UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB – CAMPUS XIV                    CURSO DE HISTÓRIA                    PAULO VIANA CU...
PAULO VIANA CUNHA  RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA EM SANTA LUZ:APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS COM A UNIVERSAL DO          ...
PAULO VIANA CUNHA  RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA EM SANTA LUZ:APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS COM A UNIVERSAL DO          ...
AGRADECIMENTOS       Depois de uma longa caminhada, finda mais uma etapa da vida importante que nãoserá esquecida. Trabalh...
SUMÁRIOINTRODUÇÃO............................................................................................................
Renovação carismática em Santa Luz- Aproximações com a Universal do Reino de Deus                                         ...
Charismatic Renewal in Santa Luz- Approaches with the Universal Kingdom of God                                            ...
INTRODUÇÃO       No Brasil, os temas relacionados ao estudo das religiões foram por muito tempo depouco interesse para os ...
do tradicionalismo católico. O referido grupo estava extremamente voltado para a oração ecom clara aproximação, em determi...
(entrevista de alguns membros participantes do grupo de oração reviver, materiais de ensinopara os coordenadores dos grupo...
CAPITULO I                       Mudanças aceleradas no contexto religioso cristão        Não há como negar hoje a grande ...
ao espiritismo, profissionalização de padres cantores e uma estrutura empresarial. 2 Sobre esseaspecto, Ricardo Mariano de...
Durkheim a respeito dessa mistura entre o sagrado e o profano, entre a influência quedeterminados aspectos religiosos tem ...
Com as transformações do século XIX na Europa, e principalmente com relação aliberdade religiosa, a Igreja católica no Bra...
outro elemento, mas sem entrar em atritos com a Igreja, promove-se o cristianismo por meiodo ensino religioso e há uma sup...
enquanto o termo deuropentecostalismo3 significaria o surgimento do segundo grupopentecostal, e o termo neopentecostal ind...
pentecostalismo clássico enfatiza o dom de línguas, o deuropentecostalismo enfatiza o dom dacura, sendo assim diferentes a...
própria Igreja Universal se encontra no momento, já que a sua principal finalidade é resolveros problemas habituais dos fi...
CAPITULO II    Carismáticos e a Igreja Universal em Santa Luz: Aproximações e distanciamentos        A Igreja Universal do...
corpo retorcido e com as mãos voltadas para trás do corpo em forma de garra (MARIANO,2005, p.131). O ritual de libertação ...
de sua cultura religiosa. O mesmo se pode dizer dos indígenas, que desde o início dacolonização do Brasil, tiveram igualme...
a mesma reutiliza a magia divina como elemento indissociável da graça de Deus, como oselementos benzidos e abençoados pelo...
grupo de oração R. M. S. (professora, solteira) integrante do grupo de oração Reviver desde2001 afirmou a ligação do grupo...
Eu acho que todo mundo tem direito de ter sua religião, mas eu não acho certo uma                               igreja vim...
levantar as mãos, aplaudir, mover-se e até dançar são consideradas dignas de oração dohomem. Estudo bíblico não é recomend...
Sobre esse aspecto Carlos Rodrigues Brandão coloca que                               No interior de um espaço de experiênc...
Quando os primeiros escravos foram deportados para o Brasil Colônia, trouxeram suabagagem cultural, inclusive religiosa. C...
identificando os demônios por seus nomes e qualidades, relacionando as doenças causadas poresses demônios com seus nomes. ...
intuito de procurar ajuda com relação a problemas habituais e cotidianos, mostrando-se assimque possui claras feições neop...
para a solução de problemas e aflições do fies. Prega-se uma nova mensagem religiosa esugere-se o conforto espiritual para...
a influências de crenças e práticas pentecostais, e se percebe isso no grupo Reviver com aampla devoção a Maria e também a...
aos costumes modernos, o tradicionalismo de pessoas ligadas à igreja mostrou-se como umaforma de resistência e distanciame...
supervisão da igreja para que a maioria católica aceitasse. Os padres locais queacompanharam o crescimento do grupo de ora...
barreiras que impeçam o virtual adepto de se entregar a Jesus, de mudar de religião e de semanter na nova comunidade relig...
CONSIDERAÇÕES FINAIS       De acordo com todas as análises sociológicas feitas acerca do pentecostalismo,podem-se constata...
do Brasil, devido em grande parte pela sua linguagem simples e as promessas com soluçõespara os problemas cotidianos, util...
O grupo de oração Reviver também funciona como uma agência de cura divina, poisse propõe a resolver os problemas do cotidi...
REFERÊNCIASAQUINO, Rubim Santos de Leão. Sociedade brasileira: uma história através dosmovimentos sociais. 5ed. Local: Rec...
PIERUCCI, Antônio Flávio. “Bye, bye Brasil” – O declínio das religiões tradicionais nocenso 2000. Estudos avançados, Estud...
MACEDO, Bispo. Orixá, caboclos e guias: deuses ou demônios? Rio de Janeiro: Universal,2000.MARIOTTI, Alides Destri. Renova...
ANEXOSA - Entrevista com R.M.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia25/07/2009.1º Há quanto tempo que ...
Ninguém gostava por que quem dirigia os cultos não era nem o padre, eram pessoas que nemsabiam da bíblia direito. Mas com ...
B - Entrevista com R.M.S., integrante e coordenadora do grupo de oração Reviver, realizadano dia 25/07/2009.Me Fale um pou...
É através do testemunho que todos se ativam e despertam outros irmãos a viver experiênciascom o amor de Deus. Os fiéis dem...
Qual o número aproximado de pessoas que freqüentam o grupo Reviver?Tem um grupo que sempre participa freqüentemente que sã...
C - Entrevista com A.S.L., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia20/06/2009.Você já participava da Igreja...
O que você acha sobre a localização da Igreja Universal, junto da Igreja Católica?Eu acho que todo mundo tem direito de te...
D – Foto da Igreja Universal do Reino de Deus (à esquerda) e da Igreja Católica (à direita) nomunicípio de Santa Luz. Na i...
Na imagem abaixo Igreja Universal do Reino de Deus e Igreja Católica vistas da Praça Joaquim de    Góes no município de Sa...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Renovação carismática católica no município de santa luz aproximações e distanciamentos com a universal do reino de deus

1,751 views
1,654 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,751
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Renovação carismática católica no município de santa luz aproximações e distanciamentos com a universal do reino de deus

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB – CAMPUS XIV CURSO DE HISTÓRIA PAULO VIANA CUNHA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA EM SANTA LUZ:APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS COM A UNIVERSAL DO REINO DE DEUS CONCEIÇÃO DO COITÉ 2010
  2. 2. PAULO VIANA CUNHA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA EM SANTA LUZ:APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS COM A UNIVERSAL DO REINO DE DEUS Trabalho de conclusão de curso, apresentado para obtenção do grau de Licenciado de História pela Universidade do Estado da Bahia, sob orientação do Prof. Dr. Aldo José Morais Silva. CONCEIÇÃO DO COITÉ 2010 1
  3. 3. PAULO VIANA CUNHA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA EM SANTA LUZ:APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS COM A UNIVERSAL DO REINO DE DEUS. Trabalho de conclusão de curso aprovado pela banca examinadora para obtenção do grau de Licenciado em História pela Universidade do Estado da Bahia. Conceição do Coité, (data da defesa). BANCA EXAMINADORA: _________________________________________________ Prof. Dr. Aldo José Morais Silva - UNEB (Orientador) _________________________________________________ Profª Iris. - UNEB. _________________________________________________ Prof. Carlos Almeida - UNEB. 2
  4. 4. AGRADECIMENTOS Depois de uma longa caminhada, finda mais uma etapa da vida importante que nãoserá esquecida. Trabalhar em grupo é uma tarefa árdua, mas ao mesmo tempo gratificante,pois a variedade de idéias e divergências de opiniões faz parte da construção do saberhistórico e humanístico. Agradeço aqui, aos meus colegas de curso e professores pelo aprendizado e tambémpelo tempo que passamos juntos, desejando-lhes boa sorte em seus projetos futuros, e quecom certeza, vamos nos reencontrar sempre. Para a realização do presente trabalho concorreu à singular participação do professorAldo Moraes, que sem a sua orientação e incentivo em vários momentos do curso, o mesmonão teria sido realizado. Agradeço a minha família, por ter tido sempre paciência comigo, nos momentos queeu não pude ficar mais tempo com eles devido à produção do trabalho, em especial minhaesposa Daniela, meus filhos Paulo Henrique e Daniel, abraço a todos. 3
  5. 5. SUMÁRIOINTRODUÇÃO................................................................................................................ 07CAPITULO I- MUDANÇAS ACELERADAS NO CONTEXTO RELIGIOSOCRISTÃO……………………………………………………………………………….. 10CAPITULO II- CARISMÁTICOS E A IGREJA UNIVERSAL EM SANTA LUZ:APROXIMAÇÕES DISTANCIAMENTOS.................................................................... 18CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................................................................... 34REFERÊNCIAS............................................................................................................... 37FONTES............................................................................................................................ 39ANEXOS……………………………………………………………………………….. 40 4
  6. 6. Renovação carismática em Santa Luz- Aproximações com a Universal do Reino de Deus ResumoO propósito deste artigo é examinar de que maneira ocorre a complexa rede de influênciasentre a Igreja Universal do Reino de Deus e a Renovação Carismática Católica no municípiode Santa Luz, destacando as peculiaridades existentes na localidade. Esses grupos religiososdemonstram um alto grau de similaridade em vários aspectos, como em partes de suasliturgias, formas de organização dos grupos, clara rejeição a religiões africanas e uma nãoleitura da Bíblia. Esses aspectos puderam ser notados decorrentes de análise de fontesprimárias, que foram: entrevistas com membros do grupo Reviver em Santa Luz(representante da Renovação Carismática no município), livro de orações do grupo reviverutilizados nas reuniões, cultos da igreja Universal do Reino de Deus em Santa Luz e do grupoReviver (visitação, observação sistemática e descrição densa), a ementa da aula inaugural daescola Paulo Apóstolo na diocese de Serrinha e módulos básicos do ministério de formação daRenovação Carismáticos Católicos destinados a formação de coordenadores dos grupos deoração.Palavras-chaves: Religião, movimento, carismático, reviver, magia.Autor: Paulo Viana CunhaOrientador: Aldo Morais 5
