Your SlideShare is downloading. ×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Quais os efeitos da mudança no gosto e preferências dos consumidores na indústria pecuária dos EUA? [Relatório Rabobank]

785
views

Published on

Quais os efeitos da mudança no gosto e preferências dos consumidores na indústria pecuária dos EUA? [Relatório Rabobank]

Quais os efeitos da mudança no gosto e preferências dos consumidores na indústria pecuária dos EUA? [Relatório Rabobank]

Published in: Business

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
785
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Quais os efeitos da mudança no gosto e preferências dos consumidores na indústria pecuária dosEUA? [Relatório Rabobank] Introdução No final dos anos noventa, em um esforço para melhorar a imagem da carne bovina junto aos consumidores, a indústria americana adotou a meta de garantir uma experiência de qualidade ao consumo cada vez que um produto de carne bovina era consumido. Essa mudança para uma mentalidade focada no consumidor, junto com a introdução e a popularidade da dieta Atkins, são em grande parte responsabilizadas por conter o declínio na demanda por carne bovina que vinha ocorrendo desde meados dos anos setenta. Apesar do fato de os Estados Unidos terem desde então se tornado esmagadoramente uma “nação de carne moída”, o modelo de produção de carne bovina mudou muito pouco ao longo dos anos. Pouca consideração tem sido dada a quais cortes os consumidores de carne bovina estão selecionando e porque. As preferências e os hábitos de compras dos consumidores de carne bovina dos Estados Unidos mudaram de forma significativa desde os anos setenta. Os consumidores estão cada vez mais buscando ingredientes para refeições rápidas, pegando um hambúrguer rápido ou simplesmente comprando pelo baixo valor. O modelo de produção da indústria precisa seguir o exemplo. O modelo de produção focado na qualidade significa que a maioria dos bovinos são atualmente manejados para atingir o padrão de classificação choice, com pouca consideração pelas mudanças nos gostos e preferências dos consumidores do país. Para manter-se competitiva nesse país da carne moída, a indústria precisa mudar com o tempo para um modelo de produção que alinhe de forma mais cuidadosa o produto com sua intenção de uso final. Essa mudançana produção do produto final poderá influenciar a seleção de bezerros, o manejo dos bovinos, os custos de produção e os regimes de alimentação em toda a vida do animal. Consumidores estão selecionando menos carne bovina No meio dos anos setenta, os números de bovinos eram altos e os americanos estavam comendo uma quantidade substancial de carne bovina. Entretanto, em 1974, o tamanho do rebanho nos Estados Unidos alcançou seu pico, com o rebanho total estimado em 134 milhões de cabeças e, imediatamente em seguida, o consumo per capita nos Estados Unidos alcançou o pico de pouco menos de 43 quilos por ano. De 1974 até 2008, o consumo per capita caiu para cerca de 30,4 quilos. De 1993 a 2007, o consumo per capita se estabilizou e até mesmo se recuperou levemente de 29,5 quilos a 30,4 quilos. Em 2008, os consumidores dos Estados Unidos sofreram um golpe na forma de uma crise imobiliária e recessão. Também nesse ano, os criadores de bovino lidaram com a seca que forçou uma liquidação acelerada nos números totais de bovinos e um aumento nos preços dos grãos usados na alimentação animal que reduziram as ofertas e aumentaram os preços. Como resultado, os hábitos de consumo de carne bovina retomaram a espiral descendente, caindo em 1,36 quilos naquele ano. Desde 2008, o consumo vem caindo continuamente e deverá cair de 24,5 quilos por ano em 2013 para 24,04 quilos em 2014 (Figura 1).
  • 2. Carne bovina: o preço a colocou fora do mercado de proteína? Apesar de não ser tão simples apontar a razão exata para o dramático declínio no consumo de carne bovina dos Estados Unidos, pode-se atribuir a alguns importantes fatores direcionadores como custos, conveniência e qualidade. Argumenta-se que o declínio no consumo de carne bovina dos Estados Unidos foi devido à qualidade. Entretanto, esse argumento não é apoiado por medidas objetivas de qualidade, como a porcentagem de bovinos choice e prime no mix de classificação, que vem aumentando firmemente apesar do declínio inexorável no consumo per capita de carne bovina (Figura 2). As carcaças de classificação choice e prime aumentaram de pouco mais de 50% do boi gordo em 2006 para mais de 70% em 2013. Apesar de alguns argumentarem que o declínio no consumo de carne bovina seria ainda mais dramático se a qualidade não tivesse melhorado, é óbvio que há mais coisas direcionando o declínio no consumo.
