TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo

  • 433 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
433
On Slideshare
433
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPUS XIV GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - RADIALISMO DOUGLAS SANTOS DE OLIVEIRA JUSSARA OLIVEIRA DE SOUZA LUIS ANSELMO OLIVEIRA DA SILVA VOZES LIBERTADORAS: MEMÓRIAS DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO SISAL CONCEIÇÃO DO COITÉ 2013
  • 2. DOUGLAS SANTOS DE OLIVEIRA JUSSARA OLIVEIRA DE SOUZA LUIS ANSELMO OLIVEIRA DA SILVA VOZES LIBERTADORAS: MEMÓRIAS DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO SISAL Trabalho de conclusão apresentado ao curso de Comunicação Social - Habilitação em Radialismo, da Universidade do Estado da Bahia, como requisito parcial de obtenção do grau de bacharel em Comunicação, sob a orientação da Professora Me. Carolina Ruiz. CONCEIÇÃO DO COITÉ 2013
  • 3. Silva, Luis Anselmo Oliveira da S586v Vozes libertadoras: memórias do processo de construção da Comunicação comunitária no território do sisal. -- / Luis A. O. da Silva; Douglas Santos de Oliveira e Jussara Oliveira de Souza. Conceição do Coité: O autor, 2013. 621fl.; 30 cm. Orientador: Profª. Ms. Carolina Ruiz Macedo . Trabalho de Conclusão de curso - TCC (Graduação) – Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação, Conceição do Coité, 2013 1. Comunicação - Comunitária. 2. Documentário 3. Memória. I. Carolina Ruiz Macedo. II. Universidade do Estado da Bahia. Departamento de Educação – Campus XIV. III. Título. CDD 302.2 -- 20 ed. Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Departamento de Educação – Campus XIV - UNEB
  • 4. DOUGLAS SANTOS DE OLIVEIRA JUSSARA OLIVEIRA DE SOUZA LUIS ANSELMO OLIVEIRA DA SILVA VOZES LIBERTADORAS: MEMÓRIAS DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO SISAL Trabalho de conclusão apresentado ao curso de Comunicação Social - Radialismo, da Universidade do Estado da Bahia, sob a orientação da Professora Me. Carolina Ruiz. Data:__________________________________________ Resultado:______________________________________ BANCA EXAMINADORA Professor Me. Carolina Ruiz de Macedo (orientador) Assinatura______________________________________ Prof. Me. Marcos Cezar Botelho de Souza (UNEB) Assinatura_____________________________________ Prof. Me. Tiago santos Sampaio (UNEB) Assinatura_____________________________________
  • 5. Dedicamos esta produção aos nossos pais e irmãos, e, em especial, a Julieta Oliveira de Souza, Maria da Silva Santos, Allan Lima e Edisvânio Nascimento, pelo carinho, pelas preces, pelo apoio incondicional que ao longo dessa jornada foram imprescindíveis.
  • 6. AGRADECIMENTOS A Deus e nossa mãe Maria... É assim que propomos esse breve agradecimento, como algo que não necessita de citações detalhadas. Então, nossa gratidão nos dá o direito de escrever assim... Pois os sentimentos são os mais sinceros... Um singelo, carinhoso e demorado abraço de agradecimento à nossa família... Um abraço de agradecimento a nossa orientadora, Carolina Ruiz, pela construção de ideias e conhecimentos, pelo compartilhamento do saber. Um profundo agradecimento à Edisvânio Nascimento, e a todos os nossos entrevistados pela ajuda e atenção nos momentos em que os recorremos. Um “viva” de agradecimento aos nossos amigos. Aos nossos companheiros (amigos) de trabalho, pela flexibilidade e compreensão, sem queixas, das ausências necessárias à conclusão deste trabalho. Amigos de uma vida, que fazem a nossa ser bem mais colorida. A todos aqueles que de alguma forma colaboraram durante o processo de realização desse trabalho, nosso MUITO OBRIGADO(A)!
  • 7. Recordar nunca é uma ação tranquila de introspecção ou de retrospecção. Esta é uma recordação dolorosa, o reagrupamento de um passado desmembrado para que o trauma do presente possa ter sentido. Homi K. Bhabha. 1994
  • 8. RESUMO Por meio da produção de um documentário, o presente trabalho busca registrar as memórias individuais dos militantes que participaram do processo de luta e conquista da comunicação comunitária no Território do Sisal. O pressuposto teórico parte da ideia do documentário enquanto “lugar de memória”, buscando compreender, a partir das leituras e entrevistas, como o fenômeno das rádios comunitárias e a criação de entidades de comunicação fizeram com que os atores sociais instituíssem a comunicação como fundamental para a mobilização social no território. A fim de realizar o documentário, também nos debruçamos sobre pesquisas bibliográficas para entender as possibilidades criativas do documentário e então proceder às escolhas estéticas do produto final. Palavras-chave: Comunicação Comunitária; Território do Sisal; Documentário; Memória.
  • 9. ABSTRACT Through the production of a documentary, this present work seeks to register the individual memories of the activists who have been participating in the struggle process and achievement of the community communication in the Sisal Territory. The through them, build the idea of the documentary while “memory’s place”, waiting understand, through of the reads and interviewers, similar the community radios fenomeno and a create of entities of communication did with the social actors made a communication who social mobilization in the territory. In order to make a documentary, also went through the library research to understand the creative possibilities of the documentary and then proceed to the aesthetic choices of the final product. Key words: Community Communication, Sisal Territory, Documentary. Memory.
  • 10. LISTA DE QUADROS E FIGURAS Figura 1: Mapa do Território do Sisal ........................................................................17 Figura 2: Quadro do cronograma de atividades ........................................................36 Figura 3: Quadro do orçamento das despesas .........................................................37
  • 11. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO................. .....................................................................................10 2. COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA: CONCEITO E HISTÓRIA..............................13 2.1 A COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO SISAL..................16 2.2 MUDANÇAS DE CENÁRIO .............................................................................20 3. MEMÓRIA E DOCUMENTÁRIO: O FLUXO DA ORDEM DO IMAGINÁRIO E DA IMAGINAÇÃO...........................................................................................................23 3.1 MEMÓRIA: DESEJO DE REGISTRO ..............................................................23 3.2 DOCUMENTÁRIO: CONCEITOS E FORMAS.................................................26 4. UNIDADE, CONFRONTOS E DIVERSIDADE... O FAZER DOCUMENTÁRIO....33 4.1 PRÉ- PRODUÇÃO ..........................................................................................33 4.2 PRODUÇÃO ....................................................................................................37 4.2.1 DETALHAMENTO DAS GRAVAÇÕES .....................................................38 4.3 PÓS-PRODUÇÃO............................................................................................41 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ..................................................................................43 REFERÊNCIAS.........................................................................................................45 APÊNDICE....................... .........................................................................................48 ANEXOS....................................................................................................................54
  • 12. 10 1. INTRODUÇÃO As rádios comunitárias surgiram no Território do Sisal na década de 1990, como expressão dos movimentos sociais da região, dando início à luta pela democratização da comunicação no território. Peruzzo (2007) diz que a democracia no poder de comunicar é condição para a ampliação da cidadania. Mesmo ainda não tendo alcançado todos os objetivos dos movimentos, as rádios comunitárias têm a missão de mobilizar os interesses sociais da comunidade, desempenhando um papel social fundamental para o fortalecimento da sociedade, através de seus discursos e debates a respeito da cultura, educação, meio ambiente, saúde, políticas públicas, entre outras questões. Não há como falar em comunicação comunitária no Território do Sisal sem citar o papel das rádios comunitárias. Foram elas instrumentos iniciais para a comunicação comunitária no território e através delas a comunidade teve a possibilidade de ter voz e de expressar suas opiniões. Ou seja, as rádios tornam a comunidade não somente receptora da mensagem, mas também protagonista da mensagem e de como ela é gestada. Para Peruzzo (2007), a comunicação comunitária que vem sendo gestada dentro dos movimentos populares é produzida no âmbito das comunidades e de agrupamentos sociais com identidades e interesses comuns. Sendo assim, é uma comunicação que deve se comprometer com os interesses da comunidade, visando seus direitos e deveres de cidadania. A comunicação comunitária, quando desenvolvida em base democrática, simboliza o acesso democrático e a partilha do poder de comunicar. É um processo em que todo receptor de mensagens dos meios de comunicação tem o potencial de se tornar sujeito de comunicação, um emissor (PERUZZO, 2003, p. 250). Mas, considerando o processo de implantação da comunicação comunitária no Território do Sisal, nos deparamos com um conquista árdua. Muitas lutas aconteceram para que a comunicação deixasse de ser simplesmente um “sonho” e se tornasse uma realidade no território. Para isso mobilizações, reuniões, plenárias, discussões políticas e sociais, processos e repressões fizeram parte da construção da comunicação comunitária na região. Para a realização do projeto experimental, este trabalho se propôs a produzir um documentário com a predominância da representação fílmica no modo
  • 13. 11 participativo, apresentando as memórias da construção da comunicação comunitária no Território do Sisal. Tal abordagem busca ouvir os militantes que participaram do processo de luta e conquista da comunicação comunitária no Território do Sisal; aprender como se dá a construção das mobilizações sociais pelos movimentos, suas articulações, e como se organizaram em prol da comunicação comunitária no Território Sisaleiro. Sendo assim, este trabalho propõe-se a registrar a memória de cada entrevistado, entendendo que estes são fragmentos que compõem a memória coletiva de uma comunidade no processo de sua identidade, servindo para uma reflexão e entendimento do mundo ao qual pertencemos e atuamos. Embora a discussão sobre a comunicação comunitária seja um tema recorrente no contexto social e histórico do território (de grande importância para a implantação do curso de Comunicação Social com habilitação em Rádio e TV1 no campus da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, em Conceição do Coité), até o momento não há registro audiovisual sobre essa temática. A produção em documentário diferencia-se de outros trabalhos já apresentados relacionados a este tema, dando a possibilidade através da dinâmica de inserção de imagens de arquivo, sons, materiais até então não vistos, e trazendo ao tempo presente momentos que tenham sido esquecidos ou até então nunca levantados ou questionados. Além disso, a partir de uma nova forma de apresentação, novos públicos podem ser atingidos e outras ideias e conclusões a serem suscitadas. Assim, dar voz a este tema através do audiovisual pode ser uma contribuição a mais que venha a favorecer a formação de políticas públicas de comunicação para o Território do Sisal. Para Nichols (2005), a concepção de voz está intimamente ligada à forma como o cineasta expressa uma perspectiva, como ele transmite e representa sua visão sobre questões, problemas e características do mundo histórico. Contudo, essa voz não está limitada apenas ao que é dito verbalmente ou narrado, mas abrange todos os mecanismos que o cineasta dispõe para criar seu argumento. A voz está claramente relacionada ao estilo, a maneira pela qual um filme, de ficção ou não, molda seu tema e o desenrolar da trama ou 1 O curso de comunicação Social é uma demanda dos movimentos sociais da região.
