Your SlideShare is downloading. ×
  • Like

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

CNA, CEPEA - Ativos da Pec. de Corte - jul/12

  • 695 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
695
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
17
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Ano 4 - Edição 20 Julho 2012INTENSIFICAÇÃO DE PASTAGEM PODEMELHORAR EM 62% RECEITA BRUTADO PECUARISTACom o novo Código Florestal em vigor, o rebanho. Posteriormente, a propriedade pode do Mato Grosso. Oprodutor rural precisa se adequar às regras ser manejada de modo que a margem de ga- custo do reflores-da legislação ambiental. Entre as exigências, nho seja, ao menos, mantida. tamento para ade-está a formação da reserva legal, que signi- Levantamentos do Centro de Estudos Avan- quação de reservafica retirar do sistema produtivo parcela de çados em Economia Aplicada (Cepea), da nativa é alto, sendoterra e recompor a área com espécies nativas, Escola Superior de Agricultura Luiz de Quei- que mais de 41% destede acordo com o bioma em que a proprie- roz da Universidade de São Paulo (Esalq/USP) valor corresponde ao custodade está inserida, como previsto na lei. A mostram que a intensificação de pastagem, para cercar a área. Neste boletim,necessidade de o produtor destinar parte da além de gerar um melhor aproveitamento da será analisado o impacto, em termos deárea para formação da reserva legal o obriga área da propriedade, pode elevar em 42% a custos, do reflorestamento e da intensifi-a manter seus rebanhos numa área menor. taxa de lotação e em 62% a receita bruta do cação da pastagem, para que o produtorDesta forma, resta ao pecuarista intensificar pecuarista. consiga manter seu rebanho e também,o uso das pastagens com o objetivo de, num Os cálculos foram feitos a partir de dados de num momento posterior, sua margem deprimeiro momento, evitar a diminuição do uma propriedade típica de pecuária de corte ganho.
  • 2. CUSTO PARA RECUPERAÇÃO DE FLORESTA NATIVAPara avaliar o custo para recuperação manejar as pastagens de forma a su- função da distância dos remanescen-de florestas nativas, a equipe do Ce- portar o rebanho já presente. tes florestais das áreas em processopea levantou os custos de reflores- A partir dos custos por hectare para de reabilitação, o que influenciará natamento no bioma Cerrado, conside- reflorestamento no Cerrado, consi- melhor regeneração. Por essa razão,rando uma propriedade do sudoeste dera-se essa prática da seguinte for- neste estudo, foi suposto os 30%do Mato Grosso. O estudo considera ma: regeneração natural em 30% da com regeneração natural e que o res-as características de uma proprieda- área e o reflorestamento com plantio tante seria recuperado com mudas.de típica da região do município de de mudas nas outras áreas de reserva O reflorestamento exige grande vo-Pontes e Lacerda, com área total de legal. O custo médio do refloresta- lume de investimentos, que podem2.000 hectares (ha), sendo 300 ha de mento foi de R$ 6.106,0/ha, o que ser diluídos em três anos: no primei-reserva florestal (15% do total). totaliza R$ 2,4 milhões. Este valor ro ano de implantação e dois anosDe acordo com o Código Florestal, considera o primeiro ano de implan- para manutenção, no caso de rege-por se encontrar no bioma Cerrado, tação do projeto e o respectivo ma- neração com mudas. O pecuaristalocalizado na Amazônia Legal, essa nejo nos dois anos seguintes. Mais pode utilizar 100% de recursos pró-propriedade deveria possuir 35% de de 40% desse custo é de cercas. prios ou, de acordo com a equipe desua área na forma de reserva legal, Quando se avalia o processo de re- Custos Pecuários do Cepea, procuraro que totalizaria 700 ha. Portanto, abilitação de áreas degradadas, é Organizações Não Governamentaisé necessário reduzir a área de pas- preciso ter em mente que a ativi- (ONGs) que trabalhem em parceriatagem para que sejam recompostos