1        UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA- UNEB       DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO- CAMPUS XIV               COLEGIADO DE HISTÓ...
2          EDCARLA DA SILVA SOUZA    FONTES HISTÓRICAS DOCUMENTAIS: ASPOSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DOS LIVROS DE       NOT...
3SUMÁRIOINTRODUÇÃO ..........................................................................................................
4Introdução       O conhecimento histórico é um conhecimento adquirido através de vestígios, demarcas perceptíveis aos nos...
5preservação e da utilização dos documentos do poder público – em especial os livros de notas– pertencentes ao poder judic...
6      É nesse sentido que se insere e se evidencia a utilização dos documentos escritos,procurando os fragmentos históric...
7        A partir da década de 70 ocorreram mudanças no modelo de interpretação histórica darealidade brasileira. Observa-...
8análise compatibiliza os resultados obtidos tanto com documentos quantitativos comoqualitativos.        No caso da cultur...
9       A redação de um livro de nota se dava através de um escrivão cartorial o que exigiacerto nível intelectual. A iden...
10        Assim, fica evidente que esses subsídios ajudam o historiador interessado numainterface econômica, obter informa...
11Ainda neste trabalho foi possível identificar as relações do cotidiano dos escravos com seussenhores e sua família com o...
12       Também podemos evidenciar a funcionalidade dos livros de notas na construção depesquisas relacionadas à história ...
13período de seis anos entre 1895 e 1901. Tem como escrivão o senhor José Vicente TanajuraGuimarães e Raimundo Nonato de C...
14Catalogação do Livro de Nota número 0217Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 01                    ...
15Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 04                 Pág.: 04                     Ano: 1895Objet...
16Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 07                 Pág.: 07                    Ano: 1895Objeto...
17Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 09                 Pág.: 10                    Ano: 1896Objeto...
18Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 12                Pág.:13                      Ano: 1896Objeto...
19Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.:15                  Pág.: 16                    Ano: 1896Objeto...
20Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 18                 Pág.: 17                     Ano: 1896Objet...
21Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 20                 Pág.: 18 a 20                 Ano: 1896Obje...
22Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 22                 Pág.: 21 – 22 (verso)         Ano: 1896.Obj...
23Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 25                 Pág.: 24                      Ano: 1897Obje...
24Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 28                 Pág.: 26 a 27                 Ano: 1897Obje...
25Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 32                Pág.: 30                     Ano: 1897Objeto...
26Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 35                 Pág.: 32 a 33                Ano: 1897Objet...
27Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 38                  Pág.: 35 a 36              Ano: 1897Objeto...
28Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 41                 Pág.: 38                      Ano: 1897Obje...
29Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 44                 Pág.: 40 (verso) a 41         Ano: 1897Obje...
30Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 47                 Pág.: 42 a 43                Ano: 1898Objet...
31Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 50                 Pág.: 45 a46                  Ano: 1898Obje...
32Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 53                 Pág.: 49 (verso)             Ano: 1898Objet...
33Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 56                 Pág.: 50(verso) a 51         Ano: 1898Objet...
34Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 59                 Pág.: 54 (verso) a 55         Ano: 1898Obje...
35Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 62                 Pág.: 56 a 57                Ano.: 1898Obje...
36Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 65                 Pág.: 59 a 60                 Ano: 1898Obje...
37Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 68                 Pág.: 61 (verso) a 62         Ano: 1899Obje...
38Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 71                 Pág.: 64                     Ano: 1899Objet...
39Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 74                  Pág.: 67                    Ano: 1899Objet...
40Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 77                 P...
41Número do Doc.: 80                 Pág.: 70 (verso)             Ano: 1899Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes:          Outo...
42Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 83                  Pág.: 72                      Ano. : 1899O...
43Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 86                 Pág.: 74 a 75                 Ano: 1900Obje...
44Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 90                 Pág.: 78 a 79                 Ano: 1900Obje...
45Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 93                 Pág.: 80 (verso) a 81        Ano: 1900Objet...
46Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 95                 Pág.: 82 (verso) 83 e 84     Ano: 1900Objet...
47Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 98                 Pág.: 85 (verso) a 86         Ano: 1900Obje...
48Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 101                Pág.: 88                    Ano: 1900Objeto...
49Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 104                Pág.: 92 (verso) a 93        Ano: 1900Objet...
50Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 107                Pág.: 96                     Ano: 1901Objet...
51INDÌCE DE ESRCITURA DE COMPRA E VENDA.Número do doc.   Pág.                Ano01               01                 189503...
5233   31                189735   32/33             189737   34/35             189739   36/37             189740   37     ...
5376                    68                     189977                    69                     189981                    ...
54ÍNDICE DAS ESCRITURAS DE DOAÇÃO.Número do Doc.         Pág.         Ano.24                     23 (verso)   189636      ...
5560                    56                                 189864                    59                                 18...
56       Em suma temos um total de 108 documentos, os quais estão divididos ente 73escrituras de compra e venda 29 procura...
57REFERÊNCIASBACELAR, Carlos. Uso e Mau Uso dos Arquivos. In. Fontes Históricas, org. Carla Pinsky.São Paulo: Contexto, 20...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Fontes históricas documentais as possibilidades de utilização dos livros de notas na pesquisa histórica

2,712

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,712
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
30
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fontes históricas documentais as possibilidades de utilização dos livros de notas na pesquisa histórica

  1. 1. 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA- UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO- CAMPUS XIV COLEGIADO DE HISTÓRIA FONTES HISTÓRICAS DOCUMENTAIS:AS POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DOS LIVROS DE NOTAS NA PESQUISA HISTÓRICA. EDCARLA DA SILVA SOUZA Conceição do Coité -BA 2010
  2. 2. 2 EDCARLA DA SILVA SOUZA FONTES HISTÓRICAS DOCUMENTAIS: ASPOSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DOS LIVROS DE NOTAS NA PESQUISA HISTÓRICA. Trabalho apresentado ao Curso de Licenciatura em História da Universidade do Estado da Bahia – UNEB - Campus-XIV, como requisito parcial para obtenção de grau de Licenciada em História. Orientador: Prof. Drª. Sharyse Pioropo do Amaral Co-orientador: Prof. Dr. Aldo José Moraes Conceição do Coité – BA 2010
  3. 3. 3SUMÁRIOINTRODUÇÃO .........................................................................................................................4O DOCUMENTO ESCRITO E SUAS TRANSFORMAÇÕES................................................5OS LIVROS DE NOTAS NA CONSTRUÇÃO DA PESQUISA HISTÓRICA E SUASPOSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO.....................................................................................8DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO...........................................................................................13CATALOGAÇÃO DO LIVRO DE NOTA NÚMERO 02......................................................14ÍNDICE DAS ESCRITURAS DE COMPRA E VENDA........................................................52ÍNDICE DAS ESCRITURAS DE DOAÇÃO..........................................................................55ÍNDICE DAS PROCURAÇÕES..............................................................................................55CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................................................................57REFERÊNCIAS........................................................................................................................58
  4. 4. 4Introdução O conhecimento histórico é um conhecimento adquirido através de vestígios, demarcas perceptíveis aos nossos sentidos, deixados como sinais de que determinado fatoaconteceu ou não. No século XX houve uma verdadeira revolução sobre o que se entende pordocumento, permitindo a ampliação e a diversificação da definição de fonte na pesquisahistórica. Assim, Karina Pereira Pinto1 nos mostra que: “As fontes históricas são caracterizadas como evidências de determinados momentos e capturadas através de perguntas feitas pelo pesquisador - e não a partir de uma verdade -, podendo ser recuperadas por uma ou outra perspectiva teórica. Cabe ao pesquisador, através de diálogo estabelecido com as evidências, construir séries que produzam o fato histórico. O diálogo - e não imposição - entre a teoria proposta pelo pesquisador e as evidências possibilita a problematização destas últimas, e não apenas seu agrupamento ou periodização. A partir deste diálogo, a pesquisa nos arquivos - com suas dispersões documentais - fazem do trabalho historiográfico uma inquietante aventura: documentos isolados ou incompletos, manuscritos ilegíveis, temas variados, fotografias, papéis timbrados, originais rasurados, séries interrompidas, muito mofo e muita poeira”2. Quando se pesquisa nos inúmeros arquivos cartoriais, a cada vez que se abre um maçode inventários, de processos criminais diversos, ou processos cíveis encobertos de poeira quetestemunham seu desprezo e seu abandono pelos homens sabe-se que haverá surpresas. Esta émuitas das vezes a realidade encontrada nos arquivos brasileiros cabendo ao pesquisador seencontrar no meio de um emaranhado de papéis sem qualquer tipo de organização. A pesquisa nos arquivos possibilita um contato com as fontes de uma maneiraparticular, diferentemente das pesquisas realizadas exclusivamente a partir de fontesbibliográficas (livros e artigos). Nestas, corre-se o risco de sucumbir aos estereótiposcristalizados com mais facilidade, caso inexista uma análise das implicações desta fonte e damaterialidade do impresso. Nos arquivos, as fontes se apresentam de maneira complexa, porvezes possibilitando o encontro de informações inestimáveis que, quando organizadas emséries documentais, possibilitam contar histórias inéditas. Estes fatos precedentes servem apenas para situar o leitor do que será aqui discutido,não se pretende avaliar as condições dos arquivos brasileiros, mas mostrar a necessidade de1 Doutora do Programa de Pós-Graduação em Educação: História, Política e Sociedade da PUC/SP.2 PINTO, Karina Pereira. A Selvageria, o Hiato, o Corte, a Descontinuidade: Arquivos e Fontes naHistoriografia. São Paulo. 2009.p.02.