  • 14. 12 do argumento de diferentes formas, mas o estilo funciona de modo diferente no documentário e na ficção. A ideia da voz do documentário representa alguma coisa como “estilo com algo mais”. [...] A voz do documentário releva uma forma distinta de envolvimento do mundo histórico (NICHOLS, 2005, p.74). O primeiro capítulo deste memorial detém-se em um debate teórico do conceito de Comunicação Comunitária, a necessidade de apropriação de uma comunicação voltada para os interesses da comunidade e a atuação da comunicação comunitária nesse ambiente social. Apresenta um apanhado histórico da Comunicação Comunitária no Território do Sisal, pontuando os aspectos econômicos, políticos, sociais e culturais do território, assim como o seu fortalecimento através da organização popular. O segundo capítulo é destinado a discussões acerca do conceito de documentário e sobre as técnicas para a construção do vídeo, seguindo as teorias de Nichols (2005), Lins (2004/2008), Ramos (2008), Penafria (1999) e Puccini (2012). É nesse contexto que pretendemos discutir e entender como o documentário se apropria da memória e a memória se apropria do documentário para a construção de uma memória social. O documentário “diz respeito às nossas vidas, às nossas memórias, ou seja, ao universo humano” (PENAFRIA, 1999, p. 6). O terceiro capítulo descreve as fases de produção do documentário, desde a construção da ideia, passando pela pesquisa de campo, gravações, dificuldades enfrentadas, edição e conclusão do produto, seguindo a linha “pré- produção, produção e pós-produção”.
  • 15. 13 2. COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA: CONCEITO E HISTÓRIA A comunicação é um direito de todo cidadão, tendo ela abrangência em todos os níveis sociais, com objetivo de informar e contribuir para a construção da cultura social, educação e identidade de um povo (PERUZZO, 2004). Diversas mudanças sociais acontecem mediante o contato entre os sujeitos e a informação. Através do direito à comunicação, que por sinal é “garantido” pela constituição2 , o indivíduo tem acesso aos meios de comunicação na condição de emissor e difusor de conteúdos. A participação ativa do cidadão, como protagonista da gestão e da emissão de conteúdos, propicia a constituição de processos educomunicativos, tornando-o protagonista da história da sociedade. O conceito de comunicação comunitária está intimamente associado à busca pela legitimação da cidadania, democracia e outros fatores que não contemplam de fato os excluídos da sociedade. Na visão de Peruzzo (2003), revela- se como um fenômeno complexo, pois não tem a viabilidade amplificada como no caso da grande mídia, além de poder ser compreendida de diferentes maneiras3 . Contudo, são necessários alguns princípios fundamentais para a legitimação de uma comunicação comunitária, ou seja, não basta que a mesma seja de baixo alcance e que se destine a pequenas localidades. Segundo Peruzzo (idem, p. 246): A comunicação comunitária diz respeito a um processo de uma “comunidade”, não apenas como receptores de mensagens, mas como protagonistas dos conteúdos e da gestão dos meios de comunição. O que não quer dizer que outras formas não tão democráticas de fazer comunicação (por exemplo, aquelas centralizadas em pessoas ou em pequenas equipes, conteúdos produzidos fora por especialistas espaços para conteúdos de caráter público na programação de meios comerciais) possam ser prontamente descartadas como não comunitárias. Há que se observar cada caso, cada experiência, pois tudo depende das condições locais, das identificações que se consegue realizar, do significado dos “serviços” prestados em cada lugar. 2 Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição. (Constituição da República Federativa do Brasil de 1988) 3 Diferentes manifestações de comunicação que ocorrem em nível local são colocadas indiscriminadamente sob o rótulo de comunitárias.
  • 16. 14 No Brasil a história da comunicação sempre esteve rodeada por grupos políticos e interesses pessoais; suas programações tinham abrangência nacional, privando o povo de uma programação regional. Diante desse cenário da comunicação brasileira, na década 70, surgem os primeiros movimentos populares em prol de uma comunicação feita pelo povo e para o povo, na qual participaram os movimentos sociais, sindicatos, grupos de líderes comunitários que lutaram para que a comunicação comunitária deixasse de ser um projeto e se tornasse uma realidade em muitas comunidades no território nacional. Movimentos populares são manifestações e organizações constituídas com objetivos explícitos de promover a conscientização, a organização e a ação de segmentos das classes subalternas visando satisfazer seus interesses, como os de melhorar o nível de vida, através do acesso às condições de produção e de consumo de bens de uso coletivo e individual; promover o desenvolvimento educativo-cultural da pessoa; contribuir para a preservação ou recuperação do meio ambiente; assegurar a garantia de poder exercitar os direitos de participação política na sociedade e assim por diante. (PERUZZO, 2004, p.3) Para Peruzzo (2004, p. 2-3), a comunicação é mais que meios e mensagens, pois se realiza como parte de uma dinâmica de organização e mobilização social, marcada por uma proposta de transformação social e, ao mesmo tempo, de construção de uma sociedade mais justa, abrindo possibilidades para a participação ativa do cidadão comum como protagonista do processo. Deste modo, diante da concentração dos canais de comunicação nas mãos de poucos, fato que restringe a democratização, surge a Comunicação Comunitária– que tem o propósito de viabilizar a todos o direito de comunicar-se – como meio alternativo para atender aos interesses e necessidades coletivos. A comunicação comunitária surge no âmbito dos movimentos populares, sendo ela construída em comunidades, grupos sociais e organizações de interesses comuns com a comunidade em que estão inseridos. Cada região produz sua comunicação baseada na região e cultura de seu povo, valorizando suas crenças, histórias e patrimônios locais. A linguagem e a programação devem estar em sintonia com o contexto local, sempre valorizando sua cultura e apresentando de
  • 17. 15 forma educativa outras culturas e a luta pelos direitos, bem como o cumprimento dos deveres. A comunicação comunitária é entendida erroneamente por muitos como uma comunicação feita para as pessoas de baixa renda, mas, para Deliberador e Vieira (2005, p. 8), é o canal de expressão de uma comunidade independente do seu nível socioeconômico e território, por meio do qual os próprios indivíduos podem manifestar seus interesses comuns e suas necessidades mais urgentes. Por ser um instrumento de prestação de serviços e formação do cidadão, deve ter sempre a preocupação de estar em sintonia com os temas da realidade local. A comunicação comunitária é, portanto, uma forma particular de expressão da própria sociedade. Sendo assim, Peruzzo (2003) cita a valorização do local na sociedade contemporânea. Mesmo no auge da globalização e em tempos de comunicações de longas distâncias, as pessoas se interessam pelo que está próximo, pelo que atinge diretamente suas vidas e demonstram valorizar as coisas da comunidade, pois querem saber dos acontecimentos que ocorrem ao seu redor. Ainda segundo Peruzzo (2011), é uma comunicação que se compromete, acima de tudo, com os interesses das “comunidades” onde se localiza e visa contribuir na ampliação dos direitos e deveres de cidadania. Sendo assim, a comunicação comunitária está a serviço de todo um povo, visto que todos fazem parte de uma mesma sociedade, mesmo estando em lugares diferentes. Até os anos 1990, a comunicação comunitária era vista como um meio de mobilização e expressão de movimentos sociais; após um amplo trabalho de reflexão de seu real papel na sociedade, percebeu-se que a comunicação comunitária é um direito de cidadania. A partir daí surgem as lutas pela democratização da comunicação, políticas nacionais para a efetivação e legitimação de meios e instrumentos de comunicação do povo, como rádios e TVs, jornais locais/regionais e boletins informativos, meios de comunicação construídos a partir das realidades das comunidades.
  • 18. 16 2.1 A COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO SISAL Localizado na região semiárida do País e no Nordeste do Estado da Bahia, o Território do Sisal tem essa denominação por causa da planta que se caracteriza como principal fonte de atividade econômica da região. O sisal, ou agave sisalana perrine, é originário do México e foi introduzido na Bahia em 1903. Por ser “uma planta rústica e suculenta, de cor verde, folhas lisas e com grande capacidade de retenção de água da chuva e orvalho” (MARQUES, 2002, p. 15 apud MORAIS, 2011, p. 186), se adaptou ao clima da região e possibilitou grandes mudanças para a vida da população, fornecendo subsídios para a permanência do homem no campo continuando a ser uma das principais bases de apoio da economia regional. O Território do Sisal é constituído por 20 (vinte) municípios e é habitado por 582.329 pessoas numa extensão territorial de 20.154 km², o correspondente a 3,5% do Estado da Bahia (IBGE, 2010). A agricultura ocupa a grande maioria da força de trabalho do território, contudo, o sisal é umas das atividades econômicas mais importantes para a região. O Território do Sisal enfrenta muitos problemas sociais. Um deles é a estiagem, por isso há uma grande atuação das organizações sociais, incentivando técnicas de agricultura familiar e a utilização da água corretamente. São sindicatos, associações, cooperativas, organizações de mulheres, dentre outros, visando o desenvolvimento sustentável do meio rural e a luta contra a exclusão social, cultural e política. Ou seja, "[...] contrastando com a ideia de miserabilidade e inviabilidade, destaca-se por uma imagem de fibra e resistência, pautada na forte mobilização da sociedade civil" (FERREIRA; MOREIRA, 2005, p.2). Discutir a comunicação enquanto direito, e mais especificamente a comunicação comunitária, é apresentar às esferas da sociedade que todos podem fazer parte da construção de uma comunicação que esteja voltada para as pequenas comunidades. Quando a discussão está inteiramente condicionada ao Território do Sisal, não se muda o discurso nem tampouco os objetivos, sendo eles os mesmos, tornar a comunidade agente construtora da comunicação de sua localidade, valorizando suas raízes sociais e democratizando os meios de comunicação em que sua comunidade está inserida.
  • 19. 17 MAPA DO TERRITÓRIO DO SISAL4 Dessa forma, os movimentos sociais do Território do Sisal têm uma história de muitas lutas, ganhando destaque no ambiente nacional pelo processo de participação social e construção da cidadania para a transformação da realidade do território. Como em toda América Latina, a cultura política e comunicacional da região sisaleira é também marcada pelas relações autoritárias. Consequentemente, o processo de participação social se mostra imprescindível na busca do bem comum e a valorização do coletivo, ou seja, a construção da cidadania. Em meio a esse cenário, os movimentos percebem a necessidade de adotar instrumentos de comunicação mais massivos, capazes de difundir mais rapidamente as reivindicações, informações e notícias sobre as condições vividas no território. Neste período, mais especificamente no final dos anos 90, surgem as primeiras experiências em rádios comunitárias, as quais vão dar o tom do novo cenário comunicativo instalado na região (MOREIRA, 2007, p. 108). 4 Fonte: http://www.ebda.ba.gov.br/pactofederativo/index.php?id=territorio-sisal Figura 1: Mapa do Território do Sisal
  • 20. 18 Começa assim a aplicação dos usos da comunicação como elemento estratégico no território para juntar os esforços de indivíduos e grupos sociais em forma de ação coletiva, garantindo uma reorganização do sistema comunicativo local. Até então os movimentos só faziam uso da comunicação através de encontros, seminários, cartilhas, informes e uso eventual da mídia para denúncias. Baseados na necessidade e nas garantias constitucionais à liberdade de expressão5 , as rádios comunitárias foram implantadas em diversos municípios do Território Sisaleiro. Segundo Ferreira e Moreira (2005, p. 06), as rádios comunitárias [...] traduzem a fragmentação da comunicação na experiência dos movimentos, e também a apropriação destes dos novos cenários comunicativos como estratégia das lutas simbólicas locais. Essas rádios são fruto da necessidade de acesso, produção e difusão destas novas abordagens simbólicas. As rádios foram apoiadas pelos movimentos sociais locais, como o Movimento de Organização Comunitária (MOC), a Associação de Desenvolvimento Sustentável Solidário da Região Sisaleira (APAEB), os Sindicatos de Trabalhadores Rurais e Polos Sindicais e grupos ligados às Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica. Contaram também com o suporte financeiro de organismos internacionais de cooperação como a CRS (Catholic Relief Services)6 , entidade europeia ligada á Igreja Católica (MOREIRA, 2007). As rádios comunitárias foram os mais fortes mecanismos de utilização de estratégia, não apenas de acesso e difusão de informações ligadas ao movimento, mas inovaram também ao refletir a ideia de uma produção e gestão coletivas compartilhadas e voltadas ao desenvolvimento local, pois [...] foram os primeiros mecanismos de utilização das novas tecnologias na elaboração de contradiscursos. Elas traduzem a fragmentação da comunicação na experiência dos movimentos e a apropriação destes dos novos cenários comunicativos como 5 Artigo 5°, inciso IX, prescreve: “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. No seu artigo 215° estabelece que “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes de cultura nacional e apoiará e incentivará a valorização e difusão das manifestações culturais”. (A Constituição Federal de 1988). 6 É uma agencia internacional de ajuda humanitária e desenvolvimento sustentável da Conferencia Episcopal dos Estados Unidos. Que foi fundado em 1943 pelos bispos católicos dos Estados Unidos para ajudar os pobres e grupos desfavorecidos em outros países. No Brasil, a CRS apoia parceiros locais no nordeste, que promovem a convivência com o semiárido e os direitos humanos, visando a participação de comunidades em seu próprio desenvolvimento.
