Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual

21,770 views
21,501 views

Published on

Este trabalho foi desenvolvido a partir da concepção de que a gestão do fluxo de caixa é uma ferramenta de fundamental importância para a sobrevivência e desenvolvimento da empresa, inclusive do microempreendedor individual. Ainda que dispensado da contabilidade formal, este empresário necessita do controle de suas movimentações. O fluxo de caixa evidencia toda a circulação de dinheiro na empresa sendo, portanto, um instrumento não só aplicável mas também indispensável ao processo de tomada de decisão.

Published in: Business
2 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
21,770
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
364
Comments
2
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gestão do fluxo de caixa aplicado ao Microempreendedor individual

  1. 1. Bianca Carro Gonzaga R.A 4213292 GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA Aplicada ao Microempreendedor Individual SÃO PAULO 2012
  2. 2. FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Bianca Carro Gonzaga GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA A Importância desta Ferramenta para o Microempreendedor Individual Trabalho de Estágio Supervisionado, apresentado para a conclusão do curso de Ciências Contábeis da FMU – Faculdades Metropolitanas Unidas, sob a orientação do Profº Elias Pereira. SÃO PAULO 2012
  3. 3. A meus familiares, em especial à Rita Carro, minha mãe, e Maria Salete Mikniunas, avó, por serem a razão da minha vida e por me motivarem a lutar poralgo melhor, sempre.
  4. 4. Agradecimentos Agradeço inicialmente e acima de tudo a Deus, pois ele é a força que me permite estar aqui. Agradeço também a meus familiares, pelos conselhos, pelo carinho, apoio e principalmente por formarem a estrutura que me possibilita “matar os leões de cada dia”. Meus sinceros agradecimentos também a meu noivo, Eidil, pela cumplicidade, paciência e apoio em todos os momentos. E por fim, porém não menos importante, agradeço a meus amigos, professores e a todas as pessoas que desta trajetória comigo partilhou. Muito do que aprendi devo à troca de conhecimentos que nos permitimos ter. Muito obrigada!
  5. 5. "A humanidade não se divide em heróis e tiranos. As suas paixões, boas e más, foram-lhe dadas pela sociedade, não pela natureza." (Charles Chaplin)
  6. 6. RESUMO Este trabalho foi desenvolvido a partir da concepção de que a gestão do fluxo de caixa é uma ferramentade fundamental importância para a sobrevivência e desenvolvimento da empresa, inclusive domicroempreendedor individual. Ainda que dispensado da contabilidade formal, este empresário necessita do controle de suas movimentações. O fluxo de caixa evidencia toda a circulação de dinheiro na empresa sendo, portanto, um instrumento não só aplicável mas também indispensável ao processo de tomada de decisão. Visando primeiramente comprovar a concepção acima, e ainda, tornar este trabalho um guia informativo para o microempresário, procurou-se analisar, a título de estudo de caso, como é feito o controle financeiro em uma microempresa prestadora de serviços no ramo de funilaria e pintura de veículos, e demonstrarcomo uma boa gestão do fluxo de caixa, dentro do aplicável, pode trazer melhorias ao desempenho da empresa. Essa verificação está devidamente apoiada pela fundamentação teórica que sustenta opresente trabalho em todo o seu decorrer. Buscando também contribuir para o desempenho financeiro da referida empresa, a autora deste trabalho sugeriu ainda uma Demonstração de Evolução das Receitas, para apoiar as decisões tomadas com base no Fluxo de Caixa. Ponderando todos os aspectos abordados no trabalho, pode-se concluir que o fluxo de caixa é um importante instrumento de gestão financeira que auxilia o empresário a controlar com eficácia todos as operações financeiras realizadas pela empresa, sendo também um instrumento que apoia a tomada de decisões a curto prazo, principalmente as que envolvem questões de capital de giro e investimento. O fluxo de caixa também cumpre seu papel ao orientar o empresário a planejar e controlar de forma mais apropriada os recursos financeiros da empresa. Palavras-chave: Fluxo de caixa; Controle gerencial; Microempreendedor individual; Tomada de decisão.
  7. 7. ABSTRACT This work was developed under the concept that the management of cash flow is a crucial tool for business survival and development of the individual micro entrepreneur too. Although exempt from formal accounts, these entrepreneurs need to managetheir financial movements. The cash flow shows all movements of money in the company and is a tool applicable and essential in decisions making. In order to prove the concept above and make this work an informative guide to the business owner, sought to analyze, as a case study, how is the financial control in a small business (service provider - industry bodywork and painting of vehicles), and also how a good cash flow management, within the applicable,may contributes to business performance. This analysis is fully supported by the theoretical foundation that supports the objective of this work throughout its course. Seeking also contribute to the financial performance of this company, the author of this work also suggested a Statement of Changes in Revenues to support the decisions made based on cash flow. Considering all aspects covered in this work, it can be concluded that cash flow is an important financial management tool that helps the entrepreneur to effectively manage all financial operations carried out by the company and is also a tool that supports decision making in a short-term, especially those involves working capital and investment issues. Cash flow also helps the entrepreneur to plan and control properly the company's financial resources. Keywords: Cash Flow; Managerial Control; Individual micro entrepreneur; Decision Making.
  8. 8. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS DAS: Documento de Arrecadação do Simples Nacional DFC: Demonstração do Fluxo de Caixa MEI:Microempreendedor Individual ROI: ReturnonInvestment (Retorno sobre Investimentos) IBRACON: Instituto dos Auditores Independentes do Brasil SIMPLES: Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
  9. 9. LISTA DE TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS FIGURA I:Modelo de Demonstração dos Fluxos de Caixa elaborada pelo método Indireto – Anexo II da NPC 20/1999 do Ibracon. FIGURA II: Modelo de Demonstração dos Fluxos de Caixa elaborada pelo método Direto - Anexo I da NPC 20/1999 do Ibracon FIGURA III: Conciliação do Resultado do Exercício FIGURA IV:Método Direto vs. Método Indireto TABELA I: Limites proporcionais de faturamento para enquadramento ao MEI ANEXO I: Lista das atividades que podem se enquadrar ao MEI ANEXO II: Base legal MEI (atualizada em Janeiro/2012) ANEXO III:Tabela de custos MEI ANEXO IV: Relatório Mensal de Receitas Brutas
  10. 10. 1. INTRODUÇÃO Sobreviver ao cenário globalizado cada vez mais competitivo vem sendo um grande desafio para os microempreendedores individuais (MEI) no contexto geral do mercado, principalmente no que diz respeito aos aspectos financeiros. O que ocorre, no geral, é que esses empresários envidam maiores esforços para a atividade operacional em si, dando menos ou até mesmo nenhuma ênfase à gestão financeira. O microempreendedor individual é aquela pessoa que trabalha por conta própria (trabalhador informal) e decidiu legalizar sua situação com o governo, tornando-se um pequeno empresário. Esse trabalhador pode ter renda anual máxima de sessenta mil reais (R$ 60.000,00), não pode ser sócio de outra empresa, mas pode ter um empregado, recebendo um salário mínimo ou o piso da categoria pertinente. Geralmente são empreendimentos de bairro que comercializam produtos ou serviços para pessoas que moram ao entorno, competem com outros pequenos empreendimentos existentes na área, e administram suas finanças através da experiência que acumularam durante o tempo de gestão. Devido a essas características identifica-se certa dificuldade em implementar técnicas de administração financeira neste tipo de empresa, visto que este empresário ainda não possui dimensão da importância da aplicação dessas técnicas e conceitos na empresa e do quanto a adequada gestão do fluxo de caixa poderá contribuir para o crescimento da mesma. O objetivo básico do fluxo de caixa é projetar as disponibilidades financeiras da empresa, produzindo informações necessárias à programação da captação de recursos financeiros, otimização das aplicações de sobras de caixa, gerenciamento das contas a pagar e de contas a receber, avaliação do impacto de variações de custos e preços, entre outras decisões importantes. O fluxo de caixa é uma ferramenta de fundamental importância para a boa administração e avaliação das organizações. A sua adoção possibilita uma gestão dos recursos financeiros que representam sérias ameaças à continuidade das organizações. A boa utilização da ferramenta fluxo de caixa
  11. 11. também possibilita o conhecimento do grau de independência financeira das organizações, com base na avaliação do seu potencial para geração de recursos no futuro visando saldar seus compromissos e pagar a remuneração dos seus empreendedores. Logo, estudantes e professores insistem em colocar seus estudos de casos em grandes empresas do Brasil e do exterior, pois há um entendimento em comum de que estas empresas possuem estruturas organizacionais que proporcionam a aplicabilidade da Ciência. Entretanto, com um pouco mais de observação e criatividade, além de um acompanhamento do fluxo diário das atividades da empresa, é possível identificar estruturas em empreendimentos pequenos, que estão dentro da realidade em que estamos inseridos. Reconhecendo a importância de micro e pequenos empreendimentos para a economia do país no que tange à geração de trabalho, renda, circulação de mercadorias e desenvolvimento da qualidade de vida, este trabalho pretende então contribuir com os microempreendedores individuais, fazendo-os enxergar que é possível valer-se de ferramentas gerenciais como um facilitador e suporte para tomada de decisões fundamentais ao crescimento e desenvolvimento dos negócios. 1.1 Contextualização Sabemos que o MEI é dispensado da contabilidade formal. Contudo manter um controle das entradas e saídas de recursos é a organização mínima necessária para o gerenciamento do negócio e o ponto de partida para o crescimento e desenvolvimento do mesmo. Buscar ferramentas que traduzam de forma clara a situação financeira da empresa e que possibilite ao empresário antever problemas a tempo de minimizar seus efeitos ou solucioná- los, é fundamental para a sustentação da empresa. Neste contexto, este estudo está focado na administração do Fluxo de Caixa como ferramenta facilitadora da gestão financeira do MEI, principalmente no que diz respeito à análise da viabilidade, relevância e resultados obtidos após a implementaçãodeste processo. É também pretensão deste trabalho ser um guia para que estes empresários não só entendam a importância da gestão
  12. 12. de caixa para a continuidade e expansão dos negócios, mas que também os auxilie no processo de implantação desta ferramenta tão fundamental. 1.2 Situação Problema Com o dinamismo da economia em constante mutação e mercado competitivo, a informação passou de importante para imprescindível a qualquer empreendimento, independente de seu porte. O fluxo de caixa, como ferramenta de gestão, fornece à empresa o acesso a informações atualizadas, com projeção futura e de fácil compreensão, auxiliando no fluxo de informações a respeito dos recursos financeiros da empresa e no processo de tomada de decisão. Devido ao porte do MEI coloca-se em questão a aplicabilidade da gestão financeira, e também, a relevância da execução deste controle. Sendo a estrutura funcional do empreendimento limitada a duas pessoas, muito provavelmente focadas inteiramente em desenvolver o trabalho objeto da empresa, identifica-se uma dificuldade em enquadrar a correta administração de recursos no fluxo diário de atividades. Outro problema está atrelado à correta execução desta gestão, uma vez que em muitos casos, esses empresários possuem apenas o conhecimento técnico em torno do trabalho em que se propõe a executar, não se importando tanto com a adequada administração dos recursos. 1.3 Questão a ser respondida Como adaptar o gerenciamento do Fluxo de Caixa à realidade do MEI, auxiliando-o na previsão de necessidades ou sobras de caixa em dado período? 1.4 Hipótese Se o Fluxo de Caixa é uma ferramenta de controle financeiro que visa diminuir osriscos na gestão, então o microempreendedor individual que utiliza essa ferramenta deve apresentar maior controlena necessidade ou sobra dos recursos.
