• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Participação política e juventude - do mal-estar à responsabilização frente ao destino comum
 

Participação política e juventude - do mal-estar à responsabilização frente ao destino comum

on

  • 1,668 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,668
Views on SlideShare
1,668
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Participação política e juventude - do mal-estar à responsabilização frente ao destino comum Participação política e juventude - do mal-estar à responsabilização frente ao destino comum Document Transcript

    • ARTIGOS REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008 PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDE: DO MAL-ESTAR À RESPONSABILIZAÇÃO FRENTE AO DESTINO COMUM Lúcia Rabello de Castro RESUMOO artigo analisa a relação entre juventude e política no contemporâneo, tendo como foco de discussão oprocesso de subjetivação política, que implica a construção do pertencimento à coletividade e aresponsabilização pela vida em comum. As possibilidades de ação engajada e seu sentido político sãodiscutidos frente às aparentes inércia e apatia dos jovens de hoje em relação à política. Um estudo empíricoqualitativo com cerca de 25 jovens é apresentado, baseado em entrevistas realizadas tanto com jovensmilitantes de organizações estudantis e partidos políticos como com aqueles que se engajam no trabalhosocial voluntário. Na análise, evidenciam-se convergências e divergências entre os dois grupos nos sentidose objetivos da ação engajada e das formas convencionais de militância. Discutem-se as relações entre astrajetórias desses jovens e o abraçamento de determinadas “causas” que os mobilizam para a ação e aparticipação na sociedade. Os dois grupos relatam impasses e dificuldades inerentes às escolhas de seusmodos de agir e participar: seja por força de buscarem uma eficácia da ação e evitar seus percalços aosubmetê-la ao enquadramento da política institucionalizada; seja por força das concessões que se vêemfazendo aos princípios e ideais partidários, distanciando a ação de seu fundamento. Tais dificuldadesremetem à distinção entre a política e o político, tendo em vista que a forma institucionalizada de fazerpolítica hoje parece não dar mais conta das demandas da vida em comum; por outro lado, as novas formasde participação política podem insular-se nas ações pontuais. Conclui-se que, para os jovens entrevistados,as formas de participação e de engajamento social enveredam por caminhos diversos, sejam os da políticainstitucional, sejam os da ação militante no trabalho social voluntário; embora o sentido político das açõesnem sempre seja explicitamente admitido, as formas convencionais da ação política permanecem em tensãocom outras escolhas de engajamento e de participação na sociedade.PALAVRAS-CHAVE: juventude; subjetivação política; participação; coletivo; democracia; vínculos sociais.I. INTRODUÇÃO desse todo maior apóia-se na construção dos la- ços sociais, derivados não da semelhança entre A participação política dos jovens não se faz iguais, nem tampouco das afinidades de parentes-no vazio cultural e histórico, mas em sociedades co ou afetivas, mas da identificação com objeti-reais que carregam as marcas singulares de sua vos considerados coletivamente como importan-história e as dificuldades específicas de seu pre- tes. Para o jovem, “sair de casa”, no sentido desente. No contexto das desigualdades sociais da assumir-se como integrante da polis ou da nação,sociedade brasileira, compreender como e por- significa entender-se como “tendo a ver” com oquê os jovens brasileiros participam da constru- estado de coisas ao seu redor e interpelado a res-ção e da decisão societárias põe em questão a for- ponsabilizar-se por elas. Pertencimento ema como cada um reconhece-se como integrante responsabilização imbricam-se e constituem as-desse conjunto tão desigual e como se vê implica- pectos subjetivos primordiais no processo de as-do nos seus destinos. Assim, a participação políti- sumir-se como membro de uma sociedade, sejaca não pode desvincular-se das condições ela qual for. Nesse processo, uma dupla passa-subjetivantes que darão forma ao sentimento de gem é necessária: uma que se dá por meio de no-pertencimento à coletividade por parte de jovens vas identificações com objetivos coletivamente ge-e de crianças e de como essa coletividade é repre- rados (MOUFFE, 1993), outra que se realiza porsentada por eles. meio do engajamento concreto do indivíduo em A lenta assunção de cada indivíduo à condição ações e movimentos com os outros, propiciandode sentir-se, de reconhecer-se e de agir como parte novas determinações e fluxos dentro da sociedade.Recebido em 10 de agosto de 2006. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, v. 16, n. 30, p. 253-268, jun. 2008Aprovado em 17 de outubro de 2007. 253
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDE Neste trabalho pretendemos discutir alguns tendemos que a responsabilização frente ao desti-caminhos e vias pelos quais os jovens brasileiros no comum vai além da militância nas organiza-constroem tais pertencimento e responsabilização ções partidárias e parapartidárias. Ainda que essafrente ao destino comum, inaugurando possibili- militância seja imbuída de uma perspectivadades de participação política. Não consideramos totalizante da sociedade e permita ao jovem apren-que essa participação deva ser necessariamente der a lidar com a pluralidade de interesses queentendida como uma contribuição marginal ou ten- compõem a vida em comum, surgem hoje novastativa, seja como uma simulação, seja como uma possibilidades de luta pela transformação do pre-aprendizagem à ulterior participação política “real”, sente, que põem em curso demandas de transfor-como muitos autores fazem quando se referem mação social a partir de rupturas de “baixo paraao processo de “socialização política” cima”, implodindo fronteiras e identidades e des-(FLANAGAN & SHERROD, 1998, p. 448). Con- locando a noção do político para as margens dosideramos que o processo de construção da sub- que é convencionalmente concebido como tal. Ajetividade política (RANCIÈRE, 1995) diz res- questão da participação dos jovens abre novospeito a todas as experiências de comparecimento horizontes para compreender como em cada con-e de adesão dos jovens a um espaço de disputas texto histórico e cultural a própria política (enten-em torno do que vai mal no seu entorno e na soci- dida como a forma de refundar a convivência so-edade em geral, que os leva, conseqüentemente, a cial) pode ser reinventada.assumir ações junto com outros em prol da igual- II. SUBJETIVAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEdade, da justiça e da emancipação. NO CONTEMPORÂNEO Dessa forma, as experiências de participação Entender a si mesmo como parte de um todopolítica podem ser “reais” ao longo da infância e maior – uma nação por exemplo – requer umada adolescência, na medida em que esses sujeitos lenta transformação subjetiva que redimensiona oparticipam de situações de construção de espaços sentido de lugar e de inserção do jovem. Se a casacomuns de negociação e de luta. O voto aos 18 dos pais foi, e continuará sendo, uma referênciaou aos 16 anos por si só, não garante, de modo importante para responder às perguntas “quem eualgum, um comprometimento maior com as lutas sou?” “de onde vim?”, outras questões impõem-de transformação social; alguns autores observam se gradualmente e que dizem respeito aos víncu-mesmo um declínio desse tipo de participação nas los mais amplos com todos os outros com quemsociedades ocidentais contemporâneas, não ape- compartilha os mesmos valores, costumes, lín-nas em relação aos jovens, mas em relação a to- gua e sensibilidades.dos os outros segmentos etários (FORBRIG, 2005,p. 11). Nesse sentido, desejamos discutir a parti- A vida na cidade – em grandes cidades brasi-cipação como uma demanda subjetiva, isto é, leiras, como Rio de Janeiro, São Paulo e outrascomo o reposicionamento que os indivíduos fa- tantas, no Brasil e no mundo – é uma experiênciazem frente à sociedade mais ampla, expresso pela importante e intensa de mobilização da questão domaneira como cada um busca vincular-se à cole- outro: “quem são, de onde vêm, o que significamtividade e lançar-se em espaços de discurso e de todos esses outros – estranhos – com quem seação no intuito de afirmarem-se como seus mem- divide o território, as experiências de circulação ebros. Nessa perspectiva, pretendemos questionar de lazer e de quem se depende para realizar obje-a noção de “participação política”, entendida ape- tivos próprios de estudo ou trabalho?”. A vida ur-nas como ação engajada por meio dos mecanis- bana expõe os jovens à experiência radical de con-mos instituídos de pressão e reivindicação. Esses fronto com um “outro” diferente dos pais e dosmecanismos, estabelecidos nas formas de repre- familiares, convocando-os a compreender e darsentação política de partidos e agremiações conta de vínculos que os unem, ou não, a essesparapolíticas (organizações estudantis, sindicatos outros – diferentes, estranhos, próximos e dis-etc.), reiteram a maneira conhecida e legitimada tantes ao mesmo tempo. Como vários autoresde “fazer-se política”, interpelando os jovens a apontam, a experiência urbana contemporâneatomarem uma posição de luta tendo em vista idéi- favorece a visão das diferenças (LEFEBVRE, 1974;as de transformação do país. No entanto, junta- NEGT, 2002) e das desigualdades (SANTOS &mente com outros autores (ION, 1996; CELLIER, SILVEIRA, 2001) no horizonte das lutas pela igual-2004;GRIFFIN, 2005; KOVACHEVA, 2005), en- dade (DOMINGUES, 2000). Esse processo é lo-254
    • REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008calizado histórica e culturalmente, o que significa vos perversos no coração e na cabeça de muitosque construir a dimensão do vínculo social que brasileiros quando afirmam que em nosso imagi-dá conta da inserção no todo mais amplo está sub- nário vigora a máxima da constituição da fábulametido às condições específicas de história e de Animal Farm2 de George Orwell: “Todos os ani-cultura que estruturam a experiência subjetiva. mais são iguais, mas alguns animais são mais iguais do que os outros”. Certamente, hoje, no Brasil como em outrospaíses, a cultura do consumo globalizada conduz Portanto, são muitas as dificuldades que setodos, inclusivamente os jovens, a uma interpõem na construção dessa passagem dos jo-privatização crescente da experiência, em que o vens à sociedade mais ampla, como membros res-importante é a fruição de prazeres ditos “priva- ponsáveis pela coletividade. Dar-se conta de quedos”, como as emoções intensas relacionadas a os outros desconhecidos têm a ver consigo ou deexperiências corporais e estéticas orientadas por como se está vinculado a todos aqueles quem,valores como o bem-estar e a felicidade individu- inicialmente, não se tem nem como parentes nemais, a segurança e o conforto (ARENDT, 1972; como amigos, significa reordenar internamenteSENNETT, 1992). Contrariamente a isso, o pro- prioridades para que novos investimentos afetivoscesso de subjetivação política pauta-se por expe- sejam possíveis, dando lugar a uma nova práxis.riências que levam os jovens a interrogarem-se Dentro desse cenário, que apresenta dificuldadessobre o que está inadequado e difícil na convivên- bastante específicas para o florescimento de umacia humana ao seu redor. Dessa forma, esse pro- cultura cívica no Brasil, pode-se perguntar comocesso coloca o jovem frente às contradições de seria para os jovens a construção de um sentidosua época e no encalço de outros que possam de pertencimento e de responsabilização, uma vezajudá-lo a responder tais questões e a agir frente a interpelados a responder o que os liga a todos oselas. outros, os estranhos, com quem convivem na ci- dade e no país. Para o jovem brasileiro, a interpelação para umoutro tipo de pertencimento à coletividade, dife- A discussão que hoje se faz sobre a participa-rente daquele do lar e da família, esbarra em um ção social e política dos jovens toma importânciacenário singular. A sociedade brasileira, conforme fundamental na pesquisa científica quando pare-ela apresenta-se hoje nas suas formas mais visí- cem existir indicações de que os jovens não seveis do espaço urbano, expõe o fosso abismal entre interessam pela política (WELTI, 2002;as elites e o enorme contingente de pobres e mi- PLEYERS, 2005), alimentando ansiedades sobreseráveis. País que carrega uma herança cultural os efeitos de tal desinteresse sobre a coesão soci-de quase 400 anos de escravidão dos negros e um al e o futuro da democracia. O declínio observa-processo de modernização que acumulou uma do por alguns autores em relação aos comporta-dívida social cujas cifras são assustadoras, o Bra- mentos políticos institucionalizadossil não conseguiu implantar práticas sociais fun- (INGLEHART, 1997) – o voto, por exemplo –dadas sobre direitos universais reais e não apenas relaciona-se com mudanças dos valores, quandode jure – a liberdade e a igualdade para todos. Se hoje as novas gerações não se identificam maisos direitos universais – à educação, por exemplo com organizações hierarquizadas e burocratiza-– não têm sido de facto implementados, princi- das e preferem experiências políticas não-conven-palmente para crianças e jovens pobres1 (ainda que cionais, “expressivas” e informais. Por outro lado,as leis brasileiras preconizem-nos), a situação de Stolle e Hooghe (2004) complementam essa vi-fato parece demasiadamente real nos seus efeitos são ao alertarem para o fato de que se devem bus-de subjetivação, ou seja, corre-se o risco de natu- car explicações tanto relativas à estrutura (aspec-ralizar-se o arbítrio humano, de habituar-se com tos institucionais e culturais) quanto à agênciaas desigualdades e com o mal-estar que elas cau- (aspectos subjetivos). Isso significa que o declíniosam. Com efeito, alguns autores (por ex., CAR- no interesse dos jovens pela política não é apenasVALHO, 2002) comentam esses efeitos subjeti- devido à sua falta de motivação pela coisa públi- ca, mas que também pode ser determinado pelo1 De acordo com o IBGE (2003), dos aproximadamente 50 fato de que os recursos para a mobilização e amilhões de jovens brasileiros entre 10 e 24 anos, 7% entre10 e 14, 30% entre 15 e 17 e 51% entre 18 e 19 anos, já 2 Conhecida no Brasil como A revolução dos bichos (notaestão fora do sistema educacional. do revisor). 255
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEparticipação que antes existiam não estão mais nos encaminhamentos que podem fazer, e efeti-disponíveis. Esses autores citam, por exemplo, o vamente fazem, em relação às novas possibilida-fato de que os partidos políticos estão ficando cada des do jogo democrático.vez mais profissionalizados e, portanto, menos III. A PARTICIPAÇÃO POLÍTICA DE JOVENSpropensos a fazer esforços no sentido de aliciar o NO CONTEMPORÂNEOingresso maciço de membros, jovens ou velhos. Passamos a apresentar os resultados de uma Assim, muitos aspectos tornam-se relevantes pesquisa qualitativa sobre a participação políticapara avaliar a situação dos jovens frente à partici- de jovens por meio da análise de entrevistas reali-pação política, mesmo aqueles relativos ao enten- zadas3 com 25 sujeitos inseridos seja no trabalhodimento do que seria participar e do que se enten- social voluntário, seja em organizações partidári-de por política. A própria definição dos pesquisa- as e/ou estudantis no estado do Rio de Janeiro.dores sobre o que é a política deveria fazer senti- Buscou-se compreender as condições quedo para os jovens que são por eles pesquisados estruturam o ingresso dos jovens em tais movi-(KOVACHEVA, 2005), uma vez que os resultados mentos e organizações, além das conseqüênciasdessas pesquisas orientam políticas públicas para das escolhas de inserirem-se e participarem naa juventude e canalizam investimentos públicos sociedade a partir de uma outra posição.nessa direção. Para fins da análise, o grupo foi dividido em No Brasil, poucos estudos examinam a ques- dois: um composto por aqueles que tinham filiaçãotão da participação política e social dos jovens. partidária ou militavam em organizações estudan-Recentemente, o estudo amplo sobre o perfil da tis; o outro composto por aqueles engajados nojuventude financiado pelo Instituto da Cidadania trabalho social e comunitário voluntário. Essa di-(ABRAMO & BRANCO, 2005) mostrou algumas visão pôde identificar aspectos importantes refe-relações entre política e juventude. Ressaltam-se rentes ao laço social nos dois grupos, assim comoalguns aspectos: apenas 15% de jovens partici- convergências e diferenças na forma de encara-pam de quaisquer atividades de grupo no bairro e rem sua adesão à causa comum e os efeitos dena cidade, mesmo que 37% dos jovens reconhe- sua ação. A escolha desses grupos não se deve aoçam que a política “influi muito” em suas vidas. fato de eles representarem posições claramenteAlém disso, o item “confiança nas instituições” excludentes e/ou antagônicas, já que, por exem-mostra que 83% dos jovens confiam totalmente plo, muitos jovens que militam nas organizaçõesna família, mas, no que se refere aos partidos partidárias iniciaram sua vida de militância no tra-políticos, esse valor é de apenas 3% (ABRAMO balho social voluntário, mas, em função do que se& BRANCO, 2005). Em outro estudo com 8 000 objetiva aqui – a compreensão da natureza dosjovens de todo o Brasil, conduzido pelo Instituto vínculos que os jovens endereçam à sociedadePolis e pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais mais ampla –, esses grupos constituem lugarese Econômicas (Ibase) (POLIS-IBASE, 2006), os diferentes que permitem percepções e ações dis-resultados indicam que apenas 8,5% dos jovens tintas por parte dos jovens em relação a como econsideravam-se politicamente participantes, em- porquê abraçar uma “causa”. Nesse sentido, taisbora 65,6% tenham afirmado buscar informações grupos estimulam determinadas ações e percep-sobre política, mas sem participar diretamente. A ções de si mais do que outras e favorecem deter-grande maioria dos jovens dessa pesquisa (65%) minados sentidos da ação coletiva em detrimentomostrou descrença em relação à representatividade de outros, como veremos a seguir.dos políticos na defesa dos interesses dos cida-dãos e enfatizaram a corrupção, a desorganização As idades dos jovens variaram entre 16 a 28e a fragmentação de projetos que não geram re- anos, segundo o Quadro 1, que também apresen-sultados. Afirmaram ainda a importância das ações ta suas filiações institucionais.voluntárias e comunitárias como forma de parti-cipação que lhes é mais acessível (idem). Por meio 3 Projeto de pesquisa intitulado “Diferença e participa-desses dois estudos, é possível constatar que uma ção: subjetivação política na infância e na adolescência”,compreensão maior das relações entre política e apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Ci-juventude hoje exige, sobretudo, que se possam entífico e Tecnológico (CNPQ) e pela Fundação Carlosouvir os jovens, tanto nas suas críticas em rela- Chagas de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiroção ao modo vigente de fazer-se política, quanto (Faperj).256
    • REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008QUADRO 1 – JOVENS ENTREVISTADOS: FILIAÇÃO INSTITUCIONAL, IDADE E GÊNERO PARTIDOS ASSOCIAÇÕES ESTUDANTIS, GRÊMIOS POLÍTICOS MOVIMENTOS SOCIAIS, ONGS F., PDT, 17 a., M. G., Colégio D. Pedro II, 17 a., M. F., Radio Comunitário Mme. Satã, 23 a., M. R., PSOL, 21 a., M. A., Escola Anísio Teixeira, 17 a., M. M.,Movimento Afro-Reggae, 19 a., M. D., DEM, 24 a., M. N., Escola Abel, 16 a., F. T., Centre de Cultura Afro, 17 a., M. S., PSDB, 24 a., M. M., Cefet-RJ, 16 a., F. E., Movimento Capoeira, 23 a., M. R., PSDB, 28 a., M. P., Escola São Vicente, 17 a., M. M., ONG Consciência Cidadã, 21 a., M. I., PSDB, 18 a., F. J., DCE-UFRJ, 21 a., F. T., ONG Alma, 22 a., F. F., PT, 23 a., F. C., UERJ, 20 a., F. P., ONG Lumina, 19 a., M. A., PV, 19 a., F. R., UFF, 23 a., M. F., ONG Vetor, 23 a., M. D., DCE-USU, 20 a., F. M., Missão Infância, 18 a., F. P., UBES, 23 a., M. R., Movimento Brasil, 25 a., M. R., UEE, 21 a., M. A., AMES, 19 a., M.FONTE: a autora.NOTA: PDT: Partido Democrático Trabalhista; PSOL: Partido Solidariedade e Liberdade; DEM: Partido Democratas; PSDB:Partido da Social-Democracia Brasileira; PT: Partido dos Trabalhadores; PV: Partido Verde; Cefet-RJ: Centro Federal deEnsino Tecnológico do Rio de Janeiro; DCE: Diretório Central dos Estudantes; UFRJ: Universidade Federal do Rio deJaneiro; UERJ: Universidade Estadual do Rio de Janeiro; UFF: Universidade Federal Fluminense; PSU: Universidade SantaÚrsula; UBES: União Brasileira de Estudantes Secundaristas; UEE: União Estadual de Estudantes do Rio de Janeiro; AMES:Associação Metropolitana de Estudantes Secundaristas; ONG: organização não-governamental.III.1. A militância juvenil nos partidos políticos seus embates por mudanças. Nesse caso, a parti- e nos movimentos estudantis: a política como cipação ativa na vida escolar constituiu um fator visão crítica da sociedade e a participação importante na história pessoal que favoreceu seu em prol de sua ampla transformação ingresso nos partidos políticos, dando continui- dade ao desejo de lutar por mudanças, agora na A adesão de jovens à causa político-partidária sociedade mais ampla.está relacionada ao desejo de transformação soci-al e à expectativa de um mundo melhor, mais jus- O cerne da motivação para o ingresso no par-to, com menos desigualdades sociais, em que “as tido, como forma preferencial de militância, con-coisas possam estar menos erradas”. A militância sistiu na possibilidade de intervir mais diretamen-nos partidos é construída lentamente na trajetória te na sociedade, assegurando uma amplitude mai-de cada jovem, dando continuidade a uma história or de ação que aquela desenvolvida por meio depessoal de preocupação com a realidade social. um trabalho social. Nas falas abaixo, de três jo-Muitos jovens entrevistados, que estavam no vens, dois ligados a partidos e um ao movimentomomento da entrevista militando em partidos ou estudantil, constatamos a importância que o pro-nos movimentos estudantis, já participaram como grama e a institucionalidade partidárias adquiremvoluntários em serviços a populações pobres (por na visão dos jovens para que as mudanças pos-exemplo, cursos noturnos para jovens carentes sam efetivamente acontecer. “A gente escolheu aque querem entrar na universidade, distribuição via institucional. E pra você intervir na sociedade,de “sopão” para a população de rua, aulas de apoio você tem que se eleger, entendeu? [...] Porquee recreação para crianças pobres, implantação de você pode fazer pressão pra que o governo façatevês comunitárias). Assim, muitas vezes, a cau- alguma coisa, tipo, os sindicatos são assim [...].sa partidária segue à causa humanitária anterior- Mas quando você está no governo você pode fa-mente abraçada, mas o ingresso nos partidos ou zer muito mais, porque você tem a máquina donos movimentos estudantis assinala uma ruptura governo na mão” (F. – PT). “[...] Se você tem,no modo de vincular-se à realidade social mais numa sociedade, uma ação correndo prum lado,ampla. Alguns jovens ingressaram nos partidos uma ação correndo pro outro, você não otimizatendo já participado ativamente dos grêmios e dos isso, você gasta dinheiro desnecessariamente...movimentos estudantis, tendo iniciado na escola Deve-se sempre buscar uma ação, um programa 257
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEde ação, da Prefeitura, do estado, da União [...]. Juntamente com a convocação para o agir,Porque já existindo uma linha de ação, você não aparecem também a “conscientização” e a neces-duplica um trabalho gastando dinheiro à toa, gas- sidade de “compreensão do mundo à sua volta”tando recursos [...]” (D. – DEM). “[...] Porém, como expressões freqüentes, ao analisarem sua[...] acredito é [n]o seguinte: você não precisa inserção na militância: “Acho que a vontade deestar filiado a um partido, mas você precisa ter entender muito das coisas que acontecem no Bra-uma concepção de mundo para entender o seguinte sil hoje, porque todas dependem da política. O– não adianta você somente militar naquilo ali, preço da passagem que eu pago [no] ônibus de-naquela causa específica, quando a questão tam- pende da política, o preço do feijão que eu com-bém está ligada a coisas maiores [...]” (P. – UBES). pro no mercado depende da política. Então é a vontade de entender [...] o porquê da evasão dos Assim, a aposta na mudança social para os jo- alunos do Ensino Técnico. Há uma diferença so-vens militantes em partidos e em organizações cial muito grande. Você não consegue entenderestudantis assume, quase sempre, um viés porque aquele cara tá num sinal pedindo dinheiroprogramático ligado à linha de ação partidária. Ele e o outro tá morando numa cobertura” (M. –é expresso por meio da defesa de um projeto de Cefet-RJ).nação – “coisas maiores” – que explicariam osaspectos menores do cotidiano. Tais idéias É interessante notar que, entre os jovens comprogramáticas variam segundo o espectro políti- distintas filiações partidárias, não há uma oposi-co-partidário: no espectro político mais à direita, ção ideológica notável: todos convergem para prin-os jovens defenderam a “eficiência administrati- cípios gerais como “melhorar os serviços públi-va” e o “bom uso dos recursos públicos” ou “a cos”, “combater a corrupção”, “dar melhor edu-análise técnica para basear as decisões políticas”, cação às crianças e aos jovens”. Não se pôde ob-assim como a promoção de igualdade de oportu- servar um contraste marcante de idéias entre onidades para todos (jovens filiados ao DEM e ao jovem de um partido socialdemocrata e o jovemPSDB); aqueles mais à esquerda enfatizaram as do Partido Comunista. No entanto, a crítica feitaidéias de justiça social e de combater a concentra- aos outros partidos surgiu com freqüência nasção de riqueza no país (jovens filiados ao PT, ao falas, indicando, assim, uma forma de definir fron-Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e ao PSOL). teiras ideológicas e de delinear as identidades po- líticas. Os filiados aos partidos à direita no espec- Os dois aspectos que foram apontados como tro político criticaram “o blablablá dos da esquer-fundamentais para a adesão à causa partidária ou da, que só sabem discutir e não fazem nada” e aà estudantil foram o desejo de transformação so- “máscara do governo da esquerda que caiu, por-cial e o de participar ativamente dessa transfor- que era revolucionário e agora está mostrando aomação. Quase todos os entrevistados apontaram que veio, com tanta corrupção e não fez nada doque um estado de coisas errado convocou-os a que prometeu”. Os à esquerda criticaram “ouma resposta no sentido de tomar uma atitude. neoliberalismo” dos outros partidos, como umaAlguns afirmaram que se dar conta de que algu- noção invocada para definir “o grande mal”, semma coisa vai mal e não fazer nada seria “hipocri- realmente se deterem sobre quais as propostassia”. Portanto, o reposicionamento subjetivo de neoliberais que devem ser combatidas e porquê;vinculação ao social mais amplo implicou abraçar defenderam ainda a idéia de ética na política comouma “causa de transformação social” frente ao princípio de que os fins não devem justificar osque vai mal. Tal visão teve o peso de uma convo- meios.cação para o agir, como explicitada na afirmaçãoque se segue: “Eu faço movimento estudantil por- Se um conjunto claro de idéias não pareceque eu acredito que posso transformar as coisas colocar os jovens em posições distintas ou anta-que estão postas pra mim. A gente vê vários pro- gônicas no quadro partidário, quando pergunta-blemas na universidade, vários problemas no nosso dos sobre como viam sua própria inserção ao lon-curso, a gente vê vários problemas na nossa cida- go do espectro político, definido pelas noções dede, vê vários problemas no nosso país, e eu faço “direita”, “esquerda”, “capitalismo”, “socialismo”movimento estudantil porque eu quero transfor- e “comunismo”, essas noções também não forammar esses problemas” (R. – UFF). de grande valia para definir sua identidade políti-258
    • REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008ca: “É, tenho uma orientação política de esquer- prática, as lutas podem ser encampadas por umda. Mas não é aquela esquerda rigorosa, radical, ou outro campo político forçando convergências.que a gente tem que chegar ao poder, fazer uma O que importa assinalar aqui é que as identifica-revolução armada, por meio da luta, da força. Nós ções políticas com determinados campos partidá-não pregamos isso, somos de esquerda, uma es- rios fazem-se, para os jovens, para além das con-querda mais tranqüila [...]. Uma esquerda que visa venções usualmente reconhecidas para definirà reforma” (A. – AMES). “Olha, eu sou uma mis- campos políticos opostos.tura [risos]. Não, é sério, eu tenho tendências Nesse sentido, os jovens entrevistados afirma-socialistas, mas não sou socialista. Não acredito ram a importância da filiação partidária, seja elasó no socialismo e não acredito que seja melhor qual for: há um efeito narcísico poderoso ao sen-hoje, mas tem muita coisa do socialismo que par- tirem-se reconhecidos pelos outros como líderes,ticularmente eu defendo. Eu particularmente po- como fazendo um trabalho relevante para a soci-deria dizer que sou progressista, ponto, mas tem edade, como efetivando mudanças visíveis na es-muita coisa no socialismo que eu ainda defendo” cola, na universidade ou na comunidade. Algo(M. – Cefet-RJ). “Nós poderíamos dizer que o ocorre na militância que os fazem sentir-se po-PDT é um partido de esquerda, mas na última tentes e capazes: “E aí, o que acontece? Comoeleição municipal eu diria que ele foi um partido seus amigos não passam por esse processo quede direita, porque nosso Prefeito vinha de uma você está passando, ou você tenta que eles pelolinhagem de partido de direita que acabou se menos compreendam que a política é importante,filiando ao PDT. Então, o partido toma uma espé- que eles têm que ler o jornal, que eles têm quecie de forma mais à direita. É [...], o poder trans- entender política, que eles têm que ler o jornalforma um pouco essa coisa de esquerda e direita, para entender o que está acontecendo no país;porque quem tem o poder não é tão radical [...]” saber quem é o fulano, o beltrano, saber se pode(F. – PDT). confiar em fulano, saber as movimentações polí- “Ser de esquerda” aparece como uma confi- ticas que estão por detrás de qualquer coisa. Ouguração identitária que compreende um espectro você tenta conquistar a mente e o coração do seuideológico amplo e, de algum modo, bastante im- amigo ou você vai ter que ter momentos de alie-preciso, como nas definições abaixo: “Ah, eu me nação, porque, senão, você perde seus amigos.acho uma pessoa de esquerda, apesar de que, Ou você se enquadra no mundo deles” (F. – PT).comparada com outras pessoas que se dizem de [...] De aglutinar poderes, de aglutinar forças paraesquerda, eu sou totalmente conservadora. Às fazer uma transformação real e profunda, que avezes, eu converso com algumas pessoas do gente vê todos os dias, problemas sociais, proble-movimento estudantil, que pregam – sei lá! Isso mas estruturais mesmo na sociedade; esses mo-de nacionalizar todas as universidades privadas, vimentos sociais, principalmente os partidários,sabe? Essas coisas – então, eu me acho conser- são formas de você estar ajudando a transformarvadora, né? Mas eu acredito que sou de esquerda, o que você acha errado” (N. – Abel).uma esquerda sensata – mas de esquerda” (J. – Militar no movimento estudantil ou no partidoUFRJ). “Mas eu me considero de esquerda por confere aos jovens reconhecimento social eacreditar numa sociedade mais justa e, de manei- pertencimento. Tornar-se membro de um orga-ra geral, é isso que caracteriza todo esse campo. nismo (partido ou associação estudantil), que éE aí a direita, eles querem conservar as coisas considerado por eles mesmos como “forte” e vi-como estão, o centro seriam aqueles envergonha- sível, permite-lhes verem-se de um novo lugar quedos que não sabem onde estão e topam tudo do confere importância e outro significado às suasjeito que está; a esquerda seriam aqueles que que- ações. Dessa forma, os jovens podem exorcizar orem mudar, mas [sobre] essa mudança, aí tem limbo a que são condenados na longa moratóriatodo um debate [...]” (R. – UEE). da adolescência em que todos são apenas estu- Desse modo, a taxionomia política convenci- dantes, ou seja, indivíduos que se preparam paraonal parece não servir para estabelecer fronteiras um futuro profissional. A fala desses jovens, aoclaras nas identidades políticas entre os jovens, enfatizarem suas possibilidades de ação no pre-seja porque, para eles, ela não estabelece conjun- sente e a relevância do que estão fazendo,tos díspares de ideais e causas, seja porque, na conferida pelo pertencimento a um partido ou a 259
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEuma associação, leva-nos a crer que os espaços abrir mão. Dessa forma, pertencer a um partidode luta e de discussão política constituem um ou a uma organização estudantil garante-lhes umareferencial importante para a formação de identi- autorização para agir, permitindo um sentimentodades juvenis, para além daquelas comumente de eficácia subjetiva por meio de sua contribuiçãoconsideradas, como a família e a escola. social e política no presente, reforçando o sentido de pertencimento a um todo maior: “Tem gente “Sair de casa” como metáfora da busca de na UJS [União da Juventude Socialista] que nãovínculos sociais mais amplos significa em geral, passou no vestibular por causa da UJS, tem gentepara os jovens, um adiamento da identidade e da que foi proibido pela mãe de ir à UJS porque esta-ação que somente virão mais tarde pelo delinea- va atrapalhando muito, entendeu? Eu nem sou ummento profissional. Isso pode ser sentido de ma- dos que participa mais, tem gente [para] que[m] aneira negativa como um amordaçamento a que UJS é prioridade absoluta, só vive pela UJS, sóestão submetidos que os rechaça para as bordas fazem ir para a UJS...” (P. – Esc. S. Vicente).da sociedade, impedindo sua ação. A ação militan-te dos jovens traz para o presente o agir e as gra- Nesse sentido, o que parece importante res-tificações que dele decorrem, como exemplificadas saltar aqui é como cada um desses jovens lidanas falas dos jovens abaixo: “Tem certos tipos de cotidianamente com o conflito entre a busca dacoisas que te fazem legal, eu estar aqui porque felicidade e a da sobrevivência e a adesão à causaparticipei de um processo da história. Por exem- coletiva, uma vez que parecem ser projetos queplo, a questão do passe livre em 1999 foi uma os arrastam a direções opostas. Esse é um pontoparada e assim que... pô! A gente colocou 5 000 que merece destaque, pois alude às questões am-alunos nas ruas e gente luta até hoje pelo passe plamente discutidas sobre a crescente retração doslivre” (F. – PT). “A UBES sempre esteve ligada às indivíduos para a vida privada (ARENDT,1963;questões mais gerais do Brasil. Você pega qual- BECK, 1998), o declínio do interesse pelo que équer coisa nos últimos 50 anos, que sejam acon- comum (SENNETT, 1992) e a transformação dostecimentos importantes na vida política do país, a atores sociais em clientes que delegam ao poderUBES estava presente [...]