  • 21. 19 estratégia das lutas simbólicas locais (FERREIRA E MOREIRA, 2005, p. 6). A luta da sociedade civil se refletiu na reação agressiva das elites, ou seja, na dura legislação que regulamenta o serviço de radiodifusão comunitária. De acordo com Moreira (2007), a regulamentação das telecomunicações no Brasil se mantém inalterada desde o período ditatorial, permitindo a concentração dos meios em poucos conglomerados, praticamente eliminando as possibilidades de relação midiatizada entre os movimentos sociais e grande parcela da população. De acordo com Bahia (2008) se a obediência aos preceitos constitucionais não se dá de maneira tão rigorosa, o mesmo não ocorre quanto à legislação que rege o serviço de radiodifusão comunitária no Brasil. O movimento reclama da rigorosa restrição imposta pela Lei n.º 9.612/98, que, ao estipular a potência máxima, raio de alcance e limite de altura da antena, delimita o já pequeno espaço físico de transmissão das emissoras comunitárias. Lei essa (Lei 9.612/1998) que limita o alcance das emissoras a um quilômetro de raio e a potência dos transmissores a um máximo de 25 watts. Ou seja, difusão em frequência modulada (FM), de baixa potencia e cobertura restrita feita por meio de uma antena transmissora. Dai não poderia se esperar grande avanço, dispõe de uma única frequência no dial7 para as milhares de emissoras, proteção contra a interferências de emissoras comerciais e serviços de telecomunicação a serem criadas, e isto só é modificado quando a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações, autarquia federal que regula e fiscaliza os serviços de telecomunicações do Brasil) descobre algum impedimento local, proíbe a captação de recursos de publicidade para a sustentação da emissora, e além de tudo, não garante às emissoras comunitárias. Como pode observar, a Lei é restritiva. Porém, representa um avanço no sentido de regulamentar um setor da radiodifusão de demanda crescente, tendo em vista a necessidade de mídias comunitárias no processo de mobilização em torno da ampliação da cidadania. (PERUZZO, 1999). A sociedade civil do Território do Sisal sentiu na pele o efeito de tantos entraves e processos à medida que criou as emissoras comunitárias: Santa Luz FM, em Santaluz; São Domingos FM, em São Domingos; Quijingue FM, em Quijingue; 7 Dispositivo para girar o capacitor de sintonia num rádio receptor, e que é, por via de regra, associado a uma escala indicadora da frequência sintonizada.
  • 22. 20 Arcos FM, em Retirolândia; Cultura FM, em Araci; Cruzeiro FM, em Tucano; Coité livre FM, em Conceição do Coité; Valente FM, em Valente; Queimadas FM, em Queimadas; Nordestina FM, em Nordestina; Lamarão FM, em Lamarão; Liberdade FM, em Serrinha e Independente FM, em Ichú, totalizando treze emissoras comunitárias entre os anos de 1997 e 20008 . Em 1998, com o apoio da CRS, o MOC viabilizou a aquisição de cinco transmissores em (Araci, Serrinha, Retirolândia, Coité e Ichú) que viabilizaram a montagem das primeiras emissoras. Mas, essas iniciativas resultaram em problemas jurídicos, processos para algumas pessoas, apreensão de equipamentos e a repressão, iniciando assim uma grande luta para a legitimação e regulamentação para as rádios comunitárias e em prol da democratização da comunicação (MOC, 2005 apud NASCIMENTO, 2005, p. 24-26). 2.2 MUDANÇAS DE CENÁRIO Com a mobilização pela comunicação comunitária no território, diversas modificações foram surgindo. A primeira foi a população entender que na comunicação comunitária, além de mobilização social e conscientização, é necessária a participação popular. Refletindo sobre isso, Peruzzo (2007, p.46) afirma que: a comunicação, por meio de seus variados processos, que incluem canais de expressão e o intercâmbio de informação e de saberes, bem como os mecanismos de relacionamento entre pessoas, públicos e instituições, desempenha papel central na construção da cidadania. Nesse cenário, algumas instituições que já vinham trabalhando para “o despertar” da população ganham destaque na construção de um discurso que afirma o homem do campo como sujeito modificador de sua história, capaz de dar não um final para ela, mas um recomeço (OLIVEIRA, 2011, p. 51) . Entre estas instituições, 8 Informação fornecida em entrevista pelo Diretor Executivo da Rádio Comunitária Santa Luz FM, Radialista e Membro titular do primeiro Conselho Estadual de Comunicação, Edisvânio do Nascimento Pereira, em Novembro de 2013.
  • 23. 21 destacamos os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (STRs), as Associações dos Pequenos Agricultores do Estado da Bahia (APAEBs), o Movimento de Organização Comunitária (MOC), as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), além de outras organizações que foram aderindo ao movimento. Dentre os grandes feitos desse movimento, institui-se a Associação Brasileira de Rádio e TVs Comunitária no Território do Sisal (ABRAÇO-SISAL), que com ela, segundo Nascimento e Mota (2012), “ajudam de forma decisiva nos debates provocativos em favor da aprovação do Curso de Comunicação Social com ênfase em Rádio e TV no Campus XIV, da Universidade do Estado da Bahia em Conceição do Coité”. Toda a comunicação que se produzia nesse espaço contribuía para aumentar o número de cidadãos e entidades que reivindicavam um território livre da opressão, que garantisse os direitos básicos para sua população, não a posição “de opressores”, mas a oportunidade de construir uma sociedade onde todas as classes tivessem o direito de ouvir e falar. A partir da comunicação comunitária houve uma eclosão de atividades culturais no território, como sambas de roda, que por meio de transmissões radiofônicas se tornaram mais conhecidas, bem mais ouvidas, e consequentemente mais valorizadas por aqueles que até então não conheciam ou mesmo por aquelas pessoasque apreciavam, mas não participavam mais dessas atividades. O rádio também se tornou um veículo pelo qual a comunidade expressa sua opinião mediante diversos assuntos que cercam a comunidade. Um exemplo bastante comum nesse período foi a luta pela erradicação do trabalho infantil e pela conscientização de que o lugar de criança e adolescente é a escola, tendo como base legal o Estatuto da Criança e do Adolescente. Outra importante peça no cenário da comunicação social no Território foi a inserção do item comunicação ao plano de desenvolvimento do CODES9 , o que caracteriza um diferencial do território. Com esses parceiros, o CODES busca participar de espaços e redes de articulações e estratégias para o desenvolvimento do Território do Sisal, incentivando e apoiando ações como o fortalecimento das organizações da sociedade civil, realizando oficinas, debates, seminários, além de contribuir para a implantação de projetos para a região. 9 Conselho Regional de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Sisaleira do Estado da Bahia (CODES)
  • 24. 22 Outra conquista foi a inserção dos meios de comunicação como conscientização do processo político democrático, quando, através de debates político-partidários, a comunidade passou a conhecer os seus governantes, a denunciar seus erros e a participar de forma ativa da caminhada política da região.
  • 25. 23 3. MEMÓRIA E DOCUMENTÁRIO: O FLUXO DA ORDEM DO IMAGINÁRIO E DA IMAGINAÇÃO 3.1 MEMÓRIA: DESEJO DE REGISTRO A memória é vida, sempre carregada por grupos vivos e nesse sentido, ele está em permanente evolução, aberta à dialética da lembrança e do esquecimento, inconscientemente de suas deformações sucessivas, vulnerável e todos os usos e manipulações, susceptível de longas latências e de repentinas revitalizações (NORA, 1993, p. 9). Neste sentido, a memória é um elemento presente nas sociedades e é carregada pelos grupos de homens e mulheres que fundamentam ou afirmam sua identidade. A memória pode ser evocada por estes grupos de acordo com seus interesses, e em alguns casos pode ser suscetível à manipulação. Partindo desse pressuposto, Pollak (1989) vem dizer que também memória pode ser esquecida, dependendo do local e do que ela traz à tona. Porém, o autor demonstra a força da memória silenciada. O longo silêncio sobre o passado, longe de conduzir ao esquecimento, é a resistência que uma sociedade civil impotente opõe ao excesso de discursos oficiais. Ao mesmo tempo, ela transmite cuidadosamente as lembranças dissidentes das redes familiares e de amizades, esperando a hora da verdade e da redistribuição das cartas políticas e ideológicas (POLLAK, 1989, p. 5). Desta forma, a memória opera na esfera da lembrança e do esquecimento, de acordo com os interesses das pessoas. Segundo Nora (1993), a memória é um fenômeno sempre atual, um elo vivido no eterno presente. Assumindo uma forma material, democratizando-se, como nos lembra o autor, hoje ela é produzida por qualquer pessoa, já que “produzir arquivo é o imperativo da época” (NORA, 1993, p. 16). Os “lugares de memória” procuram recuperar e manter vivo um passado que se encontra ameaçado pela vivência do eterno presente, prolongado, principalmente, pelos meios de comunicação.
