Referenciasbibliograficas

19,138 views

Published on

Documento de suporte a uma atividade de formação de alunos sobre referências bibliográficas e elaboração de trabalhos. [revista]

Published in: Education

Referenciasbibliograficas

  1. 1. josé pina 2015 1 Apoio à literacia Elaboração de trabalhos
  2. 2. 2 Se quero elaborar um trabalho, o que tenho de fazer? Para quem escrevo. Qual a estrutura do trabalho. Onde pesquisar. O que consultar. Que argumentos utilizar. Decidir!
  3. 3. Elementos pré-textuais Elementos textuais Elementos pós -textuais 3 Identificadas as caraterísticas do público para quem vou escrever…
  4. 4.  Elementos pré-textuais 4
  5. 5. 5 Pensem num tema e num título para o vosso trabalho de fim de curso e num professor orientador. Concebam a capa para o trabalho.
  6. 6.  Elementos pré-textuais 6 CAPA FOLHA DE ROSTO
  7. 7.  Elementos pré-textuais 7 Índice Apresenta como particularidade o detalhe de todos os itens que fazem parte de um trabalho. Facilita a localização de um determinado tópico uma vez que utiliza o número de paginação como referência.
  8. 8. Elementos textuais Resumo Introdução/Desenvolvimento Fundamentação teórica Procedimento Metodologia Registo e tratamento de dados Interpretação dos resultados Conclusão 8
  9. 9. 9 O resumo do trabalho
  10. 10. Elementos textuais Resumo 10 Apresentar de forma geral o trabalhado. Conter informações que facilitem o entendimento do assunto abordado. e… responder às seguintes questões: Qual o assunto trabalhado? Qual é o objetivo do trabalho? Como se encontra organizado? Como foi abordado o assunto? Que dificuldades foram encontradas?
  11. 11. Elementos textuais Resumo 11 O vinagre é utilizado na alimentação como condimento mas pode, também, usar- se na higienização de vegetais. A acidez característica é-lhe conferida pela presença de ácido acético que tem propriedades desinfetantes. Durante a atividade laboratorial procedemos à titulação de um vinagre de vinho branco comprado numa superfície comercial, com o objetivo de confirmar a informação constante no rótulo sobre o valor da sua acidez. Também pudemos comparar se os valores calculados se enquadravam dentro dos parâmetros admitidos pelas regras de segurança alimentar. O teor em ácido acético presente no vinagre foi calculado com base nos valores registados a partir de uma titulação, realizada pelo método volumétrico, utilizando uma solução básica de hidróxido de sódio previamente padronizada. O ponto de equivalência foi determinado a partir da mudança de cor de uma solução alcoólica de fenolftaleína. A escassez de informação contida no rótulo de algumas marcas levou-nos a não as testarmos como pretendíamos inicialmente.
  12. 12. Elementos textuais Introdução/ Fundamentação teórica 12 É aqui que constarão as noções teóricas que servem de base ao trabalho realizado. A informação aqui apresentada deve ser a indispensável para a compreensão do trabalho. Atenção! Deve ter-se sempre presente a importância de identificar as fontes consultadas e de as referenciar na bibliografia.
  13. 13. Elementos textuais Metodologia 13 Apresentada de forma breve terá de conter informações capazes de proporcionar a repetição da experiência por outros potenciais interessados.
  14. 14. Elementos textuais Registo e tratamento de dados 14 O recurso a tabelas, imagens ou gráficos enriquecem o trabalho mas nunca se pode perder de vista a ligação entre estes elementos visuais e o texto. No caso de serem obtidos valores numéricos e houver necessidade de se realizarem cálculos, cabe aqui o seu tratamento. Nesta parte do relatório não se tecem comentários ou interpretações aos resultados obtidos.
  15. 15. Elementos textuais Interpretação dos resultados 15 É nesta parte do trabalho/relatório que se procede à interpretação dos resultados obtidos, apresentado as explicações para o observado, independentemente de serem os esperados ou não. Encontrar as causas para o que se observou é uma manifestação de evidência de que a informação recolhida se traduziu em conhecimento.
  16. 16. Elementos textuais Conclusão 16 A conclusão encerra o trabalho realizado e é aqui que se apresentam de forma resumida: Os resultados alcançados. As novas oportunidades e novas formas de trabalhar o mesmo assunto.
  17. 17. Elementos pós -textuais 17 Anexos Os anexos podem ser mapas, gravuras, fichas, inquéritos, gráficos… Servem para completar e fundamentar as afirmações feitas ao longo do trabalho ou do relatório.
  18. 18. Elementos pós -textuais 18 Bibliografia/Referências bibliográficas Existem normas, todas elas válidas, para apresentação de bibliografia. A nossa opção foi pelas da Associação Americana de Psicologia…. APA. Mas mais importante do que a decisão de optar por uma ou outra norma o que realmente importa é a coerência na apresentação das fontes consultadas.
