Your SlideShare is downloading. ×
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Guia 1º Emprego 2011 - Forum Estudante - Santander Totta

18,216

Published on

Guia 1º Emprego 2011. …

Guia 1º Emprego 2011.
Edição especial da revista FORUM ESTUDANTE com o patrocínio principal do Santander Totta

Published in: Education, Sports, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
18,216
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
109
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. DESCOBRE O CAMINHO PARA O TEU 1º EMPREGO guia do o que as empresas Tudo o que precisas de saber para arranjar trabalho! querem Edição especial da revista FORUM ESTUDANTE | distribuição gratuita – NÃO PODE SER VENDIDO | disponível em pdf em www.forum.pt • Anual • Ano II prepara-te para as entrevistas de emprego ap oi o patrocínio patrocínio principal2011
  • 2. www.emprego.forum.pt com o patrocínio 3 Guia do 1º Emprego 2011 GUIA DO 1.º EMPREGO - [FEVEREIRO 2011] edi- ção especial  da  Revista  FORUM ESTUDANTE | PROPRIEDADE E PRODUÇÃO DE: PRESS FO- RUM - Comunicação Social, S.A. Capital Social: Índice 299.400,00€. NIF 502981512 | PERIODICIDADE 4 Entrevista Dr.Valter Lemos, Secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional Anual | DEPÓSITO LEGAL N.º 510787/91 | RE- 8 Entrevista Dra. Isabel Viegas, Directora coordenadora de recursos humanos do banco GISTO  ICS  ISENTO  DE  REGISTO  AO  AbRIGO Santander Totta DO DECRETO REGULAMENTAR N.º 8/99, DE 9 DE jUNhO, ART.º 12.º, N.º 1A) | SEDE Tv.  das 14 Elaborar um Curriculum Vitae Pedras Negras, nº 1 - 4º — 1100-404 Lisboa. Te- 18 Carta de apresentação lefone: 218 854 730  — Fax: 218 877 666 | DI- 20 Entrevista de emprego RECÇÃO  Francisca  Assis  Teixeira | DIRECÇÃO DE  FOTOGRAFIA  Gonçalo  Gil | DIRECÇÃO  DE 23 As melhores empresas para trabalhar IMAGEM Miguel Rocha (miguel.rocha@forum.pt) 24 O que procuram as empresas | REDACÇÃO Inês Menezes, bruna Pereira | DE- 28 Entrevista Dr. Marco Gomes, Ray Human Capital PARTAMENTO  DE  PUbLICIDADE DIRECÇÃO Paulo Fortunato Telefone: 218 854 741 (paulo.for- 30 Novas competências para novos empregos tunato@forum.pt) VENDAS Duarte Fortunato Te- 32 Trabalhar no estrangeiro lefone: 218 854 742 (duarte.fortunato@forum.pt) 36 Empreendedorismo | ATENDIMENTO AO CLIENTE Paula Ribeiro Tel.: 218 854 730 | PRÉ-IMPRESSÃO E IMPRESSÃO 42 O desafio do acesso ao 1º emprego LISGRÁFICA - Casal de Stª Leopoldina, Queluz 44 Entrevista Forpoint de baixo | Tiragem: 50.000 exemplares 46 Que futuro para o emprego, que emprego para o futuro 52 Apoio das Instituições de ensino superior no acesso ao 1º empregoEditorial EmpregoÀ procura do PrimeiroRecentemente, a Organização Inter- anos de estudo, mas também com um Mas não se esgota aqui. Ao Guia donacional do Trabalho dava conta da conjunto de competências e de atitu- Primeiro Emprego junta-se ainda ogravidade da situação: nunca como des que nos permitam vencer o desa- site www.emprego.forum.pt comagora a taxa de desemprego juvenil, à fio de encontrar o tal primeiro a dimensão on-line desta informação,escala global, tinha atingido tais ní- emprego. um conjunto de 20 seminários – Jobveis. Esta realidade toca-nos directa- A Forum Estudante, com o apoio sig- Party – em várias instituições de en-mente. Os jovens portugueses que, nificativo de um conjunto de parcei- sino superior e duas Conferênciaspela primeira vez, querem entrar no ros, entre os quais se destaca o Banco Nacionais sobre Primeiro Emprego.mercado de trabalho enfrentam um Santander Totta, desenvolveu um con- São, portanto, vários os apoios daconjunto de obstáculos significativos, junto de iniciativas a que designou Forum Estudante para a odisseia quedesde a escassez de ofertas disponíveis por “Missão Primeiro Emprego”. Este te espera.à inevitável precariedade inicial. Mas Guia que agora te chega às mãos é Finalmente, quando chegar o mo-perante as dificuldades só pode haver uma dessas ferramentas que procurá- mento de abordagem ao mercado deuma resposta: arregaçar as mangas e mos construir para te apoiar na busca trabalho, não esqueças: acredita em tidar o melhor de nós próprios para do primeiro emprego. De uma forma mesmo e lança-te sem medo para esseencontrar o desejado emprego. Para útil e prática, ouvindo especialistas e desafio. Por mais difícil que seja, se ti-isso, precisamos de estar preparados recolhendo o melhor da informação veres a atitude certa, vais conseguir. Énão só com a formação técnica e disponível, elaborámos um roteiro só uma questão de tempo.científica que adquirimos nos últimos para quem tem de procurar emprego. Boa sorte!
  • 3. com o patrocínio4 Guia do 1º Emprego 2011 Valter Lemos, Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional “A CRISE NÃO VAI DURAR SEMPRE” As notícias dos jornais nos últimos tempos não se cansam de falar das subidas das taxas de desemprego. Para os jovens os cenários são ainda mais negros. Crise é a palavra de ordem. Será que não há futuro para os jovens portugueses? Fomos ouvir o que nos tem a dizer o Governo através do responsável pela área, o Dr. Valter Lemos, Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional. { Entrevista de Francisca Assis Teixeira } é um problema meramente conjuntural. jovens na expectativa do primeiro em- Embora possa dar a ideia que é um pro- prego tem vindo a aumentar em todo Sabemos que a taxa de blema só proveniente da crise, não é o mundo. É verdade que os jovens per- desemprego dos jovens verdade. As economias europeias e duram mais tempo nos sistemas de qua- licenciados é muito grande. mesmo a norte-americana, têm uma lificação antes de entrarem no mercado Está preocupado com esta maior dificuldade de inserção dos jovens de emprego. realidade? Que medidas estão no mercado de trabalho. As economias Naturalmente, em tempo de crise, a a ser pensadas para atenuar não criam emprego à velocidade que questão torna-se mais grave e portanto este problema? criavam e portanto há uma transfor- estamos a tomar algumas medidas, de- Estou muito preocupado com essa taxa mação. Não só as taxas de desemprego signadamente medidas que apoiem a porque é uma tendência pesada dos sis- dos jovens têm vindo a ser o dobro da inserção. temas da economia moderna. Este não taxa normal, como a permanência dos Do lado das políticas activas de emprego,
  • 4. com o patrocínio 5 Guia do 1º Emprego 2011uma medida que tem funcionado bem Para 2011 foi Portugal, todos os anos, mesmo nostêm sido os estágios para jovens sob os anos de crise, se criam e extinguemdiversos formatos. Para 2011 foi pre- preparada uma 150.000 a 200.000 postos de trabalho.parada agora uma resolução que prevê resolução que O mercado de trabalho é muito dinâ-o apoio para 50.000 estágios, portanto prevê o apoio mico e a evolução da economia está aa 50.000 jovens … para 50.000 acontecer a uma velocidade enorme.Vamos manter os apoios que tínhamos É evidente que a economia cria maise em alguns casos vamos alargar os estágios, portanto postos de trabalho nuns sectores do queapoios que já existiam. Vamos reforçar a 50.000 jovens … noutros. Esses estudos de prospectivaoutra grande medida que é a da quali- são muito importantes, estamos aliás aficação. No caso dos jovens, que nor- fazer um trabalho para uma medidamalmente têm qualificações escolares que iremos colocar em marcha emelevadas mas muitas vezes têm falhas 2011, que é a definição de 100 profissõesnas qualificações profissionais específicas, estratégicas e a requalificação de 20.000os apoios são direccionados para estas desempregados.Temos como referencialáreas, através de cursos de dupla certi- um documento da União Europeiaficação. “New skills for new jobs”, que é umHá também, e digo-vos isto rigorosa- estudo de prospectiva da próxima de-mente pela primeira vez em público, zena de anos daquilo que serão as novasum mecanismo que iremos por em fun- necessidades, as novas competências ecionamento de estágios para jovens com os novos empregos. Este é um docu-o ensino secundário não profissional. mento muito importante, na minhaSerão estágios de seis meses qualificantes opinião devia ser estudado por todo oque lhes darão o mesmo nível de qua- ensino superior, porque dá uma pistalificação que os jovens que tenham feito importante sobre a orientação para acursos de dupla qualificação, cursos pro- formação, não só sobre as áreas de for-fissionais ou cursos de educação/ for- mação, mas também sobre as compe-mação. tências que os jovens devem desenvolver nos cursos e na formação. Temos tam-Quando vai começar este bém estudos complementares a seremprograma? desenvolvidos em Portugal dentro doIrá começar agora em 2011, provavel- âmbito da Agência Nacional para amente no final do primeiro trimestre. Qualificação e do IEFP e vamos, emEra uma medida que entrou em vigor conjunto com os parceiros sociais, de-em Outubro de 2010 e que trás algumas finir as tais 100 profissões estratégicasalterações, nomeadamente nos níveis Deve dizer-se aos para os próximos anos. Este documentoque passam a ser 5. O nível 3 que jovens que agora é servirá de referência para a requalificaçãocorrespondia aos cursos profissionais, mais difícil, mas de desempregados e por outro lado parapassa a ser o nível 4. O nível 3 passa a que é uma situação a qualificação de jovens, isto é, para aser o nível o ensino secundário geral, aprovação da rede de cursos profissio-o nível 4 o ensino secundário profis- transitória. Estes nais.sional e o nível 5, corresponde aos cha- períodos demados cursos de especialização tecno- crescimento e Acha que as universidades e oslógica. crises sucedem-se politécnicos preparam bem osPara os jovens que têm o ensino se- estudantes para o mercado decundário geral, podem aceder ao nível a uma maior trabalho?4 de qualificação se fizerem o estágio velocidade o que É sempre possível fazer muito mais ede 6 meses em contexto empresarial. também implica nós estamos a mudar de um sistema deEspero em Fevereiro conseguir aprovar respostas rápidas ensino superior que era enciclopédico,a legislação e que em Março ou Abril livresco, assente numa concepção na-o programa possa arrancar. para lhes fazer poleónica, para um sistema mais realista. frente, mas penso A universidade que eu frequentei eraAcha que há sectores e que isso para os muito diferente da que existe actual-profissões que têm saídas jovens não é um mente.fáceis e outras que têm assaídas vedadas? problema. Mas não lhe parece que o restoAcho que não. Não tenho essa visão da sociedade evoluiu muitoporque o mercado de trabalho é muito mais do que a universidade?mais dinâmico e diversificado do que Mas esse é o problema da escola ema ideia que se costuma dar dele. Em geral, não é só da universidade. A rea-
  • 5. com o patrocínio6 Guia do 1º Emprego 2011 lidade económica e social tem mudado distanciamento ao mercado de trabalho. mais modernas. Se tivéssemos uma a uma enorme velocidade e se nós pen- As nossas universidades e os nossos maior imersão dos jovens no mercado sarmos que temos de responder a estas politécnicos ainda estão muito fecha- de trabalho, isso também se aprendia, mudanças com mudanças nos sistemas dos. Era desejável, do meu ponto de pois isto não se aprende com aulas no de formação em tempo real, estamos vista, que não se terminasse um curso sentido tradicional do termo, mas sim condenados. de ensino superior sem ter uma relação com experiência. Penso, no entanto, É um facto que a nossa universidade com o mercado de trabalho. Esta re- que com as escolas profissionais me- está a mudar, mas precisa de mudar mais lação pode ser de muitas formas, com lhorámos bastante nessa área, com alu- depressa, designadamente num aspecto estágios mais longos ou mais curtos, nos com alguma capacidade de inova- fundamental que é a sua imersão no mas que essa ligação existisse era, do ção e empreendedorismo. Mas isto não mercado de trabalho. meu ponto de vista, absolutamente se aprende com aulas de empreende- chave. dorismo, têm de ser programas orga- nizados para esse efeito. Também seria Como vê o empreendedorismo importante ter professores nas nossas como saída profissional para escolas, nas nossas universidades e po- os jovens recém licenciados? litécnicos que sejam eles próprios em- É um facto que a A universidade não prepara os presários. nossa universidade alunos para serem está a mudar, mas empreendedores, não lhe O Estado foi, até há pouco parece? tempo, uma saída profissional precisa de mudar Essa é uma das minhas convicções. Nós importante para os recém mais depressa, não somos um país de empreendedores, licenciados. Hoje está de designadamente num o que é estranho tendo em conta a portas fechadas, ou não? aspecto fundamental nossa história. Parece-me, e a economia O Estado não deve ser encarado como mostra, que cada vez mais estão a nascer uma solução para resolver o problema que é a sua imersão novas profissões e novas áreas econó- do emprego. Isso é um erro e, como se no mercado de micas que têm a ver com aquilo que é sabe, houve regimes políticos que im- trabalho. o desenvolvimento autónomo e o tra- plodiram por causa disso. O Estado fun- balho autónomo. cionará bem se criar o emprego ade- quado àquilo que é o cumprimento Não educamos para o risco? das suas missões. No meu ponto de vista este é o maior Não e não é só para o risco, é para a O que aconteceu ao Estado português problema, não é a qualidade dos nossos autonomia. Veja a dificuldade que em foi que cresceu demais, criando um professores, das nossas instituições, tra- Portugal está a haver em práticas de problema de eficiência do seu funcio- balha-se bem do ponto de vista estri- trabalho mais autónomas se implanta- namento e, acima de tudo, de eficiência tamente académico, mas há um grande rem, mesmo nas empresas maiores e das contas públicas. Isto trás problemas graves quanto ao funcionamento da economia. Não vale a pena ter a ideia de que, se o Estado colocasse mais pes- Deve dizer-se aos soas a trabalhar, resolvia-se o problema jovens que agora é do emprego. Não. No entanto, é bom lembrar que durante 2010 houve um mais difícil, mas concurso de estágios para a adminis- que é uma situação tração pública e entraram 5000 jovens transitória. Estes que estão em estágio na administração períodos de pública, porque é necessário sempre haver renovação. crescimento e crises sucedem-se a uma Há perspectiva de em 2011 maior velocidade o abrirem novas vagas? que também Não. Embora não seja da minha res- ponsabilidade, na administração pública implica respostas tenho as maiores dúvidas. Temos um rápidas para lhes exercício orçamental neste momento fazer frente, mas que é o mais difícil de há muitos anos penso que isso, para a esta parte e também, quanto mais de- pressa as ultrapassarmos, maior é a pos- os jovens, não é um sibilidade de conseguirmos repor o cres- problema. cimento, quer na economia, quer no próprio Estado.
  • 6. com o patrocínio 7 Guia do 1º Emprego 2011Neste momento posso dizer que o em- Neste momento posso dizer que oprego está a crescer em sectores como emprego está a crescer em sectoreso calçado, o têxtil e o vestuário, nas como o calçado, o têxtil e o vestuário,madeiras e mobiliário, na maquinaria nas madeiras e mobiliário, nae equipamento e também alguma coisana agricultura, embora menos. São sec- maquinaria e equipamento e tambémtores exportadores e são sectores onde alguma coisa na agricultura, emborase tem estado a ganhar mercado de ex- menos. São sectores exportadores e sãoportação. Espero que em 2011 conti- sectores onde se tem estado a ganharnuem a crescer. Novos sectores não sei.Depende das nossas exportações, pois mercado de exportação.não é expectável que os sectores muitodependentes do mercado interno, te-nham grande expansão. O governo vai Deve dizer-se aos jovens que agora é postas rápidas para lhes fazer frente,continuar a estimular a inserção no mer- mais difícil, mas que é uma situação mas penso que isso para os jovens nãocado de trabalho, tendo também um transitória. Estes períodos de cresci- é um problema. Para os sistemas polí-programa de apoio ao empreendedo- mento e crises sucedem-se a uma maior ticos e universidades é, mas para os jo-rismo. velocidade o que também implica res- vens não é. FIMO desemprego na faixa dosjovens licenciados leva a quemuitos saiam do país àprocura de oportunidades.Preocupa-o esta fuga decérebros?Eu não considero que haja uma fugade cérebros, agora preocupa-me que asoportunidades no país diminuam parajovens qualificados. Que tenham deprocurar outros locais porque têm faltade oportunidade e isso sim é uma ques-tão preocupante. A mobilidade não mefaz nenhuma confusão, sou fortementeadepto disso. É o melhor que se podefazer pela Europa e é o melhor que sepode fazer pela paz. Tenho dito muitasvezes que o melhor instrumento daconstrução de Europa que já se fez TRÊS CONSELHOS A UM JOVEM RECÉM-chama-se Erasmus, porque é assim que -LICENCIADO QUE ESTÁ À PROCURA DO SEUse constrói a paz. Não sou favorável a PRIMEIRO EMPREGO?nenhuma ideia de que nós nos devemosfechar. Primeiro, convicção, acreditar que se é vida é preciso lutar e persistir. É capaz de fazer bem. Estar convicto das fundamental que um jovem que tem umMas nós não estamos num país suas capacidades e competências. Isto trabalho ou uma actividade invista aatractivo. Não temos gente a é uma questão de atitude e não de sério nela, mesmo que ache que ela nãoentrar em Portugal. formação. É fundamental olharmos para será o seu futuro, porque esse será umNão tenho essa ideia. Eu sei que o pes- as coisas e sentirmos a capacidade de investimento em si próprio e no seusimismo está na moda. Devemos ser lutar por elas. futuro profissional. A verdade é querealistas, em relação à observação de Em segundo lugar, ser sagaz e nada se faz sem esforço, emboracada momento, ou seja, estamos agora inteligente para ser capaz de descortinar esforço não signifique obrigatoriamentenum momento de crise económica e as oportunidades. Aqui é necessário sacrifício. No meu caso, por exemplo,financeira e portanto é natural que haja mobilizar não só os conhecimentos das coisas que mais gostei de fazer nadiminuição do número de oportuni- académicos, mas também as suas vida, foram algumas das que maisdades e que as pessoas procurem outras relações, com os outros, com os trabalho e esforço me exigiram. É estaalternativas. Temos de estar centrados professores, com os empresários, disponibilidade que é necessária paraem corrigir esse aspecto e não a pensar sempre numa perspectiva positiva e quem está no mercado de trabalho eque existe um qualquer fatalismo. Não pró-activa. não podemos estar à espera que oshá qualquer espécie de fatalismo, tenho Em terceiro lugar, persistir. Nunca outros nos ensinem. É fundamentaluma convicção profunda na qualidade desistir. Eu desconfio sempre de uma termos uma atitude positiva perante ados portugueses. coisa que se consegue à primeira. Na vida. “
  • 7. com o patrocínio8 Guia do 1º Emprego 2011 Isabel Viegas, Directora de Recursos Humanos do Santander Totta “NUNCA NOS ARREPENDEMOS DE APOSTAR NA GENTE NOVA” Isabel Viegas, Directora Coordenadora de Recursos Humanos do Banco Santander Totta, acredita que sentido de responsabilidade e ética, vontade de trabalhar e domínio de vários idiomas são hoje mais-valias essenciais para singrar no mercado de trabalho. Muitos dos RH com quem lida balcões ou em serviços de apoio – a demos de apostar nos jovens.Têm nor- diariamente são recém- maioria, de facto, vai para a rede co- malmente uma atitude muito boa, licenciados. Qual é a política mercial, porque é aí que nós achamos aprendem com facilidade e o período de recrutamento e de estágios que se começa a conhecer o negócio de estágio permite-nos perceber se, de que o Santander Totta tem da banca e a conhecer os clientes.Acha- facto, se ajustam à nossa cultura e ao adoptado? mos que este período de formação é nosso modelo de trabalho. Portanto, é Há uns três ou quatro anos, decidimos muito importante também para nós co- uma boa experiência e é para conti- que, em vez de irmos buscar pessoas já nhecermos estes jovens, as suas com- nuar. formadas a outros Bancos – que depois petências e atitudes. entrariam na nossa rede comercial ou Que outras actividades é que nos nossos serviços centrais –, seria Que percentagem fica o Santander Totta tem muito melhor aposta irmos buscar jo- após o estágio? desenvolvido junto do público vens às universidades e politécnicos, No final do período, cerca de 80% dos universitário? acabados de formar, para os fazer crescer estagiários ficam connosco. A percen- Além do recrutamento através de está- connosco. Por regra, realizamos anual- tagem é elevada, porque são estes jovens gio, o Banco elegeu – corporativamente mente dois programas de estágios, com formados que vão, depois, alimentando e para todo o mundo – que a proximi- duração de 6 a 9 meses. as nossas necessidades, por exemplo, pe- dade e o apoio às universidades era a las reformas que vão ocorrendo ou por área onde gostaria de poder investir Porque designam este colaboradores que mudam de funções mais recursos no âmbito da nossa Po- programa por “Bolsa dentro do Banco. lítica de Responsabilidade Social. Por- de Valores”? tanto, a maioria dos recursos que o Entendemos que as pessoas são valores Qual é o balanço que faz deste Banco disponibiliza para responsabili- para nós e devem ser bem acompanha- modelo de estágios? dade social é canalizada para as univer- das durante a sua estadia no nosso Temos assistido a muito bons resultados sidades, para atribuição de bolsas de es- Banco. Assim, fazem uma formação nos e posso dizer que nunca nos arrepen- tudo, por exemplo, ou para financiar
  • 8. com o patrocínio 9 Guia do 1º Emprego 2011projectos de investigação. O Primus In- nossa junto das próprias universidades O que é lhe chama a atençãoterPares é um exemplo deste nosso foco – vamos às universidades muitas vezes, num CV que recebe, visto quenos jovens e na sua formação académica. para apresentar o Banco e estarmos é o papel que ‘fala’ nesta perto dos estudantes. primeira fase do recrutamento?Como é que isto se concretiza? Quando os candidatos terminam os es-De diversas maneiras, sendo que o Portal Porquê esta opção? tudos são todos muito iguais. Portanto,Universia é, digamos, a forma de pro- Faz parte da nossa agenda ter esta re- aquilo que eu costumo dizer é: dife-ximidade mais privilegiada com os uni- lação com as universidades por duas renciem-se, chamem-nos a atenção deversitários que nós temos, estando es- razões: primeiro, porque nos alimenta alguma maneira. A título de exemplo,palhada por todo o mundo onde o San- o fluxo de recrutamento normal do os CV estandardizados são CV que cha-tander Totta opera. O Portal Universia Banco; e segundo, porque achamos que mam menos a atenção – é muito maistem feito, desde há dois ou três anos, é muito importante que os alunos per- rico, nesta fase, que um jovem nos che-aquilo que nós chamámos de Feira Vir- cebam o que são as empresas. Por gue de alguma maneira que não estan-tual de Emprego, que começou por exemplo, ainda recentemente tivemos dardizada, ou então que aproveite oacontecer pontualmente, sendo agora aqui no Banco um Open Day, onde formulário standard, mas chamando aum serviço continuado e uma forma acolhemos perto de 30 alunos de Ges- atenção para alguma coisa: há uns quebastante eficaz dos universitários che- tão e Economia da Universidade Ca- nos mandam CV coloridos; outros emgarem ao Santander Totta.Também te- tólica Portuguesa que estiveram aqui vez de enviarem via internet, fazem-mos protocolos com quase todas as uni- o dia inteiro a trabalhar. Esta é mais nos chegar os CV num canudo; no ou-versidades de renome do país, mantendo uma prova de que o Santander Totta é tro dia, inclusivamente, recebi um CVmuito boas relações com alguns poli- uma empresa muito aberta, transparente preso a um Rato Mickey, onde o can-técnicos nacionais, que nos facultam e que quer mostrar isso aos estudantes didato explicava por que é que tinhaum acesso directo e mais privilegiado – quer que eles vejam o que é uma enviado o CV assim… Ou seja, estasjunto dos finalistas. empresa por dentro, quais são as suas são maneiras de abordar as empresasDepois, existe uma enorme dinamização cores e as suas pessoas. que chamam a atenção.
