• Save
[Palestra] Leila Harfuch: A crise mundial e seus reflexos na economia brasileira
 

[Palestra] Leila Harfuch: A crise mundial e seus reflexos na economia brasileira

on

  • 1,667 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,667
Views on SlideShare
1,505
Embed Views
162

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 162

http://www.beefpoint.com.br 162

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    [Palestra] Leila Harfuch: A crise mundial e seus reflexos na economia brasileira [Palestra] Leila Harfuch: A crise mundial e seus reflexos na economia brasileira Presentation Transcript

    • Mudanças A crise mundial e seus reflexos na economia brasileira Leila Harfuch Pesquisadora Sênior Vitóriawww.iconebrasil.org.br 25 de julho de 2012
    • ApresentaçãoA economia mundial de 2010 a 2014O Brasil no contexto da criseAs exportações brasileiras para EuropaConjuntura do AgroExpectativas e desafios
    • Economia Mundial 2010 2011 2012e 2013f 2014f Non-Oil Commodity Prices (USD terms) 22.5 20.7 -8.5 -2.2 -3.1 Oil Price (US$ per barrel) 79.0 104.0 106.6 103.0 102.4 Manufactures unit export value 3.3 8.9 0.9 1.2 1.5 International capital flows to developing countries (% of GDP) Net private inflows (equity + debt) 5.4 4.4 3.1 3.4 3.7 East Asia and Pacific 5.9 4.9 3.3 3.4 3.5 Europe and Central Asia 4.9 4.4 2.6 3.7 3.9 Latin America and Caribbean 6.1 4.8 3.9 3.9 4.0 Middle East and N. Africa 2.3 0.0 1.0 1.7 2.2 South Asia 5.2 3.7 2.8 3.0 3.5 Sub-Saharan Africa 3.6 3.4 2.6 3.3 4.3 World Real GDP Growth 4.1 2.7 2.5 3.0 3.3 High income 3.0 1.6 1.4 1.9 2.3 OECD Countries 2.9 1.4 1.3 1.8 2.2 Euro Area 1.8 1.6 -0.3 0.7 1.4 Japan 4.5 -0.7 2.4 1.5 1.5 United States 3.0 1.7 2.1 2.4 2.8 Non-OECD countries 7.4 4.8 3.6 4.3 4.1 Developing countries 7.4 6.1 5.3 5.9 6.0 China 10.4 9.2 8.2 8.6 8.4 Indonesia 6.2 6.5 6.0 6.5 6.3 Russia 4.3 4.3 3.8 4.2 4.0 Brazil 7.5 2.7 2.9 4.2 3.9 Mexico 5.5 3.9 3.5 4.0 3.9 Argentina 9.2 8.9 2.2 3.7 4.1 Middle East and N. Africa 3.8 1.0 0.6 2.2 3.4 India 9.6 6.9 6.6 6.9 7.1 Sub-Saharan Africa 5.0 4.7 5.0 5.3 5.2Fonte: Banco Mundial, julho 2012
    • Crise do Euro PIB da zona do euro e EU-27 14,0 Espera-se em 2012 Crise de 2009 reduziu o crescimento de 1,05 PIB da UE 3,4 vezes o vezes o PIB da Grécia 13,0 PIB da Grécia de 2011 12,0 Million euros 11,0 10,0 9,0 8,0 2008 2009 2010 2011 2012(e) 2013(p) European Union (27 countries) Euro area (17 countries) Segundo a estimativa do Banco Mundial para a zona do euro em 2012, o PIB seria reduzido em 0,3% (€-28,2 mm) e não aumentará 1,24% (€117mm); Implicações de médio prazo: países desenvolvidos reduzirão ainda mais o ritmo de crescimento econômico?Fonte: Eurostat (atualizado em 21/07/2012)
    • Brasil e a criseRedução dos investimentos em um ambiente desfavorável;Efeito contágio:• Desaceleração da China e dos Estados Unidos;Redução dos preços de exportação e custos de produçãocrescentes:• Perda de competitividade dos produtos brasileiros; • Parcialmente compensado pela desvalorização cambial;• Impactos na produção, emprego, renda e arrecadação de impostos;Políticas públicas voltadas ao consumo doméstico: principalresponsável pelo crescimento econômico recente; Limitante: endividamento das famílias (57%)Como fica o agronegócio?
