• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
A formação docente em le para o uso das tic em suas práticas pedagógicas
 

A formação docente em le para o uso das tic em suas práticas pedagógicas

on

  • 2,613 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,613
Views on SlideShare
2,613
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
31
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    A formação docente em le para o uso das tic em suas práticas pedagógicas A formação docente em le para o uso das tic em suas práticas pedagógicas Document Transcript

    • 0 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XIV LETRAS, LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA DEISIANE DA SILVA SANTANAA FORMAÇÃO DOCENTE EM LE PARA O USO DAS TIC EM SUAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. CONCEIÇÃO DO COITÉ 2012
    • 1 DEISIANE DA SILVA SANTANAA FORMAÇÃO DOCENTE EM LE PARA O USO DAS TIC EM SUAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. Monografia apresentada à Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação, Campus XIV, como requisito final à conclusão do Curso Letras, Licenciatura em Língua Inglesa. Orientador: Prof. MSc. Emanuel Nonato CONCEIÇÃO DO COITÉ 2012
    • 2 DEISIANE DA SILVA SANTANAA FORMAÇÃO DOCENTE EM LE PARA O USO DAS TIC EM SUAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS.Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de licenciado (a)em Letras – Licenciatura em Língua Inglesa, Departamento de Educação – DEDC,Campus XIV – Conceição do Coité, Universidade do Estado da Bahia – UNEB, pelaseguinte banca examinadora: Conceição do Coité, 15 de março de 2012Banca:______________________________________________________Prof. MSc. Emanuel NonatoUniversidade do Estado da Bahia - UNEB (Orientador)______________________________________________________Profª. Msc. Neila SantanaUniversidade do Estado da Bahia – UNEB (Convidada)______________________________________________________Prof. Msc. Mary SalesUniversidade do Estado da Bahia – UNEB (Convidada)
    • 3Dedico este trabalho a minha família pelo estímulo,colaboração e apoio, por compartilhar comigo osmomentos de tristeza e também de alegria, nestaetapa, em que, com a graça de Deus, está sendovencida.
    • 4 AGRADECIMENTOSAgradeço em primeiro lugar a Deus, pela força e coragem dada a mim paraenfrentar todos os obstáculos durante essa caminhada.Aos meus pais, Joaquim e Irani que sempre mim deram apoio, contribuindoativamente para minha formação acadêmica.Agradeço também ao meu noivo Anselmo Lima, que de forma especial, paciente ecarinhosa me deu apoio e força nos momentos difíceis.O Prof. Emanuel Nonato, que aceitou me orientar e acreditou na minha capacidadepara realização deste trabalho.A todos os nossos professores, pela dedicação e competência ao longo dessecurso, pois esses foram e sempre serão colaboradores essenciais para a construçãodo meu conhecimento.Aos funcionários do Campus XIV pela disposição em nos ajudar em todos osmomentos.Aos amigos, pela amizade, por estender a mão, apoiar e nos confortar nosmomentos de angústias e dificuldades.Aos colegas, pelos momentos de alegria, convívio e apoio.
    • 5 As novas tecnologias da informação não são simplesmenteferramentas as serem aplicadas, mas um processo a serem desenvolvidos... Manuel Castells
    • 6 RESUMOA área de Educação tem se beneficiado cada vez mais das Tecnologias daInformação e Comunicação (TIC), visto que a utilização adequada contribuisignificativamente para o ensino/aprendizagem, sendo de grande valia para o ensinode uma Segunda Língua (L2). Assim sendo, o presente estudo tem comoproblemática a seguinte questão: Como os discentes de Língua Inglesa (LI)percebem o seu processo formativo para a apropriação das TIC em beneficioensino/aprendizagem de (LI). Este estudo apresenta a percepção estudantil sobre oprocesso de formação de professores para o uso das TIC no ensino de LínguaInglesa (LI), realizado na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus XIV,tendo como base metodológica a pesquisa participante e levando em consideraçãoas teorias de João Thomaz Pereira (2005), Reinildes Dias (2009), Pedro Demo(1998; 2002), Dulce Pazinato Casarin (2008/09) e Manuel Castells (1999). Objetiva-se demonstrar a importância da formação docente para a manipulação das TIC noensino/aprendizagem de LE, assim como, instigar a auto-avaliação do corpo docentee discente do campus XIV, quanto ao processo formativo de professores em LI paraa utilização das TIC em suas práticas educativas. Este estudo emergiu doreconhecimento de que os profissionais de educação necessitam de capacitaçõespara a manipulação das TIC no ensino de LI, para que as mesmas possam serinseridas na Educação como construtoras de conhecimento e não simples aparatosde sala de aula.Palavras-chave: Formação de professores. Tecnologias da Informação eComunicação. Língua Inglesa.
    • 7 ABSTRACTThe new Information and Communication Technologies (ICT) has been benefiting theeducation constantly. Their correct use is very important because they contributesignificantly to the learning/teaching process of a second language. The problematicquestion is: how the students of EL see their process of formation to theappropriation of the TIC in benefit of learning/teaching process? This work showsthe student’s perception about the teachers formation for their use in English classesat Universidade do Estado da Bahia, Campus XIV, This study has asmethodology participant research based on João Thomaz Pereira (2005), ReinildesDias (2009), Pedro Demo (1998; 2002), Dulce Pazinato Casarin (2008/09) andManuel Castells (1999) theories. It aims to show the importance of teachers’formation for the correct manipulation of Information and CommunicationTechnologies in learning and teaching English as foreign language, even as, to incitethemselves perception of students and teachers of Campus XIV about the teachersformation about the usage of Information and Communication Technologies (ICT) inEnglish classes. This study is based on the admission that English professionals ofeducation need to be more prepared to manipulate the ICT as constructors ofknowledge and not only as simple tools in the classroom.Keywords: Teacher’s formation. Information and Communication Technologies.English Language.