  • 26. 24 [...] a razão fundamental de ser de um lugar de memória é parar o tempo, é bloquear o trabalho do esquecimento, fixar um estado de coisas, imortalizar a morte, materializar o imaterial para [...] prender o máximo de sentido num mínimo de sinais, é claro, e é isso que os torna apaixonantes: que os lugares de memória só vivem de sua aptidão para a metamorfose, no incessante ressaltar de seus significados e no silvado imprevisível de suas ramificações (NORA, 1993, p. 22). Assim, a memória atualiza o passado, sua leitura é sempre com bases nas representações tanto por memórias coletivas quanto individuais. Para Nora (1993), aceleração dos acontecimentos conduz a criação dos lugares de memória, que definem a vontade de um determinado grupo em não perder a sua memória. [...] presença do presente que se lembra do passado desaparecido, mas também presença do passado desaparecido que faz sua irrupção em um presente evanescente. Riqueza da memória, certamente, mas também fragilidade da memória e do rastro (GAGNEBIN, 2006, p. 44). No caso do Território do Sisal o que se percebe facilmente é a necessidade constante de tematizar, lembrar, comentar e louvar a comunicação comunitária em seu viés histórico – de implantação – assim como discutir as nuances que assume atualmente. Diante do posicionamento dos autores supracitados, pode-se interpretar essa tendência como uma estratégia de afirmação e consolidação de um processo de reconstrução identitária. Muitas das memórias trazidas à tona sobre esse processo são afetivas, se alimentam de lembranças que fazem parte das concepções particulares ou simbólicas dos militantes entrevistados (Edisvânio Nascimento, Camila Oliveira, Arlene Cristina Araújo, Paulo Marcos Queiroz, Antonio Sampaio, Nayara Silva e Klaus Minihuber). Pierre Nora (1993) também discute os limites conceituais da memória e da história. Para o autor, a memória é um fenômeno puramente privado, é sempre um processo vivido, conduzido por grupos vivos. Segundo Halbwachs (2009, apud SANTOS, 2003), os indivíduos somente se lembram do passado a partir do momento em que se colocam sob o ponto de vista de uma ou mais correntes do pensamento coletivo. Para o autor, todas as construções que fazemos sobre o passado fazem parte das construções sociais existentes no presente. Para Halbwachs (2004), a memória partilhada por um grupo não se confunde com a história. Ao contrário, a história começaria justamente onde
  • 27. 25 a memória acaba e a memória acaba quando não funciona mais como suporte em um grupo. Em outras palavras, a memória é sempre vivida, física ou afetivamente. Segundo a teoria da memória de Halbwachs, os indivíduos possuem imagens do passado e por meio dessas imagens é que se identificam enquanto membros de grupos sociais. Desse ponto de vista, esses indivíduos não se recordam sozinhos do passado, e sim possuem referências enquanto grupo social, que vive pelas tradições e diálogos que estabelecem enquanto grupo. Não se trata mais de lidar os fatos sociais como coisas, mas de analisar como os fatos sociais se tornam coisas, como e por quem eles são solidificados e dotados de duração estabilidade. Aplicada à memória coletiva, essa abordagem irá se interessar portanto pelos processos e pelos atores que intervêm no trabalho de constituição e de formalização das memórias (POLLAK, 1989, p. 2). A respeito dos dados constituintes da memória, Pollak (1989) mostra três elementos que referendam a memória individual e coletiva. O primeiro elemento diz respeito aos acontecimentos, pois eles podem tanto ser vividos pessoalmente, como também vividos indiretamente, ou seja, vivenciados pela coletividade na qual o sujeito sinta-se pertencente. O segundo elemento é constituído pelos personagens, que podem ser as pessoas que aparecem no decorrer da vida, como também as personagens encontradas indiretamente, mas que se tornaram conhecidas, mesmo que tenham vivido em espaço e tempo diferentes. E, por último, são os lugares da memória que servem de referência às lembranças pessoais ou grupais, mesmo que direta ou indiretamente. Mas como é difícil captar todas as lembranças para que elas não se percam no tempo e no espaço, criam-se suportes que organizam e “enquadram” a memória, possibilitando seu armazenamento por meio de um suporte exterior, algo que fixe essa memória por meio de registro. Dentro do campo do registro, pode-se dizer que o documentário também é percebido como uma forma “elevada”. Por lidar com imagens, esta produção fílmica garante para si grande credibilidade. As imagens de um filme, ficcionais ou não, existiram em algum momento da história, pois foram registradas por uma câmera. Muito mais do que um documento escrito sobre um fato, que pressupõe a interpretação daquele que o escreveu, o documentário se aproxima, ou parece se aproximar, da realidade por sugerir uma relação direta entre espectador e acontecimento. A única mediação existente aí
  • 28. 26 seria realizada pela câmera, instrumento mecânico, ou seja, sem opiniões ou subjetividades para “contaminar” o registro do real (LIMA, 2005, p. 04). A respeito desta concepção, Stam (1981, apud LIMA, 2005, p. 4) reforça ainda dizendo que o filme nos chega com a força de documento autêntico, pois sabemos, pelas leis da reprodução mecânica, que o que vemos na tela aconteceu de fato, em certo sentido, diante da câmera (...), a impressão fílmica da realidade, por sua vez, beneficia-se, em sentido literal ou figurado, da expressão da ideologia do visível. O filme torna-se um objeto que capta as sensações e revive as “dores/alegrias” do passado, e impede o esquecimento dos acontecimentos. ”O filme-testemunho e documentário tornou-se um instrumento poderoso para os rearranjos sucessivos da memória coletiva” (POLLAK, 1989, p. 11). Sendo assim, a construção de um documentário audiovisual para a utilização da memória como fonte torna-se de grande valia. Pois, por meio da memória, será possível “resgatar o passado”, considerando o presente, obtendo assim uma investigação viva e dinâmica, que será proporcionada pelo cinema, sem menosprezar outras fontes. 3.2 DOCUMENTÁRIO: CONCEITOS E FORMAS O documentário é um gênero audiovisual utilizado como forma de registro dos acontecimentos ou fatos e expressão da sociedade. Segundo John Grierson10 (apud NICHOLS, 2005, p. 51) o documentário é o “tratamento criativo da realidade”, porém essa definição não é o bastante para descrever a complexidade e as características dos filmes de não-ficção. Surgem então diversos outros autores que se dedicam à compreensão deste gênero contribuem com as suas discussões para a ampliação dessa definição. 10 John Grierson é considerado um dos principais nomes da história dos primórdios do documentário. Foi o fundador da escola inglesa de documentário, na época em que trabalhou no Empire Marketing Board, agência governamental. Tal escola foi responsável pela afirmação institucional do gênero ao lançar as bases para o que hoje se denomina documentário clássico.
  • 29. 27 Para Bill Nichols (2005), um dos principais estudiosos do gênero, o documentário é definido como uma representação de uma determinada visão de mundo: [o documentário] não é uma reprodução da realidade, é uma representação do mundo em que vivemos. Representa uma determinada visão de mundo, uma visão com a qual talvez nunca tenhamos nos deparado antes, mesmo que os aspectos do mundo nela representados nos sejam familiares. Julgamos uma reprodução por sua fidelidade ao original – sua capacidade de se parecer com o original, de atuar como ele e de servir aos mesmos propósitos (idem, p. 47). Já Ramos (2008, p. 22) afirma que o documentário é uma narrativa basicamente composta por “imagens-câmeras”, acompanhadas muitas vezes de imagens de animação, carregadas de ruídos, música e fala (mas, no início de sua história, mudas), para as quais olhamos (nós, espectadores) em busca de asserções sobre o mundo que nos é exterior, seja esse mundo coisa ou pessoa. Ramos enfatiza outra questão importante, também profundamente enraizada no conceito de documentário: o documentário tem a capacidade de nos transmitir uma impressão de autenticidade, ou seja, “de verdade”. Para Ramos, a “noção de verdade, muitas vezes, se aproxima de algo que definimos com interpretação.” Assim, pode-se dizer que ainda que certas asserções feitas em documentário não possam ser encaradas como verdadeiras, estas não necessariamente enfraquecem o status de documentário desta obra. (RAMOS, 2008). Como destaca Bill Nichols (2005), encontramos nos documentários histórias ou argumentos, evocações ou descrições, que nos permitem ver o mundo sob um novo ponto de vista. Podemos, portanto, encontrar através do gênero documentário um retrato ou uma representação reconhecível do mundo. Sabe-se que, desde seu surgimento, o documentário trouxe a proposta de reproduzir a realidade. Essa ideia eternizou-se de tal forma que alguns estudiosos e profissionais contemporâneos da área ainda se dedicam a derrubar a ideia de monopólio da “verdade” impregnada no conceito de documentário. Seguindo o
  • 30. 28 argumento do Cinema Verdade11 , Eduardo Coutinho, cineasta brasileiro, não garante uma verdade do que está sendo apresentado pelos personagens no documentário e sim uma verdade do encontro com esses personagens. Algumas discussões em torno do que seria de fato documentário foram realizadas à exaustão ao longo da história do cinema. Uma delas foi a busca dessa definição através da oposição entre documentário e ficção. A dificuldade em encontrar uma definição satisfatória, consistente o suficiente para convencer e se cristalizar. Segundo Nichols (2005), alguns documentários se utilizam de práticas e convenções que estão associadas à ficção, como, por exemplo, a encenação, o roteiro, a interpretação e os ensaios. Da mesma forma, na produção de ficcionais, também se utilizam de práticas convencionalmente do não ficcional, como filmagens externas, improviso, câmeras portáteis, a presença de não-atores e imagens de arquivos. A fim de desconstruir essa oposição que sempre gerou uma hierarquia na qual o cinema documentário assumia uma posição marginal, Nichols (2005) diz que “todo filme é um documentário”, pois todos eles representam uma contextualização social de pessoas/culturas. Assim, para ele os filmes podem ser classificados em documentários de satisfação de desejos e documentários de representação social, considerando que cada tipo conta uma história, sendo essas histórias/narrativas de espécies diferentes. Sobre o documentário de satisfação, também chamados de ficção, o autor diz que esses filmes expressam de forma tangível nossos desejos, frutos de nossa imaginação, medos, pesadelos e terrores, que se tornam concretos, visíveis e audíveis, frutos de nossa imaginação. Esses filmes podem transmitir verdade se assim quisermos. Podem criar mundos a serem conhecidos, ou nos conduzir ao prazer de passar do mundo atual a outros mundos infinitos. Já os documentários de representação social, segundo Nichols (2005, p. 26) podem “representar de forma tangível aspectos de um mundo que já ocupamos e compartilhamos”. Nele o cineasta apresenta uma matéria, de que é feita a realidade social, de acordo com a seleção e organização feita pelo mesmo, pois esta. “Expressa nossa compreensão, o que a realidade foi e o que poderá vir a ser” (2005, p.26). O filme transmite significados e valores, porém isso acontece mediante a 11 A tradição do documentário sofreu grandes transformações a partir da década de 60, quando a evolução técnica dos equipamento cinematográficos criou aos documentaristas novas condições de trabalho. Surgiram então, diversas vertentes de trabalho documental no mundo, destacando-se entre elas o cinema verdade francês e o cinema direto americano.
  • 31. 29 interpretação e compreensão das pessoas; pode ser que se acredite ou não no que está sendo apresentado. Ramos (2008) afirma que, em sua forma de estabelecer asserções sobre o mundo, o documentário caracteriza-se pela presença de procedimentos que o singularizam com relação ao campo ficcional e complementa dizendo “o documentário, antes de tudo, é definido pela intenção de seu autor de fazer um documentário (intenção social, manifesta na indexação da obra, conforme percebida pelo espectador)”. Assim como Nichols, Ramos (2008, p. 25) defende que “antes de tudo, o documentário é definido pela intenção do seu autor de produzi-lo”. E assim, Nichols por sua vez, identifica seis modos de representação que se tornaram mais comuns dentro do campo do cinema documental, sendo eles o poético, o expositivo, o observativo, o reflexivo, o performático e o participativo. Dentre eles, o modo participativo é que mais nos chama atenção pois este envolve uma interação do cineasta com o personagem, sendo em forma de entrevista, ou outras formas de envolvimento mais diretas. No documentário participativo segundo Rouch e Morin (apud NICHOLS, 2005, p. 155), a forma de filmar se baseia na ideia do “Cinema verdade” enfatizando a ideia da verdade de um encontro e não de uma verdade absoluta ou manipulada. É uma verdade de uma forma de interação, que só é permitida pela câmera. No modo participativo mais especificadamente a entrevista provoca uma interação entre cineasta e o entrevistado, fazendo com que o assunto abordado torne-se mais comum entre ambos, fazendo com que haja uma boa quantidade de informações conquistadas por uma “conversa”, ou seja, é uma prática de interação entre dois lados. Nessa perspectiva, pensamos em produzir um documentário de não ficção para dar voz ao movimento das mídias comunitária do Território do Sisal, seguindo as características do modo participativo. O documentário se constitui principalmente como registro, um arquivo da nossa memória, uma testemunha ocular da história. “As imagens documentam uma época, um determinado acontecimento, uma pessoa ou um país e representam cada vez mais a ‘memória’ [...]” (LANGMAN, 1986, p. 31). O cinema criou possibilidade de poder arquivar registros. Assim, o historiador ganhou novas ferramentas e as populações passaram a consultar relatos.