  • 3. O custo é um direcionador mais provável do contínuo declínio no consumo de carne bovina, especialmente quando comparado com outras proteínas concorrentes. As indústrias de carne suína e de frango têm crescido em escala e eficiência, o que tem tornado seus produtos mais prontamente disponíveis a preços competitivos. Os preços relativos são um importante fator direcionador para que os consumidores substituam a carne bovina por outras proteínas. O aumento nos preços da carne bovina no varejo com relação aos preços das carnes concorrentes tem simplesmente direcionado os consumidores a opções de proteínas com preços mais competitivos. Usando preços não deflacionados a partir de 2000 como base, os preços compostos da carne de frango aumentaram uma média de 2% por ano durante o período de 13 anos, para um total de 24%. Os preços varejistas da carne suína viram um aumento médio de 2,7% por ano durante o mesmo período, com um aumento total de 41%. Os preços da carne bovina choice, em comparação, aumentaram a uma taxa média anual de 4,4%, com um aumento total de 72%, enquanto os preços médios de todas as carnes bovinas apresentaram um aumento total de 78% ou 4,6% anualmente (Figura 3). Embora a comparação de preços das diferentes proteínas claramente ilustre uma razão para o declínio na demanda total de carne bovina, isso está longe de ser a história inteira. Os preços médios de todas as carnes bovinas, medidos pelo Serviço de Estatísticas Trabalhistas (BLS) vêm aumentando a uma taxa mais rápida do que os preços da carne Choice, indicando que, embora os consumidores continuem demandando carne bovina, eles estão cada vez mais selecionando opções de carne com menor preço.
  • 4. Carne moída ganha interesse dos consumidores A mudança nos gostos e preferências dos consumidores levaram os americanos agastar seu dinheiro para alimentos que possuam menos carnes de alta qualidade. Embora a demanda por carne bovina tenha se mantido razoavelmente bem, a mudança nos gostos e preferências estão levando as pessoas a escolher itens mais competitivos em termos de preços quando compram carne bovina. Dados publicados pelo BeefCheckoff indicam que em 2012, o consumo doméstico de carne bovina em uma base pronto para comer foi de pouco mais de 6,8 bilhões de quilos. Quase 3,63 bilhões de quilos, ou 52,66%, foram consumidos no setor de foodservice e 3,23 bilhões de quilos foi através de compras varejistas. Os dados também mostraram que 63,8% da carne bovina consumida no setor de foodservice foi alguma forma de carne moída, enquanto no setor de varejo, que representa 46,9% do consumo total de carne bovina, 49% da carne consumida foi na forma de carne moída. De acordo com o estudo, o consumo combinado de carne bovina em ambos os setores foi de 57% de produtos moídos. Entretanto, de acordo com relatórios de fontes no setor varejista, o Rabobank acredita que o consumo de carne moída no varejo pode ter sido, de fato, de até 60% de todas as vendas de carne bovina varejistas. Com base nos dados centrais do BeefCheckoff e pesquisas adicionais de vendas de carne bovina no varejo do Rabobank, a estimativa é que a carne moída como uma porcentagem de todo o consumo doméstico de carne bovina fica próxima a 62%. A sabedoria convencional é de que a carne moída representa cerca de 50% do consumo total. Sob qualquer análise, essa proporção de consumo de carne moída é surpreendente e apresenta implicações enormes para a indústria pecuária dos Estados Unidos. Custo e conveniência direcionando a demanda por carne moída Então, por que os consumidores dos Estados Unidos estão mudando tão rapidamente em direção ao consumo de carne bovina na forma moída? Vários fatores explicam esse grande aumento no consumo de carne moída.