  5. 5. 5preservação e da utilização dos documentos do poder público – em especial os livros de notas– pertencentes ao poder judiciário como instrumento de pesquisa para a reconstrução damemória coletiva, local e regional. Dessa maneira este trabalho se faz a partir da análise dos documentos pertencentes aoCentro de Documentação da Universidade do Estado da Bahia, Campos XIV, em Conceiçãodo Coité. O centro foi criado a partir de uma parceria entre a Universidade e o PoderJudiciário desta cidade com um regime de guarda compartilhada entre as partes, com o intuitode guardar e preservar toda documentação relativa a este município. Existem hoje cerca deaproximadamente 20 a 25 mil documentos que datam de 1870 no século XIX até 2005. Fazemparte do acervo às series cível, crime, livros de notas, habilitação para casamento, inventários,entre outros ainda não identificados. Neste texto nos interessa mais especificamente tratar sobre os livros de notas e suacontribuição para a história de Conceição de Coité e região, apontando quais as possibilidadesde utilização desse tipo de fonte na pesquisa e abrindo caminhos para futuros pesquisadoresinteressados em estudar a história local. Os livros deste acervo vão de um período de 1869 a1960, formando um total de 88 livros. Estes livros, de um modo geral, apresentam-se em bomestado de conservação, com exceção do livro de número 01 o mais antigo. Para este trabalhofoi selecionado o livro de número 02 que abrange um período de seis anos entre 1895 e 1901. O documento escrito e suas transformações Sem dúvida alguma as fontes históricas se constituem como principal “ferramenta” ouinstrumento de trabalho para o pesquisador. São elas que irão viabilizar todo processo deconstrução da pesquisa. Estão presentes em vários locais, vão desde um simples objeto quetragam vestígios de uma época ou um acontecimento passando pelo relato de indivíduos queacompanharam ativa ou passivamente determinado processo, como também nos documentosescritos, deixados por particulares ou pela esfera pública. Assim é imprescindível olevantamento e a identificação das fontes disponíveis para qualquer pesquisa. Le Goff falasobre a necessidade de ampliação da noção de fontes documentais afirmando que sem dúvidaa História se faz com documentos escritos, quando estes existem. Mas, na falta dos mesmos,ela pode e deve ser feita da mesma maneira. Desta forma a revolução documental passatambém a promover uma nova série de informações.
  6. 6. 6 É nesse sentido que se insere e se evidencia a utilização dos documentos escritos,procurando os fragmentos históricos e por meio destes construir afirmações, elaborarhipóteses, desconstruir ”verdades”, apontar caminhos, analisando todas as possibilidades deinterpretação daquilo que se deseja pesquisar. Segundo Eni de Mesquita Samara, o trabalho com o documento histórico foi sendodesenvolvido a partir de duas práticas comuns. A primeira referente à coleta e a preservaçãodos documentos que se deu através da formação e organização de arquivos públicos eparticulares. A segunda esta voltada para sua análise. Para esta “demandaria o recurso daschamadas ciências auxiliares da História.”3 Dessa maneira, a possibilidade metodológica de setrabalhar com diferentes fontes documentais permitiria um diálogo ampliado entre a história eos diferentes saberes como a antropologia, a sociologia, a filosofia, a arqueologia etc.tornando o trabalho de crítica interna às fontes mais rigorosas e produtivas. Essas práticas se desenvolveram e foram observadas no Brasil em momentos diferentes,como a própria Samara destaca. Inicialmente, em quase todo o século XIX, surge umapreocupação com a pesquisa científica associada ao registro escrito, daí o cuidado com acoleta, a catalogação e a publicação de fontes impressas que apoiaria o trabalho dohistoriador. Assim surge o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) no qual, membros da“burocracia monárquica” promoveram a coleta nacional e internacional de documentosrelativo à história do país. Nas primeiras décadas do século XX, foram produzidas asprimeiras interpretações históricas referentes à historiografia brasileira, conseqüência darápida apreensão dos documentos, em busca de novas análises críticas. Muitos trabalhos foram produzidos em diversas áreas, especialmente família, cotidiano,mentalidades, religião, cultura material entre outros. Autores como Gilberto Freyre, CaioPrado Junior e Sérgio Buarque de Holanda tornaram-se ícones da historiografia brasileirasendo apresentados como os pensadores que, no século passado, mais influenciaram opensamento histórico em nosso país. Muito embora, de acordo com Samara, cada um deletivesse embasamento teórico metodológico diferente. Mas,em alguns momentos, os três tinham em comum o mesmo rigor científico no trato dodocumento histórico4.3 SAMARA, Eni de Mesquita e TUPY, Ismênia S. Silveira T. in História e documento e metodologia depesquisa. Belo Horizonte. Autêntica, 2007, p. 22-3.4 Para esta autora, o fato de nenhum desses autores serem historiador por formação contribuiu para algumasdivergências, entretanto, isso não afetou o cuidado que todos tiveram ao analisar os documentos.
  7. 7. 7 A partir da década de 70 ocorreram mudanças no modelo de interpretação histórica darealidade brasileira. Observa-se nesse período transformações nas diretrizes de trabalho,principalmente nas questões da “contemporaneidade” e das minorias, passando a dar voz elugar aos personagens considerados sem história. Ao analisar a pesquisa multidisciplinardentro da historiografia nacional observamos que: “abriram-se novos campos de investigaçãohistórica com linhas de pesquisa especifica, muito delas com circulação regional quepermitiram inclusive o questionamento de inúmeras abordagens gerais sobre o nosso passado”5 . Percebemos ainda que ao identificar outros objetos e temas, os historiadores tiveramque repensar os conceitos e os próprios “domínios da história” o que provocou uma profundareflexão sobre as disciplinas auxiliares, surgindo assim a necessidade de se recorrermetodologicamente a outras áreas. Conseqüentemente o resultado dessa visão multidisciplinarfoi o de apoiar essas novas abordagens em documentos históricos que dessem sustentação aostemas até então inexplorados ou que permitissem a retomada de outros a partir de novosolhares. Com isso é impossível não perceber a importância da produção historiográfica nacionaldurante todos esses anos, suas transformações e a influência recebida da Escola dos Annales eda Nova História que foram difundidas por gerações de estudiosos no país. Tais influênciasajudaram a criar um novo campo bastante produtivo de pesquisa, sobretudo na mudança deenfoque do historiador e na forma de olhar o documento histórico, criando novas vertentes deinterpretação. Estudos sobre gênero e sobre a própria cultura material são exemplos dessa inovação nocampo da pesquisa histórica onde “a introdução da categoria gênero fez-se fundamental paradecodificar o significado que as culturas, em momentos e contextos sociais distintos,outorgaram a diferença entre os sexos.” 6 Assim determinados contextos fundamentam e expressam a construção dessasdiferenças sendo necessário olhar os documentos e interpretá-los a partir dos seus usos efinalidades. Nesses estudos insere-se perfeitamente o uso das fontes seriais ou qualitativas queexpressam pelo número as desigualdades de gênero. É preciso ainda ter o cuidado deestabelecer comparações, desde que possível, com outras fontes, o que além de enriquecer a5 SAMARA e TUPY. 2007. Idem, p.43.6 SAMARA e TUPY. 2007. Idem, p.60.