  • 32. 30 A memória tem dois momentos: conservação de sensações (o arquivo) e reminiscência (o ato de lembrar). O cinema tem estes dois aspectos, ele conserva, enquanto imagem, o registro de um tempo e espaço, e a sua fruição nos induz a uma lembrança (MOURA, 1999, p. 02). Sendo assim, compreende-se que o documentário como arquivo da memória pode se tornar como uma fonte de pesquisa histórica, do imaginário e da memória coletiva, podendo ser construído a partir de memórias individuais. Este fator reafirma o uso dos depoimentos, pois o corpo da fonte primária se evidencia de modo a construir um enredo, em que há participação das referências encontradas em arquivo. E dessa maneira a memória é considerada como: [...] uma manifestação da vida que funda a personalidade e o imaginário dos indivíduos e dos grupos. Sua força é, ao mesmo tempo, sua fraqueza, porque ela dinamiza a ação em detrimento da pesquisa ‘intratável’ da verdade. A história é conhecimento, o documentário é memória: o testemunho é raramente ausente de suas lembranças, e tentado o mais frequentemente de as revisitar (GAUTHIER, 1995 apud MOURA, 1999, p. 02 ). Segundo Moura (1999), a memória oral é o maior trunfo dos documentários, eles dão maior credibilidade ao registro quanto mais eloquente for o testemunho. “O documentário, portanto, se caracteriza como narrativa que possui vozes diversas que falam do mundo e de si” (RAMOS, 2008, p. 24). Segundo a autora Lucia José (2013), cada voz relata uma experiência singular já mediada como enredo; todas as vozes devem constituir relatos que documentam; e, ainda, na aproximação dos relatos/enredos, é possível identificar pontos de aproximação e de diversidade entre o gênero documentário e a história oral. Afinal, ninguém fala só pelo aparelho fonador; no uso do código verbal- oral, a fonação se realiza a partir de um “jogo” em que são inseridos os gestos, as expressões faciais, os movimentos do corpo que fala, as pausas, os sussurros, os embargos e os sorrisos da voz, em fim tudo isso é levado em conta no documentário (JOSÉ, 2013). As pessoas carregam dentro de si suas vivências, impressões, acompanhadas de suas aprendizagens. “Não guardam ou muitas vezes não revelam tudo, pois a memória é sempre seletiva” (MOURA, 1999). Pois antes mesmo de
  • 33. 31 serem pronunciadas, as memórias já realizam um diálogo entre si, porque como os indivíduos, não pertencem apenas a um grupo, e se inserem em múltiplas relações sociais. As diferenças individuais de cada memória expressam o resultado da trajetória de cada um ao longo de sua vida. A memória individual revela apenas a complexidade das interações sociais vivenciada por cada um. Pollak (1989) evidencia que por trás da memória coletiva existe uma negociação entre as memórias individuais, e nesse jogo de negociação e conflito, algumas memórias deixam de fazer parte dos registros e funcionam simplesmente como elementos subversivos à memória oficial. A memória é palavra viva, da qual emana a coerência de uma escritura; a coerência de uma inscrição do homem e da sua história, pessoal e coletiva, na realidade do destino. Rumor (2010) vem dizer que a memória permite ainda uma estreita relação do presente com o passado e, da mesma forma, interfere no processo atual. Através dela, os fatos que aconteceram são retomados no presente, misturando-se às percepções imediatas, como também faz deslocar o pensamento para uma análise das relações do futuro. No documentário a câmera pode fixar um momento, mas este momento já passou, no fundo o que ele traz é um “fantasma” deste momento, que de acordo com Moura (1999): Cinema é um fantasma do vivido. [...] ele cria uma ilusão de movimento e de realidade como estivesse acontecendo aquele momento em algum lugar, talvez apenas em nossa imaginação. Mesmo que este cinema seja, como sabemos uma memória parada no tempo (MOURA, 1999, p.05). A partir dessas abordagens, nota-se então como o gênero documentário, suporte de memória oral também pode ser duplamente significativo; outro elemento constituinte que aproxima os dois é a entrevista. Feres (1996, apud JOSÉ, 2013, p. 06) destaca duas considerações essenciais, quando se trata de documentário: primeiro é necessário ressaltar que as próprias entrevistas já são realizadas, predominantemente, visando responder àquelas mesmas preocupações temáticas da pesquisa. Segundo, porque, quando transformadas em sonoras, a decupagem e a edição fabricam sínteses que contém o ponto singular do relato de cada voz e por isso o conjunto delas já vai expondo as possibilidades de rumos que os textos fragmentos podem assumir.
  • 34. 32 Essa organização do filme realizada pelo cineasta é chamada por Nichols de voz do documentário. Para ele, “[...] é a maneira especial, porque singular, de expressar um argumento ou uma perspectiva [...] perspectivas claramente diferente com vozes claramente distintas” (NICHOLS, 2005, p. 73). Pollak (1989, p. 9) considera o filme um instrumento capaz de realizar o enquadramento12 de memória, de reconstruir os fatos e apreender as emoções através da imagem e dos sons: Ainda que seja tecnicamente difícil ou impossível captar todas essas lembranças em objetos de memória confeccionados hoje, o filme é o melhor suporte para fazê-lo: donde seu papel crescente na formação e reorganização, e, portanto, no enquadramento da memória (idem, 1989, p.9). De acordo com Michael Pollack (1989) o documentário é “um instrumento poderoso para os rearranjos sucessivos da memória coletiva”, e apesar de não trabalhar a realidade com fidelidade, é capaz de resgatar, preservar, conservar, registrar e arquivar algo da memória social que ficará para o futuro. Sendo assim, ousamos em produzir o documentário “Vozes Libertadoras”, conscientes de que este é um característico “lugar de memória”, de acordo com o pensamento de Nora (1993). 12 De acordo Michel Pollak, enquadrar a memória significa “reinterpretar incessantemente o passado em função dos combates do presente e do futuro”, no qual um grupo constrói uma narrativa que deve ser socialmente legitimada na construção de uma memória social (1989: 9) Sobre o conceito de “enquadramento”, ver POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos, Rio de Janeiro, 1989.
  • 35. 33 4. UNIDADE, CONFRONTOS E DIVERSIDADE... O FAZER DOCUMENTÁRIO 4.1 PRÉ- PRODUÇÃO O período de pré-produção, como o próprio nome já diz, é uma preparação para o momento de ação, ou seja, o momento em que realizamos as gravações. Neste momento, concentramos nossos esforços em definir qual seria o foco do nosso documentário, qual a abordagem e os recortes feitos para o estudo e a busca de fontes sobre a temática, esta já definida no momento de conclusão do Projeto. Com apoio da nossa orientadora, professora Carolina Ruiz, buscamos construir a base do projeto: assistir documentários, ler as referências teóricas, refletir sobre formas de organização de filmes, criar critérios para a escolha dos personagens (aqui tivemos colaboração especial do nosso colega e amigo Edisvânio Nascimento, que foi a nossa “fonte primeira”, a partir do qual pudemos identificar e ir em busca dos demais personagens), e estabelecer os primeiros contatos com estes por e-mail e ligações para apresentar a proposta e agendar visitas e gravações. Sem roteiro pré-definido, simplesmente com um esboço da produção do documentário, fizemos superficialmente o reconhecimento de campo, para verificar a viabilidade das gravações. Começamos também a produção textual do memorial. Lins (2004, p. 11) aponta que um dos grandes diferenciais do documentarismo é não utilizar roteiro, pois este “desvirtua esforços e corrói o que mais se preza neste tipo de produção: a possibilidade de criação de algo inesperado no momento da filmagem”. Por isso, é com um misto de registros, pontos de vista e criatividade do diretor que se pode apontar, assim, para a unidade do vídeo documentário. [...] Para o diretor, o crucial em um projeto de documentário é a criação de um dispositivo, e não o tema do filme ou elaboração de um roteiro, o que, aliás, Coutinho se recusa terminantemente a fazer. O dispositivo é criado antes do filme e pode ser: “Filmar dez anos, filmar só gente de costas, enfim, pode ser um dispositivo ruim, mas é o que importa em um documentário” (LINS, 2004, p. 101).
  • 36. 34 Assim também “criamos” o nosso procedimento de filmagem, ou seja, o nosso dispositivo que foi o de acionar a memória dos personagens relacionadas ao processo de implantação e consolidação da comunicação comunitária no território. Esse dispositivo acabou por definir também um critério para seleção dos personagens: poderiam ser apenas pessoas que vivenciaram esse processo. O roteiro só foi desenvolvido após a gravação, servindo para direcionar a edição do vídeo. Considerando a classificação do documentário em subgêneros, o produto deste presente trabalho, se enquadra no modo participativo, privilegiando a interação entre entrevistado e diretor e tendo como foco a entrevista como fonte histórica de informação. O modo participativo, descrito por Nichols (2005), enfatiza a interação de cineasta e tema, ou seja, sua participação e conscientização de sua interferência na realidade dos atores sociais – pois também se torna um ator social – ficam evidentes para o público. A filmagem acontece em entrevistas ou outras formas de envolvimento ainda mais direto, moldado ou determinado por aquilo que ela registra (NICHOLS, 2005, p. 63). Com isto, o ponto de vista do cineasta fica mais evidente. Como mencionado anteriormente, sendo o objetivo do vídeo registrar memórias relacionadas ao processo de consolidação da comunicação comunitária no território, esse aspecto determinou a escolha dos personagens, assim como a ênfase na palavra, na narrativa oral dos envolvidos, por entender que esta é uma das formas de manifestação legítimas da memória. A voz do entrevistado é privilegiada, ficando livre para, através da lembrança, fruto de sua memória, apresentar fatos importantes das movimentações e conceitos que os mesmos dão para a comunicação comunitária, bem como suas participações nesse processo. Os ambientes das gravações foram escolhidos a partir de sua interação com entrevistado. Todos foram feitos em seus respectivos ambientes de trabalho, rádios e sedes das organizações da qual faziam parte. Fotos das entrevistas também foram coletadas, como também imagens de arquivos foram solicitadas pela equipe para tornar o produto mais rico em informação, valorizando o material de arquivos das organizações. Definidas as “locações”, procedemos a seleção dos entrevistados, que foram escolhidos a partir do seu envolvimento na militância em prol da comunicação comunitária e também por representar algumas organizações como MOC, AMAC, ABRAÇO SISAL e algumas rádios comunitárias de grande expressão no Território.