  • 9. com o patrocínio10 Guia do 1º Emprego 2011 E valoriza as actividades muitíssimo bem, sabemos é que vamos têm de desenvolver competências co- extracurriculares? ter de lhes permitir voltar à escola em merciais no sentido de negociação, de É relevante que os candidatos aprovei- breve. É uma responsabilidade que passa influência, de comunicação.Têm de saber tem o tempo enquanto estão a estudar. um bocadinho pelas organizações. falar, têm de saber expressar-se. Por exemplo, um aluno que escreve Pessoalmente, eu acho que a escola é que sabe alemão ou que sabe mandarim importante para estruturar o raciocínio E as competências técnicas? marca a diferença, porque aí a empresa É também fundamental que os candi- pensa: “Vale a pena conhecer este can- datos sejam bons tecnicamente nalguma didato, porque tem qualquer coisa que coisa, quando nós perguntamos “em é diferente”. Um aluno que diga que que é que você é bom?”. Esta é uma aproveitou as férias todas enquanto es- QUERES pergunta que é muito importante e tudou para trabalhar ou que fez cinco UM EMPREGO? cuja resposta pode ser “eu sou bom em coisas diferentes, enquanto estudava, projecto”; “eu sou bom a gerar ideias chama claramente a atenção. DIFERENCIA-TE! novas”; “eu sou bom em finalização”, “eu gosto imenso de determinada ma- “Eu tenho muito a consciência de E o que é que pouco relevante téria que estudei na universidade”… que a próxima década vai ser uma num CV? Alguma coisa em que o candidato diga: década muito complicada, Digamos que o ERASMUS já não “aqui eu sou muito bom”. sobretudo para os que estão a chega para diferenciar os candidatos – chegar ao mercado de trabalho. a não ser que nos consigam dizer que, O Santander Totta valoriza Muitos não vão ter trabalho, só vão enquanto fizeram ERASMUS, trouxe- também o conhecimento ter aqueles que conseguirem ram de lá algo muito rico. Também há de línguas? chamar a atenção das organizações os excessos nos CV, tais como as foto- As línguas são igualmente um ponto e aqui vão ter muito de proactivos: grafias de corpo inteiro ou as caras muito importante. Têm de falar inglês mandar o CV, a seguir telefonar, a muito pintadas. Isto não chama a aten- tal como falam português e eu acho seguir perguntar a um amigo se ção positivamente. As empresas procu- fantástico quando algumas universidades conhece alguém naquela empresa, ram boas cabeças e as boas cabeças estão já fazem as licenciaturas e os mestrados a seguir pedir uma entrevista, no conteúdo das coisas e não nas foto- integral ou parcialmente em inglês, por- depois pedir ajuda…Vão ser estes, grafias. que por muito que custe é melhor fazer os que se mexerem mais, os que um mestrado em inglês e chegar às or- vão conseguir a atenção das Pensa que o Processo de ganizações já com o inglês muito tra- organizações e os que vão ter Bolonha alterou o processo balhado do que estar protegido na uni- oportunidades de emprego. As de recrutamento por parte versidade com tudo em português e oportunidades não caem do céu: das empresas? depois chegar às organizações com esta constroem-se.! No Santander Totta achamos que os falha. Se além do inglês puderem acres- candidatos podem vir com os três anos centar uma outra língua, tanto melhor. da licenciatura para trabalharem, por exemplo, em funções de balcão, para Há pouco falava em começar. No entanto, vão ter que, de- e para contribuir para a maturidade en- “boas pessoas”… pois, ir fazer os dois anos de mestrado, quanto pessoas. Eu valorizo muito a es- É o tema da atitude no trabalho. Os caso queiram evoluir. Eu diria que, se cola, desde que os alunos a aproveitem candidatos vão ter de trabalhar muito têm hipótese, façam logo os cinco anos. e façam desse percurso uma passagem e aqui o problema está em que esta ge- Se não têm hipótese, também não acaba construtiva e rica e não apenas uma ração foi muito protegida – se que que- o mundo, podem começar com a li- passagem de tempo… ria um telemóvel, tinha... Se queria tro- cenciatura, mas sabem que vão ter de car por um novo que saiu dali a três voltar à escola em breve, porque aqueles Quais as competências que o meses, trocava… Mas o que é facto é dois anos de formação são muito es- Santander Totta procura num que quem quer ter uma carreira pro- truturantes. candidato? fissional, quem quer evoluir e quer sentir Procuramos boas pessoas e pessoas boas. esta satisfação de gostar muito do que Existem os dois perfis As competências que procuramos são faz tem de trabalhar muito. E quando no Banco? simples e têm de ser desenvolvidas ainda falo em trabalhar não é trabalhar em Sim, aqui no Banco temos pessoas só na escola: os candidatos têm de ser bons quantidade (10 ou 20 horas por dia), é com a licenciatura a trabalhar e temos comerciais, não naquele sentido restrito trabalhar a sério, é ser eficiente, é estar igualmente pessoas com os cinco anos. de que vão estar a vender seja o que for. focado e é ser boa pessoa. As empresas Não temos é ainda dados que nos per- Eu acho que sou uma comercial, por crescem com boas pessoas: pessoas eti- mitam dizer que uns se adaptaram me- exemplo: todos os dias tenho de vender, camente correctas, que não precisam lhor ou que outros precisaram de muita vendo as minhas ideias, vendo motivação de ultrapassar ninguém, precisam é de formação nossa para conseguirem á minha equipa… Estou sempre a tentar trabalhar, fazendo o seu próprio per- acompanhar os colegas…Mas já temos influenciar e a influência é uma com- curso. As empresas vão sempre olhar pessoas só com a licenciatura que estão petência da venda. Eu acho que os jovens para as pessoas eticamente correctas. FIM
  • 10. com o patrocínio 11 Guia do 1º Emprego 2011[ Publireportagem ]O Santander Totta acredita100% no teu potencial. E tu?Com a entrada no mercado de trabalho, vem também o primeiro ordenado e aescolha do Banco que te ofereça as melhores condições para esta etapa da tuavida, tão importante para ti. Descobre aqui as soluções à medida dos teus desejose aposta no teu futuro!Super Conta Ordenado Jovens viços sem qualquer custo! E, para ter- Caso penses em iniciar uma nova etapaGraduados! minar em beleza, existem ainda ofertas da tua vida, tal como comprar casa ouEsta é a conta feita à medida do teu especiais se domiciliares o teu ordenado adquirir um automóvel, o Santanderprimeiro ordenado, porque no San- por um período mínimo de 12 meses! Totta tem também condições excep-tander Totta “Damos mais valor ao cionais para jovens até aos 35 anos.primeiro ordenado”. Esta conta está Soluções de Financiamentoisenta de comissões e além disso, tens Se pretendes realizar um Mestrado ou Poupar para o futurodireito a um livro de 10 cheques cru- Doutoramento, o Santander Totta Poupar e investir não são tarefas fáceiszados por mês, transferências nacionais tem soluções específicas para ti, nomea- e nada melhor que ter o Santandergratuitas e serviço de Netalertas, que damente o Crédito Totta ao teu lado, para te ajudar a apli-te vão permitir receber informações no Ensino Superior, car, da melhor maneira, o que decidisteteu e-mail ou telemóvel gratuitamente através do qual poupar. Confia as tuas poupanças a ume com toda a segurança. Com a domi- vai ser mais fácil Banco Sólido, que te garante a segurançaciliação do ordenado, tens acesso ime- estudar… Sobre- de que precisas para viver sem preocu-diato à antecipação do vencimento, ou tudo se obtiveres pações.seja, tens o dinheiro disponível um mês boas notas!antes de o receberes. Outras soluções do dia-a-dia › NetBanco: O teu Banco quando0% de trabalho, e onde quiseres, em100% cómodo. www.santandertotta.pt!Também é bom saber que tens no › Mobile Banking: Leva o teu BancoBanco alguém sempre disponível sempre contigo… Num telemóvel.para te ajudar. O Santander › Extractos Digitais: Papéis para quê?Totta com o Serviço Co- Agora já podes ter o teu Extractomodidade trata por ti de Consolidado em formato digital!todo o processo de domi- › Portal Bons Momentos: Aqui en-ciliação do ordenado contras um conjunto alargado de re-e de outros ser- galias, benefícios e vantagens, contando com parceiros em diversas categorias. › Cartões: Sejam de débito ou de cré- dito, o Santander Totta tem cartões que te dão acesso a tudo, todos os dias, com variadas vantagens associa- das. Com a Super Conta Ordenado Jovens Graduados não pagas a taxa de emissão do Cartão Light ou Cartão Novo Classic Conta Connosco. Precisas de um Banco que te valorize mais? Consulta todas as soluções, serviços e vantagens do Santander Totta, em www.santandertotta.pt
  • 11. [ Publireportagem ]O que é aForPoint?A ForPoint , Instituto de Formação e Inovação na Formação para Profissionais de EducaçãoSaúde, é uma organização sem fins lucrativos, dedicada ÁREAS TEMÁTICASà formação profissional (pós-graduações e cursos de Cogniçãoespecialização em investigação clínica) e à promoção › Como aprendemos? Aspectosda educação em saúde na sociedade. psicológicos e neurobiológicos da aprendizagem › Doenças e síndromes com repercussão na aprendizagem eFormação em Investigação licitados individualmente, respeitando comportamentoClínica um programa pré-estabelecido ou con- › Actividade e hiperactividadeA Investigação Clínica inclui um vasto jugando várias áreas temáticas. Doençaleque de domínios e competências que A aprendizagem é maioritariamente › Doenças crónicas na criançase estendem da Metodologia à Farma- baseada em casos, com diversos exer- (diabetes, epilepsia, enxaqueca, cícios individuais e anemia, alergias e hemofilia) de grupo. › Doenças infecciosas na criança › Doenças do comportamento alimentar Aprender a Aprender Intervenção Porque cremos que, › Acidentes e situação de urgência até no futuro, a única aos 5 anos forma de marcar a › Acidentes e situação de urgência dos 6 aos 10 anos diferença será con- jugando conheci- Prevenção e Risco mentos, apren- › Saúde e desporto na criança e dendo a interpretar adolescente e aprendendo a co- › Saúde na adolescência › Contracepção e gravidez municar, construí- › Dependências mos o Aprender a › Alimentação e nutrição Aprender, com- posto por uma ou Emoção mais áreas temáticas › Depressão e ansiedade na criança e adolescente com sessões regu- › Auto-confiançacologia, da Clínica à Economia, da Es- lares ao longo de 3 meses a um ano, › Stress, depressão e ansiedade notatística aos Assuntos Regulamentares. sempre com base no conceito “aprender adultoO desenvolvimento da Investigação fazendo”. › A emoção como veículo deClínica em Portugal terá inevitavel- Aplicamos metodologias e materiais aprendizagem e consolidação de memóriamente que passar por um investimento variáveis, de acordo com as especifici-na formação e qualificação dos profis- dades do tema, nível do curso e desti- PROGRAMA (RE)AGIRsionais envolvidos. natários. As sessões variam entre sessõesA Forpoint desenvolveu um conjunto presenciais e sessões por e-learning, Cursos de Intervençãode cursos de curta duração que visam maioritariamente tipo workshops, ba- › Cursos de noções básicas de saúde, aplicados à realidade empresariala iniciação ou especialização neste do- seados em casos de estudo; Roleplays; promovendo uma actuaçãomínio e que, quando integrados, fazem Aprender com plasticina; Problem Based adequada em situações de risco.da Investigação Clínica uma realidade. Learning; Problem Based Solving. › Cursos de promoção de saúde e saúde no trabalhoFormação ao seu Encontro Áreas temáticas Cursos de Prevenção/ FormaçãoPorque cada caso é um caso, a ForPoint Análise Crítica de Estudos Clínicos; Comportamentalpromove Cursos à Medida, um novo Boas Práticas Clínicas e Legislação; Clí- › Cursos de Comunicação,conceito assente na construção de cursos nica para não Clínicos; Estudos Clínicos; Desenvolvimento Pessoal ede formação personalizados, ajustados Epidemiologia; Estatística; Farmacoci- Organizacional, Gestão de Conflitos,e adaptados às necessidades de cada nética; Farmacoeconomia; Farmacolo- Gestão de Equipas, Gestão de Espaço, Gestão de RecursosCliente. gia; Clínica e Terapêutica; Farmacovi- Humanos e Gestão de Tempo.Os cursos para empresas podem ser so- gilância; Gestão de Dados; Gestão de
  • 12. pub[ Publireportagem ]Projectos; Gestão de Tempo; Inglês Apli-cado à Investigação; Interpretação de MateriaisResultados; Medical Writing; MedicinaBaseada na Evidência; Metodologia de TécnicosInvestigação Clínica; Pesquisa de Artigos Fruto de um– PubMed; Revisões Sistemáticas e objectivo antigoMeta-análises; Técnicas de Apresenta- e de uma enormeção. vontade,Pós-Graduações imaginámos eO nosso objectivo é trazer para Portugal projectámos umcursos de pós-graduação de excelência, conjunto deno domínio da Saúde e Investigação materiaisClínica, aumentando a competitividade técnicos. Destedos nossos profissionais a nível Nacional conjunto fazeme Internacional.› Master em Investigação Clínica parte livros› Programa Avançado de Gestão em In- didácticos, vestigação na Saúde nomeadamente› Pós-graduação Executiva em Gestão na área da da Comunicação e Informação Mé- estatística, dica metodologia de› Pós-graduação em Scientific Health investigação e Marketing› Pós-graduação em Turismo e Saúde glossários› Curso de Aperfeiçoamento em Mo- escritos em nitorização de Ensaios Clínicos Português e› Curso de Especialização em Moni- Inglês. Todo o torização de Ensaios Clínicos material técnico desenvolvidoAcademia ForPoint pela ForpointA ForPoint criou o 1º Programa Inte-grado de Formação em Investigação visa abordar eClínica, que se destina fundamental- promover omente a pessoas que pretendem exercer conhecimento nofunções na área de Investigação Clínica, que diz respeitonomeadamente: a temas› Clinical Trial Assistant relacionados› Monitor de Ensaios Clínicos› Study-Coordinator com a Saúde e› Técnico de Investigação e Desenvol- bem-estar. Até à vimento data, a ForPointEste programa permite ganhar “expe- publicou doisriência de terreno”, uma mais-valia na livros:inserção profissional.Aprender Saúde – Prevenir eIntervirO Aprender Saúde visa conceber e im-plementar exposições, eventos e acçõesna área da Saúde e bem-estar, tendocomo objectivo promover uma maiore melhor informação em aspectos re-lacionados com a doença, estilos de vidasaudáveis e promoção de saúde.Tem um carácter predominantementeinteractivo, apelando-se à experiênciae à participação em actividades lúdicase didácticas. Estes eventos e acções po-dem ter carácter permanente ou tem-porário, podendo ser itinerantes.
  • 13. com o patrocínio14 Guia do 1º Emprego 2011 ELABORAR UM CURRICULUM VITAE O currículo, como vulgarmente é cha- rículo não ultrapassa, em média, os lorizem o teu percurso profissional e mado, funciona como passaporte pro- trinta segundos, pelo que há que cui- mais interessem ao entrevistador. Deve fissional. Para quem está à procura de dar bem do que se vai pôr nessas pá- chamar a atenção de forma rápida e emprego, a elaboração do C.V. é o ginas. Quando elaborares o teu cur- suscitar interesse suficiente para marcar primeiro passo a dar. É bom não es- rículo, não te esqueças: ele é o resumo uma entrevista. Aqui ficam regras e quecer que o tempo máximo que um da vida profissional, onde devem ape- dicas de ouro para um currículo de recrutador dedica à leitura de um cur- nas constar os elementos que mais va- sucesso!