  8. 8. 8análise compatibiliza os resultados obtidos tanto com documentos quantitativos comoqualitativos. No caso da cultura material, o apoio de documentos como inventário e testamentos sãode grande auxílio nos estudos do patrimônio econômico do indivíduo, da família ou dedeterminada categoria social por exemplo. Podemos perceber que todos esses enfoques e possibilidades de pesquisa que se abrirampara o historiador na atualidade, sem dúvida apontam caminhos bastante ricos e diferenças deolhares, mostrando sempre conceitos variados seja na amplitude das temáticas ou nas práticasmetodológicas. Desta forma Tupy e Samara concluem que: (...) “diferentes usos do passado compõem, na atualidade, um novo perfil do historiador e da própria disciplina como decorrência natural das transformações ocorridas no século XX, percurso que procuramos acompanhar a partir de algumas matrizes e vertentes de reflexões que são fundantes do nosso pensamento intelectual até o presente” 7.Os livros de notas na construção da pesquisa histórica e suas possibilidadesde utilização Os documentos dos poderes públicos são notáveis instrumentos de estudo. Por meiodestes o pesquisador pode observar a dinâmica social, mental e econômica de certos grupos eindivíduos. Em se tratando destes documentos, os relativos ao poder judiciário são de grandevalia nas pesquisas históricas, freqüentemente diversos historiadores de variadas linhas depesquisa, recorrem a esse tipo de fonte por sua riqueza de conteúdo e por responderem avários questionamentos referentes ao nosso passado. Uma das fontes judiciais mais utilizadas em pesquisas são os inventários etestamentos. Consagradas em grandes trabalhos acadêmicos estas fontes foram utilizadas, porexemplo, nas obras “Família e Sociedade na Bahia no século XIX” de Kátia Mattoso e “Amorte é uma Festa” de João José Reis. Mas ainda fazem parte desse conjunto de fontes osprocessos crime e cíveis os registros civis e os livros de notas, que em suma, constitui-se deuma série de outros registros como procurações, escrituras de compra, venda, doação etc.Sendo este o objeto principal desse levantamento.7 SAMARA e TUPY, 2007. Idem, p. 60.
  9. 9. 9 A redação de um livro de nota se dava através de um escrivão cartorial o que exigiacerto nível intelectual. A identificação de um livro de notas começa pelo registro do ano ou oregistro cronológico do livro, que corresponde ao tempo necessário para utilização de todas assuas páginas o que pode variar muito, mas, normalmente corresponde de quatro a seis anos.Cada página do livro pode referir-se a um documento diferente (de um conjunto de tipos pré-definidos) com elementos distintos. Deste modo, podemos dizer que os livros de notas sãoformados por um conjunto de documentos que correspondem a diferentes objetivos. Além do período cronológico do livro, também é identificado o nome do escrivão, quegeralmente só era substituído após sua morte. Em seguida tem-se o objeto da nota cujo teor,em sua grande maioria constitui-se de escrituras de compra e venda dos mais variados tipos debens, desde escravos até imóveis como casas, terras, estabelecimentos comerciais etc. Existemainda as procurações, as escrituras de doações de renúncia ou desistência e da receita estadual,alforrias, diversos tipos de contratos. Em todos os casos identificam-se as partes envolvidasno processo, que podem ser várias, a depender da natureza da nota. Com os dados que esses documentos nos subsidiam, torna-se possível identificar, porexemplo, a riqueza de um indivíduo, bem como a movimentação de seus bens nos registros decompra e venda, além da demarcação geográfica de vários locais, pois os registros de vendageralmente especificam os limites das propriedades envolvidas ou apresentam aindainformações que remetam a estrutura agrária de determinado local ou região. Também épossível fazer uma análise do poder aquisitivo da população de determinada sociedade atravésda identificação dos valores pagos nas vendas. Carlos Bacelar em “Uso e mau uso dos arquivos” faz uma análise dos usos epossibilidade de utilização das fontes documentais onde vai abordar aspectos gerais dosdocumentos escritos. Neste artigo retrata a importância dos livros de notas na pesquisahistórica e argumenta que: “Os livros de notas dos tabeliães são preciosos para a análise da sociedade e da economia do passado. Ali se encontram registros de negócios os mais diversos: escrituras de compra e venda de terras, imóveis urbanos e cativos, escrituras de criação de sociedades e de estabelecimento de negócios comerciais, registros de procuração, de cartas de alforrias de escravos, de emancipação de filhos, de contratos de casamento de nascimento, de casamento e de óbito. A multiplicidade de atos é notável, a riqueza de informações também”.88 BACELAR, Carlos. Uso e mau uso dos arquivos. In. Fontes Históricas. Org. Carla Bassanezi Pinsky. SãoPaulo, Contexto, 2006. p. 38 -39.
  10. 10. 10 Assim, fica evidente que esses subsídios ajudam o historiador interessado numainterface econômica, obter informações relativas aos valores de um dado período, fazendocontextualizações e especulações em torno delas. É através deles que muitos historiadoresencontram fundamentos para seus estudos. Os livros de notas também permitem estudos sobre a escravidão. Neles podemaparecer, por exemplo, registros de compra e venda de escravos, escritura de doação denegros, cartas de alforrias, entre outros. No artigo “Poder local e Escravidão em Irará, Bahia”a historiadora Jucélia Bispo dos Santos9 tem como uma de suas principais fontes de pesquisaeste documento, trazendo uma abordagem da colonização do Sertão e da influência dapecuária nesse período, onde a principal mão-de-obra foram os indígenas da região e osnegros trazidos da África, demonstrando a importância da escravidão para o desenvolvimentodo sertão baiano. Fazendo uma análise da trajetória agrária baiana no período colonial, onde o sistemade povoamento seguiu o mesmo parâmetro do restante do país baseando-se na divisão dassesmarias, Santos mostra a partir dos livros de notas, as doações de terras concedidas aportugueses que acabaram por ser responsáveis por boa parte da formação geográfica eterritorial do interior do Estado, dando origem posteriormente a várias cidades do interiorinclusive, Irará que é seu principal objeto de estudo. Dessa maneira, ela evidencia os arranjos que deram origem à hierarquia e ao poderlocal em Irará, mostrando o desenvolvimento fundiário e a importância da terra neste período.Tais dados podem ser comprovados nos documentos apresentados no seguinte trecho: ”No arquivo público de Irará há alguns documentos que expressam a estrutura social desse período. Essas fontes históricas são interessantes na análise da organização dessa sociedade. Existem alguns inventários, livros de notas de tabelião, registros de compra e venda e hipotecas de propriedades, e receitas e despesas das Igrejas. Os inventários e os livros de notas de tabelião são ricos em dados sobre a importância de terras como fonte permanente de renda, assim como também os registros de compra e venda e hipotecas de propriedades, que informam sobre as várias formas de ocupação desse território. Por meio dessa documentação, também é possível perceber como a propriedade fundiária organizou a sociedade iraraense do período 10 da colonização.” Fica claro que os livros de notas assim como os inventários e testamentos(normalmente mais utilizados) também podem ser de grande auxílio nesse tipo de estudo.9 Mestra em estudos étnicos e africanos pela Universidade Federal da Bahia e professora de Teorias Sociais daFaculdade Nobre de Feira de Santana.10 Santos, Jucélia Bispo dos. Poder Local e Escravidão em Irará, Bahia. 2009, p.03.
  11. 11. 11Ainda neste trabalho foi possível identificar as relações do cotidiano dos escravos com seussenhores e sua família com o registro de algumas alforrias, o impacto das leis abolicionistasna região com o aumento substancial do preço dos escravos comprovados através dosregistros de compra e venda dos livros encontrados no Arquivo Público de Irará, além deconter informações sobre os indivíduos que tinham poder aquisitivo pra possuir esse tipo debem material. Fazendo uma relação entre poder local e o sistema escravista. A escravidão também é tema tratado pelo historiador Helder Alexandre Medeiros deMacedo11 no artigo “Fontes Judiciais do Seridó Potiguar sobre a escravidão e suaspossibilidades de pesquisa”. O artigo analisa as possibilidades de construção da história da escravidão na região doSeridó, sertão do Rio Grande do Norte, a partir da existência de documentação manuscrita nosacervos judiciais das cidades de Caicó e Acari, especialmente nos cartórios. Ao estudar as fontes judiciais da região do Seridó, Macedo inclui os livros de notascomo uma das possibilidades de fonte para tal pesquisa. Aponta as cartas de alforrias contidasnestes documentos como importante fonte para o estudo da mão-de-obra escrava, além demostrar aspectos que envolveram os caminhos percorridos pelos escravos da região até aposse da liberdade. Outro exemplo de como os livros de notas pode ser útil para a pesquisa é o trabalhorealizado por Marieta de Moraes Ferreira12 sobre imigração. Ela toma como ponto de partida aanálise das fontes disponíveis para o estudo da imigração, suas possibilidades e limitações, etem como referência básica a imigração suíça no início do século XIX para a cidade de NovaFriburgo, no Rio de Janeiro13. Ferreira se utiliza das escrituras e procurações para investigar a ascensão econômicade imigrantes suíços que se estabeleceram na região. Em especial, analisa uma família quealcançou elevado poder social e político com grande representatividade no período, estandoregistrado na memória local como fundadores da cidade. Nesse estudo observamos aimportância dessa fonte na construção da História Econômica e social de regiões e locais quesão poucos significativos do ponto de vista nacional, mas que apresentam uma riqueza defatos e acontecimentos que completam a nossa história.11 Bacharel e licenciado em História pelo Centro de Ensino Superior do Seridó, da Universidade Federal do RioGrande do Norte, onde é professor do Departamento de História e Geografia.12 Doutora em História Social; professora do Departamento de História do Instituto de Filosofia e CiênciasSociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro-IFCS/UFRJ; pesquisadora do Centro de Pesquisa eDocumentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getulio Vargas-CPDOC/FGV.13 FERREIRA, Marieta de Moraes. Fontes Históricas para o Estudo da Imigração. XXIV Encontro Anual daANPOCS. Rio de Janeiro, 2000.