  13. 13. Uma vez que a este tipo de empreendimento requer-se apenas o controle das entradas e saídas de recursos, a gestão do Fluxo de Caixa torna- se útil a este objetivo, auxiliando não só no controle das movimentações financeiras, mas também gerando informações mais completas e dinâmicas, fundamentais ao desempenho do empreendimento. Para isto, é necessário antes que seja feito um trabalho de conscientização e treinamento do empresário, para que este saiba utilizar corretamente a ferramenta de acordo com as necessidades da empresa e saiba também interpretar as informações geradas por este controle. 1.5 Metodologia Este trabalho constitui-se em dois marcos que se complementam entre si: a) pesquisa bibliográfica visando o embasamento teórico. Neste aspecto considera-se também a análise de estudos semelhantes já realizados: resultados alcançados, posicionamento dos autores em relação ao tema, etc.; b) estudo de caso: “consiste na coleta direta de informações no local em que acontecem os fenômenos; é o que se realiza fora do laboratório, no próprio terreno das ocorrências” (SILVA, 2003, p.63). No caso concreto, este estudo será aplicado a uma oficina de funilaria e pintura de veículos, enquadrada ao regime do Micro empreendedor Individual. 1.6 Variáveis Dentre as muitas variáveis que afetam o fluxo de caixa, vale citar algumas das quais notamos afetar substancialmente o caixa do tipo de empreendimento estudado (atividades do MEI - prestador de serviços de funilaria e pintura), que são: o número de serviços prestados, demanda de serviços, custo fixo e custo variável dos materiais utilizados, o custo do dinheiro e o preço de venda, requisitos das seguradoras dos veículos, sazonalidade, etc.
  14. 14. 1.7 Resultados Esperados Ao final dos estudos pretende-se evidenciar a importância da gestão do fluxo de caixa para o MEI e como esta ferramenta pode agregar em termos de desenvolvimento e sustentação dos negócios, quando bem adaptada às necessidades e estrutura da empresa. Especificamente, estão dentre os objetivos: Observar a gestão e análise do fluxo de caixa como ferramenta para auxiliar o empresário a obter maior eficiência na administração de seus recursos financeiros; A função do fluxo de caixa na tomada de decisões; Elaborar o fluxo de caixa de ummicroempreendimentode forma a ilustrar sua aplicabilidade na administração dos recursos financeiros do MEI. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Fluxos de Caixa – Conceituação Conceitua-se o fluxo de caixa como um instrumento que relaciona os ingressos e saídas (desembolsos) de recursos monetários no âmbito de uma empresa em determinado intervalo de tempo. A partir da elaboração do fluxo de caixa é possível prognosticar eventuais excedentes ou escassez de caixa, determinando-se medidas saneadoras a serem tomadas. (ASSAF NETO e TIBÚRCIO SILVA, 1997, p.35). Em síntese, por fluxo de caixa pode-se compreender, conforme (Gentil, 2007) “[...] o movimento de todas as entradas e saídas de recursos financeiros do caixa, ou seja, das origens de caixa (fatores que aumentam o caixa da empresa) e das aplicações de caixa (reduzem o caixa da empresa) [...] ”
  15. 15. De forma análoga Pizzolato (2000, p.106) define o fluxo de caixa como uma caixa d´água contendo medidores de vazão de entrada e saída. O volume de água final é igual ao volume inicial mais a vazão de entrada menos a vazão de saída. Complementa ainda dizendo que “a Demonstração do Fluxo de Caixa especifica as origens do fluxo de entrada e os diversos destinos do fluxo de saída”. Para Zdanowicz (2000, p.33) o fluxo de caixa é o instrumento que permite demonstrar as operações financeiras que serão realizadas pela empresa, facilitando a análise e a decisão, de comprometer os recursos financeiros, de relacionar o uso das linhas de créditos menos onerosas, de determinar o quanto a organização dispõe de capitais próprios, bem como utilizar as disponibilidades da melhor forma possível. Iudicibus e Marion (1999, p.218) afirmam que a demonstração do fluxo de caixa “demonstra a origem e aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo” sendo que caixa engloba as contas caixa e bancos, evidenciando as entradas e saídas de valores monetários no decorrer das operações que ocorrem ao longo do tempo nas organizações. Thiesen (2000, p.10), por sua vez, complementa explicando que a Demonstração do Fluxo de Caixa “permite mostrar, de forma direta ou mesmo indireta, as mudanças que tiveram reflexo no caixa, suas origens e aplicações”. E Iudicibus e Marion (1999) afirmam ainda que esta demonstração ainda é utilizada apenas para fins de controle interno, e refere-se somente aos recursos em dinheiro, ou seja, todos os recursos e aplicações da empresa que tiveram reflexos diretamente no caixa. 2.2Objetivo do Fluxo de Caixa e sua Importância As informações sobre os fluxos de caixa objetivam proporcionar aos usuários das demonstrações financeiras uma base para avaliar a capacidade da empresa em gerar caixa e equivalente de caixa, bem como projetar os períodos de maiores necessidades ou excessos de caixa, conforme o caso.
  16. 16. O Fluxo de caixa tem por objetivo básico a projeção das entradas e saídas de recursos financeiros para determinado período, visando prognosticar a necessidade de captar empréstimo ou aplicar excedentes de caixa nas operações mais rentáveis para a empresa (MARQUES et AL., 2009). De acordo com Braga e Marques (2001, citado por Bressan e Cruz), a partir da DFC, podem ser extraídos diversos indicadores de desempenho que permitem relacionar fluxos gerados ou consumidos a um item específico. Os mesmos afirmam ainda que por meio de tais indicadores, é possível avaliar a suficiência e eficiência do negócio, bem como a capacidade de pagamento ou nível de rentabilidade do empreendimento. Segundo Sá, vê-se que o interesse pelo estudo sistemático do fluxo de caixa é recente, o que justifica a literatura limitada sobre o assunto e o uso limitado da utilização desta ferramenta pelos empresários. Ele menciona ainda a obra de Ademar F. Campos, Demonstrações dos Fluxos de Caixa (Atlas, 1999), onde foram citados vários autores que vinham alertando para a importância do fluxo de caixa e para o perigo que representa basear o processo decisório apenas nas demonstrações contábeis. Transcrevo abaixo alguns trechos do livro: “O fluxo de caixa é a espinha dorsal da empresa. Sem ele não se saberá quando haverá recursos suficientes para sustentar as operações ou quando haverá necessidade de financiamento bancários. Empresas que necessitem continuamente de empréstimos de última hora poderão se deparar com dificuldades de encontrar bancos que as financiem” (Gitman, 1997:586). “Como entender a lógica de um administrador ou investidor que utiliza, no processo de decisão inicial sobre investimentos, técnicas sofisticadas de avaliação, aplicando conceitos como valor atual líquido, taxa interna de retorno, índice de lucratividade e, depois, nas fases de operação e controle, passa a medir o desempenho dos investimentos com base em lucros contábeis e taxas históricas tipo “ROI”? Figurativamente, seria o mesmo que esse administrador ou investidor estivesse comparando laranjas com maçãs e, pior, pesando as laranjas e contando as maçãs” (Falcini, 1992:38).