  • 37. 35 A partir dessa observação, identificamos como colaboradores os seguintes entrevistados:  Edisvânio Nascimento, radialista e diretor Executivo da Rádio Comunitária Santa Luz FM, estudante do curso de comunicação social da UNEB e membro titular do Conselho Estadual de Comunicação;  Camila Oliveira, presidente da Agência Mandacaru de Comunicação – AMAC, e estudante do curso de comunicação social da UNEB;  Antônio dos Santos Sampaio, radialista da Rádio Comunitária Valente FM e estudante do curso de comunicação social da UNEB;  Arlene Cristina Freire Araújo, coordenadora da Associação de Rádios e TV Comunitária (ABRAÇO-Sisal);  Nayara Santos, coordenadora do Movimento de Organização Comunitária (MOC) do Território;  Klaus Minihuber, jornalista e historiador austríaco, que no período de desenvolvimento do movimento de comunicação comunitária no território, era coordenador do Programa de Comunicação do MOC e coordenador do projeto Comunicação Pelos Direitos na Região Sisaleira;  Paulo Marcos Queiroz, comunicólogo, com habilitação em Rádio & TV (UNEB); trabalhou com comunicação digital junto a jovens e lideranças do movimento social e atualmente é assessor de comunicação da prefeitura de Conceição do Coité. Acreditamos ter através destes personagens um painel amplo de micro- histórias e vivências que contribuam para contar o processo de consolidação da comunicação comunitária da região. De certo existem muitos outros personagens de grande relevância na construção desse processo que poderiam narrar outros aspectos a partir das suas experiências, mas toda construção/criação envolve escolhas. O roteiro das entrevistas foi elaborado com uma sequência de perguntas que norteariam e organizariam a narrativa dos entrevistados. Porém, não deve ser entendido como um questionário estruturado, com uma sequência uniforme de perguntas, mas como uma entrevista semiestruturada, servindo de guia para “puxar o fio da memória” dos entrevistados.
  • 38. 36 Definidos os aspectos supramencionados, tínhamos o cronograma abaixo para seguir e uma previsão de orçamento do projeto “Vozes Libertadoras“. Cronograma13 Representação gráfica da previsão da execução do trabalho, na qual se indicam os prazos em que se deverão executar as suas diversas fases. ATIVIDADES 2013 Ago Set Out Nov Dez Levantamento bibliográfico (leituras e fechamentos) X Elaboração do projeto Revisão do projeto de pesquisa X Pré- produção x Produção x Pós produção X Escrita do Memorial Orientação X x x X Entrega do produto X Defesa x Figura 2: Quadro do cronograma de atividades 13 Fonte: Elaborado pelos autores
  • 39. 37 Orçamento14 Discrimina as despesas do projeto que não foram financiadas pela estrutura oferecida pela Universidade. ITEM QTD VALOR UN. VALOR TOTAL Transporte 03 129,75 389,25 Alimentação 12 7,50 90,00 Telefone 09 13,00 117,00 DVD 03 2,00 6,00 Impressão do Memorial 03 40,00 120,00 Edição do vídeo 01 50,00 50,00 TOTAL 772,25 Figura 3: Quadro do orçamento das despesas 4.2 PRODUÇÃO Devido a nossa pouca experiência, um dos maiores desafios da produção foi escolher o posicionamento dos entrevistados diante da câmera. Segundo Puccini, essas escolhas são decisivas para a leitura do documentário, para sua carga de informação visual e seu rigor gráfico na composição da imagem, qualidades que ajudam a definir um estilo de direção. Na maioria das imagens foi priorizado o plano médio e primeiro plano, para mostrar com clareza as expressões, e fazer com que os entrevistados ocupassem um espaço de destaque no enquadramento. 14 Fonte: Elaborado pelos autores.
  • 40. 38 Para a captação do material audiovisual necessário para a realização do vídeo aqui descrito, fizemos entrevistas em datas previamente agendadas nas seguintes locações: Rádio Santa Luz FM, em Santaluz-BA, com Edisvânio Nascimento; Rádio Valente FM, em Valente-BA, com Antonio Sampaio e Arlene Cristina Araújo; na Agência Mandacaru, em Retirolândia-BA, com Camila Oliveira e Nayara Santos; no Centro Cultural Ana Rios, em Conceição do Coité–BA, com Paulo Marcos Queiroz. Houve também o caso da entrevista com Klaus Minihuber, entrevista esta que foi concedida via Skype15 , pelo fato de o entrevistado residir atualmente na Áustria. Munidos de câmeras de filmagens e fotográficas a equipe se dirigiu para as locações para captar as imagens necessárias para demonstrar as experiências vividas pelos militantes que lutaram pela implantação da comunicação comunitária no Território do Sisal, bem como compartilhá-las através das entrevistas que foram realizadas. A equipe cinematográfica foi composta por Rodrigo Carneiro, Jussara Oliveira e Douglas Oliveira. As entrevistas foram realizadas por Luis Anselmo e Douglas Oliveira. 4.2.1 DETALHAMENTO DAS GRAVAÇÕES A primeira entrevista foi feita com Edisvânio Nascimento, militante do movimento em prol da comunicação comunitária e estudante de Comunicação Social da Universidade do Estado da Bahia. Por ter sido a nossa primeira gravação, e estarmos preocupados com a entrevista em si, não nos detivemos a muitos detalhes técnicos, tendo como consequência a perda de algumas imagens por falta de foco e de um enquadramento adequado, porém essas questões serviram de experiência para as próximas gravações. A entrevista foi realizada em uma pequena sala onde funciona a direção da rádio. A luz existente no ambiente favoreceu uma boa iluminação, 15 Skype é um software que possibilita comunicações de voz e vídeo via Internet, ou seja, troca de mensagens instantâneas pela internet, tendo como carro chefe seu sistema voip (voz sobre ip), sistema que possibilita utilizar a voz para conversar. entre usuários em qualquer parte do mundo.
  • 41. 39 sendo assim, não foi necessária a utilização de equipamentos de iluminação artificial. O segundo momento de gravação aconteceu na Agência Mandacaru em Retirolândia, sendo a entrevistada Camila Oliveira. Nessa entrevista sentimos certa segurança, pois nesse dia tivemos a presença da nossa orientadora, professora Carolina Ruiz, que foi dando dicas para composição das nossas imagens. Foi um momento de aula técnica, relembrando momentos em sala de aula e discussões sobre o uso de equipamentos. O terceiro dia de gravação foi o mais produtivo e desafiador. Conseguimos gravar com dois entrevistados, porém, não foi uma gravação despreocupada, visto que nesse dia estávamos com pouco tempo de fita para gravação. No entanto, graças à capacidade de síntese dos entrevistados, o tempo de fita que dispúnhamos foi suficiente para coletar as entrevistas. Foram gravadas entrevistas com o radialista Antonio Sampaio e com a Coordenadora da Associação de Rádios e TVs Comunitárias (ABRAÇO SISAL,) Arlene Cristina Freire Araújo, na Rádio Valente FM, em Valente- BA. Nas entrevistas, realizadas com duas câmeras profissionais e uma semiprofissional, captamos imagens com enquadramentos e angulação diferentes, com a predominância dos planos médios (PM) e o primeiro plano (PP), utilizando sempre uma câmera no tripé, para garantir um enquadramento fixo e a estabilidade necessária à câmera, para que assim fosse feito um melhor aproveitamento da imagem, enquadrando o personagem, facilitando a visualização da movimentação e reconhecimento dos entrevistados; a variação de enquadramentos cria também uma maior dinâmica visual para o vídeo. O nosso quarto momento de gravação foi feito no Centro Cultural Ana Rios, em Conceição do Coité-BA, com Paulo Marcos Queiroz. Antes da gravação a equipe estava preocupada, pois o único contato prévio feito com o entrevistado havia sido por meio de telefone e e-mail, diferente dos outros entrevistados, que por razões diversas, já havíamos tido contato direto. Porém tudo ocorreu muito bem. Usamos a mesma estrutura de gravação que já vínhamos desenvolvendo com as entrevistas anteriores, mas utilizamos mais recursos, totalizando seis câmeras, incluindo smartphones e tablets. Porém, nesta entrevista perdemos quase tudo da câmera principal por conta da fita.
  • 42. 40 No dia 8 de novembro foi realizada a quinta entrevista, que aconteceu na AMAC, com Nayara Silva, representante do MOC. Neste dia não pudemos contar com os equipamentos do campus, pois houve uma paralisação na universidade, por esta razão tivemos que adquirir equipamento de baixa qualidade, comprometendo a qualidade das imagens, houve uma dessincronia entre a imagem e o áudio, tendo que serem sincronizados posteriormente para melhorar a qualidade do vídeo. Porém, em razão de o conteúdo da entrevista ser indispensável para a construção do documentário, pela profundidade do assunto abordado e a quantidade de informações, e não termos mais tempo para repetir a entrevista, optamos por utilizar as imagens mesmo com o problema de dessincronia de imagem e som. A gravação com o entrevistado Klaus Minihuber foi feita à distância, via Skype. Nossa primeira tentativa de gravação não deu certo em razão de problemas na conexão da Internet. O que nos deixou bastante apreensivos foi o fato de o nosso entrevistado estar se organizando para uma longa viagem e não ter muita disponibilidade de tempo para fazer essa gravação em outro momento. Pesava ainda a nosso desfavor a diferença do fuso horário, mas ele, generosamente, propôs para o dia seguinte uma nova tentativa. Era um momento único para a equipe. Preparamos “tudo”, ou seja, um plano A e B, para que essa entrevista acontecesse nesta segunda tentativa. Foi um momento um pouco tenso por se tratar de uma entrevista que dependia do perfeito funcionamento de diversos recursos tecnológicos para seu sucesso. Como forma de evitar problemas, buscamos adiantar uma hora o teste com os equipamentos e providenciamos mais equipamentos para a captação de imagens de todos os momentos da entrevista: utilizamos celulares, tablet e softwares de captação de imagens da tela para garantir que a entrevista tivesse êxito. O ambiente favoreceu bastante, mesmo tendo um pouco de ruído por conta de carros de som que passaram no momento da entrevista, se fazendo audíveis, mesmo com os cuidados de preparação acústica do ambiente tomados pela equipe, foi um momento único, pois as informações do entrevistado eram muito ricas e necessárias, tendo o mesmo participado da articulação da comunicação comunitária no território. Foram quase quarenta minutos de entrevista, tendo por final um bom material para a formação de nosso documentário.
  • 43. 41 4.3 PÓS-PRODUÇÃO A pós-produção do documentário ocorreu na semana de 17 a 24 de novembro de 2013. Nesta semana a equipe realizou 03 encontros com o editor de imagens, Danilo Victor, na cidade Araci, no estúdio de vídeo para rever as cenas já decupadas para organizar o documentário. A etapa de montagem (ou edição) do filme documentário marca o momento em que o documentário adquire total controle do universo de representação do filme. Aqui, já não importa o estilo do documentário, toda a montagem implica um trabalho de roteirização que orienta a ordenação das sequências, define o texto do filme, dando forma final ao seu discurso (PUCCINI, 2012, p. 93). Partimos para a montagem do documentário com o roteiro de edição em mãos e começamos “esqueletando” o vídeo, ou seja, colocando na sequência as entrevistas, os trechos que seriam utilizados e os inserts16 a serem feitos. Cabe lembrar que fizemos o roteiro de edição obedecendo a uma sequência dos assuntos tratados pelos entrevistados durante a condução das entrevistas (que emanam do filme). A partir delas se tentou construir uma narrativa lógica e coerente, assim as vozes e imagens dos entrevistados substituíram o papel de um narrador. No segundo encontro, demos continuidade a edição e montagem. Neste dia tivemos uma boa participação no que tange ao diálogo acerca de mudanças que necessitariam ser feitas. Na montagem de um vídeo, não se limita só a escolha das melhores imagens, mas, além disso, a ordenação das sequências, linha narrativa que serve não só para orientar o espectador, como também para orientar o diretor e editor do filme durante o processo de montagem. No que se refere à escolha do título, a ideia seria intitular o trabalho com duas palavras que estão em consonância na relação Comunicação Comunitária e memória que foi o dispositivo usado para gravar o documentário. No meio dessa indagação reflexiva, que paramos uma revisão minuciosa de todo conteúdo do vídeo e dos efeitos utilizados, nasce o título “Vozes Libertadoras” em meio ao verso narrado por Edisvânio Nascimento durante a entrevista que concedeu. 16 Permite que o operador acrescente uma nova imagem ou um novo áudio no meio de planos já gravados na fita, ou seja, tomadas usadas para evitar “pulos” nos cortes (WATTS, 1999).