  • 14. com o patrocínio % 15 Guia do 1º Emprego 2011 ~~~~ 1 ~~~~Deves moldar o currículo à empresa e àfunção a que te candidatas. Para tal,pesquisa acerca da empresa, área denegócio e função a que te candidatas. ~~~~ 2 ~~~~Não ultrapasses as duas páginas. Osrecrutadores não têm, na maior parte dasvezes, tempo para leituraspormenorizadas. Valoriza os aspectosmais importantes e exclui experiências Erros a evitarque não sejam relevantes para a Muitas vezes referimos a importância de saber utilizar as pa-candidatura em causa. lavras a nosso favor. Chegou o momento de nos focarmos nas palavras que não devem ser utilizadas no currículo. ~~~~ 3 ~~~~ Confere aqui quais os termos a evitar e elimina-os já do teuUtiliza frases e parágrafos curtos. currículo! ~~~~ 4 ~~~~ › Erros ortográficos e gramati- › Clichés. Termos como dinâmico,Se acabaste de te formar e não tens cais. Sem dúvida, o factor mais ne- responsável e criativo, perderam aexperiência profissional, inverte a ordem gativo de um currículo. Se não for sua relevância por serem repetidosdas rubricas e começa com “formação reflexo de dificuldades de expressão até à exaustão. Descobre quando eacadémica e profissional”, dando escrita revelam, no mínimo, falta de como aplicá-los e associa-os a com-destaque a estágios, voluntariados e atenção e cuidado. petências e funções efectivas.hobbies que possam interessar. › Abreviaturas. Devem ser evitadas, › Frases longas. Nunca utilizes frases ~~~~ 5 ~~~~ mesmo quando parecem ser do co- com mais de 15/18 palavras, paraNão mintas, nem exageres na descrição nhecimento geral ou específicas da que o leitor não perca a concentração.do teu currículo porque isso é errado e área em que trabalhas.para não correres o risco de seres › Verbos Passivos. O teu currículodesacreditado na entrevista. › Pronomes pessoais. O abuso dos deve transmitir acção. Os verbos são pronomes na primeira pessoa, é des- uma forma de passar essa mensagem, ~~~~ 6 ~~~~ necessário e a evitar. Utiliza frases usando sempre formas activas, recor-Mostra de forma rápida e evidente que como “Estive responsável” em vez rendo o mais possível ao tempo pre-correspondes ao perfil solicitado. de “Eu estive responsável”. sente. “Os projectos foram imple- mentados...” não tem o mesmo im- ~~~~ 7 ~~~~ › Palavras com carga negativa. pacto de “Implementei projectos...”Pede a alguém para ler e confirmar que o Agressivo, mau, limitação, erro, nada,seu conteúdo é facilmente compreensível. pânico, problema... › Falar de objectivos sem falar de conquistas. Limitares-te a re- ~~~~ 8 ~~~~ › “Sempre” ou “Nunca”. Num ferir as tarefas inerentes à tua funçãoO aspecto gráfico é muito importante. contexto relacionado com expe- e os objectivos traçados, sem falaresCada currículo deve ser uma impressão riência ou competências profissionais das tuas realizações e do que con-original. Evita manchas, dobras nos advérbios absolutos sugerem exa- seguiste alcançar, pode comprometercantos e vincos. gero. o sucesso do teu currículo. ~~~~ 9 ~~~~ › “Bengalas” de linguagem. “As- › Não se trata de uma palavra,As datas devem ser apresentadas sempre sim como”, “De forma que...”, “É mas sim de um número. Nãoda mesma forma (incluir o ano sempre na assim” ou outras palavras desneces- indiques o número de telefone doforma completa) sárias que servem apenas para ocupar emprego no currículo, caso contrá- espaço. rio, o seleccionador poderá ficar de- ~~~~ 10 ~~~~ sagradado pelo facto de procuraresA descrição da formação académica e › Palavras que não conheces emprego na hora de expediente.experiência profissional deve ser bem e/ou não sabes definir.fornecida por ordem cronológica Lembra-te que a qualquer momento, › Repetições. Por mais difícil queinvertida, isto é, as últimas experiências poderás ser confrontado com o que possa parecer, evita descrever comacadémica e profissional em primeiro colocas no teu currículo e convém as mesmas palavras a tua experiência.lugar. saber o que significam. Tens de ser criativo.
  • 15. com o patrocínio16 Guia do 1º Emprego 2011 As Rubricas de um currículo 1. Identificação / Dados experiência profissional deve reflectir Pessoais: as tuas aptidões e provocar uma ima- Nome gem positiva no empregador. Data de nascimento No caso de não teres experiência Número de Bilhete de Identidade Nacionalidade profissional, deves valorizar as acti- vidades extra-profissionais, como por Como Estado Civil Situação militar exemplo voluntariado ou participa- ção em actividades cívicas, salientando enriquecer Morada Telefone as responsabilidades assumidas nessas actividades. o meu E-mail Consoante o cargo para que te can- didatas acrescenta a carta de con- 5. Aptidões específicas Referir os conhecimentos de línguas currículo dução no caso de já a possuíres. estrangeiras e respectivo nível de do- Línguas estrangeiras: o inglês é fun- mínio oral e escrito; os conhecimen- damental. Castelhano, francês e alemão 2. Descrição da formação tos de informática, especificando com são mais-valias bastante valorizadas. académica rigor a profundidade destes conhe- Informática: Dominar ferramentas de Nível de escolaridade, data de con- cimentos. office é um requisito mínimo. Actual- clusão, média obtida, se for favorável. mente, a linguagem da Internet é já Deves começar pelo nível mais ele- 6. Interesses / actividades considerada um requisito obrigatório vado. Assim, um Mestrado é seguido extra-profissionais para muitas profissões. de uma Licenciatura, que por sua Esta informação é tanto mais impor- Erasmus. Experiências internacionais vez antecede um Bacharelato. Esta tante quanto menos experiência pro- revelam capacidade de iniciativa e ou- informação deve anteceder a expe- fissional tiveres. Deves referir as ac- sadia. Desenvolvem novas competências, riência profissional. tividades extra-curriculares, como como adaptação e flexibilidade. voluntariado, actividades cívicas, cul- Viagens. Abrem horizontes e demons- 3. Formação profissional turais, frequência de cursos, confe- tram espírito aventureiro e curiosidade. Deve mencionar-se brevemente os rências, seminários ou outras formas Este é um aspecto muito valorizado diplomas ou certificados profissionais de formação complementares (espe- num mundo empresarial cada vez mais adquiridos. cialmente aquelas com interesse para multicultural. a área a que te candidatas), textos pu- Desporto. Os desportos colectivos in- 4. Experiência profissional blicados, prémios obtidos, ocupação dicam capacidade de trabalhar em Deves descrever, de forma rigorosa de tempos livres, prática de desporto, equipa; os desportos radicais denotam mas resumida, as tuas experiências filiação em Associações, etc. capacidade de assumir riscos e de lide- de trabalho ou, no caso de estares a rança. candidatar-te a um primeiro em- 7. Referências Trabalho em part-time. Pode indicar prego, quais os estágios efectuados, Podes dar o contacto de um ou dois boa gestão do tempo, sinal de dina- bem como o respectivo grau de res- professores ou antigos empregadores mismo e responsabilidade. ponsabilidade. Deves incluir o tempo para darem informações sobre ti. As Programas de voluntariado. Este durante o qual desenvolveste essas pessoas indicadas devem estar sempre aspecto é cada vez mais importante para actividades e aproveitar para descrever avisadas disso. As referências são cada as empresas. A participação cívica de- as tuas qualificações, aprendizagens, vez mais importantes para os empre- monstra comprometimento, iniciativa resultados, aptidões. O capítulo da gadores. e altruísmo, que são características va- lorizadas na altura de contratar alguém. Currículo Blog Currículo Vídeo potencialidades de forma Aproveita as potencialidades da Web. A apresentação de um c.v. em vídeo é diferenciadora! Mesmo com poucos Um currículo Blog pode ajudar a uma arma poderosa para te meios, poderás apresentar o teu apresentar as tuas experiências e distinguires dos restantes candidatos. perfil, habilitações académicas e competências e a detalhar mais As vantagens são muitas, pois experiência profissional de forma aprofundadamente uma realização permite, antes de mais, posicionares- apelativa, diferente e criativa. Não te específica. Existem alguns exemplos te perante os potenciais esqueças que a imagem permite ter mais elaborados, com fotografias, empregadores de uma forma uma visão da personalidade e das animação, vídeos, etc. que te compatível com a era da tecnologia e tuas competências profissionais ajudarão a distinguir dos restantes demonstrares as tuas capacidades de muito mais completa e rica do que candidatos. comunicação, criatividade e um simples currículo em papel.
  • 16. com o patrocínio18 Guia do 1º Emprego 2011 CARTA DE APRESENTAÇÃO Queres fazer uma carta de apresentação, mas não sabes o que dizer para impressionar a pessoa que está do lado de lá? O primeiro conselho que o Guia do 1º Emprego te dá é: não mintas, não exageres e não faças um resumo da tua vida numa carta. A carta serve para te posicionares de forma diferente em relação aos outros candidatos e, de uma forma clara, mostrares quem és e o que vales. Difícil? Segue os nossos conselhos! { Texto de Inês Menezes } reforçando o que já está escrito no Menciona as razões porque te can- currículo, que é uma informação bas- didatas. Explica porque gostarias de A Carta de apresentação é um dos ele- tante mais útil para o recrutador. De- desenvolver competências na área a que mentos mais importantes quando se pois disso, é importante justificar as te candidatas. Se souberes para que em- envia o currículo. É ela que vai trans- razões pelas quais a empresa te interessa, presa te estás a candidatar, não te es- mitir a tua personalidade, bem como o que, se for bem feito, poderá tor- queças de mostrar que a conheces. Será as razões que te levam a candidatar a nar-se um ponto diferenciador, pois sempre um ponto a teu favor. esse emprego. demonstra que perdeste tempo a es- Ao escreveres a carta de apresentação tudar a empresa. Não te alongues. Os recrutadores não deves ter presente que esta serve para perdem muito tempo com a leitura da personalizar a tua candidatura, valorizar Se a carta de apresentação se limita a carta de apresentação. Para ser eficaz, é o percurso profissional e, por último, repetir o que o currículo explica, os necessário ser conciso. A carta deve ser convencer os entrevistadores a marcar entrevistadores têm duas atitudes: se curta e sem informação desnecessária. uma entrevista. nem o CV nem a carta de aposentação Três a quatro parágrafos são suficientes. Embora a maioria das cartas acabem forem muito interessantes, o mais certo As frases curtas e simples interpelam o por ser um resumo do CV, onde os é cair no esquecimento. Ou no lixo! leitor e transmitam uma imagem dinâmica. candidatos reforçam as suas competên- cias, uma carta bem-feita deve fazer a Dirige-te à pessoa certa. Se não Não exageres nem te desvalorizes ligação entre o teu percurso profissional souberes o nome (embora hoje em dia e, sobretudo… não mintas. Res- e as necessidades concretas da empresa. esteja tudo na internet), como último ponde sempre pela positiva. Não digas, recurso, endereça-a ao departamento por exemplo, que não tens experiência Dicas para elaborar a carta de de recursos humanos. Se estiveres a res- em determinada área. Evidencia antes apresentação ponder a um anúncio, menciona o as tuas qualidades com objectividade, Para personalizares a tua candidatura, mesmo e a função a que candidatas). sem demasiado sentido crítico. Podes deves incluir informação sobre: sempre referir que gostas de novos de- › Porque é que a empresa te interessa. A primeira frase é essencial para safios e que te adaptas com facilidade. › O que podes oferecer. marcar a diferença. Tenta dar o teu A mentira acaba sempre por ser des- › O que a empresa e tu podem fazer cunho pessoal e destacares-te das cen- coberta e não te beneficiará. juntos. tenas de currículos diários. O tom de Estas são as informações que qualquer abertura da carta transmite a tua per- Valem as mesmas regras para e- recrutador gostaria de encontrar numa sonalidade.Talvez possas começar assim: -mail. Hoje há uma parte significativa carta de motivação. No entanto, a or- “Em resposta aoV. anúncio para recrutar dos currículos que seguem por e-mail dem pode ser alterada, pois não existem um financeiro, penso ter as qualidades e por isso as cartas transformaram-se regras definitivas. Alguns candidatos profissionais que correspondem ao perfil em e-mails. Apesar do suporte ser di- preferem começar por se apresentar, que procuram”. ferente, as regras mantêm-se. FIM
  • 17. com o patrocínio20 Guia do 1º Emprego 2011 Tenho uma entrevista. E AGORA? { Texto de Inês Menezes } Para enfrentar o desafio da entrada no mercado de trabalho e a procura do primeiro emprego são necessárias pro- actividade, energia, dinamismo, resis- tência à frustração e preparação. Desde a elaboração do curriculum vitae, até à forma como te deves comportar numa entrevista, nada deve ser deixado ao acaso. Mas nada de pânico. Seres chamado para a entrevista, significa que ultrapassaste a primeira fase e o teu currículo foi aceite. Agora só falta convencer o empregador, de que és a pessoa certa para o lugar! O Guia do 1º Emprego dá-te todas as dicas para que sejas bem sucedido. Prepara-te! nalidade, as tuas qualidades e defeitos, etc. veniente para apresentar na entrevista › Obtém o máximo de informação sobre O auto-conhecimento é um dos aspectos (diplomas ou certificados de cursos e es- a empresa (ramo de actividade, dimensão, mais valorizados numa entrevista.. tágios, trabalhos realizados, carta de re- tipo de produtos ou serviços que co- › Relê o teu currículo e prepara-te para ferência, portfólio, etc.). mercializa, nível de remunerações, áreas aprofundar os aspectos nele focados ou › Prepara-te para diferentes tipos de en- funcionais existentes, organização, am- outros que possam vir a surgir durante a trevista. biente de trabalho, estilo de funciona- entrevista (personalidade, características, › Se te pedirem para resolver um caso mento, etc.). competências profissionais, motivação, prático não te admires. Mesmo que seja › Fala com pessoas que te conheçam bem formação, competências desenvolvidas uma situação hipotética, servirá para ava- (familiares, amigos, colegas de curso, pes- tanto na experiência profissional como liar a tua reacção e o raciocínio, a capa- soas com quem já trabalhaste) e pede- nas actividades extra-profissionais). cidade de comunicação, persuasão e ra- lhes uma breve descrição da tua perso- › Leva a documentação que achares con- pidez.
  • 18. com o patrocínio 21 Guia do 1º Emprego 2011 O que não pode falhar › É capaz de se apresentar em poucas pa- › Com que tipo de pessoas tem mais di- Pontualidade.Tenta chegar 10 minutos lavras? ficuldade em lidar? E mais facilidade? antes da hora marcada, para evitar atrasos. › O que é que nos podes oferecer? › Como é que se relacionava com os seus Deixar outra pessoa à espera é sinal de › O que é para si o emprego ideal? professores? (supervisores ou colegas) desrespeito e desinteresse. › Onde gostaria de estar daqui a cinco › O que aprendeu com os erros? Boa apresentação. A imagem é um anos? E daqui a dez? › Qual seria o salário justo para si? factor decisivo e influencia a forma como › Que recompensas deseja obter na sua › Fale-me de si (esta é uma das questões serás percepcionado. Em caso de dúvida carreira profissional? mais colocada pelos recrutadores.Tenta o clássico é sempre uma boa solução. › Pretende obter mais qualificações? dar uma resposta sucinta, directa e Postura. Muito importante para o su- (CESE, MBA, Mestrado, etc.) que, em poucas palavras, dê a conhecer cesso da entrevista. Simpatia, abertura, › Trabalhou durante os estudos? Se sim, o teu perfil profissional, características profissionalismo e curiosidade podem em quê? e competências profissionais) ajudar a escolher-te como o candidato › Que tipo de patrão prefere? certo. É essencial manter a calma e con- › Se eu encontrar o seu antigo chefe/pro- Pode também acontecer ser utilizada uma trolar as emoções, sobretudo se a entrevista fessor e lhe pedir para me falar de si outra forma de abordagem para analisar tomar o rumo não desejado. em apenas uma frase, que frase seria? o potencial dos candidatos e que consiste Diálogo. Embora seja um momento de › Já alguma vez se despediu de um em- em avaliar comportamentos e reacções a algum nervosismo, a entrevista deve seguir prego? Se sim, porquê? determinadas situações. Embora este tipo o tom normal de uma conversa e fluir › Porque é que o devemos contratar a si de dinâmica seja utilizada numa fase mais sem grandes constrangimentos. É im- em vez de outro candidato? avançada de recrutamento e se destine a portante que sintas que, para além de es- › Dê-nos o exemplo de uma tarefa rea- candidatos com experiência profissional, tares a ser avaliado estás, também tu, a lizada por si de que se possas orgulhar. deves estar apto a responder às questões avaliar uma hipótese de trabalho. › Porque escolheu esta área de trabalho? colocadas, com histórias e exemplos que Empatia. É um dos aspectos mais im- › Já desempenhou algum trabalho em demonstrem as tuas capacidades e quali- portantes para que se estabeleça uma boa equipa? Qual? ficações para o cargo pretendido! relação profissional. › Pode dar-me um exemplo de como a sua criatividade ultrapassou um obs- Perguntas que podes fazer O que te podem perguntar táculo? Os candidatos podem aproveitar o mo- Apesar das entrevistas serem diferentes › Quais as suas principais qualidades? E mento da entrevista para colocar algu- umas das outras, existem perguntas co- defeitos? mas questões, pois embora estejam a locadas pela maioria dos recrutadores. › Prefere trabalhar sob supervisão ou so- ser avaliados, devem ter uma atitude di- Prepara as respostas às questões que se zinho? nâmica perante o entrevistador, tentando seguem. É essencial um trabalho de in- › Que factores o motivam a dar o seu obter informação sobre as condições trospecção, um olhar sobre o passado melhor? de trabalho, hipóteses de progressão, que te ajude a preparar o futuro. › Em que actividades académicas parti- evolução do sector, expectativas sobre Se tiveres oportunidade de fazer uma cipou? O que aprendeucom elas? si, etc. Para isso, é necessário estudar simulação de entrevista filmada, não › Qual foi o último livro que leu, e o úl- um pouco a vida da empresa. As per- hesites! Aproveita para detectar eventuais timo filme que viu? guntas deverão ser feitas com bom senso erros de postura e de comunicação e › Prefere grandes empresas ou pequenas? e, se perceberes que não há abertura, corrigires. No final de cada entrevista, Porquê? não as faças pois podem prejudicar-te. analisa os melhores e os piores momen- › Qual o último país onde esteve? Aqui ficam alguns exemplos. tos, de forma a aprenderes com a tua › Tem hobbies? Quais? › Qual será a minha função dentro da própria experiência e evitar cometer › Está envolvido em algum tipo de tra- empresa? de novo os mesmos erros. balho voluntário? › Quais os desafios inerentes à função? › Defina sucesso. E fracasso. › Quais as possibilidades de progressão › Porque é que se está a candidatar à › Já alguma vez falou para uma grande na carreira profissional? nossa empresa? audiência? › É usual trabalhar-se por objectivos?Negociar o ordenadoComo atrás referimos, é natural que o pretendido pela função em causa. Antes de secundária, deves tentar valorizar outrosentrevistador te pergunte qual o ordenado falares em valores, aproveita para falar do teu aspectos inerentes à função e esperar que seja oesperado. Damos-te algumas sugestões para desempenho anterior (se tiveres experiência entrevistador a colocar a questão.saberes o que fazer, sem te atrapalhares! profissional) ou das tuas perspectivas de carreira. 5. Em vez de falares em valores exactos,1. É possível que queiram saber qual o teu último 3. Para o caso de ser o teu primeiro ordenado, apresenta valores mínimos e máximos, de formaordenado, pois serve de referência das tuas tenta não te expores. Se mesmo assim o a haver margem para negociação.expectativas e, eventualmente, do que estarias entrevistador insistir dá uma ordem de grandeza. 6. Informa-te de quais os valores praticados emdisposto a negociar. 4. Nunca abordes, por tua iniciativa, o tema do funções similares, de modo a estares dentro da2. É frequente perguntarem qual o salário líquido ordenado. Embora esta não seja uma questão realidade.