  • 5. - Diferenciação de preços entre cortes de carne bovina é um direcionador primário por trás da tendência dos consumidores de comprar carne bovina mais barata. - Além das churrascarias tradicionais, as opções de carne bovina fora de casa não são radicalmente diferentes daquelas preparadas e consumidas em casa. - A vasta maioria dos consumidores não planeja previamente as refeições, decidindo o que terá na refeição noturna um pouco antes de preparar. Isso leva os consumidores a comprar itens de proteína que podem ser preparados em um espaço limitado de tempo. A carne moída é bem adequada para refeições de preparo rápido. - Escassas habilidades de preparo levam os consumidores a comprar um número limitado de cortes. Crescente demanda por carne moída altera relações de preços da carne Dados varejistas publicados pelo BLS e pelo USDA iluminam uma mudança radical na relação de preços entre todos os bifes e toda a carne moída. Historicamente, todos os preços dos bifes eram comercializados em uma faixa de 2,3 a 2,7 vezes o preço da carne moída (Figura 4). Entretanto, em 2004, a relação de preços entre os bifes e a carne moída começou a se estreitar. A partir de 2013, o preço de todos os bifes estavam pouco menos de 1,7 vezes o preço de toda a carne moída. É interessante notar que, embora os preços de todas as carnes em média tenham aumentado, a mudança na relação tem sido direcionado totalmente pelo fortalecimento dos preços da carne moída. O estreitamento na relação de preços está longe de ser resolvida e o Rabobank espera que a tendência continue em um futuro previsível, destacando que conveniência e preço estão se tornando tão importantes quanto qualidade para o consumidor americano de carne bovina. O pensamento convencional de longa data sobre o manejo de bovinos e práticas de produção é que os bovinos precisam ser alimentados para cumprir com a taxa ótima de classificação visando capturar o valor das carnes médias. Como resultado, as decisões de manejo do gado e os regimes de alimentação são estruturados para dar suporte aos 20% da carcaça que são Rib (costela) e Loin (lombo), ou 27% que são Rib, Loin e Sirloin. No que se refere aos 73% a 80% da carcaça restantes, o requerimento para cumprir com a classificação choice ou melhor é normalmente irrelevante e, no caso de algumas carnes primárias, podem ser prejudiciais.
  • 6. Historicamente, os trimmings (recortes) de carne bovina, componentes de fontes de carne bovina magra, e os trimmings de gordura compõem a oferta de carne moída, consistentemente vendida a um desconto com relação aos os cutoutsabrangentes (valor derivado de uma fórmula que estima o valor da carcaça usando médias ponderadas dos cortes). A combinação de trimmings magros e 50% de trimmings que são usados para suprir todos os pontos de mistura combinados da carne moída são vistos como componentes de menor valor (Figura 5). Entretanto, nos últimos cinco a seis anos, o valor dos trimmings magros foi consistentemente comercializado a um premium com relação aos cortes gerais. Esse premium indica que tem havido mudanças no que os consumidores querem e em quanto desejam pagar. Isso também sugere que se os produtos de carne moída estão consistentemente sendo vendidos a um premium, há um claro incentivo econômico para a indústria se ajudar e fornecer esses produtos desejáveis da forma mais economicamente eficiente possível. Cortes caros estão cada vez mais suprindo a demanda por carne moída Um dos maiores fatores que inibem a maior eficiência na indústria de carne bovina e limita sua capacidade de competir com proteínas concorrentes é a crescente porcentagem de cortes que terminam no mercado como carne moída. Como discutido anteriormente, hoje cerca de 62% do consumo de carne bovina é feito em alguma forma de carne moída, enquanto somente 20% é de costela e lombo. Dos 18% restantes, cerca de metade virá de itens populares, como sirloin, briskets, flanks e short ribs, com o restante na mesma forma de cortes de músculos não médios, que em muitos casos acabarão vendidos como produto moído. O ponto é que embora mais de 60% da carcaça possa encontrar seu caminho para um valor menor ou produtos moídos, o modelo de produção requer que a maioria desses animais sejam alimentados com uma ração cara que visa a perfeição da qualidade em, no máximo, 30% da carcaça. Essencialmente, a indústria está produzindo um produto extraordinariamente de alta classificação para consumidores que desejam comprar uma
