Operadores Booleanos

6,143 views
5,864 views

Published on

1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
6,143
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
92
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Operadores Booleanos

  1. 1. OperadOres BOOleanOs Universidade Lusófona do Porto Recursos Tecnológicos e Formação Ana Bessa nº 20062285 Raquel Bastos nº 20062189
  2. 2. Origem  George Boole foi um matemático inglês que viveu no séc. XIX. Criou um sistema de álgebra e foi um dos percursores da lógica moderna.  Mais especificamente, foi uma tentativa de utilizar técnicas algébricas para lidar com expressões no cálculo profissional. Hoje, as álgebras booleanas, têm muitas aplicações na electrónica. Foram pela primeira vez aplicadas a interruptores por Claude Shannon, no século XX.  Conduziu o raciocínio utilizando algumas expressões simples e monossilábicas que ficaram conhecidas como operadores Booleanos.
  3. 3. definiçãO dO sistema  Booleano é um tipo de dado primitivo que possui dois valores, podem ser considerados como 0 ou 1, verdadeiro ou falso.  Ele é usado em operações lógicas como conjunção, disjunção, disjunção exclusiva, equivalência lógica e negação, que correspondem a algumas das operações da álgebra booleana.
  4. 4. a ÁlgeBra BOOleana  A base dos sistemas dos computadores digitais modernos são os circuitos lógicos. Para poder entender como estes sistemas funcionam é preciso ter algum conhecimento da lógica digital e da álgebra booleana.  A lógica booleana é a base dos sistemas binários, usando um sistema de equações booleanas é possível representar qualquer algoritmo ou qualquer circuito electrónico do computador.  Álgebra booleana é um sistema de dedução matemática restrito aos valores zero e um (falso e verdadeiro). Operadores binários definidos para este conjunto de valores aceitam um par de entradas booleanas e produzem um valor Booleano único. Por exemplo, o operador Booleano AND aceita duas entradas booleanas e produz uma única saída booleana (o AND lógico das duas entradas).
  5. 5.  Na matemática e na ciência da computação, as álgebras booleanas, também conhecida como Álgebra de Boole, são estruturas algébricas que quot;capturam a essênciaquot; das operações lógicas E, OU e NÃO, bem como das operações da teoria de conjuntos soma, produto e complemento. Ela, também, é o fundamento da matemática computacional, baseada em números binários.
  6. 6.  São os operadores básicos da lógica booleana:  AND=E  OR=OU  NOT=NÃO  São operadores de proximidade:  SAME  ADJ  Os matemáticos usam com frequência “+” para OU e “.” para E, visto que sob alguns aspectos estas operações são análogas à adição e multiplicação noutras estruturas algébricas, representam NÃO com uma linha traçada sobre a expressão que está a ser negada.
  7. 7.  Os operadores Booleanos AND (E), OR (OU), NOT (MENOS) servem para combinar vários termos numa mesma pesquisa. A sua utilização é de grande utilidade sempre que é necessário afinar uma pesquisa numa base de dados.
  8. 8. OperadOr and  Restringe a busca recuperando todos os documentos existentes na base que mostrem os termos utilizados. plantas ornamentais plantas AND ornamentais
  9. 9. pesquisandO nO BiOlOgical aBstract: and
  10. 10. resultadO da pesquisa cOm O OperadOr and
  11. 11. OperadOr Or  Usado para recuperar maior quantidade de informação com termos sinônimos, relacionados ou similares. gato felino gato OR felino
  12. 12. pesquisandO na Base de dadOs science direct: Or
  13. 13. OperadOr nOt Ou and nOt  As vezes é necessário excluir certos registos, ou porque se referem a aspectos que já se conhece ou porque não há interesse no documento. crustáceos camarão crustáceos NOT camarão
  14. 14. pesquisandO na Base de dadOs science direct: and nOt
  15. 15. OperadOr same e adJ  SAME, encontra como resultado todos os documentos que contenham as palavras pesquisadas desde que não haja mais de dez termos entre elas;  ADJ, encontra como resultado todos os documentos que contenham as palavras pesquisadas desde que não haja nenhum termo entre elas;  As palavras podem ser encontradas em qualquer ordem.
  16. 16. pesquisandO nO fsta (fOOd science technOlOgy aBstracts):adJ
