Resumo de Fórmulas Financeiras
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Resumo de Fórmulas Financeiras

on

  • 1,453 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,453
Views on SlideShare
1,453
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
84
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Resumo de Fórmulas Financeiras Resumo de Fórmulas Financeiras Document Transcript

  • Capitalização Simples (juros simples) Quando os juros, nos vários períodos, são calculados sobre o valor do capital inicial, dizemos que a capitalização é feita no regime de juros simples. Temos então que: J = C. i. t J = juros C = capital Cálculo do montante: M = C + J i = taxa ou t = tempo M = C(1+it ) Cuidado: não se esqueça de transformar a taxa, quando usar essa fórmula. JUROS COMPOSTOS M = C (1 + i)t J = C [ ( 1+ i)t – 1] ESTUDOS DAS TAXAS. *Taxa equivalente. A taxa equivalente é a taxa que aplicada a um mesmo capital em um determinado intervalo de tempo produz o mesmo montante. Obs.: em juros simples taxas proporcionais é igual a taxa equivalente. Do menor para o maior : Ieq = (1 + i) T-1 Do menor para o maior : Ieq = (1 + i) 1/T-1 Taxa efetiva Quando o período da taxa coincide com o período da capitalização, a mesma é denominada efetiva. Caso o período da taxa seja diferente da taxa real, utilizamos a fórmula de taxa equivalente. Ier = (1 + i)k -1 *Taxa Nominal. www.brunovillar.com.br
  • Quando o período da taxa não coincide com o período da capitalização, a taxa é dita nominal. Ex.: 120% a.a , com capitalização mensal. 24% a.b , com capitalização mensal. Em Taxa Nominal deve-se usar taxas proporcionais. Relação entre taxas Ia: taxa aparente é a taxa cobrada nas operações financeiras. ii : taxa inflacionária é a taxa da inflação do período da operação financeira. ir : taxa real é ganho real na operação , retirando as perdas com a inflação. (1+ ia) = ( 1+ ii)( 1+ ir) DESCONTO SIMPLES DESCONTO COMERCIAL OU “POR FORA” SIMPLES É o desconto cobrado sobre o valor nominal da dívida. D = N. i.t N =valor nominal = valor futuro = valor de um titulo = valor de letra t = Tempo de antecipação do pagamento Cálculo do valor atual: A = N – D A = N ( 1 – i . t) ou A = valor atual = valor liquido = valor descontado DESCONTO RACIONAL OU “POR DENTRO” É o desconto calculado sobre o valor atual da dívida. Fórmulas: D = A .i. t ou D = N .i.t 1  i.t N 1 i.t Valor Atual racional : A = RELAÇÃO ENTRE O DESCONTO COMERCIAL E DESCONTO RACIONAL Dc = D r (1+i.t) www.brunovillar.com.br
  • TAXA EFETIVA DE DESCONTO Taxa efetiva de desconto é a taxa de juros que, aplicada sobre o valor descontado do titulo , produz montante igual ao seu valor nominal. Se o desconto for racional simples a taxa de desconto já é efetiva. Se o desconto for desconto comercial simples a taxa deve ser calculada a partir da seguinte fórmula: ic 1 ic.t Ief= Ic= taxa de desconto comercial DESCONTO COMPOSTO DESCONTO RACIONAL COMPOSTO OU “ POR DENTRO” Fórmulas: N VA = 1it d = N – VA DESCONTO COMERCIAL COMPOSTO OU “ POR FORA” VA = N (1- i)t d = N – VA. RENDAS OU ANUIDADES 1.1 RENDAS POSTECIPADA- O pagamento será efetuado no final do primeiro período e , portanto, o vencimento da última prestação, tendo a renda “n” prestações , ocorrerá ao fim de “n” períodos. Com a tabela : A = P .a n] i Onde: A = valor da atual e P = prestação ou anuidade Sem a tabela: a n] i 1in  1 1in .i = www.brunovillar.com.br View slide
  • RENDA ANTECIPADA: O primeiro pagamento será feito no inicio do primeiro período (data zero), e o vencimento da última prestação, dar-se-á de “n-1” prestações. Com tabela: VA = P . a n’] i Sem a tabela: a n] i onde a n ‘] i = a n-1 ] +1 1in  1 1in .i = CAPITALIZAÇÃO ( VALOR FUTURO) Capitalização é representada por depósitos sucessivos com o objetivo de construir um fundo de reserva. Com a tabela : M = C . S n]i onde S n]i é encontrado na tabela de capitalização. 1in  1 Sem a tabela : S n]i = i A TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) DE UM FLUXO DE CAIXA A taxa interna de retorno é a taxa que torna o VPL do fluxo de caixa igual a zero ou seja é a taxa que faz com que o valor atual dos pagamentos se iguale ao valor atual dos recebimentos. AMORTIZAÇÃO DE EMPRESTIMO E FINANCIAMENTO De modo geral, os financiamentos podem ser feito por curto, médio ou longo prazo. Na prática, os empréstimos de curto prazo vão até 1 ano; os de médio , até 3 anos e a partir daí de longo prazo. Observações: Amortização ( A ) : é a redução do saldo devedor. Prestação (P): é a soma da amortização com os juros. P = A +J www.brunovillar.com.br View slide
  • Saldo Devedor ( Sd ) : é o estado da dívida, ou seja, em um determinado instante. Sdt = Sd ( t -1) - at Juros: ( j ): são sempre cobrados sobre o saldo devedor. J T = Sd ( t -1) . i SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) As parcelas de amortização são constantes, as prestações diminuem com o tempo. Fórmulas básicas: Sdo Amortização a = n O Saldo Devedor : Sdt = Sd (nt -t) .A Os Juros: J t= Sd ( t -1) . i Prestação: a + jt www.brunovillar.com.br