  • 7. commodity. Esse é o ponto crucial do problema. A carne bovina é cara para produzir e está se tornando cada vez mais não competitiva. Fontes de material adicional para moer são limitadas A tendência em direção a cortes de músculos moídos deverá continuar em um futuro previsível, à medida que vemos poucas chances de ofertas adicionais convencionais de produtos de carne bovina magra chegando ao mercado. A fonte convencional de carne moída nos Estados Unidos é de 50% de trimmings magros (CL) da gordura produzida na produção da carne bovina, combinado com trimmings 90% CL de carne bovina de vacas, outros ou de trimmings importados da Austrália, Nova Zelândia e outros poucos mercados. Os abates de vacas nos Estados Unidos nos últimos anos surgiram da liquidação de longo prazo de vacas e touros devido à situação econômica ruim. Desde 2011 que a oferta de vacas e touros tem acelerado a taxa de liquidação devido à seca em grande parte de áreas produtoras de bovinos dos Estados Unidos. A combinação de preços recordes de bezerros e as condições muito melhores de pastagens tem encurtado a liquidação do rebanho de cria. Durante a segunda metade de 2013, os abates semanais de vacas tiveram em média uma queda de 14% com relação à segunda metade de 2012. A redução nos abates de vacas foi resultado da retenção pelos produtores com propostas de reconstrução dos rebanhos (Figura 6). Consequentemente, as expectativas são de que os abates de bovinos de corte pudessem ver declínios de duplos dígitos com relação ao ano anterior em 2014, o que poderiam transitar bem em 2015. Existem três opções realistas para aumentar as ofertas de carne bovina magra: processar mais vacas e touros, aumentar a quantidade de carne bovina magra importada ou moer mais cortes de músculos da oferta de carne bovina. Qualquer liquidação adicional do rebanho de cria é improvável de acontecer dadas às condições climáticas próximas das normais, bem como por ser desaconselhável pela estabilidade de longo prazo da indústria. Maiores importações de carne bovina magra são provavelmente uma possibilidade. A Austrália e a Nova Zelândia sofreram condições de seca em 2013 e a seca na Austrália continua em 2014. As condições de clima na Nova Zelândia estabilizaram e melhoraram no final do ano e isso permitiu que as condições estabilizassem. A Austrália sofreu uma seca severa, que levou aos maiores abates anuais em 34 anos. As importações da Nova Zelândia de carne bovina para 2013 aumentaram em 8% e provavelmente ficarão quase sem mudanças em 2014. Os envios australianos de carne bovina aos Estados Unidos caíram em 7% para 2013 e deverão ser menores em 2014. As exportações australianas de carne bovina à China aumentaram em mais de 623% para o ano. A combinação da liquidação e a relação comercial estabilizada para a China provavelmente levará a menores envios aos Estados Unidos nos próximos anos.
  • 8. Uma previsão que oferece alguma chance de melhora nas ofertas em médio prazo vem dos anúncios nas últimas semanas de que poderia haver mudanças notáveis nas importações de carne bovina dos Estados Unidos. O Serviço de Inspeção Sanitária Animal e Vegetal (APHIS) do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciaram em dezembro e publicaram no Registro Federal uma proposta pela qual os Estados Unidos aceitariam carne bovina fresca de 14 estados brasileiros, com os primeiros envios devendo ser feitos no meio de 2014. Essa é a primeira vez que carne bovina brasileira não processada tem permissão para entrar nos Estados Unidos. No momento, a proposta para aceitação do produto brasileiro fresco está aberta para comentários e recebendo uma forte oposição de grupos da indústria devido aos medos de que os lotes de carne bovina importada possam levar a febre aftosa aos Estados Unidos. Além disso, no final de dezembro, houve um anúncio de que a indústria privada, com auxílio econômico dos governos federal do México e do Estado de Durango, está planejando construir um grande complexo de engorda e processamento de bovinos em Durango, designado a exportar 60% da produção da planta. A implementação dessas duas iniciativas provavelmente mudarão o jogo das importações e exportações de carne bovina dos Estados Unidos nos próximos anos. A questão é que as importações de carne bovina de canais convencionais deverão ser limitadas e provavelmente mais caras. Novos desenvolvimentos comerciais e políticos deverão abrir os Estados Unidos a ofertas de carne bovina da América Central e do Sul. Alternativamente, os Estados Unidos podem adaptar as práticas de produção tradicional e fornecer o produto que supre as demandas dos consumidores que mudaram no mercado doméstico. Como manter uma nação da carne moída competitiva? Os consumidores dos Estados Unidos querem carne moída. De acordo com o modelo existente da indústria, a indústria pecuária dos Estados Unidos administra quase toda a carne bovina como se fosse destinada para o centro do prato em um restaurante sofisticado. Entretanto, os dados mostram que mais de 60% do consumo total de carne bovina chegam ao consumidor em alguma forma de carne moída. Se a indústria quer se manter saudável, seria sensato ouvir o cliente e se adaptar à nova realidade. Continuar produzindo carne