  12. 12. 12 Também podemos evidenciar a funcionalidade dos livros de notas na construção depesquisas relacionadas à história agrária, como fez Marcelo Henrique Dias14 e Ângelo AlvesCarrera15 ao pesquisarem sobre a história agrária da então Capitania de Ilhéus.16 Neste trabalho os dois constroem sua pesquisa baseada na documentação existente noArquivo Público do Estado (as fontes seriais), atas do Senado e da Câmara de Ilhéus,Camamu e Cairu entre outros documentos, fazendo um estudo geográfico da região, de suaestrutura fundiária e econômica no período colonial. Dias e Carreira fazem uma longa catalogação nos livros de notas desse período ondeidentificam escrituras de compra e venda de imóveis, empréstimos e quitação de dívidas,doação, dotes de casamento, perdão etc. procurações e cartas de alforrias, onde analisamaspectos como valor dos imóveis urbanos e de áreas rurais, transações financeiras envolvendoempréstimos a juros e hipotecas, identificação dos homens de posse bem como vestígios davida social e econômica da elite da Villa de Ilhéus, pagamento de indenizações a proprietáriosde escravos, enfim, uma série de dados que juntos puderam responder questionamentos sobrea ocupação do território, a estrutura fundiária, a paisagem rural cultivada, sistemas agrários,espaço econômico, estrutura agrária de produção entre outros. Assim é impossível não perceber a importância dessa fonte e sua utilização napesquisa histórica, ficando claro, através dos exemplos apresentados, sua contribuição naconstrução da história local e regional sob variada linhas de pesquisa. Descrição do Documento Conhecer a história de Conceição do Coité se tornou fundamental para a construção damemória local. Através do conteúdo catalogado essa construção se faz de maneira mais amplasob novos enfoques e análises diferenciadas da sociedade e da economia. Uma infinidade detemas podem ser trabalhados, temas novos e instigantes que estão à espera de futurospesquisadores que poderão contar com um rico acervo documental existente na região. O livro aqui analisado é o de número 02 do acervo do Centro de Documentação.Contém 97 páginas todas enumeradas e devidamente rubricadas pelo escrivão. Contempla um14 Mestre em História. Professor do DFCH/UESC.15 Doutor em História. Professor do Dep. de História/UFOP.16 DIAS, Marcelo Henrique e CARRERA, Ângelo Alves. História Agrária da Capitania de Ilhéus: notaspreliminares de um programa de estudo. 2002. Artigo que faz parte do projeto de pesquisa: ”Estruturassociais e econômicas da Capitania de Ilhéus,1700-1850, coordenado pelos autores, desenvolvido noCEDOC/UESC.
  13. 13. 13período de seis anos entre 1895 e 1901. Tem como escrivão o senhor José Vicente TanajuraGuimarães e Raimundo Nonato de Couto como tabelião. Com esta fonte os futuros pesquisadores interessados na história local e regionalpoderão contar com três tipos de documentos básicos. Escrituras de compra e vendaprocurações e escrituras de doação, existe ainda um registro da receita estadual assinado pelointendente da então Villa de Conceição do Coité, muito útil nos estudos da economia local,por exemplo. As escrituras de compra e venda compõe de uma maneira geral a maior parte doslivros. São registros dos mais variados tipos, compra de venda de casas, terras, sítios,fazendas, casas comerciais, tanques, postos de transmissão, enfim uma multiplicidade deconteúdo que podem fornecer diferentes informações sobre a economia e a sociedadecoiteense desse período. Da mesma maneira as procurações trazem informações importantes da época,especialmente sobre as relações sociais, os acordos e os arranjos comerciais, políticos eparticulares que são evidenciados nessa documentação e em conjunto com outras fontes aexemplo dos testamentos e inventários. As escrituras de doação embora apareçam com um número mais reduzido apresentatanta importância quanto os demais documentos. São doações de casas, terras sítios, enfim,bens imóveis em sua maioria que geralmente são doados entre familiares.
  14. 14. 14Catalogação do Livro de Nota número 0217Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 01 Pág.: 01 Ano: 1895Objeto Da Nota: Escritura de compra e venda de uma casa de um vão.Partes: Vendedor: Euclides Amâncio de Assis Cunha e sua mulher Franquilina de Assis Cunha. Comprador: Manoel Ferreira da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 02 Pág.: 02 Ano: 1895Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorganto Procurador: João Manuel da Motta. Outorgante: Manoel Ludovico de Souza Bessa.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 03 Pág.: 03 Ano: 1895Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de um sítio na Fazenda Santa Ana.Partes: Vendedor: Antônio João da Silva e sua mulher Maria do Carmo de Oliveira. Comprador: João Tavares da Silva Carneiro.17 Ainda não foi concluído o processo de catalogação de todo o acervo do Centro de Documentação. Os dadosaqui coletados e os resultados apresentados são frutos de uma análise inicial, obtidas de uma primeiraorganização, que fica a espera de novos pesquisadores interessados em dar continuidade a este trabalho.Os registros catalogados abrangem somente a Villa de Conceição do Coité e se iniciam a partir do Livro 02devido às péssimas condições do primeiro Livro que se encontra bastante danificado impossibilitando assim asua utilização..
  15. 15. 15Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 04 Pág.: 04 Ano: 1895Objeto da nota: Escritura pública de compra e venda da fazenda lagoa do barro.Partes: Vendedor: José Caetano Ferreira Filho. Comprador: Joaquin Lopes da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 05 Pág.:05 Ano: 1895Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de dois quinhões de terras ebenfeitorias.Partes: Vendedor: Joaquim Moreira da Silva Carneiro e sua mulher Ana Isabel da Silva Carneiro. Joaquim Cedraz de Oliveira e sua mulher Isabel Maria da Silva Carneiro. Comprador: Capitão Leopoldo Ferreira da Silva Carneiro.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 06 Pág.: 06 Ano:1895Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um sítio denominado Mocó,terreno que faz parte da Fazenda Mucambo.Partes: Vendedor: Jesuino Francisco Moreira e sua mulher Mathilde Maria de Jesus. Simão Ananias Lopez e sua mulher. Comprador: Francisco Pereira de Santana.Obs.: O nome da mulher de Simão não aparece no documento por isso não foi identificado.
  16. 16. 16Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 07 Pág.: 07 Ano: 1895Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda da Fazenda Salgada Velha.Partes:Vendedor: Joaquim José da Cunha e sua mulher D. Ana Maria de Jesus.Comprador: Pedro Pinto Sá.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 08 Pág.: 08 Ano: 1895Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um terreno denominado Boca daCaatinga.Partes: Vendedor: D. Maria da Conceição Telles D’Araújo, D. Maria Francisca Telles D’Araújo, D. Maria das Neves Telles D’Araújo, João Garcez dos Santos e sua mulher D. Maria Benedita Froiz Garcez, D. Mariana D’Araújo Telles. Comprador: José da Silva Oliveira.OBS: O documento desta página se estende até início da página 10, desta forma a página09 é continuação do mesmo documento.Procurador da venda: Pedro Ribeiro Araújo Frois.
  17. 17. 17Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 09 Pág.: 10 Ano: 1896Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Doutor José Amâncio Carneiro da Motta. Outorgante: D. Isabel Bernardina de Jesus.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 10 Pág.: 11 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda da fazenda denominada Porção comtodas as benfeitorias nela existente.Partes: Vendedor: Isabel Bernardina de Jesus. Comprador: João Gonçalves de Araújo e Antônio Gonçalves Guardiano. (ou Nunes Guardiano)Obs.: Antônio Gonçalves Guardiano aparece com outro sobrenome Antônio NunesGuardiano inclusive assina desta forma, então se pressupõe que o escrivão errou aoescrever seu nome.Procurador da venda José Amâncio Carneiro da Motta.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 11 Pág.: 12 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura pública de compra e de venda de uma parte de terras dividida daFazenda Poção.Partes: Vendedor: João Gonçalves de Araujo e sua mulher Antonia Bernardina de Jesus, Antonio Nunes Guardiano e sua mulher Ana Bernardina de Jesus. Comprador: João Martins Ramos.Obs.: O escrivão confunde o nome dos dois primeiros vendedores e escreve o nome de umterceiro vendedor (João Antonio Bernardino de Jesus) quando na verdade este não existe.