    • 8 LISTA DE QUADROSQuadro 1: Procedimentos de seleção dos sujeitos da pesquisa participante..... 27Quadro 2: Procedimentos de coleta de dados.................................................... 28Quadro 3: Você e as TIC antes da universidade................................................ 30Quadro 4: Carga horária da disciplina novas tecnologias.................................. 32Quadro 5: Abordagem formativa na disciplina novas tecnologias...................... 32Quadro 6: Posicionamento do corpo docente para com as TIC......................... 33Quadro 7: Orientações para o uso das TIC em estágios.................................... 33Quadro 8: Qualificação para o uso das TIC no ensino de LI.............................. 34Quadro 9: Acervo bibliotecário............................................................................ 34Quadro 10: Laboratório de informática................................................................. 35Quadro 11: Aparatos tecnológicos do campus XIV.............................................. 35Quadro 12: Formação para a manipulação da TIC em sala de aula.................... 36
    • 9 SUMÁRIOIntrodução.............................................................................................................. 10CAPÍTULO 1 – Formação de professores e a importância das TIC noensino/aprendizagem de Língua Inglesa............................................................ 131.1 Impactos da TIC na educação.......................................................................... 171.2 Tecnofobia em sala de aula.............................................................................. 19CAPÍTULO 2 – Conhecer e vivenciar a realidade para transformá-la.............. 222.1 Do método........................................................................................................ 232.2 Do problema..................................................................................................... 252.3 Questões norteadoras...................................................................................... 252.4 Dos objetivos.................................................................................................... 262.5 Do lócus e sujeitos da pesquisa....................................................................... 262.6 Dos instrumentos e procedimentos de coletas dos dados............................... 272.7 Dos procedimentos de análises........................................................................ 29CAPÍTULO 3 – O olhar discente sobre o seu processo formativo em LI parao uso das TIC......................................................................................................... 30Considerações finais............................................................................................ 38Referências............................................................................................................ 39Apêndice................................................................................................................ 41
    • 10 Introdução Vivemos na Sociedade da Informação1, que está cada vez mais interativa einformatizada em função dos avanços nas Tecnologias da Informação eComunicação (TIC). Essas possibilitam um vasto campo de conhecimento einteração entre todos os povos com rapidez, qualidade e autenticidade nunca vistosantes. As TIC tem sido de grande relevância para muitas áreas sociais tais comopolítica, ciência e cultura, mas nenhuma dessas tem utilizado e desfrutadoamplamente dos novos recursos tecnológicos como a educação, que diante de talrealidade procurou assumir uma nova postura educativa, voltada para a novageração ‘on-line’. Na contemporaneidade, os novos espaços de educação não se restringemapenas às salas de aulas concretizadas e limitadas a quatro paredes, assim como, aleitura e a escrita não são constituídas apenas em materiais sólidos e estáticos, queem função do advento da internet surgem novos ambientes educacionais, dentreesses estão os hiperleitores e hirperescritores presentes no ambiente virtual deaprendizagem. A internet tem contribuído significativamente para a educação, pois, atravésdela o ensino superior tornou-se mais acessível para aqueles que desejavamingressar em uma universidade, e não tinham condições de fazer um cursopresencial por diversos motivos, dentre estes, o deslocamento de sua cidade paraoutra e horários incompatíveis com a disponibilidade do aprendiz, e graças à internetforam contemplados pela Educação a Distancia (EAD). As novas TIC não foram introduzidas na educação com o objetivo desubstituir o professor ou banir o ensino presencial, e sim se integram ao ensino paracontribuírem e complementarem as carências que o ensino tradicional nãoconseguiu superar, e diante de tal realidade social e tecnológica, as TIC nãopoderiam esquivar-se da escola.1 O termo Sociedade da Informação neste estudo remete as idéias de Manuel Castells nolivro “A Sociedade em Rede”, no qual o autor evidencia que o processo de reestruturação docapitalismo e a difusão do informacionalismo contribuíram para a formação da chamada“Sociedade informacional” e conseqüentemente “sociedade da Informação”.
    • 11 A inserção das TIC na escola é de suma importância, já que seu intuito éformar cidadãos ativos e capazes de conviver numa sociedade que está cada vezmais interativa e a não qualificação de tais sujeitos para a utilização das tecnologiasno seu dia-dia, pode torná-lo excluído pelo analfabetismo digital. Assim sendo, o presente trabalho justifica-se pela necessidade de investigarcomo a preparação profissional de futuros professores está sendo realizada nocontexto acadêmico, em prol do uso das ferramentas tecnológicas para oensino/aprendizagem de Língua Inglesa (LI). Visto que, a educação necessitaintegrar as TIC no ensino/aprendizagem, para que seus aprendizes possam viver eatuar na sociedade com igualdade, acompanhando o ritmo das mudanças einteragindo com todas as tecnologias disponíveis para seu conforto e qualidade devida. As questões que se pretendem responder aqui envolvem a percepçãoestudantil sobre o processo formativo realizado no curso de Letras, Licenciatura emLíngua Inglesa para o emprego das TIC em suas práticas pedagógicas noensino/aprendizagem de uma Segunda Língua (L2). O objetivo é apresentar aimportância da capacitação docente para a manipulação das TIC no ensino/aprendizagem de Língua Estrangeira (LE), bem como, instigar a auto-avaliação doscorpos docente e discente do campus XIV para o processo formativo realizado nomesmo em função das TIC. Para tanto, serão utilizados os princípios teóricos de João Thomaz Pereira(2005) que apresenta estudos sobre o analfabetismo digital na atualidade e seusreflexos na educação, Reinildes Dias (2009), Ph.D. em Tecnologia Educacional,Pedro Demo (1998; 2002) por ser um dos escritores mais expressivos da pesquisana educação e formação do sujeito em si, Dulce Pazinato Casarin (2008/09) queapresenta um estudo sobre as Tecnologias da Informação e Comunicação(TIC) noEnsino/Aprendizagem de Língua Inglesa e Manuel Castells (1999) que escrevesobre o impacto das tecnologias na sociedade. A investigação desse trabalho se deu mediante a observação de que omercado de trabalho está cada vez mais competitivo e concorrido, por isso, aprenderuma segunda língua pode ser o diferencial na hora da conquista por um emprego,desse modo, as TIC são uma grande aliada para a construção desse conhecimentoem L2, já que possibilita praticar as quatro habilidades lingüísticas.