  • 44. 42 Embora tenha sido uma tarefa árdua e trabalhosa, que exigiu dedicação, paciência, organização e articulação de atividades múltiplas, ainda tivemos que conciliar esta com a finalização do memorial. O resultado da produção do vídeo é satisfatório, pois contemplou o objetivo e expectativa da equipe. Ficha Técnica Produção: Douglas Santos de Oliveira Jussara Oliveira de Souza Luis Anselmo Oliveira Roteiro: Luis Anselmo Oliveira Imagens: Douglas Santos de Oliveira Jussara Borges Alves Jussara Oliveira de Souza Luis Anselmo Oliveira Rodrigo Carneiro Edição de Imagens: Danilo Victor Direção: Jussara Oliveira de Souza Orientação: Carolina Ruiz de Macedo
  • 45. 43 CONSIDERAÇÕES FINAIS A comunicação comunitária nasce dentro do contexto social das comunidades e organizações de pequenos grupos com o objetivo de construir uma comunicação igualitária, próxima ao meio em que estão inseridas. No Território do Sisal a comunicação comunitária surge da necessidade de inserir as pessoas de suas comunidades, fazendo-os construtores de uma comunicação, como uma forma estratégica para contribuir com o processo de desenvolvimento do território. Essa comunicação nasce a partir do movimento de rádio comunitária, surgindo as primeiras emissoras, sem dúvida os mais fortes instrumentos de comunicação que deram possibilidades reais para a sociedade civil expressar seus pensamentos e defenderem seus ideais em favor da comunidade, sobretudo em meados da década de 90. Discutir comunicação comunitária é discutir cidadania, direito de construir uma voz que perdure pelas comunidades, que discutam assuntos de seus interesses, que contribuam para a conscientização do processo político e democrático de suas comunidades. Partindo dessas discussões o documentário enquanto representação social de um contexto local, buscou apresentar por meio do registro das memórias em torno da comunicação comunitária no Território do Sisal dos militantes que participaram e foram protagonistas deste processo. O documentário traz em si uma riqueza de informações interessantes que pode contribuir para a compreensão da importância que a comunicação comunitária assume no território. Diversas respostas relacionadas ao processo de implantação da Comunicação Comunitário no território foram apresentadas pelos entrevistados, reconstituindo historicamente o começo desse fenômeno. O propósito maior desse trabalho foi acionar a memória dos militantes, e, reconhecendo o documentário como “lugar de memória”, contribuir para registrar os relatos sobre um processo tão crucial para a configuração econômica e identitária atual do território. O seu registro em audiovisual também pode ganhar maior espaço e mais adeptos, principalmente quando pensamos no desenvolvimento tecnológico que popularizou vários dispositivos de captação de som e imagem em movimento,
  • 46. 44 recursos esses que têm se tornado importantes ferramentas para a comunicação, no sentido de transmissão de “herança” das comunidades. Para que a pesquisa tomasse forma, recorremos à metodologia da oralidade para que pudéssemos ter respaldo sobre as memórias individuais, que posteriormente podem colaborar para constituir uma memória coletiva. Sendo necessário, após a escolha do suporte teórico, um estudo aprofundado sobre conceitos apresentados pelos teóricos relacionados à linha de pesquisa. Nomes como, Pierre Nora, Michael Pollak, Maurice Howsbach entre outros, balizaram nossos apontamentos e reflexões a respeito de conceitos de memória bem como sua importância e justificativa de sua escolha como fonte. Fizemos também um panorama do conceito de comunicação comunitária, entendermos o contexto do surgimento das rádios comunitárias no Território do Sisal. De acordo com Michael Pollack (1989), o documentário é “um instrumento poderoso para os rearranjos sucessivos da memória coletiva”. Sendo assim, o documentário “Vozes Libertadoras” vem costurar diversas memórias particulares de acontecimentos, dificuldades e conquistas da comunicação comunitária no Território do Sisal, podendo ser utilizado como objeto de estudo desse fazer “comunicação comunitária”. Por fim, constatamos que a comunicação comunitária no Território do Sisal nasce de um projeto que visava não só fazer comunicação, como também com esta, enquanto direito de todos, contribuir assim para o fortalecimento político democrático do território do sisal. Diante de tal relevância concluímos que os fatores históricos, culturais e sociais da comunicação comunitária no Território do Sisal devem ser documentados para que na construção de uma memória coletiva seja configurada a identidade do território.
  • 47. 45 REFERÊNCIAS DELIBERADOR, Luzia M. Y.; VIEIRA, Ana C. R. Comunicação e educação para a cidadania em uma Cooperativa de Assentamento do MST. Trabalho apresentado ao NP Comunicação para a Cidadania. XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, promovido pela INTERCOM e realizado na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, de 5 a 9 de setembro 2005. BAHIA, Lílian Claret M. A reconfiguração da esfera pública local pelas rádios comunitárias Inter-FM e União na região metropolitana de Belo Horizonte. São Bernardo do Campo: UMESP, 2006. 189 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social). FERREIRA, Giovandro M; MOREIRA, Gislene. A construção da comunicação comunitária da região do Sisal: uma rede tecida com fibra e resistência. Salvador, 2005. GAGNEBIN, Jeanne Marie. Verdade e memória do passado. In: Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006, p. 39-48. JOSÉ, Carmen Lucia. Vozes da Voz do Documentário. Intercom 2013. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt.> Acesso em: 23 nov. 2013 LIMA, Julia Lemos. O Cinema Documentário como Documento-Verdade. 2005. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt.> Acesso em 21 nov. 2013. LINS, Consuelo. O cinema de Eduardo Coutinho: uma arte do presente. In TEIXEIRA, Francisco Elinaldo (org). Documentário no Brasil: tradição e transformação. São Paulo: Summus, 2004. LINS, Consuelo. Filmar o real: sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2008. LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho- televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 2004. MORAIS, Katia Santos de. A comunicação audiovisual no Território do Sisal: um olhar sobre a produção das instituições sociais In: CARVALHO, Cristina dos Santos; ROCHA, Flávia Aninger deBarros; PARCERO, Lúcia Maria de Jesus (Orgs.). Discurso e cultura: diálogos interdisciplinares. Salvador: EDUNEB, 2011. p.185- 196. MOREIRA, Gislene. Comunicação, cultura e participações, reflexões sobre a construção do desenvolvimento territorial na Região Sisaleira da Bahia. Bahia: UNI revista – vol. 1, Nº3, 2006.
  • 48. 46 _______, Gislene. Cultura, Comunicação e Participação: um olhar sobre as inter- relações entre cultura, política e desenvolvimento no sistema de comunicação do Território do Sisal. Salvador, 2006. MOURA, Hudson. Oralidade e Fabulação no Cinema Documentário. 1999. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt.> Acesso em 22 nov. 2013. NASCIMENTO, Antônio Dias (coord.). Rádios Comunitárias da Região Sisaleira da Bahia – Memória, conjuntura e perspectivas. Relatório de pesquisa. Salvador: MOC, 2005. NASCIMENTO, Edisvânio; MOTA, João Garcia da. (org). Rádio Santa Luz FM: História e Práticas de um ser tão Comunitário. Santa Luz:Talismã, 2012. NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005. NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Lhaury. Projeto história, São Paulo, 1993. OLIVEIRA, Juliana Costa. A COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO SISAL. Conceição do Coité, 2010. PENAFRIA, Manuela. O filme documentário: história, identidade, tecnologia. Lisboa: Cosmos, 1999. PERUZZO, Cicília Maria Krohling; ALMEIDA, Fernando Ferreira de (orgs). Comunicação para a cidadania. São Paulo: Intercom; Salvador: UNEB, 2003. PERUZZO, Cicília Maria Krohling. Direito à comunicação comunitária, participação popular e cidadania. 2004. Disponível em: <http://www.unifra.br/professores/rosana/Cicilia%2BPeruzzo%2B.pdf> Acesso em: 28 mai. 2013. PERUZZO, Cicília Maria Krohling. Participação nas rádios comunitárias no Brasil. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt.> Acesso em 06 jul. 2013. PUCCINI, Sérgio. Roteiro de documentário: da pré-produção à pós-produção. São Paulo: Papirus, 2012. POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 2, 1989. RAMOS F. P. Mas afinal... O que é mesmo documentário? São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008. RUMOR, Vanessa. Nos Trilhos, a História do Paraná: Análise do Documentário de TV como Registro Histórico da Ferrovia Curitiba – Paranaguá. Curitiba 2010. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt.> Acesso em 23 nov. 2013.
  • 49. 47 SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. Memória coletiva e teoria social. São Paulo: Annablume. 2003. THOMPSON, Paul. A Voz do Passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. WATTS, Harris. Direção de câmera: um manual de técnicas de vídeo e cinema. Tradução: Eli Stern. São Paulo: Summus, 1999.
  • 50. 48 APÊNDICE
  • 51. 49 PERGUNTAS: 1. Como foi o início da comunicação comunitária no território do sisal? 2. Como se formaram a articulação para a comunicação no território? 3. Como foi a mobilização em prol das rádios comunitárias no território do sisal? 4. Quis os serviços prestados pela rádio comunitária no território? 5. Qual o papel das organizações sociais para a comunicação comunitária? 6. Quais as principais dificuldades em fazer comunicação comunitária no território do sisal? 7. Qual a sua avaliação da comunicação comunitária no território do sisal? 8. Quais as mudanças que podem ocorrer ou ocorrem nas comunidades a partir da comunicação comunitária? 9. A participação da comunidade é importante para a comunicação comunitária? 10. Como foram as primeiras articulações e reuniões para as mobilizações em prol da comunicação comunitária?
  • 52. 50 ROTEIRO DO VÍDEO “VOZES LIBERTADORAS” IMAGEM ÁUDIO DOIS MEMBROS DA EQUIPE SINTONIZANDO UM RÁDIO ANTIGO. RUÍDOS DA SINTONIZAÇÃO. OFF - PROCESSO DE BUSCA DAS INFORMAÇÕES E INTRODUÇÃO DO TEMA. IMAGENS DA PISTA - CARRO EM MOVIMENTO. OFF - PROCESSO DE BUSCA DAS INFORMAÇÕES E INTRODUÇÃO DO TEMA. TÍTULO DO DOCUMENTÁRIO. EDISVÂNIO NASCIMENTO. APRESENTAÇÃO DO PERSONAGEM. ARLENE FREIRE. APRESENTAÇÃO DO PERSONAGEM. NAYARA CUNHA. APRESENTAÇÃO DO PERSONAGEM. ANTÔNIO SAMPAIO. APRESENTAÇÃO DO PERSONAGEM. PAULO MARCOS. APRESENTAÇÃO DO PERSONAGEM.