. Estava presente na representativo a tarefa de decidir sobre o destinoeleição de Lula, na época do ‘fora Collor’ foi quem comum (VILLA, 1992). Para os jovens dessa pes-mais mobilizou os jovens. Então a luta da UBES quisa, embora a opção pela causa coletiva cause-se confunde com a história política do país” (P. – lhes dificuldades, ela permanece como fundamen-UBES). “O que a gente percebeu é que existem tal nas suas vidas. Não se sabe, porém, até quan-outras três deficiências que o Estado não atende: do “resistirão”, já que também assinalam a durezauma delas é a educação, a segunda é a falta de dos conflitos resultantes de abrir mão dos proje-trabalho e a terceira é a fome. Eu considero que o tos pessoais em prol da adesão à causa coletiva.meu trabalho em educação já foi resolvido. Quais Se o projeto coletivo pode ser, às vezes, difí-são os outros dois paradigmas que eu tenho que cil, há um sentido de excepcionalidade que osresolver hoje? É o da fome e o do primeiro em- militantes concedem-se por serem membros deprego. O da fome eu já resolvo, estou trabalhando uma organização mais ampla, em que a situaçãohoje num projeto chamado Projeto Oásis, que dis- indefinida de qualquer jovem adolescente étribui sopa na rua para pessoas... Agora, esse tra- ressignificada: os jovens que militam nos partidosbalho que estamos montando, que é o do primeiro e nas associações estudantis sentem-se diferenci-emprego, que ainda não decolou, estamos juntan- ados dos outros, considerados comodo a equipe, esse tipo de coisa” (R. – PSDB). “despolitizados”, “alienados”, “individualistas”, Foi interessante observar em todos os depoi- “entreguistas” e “com aversão à política”. A mai-mentos que o vínculo intenso com as causas de or crítica dos militantes é dirigida aos jovens quetransformação social faz que renunciem ao amor têm dinheiro e deixam-se absorver pelo consumo(muitos desentendem-se com seus namorados), e em si mesmos, mas também se dirige ao modosão criticados e mal interpretados pela família, como hoje se vive a vida, todos absorvidos napassam agruras financeiras e são reprovados nos luta pela sobrevivência. A militância confere o sen-estudos. Os inúmeros conflitos entre a vida pes- timento de estarem enxergando “para além dosoal e o investimento nas causas são decorrentes horizonte” da maioria dos mortais e a responsabi-de sua opção pela atividade militante, que, para os lidade de poder “representar” outros jovens. A falaentrevistados, é alguma coisa da qual não podem da jovem abaixo retrata tal situação: “Sabe, se eu260
    • REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008mudar a cabeça de um jovem, pra mim eu já fico uma maneira “antiga” de fazer política. Dessefeliz. Que eu consiga pegar uma ‘patricinha’ – modo, as críticas a como se age e a como se fazsabe? Que só pensa em ir pro shopping – e mos- política sempre cabe aos outros. Por exemplo, ostrar pra ela que é importante assistir [a]o horário jovens dos partidos mais à direita criticam o fatopolítico, por exemplo, eu vou estar muito feliz” de que o movimento estudantil está completamente(M. – Cefet-RJ). partidarizado, o que quer dizer que os partidos financiam os estudos dos estudantes filiados, pa- Entre os que militam nos diferentes partidos e gam-lhes viagens para participar de congressosnos movimentos estudantis não há convergência de estudantes, financiam festas e eventos parasobre quais as causas dos jovens são mais impor- atrair filiados... Nesse sentido, criticam a maneiratantes: há menção de lutas pontuais como o passe de fazer política dos partidos de esquerda, quelivre, a reforma universitária e o primeiro empre- cooptam os estudantes por meio das vantagensgo. Alguns defendem bandeiras comuns que agre- pessoais que podem oferecer. Por outro lado, osguem as lutas da juventude; outros reconhecem que estão nos partidos de esquerda criticam aque isso é impossível, basta que os diferentes gru- maneira como os da direita sempre cooptarampos conscientizem-se de porquê lutar. Há também deputados, comprando seus votos nos projetosdiscordâncias e antagonismos em relação à de interesse do governo. A direita é vista comoburocratização, à centralização e ao autoritarismo representante direta dos interesses da oligarquianas organizações partidárias e estudantis. Uma nacional. Em geral, a autocrítica parece ser ab-divisão clara ocorre entre aqueles que defendem sorvida com dificuldade por medo de enfrenta-uma partidarização do movimento estudantil e rem-se os aspectos indignos do fazer político nooutros que a abominam. Dos 12 militantes em próprio grupo. No limite, busca-se preservar umaorganizações estudantis que entrevistamos, ape- imagem idealizada do partido e dos que nele mili-nas três não eram filiados a partidos e delimitaram tam. Alguns conseguem expressar a franca de-sua militância à causa de “melhoria do ensino uni- cepção com o partido e as razões de mudançaversitário”. Um deles afirmou: “O debate que é partidária. Nesse sentido, pôde-se perceber que afeito no Diretório Central dos Estudantes é um relação com a política, enquanto instituição, apa-debate muito cansativo, às vezes fratricida, pare- rece sempre gerando conflitos, seja porque os ide-ce que um quer destruir o outro e não construir ais partidários não se refletem na práxis, seja por-um movimento que busque mais direitos, mais que o fazer político sofre limitações, seja porqueganhos para os estudantes” (R. – UFF). a tomada de decisões não resulta de um debate Esses três jovens ressaltaram que sua não-ade- mais amplo. Os depoimentos abaixo ilustram taissão aos partidos foi um ato de resistência, na preocupações: “Então a gente corre o risco domedida em que quase sempre os jovens militantes aluno, do estudante, do jovem ficar perdido e dedos movimentos estudantis são cooptados pelas não querer saber mais de política, pega nojo defacilidades e vantagens que os partidos oferecem política... E quanto mais a política vai gerar nesseaos estudantes filiados. Essa resistência deixa-os meio de corrupção, de toma-lá-dá-cá, de lama,mais aptos a construir uma representatividade que menos a gente vai oxigenar isso, menos a genteseja mais próxima dos estudantes e de suas cau- vai mudar isso” (D. – DEM). “Então, neste con-sas e também menos vulnerável à lógica dos inte- gresso eu pude ver que dentro da política brasilei-resses partidários. Por outro lado, os que defen- ra, eu pude ver que... eu desiludi[-me] um poucodem a partidarização invocam a necessidade de disso. Eu vi que tem muita corrupção, tem muitaconstruir-se pautas comuns, o que somente o gente que não quer nada. Nesse congresso deuengajamento partidário permite. 20 000 pessoas; dessas, cinco ou seis mil esta- vam a fim [de participar], o resto não estava; des- A construção de um “nós” por meio da filiação sas que estão a fim, quem realmente manda sãoaos partidos ou às associações estudantis faz-se 100. Então, quem pode realmente fazer algumapor meio da ação e também do delineamento de coisa são essas 100 e eu não sou uma dessas 100.uma identidade do “nós” em contraposição ao Então, isso dá um desânimo!” (D. – USU).“eles”. Parece haver uma tendência à minimizaçãodas diferenças intragrupos e ao aumento das dife- De qualquer modo, as críticas ao modo de agirrenças intergrupos, favorecendo que os de fora político encobrem uma questão que os jovenssejam vistos sempre como mais corrompidos por hesitam em propor-se mais explicitamente: como 261
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEconstruir outro agir político que não se torne tam- caminho de realização e trabalho. Nesses casos,bém corrompido? Será que a política força todos, as causas pessoais vão ao encontro de e mes-de algum modo, a fazer concessões que, em prin- clam-se às causas sociais, na medida em que vi-cípio, renegam? Tais questões apenas insinuadas ram na sua própria mudança a possibilidade con-não puderam ser averiguadas completamente, mas creta de trabalhar em prol da mudança de outrossugerem uma enorme preocupação dos jovens em jovens nas mesmas condições.relação à sua ação futura como militantes. Em geral, há uma preocupação dos entrevista- A adesão ao partido ou à organização estudan- dos a respeito da falta de oportunidades causadatil, para os jovens engajados nas militâncias parti- pelas desigualdades sociais, aspecto que os moti-dária e estudantil, conduz a uma outra visão de si, va a realizar o trabalho social. Essa motivação édo futuro e dos outros. Por meio dela, abre-se sentida como um “ter que agir”, ainda que muitosoutra fronteira de enlaçamento com o social dada deles reconheçam que fazem o que seria a obriga-pelo que eles chamam de “uma visão crítica da ção do governo fazer: “É, eu acho exatamente isso,sociedade” ou de uma “conscientização”, carac- que as pessoas, na [sua] maioria, preferem igno-terizando uma crise positiva de reordenamento de rar mesmo o que está acontecendo às vezes dian-valores. É como se tudo, de repente, pudesse ser te dos próprios olhos – entendeu? – e falar mes-iluminado pelo sentido da luta contra a opressão e mo que quem tem que fazer isso é o governo eas injustiças; enfim, o sentido político ilumina to- que não têm nada a ver com isso. Bom, de fatodas as outras vivências do jovem. Dessa forma, a não é a minha obrigação estar aqui, mas eu achopolítica, não como instituição, mas como visão que – sei lá! – se o governo não faz, eu não voucrítica da sociedade, seria o significante que bati- simplesmente ficar quieto, entendeu? Eu acho queza a ingresso do jovem em uma outra vida em que o maior problema com os