  17. 17. “Do mesmo modo que vimos, durante a primeira metade do século, a demonstração de resultados substituir o balanço patrimonial em ordem de importância, hoje em dia, o que observamos , é uma diminuição da ênfase daquela demonstração em favor de uma demonstração do fluxo de caixa ou fluxo de fundos. Cada um de nós vê o futuro de modo diferente, mas acredito que, no que diz respeito à história da contabilidade, os próximos 25 anos serão vistos como a fase crepuscular do lucro contábil como medida de desempenho” (Solomons, 1961:31). “A necessidade de se desenvolver demonstrações de fluxo de caixa decorre do aumento da complexidade das atividades operacionais, o que provoca grandes disparidades entre o período no qual os lançamentos de receitas e despesas são apresentados e o período em que os correspondentes fluxos de caixa realmente ocorrem. Tal complexidade pode provocar uma maior oscilação no fluxo de caixa. Fatores externos, tais como a inflação ou mudanças no cenário econômico, afetam mais rapidamente os fluxos de caixa do que qualquer lucro contábil” (Hendriksen, 1982:109). “Está implícito que, mais cedo ou mais tarde, no longo prazo, lucro e caixa serão iguais. O grande economista Lord Keynes, discutindo o assunto teria dito: „Sim, mas no longo prazo poderemos estar todos mortos‟” (King, 1994:17). “Os balanços expressam apenas as opiniões dos auditores, não os fatos. Dinheiro é fato. Caixa é fato. Não se produz caixa com artifícios contábeis. Os investidores devem olhar para as empresas como olham os banqueiros. O que importa é o caixa. Se uma empresa reporta lucros elevados, mas não está gerando caixa, ela pode não estar gerando lucro algum. É preciso ter em mente que o que quebra uma empresa não é a falta de lucro; as empresas quebram por falta de caixa” (Smith, 1994:42). “É possível que uma empresa apresente lucro líquido e um bom retorno sobre investimentos e, ainda assim, vá a falência. O péssimo fluxo de caixa é o que acaba com a maioria das empresas que fracassam” (Goldratt e Cox, 1990:45). “Se você possuir (recursos) suficientes, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não os possuir, nada é mais importante. É uma
  18. 18. questão de sobrevivência. Fique acima da linha e tudo bem. Fique abaixo e você está morto” (Goldratt e Cox, 1990:45, 46). “Há muito tempo que uma empresa pode operar sem lucros por muitos anos, desde que possua um fluxo de caixa adequado. O oposto não é verdade. De fato, um aperto na liquidez costuma ser mais prejudicial do que um aperto nos lucros”. (Drucker, 1992:174). “Aí está um dos problemas no reino do (Grupo) Itamarati. Seus negócios não geram caixa. Nem mesmo uma série de prejuízos é tão nociva para uma empresa quanto a falta de fluxo de caixa, diz um banqueiro paulista. E os negócios do Olacyr (de Moraes) são vulneráveis neste ponto” (Exame, 1996:37). “Muitas vezes nós medimos tudo e não entendemos nada. As três coisas mais importantes a medir em um negócio são: a satisfação dos clientes, a satisfação dos empregados e o fluxo de caixa” (Jack Welch – Exame, 1993:32). 2.3Principais características do Fluxo de Caixa Sendo o fluxo de caixa fundamental para o gerenciamento e planejamento de entrada e saída de recursos da empresa, é importante que suas características sejam conhecidas, pois elas fornecem uma visão consolidada das informações disponíveis e da forma em que as informações relacionam-se. As principais características são: Relaciona cronologicamente os recebimentos e pagamentos de forma analítica ou sintética; O período de análise de fluxo é o usuário quem define; Trabalha com valores previstos e realizados; É elaborado geralmente em base diária, com um período de cobertura de um mês corrido; Utiliza o método direto para obtenção dos dados, onde eles são desvinculados dos números gerados pela contabilidade. Esses dados são obtidos a partir de estimativas de entradas e saídas de caixa
  19. 19. oriundas, principalmente, das áreas de contas a receber, vendas, contas a pagar, compras e contratos; Não se confunde com orçamento de caixa, que é um instrumento de acompanhamento e controle de metas elaborado usualmente em base anual e vinculado às projeções de resultado para o mesmo período; É distinto do demonstrativo contábil denominado Fluxo de Caixa. Este informa o que aconteceu em termos de movimentação acumulada de caixa (geralmente ao longo de um ano) no exercício a que se referem às demonstrações contábeis; Retrata a efetiva situação de caixa da empresa, já que seus números representam disponibilidades bancárias, numerário ou aplicações financeiras de resgate imediato. 2.4Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) No Brasil, em consonância com o processo de convergência da contabilidade aos padrões internacionais, a Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório para todas as sociedades de capital aberto ou com patrimônio líquido superior a R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais), à partir de 01.01.2008 por força da Lei 11.638/2007. Além disto, a Deliberação CVM 547/2008 aprovou o Pronunciamento Técnico CPC 03, que trata da referida demonstração. Tal evidência, assumida pela demonstração, justifica uma reflexão, ainda que apenas indicativa, da sua importância enquanto instrumento de gestão, contribuindo no processo de tomada de decisão. De acordo com Iudícibus, Martins e Gelbcke (2003, p.32) a DFC pode ser definida como uma peça contábil que “visa mostrar como ocorreram as movimentações de disponibilidades em um dado período de tempo”. Conceitos este que estão em harmonia com aquilo que Sá e Sá (1983, p.190) escrevem a respeito do assunto, onde definem o Fluxo de Caixada seguinte forma:
  20. 20. Fluxo de Caixa – Fluxo da liquidez, ou seja, o curso que no tempo traça o confronto entre recursos de recebimentos e os desembolsos por pagamentos. Forma dinâmica de conhecer o comportamento da liquidez ou capacidade de dispor de dinheiro para fazer frente às necessidades financeiras. Procedimento técnico de acompanhamento entre encaixes e desencaixes obtendo-se o valor líquido entre tais confrontos em períodos sucessivos [...]. Em outras palavras, pode-se dizer que a Demonstração do Fluxo de Caixa é o reflexo do comportamento do caixa em dado período. Através deste demonstrativo relata-se o impacto das atividades da empresa no comportamento do caixa, tendo por objetivo auxiliar os interessados na tomada de decisão, através de sua essência informativa. 2.4.1 Componentes da Demonstração de Fluxo de Caixa O fluxo de caixa compreende a movimentação das contas que representam as disponibilidades imediatas da empresa, ou seja, Caixa, Depósitos Bancários à Vista, Numerários em Trânsito e Aplicações de Liquidez Imediata. De acordo com a NPC 20/1999 referindo-se ao caixa ou equivalente de caixa afirma que“na movimentação dos recursos financeiros, incluem-se não somente saldos de moeda em caixa ou depósitos em conta bancária, mas, também, outros tipos de contas que possuem as mesmas características de liquidez e de disponibilidade imediata. Como equivalentes de caixa, devem ser consideradas as aplicações financeiras com característica de liquidez imediata”. Visando aumentar a capacidade informativa dessa demonstração muitos países, inclusive o Brasil (mediante aplicação do CPC 03 – Demonstração dos Fluxos de Caixa – Item 7), estão acatando o modelo apresentado pelo Financial Accounting Standards Board – FASB, que segmenta a demonstração em três grandes áreas: I - Atividades Operacionais;
  21. 21. II - Atividades de Investimento; III - Atividades de Financiamento. Sendo que: As Atividades Operacionaissão as principais atividades geradoras de receita da entidade e outras atividades diferentes das de investimento e de financiamento. As Atividades de Investimento são as referentes à aquisição e à venda de ativos de longo prazo e de outros investimentos não incluídos nos equivalentes de caixa. As Atividades de Financiamento são aquelas que resultam em mudanças no tamanho e na composição do capital próprio e no endividamento da entidade, não classificadas como atividade operacional. 2.4.2 A importância da DFC na análise gerencial Com referência ao tema proposto neste trabalho, buscou-se analisar a utilidade e importância da DFC como instrumento de gestão, cuja fundamentação encontra-se em um artigo publicado pela Revista de Ciências Gerenciais, Vol. XII, Nº 14, Ano 2008, p.167-177. A DFC é útil em vários aspectos e para diversos usuários das demonstrações contábeis. Isso significa dizer, resumidamente, que esta demonstração é capaz de fornecer informações relevantes, principalmente se analisada e interpretada em conjunto com as demais demonstrações contábeis. Segundo Iudícibus, Martins e Gelbcke (2003, p.398, citado por Spadin): As informações da DFC, principalmente quando analisadas em conjunto com as demais demonstrações financeiras, podem permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:
  22. 22. a) A capacidade da empresa em gerar futuros fluxos líquidos positivos de caixa; b) A capacidade de a empresa honrar seus compromissos, pagar dividendos e retornar empréstimos obtidos; c) A liquidez, solvência e flexibilidade financeira da empresa; d) A taxa de conversão de lucros em caixa; e) A performance operacional de diferentes empresas, por eliminar os efeitos de distintos tratamentos contábeis para as mesmas transações e eventos; f) O grau de precisão das estimativas passadas de fluxos de caixa; g) Os efeitos, sobre a posição financeira da empresa, das transações de investimentos e de financiamento, etc. A atividade financeira de uma empresa requer acompanhamento permanente de seus resultados, de maneira a avaliar seu desempenho, bem como proceder aos ajustes e correções necessários. Na administração financeira, o fluxo de caixa é um dos principais instrumentos de controle gerencial, sendo considerado por Matarazzo (2003), como imprescindível na atividade empresarial e mesmo para pessoas físicas que se dedicam a algum negócio. Por meio desse instrumento de controle gerencial é possível avaliar se a empresa é autossuficiente no financiamento do seu giro, bem como prever sua capacidade de expansão com recursos próprios. O controle gerencial é um dos elementos do processo de estratégia das empresas, mais especificamente, representa um dos mecanismos administrativos que contribuem para a implementação de estratégias (MINTZBERG et al, 2006). Assim, pode ser entendido como o processo de guiar as empresas em direção a padrões viáveis de atividade em um ambiente caracterizado por mudanças. A partir dessa concepção, o controle gerencial cumpre um papel empresarial de possibilitar que gestores influenciem o comportamento de outros membros da empresa na direção de estratégias adotadas (BERRY, BROADBENT e OTLEY, 2005); (ANTHONY e GOVINDARAJAN, 2002). Dessa forma, o fluxo de caixa apresenta-se como um dos instrumentos mais eficazes na gestão financeira das empresas, permitindoao administrador
  23. 23. planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros para um determinado período, influenciando o processo de tomada de decisão. Pode-se afirmar então que ao refletir informações relevantes sobre a situação financeira da empresa, a Demonstração do Fluxo de Caixa constitui- se em uma importante ferramenta de gestão. Além disto, pode-se concluir também que, como instrumento de gestão, esta não aplica-se apenas às empresas constituídas como Sociedades Anônimas, mas a todas organizações. O próprio CPC – Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2008, 15) fez constar em seu pronunciamento básico, emitido em sintonia com as Normas Internacionais de Contabilidade, a importância atribuída às informações referentes à capacidade da empresa em gerar caixa e equivalente de caixa. O referido CPC afirma que: As decisões econômicas que são tomadas pelos usuários das demonstrações contábeis requerem uma avaliação da capacidade que a entidade tem para gerar caixa e equivalente de caixa, e da época e grau de certeza dessa geração. Em última análise, essa capacidade determina, por exemplo, se a entidade poderá pagar seus empregados e fornecedores, os juros e amortizações dos seus empréstimos e fazer distribuições de lucros a seus acionistas. Diante do exposto, segundo Spadin, é razoável afirmar que a Demonstração dos Fluxos de Caixa reveste-se de importância e utilidade como ferramenta para análise e tomada de decisão, reconhecida internacionalmente. Ferreira (2003, p.27, citado por Spadin) salienta que: [...] os gestores necessitam de informações que lhes dêem suporte em todas as etapas da gestão empresarial, seja no planejamento, na execução das atividades ou na avaliação do desempenho dos administradores e na análise do resultado.
  24. 24. Ou seja, para que possam tomar decisões assertivas é fundamental que os administradores estejam embasados em informações claras e completas para conhecerem o comportamento da empresa. Desta forma, poderão escolher as alternativas que forneçam sustentabilidade e colaborem com o desenvolvimento da empresa. A Demonstração do Fluxo de Caixa é um instrumento válido para esse processo devido seu poder de informação. Ainda segundo Ferreira (2003, p.30, citado por Spadin): [...] a relevância da DFC está em seu poder informacional, visto que permite às organizações, sejam elas industriais, comerciais ou de serviços, terem mais poder em sua capacidade de cumprir com suas obrigações financeiras, vez que propicia um melhor planejamento por parte da empresa em relação às disponibilidades de caixa, de forma que não ocorram excessos ou insuficiências de fundos. Contudo pode-se dizer que a DFC é sim capaz de fornecer informações relevantes e cumpre seu papel no controle gerencial. Entretanto, é importante ressaltar que o uso isolado desta demonstração não é adequado para uma correta compreensão da realidade da empresa, isto devido às limitações que ela possui. Segundo Iudícibus e Marion (2002, p. 224, citado por Spadin): A DFC deve ser adotada visando atender ao interesse dos usuários pelo conhecimento do fluxo de caixa das empresas e por ser compreendida mais facilmente, principalmente pelos usuários menos afeitos à Contabilidade. Por outro lado, a DOAR não deve ser submetida, apesar de sua reconhecida complexidade, pois satisfaz àqueles usuários que podem usufruir da sua superioridade informativa ou mesmo pelo ganho proporcionado pela análise conjunta. Em suma, nenhuma demonstração contábil, por mais útil que seja, deve ser analisada isoladamente se existe a intenção de uma real dimensão da situação da empresa. E não só isso, a contabilidade gerencial, segundo Padoveze, vai além de simples técnicas de contabilidade, ela integra as
  25. 25. demais áreas como Contabilidade Financeira, Contabilidade de Custos e Administração Financeira. Padoveze defende a contabilidade gerencial como um instrumento da administração que somente existirá se houver uma ação prévia que a torne concreta. Então, a partir das demonstrações contábeis a contabilidade gerencial cria corpo e, em conjunto com outros fatores, formam ferramentas necessárias para uma completa análise sobre a situação da organização. 2.4.3 Métodos de elaboração da DFC Conforme estabelece o item 11 da NPC 20/1999, a Demonstração dos Fluxos de Caixa para um determinado período ou exercício deve apresentar o Fluxo de Caixa oriundo ou aplicado nas atividades operacionais, de investimentos e de financiamentos, e o seu efeito líquido sobre os saldos de caixa, conciliando seus saldos no início do período ou exercício. Existem dois métodos que podem ser adotados para a estruturação da DFC: Indireto e Direto. Método Indireto Por este método, também denominado Método da Reconciliação, os recursos derivados das atividades operacionais são demonstrados a partir do Lucro Líquido do Exercício, ajustado pela adição das despesas e exclusão das receitas consideradas na apuração do resultado e que não afetam o Caixa da empresa, isto é, que não representam saídas ou entradas de dinheiro, bem como pela exclusão das receitas realizadas no exercício e recebidas no exercício anterior e pela adição das receitas recebidas antecipadamente que não foram consideradas na apuração do resultado, porém interferiram no caixa da empresa. Excluem-se também os Resultados obtidos nas transações de bens do Ativo não circulante, uma vez que as baixas referentes a esses bens devem ser indicadas pelos valores brutos entre as atividades de investimentos.
