Your SlideShare is downloading. ×

[Palestra] Professor Bento Ferraz: Como o melhoramento genético impacta no seu negócio?

287

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
287
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Importância da uso de genética superior na sua fazenda Como o melhoramento genético impacta no seu negócio? 1 Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Núcleo de Apoio à Pesquisa em Melhoramento Animal, Biotecnologia e Transgenia Departamento de Medicina Veterinária Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo 13635-900 Pirassununga, SP, jbferraz@usp.br
  • 2. A pecuária de nossos dias 1.  Não consegue competir em termos de rentabilidade com a agricultura e a especulação imobiliária 2.  Não consegue remunerar o capital investido 3.  Tem que crescer, para atender à demanda de carne, tanto interna como de exportação 4.  Só existe uma saída: aumento, drástico, de produtividade 5.  A pergunta que importa: como? 2
  • 3. 1) Definição de objetivos. O que você quer, exatamente, de sua pecuária?
  • 4. foque no seu cliente, seu mercado, seu sistema de produção e suas condições de trabalho e ambiente Qual é o seu produto? 4
  • 5. Qual é seu negócio na pecuária? 5
  • 6. Cria? 66
  • 7. OU
  • 8. Criação de material genético? 8
  • 9. OU
  • 10. Você está no sul do país? 10
  • 11. OU
  • 12. Seu negócio é cruzamento? 12
  • 13. OU
  • 14. Só recria e engorda? 14
  • 15. OU
  • 16. 16 Criação extensiva?
  • 17. OU
  • 18. Confinamento em larga escala? 18
  • 19. OU
  • 20. Confinamento em média escala? 20
  • 21. OU
  • 22. Confinamento em pequena escala? 22
  • 23. OU
  • 24. Recebe por qualidade de carcaça? 24
  • 25. Participa de programas de cortes especiais? É remunerado por isso? 25
  • 26. ?
  • 27. Para cada sistema de produção... Existem objetivos de seleção diferentes 27
  • 28. Não existe melhoramento animal, aumento de produtividade sem definição clara de objetivos, pois, afinal....... 28
  • 29. 29 Nosso produto é......
  • 30. 30 2) Para se conseguir eficiência, aumento de produtividade e lucratividade é necessário: • Definição clara de objetivos, metas e tempos • Conhecimento • Aplicação adequada dos melhores métodos e tecnologias disponíveis
  • 31. E o que buscamos ao comprar material genético (tourinho, doadoras, sêmen ou embriões)? ? ?
  • 32. 32 Na realidade, buscamos o material genético, contido nos Cromossomos (DNA)
  • 33. 3) As avaliações genéticas
  • 34. 34 Para que servem reprodutores e/ou matrizes? ¡ São nossas máquinas ¡ Devem produzir os nossos produtos, os bezerros ¡ Esses produtos devem ser adequados aos sistemas de produção e às condições de ambiente que temos, sempre respeitando a sustentabilidade ambiental e o bem estar animal ¡ Os reprodutores e matrizes são máquinas de fazer gametas (espermatozóides e óvulos), portanto, valem o valor de seus gametas ¡ Se valem o valor de seus gametas, temos que conhecer isso....
  • 35. 35 A evolução das metodologias de estimação do valor genético: Vamos ser mais eficientes? •  Seleção genômica, associada com DEPs (single-step) ou não (já em uso em gado de leite e sendo lançado em gado de corte, inclusive no Brasil a partir de 2010) •  Biologia molecular, seleção assistida por marcadores genéticos (começando a ser usada, década de 2010) •  DEP’s com alta acurácia (“Modelos Animais”, depois de 1990) •  DEP’s com média acurácia (“Modelos touro”, 1970 a 1990) •  DEP’s com baixa acurácia (“Quad. Mínimos”, 1950-1970) •  Índices (desvios de grupos, e.g. provas de ganho de peso, 1930->) •  Medições ajustadas (>início século XX) •  Medições (pesos, dimensões, tempos, etc.) (séculos XIX e XX) •  Tradição, fama do criador dos animais (desde sempre) •  Pedigree (século XVIII ->) •  Avaliação visual (desde a domesticação dos animais) Eficácia O que mais fazemos hoje em dia
  • 36. O que condiciona o desempenho dos animais? Mão de obra Outros efeitos de ambiente Alimentação e Nutrição Instalações Manejo Saúde Genética 36 Marcadores de DNA
  • 37. Um modelo ¡ P = G + E + GE §  P = Fenótipo §  G = Genótipo §  E = Ambiente ¡ P = A + D + I + E + GE §  A = efeito aditivo dos genes §  D = efeito de dominância dos genes §  I = efeito da interação entre os genes (epistasia) 37