jovens de hoje é o fatopode ver com outros olhos a si mesmo, sua pró- de eles não lidarem com essa questão social, depria família, os problemas que o circundam e as eles simplesmente fingirem que não existe” (F. –determinações a que está submetido. Vetor). Assim, a política é sentida como uma forma A educação é considerada o instrumento porde vida e de compreensão das relações sociais. excelência de transformação e de justiça social.Situar suas ações no horizonte da política signifi- Alguns comentam a emoção de poderem ver ou-ca para esses jovens dar novo sentido às experi- tros jovens transformando suas vidas por meioências cotidianas à luz de outros entendimentos, do trabalho que realizam. É o caso de muitos queque ampliam o raio de determinação dos aconte- trabalham em cursos pré-vestibulares ou cursoscimentos. O espaço do grupo e das discussões no preparatórios comunitários para jovens pobres: “Eupartido e nas organizações constitui-se como a estava, eu fiquei maravilhado [...] de olhar aque-sustentação objetiva dessa construção coletiva: las pessoas, a grande maioria delas trabalhou oestar em grupo fazendo ou discutindo realiza ob- dia inteiro e estavam lá, de 7 da noite às 10, estu-jetivamente o esforço para “ser político”, ainda dando com a maior garra, o que eu nunca tinhaque essa experiência esteja pontuada por traições, visto assim nas escolas onde eu estudei [...]. Nin-rachas e conflitos. guém tinha pego com tanta garra uma oportuni- dade como aquelas pessoas que estavam ali. AquiloIII.2. A militância dos jovens em movimentos so- me emocionou muito” (P. – Lumina). ciais. A adesão às causas humanitárias: o trabalho social como reparação Em uma outra variante, mas na mesma linha de pensamento, os jovens pobres que trabalham, O outro grupo de jovens entrevistados estava por exemplo, em rádios comunitárias e na forma-inserido no trabalho social e comunitário voluntá- ção artística e musical de outros jovens enfatizamrio. O percurso dos jovens assim engajados apre- as possibilidades identificatórias do seu trabalho esentou-se bastante variado, em muitos casos con- de sua vida para aqueles jovens pobres que nas-fundindo-se até com o resgate da própria história ceram e vivem nas mesmas condições que as de-pessoal. Por exemplo, alguns jovens pobres que les. “Ser exemplo” para um enorme contingentetrabalhavam em ONGs em prol de outros jovens de jovens e crianças que não têm nada a não ser odesfavorecidos afirmaram que seu ingresso nes- caminho das drogas e mostrar-lhes por meio dassas organizações permitiu-lhes “sair da rua”, “lar- suas próprias vidas que há outras opções de vidagar as drogas e o caminho errado” e optar por um262
    • REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008e de realização parece ser o ideal que enlaça esses ga interna, eu já tive muito acesso a esse tipo dejovens ao trabalho social. Dois jovens dizem: “En- coisa e vi que os resultados talvez não sejam ostão eu via meus amigos passando sufoco, tendo melhores. Então, hoje eu me vejo na oportunidadeque fazer besteira para arrumar dinheiro, às vezes de trabalhar com outras coisas que gerem maisa gente quer andar bonito e tal. Então o circo foi resultados” (M. – Consciência Cidadã). “[...] Euuma forma de reverter essa história. Eu falei: ‘eu acho que partido [não tem] nada a ver. Partido énão quero fazer o mesmo que muitas pessoas es- só uma forma de você se aliar, de fazer alianças etão fazendo, eu quero seguir um caminho dife- conseguir votos. Eu vejo assim. Porque é muitorente’ [...]. Então eu quero passar a mesma coisa difícil que as pessoas pensem [de maneira] igualpara as crianças, [para] que elas possam perceber em todas as coisas e dá tanto problema isso. Oque têm muitas escolhas, uma ou duas, tem mi- cara sai do partido, vai pro outro, fica sem parti-lhões de escolhas, e podem ser escolhas boas” do, não sei o quê... Eu acho que não tinha que ter(M. – Afro-Reggae). “[...] Então a rádio comuni- partido, não” (T. – Alma).tária está ali pra isso, né, mano? Pra dar a voz aos A relação com a política institucionalizada éexcluídos, né, mano? Porque às vezes você tem quase sempre de suspeitas, na medida em que asuma comunidade que é excluída assim, não tem disputas, os debates e as diferenças são conside-voz, não tem nada, não tem ninguém que acolhe, rados fatores que atrasam, quando não impedemsó pessoas que chegam ali pra sugar da própria a ação engajada. É importante assinalar que essacomunidade. Então, a rádio comunitária, ela já é percepção dos jovens entrevistados aparece tam-diferente disso, ela está ali pra poder dar voz à bém em estudos realizados em outros países, emprópria comunidade e interagir também junto com que se constata que muitos jovens recusam aa comunidade ao seu próprio crescimento” (F. – institucionalização política de suas ações – por meioRádio Mme. Satã). da vida partidária, por exemplo – por ela estar mais Com algumas variações em termos do percur- a serviço da máquina partidária do que da trans-so que fizeram até o ingresso no trabalho comu- formação social (MUXEL, 1994; BAUGNET,nitário e social, todos os entrevistados estão uni- 1996; ION, 1996; ION & RAVON, 1998;dos à causa de transformação de um outro – prin- GAUTHIER, 2003; REGUILLO, 2003). Portan-cipalmente o outro destituído social e economica- to, tais jovens preferem uma via direta de ação emente nas atuais condições das grandes cidades de participação na sociedade, em que podem cons-brasileiras –, em um movimento subjetivo de re- tatar, por eles mesmos, os efeitos do que fazem,tribuir o que ganharam e em um processo de sem intermediações.objetivar uma “reparação” da dívida social brasi- Ainda que considerado como uma obrigaçãoleira. moral pela qual se sentem convocados a agir, o Alguns percebem um sentido político do tra- vínculo aos destituídos por meio do trabalho so-balho social, não por sua inserção na máquina cial e comunitário não é sentido como excessivopartidária, mas pela luta emancipatória cujo fim ou “viciante”, como foi no caso dos jovens doseria, em última análise, a contribuição para que grupo anteriormente discutido. Assim se expres-seus pares possam usufruir de condições de li- sa um jovem que trabalha em um curso prepara-berdade e de igualdade. Para outros, o sentido tório para o vestibular para jovens pobres: “A res-político é terminantemente recusado, por justa- peito da minha doação pessoal, eu tento me doarmente não quererem ter a ver com partidos políti- o máximo que eu posso. É bem verdade que mecos ou com políticos, vistos como corruptos e doar totalmente nem sempre é possível, princi-manipuladores. Nesse sentido, o vínculo com os palmente quando a vida na faculdade aperta umexcluídos é direto, sem intermediações, as quais pouco, com provas, fica complicado se doarpodem impedir, atrapalhar ou desviar a ação repa- muito, mas sempre que possível eu tento partici-radora: “Acho que a gente considerar política só par das reuniões e tento articular as coisas. Achoo que o Estado coloca ou só atuar em termos de que é isso. Cada um faz o que pode” (P.– Lumina).partido [...] não é correto. E, na verdade, acho A ação visa a produzir efeitos visíveis de trans-que esse é um instrumento que está muito limita- formação nos outros. Desse modo, o trabalho temdo. Eu vejo como um instrumento muito limitado. que se realizar no seu próprio ritmo e as mudan-[Os] Partidos políticos hoje em dia têm muita bri- ças acontecem por força do investimento conti- 263
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEnuado e da convicção de que se pode fazer algu- financiamento e como seriam as atividades doma coisa para mudar o estado de coisas ao redor. próximo curso preparatório que estavam plane-Alguns entrevistados explicam seu distanciamento jando. A reunião durou cerca de seis horas, por-de uma atividade político-partidária dizendo que que todos achavam que as diferenças de opiniãoessas agremiações acabam tornando-se um fim tinham que ser expressas e somente quando to-em si mesmas, uma “carreira”, em que o que se dos concordassem em relação aos pontos discu-aprecia são os cargos, exacerbando as vaidades tidos a discussão deveria acabar. Nesse sentido,pessoais dos próprios jovens e atiçando o desejo parece enorme o investimento psíquico que essesde uns terem mais “poder sobre os outros”. Ou, jovens fazem na direção da construção de seu vín-ainda, criticam as associações estudantis por elas culo com o grupo social mais amplo, encarado eserem partidarizadas e não tolerarem a não- vivido na lenta superação das diferenças, apos-partidarização das lutas. Assim, a desconfiança em tando que um trabalho comum possa ser abraça-relação à atividade político-partidária dirige-se ao do por todos, nem que para isso tenha que haverseu eventual desvirtuamento no sentido da afir- um esforço incomum alimentado pelo ideal damação pessoal e do descompromisso com a mu- construção coletiva.dança social produzindo apenas a rolagem III.3. Participação: da “política”“ ao “políti-institucional do status quo. co”? A