  7. 7. Charismatic Renewal in Santa Luz- Approaches with the Universal Kingdom of God AbstractThe purpose of this article is to examine in which way it takes place to complex net ofinfluences between the Universal Church of the Gods Kingdom and the Charismatic CatholicRenovation in the local authority of Holy Light, detaching in fact his peculiarities. Thesereligious groups demonstrate a high degree of similarity in varied aspects, like in parts of hisliturgies, the forms of organization of the groups, clear rejection to African religions and a notliteral reading of the Bible. These aspects could be noticed resulting from analysis of primaryfountains, which were: you interview in spite of Reliving members of the group in Holy Light(branch of the RCC), I release of reliving prayers of the group used in the worships, worshipsof the Universal church of the Gods Kingdom in Holy Light and of the group To relive(visitation, systematic observation and dense description), the menu of the inauguralclassroom of the school Paul Apostolic in the diocese of Serrinha and basic modules of theministry of formation of the Charismatic Catholic Renovation destined the coordinatorsformation of the groups of prayer.Keywords: Religion, movement, charismatic, revive, magic.Author: Paulo Viana CunhaAdviser: Aldo Morais 6
  8. 8. INTRODUÇÃO No Brasil, os temas relacionados ao estudo das religiões foram por muito tempo depouco interesse para os estudos científicos, ficando apenas ao interesse particular de seucampo institucional, como seminários, centros religiosos de pesquisa e principalmente entreteólogos. Contudo, o estudo da religião é extremamente importante para uma investigaçãocientífica, pois para Durkeim, se a ciência em princípio nega a religião, isso é um equivoco,pois a religião efetivamente existe, e os homens foram obrigados a formar a noção do que éreligião bem antes das ciências das religiões terem podido instituir suas comparaçõesmetódicas (1989, p. 53). A religião, portanto, constitui-se num sistema de fatos e dados, umarealidade social passível de investigação científica. Com isso, esse estudo não é um trabalhoteológico, trata-se de um estudo no campo da história da religião, cuja tentativa é entender oreligioso numa perspectiva histórica. Assim, o estudo desenvolvido aqui tem o objetivo dedemonstrar justamente a influência de uma corrente religiosa sobre a outra, da reutilização deelementos religiosos da Universal pela Renovação Carismática católica, sendo necessáriosalientar que essa não é uma prática nova e que não foi um processo que ocorreu de um diapara o outro. Assim, o mais importante saber o porquê dessa reutilização nesse contextohistórico, principalmente em Santa Luz. Fontes importantes foram coletadas para essa análise, como entrevista dealguns membros participantes do grupo de oração reviver, materiais de ensino para oscoordenadores dos grupos, fornecido pela Diocese Paulo apóstolo, situada no município deSerrinha, livro de orações selecionadas por cura libertação e intercessão, utilizado peloscoordenadores locais. A criação do grupo de oração Reviver, em 2001, no município de Santa Luz, na Bahia,despertou a minha curiosidade, visto que possuía muitas características totalmente diferentes 7
  9. 9. do tradicionalismo católico. O referido grupo estava extremamente voltado para a oração ecom clara aproximação, em determinados aspectos, à Igreja Universal do Reino de Deus. Ogrupo de oração Reviver surgiu de um movimento de dentro da Igreja Católica, a renovaçãocarismática católica. Esse grupo de oração é composto por pessoas leigas, que vão dos fiéisaos próprios coordenadores do grupo, que também podem ser mulheres. É um grupo que estásubmisso a igreja local, não tem um fundador particular e nem uma lista fixa dos membrosparticipantes. Para existir no município, o grupo tem que respeitar principalmente doisdogmas católicos: a veneração a Virgem Maria e a obediência e submissão à Igreja. O gruporeviver de fato tem uma ação religiosa diversa do tradicionalismo católico, pois além de aderiraos dogmas católicos citados acima, possui características e práticas pentecostais,principalmente aquelas observadas na igreja Universal do Reino de Deus, que serãoanalisadas ao longo desse trabalho. De fato, perguntas relevantes devem ser feitas, entre as quais: Como o recebimentodo espírito santo, sentimento concebido pelas igrejas ditas pentecostais, pode-se imbricar nasreuniões do grupo Reviver? Por que houve a criação de um movimento de cunho leigo no seioda igreja Católica no município? Há nessas reuniões promessas de soluções mágicas para ocotidiano das pessoas? Como entender essa conjunção de práticas religiosas para se chegar aalívios das crises do homem? Quais seriam de fato as aproximações e os distanciamentos dogrupo reviver no município de Santa Luz com a Universal? Que relação há com a veneração àvirgem Maria? Até aonde há uma redefinição de valores no grupo de oração reviver? Essassão perguntas centrais que tentarei elucidar com a maior clareza possível nesse trabalho. Utilizei no referido trabalho o método de observação sistemática em campo,abordando aspectos qualitativos e quantitativos dos grupos religiosos aqui tratados. Oresultado conclusivo do trabalho partiu do pressuposto da análise de fontes primárias 8
  10. 10. (entrevista de alguns membros participantes do grupo de oração reviver, materiais de ensinopara os coordenadores dos grupos) e utilização de um referencial teórico baseado emDurkeim, Ricardo Mariano, Maria das Dores Machado Campos e Antônio Flávio Pierucci,autores que tem como especialidade o estudo de fenômenos religiosos. 9
  11. 11. CAPITULO I Mudanças aceleradas no contexto religioso cristão Não há como negar hoje a grande transformação que parte do pentecostalismo passounas últimas três décadas. De fiéis sectários e ascéticos no mundo moderno, os quais eramimplacavelmente estigmatizados, alguns setores passaram a ser mais imediatistas epragmáticos (MARIANO, 2005, p.8). A Igreja Universal do Reino de Deus, principalrepresentante dessa nova corrente pentecostal, propôs novos ritos e crenças, relaxaramcostumes e comportamentos e novas formas de relacionamento com o mundo moderno. A Universal prioriza a extrema oração1, a fim de conseguir bens materiais e exorcizaros demônios, que são representados pelas religiões africanas, apesar de assimilar elementosdas próprias religiões africanas. Nessa nova corrente religiosa que a Universal do Reino deDeus está inserida, os cultos muitas vezes estão dinamizados, com bandas evangélicas derock, funk, axé music, com coreografias utilizadas em danceterias e show profanos, o queinclui saltos do palco para os braços da platéia. Outro fator relevante é a organização empresarial, com um marketing bastantedesenvolvido, visto que faz um uso proselitista da TV, que embora seja diário e limitado, énotório. A Universal é vista como o maior fenômeno religioso dos últimos vinte anos noBrasil por ser apontada como o elemento mais dinâmico dentro do contexto religioso atual,devido ao seu rápido crescimento em seu tempo de existência, ou seja, pouco mais de trintaanos (MARIANO, 2005, p. 11). A Renovação Carismática Católica também se utiliza de vários preceitos da Universal,como a oração sem praticamente nenhuma leitura da Bíblia, um ataque às religiões africanas e1 Extrema oração é entendida aqui como uma oração militante e agressiva, com o objetivo maior de expulsar osdemônios da vida dos fiéis, sendo feita várias vezes durante os cultos. 10
  12. 12. ao espiritismo, profissionalização de padres cantores e uma estrutura empresarial. 2 Sobre esseaspecto, Ricardo Mariano destaca a sua atual corrida para ocupar mais espaço na TV emaximizar o uso evangelístico de sua rede radiofônica (2005, p. 14). A oração é caracterizadacomo sendo o momento singular e principal das reuniões dos grupos carismático (ocupandotambém a maior parte de cada reunião). As pessoas oram fervorosamente em busca desoluções espirituais e terrenas. Com isso essa renovação no interior da Igreja faz parte de umadisputa no mercado religioso atual, devido ao crescimento das igrejas pentecostais, que secaracterizam pela pluralidade de denominações no mundo moderno capitalista. Sobre essaquestão, Ricardo Mariano afirma que: João Paulo II, quando esteve no Brasil em 1991, atento à diminuição do seu rebanho e ao crescimento dos seus concorrentes cobrou dos cerca de 300 bispos reunidos em Natal durante o Congresso Eucarístico Nacional uma ação mais eficaz contra a ignorância religiosa e a carência de doutrina que deixa o povo vulnerável à sedução das seitas (MARIANO, 2005, p. 13). De fato, do ponto de vista cultural, o Brasil é caracterizado como sendo extremamentecomplexo e pluralista, devido à própria miscigenação da sociedade e à troca cultural queexistiu entre branco, negro e índio o que vai de fato influenciar em aspectos religiosos. Essatroca cultural aconteceu em diversos contextos históricos no que diz respeito à formação danação brasileira. Em comentário a essa questão, Charles R. Box aponta que: As procissões religiosas que tinham lugar em muitos dias santificados da igreja eram realmente, uma feição da vida na Bahia, mesclando o sagrado e o profano de forma a causar perplexidade. O catolicismo português sempre mostrou tendência para se concentrar nas manifestações externas do culto cristão, e o grande elemento africano na Bahia reforçou indubitavelmente essa tendência (BOX, 2000, p. 159).2 A rede de televisão Vida, de propriedade da Igreja Católica, reflete o novo posicionamento da Igreja comrelação aos meios de comunicação, inclusive o televisivo, dando grande relevância ao setor midiático. PadreEduardo ao lado de Jonas Abib, liderança da comunidade carismática canção nova, imprimiram um caráterempresarial e tecnológico, trilhando caminhos não esboçados no início do movimento. Percebe-se um sistema depropaganda montada em megaeventos, ao estilo das igrejas eletrônicas, nos shows de bandas carismáticas. PadreMarcelo Rossi é o maior exemplo disso. 11
