meditar Quando as estrelas cintilam Nas ondas quietas do mar; Quando a lua majestosa Surgindo linda e formosa, Como donzela vaidosa Nas águas se vai mirar! Nessas horas de silêncio De tristezas e de amor, Eu gosto de ouvir ao longe, Cheio de magoa e de dor, (Casimiro de Abreu)
  12. 12. Álvares de Azevedo Manuel Antônio Álvares de Azevedo nasceu na cidade de São Paulo em 12 de setembro de 1831. Ainda criança transferiu-se com a família para o Rio de Janeiro, onde fez o curso primário. A partir de 1851 o poeta passa a ter fixação pela idéia da morte. Isso fica claro nas cartas destinadas à mãe e à irmã. De sua obra, toda ela publicada postumamente, destacam-se os contos do livro "Noite na Taverna" (1855), a peça de teatro "Macário" (1855) e o livro de poesias "Lira dos Vinte Anos" (1853).
  13. 13. Adeus, meus Sonhos! Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro! Não levo da existência uma saudade! E tanta vida que meu peito enchia Morreu na minha triste mocidade! Misérrimo! Votei meus pobres dias À sina doida de um amor sem fruto, E minh'alma na treva agora dorme Como um olhar que a morte envolve em luto. Que me resta, meu Deus? Morra comigo A estrela de meus cândidos amores, Já não vejo no meu peito morto Um punhado sequer de murchas flores! Álvares de Azevedo
  14. 14. Características gerais do Ultra- Romantismo • liberdade criadora (o conteúdo é mais importante que a forma; são comuns deslizes gramaticais); • versificação livre; • dúvida, dualismo; • tédio constante, morbidez, sofrimento, pessimismo, negativismo, satanismo, masoquismo, cinismo, autodestruição; • fuga da realidade para o mundo dos sonhos, da fantasia e da imaginação (escapismo, evasão); • desilusão adolescente; • idealização do amor e da mulher; • subjetivismo, egocentrismo; • saudosismo (saudade da infância e do passado); • gosto pelo noturno; • consciência de solidão; • a morte: fuga total e definitiva da vida, solução para os sofrimentos; • sarcasmo, ironia.
  15. 15. Gabriel Salles da Matta Machado ( Montador do Slide) Obrigado
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×