  • 9. moída em um modelo de negócios designado a cortes de alto valor resultará na contínua erosão da participação de mercado da carne bovina dos Estados Unidos, domesticamente e no exterior. O futuro para a indústria de carne bovina dos Estados Unidos é um modelo de produção que otimiza melhor os insumos para fornecer o melhor produto no melhor preço para um dado mercado. Nos Estados Unidos, o consumidor quer carne moída com preço mais competitivo e mais conveniente. Os produtores e confinadores de bovinos dos Estados Unidos precisam produzir um produto para esse mercado e isso significa uma identificação precoce do potencial genético do animal e uma gestão sob medida desse animal para suprir os requerimentos do mercado final. Identificando melhor metade a dois terços da safra de bezerros o mais precoce no processo possível, esses animais continuariam a ser manejados como são hoje, mirando seu uso final para os mercados de carne de alta qualidade. O Rabobank estima que o número de bovinos nas classificações superiores de Choice e Prime não mudaria significativamente. Garantindo que genéticas de menor qualidade não entrem no sistema de alta qualidade, o desempenho seria melhorado através de ganhos de eficiência. Para o segmento da população de bovinos que não são selecionados para o mercado Choice e Prime, uma abordagem diferente de manejo é necessária. Essa parte da safra de bezerros deve ser deixada em algum tipo de forragem natural por um período mais longo para capitalizar nos menores custos do ganho. Esse não é um modelo de produção a pasto que é usado em muitas outras partes do mundo, mas uma abordagem de engorda modificada. Essa abordagem usa um período mais curto de engorda e provavelmente envolverá uma ração de menor energia para reduzir os custos no processo de produção. Como resultado, a indústria não estaria mais colocando animais de menor qualidade em uma porcentagem de classificação que eles não podem de forma realista ou eficiente cumprir nem haveria um excesso de alimentação do animal na esperança de alcançar uma classificação mais alta. Esse animal será, em teoria, terminado a um preço marginalmente menor, com uma carcaça em que costela e lombo podem confortavelmente alcançar as classificações Select e Choice baixo. Para a parte restante da carcaça, alcançar a meta de 90% CL trim e moer o resto da carcaça para suprir as crescentes demandas por carne moída no mercado doméstico seria o melhor uso. Desenvolver-se para um modelo de produção alternativa ampliaria as diferenças de preços dos bezerros e dos bovinos para engorda e provavelmente forçaria os produtores de cria a determinar melhor seus respectivos mercados meta e produzir para eles. Isso provavelmente melhoraria o valor do setor, porque os animais no perfil de carne moída estariam sendo produzidos a pesos maiores com rações de menor custo. As mudanças no setor comercial de engorda poderiam ser mínimas. Os bovinos no modelo alternativo ainda seriam engordados, possivelmente por um período de tempo menor e com rações com menor teor energético. Os abates de bovinos seriam maiores. A maior mudança seria nos frigoríficos, porque esses alterariam a forma como são atualmente determinados os preços dos bovinos. Isso também potencialmente forçaria mudança radicais no processo de fabricação. Um modelo como esse beneficia os varejistas e usuários finais à medida que produz uma oferta maior de produtos que atualmente têm maior grau de demanda e taxa de crescimento, enquanto ao mesmo tempo, não rompe radicalmente a oferta de produtos para aqueles que buscam produtos convencionais ou de maior qualidade. A questão é que o atual modelo existente de negócios vem apresentando queda na contagem de cabeças e perdendo participação de mercado nos últimos 40 anos. Embora uma mudança normalmente seja difícil, a indústria pode sempre se adaptar às realidades do mercado final moderno ou continuar com o status quo de menores ofertas e redução da demanda.
  • 10. Fonte: Rabobank AgFocus, traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

×