relutância a respeito da partidarização ex- A apresentação dos resultados permite-nos fa-pressa, talvez, uma dificuldade encoberta de os zer algumas considerações sobre os aspectos co-jovens enfrentarem a dispersão e os conflitos de- muns e comentar as divergências entre os doiscorrentes da pluralidade de interesses e de idéias. grupos de entrevistados. Destaca-se, em ambosAinda que possam ser procedentes as críticas em os grupos, a busca de um vínculo com o socialrelação ao descomprometimento com a ação e com que dê outros sentidos às suas relações com oa transformação a que a luta pelo poder pode even- mundo e insira o jovem em um coletivo de açãotualmente conduzir, os entrevistados desse grupo na sociedade.parecem recusar, de todo, a vinculação partidáriacomo uma forma de agir politicamente. Colocam Pari passu à construção de um novo lugar,em questão a distância que se estabelece entre a reconstroem-se também as ligações com a famí-discussão e a ação dos que militam nos partidos lia e as expectativas desta em relação ao jovem.políticos e a minimização dos efeitos de sua ação Não é à toa que todos os jovens, independente-sobre a ordem social. mente do grupo a que estão filiados, enfrentem conflitos com os pais e redirecionem escolhas Ainda que seu vínculo ao coletivo faça-se de profissionais. A busca de uma nova inserção con-modo mais pontual, centrado sobre o trabalho em duz à luta que também se trava internamente, con-relação ao outro desfavorecido, esse grupo de jo- sigo mesmo, do que advirá uma nova compreen-vens expressa claramente os conflitos a que estão são de si, de sua inserção no mundo e da convi-sujeitos pela sua opção de militância por meio do vência social.trabalho social: em primeiro lugar, com a famíliaque ou desaprova ou acha exagerada sua dedica- No entanto, muitos afirmam que foi justamen-ção; em segundo lugar, em termos da própria vida te da família que vieram suas primeiras percep-pessoal quando, em algum momento, a satisfação ções sobre temas políticos, seja por meio de dis-pessoal tem que ser adiada. De qualquer modo, cussões, seja por meio do exemplo dos pais. Masnão parece haver para esse grupo um adiamento também dos professores, principalmente de His-dos estudos ou do trabalho em prol da adesão à tória e de Geografia, citados como aqueles quecausa, como no grupo anteriormente discutido. mais incentivam a “ver a realidade de outra for- ma”, a “questionar”, a “ser mais crítico”. O que parece fundamental no enlaçamentodesses jovens à sociedade mais ampla é o contí- O tema da democracia revela-se pleno de reti-nuo processo de construção de um coletivo em cências e ambigüidades nas falas de todos os jo-que as opiniões pessoais de cada um devem con- vens: a maioria diz crer na democracia como me-vergir para metas comuns. Em um desses movi- lhor forma de governo, mas não acha que o quementos, tivemos a oportunidade de estar presente se esteja vivendo no Brasil possa se chamar deem uma reunião em que discutiam como obter democracia, seja porque não há justiça social, seja264
    • REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008porque a representatividade é uma fraude, seja Por um lado, os jovens militantes do trabalhoporque o governo é opressor, seja porque não há social e comunitário apostam na preservação departicipação real da sociedade. Dessa forma, os um ethos de transformação de mundo em que to-jovens de ambos os grupos e de todos os espec- dos possam estar consensualmente integrados etros ideológicos, convergem para uma crítica ex- harmonizados; por outro lado, os jovens militan-plícita à maneira como suas vidas são governadas tes de partidos ou de agremiações estudantis lan-por um poder que não lhes diz respeito e que dis- çam-se à defesa da ação partidária programática esimula seus aspectos autocráticos. Assim, fazem têm que encarar a luta aberta e adversa de diver-eco à afirmação do historiador José Murilo de sos grupos de interesse marcados por métodosCarvalho (2002, p. 278): “No Brasil, a política é nem sempre legítimos. Em ambos os grupos, ain-apenas formalmente democrática”. da que por caminhos e inserções diferentes, per- cebe-se o desejo de transformação de um mundo A crítica ao fazer político vigente também en- desigual e injusto.contra ressonância em ambos os grupos, que re-clamam da corrupção na política, mas diferentes Assim, os jovens põem em evidência a difícilpropostas de ação são encaminhadas. O grupo de conquista de um espaço organizado por meio dojovens ligado ao trabalho social e comunitário pa- qual possam fazer valer suas expectativas de mu-rece ver na adesão partidária – dos grupos parti- dança social. Se nos dois grupos de entrevistadosdários juvenis ou dos movimentos estudantis – é patente seu inconformismo perante o status quouma solução continuísta e também corruptível, e a busca de construção de um coletivo pelo qualque não rompe com as mazelas de as mudanças podem ser operadas, tanto pela viairresponsabilidade e descompromisso do fazer partidária como pela do trabalho voluntáriopolítico. Nesse sentido, tentam encaminhar uma engajado, há dificuldades no estabelecimento deação cujo compromisso com a realidade social seja uma conjunção da política com o político. A “po-preservado “na sua essência”, afastando-se das lítica” é entendida como o modus operandi soci-causas partidárias que lhes parecem sectárias e almente legitimado e organizado de levar adiantepouco abertas à pluralidade de idéias. O compro- mudanças societárias no horizonte de lutas e an-misso com a causa humanitária assume, algumas tagonismos; o “político” é visto como construçãovezes, uma interface com os movimentos cultu- coletiva contra-hegemônica que visa a restabele-rais e expressivos dos jovens ligados à crítica so- cer o vínculo com os excluídos. Para os jovenscial, como o rap e o hip hop. Assim, o vínculo aqui entrevistados, ao levantar-se a bandeira dados jovens aos outros destituídos busca investir política corre-se o risco de tornar-se parte de umaem uma participação efetiva de transformação da engrenagem em que se pode perder de vista osociedade, iluminada por uma imagem holística e compromisso com a mudança real e com os prin-utópica do todo social. cípios partidários. Ou, ao preferir-se o político, engajando-se no trabalho voluntário engajado, Seus pares que militam nos partidos e nos corre-se o risco de se evitar confrontar e lidarmovimentos estudantis também tecem críticas ao com as engrenagens mais amplas a que estão sub-fazer político, cujo desvirtuamento é atribuído, metidos e os diversos interesses que dividem asobretudo, aos outros partidos, não propiciando, sociedade mais ampla.assim, atitudes de autocrítica. No entanto, há quese reconhecer que o ingresso dos jovens nas or- IV. CONSIDERAÇÕES FINAISganizações partidárias expõem-nos A “causa comum” traduz a passagem dos jo-inexoravelmente à violenta pluralidade de interes- vens a um outro lugar na sociedade fora da famí-ses que os partidos políticos incorporam e às so- lia de origem, inserindo-os nas relações sociaisluções e encaminhamentos no âmbito dos parti- mais amplas. Ela denota a resposta dos jovens fren-dos, que nem sempre contemplam a pureza dos te ao mal-estar que experimentam ao depararem-princípios ideológicos, mas o pragmatismo das se com injustiças e desigualdades sociais, interpe-decisões. O horizonte do político acaba circuns- lando-os à responsabilidade por tal situação. Ascrevendo-se à luta encarniçada pelo poder, per- respostas dos jovens, como vimos, não são isen-dendo sua qualidade de arena que encerra a tas de conflitos e impasses. O que parece impor-pluralidade e o enfrentamento do adversário, na tante assinalar é que elas põem em curso diferen-maioria das vezes apenas considerado como o ini- tes modalidades de ação, todas aspirantes a trans-migo a ser vencido ou destruído. 265