    • 12 Esse trabalho será dividido em três capítulos. No primeiro capítulo, intitulado“Formação de professores e a importância das TIC no ensino/aprendizagem deLíngua Inglesa” é feita uma abordagem sobre a importância da pesquisa naformação de professores e o quanto a qualificação para o uso das TIC podembeneficiar o ensino de LI, bem como, o impacto das TIC na educação e a tecnofobiaem sala de aula. O segundo capítulo, que traz como título “Conhecer e vivenciar a realidadepara transformá-la”, apresenta a metodologia desse estudo, que tem comofundamento teórico a pesquisa participante, em função da natureza deste trabalho.O terceiro e último capítulo denominado “O olhar discente sobre o seu processoformativo em LI para o uso das TIC”, pretende mostrar as análises e os resultadosda percepção discente sobre seu processo de formação superior realizado noCampus XIV para a manipulação das TIC no ensino de LI.
    • 13 CAPÍTULO 1Formação de professores e a importância das TIC no ensino/aprendizagem de Língua Inglesa Diante da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB)(BRASIL, 1996), as Línguas Estrangeiras Modernas recuperaram a importância quehá muito tempo lhe fora negada, pois eram vistas como disciplinas pouco relevantesnos currículos escolares. Portanto, o ensino de uma segunda língua assume acondição de indissociável do conjunto dos conhecimentos essenciais da educação,por permitir ao aprendiz aproximar-se de várias culturas e conseqüentementeintegrar-se ao mundo globalizado. A revalorização das LE no Ensino Fundamental instigou olhares para oprocesso formativo realizado em cursos de graduação em L2, visto que uma dasgarantias para uma educação de qualidade recai sobre os profissionais que atuamem sala de aula, de maneira que os mesmos merecem e necessitam de umaformação qualificada e autêntica que suscite em um bom trabalho educativo nofuturo. O curso universitário de formação de professores em LI, principal responsávelpor essa capacitação profissional, deve buscar desenvolver práticas educativasreflexivas e investigativas, pois, a sociedade da informação e da nova geração “on-line”, os futuros professores necessitarão tanto da pesquisa quanto do letramentoeletrônico no processo de ensino/aprendizagem de LI, para que os mesmosconduzam um ensino significativo dentro da realidade a qual pertencem. Formar o professor não é apenas qualificá-lo em uma “área específica”, capacitá-lo teórica e metodologicamente para ensinar determinado conteúdo, mas é também formá-lo para enfrentar e construir ação educativa escolar em sua totalidade (SOARES, 2000, p. 93). Embora o professor se forme para ensinar uma única disciplina, não significaque o mesmo necessite conduzir um ensino metodológico limitado, que nãoacompanha as mudanças sociais e os avanços tecnológicos, porque ensinar vaimuito além das orientações que ajudam a entender conteúdos e regras; educar é,também, formar sujeitos capazes de conviver e compreender o mundo no qual estáinserido.
    • 14 A admissão da pesquisa como parceira da formação de professores tem semostrado cada vez mais presente, de maneira que, ao se fazer pesquisa oprofissional está aberto a novos horizontes para sua eficiência na prática educativa,porém, é preciso levar em consideração como a pesquisa está sendo incluída noprocesso formativo de professores, frente a sua importância na construção doconhecimento e emancipação do educando. Sabemos que a formação “teórica” do professor, com aulas de metodologia, não é suficiente. Mas sabemos também que as mini-pesquisas, cabíveis dentro dos limites dos cursos de formação, em geral não passam de arremedos artificiais, que não tem possibilidade de preencher de modo satisfatório quase nenhum dos requisitos da formação do pesquisador (LUDKE, 2007, p. 49). A necessidade de políticas educativas voltada para a pesquisa é constante,ainda mais dentro das academias, ambiente que tem como fundamentometodológico o tripé ensino-pesquisa-extensão, o qual tem sido estimulado dentrodas possibilidades e limitações existentes em um curso de graduação. A formação do professor dentro de uma Universidade possui as suaslimitações e mesmo assim deve ser construída com base em um contextoemancipatório, no qual os aprendizes são estimulados a desenvolver sua própriaautonomia para buscar novos conhecimentos e não apenas serem meras réplicas deseus professores. Como afirma Demo (1996, p.17) “nada é mais degradante naacademia do que a cunhagem de discípulos, domesticados para ouvir, copiar, fazerprovas e sobretudo ‘colar’.” Ao praticar pesquisa em sala de aula, o professor demonstracomprometimento e responsabilidade com a profissão a qual exerce, pois issosignifica que ele deseja fazer algo diferente para melhorar o ensino dos seus alunos,além de oferecer um bom exemplo para que o aprendiz se torne independente nabusca pelo seu crescimento intelectual. Em uma graduação adquirida em conjunto com a pesquisa e o letramentodigital, criam-se professores qualificados que sempre irão buscar novas fontes deinformação para oferecer a seus alunos, pois o professor/pesquisador é um sujeitocrítico e político que se preocupa com a qualidade educativa de seu país.