dade está condicionada, também, à no Estado de Mato Grosso, ajudando400 ha de floresta. Isso implica em oferta de agentes propagadores, em a reduzir esse investimento. Possibilidades analisadas no estudo: • reflorestar a área que falta para completar a porcentagem de reserva legal exigida na legislação; • manejar as pastagens de forma que a propriedade man- tenha seu rebanho, apesar de parte da área ser destinada à reserva legal; • manejar as pastagens e o rebanho de maneira que a pro- priedade continue com a mesma margem bruta anterior a esse reflorestamento. CUSTOS DE REFLORESTAMENTO/HECTARE Fonte: Cepea, Repams, ISA
  • 3. INTENSIFICAÇÃO DE PASTAGEM COM OMESMO REBANHOA propriedade analisada tem 2.135 cabe- considerou-se uma nova lotação, de 2,3 para isso foi de R$ 1.685,67/ha e de R$ças, totalizando 1.558 unidades animais UAs/ha, o que significou 272 ha (14% da 457.714,37 na área remanejada.(UAs) e taxa de lotação de 0,94 UA/ha. área de pasto). O processo foi composto Esse processo de melhoramento daPara a manutenção do rebanho, será ne- pelo pastejo rotacionado, no qual o ani- qualidade da pastagem implica em umcessário manejar a área de pasto remanes- mal permanece no piquete, em média, 1,5 aumento de 20% no ganho de peso,cente para que ela receba as 372 UAs, que dia, com período de descanso de 30 dias, reduzindo o tempo de permanência eera a capacidade de suporte da pastagem totalizando 21 piquetes com 12,9 ha, pela permitindo o abate mais cedo. Dessa for-destinada à regularização da reserva legal. correção e adubação do solo, além da ma- ma a taxa de desfrute aumenta de 35%Para o cálculo da área a ser intensificada, nutenção anual de 1/3 da área. O custo para 54%.MANEJO DAS PASTAGENS MANTENDOA MARGEM BRUTAEsta segunda análise teve o objetivo de “atingir meta”, do Excel, que busca atin- UAs/ha. Neste novo cenário, não hou-manter a margem bruta do produtor com gir a margem bruta inicial alterando a ve necessidade de aumento do uso deo manejo do rebanho e da pastagem, já compra dos bezerros. Neste novo cenário, mão-de-obra, mantida em cinco funcio-que no cenário anterior houve uma re- verificou-se um Custo Operacional Efetivo nários.dução dessa margem em 38%, quando (COE) da propriedade em análise de R$ No segundo cenário, a margem brutacomparada com o período inicial. 1.491.626,86 e uma receita bruta de R$ foi mantida comparada a situação origi-Nesse sentido, foi constatado que seria 1.807.390,28, aumento de 62% em rela- nal do painel, e a propriedade tornou-senecessário intensificar, além dos 272 ha ção ao cenário anterior. mais produtiva, com a taxa de remunera-considerados no cenário anterior, outros Com o aumento dos animais, a proprieda- ção do capital – relação da margem líqui-468 ha (23% do total), totalizando 740 ha de passou de 1.043,8 UAs para 1.688,2 da com o estoque de capital – passandode pasto intensificados. UAs, o que, consequentemente, elevou a de 1,76% para 1,84%.Esta área foi obtida através da ferramenta taxa de lotação de 0,83 UA/ha para 1,34 DESCRIÇÃO DOS CUSTOS PARA A INTENSIFICAÇÃO DO PASTO (valores por hectare) Fonte: Cepea Fonte: Cepea
  • 4. PREÇOS RECORDES DA SOJA IMPACTAM NO CUSTOEntre os insumos usados na pecuária de compraram grandes quantidades de O Estado do Pará foi o que teve as al-corte, os preços dos adubos e dos corre- nitrogenados devido à ameaça de que tas mais expressivas do COT e do COE,tivos foram os que mais subiram nos úl- grande área semeada com milho não te- de 1,36% e de 1,61%, respectivamente.timos meses. No acumulado até junho, ria adubo suficiente para a manutenção Estes aumentos estão relacionados prin-a alta do grupo adubos e corretivos para da fertilidade. cipalmente aos aumentos dos preços dopastagens foi de 5,13%. Vários fatores Além do impacto dos adubos, o aumen- bezerro e dos adubos e corretivos, detêm impactado no preço dos adubos, to de 2,94% do Custo Operacional Total 7,84% e 