  17. 17. sistemas de ÁlgeBra BOOleana [idealizada pOr geOrge BOOle (1815-1864)]  Fechado: O sistema Booleano é considerado fechado em relação a um operador binário se para cada par de valores Booleanos ele produzir um resultado Booleano. Por exemplo, o AND lógico está fechado no sistema Booleano porque aceita somente operandos Booleanos e produz apenas resultados Booleanos.  Comutativo: O operador binário quot; # quot; é dito comutativo se A # B = B # A para todos os valores Booleanos possíveis de A e B.  Associativo: Se (A % B) % C = A % (B % C) para todos os valores Booleanos de A, B e C, diz-se que o operador binário quot;%quot; é associativo.  Distributivo: Dois operadores binários quot;%quot; e quot;#quot; são distributivos se A % (B # C) = (A % B) # (A % C) para todos os valores Booleanos de A, B e C.  Identidade: Um valor Booleano I é chamado de elemento de identidade em relação a algum operador binário quot;%quot; se A % I = A.  Inverso: Um valor Booleano I é chamado de elemento inverso em relação a algum operador binário quot;%quot; se A % I = B e B <> A (isto é, B é o valor oposto de A num sistema Booleano.
  18. 18. síntese  Operadores Booleanos, breve explicação do conceito: Quando a popularidade da Internet ainda não tinha forçado as pessoas que pensam e implementam coisas como motores de pesquisa a facilitar a vida dos utilizadores dos sistemas, a forma de procurar informação em sistemas informáticos, Internet ou não, exigia pensar um pouco mais do que nos dias de hoje.
  19. 19.  Assim, se se quisesse obter como resultado de pesquisa todas as páginas onde existisse a ocorrência de duas determinadas palavras, digamos Portugal e Brasil, teria de se introduzir na caixa de entrada dos termos a pesquisar algo como: Portugal AND Brasil. O AND quer dizer precisamente que a página tem de ter Portugal e tem de ter Brasil senão não interessa. Trata-se de um operador lógico, dito “Booleano”.
  20. 20.  Se se quisesse que aparecessem lexias com referências quer a Portugal quer ao Brasil, escrever-se-ia Portugal OR Brasil com parênteses e o operador NOT (e ainda o NEAR, que agora também se usa).  O uso do operador AND é o que faz mais confusão, a maior parte das pessoas pensa que está a pedir todas as páginas onde se fala de Portugal e todas as páginas onde se fala do Brasil.
  21. 21. partes dO cOmputadOr
  22. 22. O interiOr dO cOmputadOr  No geral, podemos afirmar que um computador é constituído pelo software e pelo hardware. O Software é o conjunto de programas, procedimentos e regras relativos e necessários para o funcionamento do hardware no processamento de dados. No software o sistema operativo é o mais importante. Existem vários mas os mais utilizados são: o Microsoft Windows e Linux. Sendo o primeiro o mais utilizado. O hardware é a parte física do computador, desde o equipamento informático; monitor, teclado, dispositivos de entrada e saída de dados, sem nos esquecermos da memória. É o conjunto de equipamentos e dispositivos de um computador como unidade de processamento, monitor, modem, impressora, etc .
  23. 23. partes internas
  24. 24. placa principal  Também chamada de motherboard ou de Placa-mãe. É uma placa de circuito impresso onde estão integrados os principais componentes de um computador pessoal, tais como o processador, a memória principal e os circuitos que interligam todos os elemento, os bus. Caso existam placas de expansão, são colocadas sobre esta placa.
  25. 25. BarramentO (Bus)  Para que o computador funcione necessita de algumas conexões físicas que permitam a comunicação entre os constituintes do computador. O barramento constitui um sistema comum de conexão de inter conexão, composto por um conjunto de cabos condutores que coordenam e transportam as informações entre as partes internas e externas do computador.  
  26. 26. prOcessadOr Unidade de processamento e controle do computador. Este interpreta e executa as principais funções do computador.
  27. 27. memória ram  É uma memória primária onde se encontram armazenados, embora temporariamente, os dados e as instruções correspondentes a um dado programa em execução, assim quando se desliga o computador o seu conteúdo desaparece. Esta memória permite que lhe sejam feitas operações de escrita e leitura. Existe, também, a Cache que é uma memória RAM mas mais rápida e mais cara que, geralmente é utilizada para guardar dados mais utilizados.
  28. 28. memória rOm  É semelhante à RAM, embora seja apenas de leitura.
  29. 29. discO rígidO  Conhecido, também, por Winchester ou HD (hard disk). Tem a função de armazenar facilmente os arquivos do computador, isto é, ao contrário da memória RAM os dados nele armazenados não são eliminados, mesmo que o computador seja desligado. Este é uma memória secundária.
  30. 30. placas de expansãO São circuitos impressos que se colocam em slots de expansão de forma a alargar as funcionalidades de um computador. Existem diversos tipos de placas de expansão: -Placas de rede -Placa de som - Placa de vídeo - Placa gráfica
  31. 31. placa de rede  Permite interligar o computador em rede. A cada placa de rede é atribuído um endereço que permite identificar o computador na rede.