  26. 26. Para melhor entendimento, segue modelo apresentado elaborado pelo método Direto: Figura I – Anexo II da NPC 20/1999 do Ibracon Método Direto Pelo método direto, os recursos derivados das operações são indicados a partir dos recebimentos e pagamentos decorrentes das operações normais, efetuados durante o período. Companhia: Deonstração dos Fluxos de Caxa (Metodo Indireto) Exercício findo em: DESCRIÇÃO X1 X2 1. Fluxos de caixa das atividades operacionais Resultado do exercício/período Ajustes para conciliar o resultado às disponibilidades geradas pelas atividades operacionais Depreciação e amortização Resultado na venda de ativos permanentes Equivalência patrimonial Recebimento de lucros e dividendos de subsidiárias Variações nos ativos e passivos (Aumento) Redução em contas a receber (Aumento) Redução nos estoques Aumento (Redução) em fornecedores Aumento (Redução) em contas a pagar e provisões Aumento (Redução) no imposto de renda e contribuição social Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas) atividades operacionais 2. Fluxos de caixa das atividades de investimentos Compras de imobilizado Aquisição de ações/cotas Recebimentos por vendas de ativos permanentes Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas) atividades de investimentos 3. Fluxos de caixa das atividades de financiamentos Integralização de capital Pagamentos de lucros dividendos Empréstimos tomados Pagamentos de empréstimos/debêntures Juros recebidos de empréstimos Juros pagos por empréstimos Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas) atividades de financiamentos 4. Aumento (Redução) nas disponibilidades (1+/-2+/-3) 5. Disponbilidades no início do período 6. Disponibilidades no final do período (4+/-5)
  27. 27. Ao contrário da DFC elaborada pelo método indireto, cuja compreensão depende antes do entendimento da DOAR (Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos) devido sua semelhança, como bem observa Silva, Santos e Ogawa (1993), no método direto o entendimento torna-se mais fácil mesmo para quem não tem conhecimento da DOAR, visto que neste caso a DFC baseia-se diretamente nas entradas e saídas de Caixa. Para melhor entendimento, segue modelo apresentado elaborado pelo método Direto: FIGURA II - Anexo I da NPC 20/1999 do Ibracon A NPC 20/1999 estabelece ainda que, quando a entidade optar pela divulgação da DFC Direta, deverá divulgar adicionalmente a conciliação do Companhia: Deonstração dos Fluxos de Caxa (Metodo Direto) Exercício findo em: DESCRIÇÃO X1 X2 FLUXOS DE CAIXA ORIGINADOS DE: 1. Atividades Operaconais Valores recebidos de clientes (-) Valores pagos a fornecedores e empregados (-) Imposto de renda e contribuição social pagos (-) Pagamentos de contingências Recebimentos por reembolso de seguros Recebimentos de lucros e dividendos de subsidiárias Outros recebimentos (pagamentos) líquidos Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas) atividades operacionais 2. Atividades de Investimentos (-) Compras de imobilizado (-) Aquisição de ações/cotas Recebimentos por vendas de ativos permanentes Juros recebidos de contratos de mútuos Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas) atividades de investimentos 3. Atividades de Financiamentos Integralização de capital Pagamentos de lucros e dividendos Juros recebidos de empréstimos Juros pagos por empréstimos Empréstimos tomados Pagamentos de empréstimos/debêntures Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas) atividades de financiamentos 4. Aumento (Redução) nas disponibilidades (1+/-2+/-3) 5. Disponibilidades - no início do período 6. Disponibilidades - no final do período (4+/-5)
  28. 28. Resultado do Exercício com valor das Disponibilidades Líquidas geradas ou utilizadas nas atividades operacionais, cuja conciliação nada mais é do que a primeira parte da DFC Indireta, conforme exemplificado no quadro a seguir: FIGURA III –Conciliação do resultado do exercício 2.4.3.1 Comparativo entre o método Direto e Indireto O método direto demonstra os recebimentos e pagamentos derivados das atividades operacionais da empresa em vez do lucro líquido ajustado.Como se verifica, a demonstração pelo método direto facilita ao usuário avaliar a solvência da empresa, pois evidencia toda a movimentação dos recursos financeiros, as origens dos recursos de caixa e onde eles foram aplicados. Já o método indireto é aquele no qual os recursos provenientes das atividades operacionais são demonstrados a partir do lucro líquido, ajustado pelos itensconsiderados nas contas de resultado que não afetam o caixa da empresa. Observa-se que a demonstração pelo método indireto é semelhante a DOAR, principalmente pela sua parte inicial, exigindo do usuário maior conhecimento em contabilidade. Conciliação do Resultado do Exercício Resultado do exercício/período X Ajustes para conciliar o resultado com o valor das disponibilidades geradas (aplicadas) Depreciação e amortização X Resultado na venda de ativos permanentes X Equivalência patrimonial X Variações nos ativos e passivos (Aumento) Redução em contas a receber (X) (Aumento) Redução nos estoques X Aumento nas despesas antecipadas (X) Aumento (Redução) em fornecedores e contas a pagar (X) Aumento (Redução) na provisão para devedores duvidosos X Aumento (Redução) na provisão para férias X Aumento (Redução) na provisão para contingências X Total dos ajustes X Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas) atividades operacionais X
  29. 29. Ambos os métodos apresentados seguem a estrutura tradicional da demonstração do fluxo de caixa, que tem como objetivo principal mostrar apenas as entradas e saídas de recursos financeiros. Basicamente demonstram os seguintes itens: 1. Entradas 2. Saídas 3. Diferença (a – b) 4. Saldo Inicial 5. Saldo Final (c + d) Veja a seguir a representação gráfica desta visão comparativa: Entradas Operaconais Menos Saídas Operaconais Lucro Líquido Menos Ajustes Igual Geração Interna de Caixa Igual Fluxo Operacional Mais / Menos Geração Não Operacional de Caixa Igual Variação Disponível Método Direto Método Direto
  30. 30. FIGURA IV: Método Direto vs. Método Indireto 2.4.4 Como elaborar a DFC Osni Moura Ribeiro em seu livro Estrutura e Análise de Balanço (2009, p.100), expôs um “roteiro” para a elaboração desta demonstração, o qual transcrevo na íntegra a seguir: Para elaborar qualquer uma das demonstrações financeiras (contábeis) como o Balanço Patrimonial, a DRE, a DLPA, a DMPL ou a DFC, o contabilista extrai dados dos registros contábeis da empresa. Há demonstrações que são mais simples de ser elaboradas, como é o caso do Balanço Patrimonial, da DLPA e da DMPL, que são elaboradas a partir dos saldos das contas extraídos diretamente do livro razão, sem maiores complicações. Para se elaborar, porém, a DFC, dependendo da complexidade das operações que ocorreram durante o exercício, será necessário preparar mapas ou outros demonstrativos para facilitar o agrupamento de dados a serem indicados nesse demonstrativo contábil. É evidente que o contabilista, tendo à sua disposição todos os registros contábeis realizados durante o exercício social, não encontrará dificuldades na confecção desses relatórios contábeis. Especificamente sobre a DFC, o autor descreve as possíveis fontes de dados, os ajustes necessários e a disposição das informações neste demonstrativo: Especificamente em relação à elaboração da DFC, seja pelo Método Direto ou Indireto, os dados são coletados dos Balanços dos exercícios atual e anterior e da DRE do exercício atual, além de consultas em fichas de Razão de algumas contas. Tanto na DFC Direta quanto na Indireta, as informações apresentadas no grupo das atividades de investimentos e de financiamentos são as mesmas. O que muda é a forma de apresentar a origem e o destino do dinheiro em decorrência das atividades operacionais. Na DFC Indireta, parte-se do Resultado do Exercício, ajustando-o pela eliminação dos resultados não financeiros e pela adição ou exclusão das variações ocorridas nos grupos de contas do Ativo Circulante, exceto as Disponibilidades, e do Passivo Circulante. Portanto, adiciona-se o Resultado do Exercício (quando corresponder a lucro) as despesas não financeiras (as mais comuns: Depreciação e Amortização) e subtraem-se as receitas não financeiras (as mais comuns: Receitas de Participações Societárias contabilizadas pelo MEP). Em seguida, são informadas na DFC as
  31. 31. variações para mais ou para menosocorridas em todos os grupos de contas do Ativo Circulante (exceto das Disponibilidades) e do Passivo Circulante, chegando-se, assim, ao resultado gerado ou consumido pelas atividades operacionais. O cuidado a ser tomado refere-se a não inclusão, nos cálculos, dos valores dos Juros sobre o Capital próprio, bem como dos dividendos calculados com base no resultado final, uma vez que correspondem a Destinações do resultado que não foram pagas no exercício findo. Na DFC direta, o resultado das atividades operacionais é demonstrado em função dos recebimentos e dos pagamentos ocorridos durante o exercício. Neste caso, é apresentado inicialmente o total dos valores recebidos de clientes, bem como o total dos valores pagos a fornecedores e empregados. Em seguida, são evidenciados os pagamentos feitos a titulo de Imposto de Renda e Contribuição Social, os pagamentos de contingências, os recebimentos por reembolso de seguros, os recebimentos decorrentes de Lucros e dividendos de subsidiárias, para, finalmente, ser informado o valor líquido decorrente do confronto entre os demais recebimentos e pagamentos ocorridos no período e não incluídos ns itens anteriores. 2.5. Microempreendedor Individual 2.5.1 Características gerais De acordo com o § 1ºda Lei Complementar nº 128, de 19/12/2008, às margens do art. 966 da Lei nº 10.406/02 do Código Civil,empreendedor individual é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um empreendedor individual, é necessário faturar no máximo até R$ 60.000,00por ano, não ter participação em outra empresa como sócio ou titular e exercer atividades enquadradas em uma das categorias listadas no ANEXO I. Além disto, ao microempreendedor individual é permitido ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. A Lei Complementar nº 128, de 19/12/2008, criou condições especiais para que o trabalhador conhecido como informal possa se tornar um Empreendedor Individual legalizado.