    • 15 A pesquisa impulsiona o aprendiz a construir e a reconstruir o conhecimento eé durante esse estudo investigativo por novas idéias, teorias e resultados que ograduando desenvolve qualidades e valores como responsabilidade, criatividade,cidadania dentre outros, que são indispensáveis na educação, formando assimprofessores diferenciados e qualificados para atuar tanto em sala de aula quantocomo orientadores e transformadores do saber. A alma da vida acadêmica é constituída pela pesquisa2, como princípio científico e educativo, ou seja, como estratégia de geração de conhecimento e de promoção da cidadania. Isto lhe é essencial, insubstituível (DEMO, 2002, p.127). O curso de formação em nível superior constituído pela pesquisa capacita odiscente a ampliar sua própria independência formativa, contribuindo para ocrescimento e desenvolvimento social em sua totalidade, pois o professorpesquisador é realmente comprometido com a educação, capaz de ensinar semdistinção de classe ou cor, promovendo sempre a cidadania e a igualdade, comabordagens educativas contextualizadas com a realidade dos aprendizes. Dentro das TIC, um recurso de grande utilidade para os professores é ainternet, que possui um vasto e inesgotável campo de informações que, em muitoscasos, podem ser transmitidas em tempo real garantindo a autenticidade do materialescolhido pelo pesquisador. Porém esta acessibilidade de informações trazproblemas para com a qualidade e a escolha do material a ser usado, necessitandoassim, de preparação prévia para o manuseio de qualquer tecnologia que pertençaao grupo das TIC. Um dos grandes problemas das escolas hoje é a utilização das TIC noprocesso de ensino/aprendizagem, pois os professores não têm ou não tiveram acapacitação adequada para o uso das TIC em sala de aula, ou até mesmo, a própriaescola não possui esses recursos tecnológicos à disposição de professores ealunos. O papel daqueles que conduzem o ensino não é impedir problemas ou retardar o ritmo das mudanças. Em vez disso, deve-se focalizar e acelerar suas habilidades e competências para reconhecer e resolver problemas (PEREIRA, 2005, p.14).2 Grifo do autor.
    • 16 O ensino formativo de professores carece de letramento eletrônico parautilizar as TIC em sala de aula, pois estas, quando bem aproveitadas proporcionamum aprendizado dinâmico e significativo, possibilitando trabalhar as múltiplasinteligências3, além de oferecer uma gama de informações ao aprendiz, que possuium etilo de vida cada vez mais interativo. Como afirma Morgan (2004, apudCASARIN, 2008, p.5), “com o advento da internet, das redes de comunicação emtempo real, da TV digital e do celular, surgem novas possibilidades no processo deensino/aprendizagem que transformam e ampliam as práticas pedagógicas”. O sistema educativo possui o grande desafio de educar e formar cidadãossuficientemente capacitados para atuar no mundo contemporâneo, no qual o mesmoestá cada vez mais informativo e interativo com a inclusão digital na chamadasociedade da informação, por esta conter inúmeras ferramentas tecnológicas quefazem parte da rotina de vida social de muitos cidadãos. No contexto atual o grande desafio das escolas, dos educadores e da sociedade civil é a exclusão digital ou o analfabetismo digital. Se as pessoas que estão à frente desse processo não compreendem o que é necessário e o que não é necessário fazer, podem inibir o desenvolvimento de nossas instituições de ensino ou mergulhá-las no envelhecimento prematuro (PEREIRA, 2005, p.13-14). No ensino de uma L2, a utilização dos recursos tecnológicos se torna aindamais relevante, pois esses, integrados ao processo de ensino/aprendizagemcontribuem significativamente para o desenvolvimento do conhecimento em LE. Noaprendizado de LI como L2, faz-se necessária à prática das habilidades reading(ler), writing (escrever), listening (ouvir) e speaking (falar), o que torna indispensávela utilização das TIC, por estas ampliarem o campo das informações sociais, políticase culturais, possibilitando ao aprendiz vivenciar situações reais diretamente comnativos. Na formação de professores em LI é preciso construir a consciência crítica deque as TIC não são meramente um aparato tecnológico em sala de aula, mas queessas são formadoras e construtoras de conhecimento que devem ser utilizadas deforma integrada ao ensino/aprendizagem de LI.3 A teoria das múltiplas inteligências foi criada pelo teórico Howard Gardner (2000), na qualele afirma que os seres humanos são dotados com as inteligências, naturalista, lingüística,musical, lógica, sinestésica, espacial, existencial, interpessoal e intrapessoal.
    • 17 Alguns educadores consideram que a simples utilização desses meios é suficiente para garantir “avanço” na educação. Entretanto, só o uso não basta; se as tecnologias educacionais não forem bem utilizadas, garantem a novidade por algum tempo, mas não que realmente aconteça uma melhoria significativa na educação. Dessa forma, o simples uso das tecnologias educacionais não implica a eficiência do processo ensino-aprendizagem nem uma “inovação” ou “renovação”, principalmente se a forma desse uso se limitar a tentativa de introdução da novidade, sem compromisso do professor que utiliza e com a inteligência de quem aprende (BRITO; PURIFICAÇÃO, 2006, p.31 apud CASARIN, 2009, p.8). A apropriação das TIC para o ensino aprendizagem de Língua Inglesa podeser extremamente útil. Porém é de fundamental importância a preparaçãoprofissional de professores em LI para a aplicação das TIC em suas práticaspedagógicas, pois de nada valerá os recursos tecnológicos na educação sem oconhecimento de sua utilização. Como afirma Dias (2009), o uso das TIC na práticaeducacional exige dos professores uma preparação prévia, planejamento e definiçãode objetivos a serem atingidos em sala de aula. O profissional de LI, letrado e alfabetizado para o uso das TIC em sala deaula, saberá como usufruir desses recursos tecnológicos com o objetivo de conduzirum ensino verdadeiro, eficaz e prático em língua inglesa, oferecendo ao aprendiz aoportunidade de ingressar no mercado de trabalho familiarizado e preparado para“enfrentar” todas as novas tecnologias presentes na sociedade. A admissão das TIC na Educação tem contribuído plenamente com a melhorado ensino/aprendizagem de LI, porém é necessário compreender que a mesma temaderido essas novas tecnologias em seu contexto educacional. Cujos conceitosserão abordados na seção seguinte.1.2 Impactos da TIC na educação As TIC foram e são criadas por diversas necessidades sociais, mas entreessas não está especificamente o campo educacional, embora o mesmo desfrutedesses recursos tecnológicos com intuito de facilitar e colaborar com aaprendizagem. Pereira (2005, p. 20) argumenta que “o impacto da tecnologia dainformação e comunicação está provocando mudanças graduais, porém muitas