  32. 32. placa de sOm  Permite estender as reduzidas capacidades áudio de um computador.
  33. 33. placa de VídeO  Permite capturar sequências de vídeo através de uma câmara ou gravador de vídeo.
  34. 34. placa grÁfica   Controla o funcionamento dos monitores.
  35. 35. fOnte de alimentaçãO  Aparelho ou dispositivo electrónico constituído por 4 blocos de componentes eléctricos: um transformador de força (que aumenta ou reduz a tensão), um circuito rectificador, um filtro capacitivo e/ou indutivo e um regulador de tensão.  Uma fonte de alimentação é usada para transformar a energia eléctrica sob a forma de corrente alternada (CA) da rede em uma energia eléctrica de corrente contínua, mais adequada para alimentar cargas que precisem de energia (CC).
  36. 36. partes externas
  37. 37.  O monitor deixa ver tudo o que fazemos no computador: textos, desenhos, tabelas, gráficos, e muitas outras coisas . É uma unidade de saída de informação.  O teclado serve para escrever coisas, é utilizado basicamente para digitação dos dados (entrada) que são enviados e salvos no computador e com o “mouse” (rato) mostramos ao computador o que deve ser feito. O “mouse” e “teclado” são considerados unidades de entrada de informação.
  38. 38. mOnitOr  Um monitor é um dispositivo de saída do computador que serve de interface visual para o usuário na medida em que permite a visualização dos dados e a sua interacção com eles. Os monitores são classificados de acordo com a tecnologia de amostragem de vídeo utilizada na formação da imagem. Actualmente, essas tecnologias são duas: CRT e LCD. À superfície do monitor , sobre a qual se projecta a imagem, chamamos tela/ ou ecrã. Monitor CRT Monitor LCD
  39. 39. tecladO  O teclado de computador é um tipo de periférico utilizado pelo usuário para a entrada manual no sistema de dados e comandos. Possui teclas representando letras, números, símbolos e outras funções.
  40. 40. caixa Ou tOrre  A torre é onde fica armazenada a CPU que é o “coração” do computador. É uma caixa onde o computador guarda todos os programas que as pessoas colocam, todos os trabalhos que fazem e ficam lá gravados, é tudo o que está na sua memória. Temos a placa principal, o processador, memória e outras placas (som, vídeo, fax, modem), o Disco Rígido, onde ficam todos os programas que são instalados e os drivers (disquete, Cd-Rom, DVD, etc) estes são chamados de unidades de memória. Podendo este ser de várias formas e colocado de varias formas.
  41. 41. periféricOs  Dispositivos de entrada ou saída de dados. Chama-se periféricos a todos os dispositivos de um sistema informático que não fazem parte da estrutura interna de um computador, constituída pelo processador e pela memória interna. Os periféricos são classificados em dispositivos de entrada, de saída e mistos.
  42. 42. dispOsitiVOs de entrada  Os dispositivos de entrada como o teclado, scanner, webcam, rato, entre outros são, também, denominados de input e permitem enviar informação do exterior para o interior do computador.
  43. 43. dispOsitiVOs de saída  Os dispositivos de saída ou “output”, têm uma função oposta aos dispositivos de entrada: enviar informação do interior do computador para o exterior. Por exemplo, o monitor, a impressora, o data-show e as colunas de som.
  44. 44. dispOsitiVOs mistOs  São aqueles que permitem enviar informação do exterior para o interior e do interior para o exterior do computador. É o caso da pen, do modem, do CD ou DVD...
  45. 45. leitOr de cd e dVd  Os reprodutores digitais foram desenvolvidos no final dos anos de 1980, com a promessa de melhorar a qualidade de áudio da alta fidelidade e da duplicação e reduzir os ruídos e “chiados” das fitas cassete e dos discos de vinil.  DVD (abreviação de Digital Video Disc ou Digital Versatile Disc). Contém informações digitais tendo uma maior capacidade de armazenamento que o CD, devido a uma tecnologia óptica superior, além de padrões melhorados de compressão de dados. O DVD foi criado no ano de 1995.
  46. 46. BiBliOgrafia FREIRE, Cláudio. Internet: a ciência da informação, da tecnologia e do conhecimento. Fortaleza, 1999. Apostila de curso. PORTAL de periódicos da Capes: bases de dados.Disponível em:<http://www.periodicos.capes.gov.br>.Acesso em: 31 jul. 2003. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Biblioteca de Ciências e Tecnologia. Levantamentos bibliográficos automatizados: manual de trabalho. Fortaleza, 1997. http://www.quatrocantos.com/tec_web/sist_busca/16BOOL.HTM http://www.numaboa.com.br/informatica/assembly/cap2_1.php http://www4.fe.uc.pt/fontes/pesquisa_na_internet/pesquisar/pesquisa_booleana.htm

×