  19. 19.  referências bibliográficas, porquê 19
  20. 20. Utilizar as ideias dos outros para realizar o nosso próprio trabalho não é um plágio. Pelo contrário, é desejável e dificilmente haverá outra forma de fazermos o nosso trabalho avançar. Plágio é não dar crédito aos autores dos documentos de onde retirámos uma dada ideia. 20
  21. 21. 21 Para permitir voltar a localizar a informação dando assim oportunidade a que outros consultem as mesmas fontes documentais.  referências bibliográficas, porquê?
  22. 22. 22
  23. 23. 23 A importância das imagens… nos trabalhos e a sua ligação ao texto!
  24. 24. 24 O recurso a tabelas, imagens ou gráficos enriquecem o trabalho mas nunca se pode perder de vista a ligação entre estes elementos visuais e o texto. A figura 1, adaptada de Koelher e Mishra (2008) representa graficamente o conceito de TPACK como sendo o resultado da interseção do conhecimento de um professor a três níveis: conhecimento dos conteúdos curriculares, dos métodos pedagógicos e ainda as competências a nível tecnológico.
  25. 25. 25 Quando se recorre à apresentação de figuras tem que apresentar-se a respetiva legenda e uma numeração sequencial.
  26. 26. 26 Quando se recorre à apresentação de gráficos tem que apresentar-se a respetiva legenda e uma numeração sequencial.
  27. 27. 27 Quando se recorre à apresentação de tabelas tem que apresentar-se a respetiva legenda e uma numeração sequencial.
  28. 28. 28 Incluir SEMPRE na bibliografia os documentos citados os consultados.
  29. 29. 29 Este sobre fontes documentais consultadas!
  30. 30. 30 Passagem de um livro citada no texto do trabalho, relatório... “… o ciberespaço suporta tecnologias intelectuais que amplificam, experiorizam e modificam numerosas funções cognitivas humanas: memória (bancos de dados, hiperdocumentos, arquivos digitais de todos os tipos), imaginação (simulações), percepção (sensores digitais, telepresença, realidades virtuais), raciocínios (inteligência artificial, modelização de fenômenos complexos).(Lévy, 2000, p. 157).
  31. 31. 31 Passagem de um livro citada no texto do trabalho, relatório... De acordo com Lévy (2000, p. 157) “… o ciberespaço suporta tecnologias intelectuais que amplificam, experiorizam e modificam numerosas funções cognitivas humanas: memória (bancos de dados, hiperdocumentos, arquivos digitais de todos os tipos), imaginação (simulações), percepção (sensores digitais, telepresença, realidades virtuais), raciocínios (inteligência artificial, modelização de fenômenos complexos)”.
  32. 32. 32 Passagem de um livro citada no texto do trabalho, relatório... Atenção! Se ultrapassar as 40 palavras, avançar no corpo do texto e diminuir o tamanho da letra! “… o ciberespaço suporta tecnologias intelectuais que amplificam, experiorizam e modificam numerosas funções cognitivas humanas: memória (bancos de dados, hiperdocumentos, arquivos digitais de todos os tipos), imaginação (simulações), percepção (sensores digitais, telepresença, realidades virtuais), raciocínios (inteligência artificial, modelização de fenômenos complexos).(Lévy, 2000, p. 157).
  33. 33. 33 Bibliografia Lévy, P. (2000). Cibercultura (2ª ed.). São Paulo: Ed. 34. Mãe, V. H. (2011). O filho de mil homens (3ª ed.). Carnaxide: Ed. Objectiva.
  34. 34. 34 Artigo de uma revista Séneca, H. (2015). No caminho certo. Exame informática, 20(242), 70-71
  35. 35. 35 Artigo consultado num jornal Martins, R. (2015, 15 de setembro). Decisão do Tribuna Europeu clarifica deslocações como tempo de trabalho. Público, p. 17
  36. 36. 36 Uma enciclopédia. National Geographic. (2005). Atlas: índice de topónimos (Vol.24). Espanha: Autor. Fraioli, L. (2002). Enciclopédia pedagógica universal: A matéria (Vol. 1, p. 68). Matosinhos: QuidNovi.
  37. 37. 37 Uma tese Pina, J. A. M. (2005). Um estudo exploratório sobre o papel das imagens nos manuais de ciências físico- químicas e na construção pelos alunos de modelos que explicam os fenómenos que representam. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação: Tecnologias Educativas, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa.
  38. 38. 38 Um documento consultado na web Rodrigues, E. (1999). Implementação de um sistema integrado de gestão de bibliotecas: A experiência da Universidade do Minho. Acedido em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/418
  39. 39. 39 Legislação Decreto-Lei nº 113/2011 de 29 de novembro. Diário da República nº 229/2011-1ª série. Ministério da Saúde. Lisboa. Decreto-Lei n.º 176/2012, de 2 de agosto. Diário da República, nº 149/2012-1ª série. Ministério da Educação e Ciência. Lisboa.
  40. 40. 40 bom trabalho… Biblioteca de Sophia, guache de Vieira da Silva. 1953 “O que saberei, o que não saberei nunca, está na Biblioteca…” Carlos Drummond de Andrade

×