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEformar a sociedade em direção a mais justiça, li- enriquecer-se e reinventar modos de embate con-berdade e igualdade. tra as injustiças: “A sociedade não pode ser totalizada de um ponto de vista privilegiado acima dela mes- Os jovens engajados no trabalho social ma, mas de um ponto subordinado dentro dela. Aengajado visam a não perder de vista a “causa” lógica de uma situação geral só pode ser decifradados destituídos ao longo da organização e da pelos que a olham de um ângulo específico, já queefetivação da ação. Seu afastamento das institui- são eles que mais necessitam desse conhecimentoções políticas, como os partidos, revela decepção para o fim de sua emancipação. Eles estão, a bemcom os interesses “vindos de cima” que solapam dizer, na posição de saber, uma expressão simpleso comprometimento com a transformação social. que nega que a ‘posicionalidade’ seja necessaria-Nesse sentido, preferem permanecer circunscri- mente contrária à verdade” (EAGLETON, 2000,tos à ação local, de modo a constatar “com seus p. 81; sem grifos no original).próprios olhos” qual a eficácia que tal ação pos-sui. Os que se engajam em partidos e nos movi- Assim posicionados nas bordas dos mecanis-mentos estudantis pensam que somente dentro mos estabelecidos de pressão e reivindicação, osdessas organizações será possível transformar jovens questionam as visões de Brasil e as formasradicalmente a sociedade no âmbito de um proje- de convivência que o fazer político tem reprodu-to de nação. No entanto, esses jovens vivem os zido ao longo da república brasileira.conflitos em relação às concessões que a luta par- Concluindo, cabe perguntar sobre os delinea-tidária parece demandar, uma vez que a ação polí- mentos futuros das formas de participação políti-tica está submetida a um enquadramento de inte- ca que os jovens têm encaminhado. Cabe questi-resses mais amplos. Em ambos os casos, o cená- onar se as críticas ao fazer político, tanto por parterio de desigualdades sociais parece ser o aspecto dos que militam nos partidos, como dos que seque convoca à ação, incitando a transformação engajam no trabalho social e comunitário, trarãodo estado de coisas ao redor. um renascimento das instituições políticas ou se A corrupção do fazer político nas instituições permanecerão anódinas às engrenagens partidári-formais é duramente criticado. Pelos jovens que as legitimadas. Será que a participação política dosestão militando nos partidos, essa crítica acom- jovens, sob suas várias formas e ainda comopanha-se de angústias e questionamentos em re- surplus e energia pouco organizada, contribuirálação à sua futura trajetória: de que modo os obje- para trazer para mais próximo o ideal da demo-tivos partidários podem vir a legitimar os meios? cracia no Brasil? As ações dos jovens aquiAté onde compromissos podem ser feitos? Além pesquisados venceram a apatia e o conformismo,disso, muitos deles mostraram claramente sua juntando-se à causa da transformação social e ins-decepção e suas frustrações com o jogo político e tituindo formas de lidar com o mal-estar da con-professam atitudes “realistas” quando confessam vivência. Nesse sentido, suas ações acompanhamque estão convencidos de que “a política tem li- um processo crescente de politização da vida so-mitações”. Ou seja, as mudanças, ainda que aca- cial, como afirma Ernesto Laclau (1994, p. 4):lentadas, nem sempre são alcançadas. Para aque- “[...] nas sociedades pós-modernas há tanto oles que ingressaram e permanecem no trabalho declínio dos grandes atores históricos quanto dossocial engajado, essas dúvidas parecem ter sido espaços públicos centrais, em que as decisõesrespondidas ao optar-se pela distância em relação importantes para a sociedade como um todo eramaos mecanismos formais de participação política. tomadas. Mas, ao mesmo tempo, há umaParece ser uma resposta de esquiva ao politização de vastas áreas da vida social que abreenfrentamento das lutas de interesses mais amplos caminho para uma proliferação de identidadesque podem incidir sobre a ação engajada. Ainda políticas particulares”. Nesse sentido, parece serassim, é importante notar o questionamento que tanto no limite quanto no exterior das atividadesfazem das formas convencionais de luta pela igual- convencionalmente tidas como políticas que a po-dade e pela emancipação e sua opção pela militância lítica adquire algum sentido e importância parapor meio do trabalho social voluntário, o que abre muitos jovens no Brasil hoje, justapondo ideais deespaço para que se discutam outras maneiras de transformação do presente com os de reparaçãocombater-se a opressão. Nessa linha de pensamento, social, ambos podendo ser concebidos comoTerry Eagleton afirma que é justamente do ponto reordenações do vínculo com o social e permitindode vista subalterno e pontual que a sociedade pode ao jovem o compromisso com o destino comum.266
    • REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 30: 253-268 JUN. 2008Lúcia Rabello de Castro (lrcastro@infolink.com.br) é Doutora em Psicologia pela Universidade de Lon-dres e Professora Titular do Departamento de Psicologia Clínica da Universidade Federal do Rio deJaneiro (UFRJ) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASABRAMO, H. & BRANCO, P. 2005. (orgs.) Québec. Montreal : Université Laval. Retratos da juventude brasileira : análises de GRIFFIN, C. 2005. Challenging Assumptions uma pesquisa nacional. São Paulo : Fundação about Youth Political Participation : Critical Perseu Abramo. Insights from Great Britain. In : FORBRIG, J.ARENDT, H. 1963. On Revolution. New York : (ed.). Revisiting Youth Political Participation. Penguin. Strasbourg : Council of Europe._____. 1972. Entre o passado e o futuro. São IBGE. 2003. Síntese dos indicadores sociais de Paulo : Perspectiva. 2002. Rio de Janeiro : Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.BAUGNET, L. 1996. Participation associative et rapport au politique : l’engagement social des INGLEHART, R. 1997. Modernization and jeunes. In : ROUDET, B. (org.). Des jeunes et Postmodernization. Cultural, Economic and des associations. Paris : Harmattan. Political Change in 43 Societies. Princeton : Princeton University.BECK, U. 1998. Le conflit des deux modernités et la question de la disparition des solidarities. ION, J. 1996. Groupements associatifs et modèles Lien Social et Politiques, Montreal, n. 39, p. d’engagement. In : ROUDET, B. (org.). Des 15-25. jeunes et des associations. Paris : Harmattan.CARVALHO, J. M. 2002. Pontos e bordados. ION, J. & RAVON, B. 1998. Causes publiques, Belo Horizonte : UFMG. affranchissement des appartenances et engagement personnel. Lien Social etCELLIER, H. 2004. Citoyenneté, école et projets Politiques, Montreal, n. 39, p. 59-71. fédérateurs : novelle cohérence sociale ? In : VULBEAU, A. (org.). La jeunesse comme KOVACHEVA, S. 2005. Will Youth Rejuvenate ressource. Paris : Ères. The Patterns of Political Participation? In : FORBRIG, J. (ed.). Revisiting Youth PoliticalDOMINGUES, J. M. 2000. A cidade : racionali- Participation. Strasbourg : Council of Europe. zação e liberdade em Max Weber. In : SOUZA, J. (org.). A Atualidade de Max Weber. Brasí- LACLAU, E. 1994. Introduction. In : _____. lia : UNB. (ed.). The Making of Political Identities. London : Verso.EAGLETON, T. 2000. The Idea of Culture. London : Sage. LEFEBVRE, H. 1974. La production de l’espace. Paris : Anthropos.FLANAGAN, C. & SHERROD, L. 1998. Youth Political Development : An Introduction. MOUFFE, C. 1993. The Return of the Political. Journal of Social Issues, v. 54, n. 3, p. 447- London : Verso. 456. MUXEL, A. 1994. La formation des choixFORBRIG, J. 2005. Introduction : Democratic politiques dans le temps de la jeunesse. Filiation Politics, Legitimacy and Youth Participation. et expérimentation. In : L’Identité politique. In : _____. (ed.). Revisiting Youth Political Paris : PUF. Participation. Strasbourg : Council of Europe. NEGT, O. 2002. Espaço público e experiência.GAUTHIER, M. & GRAVEL, P. 2003. La In : PALLAMIN, V. (org.). Cidade e cultura : participation des jeunes à l’espace public au esfera pública e transformação urbana. São Québec, de l’associationnisme à la mobilisation. Paulo : Estação Liberdade. In : GAUTHIER, M. (org.). La jeunesse au 267
    • PARTICIPAÇÃO POLÍTICA E JUVENTUDEPLEYERS, G. 2005. Young People and Alter- SANTOS, M. & SILVEIRA, M. L. 2001. O Bra- Globalisation : From Disillusionment to a New sil : território e sociedade no início do século Culture of Political Participation. In : XXI. São Paulo : Record. FORBRIG, J. (ed.). Revisiting Youth Political SENNETT, R. 1992. The Fall of the Public Man. Participation. Strasbourg : Council of Europe. New York : Norton.POLIS-IBASE. 2006. Diálogo nacional para STOLLE, D. & HOOGHE, M. 2004. Inaccurate, uma política pública de juventude. São Paulo Exceptional, One-Sided or Irrelevant? The : Instituto Pólis-Instituto Brasileiro de Análises Debate about the Alleged Decline of Social Sociais e Econômicas. Disponível em : http:// Capital and Civic Engagement in Western www.ibase.br/userimages/ Societies. British Journal of Political Science, dialogo_juv_final21.pdf. Acesso em : Cambridge, UK, n. 35, p. 149-167. Disponí- 15.mar.2008. vel em : http://www.kuleuven.be/citizenship/RANCIÈRE, J. 1995. Politics, Identification and _data/reviewarticle.pdf. Acesso em : Subjectivization. In : RAJCHMAN, J. (ed.). 15.mar.2008. The Identity in Question. London : Routledge. VILLA, D. (1992). Postmodernism and the PublicREGUILLO, R. 2003. Cascadas : agotamiento Sphere. American Political Science Review, estructural y crisis del relato. Pensando la Washington, D. C., v. 86, n. 3, p. 712-721. “participación” juvenil. In : ISLAS, J. A. P.; WELTI, C. 2002. Adolescents in Latin America : GONZALEZ, M. V.; GAUTHIER, M. & Facing the Future with Skepticism. In : GRAVEL, P. L. (coords.). Nuevas miradas BROWN, B.; LARSON, R. & SARASWATHI, sobre los jóvenes. México y Québec. Ciudad T. (eds.). The World’s Youth : Adolescence in de México : Instituto Mexicano de la Juventud. Eight Regions of the Globe. Cambridge : Cambridge University.Artigo modificado por solicitação do editor em (Abril/2009).268