  32. 32. Entre as vantagens oferecidas por essa lei está o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), o que facilitará a abertura de conta bancária, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais. Além disso, o Empreendedor Individual será enquadrado no Simples Nacional e ficará isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, COFINS, IPI e CSLL). Pagará apenas o valor fixo mensal (vide anexo III)que será destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS, conforme o caso. Essas quantias serão atualizadas anualmente, de acordo com o salário mínimo. Com essas contribuições, o Microempreendedor Individual terá acesso a benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria, entre outros. Em suma, o empreendedor individual só será enquadrado se ele observar os itens a seguir: a) Não estiver impedido pelo que trata a Lei Complementar 123/06; b) Optar obrigatoriamente pelo SIMPLES Nacional (conforme artigos da lei 123/06); c) Obtiver faturamento anual não superior a R$ 60.000,00 ou o limite proporcional exibido na tabela a seguir: Tempo de Atividade (meses) Limite proporcional (R$) 12 60.000,00 11 55.000,00 10 50.000,00 9 45.000,00 8 40.000,00
  33. 33. 7 35.000,00 6 30.000,00 5 25.000,00 4 20.000,00 3 15.000,00 2 10.000,00 1 5.000,00 TABELA I: Limites proporcionais de faturamento para enquadramento ao MEI em Fevereiro/2012 2.5.2 Controle Financeiro A Lei complementar 128/08 isentou o microempreendedor individual da escrituração contábil. Entretanto, é necessário que haja a guarda dos documentos fiscais emitidos em suas operações por no mínimo 5 anos, esses anexados ao relatório de prestação de serviços e vendas mensal (vide anexo IV) onde deve ser identificado o total de serviços prestados ou vendas com ou sem nota fiscal. Quando a documentação fiscal, o microempreendedor individual está dispensado da emissão da nota fiscal quando o seu cliente for pessoa física, tanto para prestação de serviços quanto vendas. Porém, a emissão deste documento torna-se obrigatória quando o cliente for Pessoa Jurídica. A este empreendedor é exigido a Declaração anual do microempreendedor individual, cujo prazo limite de entrega é o último dia útil de Janeiro do ano seguinte ao exercício, e deve ser apresentada a Secretaria da Receita Federal por meio da Declaração do Simples Nacional. Esta declaração
  34. 34. pode ser encontrada para preenchimento no portal da internet MEI (http://www.portaldoempreendedor.gov.br). 2.5.3 Dados Estatísticos De acordo com o relatório estatístico emitido pela Receita Federal (Simples Nacional), no que tange ao número de optantes pelo MEI, segregado inclusive por estado, no período de 01 de Julho de 2009 a 30 de Junho de 2011, houve um aumento expressivo neste número no período. O estado de São Paulo é a unidade de federação com maior representatividade nesse montante, com 21,84% do total geral. Veja a seguir a representação gráfica desta evolução no país (Gráfico I) e um comparativo entre São Paulo e demais estados (Gráfico II): Gráfico I Fonte: Gráfico elaborado com base nos números divulgados pela Receita Federal/Estatística Simples Nacional
  35. 35. Gráfico II Fonte: Gráfico elaborado com base nos números divulgados pela Receita Federal/Estatística Simples Nacional Em uma breve análise é possível visualizar o aumento significativo no número de empresários que, até então atuavam na informalidade, beneficiaram-se com esse novo regime de empresa, atraídos pela desburocratização, menor custo e inúmeros benefícios oferecidos. Este projeto é um grande salto do país rumo ao desenvolvimento, já que ao se legalizar, este empresário passa a sentir a necessidade de melhores controles internos e adoção de ferramentas de gestão que impulsionem o crescimento dos negócios para sobreviver ao mercado competitivo dos dias atuais. - 500,000 1,000,000 1,500,000 2009 2010 2011 14,557 145,375 438,046 34,561 599,968 1,433,130 Empresas enquadradas no MEI São Paulo x Outros Estados SP Outros
  36. 36. Nota: As principais fontes de pesquisas para a elaboração deste capítulo foram o portal do MEI na internet <http://www.portaldoempreendedor.gov.br>e o livro Micro Empreendedor Individual de RUTHES (2009). 3. CASO EXEMPLO 3.1 Caracterização da Empresa Este estágio está sendo realizada em uma oficina, prestadora de serviços de funilaria e pintura de veículos, devidamente enquadrada no MEI, cuja identificação resumida consta no quadro a seguir: Razão Social:Antonio Ferreira Gonzaga Nome Fantasia: Funilaria e Pintura Toninho CNPJ: 12.414.099/0001-57 Telefones: (11) 2528-4922 / (11) 9815-0360 Endereço: Rua Giestas, 816 – Vila Bela – São Paulo/SP O empreendimento existe há aproximadamente 20 anos, porém só saiu da informalidade em Agosto de 2010, quando a criação do MEI e seus benefícios difundiram-se no país. Trata-se de uma pequena oficina familiar, com capacidade para 3 carros e um escritório para execução das atividades administrativas. Não há
  37. 37. funcionário contratado em regime CLT, os serviços são executados pelo próprio empreendedor e, havendo demanda excessiva, há a prestação de serviços de demais profissionais autônomos. O porte da empresa por si só justifica a estrutura funcional, simplificada, abaixo representada: FIGURA V: Organograma institucional O empreendedor, na qualidade de supervisor deste estágio, conta ainda com as orientações da contadora Rosangela Claro da Silva Carro - CRC SP- 223106/O-0, independente de qualquer vínculo empregatício, auxiliando-o dentro do cabível a zelar pelo bom desempenho desta função. 3.2 Área de estágio O estágio vem sendo desenvolvido na área administrativo-financeira da empresa, efetuando a implementação da gestão do fluxo de caixa e demais rotinas que colaboram com a organização e controle dos processos. Inicialmente, busquei acompanhar de perto a rotina na empresa, entender o funcionamento do negócio (desempenho no mercado), conhecer o perfil dos clientes, fornecedores e a demanda dos serviços prestados. Neste exercício de observação foi possível coletar as seguintes informações sobre a atividade operacional, financeira e os fatores externos que influenciam neste tipo de negócio. Empreendedor Individual Estagiário Contador / Consultor
  38. 38. Entendendo o funcionamento do negócio: A oficina oferece diversificada cadeia de serviços, dentro de suas limitações, buscando atender a demanda de clientes. Neste sentido, busquei relacionar em documento específico os tipos de serviços prestados seguido de uma breve descrição, para melhor entendimento dos interessados (vide anexo V). Reconhecendo a importância em conhecer o mercado em que a empresa atua, efetuei uma breve pesquisa de mercado para avaliar a demanda desse tipo de serviço. Nicho de mercado De acordo com informações divulgadas pelo DETRAN-SP (Departamento de Trânsito do Estado de São Paulo), a frota de veículos na cidade de São Paulo ultrapassou os 7 milhões em Janeiro 2012, atingindo 7.207.165. O automóvel é o veículo mais comum: corresponde acerca de 73% do total da frota da cidade. O segundo lugar fica com as motocicletas, triciclos e quadriciclos, com 889.164 unidades (12% dos veículos da capital paulista). Os 718.450 micro-ônibus, camionetas, caminhonetes e utilitários ficam em terceiro lugar, totalizando 10% da frota paulista. Em um ano, o incremento na frota foi de 233.270 veículos, o que corresponde a pouco mais de 3,2%, já que, no mesmo período do ano passado, a frota da capital paulista era de 6.953.958, segundo dados do DETRAN-SP. A capital representa um total de 31% da frota de todo o Estado de São Paulo, composta por 21.890.207 veículos.
  39. 39. Assim, os serviços de funilaria e pintura são requisitados principalmente nas grandes cidades, onde o trânsito caótico eleva o índice de ocorrências, toques, amassados e batidos na lataria, apresentando uma demanda favorável a este nicho de mercado. Sabe-se que a demanda é favorável a este tipo de negócio, mas alguns pontos precisaram ser revistos para que o empreendimento atingisse uma participação relevante neste marcado, ao ponto de obter receita suficiente para suprir seus custos de serviços prestados e, ainda, trazer retorno ao empreendedor que depende exclusivamente deste negócio para suas necessidades pessoais. Planejamento do fluxo das informações O objetivo deste trabalho, como apresentado inicialmente, é implementar na empresa a gestão do fluxo de caixa e, a partir daí, ter-se melhor monitoramento e disposição de informações importantes para a tomada de decisão. Contudo, ao decorrer do estágio, notou-se uma carência muito grande de organização nos quesitos não operacionais (ou seja, nas atividades não diretamente ligadas à execução dos serviços propriamente ditos). Verificou-se que não havia uma separação dos bens da empresa e pessoais, ferindo gravemente o princípio da entidade (Res. CFC nº 750/93), além disto, a empresa não dispunha de um banco de dados com informações de seus clientes e fornecedores, nem mesmo um histórico confiável de suas movimentações financeiras (uma vez que o empresário reconheceu incorrer em, falhas no momento do registro das entradas e saídas de caixa, por lapso e falta da devida orientação), o que dificultou bastante o entendimento do desempenho financeiro da mesma, uma vez que sem este histórico seria difícil medir as deficiências de caixa e sazonalidade, por exemplo. Entendo as principais necessidades da empresa e reconhecendo serem essas impeditivas ao efetivo gerenciamento do fluxo de caixa, tomei algumas providencias para que se estabelecesse uma rotina favorável à coleta de dados necessários ao controle das atividades operacionais e recursos financeiros.