  • 38. O que é avaliação genética? }  Procedimento de análise dos dados de produção dos animais, com uso de metodologia estatística adequada, para: ◦  Separar os efeitos genéticos aditivos(A) dos demais efeitos (D+I+E+GE) ◦  A = valor genético aditivo = 2 x DEP (ou PTA) P = A + D + I + E + GE 38
  • 39. O que é acurácia? Relação entre acurácia de uma estimativa de valor genético de um animal e o risco de utilizar-se ou não tal animal como reprodutor na propriedade. Acurácia Razão Risco de mudança futura (novas informações) 0,10 a 0,30 (baixa) poucas informações a respeito do animal, animal em geral muito jovem è acurácia baixa, diminui o intervalo entre gerações alto 0,31 a 0,70 (média) número razoável de informações, reprodutor jovem, com de 10 a 20 filhos já testados (em gado de leite, 10 a 20 filhas com lactação) è acurácia média, intervalo entre gerações médio médio acima de 0,70 (alta) número suficiente de informações, animal com mais de 20 filhos ou filhas testados è acurácia alta, aumenta muito o intervalo entre gerações baixo
  • 40. Muito bem. Estou convencido: Só usarei touros geneticamente avaliados. Estou certo? 40 Deca1 Deca2 Deca3 Deca4 Deca5 Deca6 Deca7 Deca8 Deca9 Deca0 CEIP, projetos novos CEIP, projetos antigos 1% 0,1% Critério de seleção
  • 41. Analisando as tendências genéticas de programas de melhoramento Peso aos 18 meses ¡  Peso médio aos 18 meses: 300 kg O,32% da média 0,73% da média 41
  • 42. 4) E dep tem significância financeira? ¡  Vamos exemplificar comparando dois touros, aparentados e que têm sêmen à venda: l  Touro 1 (nascido em 1976) l  Touro 2 (nascido em 2006) 42
  • 43. Comparando suas avaliações genéticas (Sumário de touros 2013) Touro 1 (37 anos) ¡  Peso à desmama è 2,21 kg (top 50%) ¡  Peso 450 dias è 4,70 kg (top 45%) ¡  Precocidade sexual è top 90% Touro 2 (7 anos) ¡  Peso à desmama è 12,22 kg (top 0,1%) ¡  Peso 450 dias è 18,20 kg (top 1%) ¡  Precocidade sexual è top 30% 43
  • 44. Diferenças entre os touros Peso à desmama ¡  12,22 – 2,21 = 10,01 kg/filho Pense em uma fazenda com 1.000 vacas, usando o touro 1 x o touro 2 1.000 x 0,80 (% de desmame) x 10,01 kg de bezerro desmamado = 8.008 kg x R$5,40 = R $43.243,00/ano só devido à diferença dos touros 44
  • 45. Diferenças entre os touros Peso ao sobreano ¡  18,20 – 4,70 = 13,5 kg/filho ¡  Pense em uma fazenda com 1.000 vacas, usando o touro 1 x o touro 2 ¡  1.000 x 0,80 (% de desmame) x 13,5 kg de bezerro ao sobreano = 10.800 kg x R$3,90 = R$42.120,00/ano só devido à diferença dos touros 45
  • 46. Diferenças entre os touros Precocidade sexual ¡  Diferença entre top 30% e top 90% =~ 40% de precocidade sexual è alto impacto na época de prenhez (emprenham nos primeiros 30 dias da estação de monta) è afeta período de recuperação, taxa de prenhez de primípara, fertilidade média do rebanho, índices da IATF, etc. Quanto vale isso? 46
  • 47. Implicações do intervalo de gerações no progresso genético 47 ΔG/ano = ganho genético/ano i = intensidade de seleção Acc = rÂA = acurácia σ= desvio-padrão fenotípico h2 = herdabilidade L = intervalo de gerações F o r t e i m p a c t o n o intervalo de gerações – d i m i n u i o g a n h o genético/ano (que é quem paga as contas)
  • 48. Conclusões ¡  Todos querem aumento de produtividade e rentabilidade ¡  A aquisição de material genético (sêmen, embriões/prenhezes, novilhas ou tourinhos de reposição) é uma compra técnica ¡  Os objetivos têm que ser claramente definidos (não existem “objetivos gerais”, portanto não existem “touros ideais para tudo”) 48
  • 49. Conclusões (2) ¡  Os melhores métodos para identificação dos animais superiores, que trarão genes favoráveis para seu rebanho têm que ser utilizados ¡  Aprenda a escolher os melhores touros para você ¡  Use touros geneticamente superiores, se possível, com CEIP 49
  • 50. Obrigado Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Grupo de Melhoramento Animal e Biotecnologia Departamento de Medicina Veterinária Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos Universidade de São Paulo Cx. Postal 23, 13635-900, Pirassununga, SP jbferraz@usp.br Melhoramento genético 50 Luis Alberto Fries, in memorium

×