  • 19. com o patrocínio22 Guia do 1º Emprego 2011 Sugestões para seres bem sucedido • Memoriza o nome e cargo do entre- forma clara as frases. Não deves deixar • Tenta perceber o que está por trás da vistador. que fiquem por acabar, ou se misturem pergunta, o que querem realmente • A iniciativa de cumprimentar deve umas com as outras. saber. partir do entrevistador. Um aperto de • Evita utilizar linguagem mais colo- • Se falares do antigo emprego, nunca mão firme, acompanhado de um sor- quial, tal como:“Umm”,“Ah?”,“tipo”, digas mal do antigo chefe, dos colegas riso, é o mais acertado. Se tiveres ten- “percebe?”. Nunca “pá” ou afins… ou das condições de trabalho. dência para suar das mãos tenta limpá- • Sê conciso e tenta responder directa- • Se não tiveres muita experiência sobre las discretamente antes de cumpri- mente às questões que te são colo- a área de negócio, fala sobre as tuas mentar o entrevistador. cadas. Se não perceberes a pergunta, competências. • Procura manter o contacto visual com pede para repetir. • Pensa nas questões que gostarias de o interlocutor, o que transmite segu- • Não mintas, nem tentes disfarçar uma colocar ao entrevistador, sobre a área rança e interesse. Se fores entrevistado realidade que te pareça pouco fa- em que irás trabalhar, a empresa, o por mais de uma pessoa, tenta olhar vorável. É sempre preferível a ver- sector, etc. Mas vê se há abertura para para todos. Não olhes para baixo en- dade. que as faças. quanto falas, porque isso demonstra • Pensa na forma como gostarias de ser • É possível que te perguntem qual a timidez e insegurança. ”retratado”: prepara os aspectos sobre remuneração esperada. Esta é uma per- • Sorri! Uma cara alegre e sorridente os quais mais gostarias de falar. gunta complicada.Atenção, muitas ve- é sempre cativante e transmite uma • Não tenhas medo dos silêncios. Usa zes com esta pergunta o candidato, se personalidade optimista e entusiasta. o silêncio a teu favor, pensando na não tiver bom senso, poderá ficar ime- • Respeita o ritmo da entrevista. Espera resposta à pergunta que te foi colocada, diatamente excluído, mesmo que nos o momento certo para intervir e fá- ou na que poderás colocar. outros itens tenha tido boa prestação. lo na dose adequada, sem falar de- • Responde directamente às questões • Só te deves levantar depois do entre- masiado. colocadas e acrescenta informação re- vistador, agradecendo a entrevista e • É importante começar e acabar de levante. mantendo uma postura cuidada. FIM Procura manter o contacto visual com o interlocutor, o que transmite segurança e interesse.
  • 20. com o patrocínio 23 Guia do 1º Emprego 2011 Quem quer trabalhar aqui? Todos nós sonhamos com um emprego perfeito, um salário de sonho, a equipa de trabalho mais solidária do mundo, a janela do escritório com a melhor vista para a cidade, alguém bonito que nos traga cafés. Todas estas características parecem difíceis de conviver juntas num mesmo emprego, sobretudo na conjuntura económico-social vivida actualmente. No entanto, existem, de facto, empresas onde dá gosto trabalhar – e os seus colaboradores reconhecem isso. Fica aqui a lista das 30 Melhores Empresas para Trabalhar em Portugal, durante o ano de 2010.{ Texto de Bruna Pereira } 1 Microsoft Portugal Tecnologias de Informação 2 Cisco Systems Portugal Tecnologias de Informação O primeiro lugar no ranking e pelo 3º 3 Liberty Seguros Banca e Seguros - Seguros Gerais ano consecutivo, foi conquistado pela 4 Everis Portugal Consultoria de TIMicrosoft Portugal, sendo que nas di- 5 GMS Consulting Consultoria de TIferentes categorias – por dimensão – 6 ROFF Consultoria de TIdestacaram-se a Remax (acima de 1000 7 BMW Group Portugal Comércio automóvelcolaboradores), a Cisco (entre 100 a 8 Mars Portugal Transformação e Produção250 colaboradores) e a BMW Portugal 9 Cushman & Wakefield Construção e Obras Públicas(menos de 100 colaboradores. 10 Janssen Cilag Biotecnológica e FarmacêuticaA grande novidade da edição deste ano 11 Re/max Construção e Obras Públicasfoi a presença forte de empresas por- 12 Chep Serviçostuguesas (7), cuja vencedora foi a GMS 13 Procter & Gamble Portugal Transformação e ProduçãoConsulting, considerada a melhor em- 14 SAS Institute Portugal Tecnologias de Informaçãopresa portuguesa para trabalhar em Por- 15 Outsystems Tecnologias de Informação tugal. 16 HUF Portuguesa Transformação e ProduçãoUma das grandes vencedoras da edição 17 Diageo Portugal Transformação e Produçãodeste ano é também a Cisco, desta- 18 Medtronic Portugal Comércio a Retalhocando-se em quatro categorias distintas: 19 Siscog Tecnologias de Informação “Melhor Organização para trabalhar 20 Leadership Business Consulting Consultoria de Gestão entre 100 e 250 colaboradores”, “Me- 21 Johnson’s Wax de Portugal Actividades Industriais lhor Empresa para Trabalhar para Mu- 22 Laboratórios Abbott Biotecnológica e Farmacêuticalheres”, prémio “Responsabilidade So- 23 Teleperformance Portugal (Covilhã) Serviços - Telemarketing cial Empresarial” e prémio “Formação 24 Bacardi-Martini Portugal Transformação e Produçãoe Liderança para a Sustentabilidade”. 25 Deloitte Consultoria de GestãoFIM 26 ANA, Aeroportos de Portugal Transportes - Aéreos/Aviação comercial  27 PricewaterhouseCoopers Serviços  28 José Júlio Jordão Actividades Industriais  29 Sistemas McDonald’s Hotelaria e Turismo - Restauração 30 Barclays Bank Banca e Seguros *Fonte: Great Place to Work® Institute - www.greatplacetowork.pt
  • 21. com o patrocínio24 Guia do 1º Emprego 2011 O QUE PROCURAM AS EMPRESAS? No momento de crise e de desemprego, as empresas continuam a recrutar. No en- tanto, a selecção dos candidatos é cada vez mais rigorosa e exigente. Bons currículos e boas notas não chegam para alcançar o lugar desejado. É preciso muito mais do que isso. Se ainda não ouviste falar em competências comportamentais, está na al- tura! Tão importante como os conhecimentos adquiridos na formação, vai ser o teu comportamento e forma de agir. Se queres saber o que procuram as empresas, aqui fica o testemunho de 4 grandes empresas sobre o perfil mais requisitado e a forma como te podes candidatar à Galp Energia, Secil, Sonae ou EDP. distintivas de cada um. A Galp é uma procuradas estão o nível de energia, a destas empresas que pretende captar os assertividade, a sociabilidade, a adapta- melhores recursos e investir em talentos. bilidade, a atitude, a capacidade de decisão, Sabemos que o mercado de trabalho é a cooperação, a autonomia e o julga- Hugo Faria muito competitivo e que as competências mento objectivo. Responsável pelo técnicas já não são suficientes para fazer Desenvolvimento de Recursos face às novas exigências. Mas, a verdade Processo de selecção dos candidatos Humanos da Galp Energia é que as empresas procuram, mais do desenvolvido pela GALP, em 4 fa- que nunca, os melhores talentos, isto é, ses: “Vivemos um tempo complicado, com jovens graduados que tenham uma boa › Análise Curricular poucas perspectivas, uma crise instalada, formação académica, e que juntem a › Entrevista Biográfica com elevados níveis de desemprego. Mas, isso uma forte componente comporta- › Assessment Center (testes de aptidão, nem tudo é negativo. É necessário que mental.Actualmente, a maioria das em- de role play em que se simulam situações haja esperança e que os jovens, sobretudo presas considera que mais importante que podem acontecer na empresa, de os que estão à procura do primeiro em- do que a componente técnica, são as ca- forma a analisar a interacção entre equipa prego, não percam a confiança em si pacidades relacionais, e estas desenvol- e a capacidade de raciocínio) próprios e nas suas capacidades de tra- vem-se em actividades extra-curriculares, › Entrevista final de validação com a área balho, pois as empresas estão cada vez e de desenvolvimento pessoal. para a qual se recruta. Além da presença mais dispostas a valorizar as competências Entre as capacidades relacionais mais dos Recursos Humanos, é um processo
  • 22. com o patrocínio 25 Guia do 1º Emprego 2011partilhado com futura área de trabalho. área de trabalho. A Sonae emprega mais de 42.000 colaboradores, num ambienteO Produto Premium: Programa exigente, rigoroso, com muito trabalho,Generation Galp mas fun, e com um espírito inacreditável.O programa de trainees existe na orga- João Brás É um mundo de mentes abertas, em quenização há 12 anos e é fonte de recru- Director de RH Centro se assiste ao desenvolvimento rápido detamento de jovens graduados, enquanto Corporativo e Estruturas negócio, e à ascensão de pessoas que co-atracção e captação de talentos, bem Centrais Sonae meçaram como operadores de loja e estãocomo de rejuvenescimento e mudança hoje em funções de Direcção.Acreditamosda empresa. “Sabemos que o primeiro emprego é de- que múltiplas experiências dentro das terminante para aquilo que vai ser o nosso várias empresas permitem um desenvol- Desafio futuro, seja porque corresponde à nossa vimento profissional mais rápido.A Sonae O grande investimento da Galp área de formação, e confirma que o ca- funciona como um mar de oportunidades, Energia no Brasil abriu portas para minho está certo, seja para percebermos o que significa que as pessoas que entram uma nova área: a exploração e que estamos no caminho errado e que na empresa, têm que ter mente aberta, produção, áreas em que a GALP está, aquilo que estivemos a estudar não é, de flexíveis e adaptarem-se com rapidez a actualmente, a fazer recrutamento nas forma alguma, a área em que queremos novas e diferentes situações.” universidades. vir a trabalhar. Por isso mesmo o primeiro emprego é uma aprendizagem. Por isso O que valoriza a Sonae mesmo, valorizamos, mais do que a for- “Obviamente que a experiência é umMuitos dos quadros da Galp passaram mação académica, as competências pes- dos requisitos essenciais, embora não dis-por este programa, que tem enorme su- soais. criminemos os recém-licenciados. Pessoascesso ao nível das carreiras que propor- Dividida em seis áreas de negócios – Mo- com experiência para além da académica,ciona. delo Continente, Sonae Retalho Espe- são muito interessantes, com Erasmus, cializado, Sonae Sierra, SonaeCom, Mo- que pratiquem desporto federado, escu-Vantagens do programa biliária de Retalho e Gestão de investi- teiros, ou seja, é necessário que façamDuas experiências em áreas diferentes mento – a Sonae está a expandir-se e outras coisas para além do curso, poisda empresa (trata-se de um programa internacionalizar-se, estando presente em isso é mais valorizado do que as notas.com a duração de um ano, dividido em 26 países. Valorizamos a formação, mais do que oduas partes: no primeiro semestre as pes- curso em si, pois a formação permitesoas são convidadas a sair da sua zona que se tenha desenvolvido um conjuntode conforto e a trabalhar em funções O grande desafio da de competências em planeamento, apren-que nunca experimentaram (por exem- Internacionalização dido a trabalhar em equipa, desenvolvidoplo, engenheiros a exercerem funções A EDP é uma multinacional que está a capacidade de resistir, lidar com o stress,de gestão).A segunda parte do programa em 10 países, fala sete línguas e tem de fazer apresentações, de participar emé mais direccionada às áreas em que os já mais de 12.000 colaboradores pelo seminários, entre outras. Estas compe-alunos se sentem mais confortáveis. mundo fora. Por esta razão, a visão, tências são mais valorizadas do que o› Oportunidades de formação em con- compromissos e valores permanecem curso. Para além disso, tem muita im-tínuo ao longo do ano de estágio inte- um grande desafio da comunicação portancia para nós, o rigor e compromisso,grado num programa de acompanha- dos Recursos Humanos. o trabalho em equipa, a orientação pormento objectivos (todas as actividades e tudo o› Orientadores definidos com um pro- Os valores pelos quais nos orientamos e que fazemos no dia-a-dia é medido porgrama claro de estágio vivemos, definem que tipo de pessoas objectivos pré-defidos), a humildade para› CEO e administradores são responsáveis queremos na Sonae. Ética e confiança, aprender (é preciso saber que a verdadeirapor um grupo de trainees (estão impli- pessoas no centro de toda a actividade, aprendizagem começa no dia em que secados como tutores) ambição, inovação, responsabilidade social, começa a trabalhar), a criatividade e o› Outro dos factores aliciantes destes es- frugalidade e eficiência, cooperação e in- sentido de responsabilidade.tágios é o facto de a remuneração ser dependência. O cliente está no centro daacima da média. nossa acção. Sem clientes não há razão de existir. Estes valores determinam o tipo “Entre as diferençasObjectivos do programa: de pessoas que recrutamos para a nossa procuramos aPosiciona-se como um dos elos de liga- organização. Não recrutamos pela área de singularidade. Nãoção com o meio universitário com vista formação, mas pelos traços pessoais. contratamos pessoasa desafiar e cativar os melhores entre os A área comercial é, sem dúvida, a área inteligentes para lhesmelhores, motivá-los para enfrentar os mais importante nas nossas vidas enquanto dizer o que devem fazer.desafios de um mercado dinâmico e pre- profissionais. O cliente está centro da nossapará-los para uma vida profissional de acção. É a razão da nossa existência, o que Contratamos pessoassucesso. Em média a GALP recruta explica que as competências dos comerciais inteligentes para nosanualmente entre 20 a 40 jovens, nas - relacionais, comunicação, assertividade, dizerem o que devemosUniversidades de referência a nível na- argumentação - sejam as mais valorizadas, fazer” Steve Jobscional. pois devem ser dominadas em qualquer
  • 23. com o patrocínio26 Guia do 1º Emprego 2011 mecânica, ciências sociais, gestão, ciên- 6º mês cias exactas (matemática) e engenharias › Apresentação do Relatório Final da (electrotecnia, mecânica, civil) . responsabilidade do estagiário e Ava- liação do Processo (estagiário /orien- Ana Pedrosa ETAPAS DO PROCESSO tador). Responsável pela gestão de DE ACOLHIMENTO, colaboradores expatriados na ACOMPANHAMENTO No final dos 6 meses os candidatos são EDP E AVALIAÇÃO admitidos. Momentos chave: Celestina Pinheiro 1º mês Operações de RH e › Sessão de acolhimento (conhecer o coordenadora de acolhimento que é a EDP Distribuição, conhecer os e integração de Novos projectos em curso, conhecer o pro- Colaboradores da EDP grama que os espera) Margarida Manaia Distribuição. › Integração na área de estágio Responsável pelo › Familiarização com processos e acti- Departamento Relacional O “ON TOP - EDP Recruitment vidades. da SECIL Program” visa captar jovens com po- › Apresentação do Plano de Integração tencial de crescimento, posicionando o e Acompanhamento O que procura a SECIL nos novos Grupo EDP como employer of first choice. › Apresentação das competências nas colaboradores? quais vai ser avaliado “Procuramos uma sólida formação téc- Objectivos: nica, fortes competências relacionais, 1. “Atrair” jovens com potencial de 2º mês um grande sentido de responsabilidade, crescimento, proporcionando-lhes de- › Aprofundar os conhecimentos. que sejam dinâmicos e proactivos. safios profissionais aliciantes. › Troca de impressões informal conjunta A sólida formação técnica é muito im- 2. Dar a conhecer aos jovens o Grupo (estagiário, orientador e facilitador) so- portante, porque a maior parte das fun- EDP: estratégia, cultura e pessoas. bre o decorrer do estágio ções exercidas na Secil são funções com- 3. Promover a aproximação entre a EDP › Eventuais ajustes ao Plano plexas, que requerem uma base susten- e a Comunidade Académica: interagir tada de formação técnica, para além dos e partilhar know-how. 3º mês múltiplos desafios ligados à internacio- › Aprofundar os conhecimentos nalização da Secil (presente em Angola, Neste sentido a EDP tem diversas › Reunião conjunta (estagiário, orien- Líbano, Tunísia e Cabo Verde). iniciativas tador, chefia e facilitador) sobre as di- As competências relacionais são um › Presença em 8 Universidades; ficuldades e os sucessos ponto determinante na selecção de can- › Divulgação do Grupo a cerca de 800 › Aprofundamento sobre os objectivos didatos. Valorizamos essencialmente o alunos; a atingir trabalho em equipa, bem como a relação › Apresentação do Grupo EDP e dis- › Planear formas de ultrapassar eventuais entre as pessoas, que devem saber con- cussão de temas, como a Mobilidade dificuldades surgidas viver harmoniosamente entre diferentes Internacional, Inovgrid, Mobilidade 4º mês gerações. O leque de idades, experiên- Eléctrica, a cerca de 450 alunos. › Área secundária de estágio cias, formação e culturas é muito variado e exige equilíbrio e bom senso nas re- O Grupo EDP procura jovens com 5º mês lações.A mobilidade é outro dos requi- as seguintes competências: › Apresentação pelo estagiário, ao CA sitos valorizados pela Secil, tanto em re- › Jovens Empreendedores e criativos; e Directores, de um tema relacionado lação aos recém-licenciados com algum › Motivados e dinâmicos; com a actividade acompanhada durante tempo de formação, como em relação › Com espírito de equipa; o estágio. a pessoas com mais anos de experiência. › Atentos ao mundo que os rodeia; Esta é, aliás, a razão pela qual damos › Ambiciosos e “cheios de energia”. Relatório intercalar da responsa- prioridade aos candidatos capazes de se bilidade do estagiário: integrarem em diferentes culturas. É atraves dos estágios que a EDP se Avaliação pelo Orientador, com a par- O sentido de responsabilidade, a capa- aproxima do mundo universitário, ticipação da Chefia do Departamento cidade de assumir e aprender com os tendo-se realizado em 2010 cerca de e do Orientador da Área secundária e erros, e a autonomia, são uma exigência 330. Os estágios dirigem-se a alunos com a colaboração do Facilitador. para quem trabalha na Secil. O negócio do ensino Técnico-Profissional e Uni- A avaliação incidirá nas componentes da Secil, especialmente nas fábricas, é versitário de diversas áreas de formação, comportamentais e técnicas, ponderará um negócio de laboração contínua – como electricidade, mecânica, electro- a qualidade do relatório intercalar. trabalhamos 24h sobre 24h e por isso
  • 24. com o patrocínio 27 Guia do 1º Emprego 2011temos de ter pessoas que tomem deci-sões rápidas e necessárias no momentoadequado.Outro requisito valorizado nos candidatosda Secil é a capacidade de ser dinâmicoe proactivo. Isto porque estamos sempreem processo de melhoria de produto -parecendo o cimento sempre um pro-duto cinzento, é este o nosso negócio!”Programa Trainees Secil“Existe há três anos na Secil. A Secilrecruta cerca de 10 colaboradorespor ano. Existe uma fase in-tensa de recrutamento e se-lecção, seguida de um pro-grama de um ano de for-mação para os que foremseleccionados. Segue-se, após avaliação po-sitiva dos candidatos,a integração nogrupo Secil (nestesúltimos anos, 90%dos trainees recrutadossão hoje colaborado-res da Secil).O processo de recru-tamento é um processomuito selectivo. A pre-ferência da Secil é dadaà formação académica decinco anos, à licenciaturapré-Bolonha e aos mestresPós-Bolonha. A selecção éfeita através de um intensivoacessement center, em que oscandidatos passam por dife-rentes fases, até serem elimi-nados. E por último, são sub-metidos a quatro painéis de en-trevistas, também eliminatórios.Para dar um exemplo, em 2010recebemos, nos primeiros 10 me-ses, 3200 currículos. Destes, apenas15% correspondiam ao perfil de-senhado pela Secil em termos decompetências comportamentais. É pre-ciso conciliar a formação técnica coma parte comportamental, pois é nestaúltima que a Secil encontra mais difi-culdades em recrutar.” FIM
  • 25. com o patrocínio28 Guia do 1º Emprego 2011 Parece-lhe que os estágios são um bom início de carreira para um jovem licenciado? Cada vez mais até porque a aposta das empresas em épocas de crise não é para posições intermédias ou para posições de topo, acabam por fazer um investi- mento pela base e aí estão os estagiários. Esta política acaba por gerar todo um conjunto de medidas que incentivam ao crescimento, ao push up das estruturas organizacionais a fazer com que estes es- tagiários que entram, façam com que as pessoas da organização subam.Assistimos cada vez mais às multinacionais e por- tuguesas como a Sonae, como a Efacec, a privilegiarem este tipo de contratação. Quais lhe parecem ser as competências que o mercado, neste momento, mais está a valorizar? O paradigma de há uns anos a esta parte tem mudado e hoje em dia o mercado está a valorizar muito, e ainda bem, as softskills, as competências. Obviamente não descuram as hardskills, pois é neces- sário que as pessoas tenham ajustamento à própria função que vão desempenhar, “O paradigma de há uns anos a esta parte tem mudado e hoje em dia o mercado está a valorizar muito, e ainda bem, as softskills, as competências.” mas também, e cada vez mais, é valorizada Marco Gomes, Ray Human Capital a capacidade que têm de ajustar-se em termos de competências. E estas softskills, muitas vezes, fazem a diferença e conse- Soft skills em alta guem mostrar a mais valia de um profis- sional em relação a outro. Há competências transversais que o mer- cado de trabalho procura, independen- temente da função em si. Comunicação, Marco Gomes da Ray Human Capital, uma das em- capacidade de inter-relacionamento, o presas mais promissoras na área da consultoria em pensamento analítico, a iniciativa, o di- recursos humanos e parceira da Forum Estudante no namismo… São este tipo de competên- projecto do Primeiro Emprego, partilhou connosco a cias que nós devemos desenvolver ao longo da nossa vida, sobretudo enquanto sua experiência, deixando algumas importantes pistas jovens. Os jovens não se podem limitar para quem entrar no mercado de trabalho. a fazer universidade-casa e casa-univer- sidade. Têm de privilegiar o equilíbrio entre a vida académica e a vida social,