    • 18vezes radicais, no trabalho, na educação e de maneira mais geral em nosso estilode vida”. Com a apropriação das TIC para educação é preciso compreender como asescolas, professores e estudantes estão absorvendo essas ferramentastecnológicas, de maneira que as mesmas não se tornem banais durante odesenvolvimento educativo na instituição escolar. A forma como as TIC sãoinseridas em sala de aula é que irá determinar o seu prestígio educacional ou não. A sociedade contemporânea procura novas maneiras de integrar as TIC noensino, embora, muitas vezes, esses projetos estejam mais no papel do que naprática, tornando as possibilidades de aprendizagem qualificativas distantes deserem reais. Pereira afirma que, Antecipando algumas metas do projeto Sociedade da Informação no Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), em vigor desde 1996, já previa a necessidade de “alfabetização digital” em todos os níveis de ensino, do fundamental ao superior. No entanto o censo escolar do Ministério de educação (MEC), realizado em 1999, revelou que apenas 3,5% das escolas de ensino básico tinham acesso a internet e cerca de 64 mil escolas do país não tinham se quer energia elétrica (PEREIRA, 2005,p.21-22). A realidade brasileira quanto à desigualdade social, causa desmotivação paraa utilização das TIC na educação, pois, com tantas carências básicas, como espaçofísico, energia, lápis, caderno, livros e profissionais realmente capacitados, osrecursos tecnológicos audio/visuais são vistos como uma ostentação para oensino/aprendizagem. Porém, com a informatização e a interatividade na sociedade moderna,esquivar as TIC da educação, compromete o conhecimento e o desempenhosatisfatório do aprendiz no meio social, visto que em tempos modernos saberaproveitar as novas tecnologias é uma questão de “sobrevivência” e inclusão nasociedade. Atualmente é quase inaceitável pensar nas TIC como algo complementar emsala de aula, raciocinar desta forma é buscar a regressão no ensino, promovendo oanalfabetismo e exclusão digital e retardando o desenvolvimento do país, pois aeducação deve acompanhar o ritmo das mudanças sociais. Pereira (2005) afirma
    • 19que, a forma como o ensino foi conduzido antigamente, pode não ter vantagemnenhuma no presente e nem no futuro. Esses fatores geram preocupações significativas para aqueles que acreditamque o uso das TIC em sala de aula contribui para a construção do conhecimento, oque de fato acontece quando usadas corretamente, de maneira que a mesma nãopode ser excluída da educação. A sociedade tem que utilizar, da melhor maneira, as tecnologias disponíveis. Esse novo ambiente tecnológico tem importância fundamental para educação e para formação, embora as escolas não sejam suficientemente equipadas de computadores ligadas à internet. O pessoal docente, em especial educador e professores, precisam melhorar sua qualificação em termos de tecnologia. (PEREIRA, 2005, p.21). A qualificação tecnológica não deve se limitar apenas ao treinamento para omanejo técnico dos equipamentos eletrônicos, pois, para utilizá-los na educação épreciso uma boa formação pedagógica, que visualize as TIC como instrumentoindissociável do processo formativo de cidadãos modernos. A inclusão das TIC naeducação é de grande relevância para a sociedade, pois a mesma está cada vezmais informatizada e globalizada; e é através da escola que surgem sujeitoscomprometidos com o desenvolvimento do seu país, para que seu povo não se torneexcluídos digitalmente. Mesmo havendo treinamento e preparação adequados para o uso das TIC emsala de aula, é possível que outros fatores dificultem ou até mesmo impossibilitem autilização desses recursos, dentre eles, está a tecnofobia, cujos conceitos serãoabordados a seguir.1.3 Tecnofobia em sala de aula O uso das TIC no campo educacional tem sido essencial para odesenvolvimento de um ensino/aprendizagem de maneira construtiva, satisfatória einclusiva, porém a falta do letramento ou alfabetização eletrônica de grande partedos profissionais de educação tem contribuído para questionamentos sobre a realqualidade desse ensino/aprendizagem, pois a carência de formação eletrônicaatinge negativamente os programas educacionais.
    • 20 Embora a sociedade esteja cada vez mais interativa, até mesmo paraatividades habituais e corriqueiras, muitos profissionais, dentre estes professores,sofrem de tecnofobia4, ou seja, a dificuldade em adapta-se às novas tecnologias, oque traz implicações para o ensino/aprendizagem. Cada vez mais nossa sociedade vê-se dependente de computadores e outros equipamentos tecnológico para praticamente tudo, porém existe ainda um numero significantemente grande de pessoas que sentem um grande desconforto e chegam até mesmo a ter em determinados níveis, aversão por essas máquinas. (VEIGA NETO, 1999). Dentre esses desconfortos está o sentimento de medo, que faz parte danatureza humana e se apresenta com reações de inquietação diante de experiênciasou situações vivenciadas que venham ser consideradas ameaça, deixando-o comreceio ou temor. Porém quando esse medo ocorre de forma excessiva por certosobjetos, lugares ou situações tornam se algo mórbido, assumindo o nome de fobia. Existem três tipos básicos de fobias: a agorafobia, fobia social e fobiasespecíficas, seus sintomas são falta de ar, palpitações, dor ou desconforto no peito,sensação de sufocamento ou afogamento, tontura ou vertigem, sensação de falta derealidade, formigamento, ondas de calor ou de frio, sudorese, sensação de desmaio,tremores ou sacudidelas, medo de morrer ou de enlouquecer ou de perder ocontrole. Pessoas que possuem algum tipo de fobia necessitam de tratamentoprofissional, pois a fobia pode aumentar e desenvolver outros tipos de doençaspsiquiátricas ou depressivas que levem ao uso de drogas. Dentre os tipos de fobias especificas está a tecnofobia, sofrida por muitosprofessores, pois embora o uso das TIC seja relevante no ensino/aprendizagem deuma L2, alguns educadores se mostram resistentes quanto à utilização dos recursostecnológica em sala de aula. Alguns educadores tradicionais e não familiarizados com as TIC sentem-seinseguros e intimidados quanto ao uso das mesmas em suas aulas, pois osentimento de incapacidade quanto ao manuseio adequado dos recursostecnológicos provocam uma aversão aos mesmos, além desses educadores sesentirem ameaçados profissionalmente.4 O termo tecnofobia está sendo utilizado no presente trabalho com o sentido metafórico.Pois, o nosso objetivo não é apresentar um quadro clínico, mas sim uma atitude de rejeiçãopara com TIC em função do não letramento eletrônico por profissionais da educação.