    • Brasil e o Agro Mudança no destino das exportações brasileiras do agro 2000 2012 (jan-jun) 2,7% 4,6% China Oriente Médio 12,1% 3,0% 17,7% Outros Asiáticos 23,9% 11,0% 8,6% EU-27 Rússia 6,0% 7,2% 18,0% EUA 40,9% Africa 14,1% 3,4% 24,7% Resto do 2,0% Mundo Novos mercados para o agro brasileiro: mudanças nos hábitos alimentares dos países em desenvolvimento; redução de barreiras ao comércio.Fonte: Agrostat (atualizado em 21/07/2012)
    • Brasil e o Agro Perfil das exportações brasileiras para a UE-27: Outros produtos 9% % Participação nas exportações totais Produtos Florestais de 2011. 36% 37% Sucos 63% 68% Preços inferiores à 2000 média Couros e derivados 35% 2011 30% 2012(e) Complexo Sucroalcooleiro 6% 5% Complexo Soja 32% 29% Carnes 16% 12% Café 50% R$ Milhões 51% Mil Toneladas 0 4.000 8.000 0 10.000 20.000 Redução de 5,8% nos preços médios de exportação entre 2012 e 2011: perda para produtos de maior valor;Fonte: Agrostat (atualizado em 21/07/2012)
    • Brasil e o Agro Exportações brasileiras para EU-27 (em toneladas) 2000 2011 2012(e) 2012-2011 Café 602.360 956.150 751.246 -204.904 Madeira 1.887.608 871.870 673.568 -198.302 Celulose 1.318.053 4.074.173 3.977.148 -97.025 Farelo de soja 7.620.075 10.037.927 9.942.012 -95.915 Óleo de soja 59 145.572 85.005 -60.566 Papel 179.515 416.134 382.838 -33.296 Carne de frango 147.959 296.749 264.216 -32.533 Carne suína 7.810 1.999 761 -1.238 Carne bovina 183.191 107.702 108.086 384 Açúcar 389.894 1.322.982 1.446.887 123.905 Soja em grão 7.344.325 5.581.284 5.740.169 158.885 A redução nas importações poderá acarretar em redução de estoques finais combinado com restrição de oferta gerando consequências de curto e médio prazosFonte: Agrostat (atualizado em 21/07/2012)
    • Conjuntura do AgroBrasil deve perder 9 milhões de toneladas de soja na safra 2012/13; Exportações de soja em grão aumentaram 5,6 milhões de toneladas (ou 29%) de janeiro a junho de 2012 em relação a 2011; Safra de milho deve crescer 12 milhões de toneladas.Estados Unidos: perdas de safra devido à seca: Apenas 23% dos produtores afirmaram ter boas condições climáticas para a produção de milho; No caso da soja este percentual foi de 27%.Consequência: aumento nos preços dos complexos de milho, soja e grãos Aumento nos custos de produção para produtores de carnes; Diante da demanda restrita os preços estão em queda; Podem sofrer com dificuldade de abastecimento de insumos (milho e farelo de soja) além do abrupto aumento nos preços.
    • Conjuntura do Agro Milho: Mercado Doméstico vs Chicago (R$/t, mensal) 650 Aumento do preço CBOT de janeiro a julho de Espaço para o 600 2012: 37% em reais e 21% em dólar mercado doméstico subir ainda 550 mais 500 Chapecó 450 Mogiana Cascavel 400 CBOT 350 300 Jan-11 Feb-11 Mar-11 Apr-11 May-11 Jun-11 Jul-11 Aug-11 Sep-11 Oct-11 Nov-11 Dec-11 Jan-12 Feb-12 Mar-12 Apr-12 May-12 Jun-12 Jul-12Fonte: Agencia Estado. Preço Chocago (CBOT) convertido para reais pela taxa de câmbio mensal.
    • Conjuntura do Agro Soja: Chicago (US$ e R$/t, mensal) Desvalorização do câmbio a1400 partir de abril de 2012 puxou os1200 preços em reais para cima1000 Valorização desde janeiro de 800 2012: 53% em reais e 37% em dólar 600 400 200 CBOT US$ CBOT R$ 0 Feb-11 Mar-11 Apr-11 May-11 Oct-11 Feb-12 Mar-12 Apr-12 May-12 Jan-11 Jun-11 Jul-11 Aug-11 Sep-11 Nov-11 Dec-11 Jan-12 Jun-12 Jul-12Fonte: Agencia Estado. Preço Chocago (CBOT) convertido para reais pela taxa de câmbio mensal.