  • 26. com o patrocínio 29 Guia do 1º Emprego 2011porque estas vivências trazem-lhe novas a diferença na sua adaptação ao mercado noção de que as mais valias que têm decompetências. É fundamental procurarem de trabalho e para fazer face aos desafios ter adquirir têm de ser eles a desenvolverexperiências na vida académica como das empresas.Também o desporto, o vo- e a procurar. Se não forem eles, ninguémestágios, trabalhos durante o verão, para luntariado podem ser importantes o fará no seu lugar.experimentarem o que é o mercado de quando se analisam os currículos. Penso também que é importante iremtrabalho, para começarem a desenvolver conhecendo o mercado de trabalho, iremalgumas competências que só consegui- Com a experiência que tem vendo o que se está a passar. Quandomos actualizar se nos emprenharmos pensa que os recém licenciados terminam a licenciatura é importante sa-nisso. Este tipo de competências, que pa- estão preparados para enfrentar berem minimamente o que é que que-recem quase senso comum, são compe- o mercado de trabalho? rem fazer e mesmo que não saibam aotências que para muitas pessoas não estão Cada vez mais. Os jovens estão a começar certo, pelo menos saberem onde é queno top of mind, não estão ainda na lista a ter um self awareness muito forte para querem estar. É fundamental terem uma noção clara que, se querem estar na área“Têm de estar muito conscientes que financeira, então apontem para a área fi- nanceira. Se querem a área de grandeé necessário ao longo do seu percurso consumo, então é apontar para essa área.académico procurarem iniciativas diferentes, É importante saber, quando chegar a al-que lhes permitam ter contacto com tura de ingressar no mercado de trabalho,a realidade empresarial, mas também para que lado é que quer ir, porque isso mostra confiança também para o inter-com a realidade social.” locutor. Mas infelizmente ainda existem muitos jovens que estão perdidos. FIMde prioridades e, no entanto, são com- aquilo que efectivamente o mercado lhespetências que fazem falta a qualquer pes- reserva. Já tem acontecido clientes dasoa. Ray Human Capital estarem a recrutar Três pecados mortais jovens, não pela licenciatura mas pelas que não se podemNos milhares de currículos que competências.Vão à procura do tal talento cometer numaprovavelmente vê e quando está e esse pode estar num aluno que termi- entrevista?à procura de uma pessoa, para nou o curso com média de 12 ou 13 e Inibição. A postura corporal revelaonde vai o seu enfoque? não num aluno que terminou a licen- muita coisa. Por exemplo, o estar aFalando de jovens recém ciatura com média de 16 ou 17. olhar para baixo pode revelar umalicenciados. São os jovens que têm de perceber que grande inibição e isso é claramenteO que salta à vista é claramente o tipo têm de fazer a diferença neste mercado um pecado nos dias que correm.de iniciativas em que a pessoa se envolve de trabalho que vive este ciclo económico. Outro pecado mortal são os níveisao longo da sua vida académica ou as Eles têm claramente de se diferenciar de ansiedade que jovens acabamexperiências profissionais que a pessoa uns dos outros para conseguirem agarrar por gerar e que passa aopossa ter tido. as oportunidades.As empresas continuam entrevistados muita falta deNum dos Job Party que fiz com a Forum, a procurar, mas como recrutam menos, confiança. Os jovens não se podemum dos alunos perguntou-me se deveria procuram os melhores e isso vê-se nas esquecer que estão num processocolocar no seu CV a experiência profis- softskills que é onde há o desempate. avaliativo mas que, do outro lado,sional que tinha tido a servir num bar. estão também seres humanos.O que lhe disse foi que neste momento Três conselhos a estes jovens Convém não esquecer que estão alida sua vida, essa experiência fazia sentido para conseguirem entrar no para provar que são as pessoasporque por detrás desse trabalho, os pro- mercado de trabalho. certas para aquele lugar e, como tal,fissionais que vão ler o currículo vão Acima de tudo têm de estar muito cons- têm de acreditar nas suasperceber que foram desenvolvidas ca- cientes que é necessário ao longo do seu capacidades. É necessário fazer opacidades de comunicação, capacidade percurso académico procurarem inicia- trabalho de casa para gerir essesde relacionamento com o cliente, orien- tivas diferentes, que lhes permitam ter níveis de ansiedade.tação para o cliente, orientação para ob- contacto com a realidade empresarial, Em terceiro lugar é fundamentaljectivos. Com esta experiência é certo mas também com a realidade social. Esta mostrar interesse. Se não o fizerque ele actualizou competências e é isso combinação é importantíssima para que acaba por deixar desvanecer oque as empresas procuram nos CV de consigam criar valor em si mesmos. Por interesse do outro lado. O recémjovens licenciados. Experiências profis- outro lado acho que cada vez mais os licenciado, quando concorre a umsionais e iniciativas das que muitas vezes jovens de hoje em dia, têm um nível de lugar, não se pode esquecer que estáse organizam nas universidades, como as maturidade diferente e isso nota-se na a concorrer com centenas deempresas académicas ou consultoras que sua capacidade de aprendizagem, no seu pessoas e que existem pequenosaí são criadas, o desenvolvimento de pro- interesse por determinado tipo de pro- pormenores que podem fazer toda ajectos reais, tudo isto é muito relevante blemáticas. Porque não querem fazer diferença e que esse pode ser umpara um jovem licenciado. São esses pe- parte das famosas estatísticas do desem- deles.queninos detalhes que podem fazer toda prego, os jovens têm de ter claramente a
  • 27. com o patrocínio30 Guia do 1º Emprego 2011 O que nos reservam os próximos anos? Falar da velocidade com que ocorrem às escolas e universidades, no sentido formação e qualificação ao emprego as mudanças nas sociedades de hoje é de se modernizarem e actualizarem, e a UE admite estar muito já frase gasta. No entanto, quando esta para poderem formar pessoas com as preocupada com a previsível escassez velocidade empurra para fora do competências certas para os tempos de mão-de-obra qualificada em áreas mercado de trabalho um grande que aí vêm. Neste âmbito, é sugerida, que se prevê virem a ser número de pessoas, que vêem as suas entre outras propostas, uma grande fundamentais dentro de poucos anos. competências que sempre foram abertura das escolas às empresas que Assim, o documento sublinha a úteis, tornarem-se obsoletas, então deverão, se quiserem formar jovens importância da formação em áreas talvez valha a pena parar para reflectir, com as competências necessárias, ter como as ciências, a tecnologia, a para que este cenário não se repita. real expressão na formação dos engenharia e a matemática. Dá-se o A União Europeia produziu jovens. exemplo de sectores como o automóvel, a construção naval ou as energias sustentáveis, como áreas que exigem novas competências para que se possam desenvolver. Com projecções de alcançar três milhões de postos nos chamados “empregos verdes”, fica o desafio para um grande Nos próximos anos as profissões ligadas à saúde, ao ambiente, nomeadamente a área das energias renováveis e as ligadas às tecnologias de informação e comunicação, estão entre as mais promissoras quanto a ofertas de trabalho. investimento nesta área. Também a área das TIC são fonte de preocupação para os responsáveis pelo documento, admitindo que este será um sector onde, se não houver um forte investimento, haverá escassez de recentemente um documento a que Segundo este mesmo documento, mão-de-obra numa dezena de anos. A chamou “Agenda para Novas espera-se que, até 2020, no mercado saúde surge igualmente como um Competências e Empregos: Um de trabalho na zona da União sector estratégico, onde se pensa contributo europeu para o pleno Europeia, os trabalhos exercidos por poderem vir a ser criados cerca de emprego”, onde propõe vários pessoas com alta qualificação dois milhões de empregos. caminhos para enfrentar o aumentem pelo menos em 16 A Europa é normalmente eficiente a desemprego, nomeadamente milhões de postos. Daí que os fazer diagnósticos, esperemos que os referenciando as áreas ou sectores esforços de qualificação, sobretudo seus países- membro, nomeadamente onde deverá haver maior atenção e dos jovens, seja uma prioridade clara Portugal, saibam passar do papel à investimento. da UE. prática e passarmos a conseguir olhar Uma das recomendações mais Sabemos que a crise veio sublinhar a para o futuro próximo com relevantes é a forte exortação que faz importância da adequação da confiança. FIM
  • 28. com o patrocínio32 Guia do 1º Emprego 2011 TOMA NOTA Quando a esmola é grande… Se entrares em contacto com alguma oferta de emprego fora de Portugal que te pareça duvidosa, atenta aos seguintes tópicos: › Se a oferta de emprego se destinar a um país do EEE (todos os da UE, Liechtenstein, Islândia e Noruega) ou Suíça, informa-te junto da EURES, rede criada pela Comissão Europeia e serviços TRABALHAR públicos de emprego. › Se a oferta for para o resto do mundo, contacta as respectivas LÁ FORA JÁ NÃO câmaras de comércio, embaixadas e consulados em Portugal, de É O CABO DAS forma a perceber se a oferta é honesta e não existem queixas feitas sobre a empresa TORMENTAS recrutadora em questão. Os portugueses sempre foram um povo de emigrantes. Em pleno século XXI, o espírito de aventura e empreendedorismo continua… Mesmo quando a rota é desconhecida e sabemos apenas que queremos ter como destino final a descoberta de um emprego melhor! { Texto de Bruna Pereira } muitas vezes, ir viver e trabalhar para a os trabalhadores e os empregadores nas Europa é apenas um passo à frente de regiões transfronteiriças. Terminar uma licenciatura, um mes- umas das experiências que os recém- Uma vez no portal, e ao seleccionares trado ou até mesmo um doutoramento diplomados já mostram nos seus CV – “Procurar emprego”, tens acesso a pos- já não é uma garantia de empregabili- a frequência do Programa ERASMUS tos de trabalho em 31 países europeus. dade – pelo menos imediata. É por isso durante o ensino superior. Para tal, faz o teu registo gratuito em que trabalhar no estrangeiro tem vindo Se pensas que os países europeus podem “O meu EURES” para candidatos a a revelar-se uma solução para quem ser uma boa opção para fazer carreira emprego. Aí poderás criar o teu CV e acaba os seus estudos e está disposto a profissional, não deixes de consultar o torná-lo acessível aos empregadores re- conhecer novas culturas, novos idiomas, Portal Europeu da Mobilidade dos Tra- gistados e aos conselheiros EURES, novas formas de vida e novas experiên- balhadores (EURES), disponível em que ajudam os empregadores a encon- cias pessoais… Longe do conforto do www.eures.europa.eu. A rede EURES trar os candidatos adequados. Depois, lar e dos pais. ajuda os trabalhadores a passarem fron- basta esperares que entrem em contacto teiras e a circularem livremente dentro contigo para as acções de recrutamento, Europa, meu amor… do Espaço Económico Europeu (EEE) que decorrem, geralmente, em Lisboa Devido às facilidades de mobilidade de – sendo que a Suíça também participa. e no Porto. trabalhadores, que a União Europeia O EURES procura ainda informar, (UE) permite, os países europeus fazem orientar e aconselhar os trabalhadores Nos outros cantos do mundo parte da lista dos mais procurados pelos sobre oportunidades de emprego, bem Brasil, EUA, Canadá, Angola, África do portugueses – o velho continente torna- como sobre as condições de vida e de Sul e Macau são outros dos destinos se atractivo pela sua cultura familiar, trabalho no EEE; assistir empregadores preferidos pelos portugueses mais aven- pela facilidade de adaptação às línguas que pretendam recrutar trabalhadores tureiros. Se viajares para fora da Europa, (muitas delas de origem latina) e porque, de outros países e aconselhar e orientar contacta a embaixada ou consulado
  • 29. com o patrocínio 33 Guia do 1º Emprego 2011desse país em Portugal para saber seprecisas de visto e outras formalidadesa cumprir. Pede ainda na Segurança So- Ainda com dúvidas?cial os documentos que te garantem Nos endereços que se seguem, de Aprendizagem ao Longo da Vida,assistência médica. Fora do EEE, em encontras programas de da iniciativa da Comissão Europeia,países como Brasil ou EUA, pesquisa mobilidade vários além-fronteiras que promove estágios transnacionaisse há acordos ou convenções bilaterais aos quais te podes candidatar. A em empresas para pessoas quecom Portugal, para beneficiares de ser- força de vontade fica, claro, por pretendem ingressar no mercado deviços de saúde. Se pensares em destinos tua conta! trabalho com a duração mínima de 2como a Índia ou a África, informa-te semanas e máxima de 26 semanastambém sobre cuidados especiais de Programa INOV Contacto – Estágios (6 meses). Sabe mais emprevenção, como vacinas.Alguns centros Internacionais para Jovens www.socleo.pt/old/menu/leonardo/lede saúde e hospitais já têm serviços vo- Quadros: O projecto visa apoiar a onardo.htmcacionados para a consulta do viajante formação de jovens comtrabalhador. qualificação superior em contexto Programa Sócrates: Dá especialAlém das preocupações com a saúde, internacional. É uma iniciativa atenção à aprendizagem ao longo daconvém teres em mente que quem vai promovida pelo Ministério da vida e tem como objectivos reforçarpara o estrangeiro sujeita-se, regra geral, Economia, da Inovação e do a dimensão europeia na educação aàs leis do país de acolhimento. Por Desenvolvimento, apoiado pela EU e todos os níveis e promover aexemplo, sabias que a licença de parto pelo QREN/POPH e gerida pela aicep melhoria quantitativa e qualitativa dona Alemanha e na Finlândia tem uma Portugal Global. Sabe mais em conhecimento das línguas da UE,duração superior à da lei portuguesa? www.portugalglobal.pt/PT/InovContacto especialmente das menos utilizadasA mesma regra aplica-se aos impostos: e ensinadas. Sabe mais emao trabalhares noutro país, ficas sujeito Programa Leonardo da Vinci: É um www.socleo.pt/old/menu/socrates/nàs regras que lá vigorem.Apresenta sem- subprograma sectorial do Programa ovidades.htmpre o teu contrato de trabalho juntoda administração fiscal e pede o númerode contribuinte. À partida, só pagarásimpostos em Portugal se cá residiresdurante o ano, mais de 183 dias, seguidos pubou não. No caso dos trabalhadores des-tacados, regra geral, a empresa trata das Centros Internacionaisformalidades com o fisco. Para evitar a de Idiomasdupla tributação, pede um certificadode residência na autoridade fiscal dooutro país, para apresentares nas finançasportuguesas. Se, mesmo assim, for tri- Procuras uma Experiênciabutado em ambos, tens direito ao cha-mado crédito de imposto. Basta preen- Internacional? Estuda nocheres o anexo J do IRS. FIM Estrangeiro...Fonte: DECOPortugueses sem medo de arriscarA possibilidade de progressão profissional (33,1%), umaremuneração mais aliciante (21,5%) e a esperança de uma vidamelhor (18,6%) são as principais razões que levam os portuguesesa trocar as suas raízes e a proximidade junto dos seus familiares Possibilidades ilimitadas e oportunidadespara trabalharem no estrangeiro. Assim, 70% dos inquiridos, num aliciantes. Uma aventura linguística e académicaestudo recente da empresa de recrutamento Hays, admitem que está à tua espera! Com a EF podes personalizar o teu curso de acordo com os teus objectivos,trabalhar lá fora é a melhor solução para enfrentar a crise sentida interesses e estilo de vida. A Escolha é tua!em Portugal. Aventurar-se pelo estrangeiro é também uma opção Cursos de 2 até 52 semanastida em conta por parte de 64,3% dos desempregados que Todos os níveisparticiparam no inquérito. Inglês, Francês, Espanhol, Italiano, Alemão e Mandarim EF Preparação para Exames internacionaisPara os que acreditam que não há como trabalhar em Portugal, a EF Preparação para Universidades Estrangeirasmobilidade é uma palavra que seduz, mesmo assim. Entre os EF Programa de Estágioinquiridos, 84,6% não se importariam de trocar de região paratrabalhar e 82,2% também gostariam de mudar… Mas de EF - Education Firstemprego. Av. Miguel Bombarda, nº36- 2F, 1050-165 Lisboa Tel: 21 317 34 70, Fax: 21 316 11 66 Email: centrosidiomas.pt@ef.com www.ef.com
  • 30. com o patrocínio34 Guia do 1º Emprego 2011 INTERFACEde Trabalho entre os Jovens e o Mercado Conclusões de um estudo realizado pelo Ministério do Trabalho, baseado em 32 entrevistas 1 A integração no mercado de trabalho tende a alongar-se no tempo, dei- xando de ser uma passagem simples do es- de auto-reaIização e de valorização futura, de uma prática massiva da mobilidade, en- quanto desresponsabilização patronal, ge- uma valorização no contexto profissional e a construção de projectos de mobilidade social de curto-alcance (só em parte dos tatuto de “não-activo” para o de “activo”, radora de enorme insegurança e desestru- casos esses projectos se convertem em rea- mas não sendo também uma circulação turante de projectos de futuro. Esta distinção lidades). aleatória entre ocupações, períodos de de- deriva de a) a natureza do trabalho e de b) semprego e de formação. Passa, pois, pela conquista de rendimentos que permitam a abundância ou escassez de empregos. 10 A articulação entre os sistemas de formação e o mercado de trabalho uma vida independente, cuja urgência varia muito consoante os projectos dos jovens e, obviamente, os constrangimentos im- 6 Existe uma clara distinção entre a) um segmento de emprego privile- giado, criativo e altamente qualificado, em é uma questão complexa e que está longe de ser resolvida com a constituição de ga- binetes especializados (tipo UNIVA). Foram postos pela sua condição social. que a mobilidade e informalidade dos vín- identificados casos muito minoritários em culos se converte efectivamente numa car- que parece existir esta articulação. A inves- 2 Essa integração tende também a com- plexificar-se, não sendo dominada por dois pólos claramente distintos: inte- reira de valorização progressiva e ascensão social e profissional; b) um segmento de emprego maioritário em que a circulação tigação sugere que essa articulação exige uma mobilização quer dos responsáveis dos cursos (professores/formadores) quer do gração total versus desintegração total. Pelo entre ocupações temporárias e precárias próprio mercado de trabalho contrário, a grande maioria dos jovens en- não reflecte qualquer carreira de ascensão (patronato/gestores), de modo a criar cur- contra-se hoje em situação de integração progressiva, o que os deixa numa situação rículos, estágios, qualificações específicos. parcial no mercado de trabalho, em mo- de enorme incerteza e insegurança relati- dalidades semi-formais, temporárias ou a tempo parcial. vamente ao futuro. 11 Os estágios profissionais respeitam também a lógica do tópico ante- 3 Esta integração parcial reflecte duas situações claramente diferenciadas, 7 A insegurança tende a ser fortemente estruturada por factores sociais, como a classe social de origem, o nível e área de rior. Os casos em que contribuem, de facto, para a inserção profissional dos jovens pa- recem ser aqueles em que existe uma real mas que se tendem a confundir no debate qualificações ou o sexo. A uma insegurança articulação entre entidades formadoras e público: a) Os jovens que estão simulta- relativa, para os jovens (e respectivas famílias) empregadoras. Por outro lado, a sua criação neamente integrados em sistemas de for- com mais capitais económico, cultural e “artificial” tende a ser apropriada como mação valorizantes, ocupando trabalhos social, opõe-se uma insegurança geral dos forma de trabalho precário, temporário e temporários por necessidade ou vontade; jovens mais desfavorecidos, potenciadora mal remunerado, sem promover a integração b) os jovens que já consideram ter finalizado de trajectórias desestruturantes ou marginais. profissional efectiva. o seu, trajecto formativo e anseiam pela Esta desigualdade parece maior em mo- plena integração no mercado de trabalho. mentos, como o actual, de escassez de em- prego. 12 Dados os efeitos circunscritos da política de apoios formais, a in- 4 O principal problema no processo de integração dos jovens no mercado de trabalho tende a ser, não a falta genera- 8 O acesso ao emprego tende a pro- cessar-se por duas vias, uma dema- tegração dos jovens no mercado de trabalho continua a basear-se, predominantemente, numa rede de apoios informais, geradora lizada de trabalho, mas sim a incapacidade siado formal e outra demasiado informal. de inúmeras desigualdades de recursos e de transitar de uma situação de vínculos No primeiro caso, a escassez, morosidade oportunidades. Mesmo nos segmentos mais informais ou precários para uma situação e pouca clareza dos concursos afasta a qualificados de trabalho (e no sector pú- de pleno emprego, com vínculos formais grande maioria dos jovens, sobretudo aque- blico), esta prevalência das redes informais e de longa duração. Esta incapacidade es- les que têm urgência na obtenção de tra- foi observada, sobrepondo-se, até, aos me- tende-se, hoje, ao sector público. É, pois, balho. No segundo caso, não fornecem canismos mais formais. significativo que, dos 32 jovens entrevista- qualquer dispositivo de igualdade de opor- dos, apenas 5 estejam em situação de con- trato sem termo, todos no sector privado. Os jovens distinguem claramente um ideal tunidades, deixando totalmente à entidade patronal (pública e privada) o uso de cri- térios legítimos e ilegítimos de selecção de 13 Discriminação no mercado de trabalho é uma realidade vivida e documentada pela maioria dos jovens, de mobilidade, associado ao trabalho por candidatos. embora pareça consensual que a categoria projectos, gerador de experiências de auto- etária (geradora de efeitos positivos e ne- reaIização e de valorização futura, de uma prática massiva da mobilidade, enquanto desresponsabilização patronal, geradora de 9 Os programas formais de apoio à in- serção dos jovens no mercado de tra- balho tiveram um impacto reduzido na gativos) não é o critério de maior discri- minação. A divisão do mercado de trabalho em função do género continua a ser uma enorme insegurança e desestruturante de criação de empregos efectivos, embora te- realidade. A sobreposição tendencial de ele- projectos de futuro. Esta distinção deriva nham sido uma via de acesso para muitos mentos de exclusão como a origem étnica, de a) a natureza do trabalho e de b) a abun- jovens obterem formação (e qualificação) a classe social, o local de residência e a falta dância ou escassez de empregos. profissional. Se no caso dos jovens licen- de recursos qualificacionais é um factor ciados, estas formações se encontravam claro de discriminação, sobretudo no acesso 5 Os jovens distinguem claramente um ideal de mobilidade, associado ao tra- balho por projectos, gerador de experiências muito desadaptadas e desvalorizadas no mercado de trabalho, para os jovens com a escolaridade mínima, estes cursos significam a empregos em que se lida directamente com clientes, utentes ou público em geral. FIM