  18. 18. 18Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 12 Pág.:13 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um sítio denominado Sítio Novo.Partes: Vendedor: Manoel Theoppilo Carneiro e sua mulher Vitoriana Maria de Jesus. Comprador: José João Carneiro.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 13 Pág.: 14 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura pública de venda de uma parte de terra da Fazenda Lagoa Escuracom todas as benfeitorias existentes nela.Partes: Vendedor: D. Phelippa Maria de Jesus. Comprador: Antidio Antonio da Rosa.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 14 Pág.: 15 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma parte de terras da FazendaLagoa Escura com todas as benfeitorias existentes nela.Partes: Vendedor: Antidio Antônio da Rosa. Comprador: Antônio Longuinho de Araújo.
  19. 19. 19Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.:15 Pág.: 16 Ano: 1896Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Vigário Marcolino Francisco de Souza Madureira. Outorgante: Aristides Cedraz de Oliveira, José Balbino de Oliveira, José Paulino de Oliveira, José Rodrigues de Lima, Hermógenes José da Silva, Juvencio da Silva Mendonça, Alvaro Rodrigues da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 16 Pág.: 16 – (verso) Ano: 1896.Objeto da Nota: Procuração.Partes:Outorgado Procurador: Sabino Ferreira de Morais.Outorgante: Ernesto Ferreira de Moreis.Obs.: No documento aparece como procurado Ernesto ferreira de Morais no entanto aassinatura que aparece é de Ernesto Ferreira Peixinho.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 17 Pág.: 17 Ano: 1896Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Manoel Dionísio de Araújo Castro. Outorgante: Martiniano Lopes da Silva.
  20. 20. 20Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 18 Pág.: 17 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura de venda de uma Fazenda denominada Remanços.Partes: Vendedor: Mathias Gomes de Sá. Comprador: Tenente Coronel Francisco Tavares da Silva Carneiro.Obs.: Este documento se inicia no final da página 17, mas está incompleto e rabiscado peloescrivão, demonstrando a sua intenção de anulá-lo. No verso da página citada ele retoma odocumento de maneira correta.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.:19 Pág.:17 - (verso) Ano: 1896Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: João Evangelista de Oliveira. Outorgante: Mathias Gomes Sá, Basílio José da Luz e sua mulher Maria Ezalta de Jesus, José Ferreira da Silva e sua mulher Ana Francisca de Jesus, Antonio Simião Carneiro e sua mulher Hambelina Maria de Jesus, Cyrilo Gomes de Sá.
  21. 21. 21Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 20 Pág.: 18 a 20 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda da Fazenda Remaços.Partes: Vendedor: Mathias Gomes de Sá, Basílio José da Luz e sua mulher Maria Ezalta de Jesus, José Ferreira da Silva e sua mulher Ana Francisca de Jesus, Antonio Simião Carneiro e sua mulher Hambelina Maria de Jesus, Cyrilo Gomes de Sá. Representado por João Evangelista de Oliveira. Comprador: Tenente Coronel Francisco Tavares da Silva Carneiro. Representado pelo capitão João Daniel Lopes.Obs: O documento desta página se estende até a página 20 dessa forma a página 19 écontinuação deste documento.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 21 Pág.: 20 a 21 Ano: 1896Objeto da Nota: Escritura de venda de dois quinhões de terras em comum as terras daFazenda Roça de Baixo, próximo ao rio “Colandro”Partes: Vendedor: José Cedraz de Oliveira Filho e sua mulher Maria Cedraz da Silva Carneiro, Otaviano Cedraz da Silva Carneiro e sua mulher D. Luiza Cedraz da Silva Carneiro. Comprador: Aníbal Tavares da Silva Carneiro Por seu procurador Capitão José Daniel Lopes.Obs.: O nome do Rio não está preciso.
  22. 22. 22Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 22 Pág.: 21 – 22 (verso) Ano: 1896.Objeto da Nota: Escritura pública de venda de uma casa no arraial desta Villa na Rua deCima.Partes: Vendedor: Florentino Pinto da Silva e sua mulher D. Anatildes Lopez da Silva. Comprador: José Joaquim de Santa Anna.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 23 Pág.: 22 (verso) a 23. Ano: 1896Objeto da nota: Escritura Pública de venda de uma parte de terras da fazenda Maxixi.Partes: Vendedor: Manoel José da Costa e sua mulher Ritta Maria de Jesus. Comprador: Martins Barbosa de Brito.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 24 Pág.: 23 (verso) Ano:1896Objeto da Nota: Escritura pública de doação em causa mortís.Partes: Doador: D. Antonia Maria de Jesus. Beneficiado: Antonio Eugênio da Silva.Obs.: Este documento apresenta algumas dúvidas. A doadora não assina o documento e nãofica claro para quem ela esta fazendo a doação. Entende-se que para seu marido.
  23. 23. 23Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 25 Pág.: 24 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casa.Partes: Vendedor: Pedro Firmo dos Santos e sua mulher Francilina dos Santos. Comprador: Manoel Thiophilo Carneiro.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 26 Pág.: 25 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de um Sítio denominado Angico.Partes: Vendedor: Ricardo Lopes da Silva e sua mulher D. Eduvirge Leonor Lopes. Comprador: Sabino Eusébio dos Santos.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 27 Pág.: 25 (verso) Ano: 1897Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Doutor Antonio José de Araujo, Pedro Pinto Sá. Outorgante: José Ferreira Nobre e sua Mulher Maria Joana de Jesus.
  24. 24. 24Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 28 Pág.: 26 a 27 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um Sítio denominadoCachorrinho.Partes: Vendedor: Antonio Joaquim Veríssimo e sua mulher Francilina Maria de Jesus. Comprador: Ramona Francisca de Jesus.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 29 Pág.: 27 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um Sítio denominado Sossego.Partes: Vendedor: José Thiburcio de Freitas Barros e sua mulher Carlota Maria dos Santos Rosa. Comprador: Cipriano Bispo JunqueiraOBS: Arrogo da vendedora Pedro Firmo dos Santos.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 30 Pág.: 28 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de um sítio denominado Minação.Partes: Vendedor: Francisco Gonçalves Pastor. Comprador: José Estevão Mascarenhas.
  25. 25. 25Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 32 Pág.: 30 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma parte de terras da fazendadenominada Fazenda Nova, nos subúrbios desta Villa de Conceição do Coité.Partes: Vendedor: D. Romana Eulália de Jesus. Comprador: Benedito Gonçalves da Rocha.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 33 Pág.: 31 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma parte de terras denominadaAlagadiço das Umburanas.Partes: Vendedor: Luciano Carneiro da Silva e sua mulher Romana Maria de Jesus. Comprador: Ambrosio José da Silva, Aprígio José Francisco.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 34 Pág.: 31 (verso) a 32 Ano: 1897Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: João Daniel Lopes. Outorgante: Francisco Telles D’Araújo e sua mulher D. Maria Bernardina do Espírito Santo.Obs.: No documento aparece o nome de João Calisto como procurado, no entanto oescrivão percebe o erro e corrige com o nome do verdadeiro procurador que assina odocumento.
  26. 26. 26Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 35 Pág.: 32 a 33 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de uma Fazenda denominada Boa Sorte.Partes: Vendedor: Francisco Telles D’Araújo e sua mulher D. Maria Bernardina do Espírito Santo. Comprador: Manoel Francisco da Silva.Obs.: Procurador da Venda João Daniel Lopes.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 36 Pág.: 33 (verso) a 34 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura de doação de uma casa em causa morte.Partes: Doador: Francisco Telles D. Araújo e sua mulher D. Maria Bernardina do Espírito Santo. Beneficiado: D. Senhorinha de Souza d’Oliveira.Obs.: A beneficiada da doação é neta da doadora e foi representada pelo marido JoãoEvangelista d’Oliveira.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 37 Pág.: 34 a 35 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um sítio denominado Veado.Partes: Vendedor: Pedro Marcelino do Carmo e sua mulher D. Josefa Maria de Jesus. Comprador: Martiniano Lopes da Silva.
  27. 27. 27Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 38 Pág.: 35 a 36 Ano: 1897Objeto da nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Vigário Marco Antonio Francisco de Souza Outorgante: José Paulino de Oliveira, Miguel Pinto da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 39 Pág.: 36 a 37 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casa e terras na Praça destaVilla de Conceição do Coité. Vendedor: Joaquim Carneiro da Motta e sua mulher D. Maria Amália de Jesus. Comprador: João Daniel Lopes.Obs.: Procurador do casal Vitoriano Lopes da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 40 Pág.: 37 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de um tanque denominado Tanque docercado localizado na Fazenda Tanque Novo.Partes: Vendedor: D. Carlota Maria de Jesus. Comprador: Benevides Mamedio Lopes.