4,00%, respectivamente.entre eles a demanda aquecida para a (COT) e de 2,28% do COE no acumu- Quanto à receita da atividade, em junho,cultura da soja, a valorização do dólar lado no semestre também está relacio- houve pouca oscilação no preço do boie a recente compra de grandes quanti- nado ao reajuste do salário mínimo no gordo. O Indicador ESALQ/BM&FBovespadades de uréia pelos norte-americanos. início do ano e à alta dos preços dos se manteve na casa dos R$ 92,00 porO estímulo para se ampliar a produção suplementos minerais, ainda que pouco arroba. Com o fim da época das águas,de soja decorre das quebras de safra na expressiva, em cerca de 1% de janeiro dada a dificuldade em manter o ganhoAmérica do Sul e nos Estados Unidos, si- a junho. de peso do boi, os pecuaristas que ain-tuação que impulsionou os preços para Em junho, as altas de 1,37% do COT e da tinham animais engordados a pastoníveis recordes. de 1,61% do COE foram influenciadas tiveram que vender alguns lotes, ocasio-O Brasil importa mais de 2/3 dos adu- por insumos de grande representativida- nando um aumento pontual de oferta ebos consumidos na agropecuária, fato de no custo. O bezerro, responsável por certa redução dos preços da arroba. Peloque, em uma situação de desvalorização 40% do COE, teve aumento de 1,52% lado da demanda, frigoríficos consulta-cambial (de R$ 1,79/US$ em janeiro para na média Brasil e, ainda que esta varia- dos pelo Cepea alegaram dificuldades doR$ 2,04/US$ em junho), leva a um acrés- ção seja pouco expressiva, ela impacta mercado interno para absorver o volumecimo direto no preço desses insumos no significantemente no custo do invernis- de carne disponibilizado pela indústria.mercado interno. Outro fator pontual, ta. Os preços dos suplementos minerais, Assim, com a demanda desaquecida emas que deve ser destacado, foi a en- adubos e corretivos e produtos da cons- certo aumento de oferta, houve retraçãotrada dos Estados Unidos no mercado trução tiveram altas de 0,36%, 2,69% e em 0,39% da média mensal do Indicadorno início de 2012. Os norte-americanos 0,48%, respectivamente. ESALQ/BM&F.CONSTRUÇÃO CIVIL SENTE OS EFEITOS DA CRISE MUNDIAL EM 2012O tímido desempenho da economia bra- 2014 e 2016, sofreu alteração. de construção civil, em 2012, foi revisadasileira, impactada pela crise internacional, Segundo matéria publicada no dia 06 de de 4,5% para 3,4%.obrigou o mercado da construção civil a junho de 2012 pela Associação Brasileira A importância deste setor para o pecuaristarever suas previsões para o setor. Dessa da Indústria de Materiais de Construção está relacionada ao custo, que para ma-forma, a expectativa que era mais otimis- (Abramat), a estimativa de recorde no fa- nutenção e depreciação de benfeitorias nota no início do ano, reflexo de programas turamento anual do setor de construção COT pode chegar a 20,5%, como é o casogovernamentais como o “Minha Casa, civil se mantém, porém a expectativa de do Rio Grande do Sul. Em 2012, os preçosMinha Vida” e dos eventos esportivos de crescimento do faturamento real no setor da construção civil pesquisados pelo Ce- pea iniciaram com ligeira estabilidade, com EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DOS INSUMOS DA queda de 0,03% em janeiro. CONSTRUÇÃO CIVIL, NOS 10 MAIORES ESTADOS Já em fevereiro, do mesmo modo que a pesquisa da Confederação Nacional da In- PRODUTORES DE PECUÁRIA DE CORTE – dústria (CNI), onde o indicador de evolução VARIAÇÃO MENSAL E ACUMULADA ANUAL da atividade do setor teve recuperação em relação a janeiro, e o aumento foi de 1,3%, os preços dos insumos do grupo constru- ção civil nos 10 estados pesquisados pelo Cepea apresentou o mesmo comporta- mento. Portanto, a indústria de materiais de cons- trução é prejudicada pelo fraco desempe- nho da economia, freando o movimento de recuperação aliado a previsões negativas quanto ao rumo da atividade nos próximosFonte: Cepea- Esalq/USP meses.