    • Conjuntura do Agro Farelo de Soja: Mercado Doméstico vs Chicago (R$/t, mensal) Mercado doméstico está 1200 respondendo a Chicago (quebra de safra de soja no 1100 Aumento do preço CBOT de janeiro a julho de Brasil) 2012: 74% em reais e 53% em dólar 1000 Farelo do Brasil tem sido cotado com premio em 900 Chicago levando preços domésticos para cima 800 Campinas 700 Ponta Grossa 600 Chapecó 500 Triângulo Mineiro 400 CBOT Jan-11 Feb-11 Mar-11 Apr-11 May-11 Jun-11 Jul-11 Aug-11 Sep-11 Oct-11 Nov-11 Dec-11 Jan-12 Feb-12 Mar-12 Apr-12 May-12 Jun-12 Jul-12Fonte: Agencia Estado. Preço Chocago (CBOT) convertido para reais pela taxa de câmbio mensal.
    • Desafios para o BrasilCondições macroeconômicas sólidas, mas é necessário “olhar” do macropara o micro (planejamento estratégico);Problemas conjunturais podem afetar a economia no médio e longo prazos; Evidenciam problemas estruturais antigos não solucionados;Elevada volatilidade nos preços dos alimentos tendem a continuar: Oferta mundial não tem acompanhado o ritmo da demanda;Oportunidades e desafios para o Brasil: Políticas públicas devem olhar para os setores mais vulneráveis para resolver problemas estruturais e não só conjunturais; Reduzir a vulnerabilidade externa e alavancar o crescimento; Investimentos em infraestrutura ainda não concretizados, comprometendo a competitividade do agronegócio e da indústria; Sem planejamento de longo prazo o crescimento sustentado continuará comprometido; Tripé: risco de inflação de alimentos; demanda desaquecida; implicações econômicas e sociais.
    • Problemas estruturais • Ausência de um sistema de transporte à altura da necessidade do setor agropecuário Logística • Altos custos de transporte e dependência do transporte rodoviário (74%, mais caro, e maiores emissões) “Custo Brasil” • Portos ineficientes, especialmente os mais antigos (os maiores portos ficam saturados no pico da safra) • Infraestrutura pobre como um todo • Instituições não perenes ou pouco independentes. Presença do estado intervindo nos mercados é crescente • Incertezas legais devidos a instabilidade das leis no tempo Riscos • Falta de política clara de uso da terra (aquisições de terra por capital regulatórios: estrangeiro), direitos de propriedade, conservação do meio ambiente “regras instáveis” (levando à Código Florestal) e regulamentações das condições de trabalho (NR 31) • Protecionismo de comércio e investimento crescente gerando impactos nas cadeias de suprimento • Taxa de câmbio: alta volatilidade • Protecionismo agrícola no resto do mundo. Necessidade de convencer outros produtores a internalizar compromissos com meio ambiente como hoje ocorreOutros desafios no Brasil • Ausência de mecanismos estruturados de financiamento e seguro (mercado e “Expandindo com renda)preservação e baixo impacto” • Aumentar a produtividade acima da tendência • Busca de modelo de agricultura de baixo impacto ambiental • Estruturas organizacionais aprimoradas para gerenciar a combinação entre expansão e conservação ambiental
    • Avenida General Furtado Nascimento, 740, conj. 81 05465-070 São Paulo-SP Brasil Phone/Fax: 55 11 30210403 icone@iconebrasil.org.br www.iconebrasil.org.br Obrigada! lharfuch@iconebrasil.org.brMantenedores Parceiros