  28. 28. 28Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 41 Pág.: 38 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de um Sítio denominado Varginha.Partes: Vendedor: Luiz Pacomio de Souza e sua mulher D. Anna Clara da Encarnação. Comprador: Martins Adriano D’Almeida.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 42 Pág.: 39 Ano.: 1897Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Capitão Vicente Lima da Costa. Outorgante: D. Anna Maria da Cunha.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 43 Pág.: 39 (verso) a 40 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de parte da malhada de quatro tarefas e seisbraços da Fazenda Nova.Partes: Vendedor: Joana Carolina de Jesus. Comprador: Vicente Lima da Costa.
  29. 29. 29Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 44 Pág.: 40 (verso) a 41 Ano: 1897Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma fazenda denominadaMorrinhos em terras comuns a Fazenda Onça com todas as benfeitorias existentes.Partes: Vendedor: D. Maria Marciana de Jesus Carvalho e seu filho José Elias de Carvalho. Comprador: Florentino Pinto da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc. Pág. Ano.45 41 1898Objeto da Nota: Escritura de venda de um quinhão de terras em comum na Fazenda BaixaNova em terras da Fazenda Maxixe.Partes: Vendedor: Antonio Graciliano da Cunha. Comprador: Joaquim Pinheiro D’Carvalho.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 46 Pág.: 42 Ano: 1898Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: José Vicente d’Araujo. Outorgante: João Francisco Lopez e sua mulher D. Anna de Jesus Maria.
  30. 30. 30Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 47 Pág.: 42 a 43 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma fazenda denominada Saubaracom todas as suas benfeitorias em terras comum da fazenda Rosário.Partes: Vendedor: João Francisco Lopes e sua mulher Anna de Jesus Maria. Comprador: João Ferreira d’Oliveira.Obs.: Procurador da venda José Vicente d’Araujo.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 48 Pág.: 44 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de um sítio denominado Santa Rosa.Partes: Vendedor: Antônio Carneiro da Motta e sua mulher D. Violantina Maria de Jesus. Comprador: Augusto Antônio de Oliveira.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 49 Pág.45 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um sítio denominado Alagadiçoem terras comum a Fazenda Berimbau.Partes: Vendedor: Antônio Manoel da Motta e sua mulher D. Antônia Francisca de Jesus. Comprador: João Alves Manoel.
  31. 31. 31Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 50 Pág.: 45 a46 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura de venda de uma parte de terras em comum a Fazenda Berimbau.Partes:Vendedor: Antônio Manoel da Motta e sua mulher D. Antônia Francisca de Jesus.Comprador: Vitoriano Lopes da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 51 Pág.: 46 a48. Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura de venda de um sítio denominado Descançador.Partes: Vendedor: Silvério José da Silva e sua mulher Maria Clementina da Silva. Comprador: João José Ferreira, José Antônio de Brito, Sabino Bispo dos Reis, José Maria Ferreira.Obs.: Este documento se estende até a página 48 dessa maneira a página 47 trata do mesmodocumento.Procurador da compra José Ferreira da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 52 Pág.: 48 a 49 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um sítio em terras da FazendaGangorra.Partes: Vendedor: Manoel José de Lima e sua mulher D. Maria Roza de Lima. Comprador: Martiniano Lopes da Silva.
  32. 32. 32Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 53 Pág.: 49 (verso) Ano: 1898Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Antônio Libanio Lopes. Outorgante: Manoel Gonçalves Guardiano e sua mulher D. Joana Bernardina de Jesus.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 54 Pág.: 50 Ano: 1898Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Manoel André de Souza Pinto. Outorgante: Hermimgildo Victorino de Oliveira.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 55 Pág.: 50 Ano: 1898Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Manoel André de Souza Pinto. Outorgante: Francisco Telles d’Araujo e sua mulher D. Maria Bernardina do Espírito Santo.
  33. 33. 33Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 56 Pág.: 50(verso) a 51 Ano: 1898Objeto da Nota.Escritura de compra e venda de uma Fazenda denominada MandacaruPartes: Vendedor: Francisco Telles d’Araújo e sua mulher Maria Bernardina do Espírito Santo. Comprador: Antônio João da Silva.Obs.: Procurador da venda Manoel André de Souza Pinto.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 57 Pág.: 52 a 53 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura de venda de um terreno denominado Sambahyba.Partes: Vendedor: Padre Marcolino Francisco de Souza Madureira, Tenente Coronel Pedro d’Alcântara Leal, D. Amelia Josefina de Castro Leal, José de Castro leal, Antônio de Castro Leal Comprador: D. Romana Eulália de Jesus.Obs: Procurador da venda Professor Florentino Pinto da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 58 Pág.: 54 Ano: 1898Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Antônio Ezalto Motta Outorgante: D. Romana Eulalia de Jesus.
  34. 34. 34Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 59 Pág.: 54 (verso) a 55 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de venda de terras e benfeitorias da Fazenda Tanque daLage.Partes: Vendedor: Maria Excholastica de Jesus, Antônio Sérgio de Oliveira e sua mulher Maria Clara de Oliveira. Comprador: D. Romana Eulalia de Jesus.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 60 Pág.: 55 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de venda de um pedaço de terra dividida num lugarconhecido por Baixa da Itapororoca na estrada que segue desta Villa para Salgada.Partes: Vendedor: Manoel Lutero Accássio e sua mulher Maria Francisca de Jesus. Comprador: Intendente municipal Padre Marcolino Francisco de Souza Madureira.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 60 Pág.: 56 Ano.: 1898Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Antônio Izalto Motta Outorgante: Romana Eulalia de Jesus.
  35. 35. 35Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 62 Pág.: 56 a 57 Ano.: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casa.Partes: Vendedor: Pedro Pinto Sá e sua mulher D. Alexandrina de Jesus Sá. Comprador: Manoel Ferreira da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 63 Pág.: 58 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um sítio nas terras da FazendaOnça num lugar denominado Varginha.Partes: Vendedor: Victor da Motta Lima e sua mulher D. Anacleta Maria de Jesus. Comprador: João Pires da Fonseca.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 64 Pág.: 59 Ano: 1898Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Maximino Dultra Andrade Outorgante: D. Philippa Maria de Jesus.
  36. 36. 36Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 65 Pág.: 59 a 60 Ano: 1898Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casa situada nos subúrbios daPraça desta Villa.Partes: Vendedor: D. Maria Marciana de Jesus e seu filho José Elias de Carvalho. Comprador: Elpídio Amancio da Cunha.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 66 Pág.: 60 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura pública de doação de uma casa.Partes: Doador: D. Maria Bernardina do Espírito Santo. Beneficiado: D. Senhorinha de Souza e OliveiraObs.: A beneficiada é neta da doadora e foi representada neste documento por seu marido osenhor João Evangelista de Oliveira.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 67 Pág.: 61 Ano: 1899Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado procurador: Sabino Ferreira Moraes Outorgante: João Evangelista Carneiro e sua mulher D. Joviniana Ferreira Peixinho.
  37. 37. 37Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 68 Pág.: 61 (verso) a 62 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casa térrea situada na praçadesta Villa.Partes: Vendedor: Florentino Pinto da Silva e sua mulher D. Anatildes Lopes Pinto. Comprador: Manoel Ferreira da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 69 Pág.: 62 (verso) Ano.: 1899Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um sítio denominado Descançadorcom todas as benfeitorias existentes nele.Partes: Vendedor: José Marcelino Ferreira Comprador: Florentino Pinto da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 70 Pág.: 63 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura de desistência, serccão e doação.Partes: Doador: D. Felipa Maria de Jesus os seus netos. Beneficiado: Colombina Lopes Pinto, Dionizio Pinto da Silva, Eustorgio Pinto da Silva, Epfanio Pinto da Silva, Flaviana Lopes Pinto.
  38. 38. 38Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 71 Pág.: 64 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de um sítio denominado Alagadiço em terrasda em comum da fazenda Berimbau.Partes: Vendedor: João Alves Maciel e sua mulher Rosa Maria de Jesus. Comprador: Victoriano Lopes da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 72 Pág.: 65 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura pública de renuncia e desistência e doação.Partes: Doador: D. Felipa Maria de Jesus. Beneficiado: Colombiana Lopes Pinto, Dionizio Pinto da Silva, Eustórgio Pinto da Silva, Vespaziana Pinto da Silva, Flaviana Lopes Pinto.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 73 Pág.: 66 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma Fazenda denominadaSambahiba com todas as suas benfeitorias.Partes: Vendedor: D. Romana Eulalia de Jesus. Comprador: Padre Marcolino Francisco de Souza Madureira.
  39. 39. 39Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 74 Pág.: 67 Ano: 1899Objeto da Nota.Escritura da Receita Estadual.Partes: Vendedor: Padre Madureira, Romana Eulália de Jesus. Comprador: Valor da receita 62 mil reis.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 75 Pág.: 67 (verso) Ano: 1899Objeto da nota.ProcuraçãoPartes: Outorgado procurador: Augusto Antônio de Oliveira. Outorgante: D. Maria Lopes da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 76 Pág.: 68 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura de ratificação de venda de uma casa térrea situada na praça destaVilla.Partes: Vendedor: D. Joana Maria de Jesus, viúva de José Estevão da Cunha. Comprador: Antônio Telles d’Araújo.