  • 5. VARIAÇÃO MENSAL E ACUMULADA COE (1) COT (2) Boi Gordo R$/@ Ponderações Estados junho/12 jan/12 - junho/12 junho/12 jan/12 - junho/12 junho/12 jan/12 - junho/12 Goiás 0,17% -1,47% 1,06% 1,07% 2,24% -5,69% 15,0% Minas Gerais 0,07% 6,35% -0,07% 5,48% 0,04% -5,08% 14,6% Mato Grosso 2,84% 2,93% 2,11% 3,36% -0,15% -11,69% 14,6% Mato Grosso do Sul -0,50% -1,86% -0,53% 0,41% 0,16% -5,98% 12,7% Pará 3,25% 4,44% 3,04% 4,86% -1,17% -5,80% 9,8% Paraná 0,29% 3,25% 0,11% 2,89% -0,25% -5,19% 8,2% Rio Grande do Sul 0,39% 7,50% 0,32% 6,16% 1,66% 3,82% 7,7% Rondônia 1,61% 2,26% 1,36% 2,66% -0,68% -2,21% 6,7% São Paulo 0,17% 0,57% -0,12% 1,55% -0,50% -6,97% 6,2% Tocantins 0,74% 3,89% 0,35% 3,27% -0,54% -6,70% 4,5% Brasil* 1,61% 2,28% 1,37% 2,94% -0,39% -8,88% 100,0%*Referente a 79,22% do rebanho nacional segundo o Rebanho Efetivo Bovino PPM / IBGE 2008. 1 - Custo Operacional Efetivo (COE)Fonte: Cepea/USP-CNA 2 - Custo Operacional Total (COT) VARIAÇÃO DOS PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICOS Indicadores junho-12 IGP-M 0,66% Acumulado_Janeiro IGP-M 3,19%Fonte: Cepea VARIAÇÕES DOS PREÇOS DOS PRINCIPAIS INSUMOS DA PECUÁRIA DE CORTE Média Ponderada para GO, MT, MS, PA, RO, RS, MG, PR, TO e SP Ponderação COT Variação acumulada Estados junho/12 jan/12 - junho/12 junho/12 Bezerro e outros animais de reprodução 32,09% -2,09% 1,52% Suplementação Mineral 15,73% 0,96% 0,36% Dieta 0,54% 1,95% 1,74% Adubos e Corretivos 4,02% 5,13% 2,69% Sementes Forrageiras 2,75% 4,87% -1,67% Máquinas Agrícolas 7,20% 0,01% 0,52% Implementos Agrícolas 2,38% 32,34% 0,00% Defensivos Agrícolas 0,90% -0,85% 0,13% Medicamentos - Vacinas 1,76% 7,78% 0,32% Medicamentos - Controle Parasitário 0,59% 1,57% 0,36% Medicamentos- Antibióticos 0,29% 2,67% 0,32% Medicamentos em geral 0,15% 4,91% 2,76% Insumos para reprodução animal 0,06% 5,01% 0,61% Mão de Obra 15,66% 14,13% 0,00% Construções Civil 7,74% 3,81% 0,48% Brinco de Identificação 0,01% -1,83% -0,78% Outros (Energia, Administrativos, Utilitário) 8,12%*Referente a 79,22% do rebanho nacional segundo o Rebanho Efetivo Bovino PPM / IBGE 2008.Fonte: Cepea/USP-CNAATIVOS DA PECUÁRIA DECORTE é um boletimmensal elaborado pela SuperintendênciaTécnica da CNA e Centro de Estudos SGAN - Quadra 601 - Módulo KAvançados em Economia Aplicada - Cepea/ 70.830-903 Brasília - DF Fone (61) 2109-1458 Fax (61) 2109-1490Esalq - da Universidade de São Paulo. E-mail: cna.sut@cna.org.brReprodução permitida desde que citada a fonte. Site: www.canaldoprodutor.com.br