  40. 40. Diante da estrutura funcional enxuta, buscou-se trabalhar em rotinas simplificadas, para que o empreendedor pudesse executá-las sem demandar muito de seu tempo e, acima de tudo, procurei expor a este as vantagens e benefícios que estas rotinas trariam à sua empresa e a necessidade de mantê- las, desta forma pretende-se evitar a descontinuidade dos trabalhos. Esta etapa consistiu então na elaboração de formulários que serviriam como base de dados para futura obtenção de informações. São eles: a) Ficha cadastral de clientes (anexo VI – item a): esta ficha tem como objetivo obter informações cruciais dos clientes, propiciando facilidade no contato, registro do histórico e base de consulta para o caso de retorno do mesmo; b) Ficha de orçamentos (anexo VI – item b): estas informações auxiliam na projeção de fluxo de caixa futuro, uma vez que os serviços orçados têm grande potencial para realização; c) Mapa de recebimentos (anexo VI – item c): constitui a base para a elaboração do fluxo de caixa. Este formulário foi estruturado para o preenchimento das receitas na data em que ela se constituiu para que ao final do mês seja consolidada em fluxo de caixa mensal; d) Mapa de despesas (anexo VI – item d): constitui a contrapartida das informações a serem também inclusas no fluxo de caixa, apresentando assim a movimentação do caixa; e) Fluxo de Caixa (anexo VI – item e): formulário de base mensal onde serão preenchidas as movimentações realizadas no caixa. Neste mesmo documento são fixados os valores previstos para cada mês, tendo-se assim um quadro comparativo entre o orçado e o realizado. Os formulários foram elaborados em Excel para preenchimento eletrônico ou via impressa, conforme necessidade. Além disto, por disposição do SEBRAE existe uma ferramenta bastante adequada ao MEI. Trata-se de um software livre, chamado „AcompanEI‟, desenvolvido para o input de entradas e saídas de caixa e estruturado para geração de relatórios que auxiliam na gestão. A partir desta ferramenta é possível gerar os seguintes relatórios:
  41. 41. 1. Relatório mensal de receitas brutas; 2. Relatório de despesas; 3. Resumo financeiro; 4. Declaração anual de recebimentos Este software está disponível para download no site do SEBRAE, gratuitamente, através do link a seguir: http://www.sebrae.com.br/uf/distrito-federal/sebrae-online/acompanhei Assim o empresário dispõe de recursos informatizados que se complementam entre si, compondo um pacote de informações fundamentais à organização, controle financeiro e suporte para as decisões do dia-a-dia. Desta forma, é possível ter uma melhor dimensão sobre o funcionamento das atividades operacionais e financeiras da empresa, tendo uma base segura para a gestão do fluxo de caixa. Projeção do fluxo de caixa a curto prazo Para projetar o fluxo de caixa da empresa foi necessário considerar alguns fatores relevantes, tais como: Serviços previstos para os próximos dias/meses, com base no Controle de orçamento que, a esta altura, já entrou em uso há aproximadamente 4 meses, e com base na estimativa de receitas para cada época do ano feita pelo empresário, que fundamenta a projeção na experiência que possui do negócio; Levantamento de créditos a receber de clientes; Compras e condições oferecidas pelos fornecedores. Aqui considera-se as compras já realizadas à prazo, cujo vencimento e valor já são conhecidos somados aos custos com os materiais atrelados aos serviços previstos no item anterior; Total das despesas, baseando-se no histórico desta categoria, considerando-se possíveis variações para mais ou menos devido a fatos relevantes no período;
  42. 42. Fatores externos que possam influenciar a demanda dos serviços (condições de mercado, concorrência, sazonalidade, etc.); A periodicidade da elaboração do fluxo de caixa, levando em consideração o porte da empresa, segmento, fluxo da movimentação financeira, entre outros. Após o estudo destes fatores, iniciou-se a elaboração da projeção do fluxo de caixa, contando aqui com o suporte técnico da contadora Rosangela Claro, e ainda, com o empresário Antonio Ferreira Gonzaga que possui conhecimento do negócio em si, importante para garantir a confiabilidade das informações. Levando em consideração o porte da empresa e, principalmente, a pouca movimentação em caixa, optou-se pela base mensal de fluxo de caixa e tentamos, assim, projetar o fluxo de caixa para os próximos 3 meses - período mínimo sugerido por Zdanowicz, (1995) para a projeção ideal do fluxo de caixa. Alguns levantamentos adicionais e cruciais foram efetuados: As entradas de recursos ocorrem em 2 momentos: 50% antecipadamente e o restante no momento da entrega do veículo já pronto. De acordo com o empreendedor o período máximo para a conclusão de serviços classificados, segundo ele, pesados (como a reconstrução de um veículo bastante danificado)é de 30 dias. A demanda deste tipo de serviço é pequena, no geral a oficina recebe veículos pata pequenos reparos e soldas, cujoprazo para entrega é de 3 dias a 1 semana. Com os fornecedores o fluxo é favorável ao empreendedor, uma vez que este possui prazo de até 30 dias para o pagamento, sendo exigido apenas 10% como entrada. Esse ponto favorece o fluxo de caixa, pois a folga entre o recebimento dos clientes e o pagamento aos fornecedores é consideravelmente grande (dependendo do serviço); A oficina possui algumas despesas fixas, ou seja, despesas não necessariamente vinculadas aos serviços prestados e que são fundamentais para o funcionamento da mesma. São essas: água, luz, telefone e internet. O valor desta despesa não são muito elevado, mas
  43. 43. afeta o caixa negativamente e devem ser controlados para que não excedam às receitas; Segundo o empresário os períodos de maior demanda na oficina ocorrem nos meses de Junho, Agosto, Outubro, Novembro e Dezembro. A esta época do ano espera-se obter receitas suficientes para suprir as despesas da empresa e as necessidades pessoais durante o ano inteiro. Antes do controle do fluxo de caixa o empresário deparava-se com grandes dificuldades para atender a essa necessidade, acompanharemos a partir daqui as mudanças positivas após a iniciação da gestão de caixa.Diante das informações coletadas elaborei, em Dezembro/2011, a projeção para os meses de janeiro/2012 a março/2012. Vale ressaltar que a esta altura já temos o histórico do desempenho do caixa nos períodos de agosto a dezembro/2011, o que auxiliou bastante as projeções futuras (olhando para o passado para compreender ofuturo). Veja a posição em 31/12/2012: Saldo inicial: R$ 10.750,13 Sendo o início de ano um período complicado para o negócio, não espera-se um crescimento n o nível de caixa. Por isso a estratégia é poupar, fazer retenção de gastos e ir em busca de captar novos clientes para evitar a escassez de caixa, pois ainda assim deseja-se um incremento pelo menos 5% no caixa;
  44. 44. Espera-se para os próximos períodos uma diminuição nas despesas em pelo menos 20%, visando minimizar a diminuição relevante nas receitas, cuja previsão para os próximos meses é de 40%. Figura VI: Fluxo de Caixa Projetado Apesar de estimar-se diminuição nas receitas, principalmente em Janeiro quando o mercado está desacelerado devido aos gastos de fim de ano, a estratégia de redução das despesas, dentro do cabível, auxiliará em um aumento de 5% no caixa, conforme desejado pelo empreendedor. Ao longo do tempo as informações foram sendo atualizadas completando-se assim o quadro do fluxo de caixa realizado. Realizado Realizado Realizado Realizado Realizado Previsto Realizado Previsto Realizado Previsto Realizado SALDO INICIAL 7.689,60 11.450,80 11.202,07 10.402,55 10.402,55 10.575,13 10.688,28 10.943,23 Receitas de serviços prestados (à vista) 5.350,00 500,00 - 1.250,00 870,00 522,00 - 696,00 - 783,00 - E com emissão de NF 5.020,00 500,00 - 1.100,00 870,00 522,00 696,00 783,00 N sem emissão de NF 330,00 150,00 T Receitas de serviços prestados (à prazo) - R com emissão de NF A sem emissão de NF D Outras receitas - A operações bancária S outras Total das entradas 5.350,00 500,00 - 1.250,00 870,00 522,00 - 696,00 - 783,00 - Despesas com serviços e G&A Contribuição MEI 32,25 32,25 32,25 32,25 32,25 32,25 32,25 32,25 Juros e multa S Fornecedores 137,25 312,48 488,27 743,01 276,17 156,60 208,80 234,90 A Água 82,30 52,00 37,00 85,90 56,00 44,80 35,84 35,84 Í Luz 117,00 87,00 68,00 72,00 69,00 55,20 44,16 44,16 D Telefone e internet 90,00 90,00 90,00 90,00 90,00 90,00 90,00 90,00 A Combustível 10,00 40,00 84,00 50,00 30,00 30,00 10,00 S Compra de equipamentos Material de escritório 50,00 Mão de obra 1.070,00 100,00 - 250,00 174,00 - - - - - - Outras despesas 35,00 Total das saídas 1.588,80 748,73 799,52 1.323,16 697,42 408,85 - 441,05 - 447,15 - Resultado operacional 3.761,20 248,73- 799,52- 73,16- 172,58 113,15 - 254,95 - 335,85 - SALDO FINAL 11.450,80 11.202,07 10.402,55 10.329,39 10.575,13 10.688,28 - 10.943,23 - 11.279,08 - jan/12 fev/12 mar/12 Fluxo de Caixa (Mensal) nov/11ago/11 set/11 out/11 dez/11