  40. 40. 40Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 77 Pág.: 69 Ano: 1899Objeto da nota.Escritura pública de compra e venda de um sítio denominado Flores.Situado nas terras em comum da Fazenda Santa Ritta.Partes: Vendedor: José Carlos D’Araújo e sua mulher D. Porcina da Cunha. Comprador: Antônio Telles D’Araujo.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 78 Pág.: 69 (verso) Ano.: 1899Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Augusto Antônio de Oliveira. Outorgante: D. Maria Lopes da Silva.Escrivão:José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 79 Pág.: 70 Ano: 1899Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Florentino Pinto da Silva. Outorgante: Manoel Ferreira da Silva
  41. 41. 41Número do Doc.: 80 Pág.: 70 (verso) Ano: 1899Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado Procurador: Major Arcem dos Santos Moreira Outorgante: Honorio Ancelmo da Cunha, João Francisco da Cunha, Inocencio Ferreira de Santa Anna, por sua mulher Maria Agda de Jesus Pastora Romana de Jesus.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 81 Pág.: 71 Ano: 1899Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um posto de transmissão amunicipalidade desta Villa. (uma casa nesta Villa).Partes: Vendedor: Manuel Eugenio Mascarenhas e sua mulher D. Anna Julia de Jesus. Comprador: Representado por/ Intendente Vigário Marcolino Francisco de Souza Madureira.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 82 Pág.: 71 (verso) Ano: 1899Objeto da Nota: ProcuraçãoPartes: Outorgado procurador: Severiano d’Araújo Souza. Outorgante: Honorato Joaquim de Oliveira.Obs.: O outorgado é cunhado do outorgante.
  42. 42. 42Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 83 Pág.: 72 Ano. : 1899Objeto da Nota: Títulos particular de compra e venda pagos impostos da transmissão deterras da Fazenda Flores.Partes: Vendedor: Eduardo José de Oliveira sua mulher Maria Francisca de Araujo. Comprador: Francisco de Chagas Araujo.Escrivão:José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 84 Pág.: 73 Ano: 1899Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Maximino Dultra Andrade. Outorgante: D. Fhilippa Maria de Jesus.Escrivão: José Vicente Tanajura GuimarãesNúmero do Doc.: 85 Pág.: 73 a74 Ano: 1900Partes: Vendedor: D. Bárbara Josefa de Jesus por si e por seus filhos Militão Lino da Costa e Marcos e os mais, João José da Cunha por sua mulher D. Maria Josefa de Jesus, D. Anna Maria da Cunha, José Leocadio da Costa, Tertuliano Lino da Costa, Elias Simão de Oliveira por sua mulher D. Joana Maria de Oliveira, Virginia Maria de Jesus, Dionizio Lino da Costa, Bernardo Lino da Costa, Baldoina Maria de Jesus, Etelvina Maria de Lesus. Comprador: Capitão Vicente Lino da Costa.
  43. 43. 43Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 86 Pág.: 74 a 75 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de uma posse te terra com as benfeitorias(tanque, posto, terreno) em comum da Fazenda Nova.Partes: Vendedor: Padre Marcolino Francisco de Souza Madureira. Comprador: Capitão José Daniel Lopes.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 87 Pág.: 75 (verso) a 76 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de uma Fazenda denominada Varge Grandecom todas as benfeitorias.Partes: Vendedor: Joaquim Carneiro da Motta. Comprador: Victoriano Lopes da Silva.Obs.: Procurador da venda João Nunes da Cunha.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 88 Pág.: 76 (verso) Ano: 1900Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Padre Marcolino Madureira. Outorgante: Tito Ferreira da Silva e sua mulher D. Anna Joaquina D’Oliveira.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 89 Pág.: 77 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de uma casa situada na praça desta Villa.Partes: Vendedor: Tito Ferreira da Silva e sua mulher D. Anna Joaquina D’Oliveira. Comprador: Antônio Thiburcio da Cunha.
  44. 44. 44Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 90 Pág.: 78 a 79 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura de venda de uma parte de terra da Fazenda Bocca da Caatinga.Partes: Vendedor: Galiana Maria de Jesus. Comprador: José Ferreira Nobre.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 91 Pág.: 79 a 80 Ano: 1900Objeto da Nota.Escritura de compra e venda de uma fazenda denominada Matheus nasterras em comum da Fazenda Berimbau e Santa Rosa.Partes: Vendedor: Vicente Ferreira de Cintra e sua mulher D. Thereza de Cintra. Comprador: Juvencio Duarte Dias.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 92 Pág.: 80 Ano: 1900Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: João Ferreira da Silva. Outorgante: D. Francisca Maria de Lima.
  45. 45. 45Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 93 Pág.: 80 (verso) a 81 Ano: 1900Objeto da Nota. Escritura pública de venda de uma casa térrea situada na praça desta Villa.Partes: Vendedor: João Ferreira da Silva; Marinho Ferreira da Silva e sua mulher; Serafino d’Oliveira Maior e sua mulher D. Anna Gustinha d’Oliveira; Guilhermio José d’Oliveira e sua mulher D.Anna Maria d’Oliveira; Firmino Everaldino d’Oliveirae sua mulher D. Senhorinha Maria d’Oliveira; Manoel Francisco da Silva e sua mulher D. Josefa Maria de Araujo; José Manoel d’Oliveira e sua mulher D. Antônia Maria de Oliveira; Bernabé Moreira d’Oliveira e sua mulher D. Jovita Maria d’Jesus; D. Maria d’Oliveira; Maria Urçulina de Jesus; Livia Maria d’Oliveira; Herminio Pedro d’Oliveira; Jesuina Maria de Jesus filha da falecida Philippa Maria de Jesus representada por seu pai José Balbino d’Oliveira; José Raphael da Silva; Maria Cyrillo de Jesus; Josefa Cyrillo de Jesus. Comprador: Florentino Pinto da Silva.Obs. O nome da mulher de Marinho Ferreira da Silva não aparece no documento.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 94 Pág.: 82 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de venda de um terreno subsercos nos terrenos daFazenda Nova.Partes: Vendedor: D. Joana Carolina da Motta; Capitão Vicentino da Costa e sua mulher D. Luiza Eufrasia Torres Costa. Comprador: Florentino Pinto da Silva.
  46. 46. 46Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 95 Pág.: 82 (verso) 83 e 84 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública paga os impostos de transmissão de uma fazendadenominada Morros em terras em comum com a fazenda Salgada.Partes: Vendedor: José Antônio da Costa e sua mulher D. Maria da Assunção Lima Costa. Comprador: Eduardo Coutinho Vasconcelos.Obs.: Procurador da venda capitão Vicentino da Costa.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 96 Pág.: 84 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma parte de terras e benfeitoriasdivididas da Fazenda santa Cruz em Quixabar.Partes: Vendedor: Anacleto dos Santos e sua mulher Christina Maria de Jesus; Silvino Pinto da Silva. Comprador: Miguel Pinto da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 97 Pág.: 85 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma Fazenda denominadaTanquinho do tabuleiro.Partes: Vendedor: João Francisco Chaves e sua mulher D. Isabel Maria de Jesus. Comprador: Sallustiano José da Cunha.
  47. 47. 47Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 98 Pág.: 85 (verso) a 86 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura de compra e venda de um sítio com todas as benfeitorias em umlugar denominado Barrocas.Partes: Vendedor: Joaquim da Cunha Araujo sua mulher D. Francilina do Amor Divino. Comprador: Salustiano José da Cunha.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do doc.: 99 Pág.: 86 (verso) Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casaPartes: Vendedor: Eupidio Amancio da Silva. Comprador: Florentino Pinto da Silva.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 100 Pág.: 87 a 88 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma parte de terras da FazendaSanta Cruz em um lugar denominado Quixabar com terras em comum a FazendaTabuleiro.Partes: Vendedor: Salvador Pinto da Silva e sua mulher Cecilia Maria da Silva. Comprador: Miguel Pinto da Silva.
  48. 48. 48Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 101 Pág.: 88 Ano: 1900Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Sabino ferreira de Morais. Outorgante: Teresinha Maria de Jesus.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 102 Pág.: 88 a 91 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de venda de uma fazenda denominada Morros nas terrasem comum a Fazenda Salgada.Partes: Vendedor: José Antônio da Costa e sua Mulher D. Maria da Assunçao de Lima. Comprador: Eduardo Coutinho de Vasconcelos.Obs.: Procurador da venda Capitão Vicente Lima da Costa.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 103 Pág.: 91 (verso) a 92 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casa situada na povoação desalgada. Vendedor: Aristides Amancio Costa e sua mulher D. Theodolina Julia Amancio. Comprador: Eduardo Coutinho de Vasconcelos.Obs.: Procurador da venda José Hermenegildo da Cunha.