  13. 13. Durkheim a respeito dessa mistura entre o sagrado e o profano, entre a influência quedeterminados aspectos religiosos tem sobre outros, assinala que: Em geral são restos de religiões desaparecidas, sobrevivências não organizadas... nos nossos países europeus o cristianismo reforçou-se por absorvê-los e assimilá- los; imprimiu-lhe cor cristã (DURKEIM, 1989, p. 67) Como se pode notar, apesar de manter-se o distanciamento entre sagrado e profano atécerto grau, onde cumpre verificar os esclarecimentos do próprio Durkheim que “a coisasagrada é, por excelência, aquilo que o profano não deve, não pode impunemente tocar”(1989, p. 72), no Brasil desenvolveu-se uma adaptação das crenças nas religiões africanascom os rituais da fé católica, comumente chamado de sincretismo religioso. Só que no mundoatual, a Universal reutiliza alguns elementos africanos como rosas do descarrego em seuscultos, que são melhores assimilados pelas populações de baixa renda, já que muitos dessesprovêm também dos espaços do candomblé e da Umbanda. Historicamente o catolicismo foi implantado no Brasil com o argumento de que erapreciso expandir a fé cristã. Essa evangelização foi realizada por etapas e empreendidainicialmente por quatro ordens: jesuítas, franciscanos, carmelitas e beneditos, sendo que aspráticas religiosas estavam intricadamente ligadas à estrutura patriarcal da família nas grandesplantações de cana-de-açúcar e centravam-se na capela, no oratório privado e na devoção aossantos. No Brasil a igreja Católica foi dependente do Estado, pelo menos até o advento daRepública. Durante o período colonial, a Igreja Católica encontrava-se sob a tutela do Estadoportuguês, que lhe conferia benefícios e privilégios. No Império, a Igreja Católica aindagozava de amplos poderes, representando e legitimando os poderes das classes dominantes(HOLANDA, 2006, p. 348). 12
  14. 14. Com as transformações do século XIX na Europa, e principalmente com relação aliberdade religiosa, a Igreja católica no Brasil temendo perder sua hegemonia na sociedade,utiliza várias estratégias para manter-se viva, entre elas, a revitalização de antigas ordensreligiosas e a fundação de outras, criticando o liberalismo, o comunismo, o racionalismo e opróprio progresso (MICELLI, 1988, p.13). Os leigos vão ter oportunidade de atuar na Igreja Católica do Brasil através dasirmandades, das confrarias e das ordens terceiras, organismos que o Brasil herdou de Portugale que florescia em Minas Gerais. O catolicismo era a única religião oficial do Brasil, e adevoção virtualmente obrigatória. A Igreja tinha o papel de educadora, que foi desenvolvidoatravés das escolas Jesuítas (HOLANDA, 2006, p. 351). A situação da Igreja católica vai mudar mais visivelmente em 17 de Janeiro de 1890,com o decreto nº 119-A, do governo provisório republicano, que estabelecia um regime deseparação entre Estado e Igreja, dando lugar a um Estado não-confessional, sendo assim ocatolicismo foi nivelado por lei às seitas protestantes, e o Estado tornou-se Laico(HOLANDA, 2006, p. 351). No período da República Velha do Brasil, com a variedade de religiões existentes, aIgreja católica tem seu poder político reduzido pela separação da mesma com o Estado. Mas opoder político vai ver na Igreja um poderoso instrumento para manter a ordem públicaconturbada pelos movimentos revolucionários da época. Com isso, o decreto proclamado pelopoder público sinalizando a necessidade de colaboração política entre a Igreja e o Estadocolocava a Igreja novamente em uma situação privilegiada (HOLANDA, 2006, p. 350). Após a “revolução” de 1930, com a criação de um Estado com feições fascistas enacionalistas, a figura do chefe de Estado passa a ser valorizada em detrimento de qualquer 13
  15. 15. outro elemento, mas sem entrar em atritos com a Igreja, promove-se o cristianismo por meiodo ensino religioso e há uma supressão dos partidos políticos (SKIDMORE, 2007, p.50). No período referente à ditadura militar no Brasil, a Igreja Católica ainda gozava deprivilégios, como o ensino religioso nas escolas públicas, conseqüentemente o catolicismo.Após a ditadura militar, com a promulgação da constituição de 1988, a liberdade religiosa énovamente enfatizada como sendo um aspecto obrigatório de um Estado democrático, e tornafacultativo o ensino religioso nas escolas brasileiras. O começo efetivo do protestantismo no Brasil vai ocorrer no século XIX. Com a vindada família real em 1808, os ingleses conseguem autorização para realizar seus cultos nosnavios ancorados nos portos brasileiros. Mas o pentecostalismo vai ser inserido no Brasil noséculo XX com a Assembléia de Deus em 1910 e a Congregação Cristã do Brasil em 1911,ambas sectárias e ascéticas. Na década de 1950 e 1960 é fundada a igreja Quadrangular (1951), Brasil para Cristo(1955) e Deus é amor (1961). Na década de 1970 e 1980 surgem a Universal do reino de Deuse a Igreja Internacional da graça de Deus, no Rio de Janeiro. Todas essas igrejas, contudo sãobastante heterogêneas, tanto em suas liturgias quanto em suas formas de organização(MARIANO, 2005, p. 23). O pentecostalismo brasileiro nunca foi homogêneo e contém claras diferençasinternas. A classificação que usarei nesse trabalho (seguida também pela maioria dosestudiosos do tema) para identificar as tipologias do pentecostalismo brasileiro leva em contatrês vertentes: pentecostalismo clássico, deuropentecostalismo e neopentecostalismo. Essaclassificação foi proposta por Freston, analisando aspectos doutrinários e o espaço de tempoem que cada uma foi criada, sendo que o termo clássico teria como idéia o pioneirismo, 14
  16. 16. enquanto o termo deuropentecostalismo3 significaria o surgimento do segundo grupopentecostal, e o termo neopentecostal indicaria o terceiro e novo grupo pentecostal(FRESTON, 1981, p.81). O pentecostalismo clássico vai abranger as duas primeiras igrejas pentecostaisfundadas no Brasil: a Congregação Cristã em 1910 e a Assembléia de Deus e 1911. Essasigrejas são comumente denominadas clássicas reproduzindo a tipologia norte-americana, ouseja, como uma idéia de pioneirismo histórico e antiguidade. Essas igrejas sempre tiveramcomo idéias religiosas o abandono ao mundo material e rejeição ao exterior, distanciando opúlpito dos leigos, dificultando a ascensão à hierarquia eclesiástica e criando um corpoburocrático para preservá-la para além da vida de seus fundadores. No início, essas igrejaseram compostas majoritariamente por pessoas com pouca escolaridade, caracterizavam-se porum anticatolicismo ferrenho, enfatizavam o dom de línguas, a crença na volta eminente deCristo e eram extremamente sectárias e ascéticas. Passadas nove décadas, ambas aindacontinuam com a postura sectária e o ideário ascético. O deuropentecostalismo mantém um núcleo teológico clássico e teve inicio a partir dadécada de 1950 com Harold Williams e Raymond Boatrigth. À frente da Cruzada nacional deEvangelização, tendo como ponto forte a igreja pentecostal Evangelho Quadrangular, elestrouxeram para o Brasil o evangelismo de massa centrado na mensagem da cura divina. Commensagens sedutoras e métodos inovadores e eficientes, foram capazes de atrair inúmerosfiéis e pastores de outras congregações, especialmente pessoas de estratos mais pobres, amaioria nordestinos. O tema central da mensagem era sempre a cura divina. Enquanto o3 O termo deuropentecostalismo é utilizado por Freston em virtude do radical deutero (presente no titulo doquinto livro do pentateuco) significar segundo ou segunda vez. 15
  17. 17. pentecostalismo clássico enfatiza o dom de línguas, o deuropentecostalismo enfatiza o dom dacura, sendo assim diferentes as ênfases em que cada qual concede ao Espírito Santo. O neopentecostalismo abrange as igrejas que pregam um modo de vida menos ascéticona terra, utilizam muito os meios de comunicação de massa, enfatizam rituais de cura eexorcismo, estruturam-se empresarialmente, são agressivas em sua militância e crenças, eacreditam que a palavra humana, associada à fé, fazem acontecer coisas neste mundo. Nessasigrejas há uma exacerbação da guerra espiritual contra o diabo e seus séquitos de anjosdecaídos. Pregam a teologia da prosperidade (o indivíduo abençoado por Deus deve serpróspero materialmente na terra), e há uma liberdade na maneira de vestir-se ou ligações como mundo exterior. As Igrejas mais importantes dessa vertente são a Universal do Reino deDeus e a Igreja da Graça de Deus. A Igreja Universal do Reino de Deus inspirou-se na igreja Nova Vida fundada em1960 no Rio de Janeiro, pelas mãos de Robert Mclister, que pregava o prazer como finalidadeda vida. A Universal adotou a evangelização eletrônica como carro-chefe de sua estratégiaproselitista (preferência ao rádio). A maioria de seus fiéis provém da camada baixa dapopulação, sendo atraídos principalmente por promessas de uma vida melhor financeiramente,curas físicas e espirituais. Em comentário a essa questão o autor Ricardo Mariano aponta que: Com o propósito de superar precárias condições de existência, organizar a vida encontrar sentido, alento e esperança diante de uma situação tão desesperadora, os estratos mais pobres, mais sofridos, mais escuros e menos escolarizados da população têm optado preferencialmente pelas igrejas neopentecostais (MARIANO, 2005, p 12) Sendo assim, o crescimento da Igreja Universal do Reino de Deus no Brasil eprincipalmente na Bahia é muito grande. Segundo dados do IBGE, de 1991 a 2000, no estadoda Bahia houve um crescimento dos evangélicos de quase 100%, passando de pouco mais de5% para pouco mais de 11% da população. Esse fato está ligado ao grande dinamismo que a 16