  • 31. GA NHA“Assim que vi a Brochura Avonnão pensei duas vezes. Não tem horários, nãonecessita de investimento inicial e não temobrigações...” Ana SofiaO seu objectivo, o de ganhar dinheiro extra, Se gostavas de ter uma actividade extra As tuas amigas vão adorar!!!! Se está interessado(a) em ser um(a) Revendedor(a) Se está interessado(a) em ser um(a) Revendedor(a) PORQUÊ ESPERAR? AVON, contacte-nos através do número verde 800 20 AVON, contacte-nos através do número verde 800 20 Vá a www.avon.pt ou ligue para 210 04 98 11 Vá www.avon.pt ou ligue para 210 04 98 11 19 90, ou recorte e envie o cupão colado num postall 19 90, ou recorte envie cupão colado num posta para: AVON COSMÉTICOS, LDA. Av. Paull Harris, Nº 1, para: AVON COSMÉTICOS, LDA. Av. Pau Harris, Nº 1, Edifício C Vale Flores Mem Martins 2710-724 Sintra Edifício Vale F l o r e s M e m M a r t i n s 2 7 1 0 - 7 2 4 S i n t r a ou visite-nos em ou visite-nos em w w w. a v o n . p t www.avon.pt Avon Portugal - Páginal Oficial Fórum Estudante
  • 32. com o patrocínio36 Guia do 1º Emprego 2011 Ser empreendedor Criar o próprio emprego pode ser, numa altura de crise, uma alternativa mais atractiva do que ficar anos à espera de arranjar o emprego ideal. E embora seja um passo ousado, que implica correr riscos e trabalhar mais, as compensações também podem ser grandes. { Texto de Bruna Pereira e Inês Menezes } Antes de te lançares nesta aventura, tina o meu produto? É necessário ao importância e que pode fazer a diferença deves responder às seguintes questões: mercado? Tenho concorrência? Se sim, na construção do teu negócio, não vale › Tenho espírito empreendedor ou von- como me diferenciarei? Quanto custará a pena arriscar. Aqui, é mesmo jogar tade de aprender para o adquirir? o meu produto? Qual o meu investi- pelo seguro. Se não puderes contratar › Consigo desenvolver redes e sou capaz mento? Onde poderei arranjar finan- ajuda externa, pelo menos consulta pes- de arriscar? ciamento? Que apoios existem? soas com experiência e bom senso. É › Sou persistente e resistente à pressão A ideia passou o teste? Segue então importante testares as ideias e os planos e às situações de stress? para o próximo ponto: com quem já sabe a diferença entre a teoria e a prática. Mais um teste à ideia Sim? 2º Plano de Negócios torná-la-á mais consistente. Então agarra este desafio e, se tens uma É a hora de colocar no papel, de fazer boa ideia de negócio, não hesites! contas. Se não estás bem a ver como 3º Financiamento fazer o teu plano de negócios vai a Se tiveres capitais próprios, então tens 1º A Ideia www.iapmei.pt para uma ajuda preciosa. o caminho facilitado. No entanto, se Uma boa ideia não é tudo, mas pode Há quem recorra a ajuda externa como não tiveres, há outras formas de finan- fazer a diferença. Se já a tens, vê se ela empresas especializadas ou um consultor. ciamento. resiste a estas perguntas: a quem se des- Dado que este é um passo de enorme Para se encontrar um parceiro financeiro,
  • 33. com o patrocínio 37 Guia do 1º Emprego 2011 um dos passos mais importantes é ter um orçamento bem feito e, fundamen- talmente, realista. Para convencer um banco, um investidor ou uma empresa de capital de risco, é muito importante que saibas apresentar Quem quer ser milionário? bem a ideia de negócio, com a argu- Para Pedro Queiroga Carrilho, de 27 anos, a chave mentação bem treinada, sabendo sa- para enriquecer está em multiplicar as fontes de lientar as razões que tornam a tua ideia rendimento. Para aprenderes como, basta leres o viável e com diferenciação em relação seu mais recente livro – “Descubra o milionário a outras possíveis. Não te esqueças que que há em si”. a ideia ser boa é importante, mas a sua comunicação e embrulho podem fazer Este jovem empreendedor já escreveu Pessoais oferece um leque muito 3 livros (“O seu primeiro milhão”; “O variado de cursos relativos a a diferença entre teres ou não teres ca- primeiro milhão para casais” e poupança, endividamento, pital para a desenvolveres. Não descures “Descubra o milionário que há em si”) investimento ou mesmo de esta fase. e é dono da sua própria empresa - a empreendedorismo. “O que nós Kash Finanças Pessoais. Aqui, tentamos fazer é que as pessoas 4º Constituição Formal da qualquer pessoa pode frequentar tenham um pouco mais de dinheiro e cursos em áreas como as Finanças um pouco mais de qualidade de vida, Empresa Pessoais, as Finanças Pessoais para porque realmente os temas de Já com dinheiro garantido chegou a Casais e Investimentos Mobiliários. educação financeira deviam ser fase de constituir formalmente a em- “O que a Kash tenta, na prática, é aprendidos - as pessoas trazem para presa. É talvez a fase mais árida de todo formar os portugueses na educação as suas vidas os hábitos dos pais ou o processo.A burocracia do Estado assim financeira, sendo que eu ficaria aquilo que aprenderam... Mas há muito contente se conseguisse levar coisas tão simples que se podem fazer o exige. Existe o site portaldaempresa.pt, um curso a cada um dos para melhorar a qualidade de vida - e que dá informação importante. No en- portugueses.”, refere Pedro, é isso que a Kash tenta fazer.”. tanto, com a Empresa na Hora - acrescentando que a Kash Finanças Sabe mais em www.kash.pt www.empresanahora.pt - o que era umpub
  • 34. com o patrocínio38 Guia do 1º Emprego 2011 verdadeiro quebra cabeças, foi simpli- ser concertado com o tipo de negócio ficado. Por agora existem 163 balcões que vais desenvolver e o dinheiro que de atendimento espalhados pelo país. dispões para este item. Com esta ajuda conseguirás chegar a Podes sempre recorrer ao mercado, onde bom porto num tempo razoável. operam várias empresas que podem ser Esta marca é minha! úteis na tua pesquisa de espaço. No en- Gonçalo Sampaio é Secretário-Geral 5º Equipa tanto há ainda a hipótese das incuba- da ACPI – Associação Portuguesa Pode ser uma equipa de sócios (que se doras de empresas, que são espaços do- dos Consultores em Propriedade responsabilizam por capital ou não), tados de infra-estruturas de apoio téc- Industrial e lança o alerta para todos ou ser uma equipa de pessoas com nico e material, muitas vezes com apoio os jovens empreendedores: “pior do quem estabeleças um contrato de tra- também administrativo a preços razoá- que não proteger (as ideias) é balho. Nesta fase é também importante veis. Existem algumas universidades que proteger mal, pois acreditamos que estares bem informado. Escolher as pes- dispõem deste género de estruturas, temos um direito que, no final, pode soas certas para o lugar certo é algo a onde muitas vezes se cria um ambiente não existir ou existir em moldes que todas as empresas ambicionam, mas verdadeiramente criativo, que ajuda à diferentes do que sonhámos.” nem todas conseguem. Conheceres as concretização do negócio. Este tipo de pessoas com quem vais trabalhar pode serviço pode permitir algumas pou- Imaginemos que sou um jovem e ser uma vantagem, mas terás de ter em panças que, na fase de arranque do pro- pretendo registar uma ideia minha: atenção a diferença entre amizade e jecto, podem ser importantes. quais os procedimentos a ter em trabalho… Se não conheceres, então Já tens financiamento? Já tens empresa? Portugal, quanto custa e quais as vantagens? atenção ao recrutamento, às caracte- Já tens a equipa formada? Já tens es- Os procedimentos de protecção de rísticas que procuras e, finalmente, às paço? marca e patente são diferentes, mas condições que propões. Se puderes, estão hoje muito simplificados. aconselha-te antes com um advogado 7º Início de Actividade Contudo, há um conselho que não com experiência de Direito do Traba- É altura de lançares mãos à obra. Não posso deixar de dar: Aconselhem-se antes de proteger. Pior do que não lho ou alguém que perceba de con- te esqueças que é importante que tenhas proteger é proteger mal, pois tratos de trabalho. o essencial para começar a funcionar, acreditamos que temos um direito mas não esperes por ter tudo. Como que, no final, pode não existir ou 6º Espaço sabes tempo é dinheiro e por isso, existir em moldes diferentes do que Nesta altura já definiste em orçamento, quanto mais depressa começares, mais sonhámos. A protecção pode ter várias vias se queres arrendar ou comprar, por isso, depressa poderás ter retorno do teu in- (nacional, comunitária ou tens agora de ter em conta a localização, vestimento. internacional). O conselho que sempre o preço, o estilo, etc… tudo isto deverá Boa Sorte! FIM damos é que procurem ajuda profissional no início do processo para evitar dissabores. É fundamental que o processo seja bem iniciado, de forma a não colocar em risco a validade do mesmo. Faça chuva ou faça sol… Como podemos distinguir uma ideia José Eduardo Baptista (24), Jorge Gonçalves (23) e original de uma copiada? Existem Tiago Rodrigues (25) são os promotores do projecto cláusulas legais? Como denunciar as fraudes? IBERMETEO, cujo enfoque é a consultoria As ideias em si não são passíveis de meteorológica feita à medida das empresas. protecção através de marcas ou patentes. O que pode ser protegidoSaber se vai estar um belo dia de sol num dia outros serviços em diversas áreas. O como marca é a criação artística oude casamento; prever a caída de neve em objectivo? Ajudar na diminuição dos riscos e criativa de uma expressão, imagem,deslocações rodoviárias de longa distância ou prejuízos inerentes aos fenómenos som, cheiro e outros, com o qualainda ‘adivinhar’ se vai chover durante os dias meteorológicos, procurando ir ao seu pretendo distinguir os meusde execução de um obra de construção. São encontro e ajudando os seus clientes a produtos/serviços dos da minhaestas algumas das informações que a optimizar o seu desempenho e os seus concorrência. Nas patentes será aIBERMETEO ajuda a clarificar. “Numa época lucros. aplicação industrial de uma ideia queem que as alterações climáticas parecem A IBERMETEO, fundada em Janeiro de 2010, é poderemos proteger.conduzir a uma maior ocorrência de uma empresa inovadora na área de consultoria Não existem cláusulas legais parafenómenos meteorológicos extremos, no ramo de Meteorologia que nasceu graças ao averiguar se uma marca ou patenteconhecer e manter-se actualizado sobre a conhecimento dos seus 3 jovens fundadores está a ser infringida. Existem,evolução do estado da atmosfera, torna-se adquirido na Universidade de Aveiro, onde contudo, meios legais que definemcada dia mais importante.”, referem os estudaram, e em colaboração com o Grupo de quando e como se enquadra essajovens na página oficial da IBERMETEO. Meteorologia e Climatologia da mesma situação de cópia ou infracção. DepoisA IBERMETEO disponibiliza um conjunto de universidade (Climetua). A IBERMETEO utiliza o existem meios, judiciais e outros, queserviços, nomeadamente previsões de curto e Weather, Research and Forecasting Model permitem fazer valer os nossoslongo prazo, de pequena e larga escala, (WRF), serviço que prima pela clareza de direitos perante esses que nos estarãorelatórios e análises de eventos informação nas áreas de previsão e a infringir.meteorológicos e climáticos, conteúdos acompanhamento do tempo e do clima. Sabe mais emrelacionados com o ensino, assim como Sabe mais em ibermeteo.com www.marcasepatentes.pt
  • 35. combustível el + barato barato descontos nas universidades universidadesoportunidadeopor tunidade descontos nos única cinemaspara o 1ºcarropara 1ºcar ro oficina móvel móvel 24h por dia
  • 36. com com o acp a tua vida tua não para w www.facebook.com/acp.pt linha acp 707509510 0 atendimento 24hacp moove? o lado jovem do automóvel club de portugal
  • 37. com o patrocínio42 Guia do 1º Emprego 2011 Mário Caldeira Dias, Presidente do Observatório do Emprego O desafio do acesso ao primeiro emprego O primeiro emprego é um desafio grande! Antes de mais, porque cada vez é mais difícil arranjar emprego e, depois, porque os números indicam uma rea- lidade que não poupa Portugal. Bem pelo contrário. Mas, a boa notícia é esta: as pessoas que estudam mais e que têm melhores qualificações são menos afectadas pelo desemprego e têm uma remuneração melhor. Ter uma postura activa e procurar emprego poderá não contribuir para melhorar a crise, mas ajuda a melhorar a situação de casa um. Não fiques à espera! { Texto de Inês Menezes } A nossa relação com o sistema educativo Portugal e a verdade é que estudar com- piora a partir de determinada altura da pensa, não só porque o nível médio de As taxas de desemprego dos vida.” remuneração é mais elevado nas pessoas jovens na União Europeia e em que acabaram o ensino superior, como Portugal Crise e desemprego? a taxa de desemprego é proporcional- “As taxas de desemprego dos jovens Falamos em crise, mas o crescimento mente menor. são, actualmente, idênticas em Portugal do desemprego tem vindo a acontecer Os licenciados tem uma taxa de de- e na Europa. Os jovens são um dos gru- desde 2000, insensível às taxas de cres- semprego menor, estão menos tempo pos mais vulneráveis face ao mercado cimento da economia, ou seja, inde- desempregados, e ganham mais do que de trabalho, com taxas de desemprego pendentemente da taxa de crescimento os outros níveis de qualificação. (estudo bastante superiores aos restantes grupos. económico. Na verdade, o desemprego do MT 32 entrevistas a jovens)” No entanto, existem diferenças quanto ao toca de forma mais directa as pessoas género, uma vez que a taxa de desemprego sem qualificações ou as pessoas dema- Um conselho… das mulheres é ainda mais elevada do que siado qualificadas. “O meu conselho é: procurem um nos jovens do sexo masculino.As mulheres Relativamente aos níveis de desemprego equilíbrio entre o gostam de fazer e as são mais desfavorecidas em termos de em- por áreas geográficas, Lisboa é uma das expectativas de emprego dos cursos, prego, sobretudo entre os 15 e 24 anos. regiões mais afectadas, ao contrário por procurem a sorte, não deixem que o Apesar do desemprego das mulheres exemplo do Alentejo, onde o nível de problema do desemprego afecte do ser mais elevado do que nos homens, a intervenção das políticas públicas é ponto de vista do desânimo e da espe- crise atingiu certas áreas do sistema eco- muito mais significativo do que nas ou- rança. É necessário em tempos de crise nómico, onde os homens foram mais tras regiões do país.” se resiliente. A emigração qualificada afectados do que as mulheres. pode ser uma oportunidade de trabalho Relativamente às taxas de abandono Salários para muitos estudantes! Mas, se puderem do ensino por parte dos jovens, estas “O ganho médio mensal vai aumen- ficar em Portugal fiquem, façam o que são superiores em relação à Europa tando com o nível de qualificação. A puderem pelo vosso País e esperem dias (após o 9º ano). teoria do capital humano aplica-se em melhores, com esperança”. FIM
  • 38. com o patrocínio 43 Guia do 1º Emprego 2011“Os jovens são os motores dodesenvolvimento económico”O desemprego mundial dos jovens atingiu um nível sem precedentes, informa aOrganização Internacional do Trabalho (OIT), num relatório publicado por ocasiãoda abertura do Ano Internacional da Juventude. No entanto, nem tudo são másnotícias, porque crise pode ser sinónimo de oportunidades, acrescenta a OIT.{ Texto de Bruna Pereira } Sobre estes resultados, o Director Geral dos jovens que conseguem emprego, da OIT, Juan Somavia, declarou que “em muitos casos, estamos peranteUm bom começo laboral é não só cru- “os jovens são os motores do de- trabalho precário, que é mal re-cial para um bom futuro profissional, senvolvimento económico” e que munerado e que não tem protec-como também para a vida de cada um renunciar a este potencial é uma perda ção social. A falta deste trabalhode nós, da nossa família e da sociedade para a economia e pode comprometer digno causa nestes jovens enormeem geral. Uma boa oportunidade de a estabilidade social.“A crise pode ser frustração e incerteza perante otrabalho é ainda facilitadora de uma uma ocasião para rever as estraté- futuro e é também enorme factorboa carreira e de maiores possibilidades gias que visam resolver os proble- de custos sociais e económicos parade manter trabalhos dignos ao longo mas com que os jovens são con- as sociedades. Por outro lado, retirada vida. Contudo, e segundo o relatório frontados ao entrar no mercado ao sistema produtivo a capacidade“Global Employment Trends de trabalho.” Essas estraté- de inovação e criatividade que ad-for Youth 2010”, dos 620 gias globais e integradas vêm com estes trabalhadores jo-milhões de jovens eco- devem conjugar polí- vens.”, explica Mafalda Troncho.nomicamente activos, ticas de educação e Para a OIT, uma juventude motivada ecom idades com- formação e políti- produtiva é sinónimo de uma sociedadepreendidas entre os cas de emprego mais justa e mais solidária entre as suas15 e os 24 anos, 81 que visem espe- gerações, continua Mafalda Troncho.milhões não ti- cialmente os jo- “O emprego jovem está incluídonham emprego no vens, acrescentou. nos Objectivos de Desenvolvimentofinal de 2009 – o Também Mafalda do Milénio e, neste contexto, a OITque representou o ní- Troncho, membro tem liderado uma iniciativa do se-vel mais elevado de do Escritório da OIT cretário-geral das Nações Unidassempre, excedendo em 7,8 em Lisboa, sublinhou o relativamente à rede de empregomilhões o número de 2007. papel activo da Organização jovem. Por outro lado, criou aindaO relatório acrescenta que a taxa de onde trabalha. “Ajudar os jovens um departamento relacionado comdesemprego entre os jovens se revela a efectivar o seu potencial produ- estas questões e tem vindo a de-mais sensível à crise do que a dos adultos tivo e a potenciar as suas energias senvolver junto dos estados mem-e que, nas economias em desenvolvi- e talentos é não só o nosso desafio bros que o requerem acções demento, onde vivem cerca de 90% dos hoje como é o nosso melhor con- cooperação técnica em várias áreas,jovens, estes são mais vulneráveis em tributo para o futuro. A OIT está procurando prosseguir estes objec-termos de subemprego e de pobreza. ainda consciente de que mesmo no caso tivos.” FIM Governos querem salvar os jovens da crise Sara Elder, Economista da OIT no Employment porários em permanente e financiamento para desemprego a mais pessoas desempregadas, Department, recorda que têm sido várias as me- os programas de oferta de emprego de Verão incluindo os jovens, e expandir o seu actual didas laborais adoptadas pelos Governos para remunerados. “Em Abril, o Governo britânico programa de créditos fiscais aos empregadores atenuar o impacto negativo da crise sobre o em- anunciou que a partir de Janeiro de 2010, todas que contratem trabalhadores com idades com- prego dos jovens. São disso exemplo subsídios as pessoas com idade inferior a 25 anos que preendidas entre os 16 e 24 anos. A França ao emprego (por exemplo a isenção de con- estão desempregados há mais de um ano terão anunciou recentemente um plano global de tribuições para a segurança social e os benefícios uma oferta de emprego, formação ou exper- 500 milhões € para ajudar os jovens tanto em fiscais) para a contratação de jovens ou prémios iência de trabalho pagos. O Governo dos EUA continuar os seus estudos ou entrar no mercado ad hoc para a transformação dos contratos tem- anunciou que vai expandir os benefícios de de trabalho.”, exemplifica Sara Elder.