  49. 49. 49Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 104 Pág.: 92 (verso) a 93 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma casa nos subúrbios destaVilla.Partes: Vendedor: Cyrillo Gonçalves Ramos e sua mulher D. Maria Elias de Souza. Comprador: Francisco José Gonçalves.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 105 Pág.: 93 (verso) a 94 Ano: 1900Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de um pequeno pasto secado complantação nas terras em comum com a Fazenda Salgado.Partes: Vendedor: Capitão Vicente lima da Costa e sua mulher D. Luiza Eufrasiana Torres. Comprador: Eduardo Coutinho de Vasconcelos.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 106 Pág.: 94 a 95 Ano: 1901Objeto da Nota: Escritura pública de compra e venda de uma fazenda denominada BoaEsperança.Partes: Vendedor: Miguel Gonçalves Gordiano e sua mulher D. Joana Bernardina de Jesus; Comprador: João Nunes Gordiano.Obs.: Procurador da venda Francisco Nunes Gordiano filho do casal.
  50. 50. 50Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 107 Pág.: 96 Ano: 1901Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: João Trabuco. Outorgante: Pedro Manoel d’Almeida e sua mulher D. Antônia Vitorina de Jesus; Joaquim Adriano d’Almeida sua mulher D. Bernardina Maria de Jesus; Juvenal Saturniano Sant’Anna e sua mulher D. Maria Francilhina de Jesus; Vitorino José da Costa; Marcolino Gonçalves d’Oliveira e sua mulher D. Maria Baptista do sacramento; Marcio José dos Santos e sua mulher; D. Romana Francisca de Jesus; Cosmira Maria de Jesus; Ignacio Adriano d’Almeida; Elias Francisco d’Almeida e sua mulher D Maria Herondina de Jesus; Maria Francisca de Deus.Obs.: O último sobrenome do procurador não foi identificado, pois esta ilegível.O nome da mulher de Marcio José dos Santos não foi identificado, pois está ilegível.Escrivão: José Vicente Tanajura Guimarães.Número do Doc.: 108 Pág.: 97 Ano: 1901Objeto da Nota: Procuração.Partes: Outorgado Procurador: Manoel Andre de Souza Pinto. Outorgante: D. Anna Carneiro de Jesus.
  51. 51. 51INDÌCE DE ESRCITURA DE COMPRA E VENDA.Número do doc. Pág. Ano01 01 189503 03 189504 04 189505 05 189506 06 189507 07 189508 08 189510 11 189611 12 189612 13 189613 14 189614 15 189618 17 189620 18/20 189621 20/21 189622 21/22(verso) 189623 22 (verso) a23 189625 24 189726 25 189728 26/27 189729 27 189730 28 189731 29 189732 30 1897
  52. 52. 5233 31 189735 32/33 189737 34/35 189739 36/37 189740 37 189741 38 189743 39 (verso) a 40 189744 40 (verso) a 41 189745 41 189847 42/43 189848 44 189849 45 189850 45/46 189851 46/48 189852 48/48 189856 50 (verso) a 51 189857 52/53 189859 54 (verso) a 55 189860 55 189862 56/57 189863 58 189865 59/60 189868 61 (verso) a 62 189969 62 (verso) 189971 64 189973 66 1899
  53. 53. 5376 68 189977 69 189981 71 189983 72 189985 73/74 190086 74/75 190087 75 (verso) a 76 190089 77 190090 78/79 190091 79/80 190093 80 (verso) a 81 190094 82 190095 82 (verso) /83/84 190096 84 190097 85 190098 85/86 190099 86 (verso) 1900100 87/88 1900102 88/91 1900103 91 (verso) a 92 1900104 92 (verso) a 93 1900105 93 (verso) a 94 1900106 94/95 1901Total de escrituras de compra e venda: 73.
  54. 54. 54ÍNDICE DAS ESCRITURAS DE DOAÇÃO.Número do Doc. Pág. Ano.24 23 (verso) 189636 33/34 189966 60 189970 63 189972 65 1899Total da escritura de doação: 05.ÍNDICE DAS PROCURAÇÕESNúmero do Doc. Pág. Ano02 02 189509 10 189615 16 189616 16 (verso) 189617 17 189619 17 (verso) 189627 25 (verso) 189734 31/32 189738 35/36 189742 39 189746 42 189853 49 (verso) 189854 50 189855 50 189858 54 1898
  55. 55. 5560 56 189864 59 189867 61 189975 67 189978 69 (verso) 189979 70 189980 70 (verso) 189982 71 (verso) 189984 73 189988 76 (verso) 190092 80 1900101 88 1900107 96 1901108 97 1901Total das procurações: 29. A distribuição dos documentos por ano pode ser melhor evidenciada no gráfico abaixo,onde podem ser observados a quantidade de documento por tipo produzido em cada ano. GRÁFICO 1- NÚMERO DE DOCUMENTOS REGISTRADOS POR ANO. 20 18 16 14 12 2 Escritura de compras e 10 vendas 8 3 Procuração 6 4 4 Escritura de doação 2 0 1895 1896 1897 1898 1899 1900 1901
  56. 56. 56 Em suma temos um total de 108 documentos, os quais estão divididos ente 73escrituras de compra e venda 29 procurações e 05 escrituras de doação e 1 escritura da receitaestadual que está classificada junto às escrituras de compra e venda.Considerações finais As análises feitas até agora, são apenas pequenos exemplos que servem para ilustrarcomo essa diversidade de informações pode contribuir para a construção de trabalhos degrande interesse para a academia e para a sociedade. Mas essa realização só será possível sehouver preservação, acesso as fontes e estímulo a pesquisa por parte das instituições. A preservação dos documentos do judiciário é de fundamental importância para areconstrução e reafirmação da memória coletiva. Quando esses documentos “perdem” seu usojurídico e administrativo ganham automaticamente um valor mediato, se tornando umimportante instrumento de investigação histórica. Porém, para que isso ocorra, é necessário apreservação desses documentos com a criação de arquivos históricos e centros dedocumentação, objetivando tratar adequadamente essas fontes e posteriormente disponibilizá-la para a consulta pública incentivando o desenvolvimento de diversos trabalhos ligados aosdiferentes níveis acadêmicos. O Centro de Documentação da Faculdade de História da UNEB, Campus XIV éexemplo desse cuidado. Graças a ele a realização deste trabalho foi possível e se fez demaneira satisfatória, abrindo novos caminhos e possibilidades para futuras pesquisas e emtorno da história do município de Conceição do Coité, contribuindo sistematicamente com apreservação da memória local.
  57. 57. 57REFERÊNCIASBACELAR, Carlos. Uso e Mau Uso dos Arquivos. In. Fontes Históricas, org. Carla Pinsky.São Paulo: Contexto, 2005. pp.23 – 43.DIAS, Marcelo Henrique; CARRERA, Ângelo Alves. História Agrária da Capitania deIlhéus: Notas preliminares de um programa de estudo. 2008. Disponível em:<http://www.uesb.br/anpuhba/artigos/anpuh_I/marcelo_henrique_dias.pdf>. Acesso em: 26out. 2009.FERREIRA, Marieta de Moraes. Fontes Históricas para o Estudo da Imigração. Net. Riode Janeiro, out.2000. Disponível em: <http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&rlz=1T4ADSA_ptBRBR362BR363&q=XXIV+encontro+anual+da+Anpocs+2000+Gt+Migra%C3%A7oes+internacionais&meta=&aq=f&oq=html>. Acesso em: 25 out. 2009.LE GOFF, Jacques. História e Memória. 5. ed Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 2003. p540.MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. Fontes Judiciais do Seridó Potiguar sobre aEscravidão e suas Possibilidades de Pesquisa. Net. Rio Grande do Norte. Agosto. 2004.Disponível em:<http://www4.tj.rs.gov.br/institu/memorial/RevistaJH/vol4n8/02_Helder_Macedo.pdfhtml>.Acesso em: 25 out. 2009.PINTO, Karina Pereira. A Selvageria, O Hiato, A Descontinuidade: Arquivos e Fontes naHistoriografia. Net. São Paulo: 2005. Disponível em:<http://scholar.google.com.br/advanced_scholar_searchhtml>. Acesso em 25 out. 2009.SAMARA, Eni de Mesquita; TUPY, Ismênia S. Silveira T. História e Documento emetodologia de pesquisa. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.SANTOS, Jucélia Bispo dos Santos. Poder Local e Escravidão em Irará, Bahia. Net. SãoPaulo, jul. 2009. Disponível em:<Http://www.historiaehistoria.com.br/materia.cfm?tb=artigos&id=101html>. Acesso em: 25out. 2009VIEIRA, Maria do Pilar de Araujo; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha; KHOURY, YaraAun. A pesquisa em história. São Paulo: Ática, 2002.

×