  18. 18. própria Igreja Universal se encontra no momento, já que a sua principal finalidade é resolveros problemas habituais dos fiéis. A Renovação Carismática Católica é um movimento leigo de linha pentecostaloriundo dos Estados Unidos que se instalou no catolicismo brasileiro no começo de 1970,justamente com o objetivo de combater os pentecostais protestantes. Esse combate ocorre paraneutralizar o crescimento dos protestantes utilizando elementos litúrgicos dos própriospentecostais para absorver um maior número de fiéis. Assim, a Renovação CarismáticaCatólica se constitui como uma das várias respostas que estão sendo postas em prática pelaigreja Católica para tentar barrar o avanço dos seus adversários religiosos. A igreja Católica percebeu que dentro de uma sociedade mais secularizada e cada vezmais pluralista em termos religiosos, era necessário redefinir seu papel em alguns aspectos,dentre eles a liturgia. Segundo Antônio Flávio Pierucci, o catolicismo diminuiu nos últimostrinta anos, passando de 91% da população brasileira a 73% (PIERUCCI, 2004, p. 4). Comisso, a Renovação Carismática Católica surge, com o objetivo de renovar determinadosaspectos litúrgicos a fim de barrar o avanço do pentecostalismo evangélico, e afirmarelementos da tradição da Igreja Católica, principalmente no interior do nordeste, onde a Igrejacatólica sempre teve a maioria absoluta dos fiéis. A ação religiosa provoca no território brasileiro mudanças sociais, culturais edevocionais, principalmente no espaço religioso católico devido às novas expressões que aRenovação Carismática propicia no interior da igreja. É dentro desse contexto pós-modernoque vai se desenvolver o grupo Reviver em Santa Luz, mostrando-se claramente como umgrupo de resistência à ascensão das igrejas pentecostais evangélicas, particularmente aUniversal, por ser a igreja mais próxima fisicamente, o que por si só já a torna umaconcorrente em potencial. 17
  19. 19. CAPITULO II Carismáticos e a Igreja Universal em Santa Luz: Aproximações e distanciamentos A Igreja Universal do Reino de Deus foi inserida no município de Santa Luz no finalde década de 1980, passando por dois locais alugados até chegar aonde se encontra nomomento, próxima a linha férrea no município, no centro da cidade. A igreja tanto em seuexterior quanto em seu interior é rústica, sendo, porém espaçosa, com cerca de trinta metrosde comprimento e dezoito metros de largura. São realizados cinco cultos por dia, sendo queem cada dia é realizado um culto diferente, com soluções mágicas e milagrosas dos problemascotidianos. É celebrado o culto do descarrego, bem conhecido em todo o Brasil por suaperseguição implacável as religiões africanas, onde o pastor em uma das minhas observaçõesclamava: Meu Deus arranca esse demônio diante de ti, esse espírito que tá alojado lá na casa dela, esse encosto que ta alojada lá na casa dela, que tá alojado no marido, colocando amante, colocando vício, vicio da cachaça, vicio da bebida, vício... Essa pessoa não tem paz, ela não tem paz, não consegue dormir direito é você tranca-rua, tranca-rua, sai daqui, sai daí, em nome de Jesus, você que ta colocando essa dor no corpo, na coluna, sai daqui em nome do senhor Jesus.4 Combatidos nos cultos, os demônios são devidamente identificados, por seus nomes equalidades, tal como se denominam pais e mães-de-santo. Quando um possesso é levado aopúlpito, já com o demônio submetido e amarrado para que não se machuque e nem prejudiquemais seu “cavalo”5, a estrutura do ritual geralmente apresenta enredo fixo, com o pastorperguntando seu nome, humilhando-o, como pedir imitações para que fiquem de joelhos paraserem exorcizados. As amarrações da Universal são morfologicamente similares amanifestação de exus nas tendas de umbanda, quando os possessos ficam em transe, com o4 Oração do pastor Heleno da Universal do Reino de Deus no município de Santa Luz dia 23/12/2008.5 Cavalo é um termo usado no meio pentecostal para indicar que determinada pessoa possessa está subjugada poralgum demônio. 18
  20. 20. corpo retorcido e com as mãos voltadas para trás do corpo em forma de garra (MARIANO,2005, p.131). O ritual de libertação de possessos ocorre em quase todos os cultos daUniversal. A libertação se dá durante a oração, para que os fiéis recebam graças e libertem-se detodos os males. Com isso, os diferentes sofrimentos e infortúnios também são atribuídos adeterminados demônios. No entanto, é preciso ressaltar que transformar os deuses de outrasreligiões em demônios é uma prática antiga do cristianismo. Como exemplo pode-se citar ademonização dos deuses de Grécia e Roma. Giovanni Filoramo coloca que: Entre os séculos VIII e IX, surgiu, e se consolidou na Igreja e na sociedade bizantina um movimento contrário ao culto de imagens, chamado iconoclasta, do grego eikonoklátes, “destruidores de imagens”. As raízes religiosas da iconoclastia se baseiam no cristianismo primitivo e em seu aniconismo (ausência de imagens), conseqüência tanto da proibição bíblica das imagens (Exôdo20, 4), como da luta antiidolátrica contra o culto pagão de imagens (FILORAMO, 2005. P.80). Assim, o conflito entre o bem e o mal sempre foi o centro do cristianismo. Comrelação a isso, o próprio Edir Macedo, líder da Igreja Universal, diz que: Omolu, por exemplo, que se intitula rei da calunga do cemitério, é um dos grandes responsáveis por esse tipo de enfermidade (ataques epilépticos). Todas as pessoas que tiveram nossa ajuda em oração com autoridade do nome de Jesus manifestaram espíritos que tinham seus nomes ligados aquele mal... já oramos várias vezes por pessoas viciadas em tóxicos, bebidas alcoólicas, cigarro ou jogo, e na maioria dos casos, o responsável por tudo é o exu chamada “Zé pelintra” ou “malandrinho” (MACEDO, 2000, p. 47). Como se pode perceber há um claro ataque as religiões africanas, uma tentativa óbviade demonização das religiões negras no Brasil. A demonização de religiões africanas pelocristianismo não é algo novo. Essa perseguição decorria no Brasil da existência, nos séculospassados e no início do século XX de extensas séries de práticas, saberes, e discursos elitistasfundamentados no racismo, no etnocentrismo, no evolucionismo e em preceitos culturaisvariados que pressupunham a inferioridade racial e intelectual do negro, e, por conseguinte, 19
  21. 21. de sua cultura religiosa. O mesmo se pode dizer dos indígenas, que desde o início dacolonização do Brasil, tiveram igualmente sua cultura negada pela Igreja Católica. Comoaponta Berta Gleizer Ribeiro: O privilégio legal que tinha os jesuítas de subjugar o índio para comunicar-lhe a doutrina cristã, era uma maneira sutil de escravizá-lo, tolhendo sua liberdade e impondo-lhe uma religião e um modo de vida que não estava apto a receber... O que resultou da pregação jesuítica não foi, porém, um índio convertido, mas um índio subjugado, domesticado, que vendo desmoralizados os costumes a que estava arraigado, sem ter assimilado a fé que lhe quiseram impor, não encontrava nem motivo nem força para viver (RIBEIRO, 1983, p.43). A oração contínua também faz parte do cotidiano da Universal em Santa Luz, ondenão é dada praticamente importância nenhuma à leitura da Bíblia, e os fiéis cantam e dançamincessantemente sem nenhum pudor para louvar a Deus. Não existe nenhuma indicação decomo os fiéis devem se vestir para participar dos cultos, sendo muitos vistos de bermuda ecamiseta, e as mulheres usam batons e acessórios de beleza que igrejas pentecostais maistradicionalistas não permitem. A Universal do Reino de Deus é permissiva com relação àscoisas do mundo, e, além disso, funciona de maneira empresarial, age como uma agência decura divina. Sobre isso Ricardo Mariano coloca que: Baseia-se em promessas e rituais para a cura física e emocional, prosperidade material, libertação de demônios, resolução de problemas afetivos, familiares de crise individual e de relacionamento interpessoal (MARIANO, 20005, p. 09). A afirmação de Max Weber de que o dispêndio de riqueza para fins de consumopróprio era muito facilmente associado à submissão idolatra do mundo (2009, p. 124) nãopode ser aplicada a Universal. Há uma pregação de que o prazer no mundo é um direito docristão abençoado, e para isso utiliza-se de elementos dotados de poderes mágicos paraalcançar a benção de Deus. A afirmação de Durkheim de que a religião, por sua vez, emboranão tenha condenado e proibido sempre os ritos mágicos, olha-os em geral de mododesfavorável (1989, p.75) também não deve ser aplicada à Universal do Reino de Deus, já que 20
  22. 22. a mesma reutiliza a magia divina como elemento indissociável da graça de Deus, como oselementos benzidos e abençoados pelos pastores em geral. Nesse sentido, afirma RicardoMariano, “a Universal institucionalizou denominacionalmente práticas e crenças mágico-religiosas de inspiração cristã” (2005, p.57). O grupo de oração Reviver em Santa Luz foi criado em 2001, segundo membros dopróprio grupo, um ano após a mudança da Igreja Universal do Reino de Deus para o prédioonde se encontra atualmente, próximo à linha férrea e a cerca de cinqüenta metros da IgrejaCatólica do município. O grupo de oração reviver funciona em uma das salas da partesuperior da igreja católica, e inegavelmente tem feições pentecostais, pois sua ênfase está napura oração e louvor a Deus. O interessante é a relativa proximidade que a mesma estáapresentando em alguns aspectos importantes com a Igreja Universal do Reino de Deus nomunicípio. Comparo o grupo de oração Reviver aqui com a Universal do Reino de Deus pordois motivos: em primeiro lugar a Universal é a única igreja neopentecostal existente nomunicípio e, em segundo, por sua relativa proximidade física com a mesma. O local onde são realizadas as reuniões do grupo de oração Reviver, não possuinenhuma imagem referente a santos ou ao próprio Cristo, sendo um local rústico e amplo.Isso vai totalmente de encontro à tradição católica que sempre manteve em seus ambientesimagens de santos católicos e de Jesus Cristo. Bem, a mudança da Universal do Reino de Deus para um local próximo a IgrejaCatólica não foi naturalmente aceita pela comunidade católica. Quando perguntada sobre oporquê da criação do grupo de oração Reviver no município de Santa Luz, a coordenadora do 21