  • 39. com o patrocínio44 Guia do 1º Emprego 2011 Ana Macedo, CEO do Grupo KeyPoint “Procura ter competências que mais ninguém tem” todologia de problem based learning e Hotelaria e Turismo do Estoril um curso “aprender fazendo”. em Turismo de Saúde e Saúde no Tu- Em termos de áreas, neste momento te- rismo. mos a área de formação em Investigação Em jeito de conclusão acho que um aluno Clínica e a área Aprender Saúde virada dos cursos da ForPoint pode esperar ter para a formação de recursos humanos emprego nesta área, no final do seu curso. dos mais variados sectores, no sentido de capacitar cada pessoa a agir em situações Quais as vantagens da formação básicas de doença ou acidente e sensibilizar pós-graduada e qual a sua para a importância da prevenção. importância no actual panorama de emprego? O que pode esperar um aluno No actual panorama de emprego a ca- que ingresse numa formação da racterística, por ventura mais diferen- Forpoint? ciadora, e que pode fazer a diferença A primeira coisa que me ocorre dizer é entre conseguir ou não um emprego, que se sente alguma surpresa com a abor- é a capacidade de aliar conhecimentos dagem aos temas. Desde o primeiro mo- em áreas distintas e competências que A oferta formativa da Forpoint mento os alunos são convidados a dizer permitam transformar esses conheci- é alargada. Quais as lacunas o que pensam, o que sabem e, a partir mentos em mais valias para a profissão. detectadas na formação ou no daí constrói-se uma aula. O que isto quer Cada vez é menos suficiente ser bom mercado, que levaram a essa dizer? Que não há duas sessões iguais e num único domínio. oferta? que cada sessão é moldada pelo formador Quando a ForPoint iniciou a sua activi- mas sobretudo pelos interesses dos alunos. Sente que o mercado de dade, em 2005, praticamente não existia A maioria fica surpresa por não terem trabalho exige hoje mais dos no mercado português oferta de formação um professor a “ensinar”. recém-licenciados? no domínio da Investigação Clínica. A Um aluno que ingresse numa formação O mercado de trabalho quer jovens pron- partir da nossa experiência enquanto con- ForPoint pode faze-lo no âmbito de tos a desempenhar funções, não quer “bons sultores da indústria farmacêutica e da um master ou de um curso de pós gra- alunos”. Não chega saber, é fundamental minha experiência pessoal enquanto mé- duação ou através de um programa de saber fazer.Ter autonomia, trabalhar com- dica e docente de alguns cursos de pós- curta duração. O nosso master de in- petências, saber pensar e problematizar é graduação verificámos que existia uma vestigação clínica, actualmente na 2ª muito mais importante que qualquer tipo enorme lacuna entre as competências e edição é uma parceria com a Univer- de conhecimento teórico, que em qual- conhecimentos fundamentais para os pro- sidad Pompeu Fabra, uma das mais pres- quer momento se pode adquirir. fissionais da área da investigação em saúde tigiadas de Barcelona e de toda a Es- Hoje há menos tempo para tudo e,“en- e os conteúdos académicos transmitidos panha, ficando os formandos com o sinar” a estar pronto para começar a tra- pela maioria das instituições com forma- grau de mestre por esta Universidade. balhar devia ser um objectivo das Uni- ção neste domínio. A meu ver, talvez o Durante este curso há a possibilidade versidades. principal problema seja mesmo o conceito de passar uma semana em Barcelona e de “transmitidos”. Nesta área de actuação conhecer por dentro instituições que Que mensagem deixaria a um o que se pretende é saber fazer e saber fazem investigação clínica ao mais alto jovem recém-licenciado, prestes pensar. Uma formação baseada na trans- nível Uma outra possibilidade é obter a entrar no mercado de missão de conhecimentos não se adequa um estágio curricular em Barcelona. trabalho? ao desenvolvimento das competências Mas, há outros cursos virados mais para Na minha opinião, o trabalho é o que necessárias. a vertente de marketing da indústria far- fazemos com ele. E, já que passamos macêutica, como seja o curso de gestão tantas horas a trabalhar, devíamos fazer O que diferencia a Forpoint, no de informação médica. Esta pós-graduação alguma coisa que nos desse gozo. Acho que à formação diz respeito? prepara os formando para o desafio de que neste momento de crise, o que A ForPoint tem vindo a adequar a sua uma carreira na indústria farmacêutica mais conta é fazer a diferença e por oferta formativa ao longo do tempo, aban- dando-lhe ferramentas de marketing e isso, penso que a aposta deve ser em donando os modelos educativos tradi- de medicina, no que chamamos a titulo formação dirigida a objectivos especí- cionais e apostando no desenvolvimento de brincadeira o curso dos M&Ms. ficos e, que seja reconhecida como capaz de competências e partilha de conheci- Ainda no domínio das pós graduações e, de preparar o jovem para “fazer”. O mentos. Em termos pedagógicos desen- fugindo da área da investigação para a mote seria: “Procura ter competências volvemos os nossos cursos e programas área da saúde e bem estar, a ForPoint tem que mais ninguém tem (pelo menos de aprendizagem de acordo com a me- em parceria com a Escola Superior de num dado domínio)”. FIM
  • 40. patrocínio principal www.funpark.pt Kartódromo de Fátima 7 Maio ACP STUDENT DRIVE KART Campeonato Nacional de Kart entre Associações de Estudantes do Ensino SuperiorUm diainesquecível,com amigos,provas de Karte Orientação Inscreve-te já em www.univ.forum.ptuma iniciativa
  • 41. com o patrocínio46 Guia do 1º Emprego 2011 { Texto de Inês Menezes } Que futuro para o emprego e que empregos para o futuro? No actual contexto de crise, marcado pelo desemprego crescente e pela insta- bilidade da economia portuguesa, mas também pela mudança de paradigma em termos sociais, com o domínio das novas tecnologias, o aumento da esperança de vida, o aumento de responsabilidade social e ecológica, coloca-se a seguinte questão: Que futuro para o emprego e que empregos para o futuro? JOSÉ MANUEL SERUYA mesmo? Há margem para fazer coisas as nossas escolhas profissionais: Professor na Universidade concretas e ter acesso a um dos 80 mi- 1. Jobs aborda a vida com uma moti- Católica lhões de empregos disponíveis?”. vação de partida. Ele sente-se inspi- A propósito do futuro que cada um rado por ‘algo’ de grandioso, quer deixar José Manuel Seruya, incentiva os alunos tem à frente, José Manuel Seruya lembra uma marca no universo. e jovens à procura do 1º Emprego a algumas máximas que vale a pena citar: 2. A paixão de Steve Jobs está ancorada terem uma atitude positiva face à crise “Podemos não escolher o que nos no sentido ou significado maior que actual, frisando que “onde há crise há acontece, mas escolhemos o que fa- dá àquilo que faz (é preciso viver de também esperança”. zemos com o que nos acontece. Nin- forma apaixonada o trabalho, as relações, “Há uma quantidade enorme de opor- guém pode decidir por nós. A liberdade para quê adiar o que podemos viver tunidades para todos! Não podemos fi- de escolha é o nosso maior recurso, hoje?) car à espera da mudança de governo, anterior a qualquer saber ou recurso. 3. Essa paixão torna-se uma agenda do surgimento de novas políticas, novos Podemos ficar eternamente à espera pessoal, ou seja, uma forma de viver o Ministros do Trabalho ou das Finanças. que apareçam desafios excepcionais dia-a-dia, de estar inteiro nesse dia-a- É necessário encarar a questão do em- ou de ter o emprego certo, podemo- dia. prego a partir de cada um de nós, res- nos queixar dos governantes e do Es- 4. É preciso encontrar aquilo que nos pondendo às seguintes questões: que tado… permite estar inteiro; o que eu gosto desafios escolho para o meu futuro? Citando um discurso célebre de Steve de ser / fazer é tão importante quanto Neste ambiente de crise, que escolhas Jobs, J. M. Seruya lembra quatro pontos o que eu sei ser / fazer: “ You’ve got to faço? Que desafios coloco para mim essenciais sobre os quais devem assentar find what you love”.
  • 42. com o patrocínio 47 Guia do 1º Emprego 2011ANA CLAUDIA VALENTE empregos com baixas qualificações,Investigadora no ISCTE-IUL manter-se os de médias qualificações e Competências os empregos onde se exige altas quali- necessárias ficações irão aumentar. Haverá cada vez“O que é que é possível prever relati- › Conhecimento científico não évamente ao futuro? É incontornável a menos empregos para as pessoas pouco suficiente mas é indispensável.crise e o seu impacto na vida de todos qualificadas, enquanto as altas qualifi- (solidez do ponto de vista cientifico).nós. Embora alguns académicos tivessem cações terão um peso crescente. Cu- › Conhecimento multi e interdisciplinarprevisto esta crise, as projecções têm riosamente, mesmo ao nível das pro- (tem que se saber de várias áreas).vindo a ser alteradas. fissões mais elementares serão exigidas, › Diferentes combinações deQual é então o impacto da crise sobre no futuro, maiores qualificações. competências, hard (conhecimentoo emprego (CEDEFOP, 2010)? técnico) e soft (competênciasEstima-se que se reduziram, em 2010, Que empregos em que sectores? comportamentais e ) são importantes.10 milhões de empregos devido à crise. A tendência será para que o sector › Análise sistémica, abordagemEspera-se que haja uma recuperação terciário cresça e ocupe parte da mão- holística, análise de riscos.modesta até 2025, ou seja, que se volte › Criatividade, empreendedorismo, de-obra dos próximos anos. A UEa atingir o nível de emprego de 2008. pensamento crítico, curiosidade, tem projecções que mostram queAinda assim e apesar da crise, as pro- trabalho em equipa, liderança, cerca de 75% da população irá traba-jecções (CEDEFOP, 2010) apontam resolução de problemas, lhar maioritariamente nos sectorespara que na próxima década existam 7 adaptabilidade. terciários e Portugal acompanhará amilhões de novos empregos! › Competências tradicionais relevantes tendência! Por outro lado, o sector (neste sector terciário o potencial de primário e a indústria perdem em- inovação e de criação de negócio e prego (até 2020). emprego continua a crescer). São A construção civil tem previsto um au- Três grandes áreas muito intensivas em mão de mento de emprego, embora pequeno, ideias/tendências obra qualificada e de grande o que exigirá uma maior necessidade intensidade tecnológica. Muitas vezes de mobilidade! 1º A educação compensa são sectores que vão recuperar áreas Distribuição, transporte, serviços às em- Mais emprego, mais mobilidade, menos de negócio e competências e presas, turismo, serviços não mercantis, vulnerabilidade ao desemprego (todos profissões tradicionais, como o como a educação, a saúde, acção social, somos vulneráveis ao desemprego, mas turismo rural, cultural, os serviços de e os serviços de proximidade serão estamos mais protegidos se tivermos proximidade que passam a ser aqueles onde se assistirá a uma maior maior qualificação, sobretudo do fornecidas de forma mais profissional. evolução da criação de emprego. desemprego de longa duração). Recupera uma certa dimensão de Desta forma, podemos afirmar que 3/4 Mais perspectivas de carreira e de trabalho tradicional. da economia europeia estará concentrada progressão salarial (a diferenciação › Principais competências comuns a nos serviços, e ¼ estará no sector primário, salarial faz-se, sobretudo, pela todos os perfis de emprego: onde se inclui a construção e a indústria. diferenciação de qualificações). multidisciplinaridade; competências Como vemos, a tendência é clara- Mais participação em educação e sociais e culturais, técnicas de gestão mente a terciarização do emprego! formação ao longo da vida. Como é que a Europa pode 2º Mesmo em períodos de crise e de É possível estimar que 73 milhões de reforçar a sua competitividade intensa mudança estrutural… oportunidades de emprego tenham na economia mundial? ….há áreas, nichos, negócios com que ser substituídas, ou seja, que haja A nível europeu definiram-se 8 com- elevado potencial de criação de procura de mão-de-obra para empregos petências chave fundamentais a todos emprego (nem tudo está perdido…), já existentes, devido ao envelhecimento os indivíduos, independentemente da mas será provavelmente… da mão-de-obra, aos fluxos migratórios profissão, idade e nível de qualificação um emprego diferente. e às reestruturações de empresa. (devem estar adquiridas quando o se- mais intensivo em conhecimento. cundário está completo, ou então deve mais exigente em novas competências Que novos empregos vão haver oportunidade de desenvolver ao (não é um emprego standard). surgir? longo da vida): A primeira resposta é que serão em- 3º Competências-chave para todos… pregos exigentes em termos de quali- 1. Comunicação em língua materna e Não apenas hard skills, mas também ficação. estrangeira. soft e meta skills, são: Embora em 1996 houvesse já uma 2. Competências em matemática. cada vez mais valorizadas e distintivas. grande percentagem da população 3. Literacia científica e tecnológica. necessárias em múltiplos contextos de muito qualificada, a verdade é que no 4. Competências digitais. vida. espaço de 15 anos, a necessidade de co- 5. Aprender a aprender. aprendidas dentro e fora da escola. nhecimento se intensificou de forma 6. Competências sociais e cívicas. … e o mais cedo possível. brutal. 7. Iniciativa e empreedorismo. Num futuro próximo, irão diminuir os 8. Expressão cultural e consciência cultural.