  45. 45. Veja a seguir a posição do caixa em 31/03/2012: Figura VI: Fluxo de Caixa Projetado x Realizado Observa-se uma variação de 20% para menos nas despesas com fornecedores, luz e água, trazendo um efeito positivo uma vez que se conseguiu reduzir esses valores mais do que o planejado. Nota-se também que para os demais itens não houve grandes variações, e que ao final o fluxo de caixa apresentou um aumento de 5% em relação à Dezembro, conforme previsto. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir da gestão do fluxo de caixa as melhorias na empresa foram notórias, com destaque maior à capacidade de prever as deficiências de caixa em determinados períodos e planejar medidas para minimização dos impactos. Com medidas simples e que não demandam muito tempo a empresa passou a ter a capacidade de coletar informações relevantes, dispô-las de maneira Realizado Realizado Realizado Realizado Realizado Previsto Realizado Previsto Realizado Previsto Realizado SALDO INICIAL 7.689,60 11.450,80 11.202,07 10.402,55 10.402,55 10.575,13 10.575,13 10.688,28 10.640,18 10.943,23 10.940,43 Receitas de serviços prestados (à vista) 5.350,00 500,00 - 1.250,00 870,00 522,00 419,00 -20% 696,00 745,00 7% 783,00 760,00 -3% E com emissão de NF 5.020,00 500,00 - 1.100,00 870,00 522,00 419,00 -20% 696,00 745,00 7% 783,00 760,00 -3% N sem emissão de NF 330,00 150,00 T Receitas de serviços prestados (à prazo) - R com emissão de NF A sem emissão de NF D Outras receitas - A operações bancária S outras Total das entradas 5.350,00 500,00 - 1.250,00 870,00 522,00 419,00 -20% 696,00 745,00 7% 783,00 760,00 -3% Despesas com serviços e G&A Contribuição MEI 32,25 32,25 32,25 32,25 32,25 32,25 32,25 0% 32,25 32,25 0% 32,25 32,25 0% Juros e multa S Fornecedores 137,25 312,48 488,27 743,01 276,17 156,60 125,70 -20% 208,80 223,50 7% 234,90 228,00 -3% A Água 82,30 52,00 37,00 85,90 56,00 44,80 35,84 -20% 35,84 28,67 -20% 35,84 28,67 -20% Í Luz 117,00 87,00 68,00 72,00 69,00 55,20 44,16 -20% 44,16 35,33 -20% 44,16 35,33 -20% D Telefone e internet 90,00 90,00 90,00 90,00 90,00 90,00 90,00 0% 90,00 90,00 0% 90,00 90,00 0% A Combustível 10,00 40,00 84,00 50,00 30,00 26,00 -13% 30,00 35,00 17% 10,00 30,00 200% S Compra de equipamentos Material de escritório 50,00 Mão de obra 1.070,00 100,00 - 250,00 174,00 - - - - - 152,00 Outras despesas 35,00 Total das saídas 1.588,80 748,73 799,52 1.323,16 697,42 408,85 353,95 -13% 441,05 444,75 1% 447,15 596,25 33% Resultado operacional 3.761,20 248,73- 799,52- 73,16- 172,58 113,15 65,05 -43% 254,95 300,25 18% 335,85 163,75 -51% SALDO FINAL 11.450,80 11.202,07 10.402,55 10.329,39 10.575,13 10.688,28 10.640,18 0% 10.943,23 10.940,43 0% 11.279,08 11.104,18 -2% Var (%) jan/12 fev/12 mar/12 Fluxo de Caixa (Mensal) nov/11 Var (%) Var (%) ago/11 set/11 out/11 dez/11
  46. 46. coerente e eficaz, além de possuir base de dados suficiente para gerar as informações que o empreendedor necessita para suas decisões. O empresário, ao observar melhorias concretas, conscientizou-se da importância e necessidade de ter em mãos o controle das movimentações financeiras, de respeitar o princípio da entidade e gerenciar seus fluxos de caixa e acompanhar de perto as oscilações em seu caixa. Entendeu que é possível sobreviver e ainda obter um acréscimo de caixa mesmo diante de um cenário de diminuição de receitas, e que isso só é possível com um controle do fluxo de caixa e projeções confiáveis que se aproximam da realidade da empresa. O país encontra-se em situação favorável às e microempresas, possibilitando a estas a inserção no mercado de forma legalizada com diminuição da burocracia e, ao menos no caso do MEI, com carga tributária cabível à realidade do empreendedor. Hoje é possível dizer que o mercado está aberto às pequenas e microempresas, que representam grande percentual de participação de empresas ativas no país, portanto se houver maior atenção por parte dessas a seus fluxos de caixa, aumenta-se consideravelmente suas chances de sobreviver ao cenário competitivo no Brasil, e até no mundo, e crescer gradativamente. Considerando todos os aspectos estudados ao longo deste trabalho, e ainda, o resultado positivo observado no caso exemplo não há dúvidas quanto a necessidade, importância e relevância da gestão do fluxo de caixa também para os micro empreendedores individuais e, ao vivenciar na prática o processo de implementação desta ferramenta, foi possível ter plena certeza de sua aplicabilidade e usabilidade, desde que se envida esforços e principalmente o senso crítico embasado em relevante fundamentação teórica.
  47. 47. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BERTI, Anélio. Manual prático de consultoria: Diagnóstico e análise empresarial. Curitiba: Juruá Editota, 2009, 223 p. BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas de Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1998, 416 p.
  48. 48. CAMPOS FILHO, Ademar. DFC: Uma ferramenta indispensável para administrar sua empresa: Atlas, 1999. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 03 – Demonstração do Fluxo de Caixa. Disponível em <www.cpc.org.br>. Acesso em 12/09/2011. CRUZ, Paulo G. da, BRESSAN, Valéria G. Fully. Análise financeira de empresas: uma aplicação do Modelo Fleuriet e análise da demonstração dos fluxos de caixa em empresas de Tecnologia da Informação. Publicação 11º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, 2011 p. 8 ESTATÍSTICAS DE TRÂNSITO. Disponível em <http://www.detran.sp.gov.br/>. Acesso em 13/02/2012. FERREIRA, Neide de Souza. A importância da gestão do fluxo de caixa no processo decisório das empresas. Monografia apresentada à Universidade Federal da Paraíba, 2003. Disponível em <www.trabalhosfeitos.com>. Acesso em 30/10/2011. FÓRUM CONTÁBIL. Disponível em < www.portaldecontabilidade.com.br >. Acesso em 24/08/2011. GIL, Antonio C.Como elaborar projetos de pesquisas. 4° Edição, São Paulo:Atlas, 2002, 176 p. IUDÍCIBUS, Sérgio de; Marion, José C. Introdução à teoria da contabilidade para o nível de graduação. São Paulo: Atlas, 1999. KUSTER, Edison; NOGACZ, Nilson Danny. Administração Financeira. Coleção Gestão Empresarial, p. 37:47. MARQUES, Wagner Luiz. Contabilidade gerencial às necessidades das empresas.Gráfica e Editora Bacon Ltda. Cianorte. 2004. MIOTTO, Neivandra; LOZECKYI, Jeferson. A importância da contabilidade gerencial na tomada de decisão nas empresas. Artigo publicado na Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO. 5º Edção: 2008, p. 5:6. NETO, Alexandre Assaf; SILVA, A. Tibúrcio. Administração do capital de giro. 2° Edição, São Paulo: Atlas. ______. Administração do capital de giro. 2º edição, São Paulo: Atlas.
  49. 49. OLIVEIRA, Rodney et al. Gestão do fluxo de caixa para gerenciamento de pequenos empreendimentos. Artigo científico apresentado à Faculdade do Pará. Disponível em:<http://www.aedb.br/seget/artigos07>. Acesso em 21/11/2011. OLIVEIRA, Everaldo Leonel de et al. Fluxo de caixa como instrumento de controle gerencial para tomada de decisão: um estudo realizado em microempresas. Artigo apresentado à Universidade Regional de Blumenau. Disponível em <http://www.ead.fea.usp.br>. Acesso em 20/12/2011. PADRONIZAÇÃO DOS TRABALHOS ESCRITOS. Apostila Escola SENAI Fundação Zerrenner, 2007, p. 38 PORTAL DO MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Disponível em <http://www.portaldoempreendedor.gov.br/modulos/entenda/quem.php> Acesso em Janeiro/2012. RUTHES, Neimar A. Micro Empreendedor Individual. 1º Ed. Paraná, 2009, 124 p. SÁ, Carlos Alexandre de. Fluxo de caixa: A visão da tesouraria e da controladoria. 2º Edição, São Paulo:Atlas, 2008. SILVER, A. David. Entradas de caixa no cash flow: Ideias práticas e reais para revitalizar seu negócio. Makron Books, 1996. SEBRAE Saiba Mais. Manual sobre Fluxo de Caixa. Disponível em<www.sebrae.com.br>. Acesso em 15/Setembro/2011. SPADIN, Carlos Eduardo. A importância da demonstração dos fluxos de caixa enquanto instrumento gerencial para a tomada de decisão. Revista de Ciências Gerenciais. Vol. XII, nº 14, Ano 2008. P. 167:177.

×