  23. 23. grupo de oração R. M. S. (professora, solteira) integrante do grupo de oração Reviver desde2001 afirmou a ligação do grupo Reviver com o Renascer6 e disse em entrevista que: O grupo nasceu da necessidade da oração e da busca constante pela intimidade com Deus. Diante disso surgiu o convite o para o grupo de jovens da Matriz participar de um evento em Salvador, o chamado Renascer.7 A resposta dada pela coordenadora do grupo foi um pouco genérica sobre o porquê dacriação do grupo no município, mas outros participantes do grupo de oração deram respostasbem contundentes com relação à mudança da Universal para próximo a Igreja Católica.M.S.S. (funcionária pública, casada) integrante do grupo desde 2007 e católica a mais de dezanos, quando perguntada sobre a reação dos católicos sobre a proximidade das igrejas disse: Muitos ficaram indignados. Não aceitavam essa falta de respeito. Criou-se aqui um espírito de revanche entre essas igrejas devido a essa mudança absurda aqui pra perto da gente. Na época, lembro que muitos foram atrás da prefeitura pra não liberar o alvará de funcionamento pra essa igreja. 8 Sobre esse fato, segundo informações colhidas com integrantes do grupo Reviver,houve uma procura de alguns fies católicos à prefeitura, mas não chegaram a formalizar umpedido. A alegação dos católicos era o extremo barulho que a Igreja Universal provocavadurante os seus cultos. Pessoas ligadas a Igreja Universal comentaram que a Igreja nunca teveproblemas de convívio social naquela localidade, citando alguns problemas com vizinhos emoutras ruas, o que resultou até em pichações da Igreja em anos anteriores. Com relação areação dos integrantes da Igreja Universal a essa ação dos católicos, eles qualificam comomeramente ações diabólicas para atrapalhar a verdadeira obra de Deus. A. S. L (24 anos, dona de casa), há três anos freqüentando o grupo Reviver nomunicípio disse:6 Renascer é um encontro anual realizado em Salvador pela Igreja Católica a fim de debater problemas esoluções das Igrejas Católicas nos municípios do interior da Bahia. Esse encontro acontece no período docarnaval, e é também uma espécie de retiro espiritual durante essa época do ano.7 Entrevista com R.M.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 25/07/2009.8 Entrevista com M.S.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 28/07/2009. 22
  24. 24. Eu acho que todo mundo tem direito de ter sua religião, mas eu não acho certo uma igreja vim ficar tão perto aqui da nossa. É uma falta de respeito, pois muitas vezes quando a gente ta fazendo nossa reunião, e quando pensa que não, a gente tem que parar por que eles ficam cantando lá e atrapalha nossa oração. Por isso eu não acho certo. 9 Percebe-se assim, que a mudança da Igreja Universal para as proximidades da IgrejaCatólica causou reações negativas nos fiéis católicos, que continua sendo elemento de disputae discórdia entre os grupos. Com isso, o grupo de oração Reviver não deve fugir à regra sobresua criação, pois como é um movimento oriundo da Renovação Carismática Católica, é umelemento que funciona para barrar o crescimento protestante pentecostal, pois a hierarquiacatólica, temerosa de perder sua secular hegemonia na América Latina, chegou à conclusão deque é preciso agir e com urgência, antes que seja tarde demais, nem que seja copiando asestratégias da concorrência (MARIANO, 2005, p.14). Essa aproximação entre as formas de atuação das igrejas pode ser constatada emdiferentes esferas. Começarei fazendo uma pequena análise sobre a preparação dada aoscoordenadores dos grupos de oração local. Essa preparação acontece duas vezes por semanana Diocese Paulo Apóstolo, órgão ligado diretamente à Igreja Católica, no município deSerrinha. Foram distribuídos para os coordenadores cinco módulos doutrinários que contémexplicações de como o coordenador(a) deve agir para a formação de um grupo de oração ecomo mantê-lo e dirigi-lo depois de formado. Nisso incluem: organização dos ministérios nointerior do grupo (libertação e cura, intercessão, e oração) divisão de funções no grupo,formas litúrgicas e as finalidades do grupo. No 1º capitulo do 3º módulo, há um conceito do grupo de oração como própria para alibertação de drogas ou de bebidas dos mais necessitados, cura física e a conversão de algumparente ou amigo. A reunião deve ser espontânea e expressiva, onde manifestações como9 Entrevista com A.L.S, integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 20/06/2009. 23
  25. 25. levantar as mãos, aplaudir, mover-se e até dançar são consideradas dignas de oração dohomem. Estudo bíblico não é recomendado, pois o grupo deve ater-se à prática da oraçãocontínua e de louvores a Deus em suas mais variadas formas. O coordenador(a) não deveresistir a mudanças e a utilização da música é louvável para o senhor nas reuniões(MARIOTTI, 2008, p. 09-31). Dentro desse aspecto, ressaltando que é um módulo de ensino doutrinário que estádirecionado para todos os membros dirigentes dos grupos de oração, percebe-se de fato comodeve funcionar um grupo de oração da renovação carismática, e que este já se aproximaclaramente das práticas da Universal, não se comportando de maneira tradicional, permitindoque seus fiéis fiquem mais a vontade durante os cultos. E esse fato se repete em Santa Luz nogrupo de oração Reviver. Em entrevista R. M. S, quando perguntada se existia algumarestrição ou instrução para o momento de oração, respondeu que: O momento de oração pode ser de joelhos, sim quando está se adorando ao nosso Deus, mas também pode ser livremente, pode ser em pé, às vezes as pessoas preferem ficar de pé, não tem nenhuma restrição não, às vezes a gente vai colocando e quem estiver disposto a realizar de acordo com o que a gente vai indicando, pode ficar a vontade.10 Referente à mesma situação colocada acima, A. S. L (24 anos, dona de casa), disse: Agora depois que eu comecei a participar do grupo de oração, tenho uma visão melhor da igreja. Por que no grupo de oração você pode pular, dançar, cantar, tudo para a glória de Deus. Essas coisas eu achava que a igreja não deixava a gente fazer.11 M.S.S, quando perguntada sobre por que não participou desde o início do grupo deoração reviver, respondeu: Eu não gostava. Na minha visão, oração e cantos não aproximavam a gente de Deus assim, do jeito que eles diziam. Não faziam um estudo da Bíblia, nem nada. Eu sempre gostei de ver o padre citar versículos da Bíblia, e eu estudava também, coisa que lá nunca vi acontecer. 1210 Entrevista com R.M.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 25/07/2009.11 . Entrevista com A.S.L., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 20/06/2009.12 Entrevista com M.S.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 28/07/2009. 24
  26. 26. Sobre esse aspecto Carlos Rodrigues Brandão coloca que No interior de um espaço de experiências, de trocas e de significados, muito motivados, ocorrem a todo o momento quebras de unidades confessionais; fundem-se e multiplicam-se tipos de agência divina, de cultos e de crenças, igrejas, seitas, surtos e consultórios (BRANDÃO, 1986, p. 87). Com base no ensinamento dos módulos preparatórios para coordenadores de grupos deoração da Renovação Carismática Católica e nos depoimentos de participantes do grupoReviver, percebe-se que, nesse aspecto, há uma semelhança dentro do grupo Reviver com aUniversal do Reino de Deus, no que se refere a uma clara e real preocupação em não manteralgum tipo de ensinamento metodológico sobre orações, favorecendo assim uma maiorentrada de membros com pouca instrução formal, o que se caracteriza como uma práticapentecostal no interior católico. Há também uma clara perseguição a membros das religiões africanas por parte dogrupo Reviver no município de Santa Luz. No livro sobre orações selecionadas que membrosdo grupo Reviver possuem, existem passagens claras sobre ataques a religiões africanas. Naoração para libertação de todos os males, diz: Eu renuncio a toda a invocação do espírito de exu e ogum; de Oxossi e de Iemanjá; do espírito do caboclo e do preto velho; do espírito de índio, sete flechas, pomba- gira; do espírito do tranca-rua, de São Jorge; do espírito de São Cosme e São Damião. Do espírito de São Cipriano, passes espíritas e centros de macumba, a todos os trabalhos e despachos(Orações selecionadas, 1999, p. 92). No município de Santa luz, um membro do grupo de oração Reviver prosseguiuorando: Senhor Jesus, eu rogo aqui em teu nome por essas pessoas, peço que cure todo o coração ferido e atribulado aqui nessa sala, para que o senhor liberte todos dos espíritos guias, do espírito de Exum e Ogum, do tranca-rua, da pomba-gira, do mau olhado e de toda a macumba senhor.1313 Culto do grupo de oração Reviver dia 17/02/2009. 25
  27. 27. Quando os primeiros escravos foram deportados para o Brasil Colônia, trouxeram suabagagem cultural, inclusive religiosa. Como foram trazidos na condição de escravos, tiveramque adequar-se a religião dominante, o catolicismo, para assim, evitar atritos. Com isso, osescravos praticavam suas formas religiosas relacionando o nome de seus deuses com o nomedos santos católicos. Assim, na umbanda, por exemplo, São Jorge representa Ogum, a virgemMaria representa Iemanjá, Omolu representa a São Lázaro e a Santíssima trindade representaa Oxalá. M.S.S., quando perguntada o porquê dessa associação do nome de santos a deuses dereligiões africanas respondeu: Bem, a gente sabe que muitas pessoas que fazem trabalhos e despachos em casas de macumbas, utilizam o nome de santos em lugar do nome de seus demônios para enganar pessoas de bem e fazer acreditar que ali é um santo. Por isso, quando a gente fala em oração a esses espíritos malignos, não estamos falando de santos e sim de demônios disfarçados de santos. 14 Pode-se perceber que os integrantes do grupo de oração Reviver, além de reafirmarsua identidade católica em não negar o culto aos santos, diferenciam pela maneira de orarquando falam de um santo católico e de um deus da religião africana. Com relação a um deusOrixá, a oração feita por fiéis católicos repreende o mal e é agressiva, diferente da oraçãodirecionada a um santo católico, que é uma oração de veneração. Ainda com relação a essademonização, a Igreja Católica, desde o início da colonização no Brasil, assumiu essa posturafrente a outras formas de religiosidade, como Rubim Santos afirma: Na América espanhola, enquanto prática de combate ao demônio, os religiosos repudiavam com mais ênfases as idolatrias e os sacrifícios. No Brasil, deram-se muita atenção ás guerras indígenas, porém, consideradas, mais seriamente como práticas bestiais, o incesto, e o canibalismo. Durante o processo de catequese, os jesuítas „trataram de convencer‟ os indígenas de que qualquer ritual que invocasse os mortos poderia trazer as forças malignas (AQUINO, 2000, p. 248). Percebe-se assim, que semelhante a Universal do Reino de Deus em Santa Luz, aodemonizar as religiões africanas no município, o grupo de oração Reviver também faz isso14 Entrevista com M.S.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 28/07/2009. 26