    • 21 Esse comportamento dos professores compromete o ensino/aprendizagemem LI, já que a mesma requer um trabalho voltado para as quatro habilidadeslingüísticas, podendo ser amplamente beneficiadas pelas TIC, que garantem ainda aautenticidade do material utilizado. Muitos educadores acreditam que os computadores irão assumir sua funçãode mediador do conhecimento; esse é um pensamento equivocado, pois o professornão precisa sair da educação para que um computador ou qualquer outra tecnologiafaça parte dela, no mínimo, é preciso que o educador saiba como conduzir umensino integrado com as TIC, sem receio de usá-las para colaborar no processoformativo em LI. No curso superior em LI é essencial a preparação de professores para o usoadequado das TIC em suas aulas, além de desmistificar a idéia de que tecnologia é“bicho de sete cabeças”, já que as mesmas surgiram em beneficio da humanidade ecolaboram significativamente com o aprendizado de LE. Ser tecnofóbico na atualidade é um fato preocupante, ainda mais sendoprofissional de educação, pois, com a globalização, o mundo se tornará ainda maisinterligado pelas invenções tecnológicas, e os futuros professores devem e precisamestar preparados para capacitar seus alunos para conviver de forma crítica econsciente nesse mundo informatizado e tecnológico. E é nesse sentido que os próximos capítulos buscam apresentar dados e informação sobre a formação de novos professores através de suas próprias percepções do processo formativo para o uso das TIC no ensino de LI.
    • 22 CAPÍTULO 2 Conhecer e vivenciar a realidade para transformá-la Conhecer e vivenciar a realidade a ser pesquisada são os primeiros passos aserem trilhados no desenvolvimento de um bom trabalho de investigação depesquisa. Pois “a realidade é um todo contínuo, complexo e dinâmico. Todapesquisa parte da observação da realidade e deve retornar a ela para aplicar etestar seus resultados ou para delimitar novos fenômenos para o estudo (BARROS;LEHFELD, 2000, p.68). A realidade mutável da sociedade globalizada colabora para múltiplas práticasde pesquisas nas áreas educacionais, e a participação do pesquisador nosambientes de investigação proporciona um maior conhecimento dos fatos a seremaveriguados, de maneira que os mesmos devem buscar subsídios teóricos que seharmonizem com a prática vivenciada em sala de aula. Na formação permanente dos professores, o momento fundamental é o da reflexão critica sobre a prática. É pensando criticamente a prática de hoje ou de ontem que se pode melhorar a próxima prática. O próprio discurso teórico, necessário a reflexão critica tem de ser de tal modo concreto que quase se confunda com a prática (FREIRE, 1996, p. 39). As transformações sociais induzem a Educação para novos paradigmaseducativos, de modo que a formação de professores deve ser constituída com basenas exigências e carências apresentadas por esse novo quadro social, buscandodesenvolver competências e habilidades que venham contribuir amplamente parasua prática de ensino/aprendizagem. Sendo assim, os cursos de formação de professores em LE precisamdesenvolver uma capacitação profissional que atenda às necessidades da educaçãoatual, para que os futuros professores possam atuar em sala de aula de formaautêntica e consciente de que estão desenvolvendo uma abordagem educativa queresponda às demandas da sociedade. A formação de professores em LI precisa propiciar ao aluno odesenvolvimento da suas potencialidades através das relações com oconhecimento, com o outro e com o mundo, para que esses possam refletir sobresua própria língua e cultura através das diferenças culturais, os tornado sujeitos
    • 23capazes de conviverem pacificamente com as diversidades culturais, levando essesvalores para prática profissional. Por isso, a pesquisa como aliada no processo de formação de professores éalgo plausível, por esta criar no cidadão uma consciência crítica que faz surgir umaatitude de aprender pela própria elaboração do conhecimento autônomo na buscapelo aperfeiçoamento constante do princípio científico educativo. A grande tendência da pesquisa em sala de aula de línguas hoje esteja relacionada ao chamado movimento do professor- pesquisador em que o professor deixa seu papel de cliente/consumidor de pesquisa, realizada por pesquisadores externos, para assumir o papel de pesquisador envolvido com a investigação crítica de sua própria prática (MOITA, 1992, p.89). A pesquisa é um instrumento que guia a construção do conhecimento naprática do educador, fazendo com que esse novo profissional não seja mais umrepassador de conteúdos, mas sim aquele que constrói novos caminhos paratransformar a sua realidade e não mais um alienado diante de tal.2.1 Do método A escolha por uma metodologia de pesquisa científica não é uma decisãoisolada do que se objetiva (re)conhecer. O método se concebe a partir dasdificuldades que se procura investigar diante da realidade observada, com afinalidade de obter dados e informações relevantes aos estudos desenvolvidos. A competência em realizar pesquisas científicas não deve ser medida e / ou considerada enquanto resultado da somatória de trabalhos e estudos efetivados, mas deve estar relacionada ao “como captar” e “como compreender” os fatos da realidade. O método é importante para se atingir a realidade, porém não é suficiente para garantir o êxito da pesquisa. (BARROS; LEHFELD, 2000, p.69). A utilização do método escolhido aleatoriamente não proporciona qualidade eresultados significativos, pois os mesmos devem estar coerentes com todas aspartes que compõem um estudo investigativo, já que apenas um método ou técnicade pesquisa não é capaz de assegurar o sucesso da mesma.