  • 43. com o patrocínio48 Guia do 1º Emprego 2011 PEDRO PORTUGAL Para as mesmas qualificações, a mesma Os níveis de educação em Portugal são Professor da Universidade experiencia e região, as mulheres con- muito baixos comparativamente aos ní- Nova e economista no Banco tinuam a ser discriminadas em termos veis internacionais, o que se reflecte na de Portugal salariais, ou seja, continuam a condi- produtividade geral do país. cionar as suas decisões profissionais às A boa notícia é que um licenciado ga- “O mito de que acabaram os empregos decisões do marido (embora esta seja nha em média mais 63% do que uma para os licenciados não é verdade! uma realidade que aconteça cada vez pessoa com o secundário, sinal de há A taxa de desemprego dos licenciados menos). falta de pessoas licenciadas no mercado é a mais baixa de todas, assim como a E embora haja uma maior participação português. duração de desemprego é também me- das mulheres no mercado de trabalho, nor nos licenciados. Embora actual- sabemos que as mulheres são muito O que pensam os economistas do mente haja mais desempregados licen- menos agressivas a negociar os salários funcionamento do mercado de tra- ciados do que há 20 anos, isso deve-se do que os homens! balho? ao facto de haver mais licenciados! Como vimos pelos dados, ser licenciado A relação do empregador com o tra- Em termos de salário, o investimento traz inúmeras vantagens: em termos de balhador necessita de tempo, ou seja, é na formação compensa, pois a situação salários, em termos de empregabilidade preciso que se conheçam mutuamente, é também muito mais favorável para os (é menos provável que haja licenciados para, como em qualquer outra relação, licenciados. (ver tabelas 1 e 2) desempregados do que alguém sem es- experimentar e verificar se funciona. Relativamente à descriminação sexual colaridade); vantagens em termos de con- O mercado de trabalho deveria fun- no mercado de trabalho, verifica-se que tratação (existem menos contratos a prazos cionar como uma corrente de encontros no sector público esta não é muito acen- em jovens licenciados, além da preferência e desencontros, de enlaces e desenlaces tuada, embora no privado o nível de sa- do sector público pelos licenciados. Para até que se encontre a situação ideal para lários dos homens seja acentuadamente além disso, têm mais hipóteses de trabalho, ambas as partes. mais elevado do que nas mulheres. (ver (mais do que um posto de trabalho; mais Infelizmente, o mercado português não tabela 3) do que um emprego). está preparado para esta dinâmica e flui- TABELA 1 TABELA 2 TABELA 3 ÁREAS SALÁRIO ÁREAS SALÁRIO ÁREAS DIFERENÇA EM EUROS Informática 1.451.11 Serviços de transporte 3.342.82 Serviços de transporte -791 Saúde 1.436.62 Direito 2.369.89 Arquitectura e construção -685 Matemática e estatística 1.381.28 Engenharia e técnicas afins 2.331.54 Ciências empresariais -523 Ciências empresariais 1.357.20 Ciências empresariais 2.234.06 Ciências sociais e do comportamento -515 Engenharia e técnicas afins 1.350.80 Indústrias transformadoras 2.213.48 Indústrias transformadoras -495 Direito 1.283.48 Informática 2.147.20 Engenharia e técnicas afins -447 Indústrias transformadoras 1.281.70 Ciências sociais e do Ciências veterinárias -425 Ciências sociais comportamento 2.096.97 Serviços pessoais -421 e do comportamento 1.271.55 Matemática e estatística 2.082.04 Ciências físicas -402 Serviços de transporte 1.267.00 Arquitectura e construção 1.960.20 Agricultura, silvicultura e pescas -383 Ciências da vida 1.259.30 Ciências físicas 1.908.86 Direito -375 Protecção do ambiente 1.220.38 Saúde 1.901.25 Ciências da vida -361 Ciências veterinárias 1.214.79 Agricultura, silvicultura e pescas 1.899.07 Matemática e estatística -325 Arquitectura e construção 1.211.87 Ciências da vida 1.736.26 Informática -250 Ciências físicas 1.202.67 Ciências veterinárias 1.719.11 Artes -189 Agricultura, silvicultura e pescas 1.173.88 Informação e jornalismo 1.576.64 Formação de professores/ Informação e jornalismo 1.131.37 Humanidades 1.574.49 formadores e ciências da educação -182 Humanidades 1.063.93 Desconhecido ou Informação e jornalismo -131 Desconhecido ou não especificado 1.525.51 Saúde -108 não especificado 1.044.43 Protecção do ambiente 1.477.57 Humanidades -107 Serviços de segurança 1.026.67 Serviços de segurança 1.430.57 Protecção do ambiente -49 Serviços pessoais 1.017.25 Serviços pessoais 1.423.09 Serviços sociais -45 Serviços sociais 1.004.73 Artes 1.260.34 Serviços de segurança +57 Formação de professores/ Serviços sociais 1.239.16 formadores e ciências da edu. 979.17 Formação de professores/ Artes 949.92 formadores e ciências da edu. 1.215.97 Salário bruto médio mensal no sector privado Salário bruto médio mensal no sector privado para jovens recém-licenciados, com menos de para trabalhadores já estabelecidos no 30 anos. Dados dos quadros de pessoal de 2008 mercado de trabalho. Dados dos quadros de pessoal de 2008
  • 44. com o patrocínio 49 Guia do 1º Emprego 2011dez. Bem pelo contrário, uma vez que ANTÓNIO FIGUEIREDO continuação de uma formação, parao nosso mercado é o mercado mais es- Administrador da Quaternaire entrarem ligeiramente depois, mastático da OCDE, o que acarreta con- este ligeiramente depois também nãosequências negativas ao funcionamento Professor aposentado da Faculdade de pode ser infinito, pode durar uns 3do próprio mercado: a protecção ex- Economia da Universidade do Porto, ou 4 anos… A não ser que entremoscessiva que se dá aos empregados leva hoje Administrador da Quaternaire, numa fileira de ‘docs’ e ‘pós-docs’ atéa que haja poucos empregos disponíveis. António Figueiredo, frisa que, num fu- à reforma antecipada, que é uma op-Quanto menos tentativas e experimen- turo muito próximo, as empresas vão ção que não recomendaria a muitatações houver, mais difícil será encontrar exigir dos seus novos colaboradores gente, porque acho que isso é frutoo emprego certo, o que cria problemas “proactividade” e “capacidade de reso- de algumas frustrações de intervençãonão só às pessoas (que mesmo quando lução de problemas” – ferramentas que depois na vida cívica e na vida pú-estão descontentes com o seu trabalho não estão a ser dadas aos actuais alunos blica…têm receio de mudar), como ao fun- do ensino superior. Deixou-nos 4 tó-cionamento da economia. picos a ter em conta para os próximos Perceber em que fase da criseA protecção ao emprego beneficia tempos. nos encontramosquem está no activo, mas desprotege As economias evoluem através de ciclosquem está fora do mercado de trabalho Ser proactivo a nível longos ou ondas longas – espaços de 45e contribui para aumentar a duração individual e organizacional – 60 anos, nos quais as economias têmdo desemprego. No entanto, e apesar A procura de emprego tem de ser muito alguns períodos ascendentes e outros emda falta de dinâmica do nosso mercado proactiva – e essa proactividade não é que começam a desacelerar. Portanto, po-de trabalho, todos os anos são criados apenas ao nível dos indivíduos. A ques- demos estar já numa transição entre pa-e destruídos 600 mil postos de trabalho tão da proactividade tem de ser também radigmas, embora não conheçamos qualno sector privado. ao nível das organizações, sobretudo é o paradigma que vem aí e quais os fac-Citando Fernando Pessoa, “Legisla-se, das que oferecem e que produzem as tores que vão agitar e animar a economiaem favor do operário ou empregado, qualificações. Esta questão irá diferenciar, nos próximos 20, 35 anos. O mundo de-contra o comerciante e o industrial e num futuro próximo, as organizações senvolvido está com perspectivas de cres-contra o consumidor e supõe-se que do ensino superior e de ensino pós- cimento muito moderadas e isso é umsobre este empregado ou operário não graduado em termos competitivos – e problema para nós, porque exportamosrecairão nunca os efeitos dessa legisla- não vale a pena ignorar que mesmo no para esse mundo desenvolvido e sabemosção. ensino público se vai colocar este pro- que as únicas expectativas que são pro-Limita-se a produção com restrições blema da diferenciação em termos com- missoras em matéria de crescimento eco-sobre restrições das horas e das condi- petitivos. nómico estão numa periferia muito es-ções de trabalho… A legislação restritiva Lembremos ainda que os candidatos pecial de países como China, Índia oudesta espécie é responsável por grande não escolhem o momento estrutural Brasil. Por muito imaginativos que sejamosparte das crises industriais e comerciais em que entram no mercado de tra- nas políticas públicas de empregabilidade,com que o mundo inteiro hoje se vê a balho: podem entrar logo a partir de a relação crescimento-emprego é funda-braços”. uma licenciatura ou investir antes na mental e não a podemos ignorar.
  • 45. com o patrocínio50 Guia do 1º Emprego 2011 Temos hoje uma percepção incompleta, lários intermédios.As oportunidades de estamos num ambiente em que a pa- muito difusa e extremamente arriscada emprego estão a destruir-se nas ocupa- dronização dos cursos é muito fácil, o sobre os domínios que vão assegurar o ções em que a rotinização e a automação conhecimento é uma coisa que circula emprego da população nos próximos são possíveis, isto é, nas tarefas onde po- muito e na minha perspectiva o que tempos.A generalidade dos poderes pú- demos ser substituídos por uma máquina, vai acontecer – exceptuando nas uni- blicos tenta saber onde é que deve apostar por um computador ou por uma ex- versidades de topo, onde a ligação in- e isto tem muita consequência nas nossas ternalização a fim de pôr esse serviço a vestigação–formação é muito activa e próprias estratégias proactivas de procura ser feito noutro país qualquer. No topo há grande produção de conhecimento. de emprego e nas organizações… Porque e na base da pirâmide não há este risco, É aqui que as massas críticas vão acabar há que saber onde apostar. porque ambas as tarefas não são suscep- tíveis de ser automatizadas e vão sobre- A procura de Aproveitar as competências vivendo à crise. académicas para figurar no Esta polarização é terrível, terrível por- emprego tem de ser topo da pirâmide que atravessa de maneira decisiva os muito proactiva Há um fenómeno que, na literatura do mercados de trabalho e, na economia trabalho, se chama polarização – a evi- portuguesa, começa a haver sinais disto. por se diferenciar. Portanto, o modo de dência empírica, muito segura, de que funcionamento das organizações vai há dois tipos de ocupações que têm tido Aceitar que há universidades distinguir onde estarão as grandes or- um mundo crescente de oportunidades e universidades… ganizações que vão dinamizar a procura de emprego. Estou a referir-me ao topo Há aqui outra questão em que eu gos- activa de emprego, o empreendedo- da pirâmide (ocupações com qualifica- taria de me fixar, porque me parece rismo e que vão dinamizar uma coisa ção mais elevada, salários mais elevados que são as grandes tendências de alte- que em Portugal nós temos muita di- e cujos postos de trabalho têm resistido ração das organizações universitárias e ficuldade em aprender que é a capaci- muito bem à grande recessão); e a base politécnicas, que é aquilo que eu cos- dade de resolução de problemas. A da pirâmide (baixas qualificações e baixos tumo chamar de aprendizagem em di- grande parcela dos cursos universitários salários, que também têm tido crescentes recção à empregabilidade e à procura em Portugal forma pessoas para uma oportunidades de emprego). Portanto, activa de emprego. Isto vai implicar, do outra coisa qualquer, mas não forma o topo e a base desta pirâmide têm tido meu ponto de vista, uma organização para a capacidade de resolução de pro- oportunidades crescentes de emprego. das instituições de ensino superior to- blemas e esta vai ser uma das compe- Onde é que se tem perdido emprego? talmente distinta da que nós tivemos tências que as empresas vão procurar Nas qualificações intermédias e nos sa- nos últimos tempos. Porquê? Porque mais. FIM
  • 46. TRANSFORMA OS TEUS COSMÉTICOS EM DINHEIRO!Tens gasto muito dinheiro em Cosméticos ultimamente?É altura de os transformares em Dinheiro!Aproveita esta Oportunidade, partilha-a com os teus amigos e ajuda-os a rentabilizar os Cos-méticos, transformando-os em dinheiro. É uma forma eficaz de ganhares dinheiro hoje parapreencheres os teus sonhos amanhã. Sabe mais em www.oriflame.ptDestaca e pede já o teu catálogo enviando para:OriflameEstrada de Tala - Cr uzamento S.. M alaíde Marcos - Pavilhão 42739-503 CacémNome:Morada:E-mail: Telefone: f
  • 47. com o patrocínio52 Guia do 1º Emprego 2011 A carreira profissional começa na universidade! Feiras de emprego, newsletters com ofertas formativas e profissionais variadas, coordenação de estágios curriculares e profissionais, workshops sobre como elaborar um CV ou como comportar-se numa entrevista de trabalho e muito mais. As universidades e politécnicos portugueses apostam agora em gabinetes modernos e especializados que ajudam os seus alunos e alumni a enfrentar as exigências de um mercado de trabalho cada vez mais competitivo. { Textod de Bruna Pereira } Dorado’ que tanto as pessoas an- parte dos estudantes – em relação seiam, apesar de ser um requisito ao apoio e aconselhamento nas Podem ser Gabinetes de Apoio ao obrigatório”. questões de transição para o mer- Aluno; Serviços de Relações Externas Para alertar sobre este e outros factos a cado de trabalho, nomeadamente e Integração Académica; Gabinetes de ter em conta no momento de arregaçar de forma a permitir aos alunos Saídas Profissionais ou ainda de Inserção as mangas e começar a procurar um contextos de aprendizagem mais na Vida Activa. As designações variam consoante a instituição e as entidades parceiras, mas o objectivo destes serviços “O grande objectivo destes serviços não é o mesmo: garantir que a entrada no é colocar as pessoas dependentes da nossa mercado de trabalho, após uma licen- actuação, mas sim colocar as pessoas em ciatura ou um mestrado, não seja um salto de pára-quedas sem preparação acção.” Sofia Veiga, FEP prévia… Até porque, como refere Sofia Veiga, do Serviço de Relações Externas emprego, as universidades e politécnicos próximos da realidade do mercado e Integração Académica (SEREIA) da portugueses têm estado atentos às preo- de trabalho. Como estas compe- Faculdade de Economia da Universi- cupações dos estudantes. “Segundo tências não se adquirem num dia, dade do Porto (FEP), “licenciatura, alguns estudos, concluiu-se que, nem com uma formação, a FEUP mestrado e doutoramento não ga- cada vez mais, há uma maior pro- procura desenvolver planos curri- rantem hoje um emprego, esse ‘El cura – e até mesmo exigência por culares integrando essas mesmas
  • 48. pubcompetências transversais, as softskills, numa unidade curricular,através do Projecto FEUP (vercaixa)”, refere Fernanda Correia, doServiço de Integração Profissional daFaculdade de Engenharia da Universi-dade do Porto (FEUP), acrescentandoque a integração no mundo do trabalho À velocidade da luz. Para todos aqueles que acham que entrar nos gabinetes das universidades e politécnicos para fazer uma simples pergunta demora muito tempo, tem de ser marcado com antecedência e, como são tantos alunos, dificilmente chegará a nossa vez… Fiquem a saber que já há instituições apologistas do sistema Walk in. Cristiana Oliveira, do Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo (ISCET) explica que há perguntas rápidas que não têm de passar pelo processo de marcação de reunião. “Basta tocarem à porta. Têm 15 minutos para fazerem as perguntas todas que têm a fazer e irem depois embora. Nós estamos disponíveis o dia todo – até às 9h da noite, se for preciso!”é um processo complexo e desafiante,sendo frequente os alunos não saberemquais as melhores estratégias a adoptarde forma a aumentarem o seu potencialdurante o processo de acesso a umaoportunidade de emprego. pubBolsas de emprego, estágiose muito mais“O serviço de Bolsa de Empregotem como objectivo principal apromoção de contactos com omundo de trabalho, especialmentecom empresas e instituições po-tencialmente promotoras das áreasde Ciências. Proporcionamos, apósa inscrição dos estudantes licen-ciados na Bolsa de Emprego On-line, atendimento personalizado -pesquisa na bolsa de emprego detodas as oportunidades de empre-gabilidade e formação e bolsas deinvestigação. Tudo o que seja dointeresse dos nossos alunos é pu-blicado na Bolsa de Emprego On-line”, refere Elisabete Rodrigues, doGabinete de Imagem e Relações como Exterior da Faculdade de Ciênciasda Universidade do Porto (FCUP). AFCUP disponibiliza ainda aos seus es-tudantes o PEEC - Programa de Está-gios Extra-Curriculares não remune-rados que podem decorrer em empresas,centros, laboratórios de investigação daUniversidade do Porto e em Projectosde Investigação Individuais, com dura-
  • 49. com o patrocínio54 Universidade Católica Portuguesa Guia do 1º Emprego 2011 “Mais que profissionais… ção entre 2 e 10 meses. “O PEEC vindo a elaborar estudos sobre a em- Formamos pessoas” pretende que os alunos atinjam pregabilidade dos seus diplomados, “O papel da universidade não é um nível de formação que lhes como exemplifica Cristiana Oliveira, apenas ensinar a saber fazer. As permita desempenhar, com su- do Instituto Superior de Ciências Em- aulas são fundamentais, mas para cesso e responsabilidade, tarefas de presariais e do Turismo (ISCET). “Te- além dessa formação académica em carácter profissional, e assim avaliar mos um Observatório de Empre- sala, desenvolvemos várias os seus conhecimentos em am- gabilidade, onde todos os anos fa- iniciativas que permitem biente real de trabalho”, continua zemos inquéritos sobre a desenvolver os alunos como Elisabete Rodrigues. empregabilidade dos nossos cursos pessoas em várias dimensões. É e cujos resultados estão disponíveis aqui que entra o nosso gabinete”, Alumni vistos à lupa no nosso site para quem quiser destaca Madalena Paiva, Conscientes da importância que a re- consultar. Também fazemos um Coordenadora do Desenvolvimento de lação da formação académica e a acti- inquérito às empresas para saber Carreiras da Faculdade de Ciências vidade profissional têm para o desen- o que elas procuram nos alunos Económicas e Empresariais da volvimento duma sociedade de conhe- recrutados, para podermos adaptar Universidade Católica Portuguesa, cimento cada vez mais global, as os conteúdos programáticos dos sublinhando que o desenvolvimento instituições de ensino superior têm nossos cursos”. dos alunos deve ser feito com base A propósito deste tópico, Graça Piçarra, em experiências de estágio, Chefe de Divisão do Apoio à Gestão experiências de voluntariado, Projecto FEUP do Instituto Superior de Agronomia experiências internacionais como o (ISA), alerta para o facto destes estudos programa ERASMUS e outras Engenheiros serem, ainda assim, algo ‘limitados’ por- experiências extra-curriculares. “Há desde o 1º dia que muitas vezes os alunos não respon- várias actividades que nos fazem Os alunos da Faculdade de dem e a amostra conseguida é pouco crescer e é aí que nós ajudamos os Engenharia da Universidade do Porto representativa. “Normalmente, ou nossos alunos a reflectir sobre onde (FEUP) são preparados para entrada respondem aqueles que estão é que estão neste momento, onde é no mercado de trabalho desde o 1º muito satisfeitos (os que arranja- que querem chegar e o que é que é dia de aulas, nomeadamente através ram um emprego que os satisfaz preciso desenvolverem para darem do Projecto FEUP. Trata-se de uma muito) ou aqueles que não estão resposta àquilo que são as unidade curricular que, desde o ano nada satisfeitos (os que não arran- necessidades no mercado.” lectivo 2004/2005, tem recebido e jaram colocação e continuam à Madalena Paiva convida todos os integrado os caloiros na vida escolar, procura). Portanto, o que conse- alunos de hoje e trabalhadores de tendo como grandes objectivos dar a guimos são dados de dois pólos amanhã a fazerem o seguinte conhecer os principais serviços que nem sempre são representati- exercício: “Imaginem que estão na disponíveis na faculdade, dar vos. Temos de ter cuidado com festa do vosso 70º aniversário e têm formação inicial nas áreas conhecidas isso.”, refere Graça Piçarra. FIM lá toda a gente – colegas de como soft skills, alertando para a sua trabalho, amigos e familiares. Aqui importância ao longo da carreira em o desafio é saber o que é que Engenharia. Ao longo do Projecto querem que cada uma destas FEUP são abordadas questões pessoas dissesse sobre vocês. Isso relacionadas com a ética, o plágio e a vai ser exactamente aquilo que necessidade da correcta referenciação vocês vão querer construir ao longo das fontes utilizadas nos trabalhos de da vossa vida… Que começa investigação, a prática de agora”. comunicação oral, escrita e visual, a elaboração de relatórios e posters, pesquisas, organização e síntese de informação, a reflexão sobre como estudar no ensino superior, o contacto e o uso de diversos recursos da faculdade, o treino de aplicações de software, entre outras. O Projecto FEUP tem ainda direito a uma semana exclusiva, em que os estudantes do 1º ano se dedicam apenas às actividades/apresentação de trabalhos do Projecto FEUP, sem ter aulas de outras cadeiras do curso. Site oficial: http://paginas.fe.up.pt/~projfeup/

×