  28. 28. identificando os demônios por seus nomes e qualidades, relacionando as doenças causadas poresses demônios com seus nomes. Quando perguntada o porquê de sua participação do gruporeviver de oração, A. S. L, disse: Eu antes me sentia sozinha, queria achar um lugar onde eu me sentisse bem com Deus, mas nunca quis ser crente não. Aí foi quando me falaram sobre o reviver e eu vim participar. Tinha também a questão de meu pai beber muito, aí eu vim para a igreja libertar ele. 15 A palavra libertação é muito comum no meio pentecostal. Geralmente significa livrar-se de algum mal espiritual, que prejudica as pessoas e interfere de modo negativo nas suasrelações sociais. Então, sempre quando alguém do meio pentecostal usar o termo “libertar”,infere a libertação de um mal superior, no caso demônios representados por orixás africanos.M.S.S., quando perguntada sobre os motivos que levaram a mesma a participar do grupo deoração reviver, respondeu que: Primeiramente, eu estava muito fria na igreja. Não sentia a presença de Deus na minha vida. Os problemas familiares que eu estava passando por causa dos despachos e trabalhos que faziam para mim e para minha família me fizeram participar e procurar Deus no grupo de oração. Tinha que livrar minha família da pomba-gira e do espírito diabólico de Exum. Queria me libertar. 16 Com referência a essa situação de demonização no âmbito doméstico, isso é umacaracterística pentecostal, inclusive muito pregada pela Igreja Universal do Reino de Deus nomunicípio. Sobre isso, Maria das dores Campos Machado sustenta: Identifiquei maior tendência a demonização dos conflitos domésticos nos grupos pentecostais populares, em que o nível de instrução é baixo em ambos os sexos, e a passagem pelas religiões afro-brasileiras se mostraram mais freqüente (MACHADO, 1996, p.109). Outra situação interessante no grupo reviver é sua aproximação a uma agência de curadivina, em que a maior parte dos fiéis não é fixa. Na verdade, muitos vão ao grupo com o15 Entrevista com A.S.L., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 20/06/2009.16 Entrevista com M.S.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 28/07/2009. 27
  29. 29. intuito de procurar ajuda com relação a problemas habituais e cotidianos, mostrando-se assimque possui claras feições neopentecostais. R. M. S, com relação os problemas citados pelaspessoas que procuram o reviver explica que: Muitas vezes são problemas relacionados com os vícios, ao álcool, violência em casa, questões de saúde, e buscam no grupo de oração esse auxílio através da oração e cura. Então eles vem muito no grupo de oração buscar essa força, essa proteção, esse auxílio.17 Com relação à pergunta de quantas pessoas em média freqüentam o grupo de oraçãoreviver, R. M. S. respondeu que: Tem um grupo que sempre participa freqüentemente que são os fiéis, que conduz o encontro, mas tem o grupo maior de pessoas que vem sempre que precisa de oração.18 Diante desse quadro, percebe-se então com maior clareza que há sim uma grandeabsorção de elementos e da forma de organização da Universal do Reino de Deus por parte dogrupo de oração Reviver, pois funciona como agência de cura divina, expulsando os demôniose não tendo um grande grupo de fiéis fixos. Entende-se aqui por fiéis fixos um númerorelativo de pessoas que freqüentam regularmente em um grupo religioso, ou seja, sempre asmesmas pessoas (ou a maioria) comparecendo as reuniões por vários motivos, e não havendoum rodízio significativo de fiéis nesse grupo religioso. Assim, a idéia de fixo exposta aqui nãosignifica imutável ou permanente, mas apenas com baixa rotatividade de pessoal. No caso do ingresso de uma pessoa no grupo de oração Reviver resulta de crises docotidiano do indivíduo, como: desorientação psicológica, problemas conjugais e familiares,doenças, alcoolismo ou vícios em drogas e dificuldades financeiras. Para Carranza, nessescasos “sob a ação do Espírito Santo, recria-se a referência mítica e miraculosa como recurso17 Entrevista com R.M.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 25/07/2009.18 Idem. 28
  30. 30. para a solução de problemas e aflições do fies. Prega-se uma nova mensagem religiosa esugere-se o conforto espiritual para atrair fiéis” (1998, p. 39). Conforme dispõe Ricardo Mariano, a igreja Universal funciona como um verdadeiro“pronto-socorro espiritual”, com o famoso lema “Pare de sofrer”. Assim, as pessoasatualmente expostas aos meios de comunicação de massas e bombardeadas constantementepelos valores da sociedade secularizada, se transformam em indivíduos insatisfeitos eangustiados que busca no emocionalismo e no misticismo uma saída para seus problemashabituais e conflitos pessoais. Dentro dessa perspectiva, as religiões como o catolicismotendem a perder seus adeptos para as formas de religiosidade em que a crença e o ritualmístico favorecem ao acesso mais fácil ao sagrado como forma de êxtase emocional e mística.E isso se reflete no município de Santa Luz. De fato, a clara pentecostalização de segmentos do catolicismo como o grupo Reviverno município de Santa Luz demonstra que a hegemonia católica está ameaçadaconcomitantemente com a ampliação e difusão de outras religiões de matriz cristã, sendo essapentecostalização um instrumento usado como forma da reação para a disputa pelo mercadoreligioso no município. Desta forma o movimento dos carismáticos emerge como parte deuma Igreja Católica que esta em plena reestruturação buscando conquistar os novos fiéis eresgatar os antigos. Sobre isso, Prandi atesta que: A Renovação Carismática Católica passou a ser vista como um braço muito operante, a arma procurada para defender e reconquistar os territórios perdidos para pentecostais, afro-brasileiros, religiões orientais e outras ameaças menores. Apesar das inovações que poderiam até desfigurar o velho catolicismo, a RCC mostrou que poderia trazer de volta uma população de católicos que passeavam entre as várias opções do mercado religioso. Mostrou que poderia de novo encher as igrejas, e encher as igrejas com muito fervor e devoção (PRANDI, 1997, p. 53). Mas apesar de absorver elementos importantes da Universal do reino de Deus, o grupoReviver também reafirma dogmas católicos. A hierarquização da instituição tenta neutralizar 29
  31. 31. a influências de crenças e práticas pentecostais, e se percebe isso no grupo Reviver com aampla devoção a Maria e também a obediência ao padre local. Esse reconhecimento de Mariacomo sendo a virgem imaculada e mãe de Deus (dogma católico), serve de referência deidentidade própria para que fique clara a diferenciação dos carismáticos com outros gruposreligiosos pentecostais, no que concerne aos dogmas. Sobre isso, Prandi atesta que “na luta pela distinção e superação dos pentecostais, oapelo à devoção a Maria tem peso nos discursos dos lideres da RCC... Sabendo reconhecer ovalor que a mãe de Jesus tem para sua identidade” (1997, p. 156). Dentro desse aspecto,Maria das Dores Campos Machado aponta que a devoção a virgem Maria foi estimulada parademarcar as fronteiras entre o catolicismo e o pentecostalismo, sendo que em certa medidareforçar a identidade católica dos carismáticos. A autora coloca que: Mas naquele estudo, concluímos que a classe de origem dessas mulheres e a força de alguns elementos católicos, particularmente o marianismo, influenciavam muito neste movimento (a RCC), levando a um retorno ao universo católico através da Renovação Carismática Católica (MACHADO, 1996, p. 99). Também é interessante ressaltar que no início o grupo reviver não teve um amploapoio da comunidade católica no município devidos as suas características pentecostais, e atéhoje encontra certa dificuldade em romper com o preconceito com seus membros. A respeitodisso, R. M. S. (professora, solteira) falou que: No início tivemos dificuldade, bastante rejeição, preconceito aos membros do grupo de oração, muita indiferença, mas com o tempo nós fomos nos colocando e mostrando que a oração é essencial e o grupo de oração tem esse objetivo de interceder, de rezar pela igreja, pelas famílias e por toda nossa realidade.19 Em virtude do que foi mencionado, esse é um fator bastante importante a serabordado, percebendo assim que mesmo com a introdução de um novo grupo mais adequado19 Entrevista com R.M.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 25/07/2009. 30
  32. 32. aos costumes modernos, o tradicionalismo de pessoas ligadas à igreja mostrou-se como umaforma de resistência e distanciamento do mundo moderno e pluralista atual. Ocorre que apesar do grupo Reviver ser parte integrante da Igreja Católica, muito dosfiéis não conseguiu assimilar as mudanças ocorridas no interior da igreja, resistindo de fato àsnovas formas religiosas, aceitando somente o saber religioso do padre, onde não há umaredefinição rigorosa de identidade confessional, como uma ressocialização atualizadora denovos códigos religiosos de crenças e práticas rituais. Constata-se, portanto, que houve umadiscriminação do grupo de oração Reviver frente pelos católicos tradicionais no município deSanta Luz. Sobre isso, Prandi atesta que: Os dez primeiros anos da RCC no Brasil foram de crescimento e desaprovação, por ser um movimento leigo e independente em relação à estrutura da igreja. Na própria estrutura financeira, ela inovava e reafirmava a sua independência e enquanto aumentava em numero de membros, não recebia o apoio de um vaticano progressista (PRANDI, 1997, p. 52). M.S.S. foi perguntada sobre a falta de apoio da comunidade católica ao grupo deoração reviver no seu surgimento e respondeu que: Ninguém gostava por que quem dirigia os cultos não era nem o padre, eram pessoas que nem sabiam da bíblia direito. Mas com o tempo, o povo foi aceitando. O próprio padre nas missas falava que era um grupo da igreja e que todos que pudessem deviam participar. Aí, muitos que só escutavam o padre, acabaram aceitando o grupo na igreja. 20 Com isso, apesar da discriminação sofrida pela comunidade católica, o grupo Reviveracabou sendo aceito pelos fiéis mais tradicionalistas, pois como se percebe, o papel do padrefoi determinante para a mudança de atitude de muitos católicos para com o grupo Reviver,pois o padre, chefe maior da igreja local, sabia que o grupo de oração reviver estavaincumbido de recuperar antigos fiéis e absorver novos integrantes, trazendo assim benefíciospara a igreja local. Não foi um processo que ocorreu de maneira aleatória, mas sim teve uma20 Entrevista com M.S.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 28/07/2009. 31