    • 24 Na busca por uma metodologia que se enquadrasse aos propósitos eobjetivos deste trabalho, consideramos a pesquisa participante a mais pertinentepara este estudo, já que diante da necessidade de investigar como os discentes deLI percebem o seu processo formativo para o uso das TIC no ensino/aprendizagemde uma L2, e sendo o pesquisador ainda estudante de graduação, insere-se naposição de pesquisador/pesquisado, em razão de a pesquisa participante ter comocaracterística, a possibilidade da convivência do pesquisador no contexto a serpesquisado. Quando o outro se transforma em uma convivência, a relação obriga a que o pesquisador participe de sua vida, de sua cultura. Quando o outro me transforma em um compromisso, a relação obriga a que o pesquisador participe de sua história. Antes da relação pessoal da convivência e da relação pessoalmente política do compromisso, era fácil e barato mandar que “auxiliares de pesquisa” aplicassem centenas de questionários apressados entre outros que, escolhidos através de amostragens ao acaso “antes”, seriam reduzidos a porcentagens sem sujeitos “depois”. Isto é bastante mais difícil quando o pesquisador convive com pessoas reais e, através delas, com culturas, grupos sociais e classes populares. Quando comparte com elas momentos redutores da distância do outro5 no interior do seu cotidiano. (BRANDÃO 1987, p. 12). A habitação do pesquisador na comunidade pesquisada intensifica aresponsabilidade do retorno dos resultados e conclusões que chagaram a pesquisa,pois o investigador carrega consigo o compromisso da partilha das soluções,informações e/ou até mesmo frustrações que venham a ser significativas para o seugrupo social, essa convivência do pesquisador no lócus da pesquisa pode em algunscasos tornar o seu trabalho um pouco mais difícil, visto que, existe a possibilidade domesmo exercer influencias sobre os outros e, por outro lado, o seu trabalho pode serainda mais significativo, já que o mesmo conhece como nenhum outro a realidadedo ambiente da pesquisa.5 Grifos do autor.
    • 252.2 Do problema É de grande relevância que os processos de formação médios ou superiores,desenvolvam abordagens educativas-formativas condizentes com a realidade doaprendiz, buscando sempre acompanhar o ritmo das mudanças sociais objetivandoa melhoria formativa de sujeitos que atuem na sociedade consciente de seu papelsocial. Diante de uma sociedade contemporânea influenciada pela revoluçãotecnológica, o campo educacional necessita de um aprimoramento dessas novasfontes de conhecimento, visto que um dos seus objetivos é capacitar cidadãos parao mundo moderno. Desta maneira, a Educação que sempre contou com ferramentastecnológicas tradicionais (o livro, o gravador, o projetor de imagens, o rádio, ocinema, a televisão, etc.), tem agora a possibilidade de integrar as Tecnologias deInformação e Comunicação (TIC) ao ensino/aprendizagem de uma Segunda Língua(L2). A questão que este trabalho procura responder é: Como os discentes deLíngua Inglesa (LI) percebem o seu processo formativo para a apropriação das TICem benefício do ensino/aprendizagem (LI)? Esse problema emergiu a partir de reflexões sobre os benefícios que as TICpodem proporcionar ao ensino/aprendizagem de LI mediante a capacitaçãoprofissional para o uso dessas tecnologias em sala de aula.2.3 Questões norteadoras As TIC têm sido incorporadas ao cenário educativo visando à inclusão doaluno neste meio, permitindo o acesso à informação e ao conhecimento, além depromover a melhoria da prática pedagógica do professor e estimular o aprendiz. Oensino de línguas tem à disposição recursos tecnológicos que, utilizados de formaintegrada ao ensino, podem auxiliar o professor a promover aulas e atividadesprodutivas que permitem inserir e adaptar o idioma estudado aos contextos,possibilidades e necessidades que lhe forem apresentadas. Nesse sentido, a qualificação profissional para a utilização das TIC torna-seimprescindível, um fator que nos conduziu para as seguintes indagações: Qual apercepção estudantil do processo formativo para o uso das TIC em suas práticas
    • 26pedagógicas? Os discentes de LI estão realmente capacitados para utilizar as TICde forma significativa? Este estudo procura responder essas questões através doolhar que os estudantes de graduação têm sobre seu processo formativo.2.4 Dos objetivos As TIC se tornaram um fator relevante na formação do profissional deEducação, por essas contribuírem para o desenvolvimento do aprendizadosignificativo, proporcionando aulas motivadoras que favorecem aos aprendizesconhecimentos críticos e o desenvolvimento de sua autonomia para buscar novasfontes de informações nos ambientes virtuais que ampliam e intensificam o suaaprendizagem. Sendo assim, este estudo tem como objetivo geral demonstrar a importânciada formação docente para a manipulação das TIC no ensino/ aprendizagem de LE,buscando de forma mais específica, salientar os benefícios das TIC noensino/aprendizagem de LI, assim como, instigar a auto-avaliação do corpo docentee discente do campus XIV, quanto ao processo formativo de professores em LI paraa utilização das TIC em suas práticas educativas. As instituições universitárias, que assumem a responsabilidade de formarprofissionais na área educacional necessitam estarem atentas as condições deensino/formação de seu Campus e prática docente, visto que será a Universidade oambiente de formação desses futuros professores, para que os mesmos possamrefletir sobre seu processo formativo, tornando-se profissionais conscientes eindependentes, que buscam renovações e inovações constantes para o seuaprendizado e para suas práticas pedagógicas.2.5 Do lócus e sujeitos da pesquisa A amostragem não-probabilística desta pesquisa foi escolhida de formaintencional/racional, já que, este estudo tem como fundamentos metodológicos apesquisa participante, não poderia desvincular o lócus e os sujeitos da investigaçãopara aqueles com os quais não possuo uma convivência que partilha dificuldade erealizações em função dos objetivos em comum.