  • 53. 51 CAMILA OLIVEIRA. APRESENTAÇÃO DO PERSONAGEM. INSERT - IMAGENS DE KLAUS EM EVENTOS NO TERRITÓRIO DO SISAL. OFF- APRESENTAÇÃO PERSONAGEM. KLAUS MINIHUBER - VIA SKYPE. INSERT- IMAGENS DO PROCESSO DE FILMAGEM – ENTREVISTA. ARTICULAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS EM PROL DA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA. EDISVÂNIO NASCIMENTO. INSERT – ESTÚDIO DA RÁDIO SANTALUZ FM. MOVIMENTO DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA. KLAUS MINIHUBER. INSERT- IMAGENS DO PROCESSO DE FILMAGEM – ENTREVISTA. RÁDIOS COMUNITÁRIAS - HISTÓRIA E DESENVOLVIMENTO. EDISVÂNIO NASCIMENTO. RÁDIOS COMUNITÁRIAS - DENÚNCIAS DOS PROBLEMAS SOCIAIS DA COMUNIDADE. NAYARA CUNHA. O INÍCIO DA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO
  • 54. 52 SISAL - RÁDIO COMUNITÁRIA – MOC. ARLENE FREIRE. PARTICIPAÇÃO NAS MOBILIZAÇÕES EM PROL DA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA. CAMILA OLIVEIRA. AGÊNCIA MANDACARÚ DE COMUNICAÇÃO E CULTURA – HISTÓRIA E SERVIÇO. PAULO MARCOS. INGRESSO NO MOVIMENTO DE COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA. ANTÔNIO SAMPAIO INSERT – FACHADA DA RÁDIO VALENTE FM RÁDIO COMUNITÁRIA – RETORNO DA COMUNIDADE PELO SERVIÇO PRESTADO. EDISVÂNIO NASCIMENTO. MUDANÇAS NO CENÁRIO DO TERRITÓRIO DO SISAL. CAMILA OLIVEIRA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA – PERSPECTIVAS EDISVÂNIO NASCIMENTO. CORDEL – COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA FICHA TÉCNICA CORDEL – COMUNICAÇÃO
  • 55. 53 INSERT – IMAGENS DAS GRAVAÇÕES. COMUNITÁRIA EDISVÂNIO NASCIMENTO. CORDEL – COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA. APRESENTAÇÃO – INFORMAÇÕES SOBRE O TRABALHO
  • 56. 54 ANEXOS
  • 57. 55 TRAÇOS DA COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA NO TERRITÓRIO DO SISAL17 Agora eu peço licença, Para então me expressar, Nestas breves palavras, Pela arte de versejar, Puxando pela memória, Relembrando uma história, Que vive a me apaixonar... Essa história começa, No final dos anos noventa, O século foi o passado, Quando tudo se movimenta, Pois se sentia a necessidade, De estabelecer a liberdade, A comunidade estava atenta... Quando falo de comunidade, Refiro-me aos movimentos, Sindicatos e Associações, Todos lutando a contento, Buscando a democracia, Dizendo não a hipocrisia, Foram partindo prá dentro... Nesta mesma corrente, Entraram as cooperativas, Igrejas católica e evangélica, Nas mesmas perspectiva, Pela liberdade de expressão, 17 Cordel que está inserido no documentário, escrito por Edisvânio Nascimento, cordelista, estudante do 8º semestre de comunicação social – Radialismo da Universidade do Estado da Bahia – UNEB e diretor executivo da rádio comunitária Santa Luz FM.
  • 58. 56 Sofreram perseguição, Pelas forças impositivas... Essas forças eram os governos Que estavam incomodados, Com o fortalecimento, Dos segmentos organizados, Que fundavam uma comunicação, Que permitisse a participação, Das pessoas postas de lado. Essas pessoas postas de lado Era sem dúvida a grande maioria, Pois os meios de comunicação, São era para a classe da burguesia, Políticos e empresários aliados, Decidiam o que ia ser veiculado, Determinavam o que a gente ouvia... Então essas organizações, Logo se articularam na região, E juntas em seus municípios Puxavam a mais forte reflexão, Decidiram que rádio comunitária, Tinha que ser prioridade necessária Para democratizar a comunicação. E assim foram fundando as rádios, Por quase todo o Território do Sisal E junto a esta luta, estava outra, Que era também justa e fundamental, Combater e erradicar o trabalho infantil Assegurar todo o direito juvenil Era uma questão mais que justa e moral...
  • 59. 57 O PETI nasceu primeiro em Retirolandia, E depois contagiou toda a região, Já as rádios foram em Valente e Tucano E deles e de lá começou a ploriferação E as vozes logo se multiplicavam, As Rádios Comunitárias chegavam, Como instrumento de luta da população... Neste contexto também, Jamais podemos nos esquecer, Das organizações parceiras, Que fez esse movimento crescer, O MOC foi fundamental, E o UNICEF foi essencial Para sonho se desenvolver. Mesmo com esses apoios, Enfrentamos dificuldades, Com as perseguições da ANATEL Que praticou barbaridades, Junto com a Policia Federal, Que foi monstruosa e brutal, Ferindo a nossa dignidade... Mas as lutas seguiam firmes Em todo o Território sisaleiro, Mesmo sofrendo as humilhações, Neste pedaço de chão brasileiro, Foram processos e apreensões, Xingamentos e até agressões, Fomos tratados como desordeiros. As agressões que me referi
  • 60. 58 Não só foram as psicológicas, Mas também as físicas, Quero que entendam essa lógica, Era o governo na democracia, Mostrando a sua face sombria, E as explicações demagógicas... Era prefeito mandando fechar rádio, E os empresários também, Por outro lado os movimentos, Mostrando as forças que tem, Lutava e fazia a mobilização MOC e UNICEF com capacitação, Pois quem busca a vitória vem... O movimento de rádios comunitárias Foi crescendo apesar das dificuldades, Quando chegamos no ano 2000, Isso já era a mais bela das realidades, As rádios se mobilizavam e se reuniam, Juntas pensavam e também discutiam, Por uma comunicação de qualidade... Os reconhecimentos começaram A surgir de todos os lados, Pelos trabalhos desenvolvidos, Deixando os governos incomodados, Com isso aumentava a repressão, Queriam calar a voz do sertão, Usando o aparelhamento do Estado... Assim as rádios comunitárias, Eram duramente perseguidas, Por querer dar voz ao povo,
  • 61. 59 Eram pelo Estado, reprimidas, Mas mesmo sofrendo a repressão, Fizeram uma forte mobilização, Em prol das classes esquecidas. As rádios comunitárias se uniram Em todo o Território do Sisal, Trazendo muitas conquistas, E uma delas muito fundamental, Junto com a UNEB discutiram, Lutaram até quando conseguiram, Trazer o curso de comunicação social. A UNEB investiu neste sonho E hoje já temos turmas formadas, Cada um buscando se dedicar, Seguindo a sua caminhada, Exercendo a sua cidadania, Em favor da nossa democracia, Sonhando vê-la consolidada. Sonhando em ver consolidada A democracia da comunicação, Pois ainda temos muito a fazer, Para que haja esta consolidação, Libertar as rádios comunitárias Destas formas cruéis e arbitrárias, Destes governos de opressão... As Leis que dizem lhes regulamentam, É uma mentira abusiva e imoral, Que fere os princípios da democracia, Para as rádios comunitárias é um mal, Isso está no país inteiro,
  • 62. 60 E no Território Sisaleiro, A perseguição ainda é real. A comunicação comunitária Tem contribuído intensamente, Para o fortalecimento da democracia, No Território do Sisal certamente, Aqui ela já fortaleceu e contribuiu, Quem prestou atenção já viu, Eu digo isso alegremente. Foram várias as contribuições, Porém cabe uma exemplificação, Falamos de cultura, lazer e esporte, Saneamento, saúde e educação, Política agricultura, Direitos e cidadania Meio ambiente e moradia, Isso é democratização... Preservamos a memória e a história Lutamos pela identidade regional, Valorizamos nossas lutas, No Território do Sisal, Que a comunicação chegue um dia A mais plena democracia, Pois isso será sensacional.
  • 63. 61 A Constituição Federal de 1988 Titulo VIII Dá Ordem Social CAPÍTULO V DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição. § 1º - Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV. § 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística. § 3º - Compete à lei federal: I - regular as diversões e espetáculos públicos, cabendo ao Poder Público informar sobre a natureza deles, as faixas etárias a que não se recomendem, locais e horários em que sua apresentação se mostre inadequada; II - estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente. § 4º - A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais, nos termos do inciso II do parágrafo anterior, e conterá, sempre que necessário, advertência sobre os malefícios decorrentes de seu uso. § 5º - Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio. § 6º - A publicação de veículo impresso de comunicação independe de licença de autoridade. Art. 221. A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios: I - preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas; II - promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive sua divulgação; III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; IV - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família. Art. 222. A propriedade de empresa jornalística e de radiodifusão sonora e de sons e imagens é privativa de brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos, aos quais caberá a responsabilidade por sua administração e orientação intelectual. § 1º - É vedada a participação de pessoa jurídica no capital social de empresa jornalística ou de radiodifusão, exceto a de partido político e de sociedades cujo capital pertença exclusiva e nominalmente a brasileiros. § 2º - A participação referida no parágrafo anterior só se efetuará através de capital sem direito a voto e não poderá exceder a trinta por cento do capital social. Art. 222. A propriedade de empresa jornalística e de radiodifusão sonora e de sons e imagens é privativa de brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos, ou de pessoas jurídicas constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede no País. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 36, de 2002) § 1º Em qualquer caso, pelo menos setenta por cento do capital total e do capital votante das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens deverá pertencer, direta ou indiretamente, a brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos, que exercerão
  • 64. 62 obrigatoriamente a gestão das atividades e estabelecerão o conteúdo da programação. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 36, de 2002) § 2º A responsabilidade editorial e as atividades de seleção e direção da programação veiculada são privativas de brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos, em qualquer meio de comunicação social. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 36, de 2002) § 3º Os meios de comunicação social eletrônica, independentemente da tecnologia utilizada para a prestação do serviço, deverão observar os princípios enunciados no art. 221, na forma de lei específica, que também garantirá a prioridade de profissionais brasileiros na execução de produções nacionais. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 36, de 2002) § 4º Lei disciplinará a participação de capital estrangeiro nas empresas de que trata o § 1º. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 36, de 2002) § 5º As alterações de controle societário das empresas de que trata o § 1º serão comunicadas ao Congresso Nacional. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 36, de 2002) Art. 223. Compete ao Poder Executivo outorgar e renovar concessão, permissão e autorização para o serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens, observado o princípio da complementaridade dos sistemas privado, público e estatal. § 1º - O Congresso Nacional apreciará o ato no prazo do art. 64, § 2º e § 4º, a contar do recebimento da mensagem. § 2º - A não renovação da concessão ou permissão dependerá de aprovação de, no mínimo, dois quintos do Congresso Nacional, em votação nominal. § 3º - O ato de outorga ou renovação somente produzirá efeitos legais após deliberação do Congresso Nacional, na forma dos parágrafos anteriores. § 4º - O cancelamento da concessão ou permissão, antes de vencido o prazo, depende de decisão judicial. § 5º - O prazo da concessão ou permissão será de dez anos para as emissoras de rádio e de quinze para as de televisão. Art. 224. Para os efeitos do disposto neste capítulo, o Congresso Nacional instituirá, como seu órgão auxiliar, o Conselho de Comunicação Social, na forma da lei.