  33. 33. supervisão da igreja para que a maioria católica aceitasse. Os padres locais queacompanharam o crescimento do grupo de oração Reviver foram o padre Cícero (2000-2004)e o padre Jairo (2004-2009). Segundo integrantes do grupo de oração Reviver, o padre Cícero era o incumbido daIgreja Católica no momento do surgimento do Reviver, embora não estivesse tão diretamenteenvolvido com as atividades do grupo. Sua relação com o grupo carismático, portanto, deu-sede maneira mais formal, mas este, sem dúvida, apoiava sua expansão no município. O Padre Jairo, por outro lado, apoiou mais intensamente o grupo. Embora não seenvolvesse diretamente nas reuniões, (já que a atuação do grupo, que como já foi dito, é deresponsabilidade dos leigos carismáticos católicos), o padre sempre incentivou os fiéis aparticipar do Reviver, promovendo encontros entre os jovens do grupo de oração, além depromover jogos e eventos na Igreja local, ligados ao grupo Reviver. A proximidade entre as instituições religiosas de fato é um elemento que aguça astensões entre ambas. Localizada a cerca de cinqüenta metros da Igreja Católica, a Universaldo reino de Deus se configura como uma poderosa concorrente no mercado religioso local, oque vai exigir da Igreja Católica alguma reação. Essa reação veio com o grupo Reviver, com oobjetivo de impedir a ascensão da Universal na localidade, o que naturalmente lheprejudicaria com a dispersão de parte de seus fiéis, que insatisfeitos com os seus problemascotidianos, iriam procurar ajuda no pentecostalismo emocional mais próximo, que seria aIgreja Universal. Com isso, numa situação de pluralismo religioso, a concorrência inter-religiosa paracooptar e manter adeptos e fiéis é extremamente acirrada. Assim, o desafio no município éatrair o maior número possível de indivíduos aos cultos, onde no interior das instituições(Reviver e Universal) há a pregação e a tentativa de romper com o ceticismo e com as 32
  34. 34. barreiras que impeçam o virtual adepto de se entregar a Jesus, de mudar de religião e de semanter na nova comunidade religiosa. O Homem pós-moderno encontra-se sem referência segura, apático socialmente edando adeus as ilusões, passa a dar valor a tudo que se refere a sensações, como escapismopara algum tipo de sentido além da realidade. O pluralismo religioso cria um ambientepropício para a adesão a novas formas de diversificação dos cultos e reuniões, pois a tentativaagora é manter e conquistar os fiéis, arrebanhando pessoas que procuram a solução imediatade seus problemas ou de suas exclusões sociais, ansiando satisfação pessoal e buscando umapeculiar ligação com o divino. Com isso, o sujeito tornou-se um ser fragmentado, plural,composto de várias identidades, muitas vezes contraditórias e mal resolvidas. É assim, que ogrupo de oração Reviver, pronto para dar atendimento às carências mais latentes do indivíduo,faz surgir um novo filão religioso no município, reunindo em suas dependências jovens eadultas, assegurando a vitória divina em meios às atribulações vividas pelo homem na terra. 33
  35. 35. CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com todas as análises sociológicas feitas acerca do pentecostalismo,podem-se constatar as mais variadas mudanças que ocorreram no interior desse gruporeligioso. Com o surgimento do neopentecostalismo, em especial a Universal do Reino deDeus, as promessas e soluções mágicas para os problemas cotidianos passaram a ser usadosfrequentemente como instrumentos de cooptação de indivíduos, na maioria das vezes dosestratos mais marginalizados da sociedade. Essa Igreja apresenta-se com uma estratégia deajustamento dos indivíduos pobres na sociedade pós-moderna. Com a teologia daprosperidade, esses indivíduos não teriam que pagar um preço tão alto com as proibiçõeslegalistas, prescrições e tabus comportamentais para serem considerados eleitos por Deus.Agora, o enriquecimento e o consumismo passam também a ser frutos de uma fé abençoada. Apesar de a modernidade possibilitar ao homem um maior controle sobre a natureza(em particular sobre seu próprio corpo), não resolveu as tensões, ameaças e apreensõeshumanas. A angústia existencial do homem continuou como uma incógnita. A própriamodernidade fomentou descontentamentos e o aparecimento das mais variadas formasreligiosas, com o objetivo de aproximação com o sobrenatural. Assim, a competição religiosafoi acirrada, e consequentemente, a adequação de algumas religiões como catolicismo foi defato obrigatória para tentar causar uma retração nas religiões que ameaçam seu poder. A lógica de mercado tem levado as formas religiosas a desempenhar um papel socialmuito ativo, onde o individualismo do mundo moderno produziu uma solidão pavorosa nohomem, levando o mesmo a consumir a própria religião cada vez mais, como uma forma decompensação das necessidades afetivas. Assim, a Universal do Reino de Deus, o famoso“pronto-socorro” citado por Ricardo Mariano, ganha cada vez mais adeptos em várias partes 34
  36. 36. do Brasil, devido em grande parte pela sua linguagem simples e as promessas com soluçõespara os problemas cotidianos, utilizando para isso elementos dotados de poderes mágicoscomo instrumento de aproximação com o sobrenatural. O surgimento das comunidades carismáticas, no início não foram bem aceitas entremaioria dos membros da Igreja Católica. O maior medo do clero era a perda de poder sobreesse novo grupo religioso, embora os fiéis tradicionais não aceitassem a nova forma dedevoção propagada pelos leigos. Com isso, percebemos que houve uma discriminação sofridapelo grupo Reviver no interior da igreja no municio de Santa Luz. Para resolver esseproblema, os leigos carismáticos têm que obedecer dois dogmas católicos: veneração a Mariae obediência ao Papa e a santa igreja. O padre local teve papel importante para que acomunidade católica aceitasse em seu seio o grupo de oração Reviver, reafirmando sempre aidentidade católica do grupo de oração e interferindo a favor do crescimento local do grupoReviver. O grupo de oração Reviver no município de Santa Luz tem de fato, se aproximado dealguns elementos da igreja Universal do Reino de Deus. O primeiro é a ênfase no exorcismo ena demonização das religiões afro-brasileiras. São os espíritos malignos e forças demoníacasque atuam na vida do indivíduo, destruindo-lhe a personalidade e causando comportamentosdesviantes como traição, agressividade física, alcoolismo entre outros vícios. O segundo é a extrema ênfase dada no espírito santo e no pentecostes. Não existe umaordem comportamental de como o fiel deve adorar a Deus. O espírito, portanto, é a presençasobrenatural nas reuniões carismáticas, que pode ser através de um hino, uma pregação, umaoração ou até de técnicas corporais como a dança e as palmas, elementos tão presentes naUniversal do Reino de Deus. Também há de ressaltar a pouca importância dada pelo grupoReviver a leitura da Bíblia. 35
  37. 37. O grupo de oração Reviver também funciona como uma agência de cura divina, poisse propõe a resolver os problemas do cotidiano das pessoas, sendo que não tem um elevadogrupo de participantes fixos. As pessoas vão até o grupo com o intuito de resolver seusproblemas pessoais, a fim de obter um conforto espiritual. O grupo de oração Reviver nomunicípio funciona como um aliado forte para barrar o avanço pentecostal, inclusive da suavizinha Universal do Reino de Deus. A redefinição de valores do grupo de oração Reviver no município obedece à rigorosaobservância ao culto da virgem Maria e a obediência a Igreja Católica, visto que apesar de serdirigido por leigos, é um movimento oriundo da igreja, fato que serve como reforço daidentidade católica do grupo na localidade. O grupo de oração Reviver, semelhante a outros grupos de oração da RCC que seespalharam por quase todas as paróquias do Brasil, adquire uma expressividade religiosaímpar, e apresenta às massas uma novidade religiosa, ou melhor, um retorno ao culto litúrgicoque estava esquecido na origem do cristianismo, mesclando novos e velhos elementos,conseguindo dar um novo impulso ao catolicismo luzense, sem perder, porém, sua identidadecatólica. 36
  38. 38. REFERÊNCIASAQUINO, Rubim Santos de Leão. Sociedade brasileira: uma história através dosmovimentos sociais. 5ed. Local: Record, 2006.BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Os deuses do povo: um estudo sobre a religião popular. 2ªed. SP: Editora Brasiliense, 1986.BETHELL, Leslie (Org.). História da América Latina: história latina colonial, vol.1;tradução Maria Claro Cescato. 2ªed. SP, Brasília, 2004. P. 553-568.BOX, Charles R. A idade de ouro no Brasil: dores de crescimento de uma sociedadecolonial. 3ª ed. RJ: Nova Fronteira, data.DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Paulinas, 1989.FRESTON, Paul. Breve história do pentecostalismo brasileiro. In ANTONIAZZI , Alberto.Nem anjos e nem demônios: interpretações sociologias do pentecostalismo. Petrópolis,RJ: Vozes, 1994, p. 67 -159.FILORAMO, Giovanni. Monoteísmos e dualismos: as religiões da salvação. TraduçãoCamila Kintzel; organização da edição brasileira Adone Agnolin. 1ª Ed. SP: Hedra, 2005.MACHADO, Maria das Dores Campos. Carismáticos e pentecostais: Adesão religiosa naesfera familiar. Campinas, SP: ANPOCS, 1996MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: a sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. 2ªed. SP: Loyola, 2005.MICELLI, Sérgio. A elite eclesiástica brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.HOLANDA, Sérgio Buarque. O Brasil Republicano: sociedade e instituições (1889-1930).Paulo Sérgio Pinheiro... et al. 8ª ed. RJ: Bertrand Brasil, 2006.PAEGLE, Eduardo Guilherme de Moura. Uma breve análise historiográfica doprotestantismo brasileiro e suas tendências atuais. Trabalho apresentado no simpósio daXXIII ANPUH na UEPG, 2005.PRANDI, Reginaldo. Um sopro do espírito: a renovação conservadora do catolicismocarismático. São Paulo: USP, 1997. 37
  39. 39. PIERUCCI, Antônio Flávio. “Bye, bye Brasil” – O declínio das religiões tradicionais nocenso 2000. Estudos avançados, Estudos avançados, volume 18, SP, 2004.RIBEIRO, Berta Gleizer. O índio na história do Brasil. São Paulo: Global, 1983.SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio a Castelo, 1930-1964. Rio de Janeiro: Paz e terra,14ª Ed. 2007. P.21-109.WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4ª Ed. SP: Martin Claret,2009.WEBER, Max. Sociologia das religiões (tipos de relações comunitárias religiosas). INeconomia e sociedade, Vol I, Ed. Da UNB, Brasília, 1991.________, Max. Sociologia. São Paulo: Ática, 1999. P. 142 – 159. FONTES 38
  40. 40. MACEDO, Bispo. Orixá, caboclos e guias: deuses ou demônios? Rio de Janeiro: Universal,2000.MARIOTTI, Alides Destri. Renovação carismática católica – Brasil, ministério deformação. SP: Loyola, 2008. 1º, 2º, 3º, 4º e 5º modulo.Orações selecionadas por cura e intercessão, 23ª Ed. Sorocaba, Loyola, out. de 1999.Descrição densa e observação sistemática da Igreja Universal do Reino de Deus em Santa Luze seu culto dia 01/11/2008 e 14/01/2009.Gravações de cultos da Igreja Universal do Reino de Deus dia 01/11/2008 e do grupo deoração reviver dia 17/02/2009.Entrevista com A.S.L., integrante do grupo de oração reviver, realizada no dia 20/06/2009.Entrevista com M.S.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 28/07/2009.Entrevista com R.M.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia 25/07/2009. 39
  41. 41. ANEXOSA - Entrevista com R.M.S., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia25/07/2009.1º Há quanto tempo que você faz parte da Igreja Católica de Santa Luzia no Municípiode Santa Luz?Há, já faz tempo... Tem mais de 10 anos.2º E há quanto tempo você participa do grupo de oração reviver?Desde 2007 que eu venho aqui no grupo de oração.3º Quais foram os motivos ou razões que levaram você a participar e freqüentar o grupode oração reviver?Primeiramente, eu estava muito fria na igreja. Não sentia a presença de Deus na minha vida.Os problemas familiares que eu estava passando por causa dos despachos e trabalhos quefaziam para mim e para minha família me fizeram participar e procurar Deus no grupo deoração. Tinha que livrar minha família da pomba-gira e do espírito diabólico de Exum.Queria me libertar4º Por que você não participou desde o inicio do grupo de oração reviver?Eu não gostava. Na minha visão, oração e cantos não aproximavam a gente de Deus assim,do jeito que eles diziam. Não faziam um estudo da Bíblia, nem nada. Eu sempre gostei de vero padre citar versículos da Bíblia, e eu estudava também, coisa que lá nunca vi acontecer.5º Com a mudança da Igreja Universal do Reino de Deus aqui para próximo a igrejacatólica, como a comunidade católica reagiu a isso?Muitos ficaram indignados. Não aceitavam essa falta de respeito. Criou-se aqui um espíritode revanche entre essas igrejas devido a essa mudança absurda aqui pra perto da gente. Naépoca, lembro que muitos foram atrás da prefeitura pra não liberar o alvará defuncionamento pra essa igreja.6º Fiquei sabendo que no inicio muitos católicos não aprovavam o grupo de oraçãoreviver na igreja. Hoje, parece que o grupo de oração reviver não enfrenta mais essesproblemas. Como isso ocorreu? 40
  42. 42. Ninguém gostava por que quem dirigia os cultos não era nem o padre, eram pessoas que nemsabiam da bíblia direito. Mas com o tempo, o povo foi aceitando. O próprio padre nas missasfalava que era um grupo da igreja e que todos que pudessem deviam participar. Aí, muitosque só escutavam o padre, acabaram aceitando o grupo na igreja.7º Como você explica a utilização e associação de nomes de santo a Deuses africanos(demônios para os cristãos) nas reuniões do grupo reviver? Você também utiliza isso?Bem, a gente sabe que muitas pessoas que fazem trabalhos e despachos em casas demacumbas, utilizam o nome de santos em lugar do nome de seus demônios para enganarpessoas de bem e fazer acreditar que ali é um santo. Por isso, quando a gente fala em oraçãoa esses espíritos malignos, não estamos falando de santos e sim de demônios disfarçados desantos. 41
  43. 43. B - Entrevista com R.M.S., integrante e coordenadora do grupo de oração Reviver, realizadano dia 25/07/2009.Me Fale um pouco sobre como ocorreu a criação do grupo de oração Reviver nomunicípio de Santa Luz e quais foram os reais motivos para que a criação do grupo deoração ocorresse.O grupo surgiu da necessidade da oração, e da busca constante pela intimidade com Deus,diante disso surgiu o convite para o grupo de jovens da Matriz participar de um evento emSalvador, o chamado Renascer.Qual a sua rotina e função aqui no grupo Reviver?Minha rotina é manter o grupo unido, na oração pessoal, na comunidade, na palavra deDeus, através também da formação, nos encontros de oração, também no acompanhamento eaconselhamento dos membros, e na partilha pessoal, sempre que necessário, organizarevento da RCC na Matriz, visitas as famílias, e etc.Como o grupo está organizado? Existe alguma hierarquia?O grupo está organizado da seguinte forma: coordenação geral, vice-coordenação geral,coordenação do ministério jovem, e auxiliares.Gostaria que você me falasse um pouco sobre como as pessoas ligadas aos setores maistradicionais da Igreja reagiram com a criação do grupo Reviver em Santa Luz?No início tivemos dificuldade, bastante rejeição, preconceito aos membros do grupo deoração, muita indiferença, mas com o tempo nós fomos nos colocando e mostrando que aoração é essencial e o grupo de oração tem esse objetivo de interceder, de rezar pela igreja,pelas famílias e por toda nossa realidade.Existem vários testemunhos e relatos em várias igrejas cristãs. Aqui na RenovaçãoCarismática Católica (Reviver) em Santa Luz, existem testemunhos? Qual o significadodo testemunho no grupo Reviver? 42
  44. 44. É através do testemunho que todos se ativam e despertam outros irmãos a viver experiênciascom o amor de Deus. Os fiéis demonstram entusiasmo, perseverança, e uma alegria que osune e os diferencia dos demais.Qual o perfil dos fiéis que freqüentam o grupo Reviver aqui no município de Santa Luze quais seriam os principais problemas que eles dizem passar e vêm buscar ajuda aquino grupo?São jovens que buscam estar perto de Deus, no serviço da Igreja como coral, no teatro,celebração das missas, buscam o refúgio, o consolo, a proteção na oração, no louvor, napalavra de Deus. Muitas vezes são problemas relacionados com os vícios, ao álcool,violência em casa, questões de saúde, e buscam no grupo de oração esse auxílio através daoração e cura. Então eles vêm muito no grupo de oração buscar essa força, essa proteção,esse auxílio.Com relação ao livro orações selecionadas para intercessão e cura, você usa algumasdaquelas orações nas reuniões? Qual seria o objetivo delas?Algumas orações ministradas são orações de intercessão, pedindo perdão ou proteção deDeus, súplica ao Espírito Santo, a cura interior, pedindo providência divina de acordo com anecessidade. A nossa vida é dom de Deus, mas no nosso mundo em que vivemos existe muitosproblemas, muitas tribulações, e é por isso que precisamos estar em constante oraçãosuplicando a graça de Deus em nossa vida.Como você se apresenta para a questão da própria libertação ou melhoração no grupoReviver? Há testemunhos sobre como acontece essa libertação? O que seria essalibertação?Geralmente quando se fala em libertação, se fala em alguém possesso por espírito mal. Nossalibertação precisa ser dos nossos próprios apegos, sofrimentos sem razão de ser, falta deamor ao próprio, a falta de perdão, a falta do amor a Deus, a falta de fé, o medo, houvetestemunhos no grupo de oração sobre alguns desses problemas.O que significa orações em línguas no grupo Reviver? Isso já ocorreu aqui no grupo?Me fale um pouco sobre isso.A oração em línguas é uma forma de falar com Deus, é um jeito simples de rezar quando nãotemos mais palavras para dizer. Deixamos que o nosso coração cante, louve ao nosso Deus,como está em Marcos, capítulo 7, versículo 16, falaram novas línguas, em Atos dosApóstolos, capítulo 2 versículo 4, diz: todos ficaram repletos do Espírito Santo e começarama falar em outras línguas, conforme o espírito os concedia que falassem. 43
  45. 45. Qual o número aproximado de pessoas que freqüentam o grupo Reviver?Tem um grupo que sempre participa freqüentemente que são os fiéis, que conduz o encontro,mas tem o grupo maior de pessoas que vem sempre que precisa de oração.Com relação à maneira de orar do fiel, há alguma restrição ou instrução por parte dogrupo Reviver?O momento de oração pode ser de joelhos, sim quando está se adorando ao nosso Deus. Mastambém pode ser livremente, pode ser em pé, às vezes as pessoas preferem ficar de pé, nãotem nenhuma restrição não, às vezes a gente vai colocando e quem estiver disposto a realizarde acordo com o que a gente vai indicando, pode ficar a vontade. 44
  46. 46. C - Entrevista com A.S.L., integrante do grupo de oração Reviver, realizada no dia20/06/2009.Você já participava da Igreja Católica antes do grupo Reviver?Não, eu não era membro da Igreja Católica. Na verdade, não ia em nenhuma Igreja, pois nãome sentia a vontade em nenhuma delas.E as igrejas pentecostais como a Universal do Reino de Deus? Você já foi lá?Não... Eu não gosto da Universal. É uma Igreja muito manchada. Dizem que os pastoresroubam o dinheiro do povo. Aí eu não ia me sentir bem lá.Qual a sua visão sobre a Igreja Católica antes de entrar para o Reviver?Eu sempre achei a Igreja Católica muito fechada sabe?... Assim, é como que você não tivessenenhuma liberdade. Até o próprio local me assustava, com os bancos de madeira com oslocais para ajoelhar, eu nunca gostei disso não.Você participa de algum grupo aqui da Igreja Católica que não seja o Reviver?Não, só participo do grupo Reviver.E qual a sua visão hoje, atualmente sobre a Igreja Católica, depois que você começou aparticipar do grupo Reviver?Agora depois que eu comecei a participar do grupo de oração, tenho uma visão melhor daigreja. Por que no grupo de oração você pode pular, dançar, cantar, tudo para a glória deDeus. Essas coisas eu achava que a igreja não deixava a gente fazer.Gostaria de saber quais os motivos que levaram você a freqüentar o grupo Reviver?Eu antes me sentia sozinha, queria achar um lugar onde eu me sentisse bem com Deus, masnunca quis ser crente não. Aí foi quando me falaram sobre o reviver e eu vim participar.Tinha também a questão de meu pai beber muito, aí eu vim para a igreja libertar ele. 45
  47. 47. O que você acha sobre a localização da Igreja Universal, junto da Igreja Católica?Eu acho que todo mundo tem direito de ter sua religião, mas eu não acho certo uma igrejavim ficar tão perto aqui da nossa. É uma falta de respeito, pois muitas vezes quando a genteta fazendo nossa reunião, e quando pensa que não, a gente tem que parar por que eles ficamcantando lá e atrapalha nossa oração. Por isso eu não acho certo. 46
  48. 48. D – Foto da Igreja Universal do Reino de Deus (à esquerda) e da Igreja Católica (à direita) nomunicípio de Santa Luz. Na imagem abaixo Igreja Universal do Reino de Deus e Igreja Católica vistas da Estação Ferroviária de Santa Luz – Foto tirada por Paulo Viana Cunha no dia 08/02/2008. Na imagem abaixo Igreja Universal do Reino de Deus e Igreja Católica vistas da Estação Ferroviária de Santa Luz – Foto tirada por Paulo Viana Cunha no dia 08/02/2008. 47
  49. 49. Na imagem abaixo Igreja Universal do Reino de Deus e Igreja Católica vistas da Praça Joaquim de Góes no município de Santa Luz – Foto tirada por Paulo Viana Cunha no dia 08/02/2008. 48

×