    • 27 A pesquisa participante se coloca a serviço dos grupos sociais ou categorias de sociais mais desprovidos e explorados. Ela busca não somente desencadear ações suscetíveis de melhorar as suas condições de vida, mas também desenvolver a capacidades de análise e resoluções dos problemas que enfrentam ou convivem cotidianamente. Torna-se pois importante que a pesquisa participante ou pesquisa ativa esclareça “para quem” se trabalha (BOTERF,1987, p.72). Os dados desta pesquisa foram obtidos através da amostragem de quinzealunos da turma do oitavo semestre do curso Letras, Licenciatura em LínguaInglesa, Campus XIV (UNEB), município de Conceição de Coité – BA. Os sujeitos dapesquisa estão na faixa etária dos 20-27 anos, sendo três do sexo masculino e dozedo sexo feminino, dos quinze graduandos treze exercem a profissão de professor edois são apenas estudantes. O Campus XIV foi escolhido para a efetivação desta pesquisa por ser oambiente no qual realizo curso de graduação. A escolha do público se deu mediantea observação de que a disciplina Novas Tecnologias e Educação a Distancia noEnsino de Línguas, cujos conceitos são condizentes com a proposta deste trabalho,apenas é oferecida no sétimo semestre do curso de graduação, de maneira queoutros estudantes não poderiam oferecer dados com propriedade e segurança paraeste estudo. Quadro 01: Procedimentos de seleção dos sujeitos da pesquisa participanteTipo de amostra Não probabilística intencional/racionalQuantidade de sujeitos Quinze (três do sexo masculinos e doze do sexo femininos)Razão da seleção dos sujeitos Efetivação da disciplina novas tecnologias.Escolha da área de conhecimento Letras, Licenciatura em Língua Inglesa.Profissão dos sujeitos 13 professores e 2 estudantes2.6 Dos instrumentos e procedimentos de coletas dos dados A pesquisa participante tem como instrumento de coleta um questionário comperguntas de “estimação/ avaliação” (BARROS; LEHFELD, 2000, p. 208),dicotômicas e abertas, com a finalidade de levantar dados que demonstrem como osestudantes de LI compreendem o seu processo de formação para usufruir das TIC
    • 28nos ambientes de ensino/aprendizagem que lhe forem atribuídos durante o exercícioeducativo de um profissional de educação. A coleta dos dados deste estudo se deu através da troca de e-mail, no qual, oquestionário foi enviado para os membros da turma do oitavo semestre, com umanota explicativa dos objetivos da pesquisa, tendo 75% de retorno dos mesmos, umnúmero significativamente bom, já que é sabido, que em muitas coletas de dados,através de questionário adquire-se apenas 25% de retorno. O questionário foi dividido em duas categorias a primeira denominada “Você eas TIC antes da universidade” essa etapa teve como objetivo obter informaçõessobre o nível de conhecimento, utilização e experiências tecnológica dosgraduandos antes do curso superior. A segunda categoria do questionário deinvestigação foi denominada “Você a as TIC na universidade”, nessa etapa seconcentrou ainda mais as expectativas a serem alcançadas neste estudo, demaneira que, decidimos apresentá-los em quadros para que os mesmos fossemvisualizados e compreendidos de maneira mais clara. O questionário de perguntas fechadas e aberta foi de grande relevância paraa obtenção de dados qualitativos, que revelaram a visão estudantil acerca do seuprocesso de formação em prol do ensino/aprendizagem de Língua Inglesa emparceria das TIC e é através desse olhar que podemos buscar novas maneiras sócioeducacional para a formação de novos professores. Quadro 02: Procedimentos de coleta de dadosAplicação dos questionários Cada sujeito responde o questionário de “estimação/avaliação” com perguntas dicotômicas e abertas.Você e as TIC antes da universidade Nível de conhecimento, utilização e experiências tecnológicas dos graduandos antes do curso superior.Você e as TIC na universidade Percepção discente do processo formativo para o uso das TIC no ensino/aprendizagem de LI.Recolhimento dos instrumentos de Os instrumentos foram devolvidos via e-mailpesquisa. após preenchimento dos dados.
    • 292.7 Dos procedimentos de análise Após a organização dos dados obtidos pelo questionário, os mesmos foramtranscritos de forma estática, procedendo-se então a análise qualitativa dasrespostas dadas pelos sujeitos da amostra. Os dados foram apresentados emquadros para que os mesmos fossem visualizados de forma clara, seguido assim, dainterpretação dos mesmos. Foram analisados os dados de cada sujeito e doconjunto de sujeitos.
    • 30 CAPÍTULO 3 O olhar discente sobre o seu processo formativo em LI para o uso das TIC Jean Paul Sartre (apud CARNEIRO, 1999) escreveu que o olhar do outro teminfluências sobre os nossos atos e decisões, e que a partir da existência de outroser, vão surgir sentimentos como vergonha, temor e orgulho, mas que antes de nosatribuirmos quaisquer adjetivos somos consciências livres, porém muitas vezesprecisamos tomar decisões que sofrem influência de algo mais forte e limitador deatitudes, essa é a presença e a visão do outro acerca da atitude tomada, é formacomo esse outro irá avaliar/condenar o ato, determinando/atrapalhando aação/decisão. Assim, o outro será o seu revelador, pois é o olhar dele que o revela que otransforma em objeto. O olhar alheio, por uma tentativa de reduzir-me a um ser emsi, arrisca o meu ser e este perigo não pode ser visto como uma contingência, mascomo uma estrutura presente e definitiva no meu-para-outro. Sartre ainda deixa claro que “o juízo que um outro atribui ao meu ser, só éverificável se assim eu permitir, pois não sofro passivamente os juízos alheios, masos assumo ou descarto-me deles” (SARTRE apud CARNEIRO, 1999, p. 43). Assim sendo, os olhares discentes pretendem revelar uma realidadevivenciada pelos mesmos, na busca por uma possível melhora ou permanecia dasatividades formativas do Campus XIV em favor das TIC no ensino/aprendizagem deLíngua Inglesa. Quadro 03: Você e as TIC antes da universidade. QUESTÕES SIM NÃO 1 Você já realizou algum tipo de curso na área das novas 56% 44% tecnologias? Qual? 2 Você costumava utilizar o e-mail para troca de 94% 6% informações com colegas de escolas ou amigos? 3 Durante a sua formação no Ensino Fundamental (EF) e 67% 33% Ensino Médio (EM) os seus professores utilizavam algum recurso que fizesse parte do grupo das TIC? 4 Você já buscou alguma Tecnologia da Informação e 84% 14% Comunicação (TIC) para aprender uma segunda língua?
    • 31 Questão 1: Embora 56% dos estudantes tenham respondido que nãorealizaram cursos que abrangessem ao grupo das TIC, resultados posteriores aessa questão, levou-nos a deduzir que os estudantes mesmo sem treinamento paramanuseio das TIC já desfrutavam dos beneficio tecnológicos para suas atividadescotidianas e os 44% que responderam sim, já realizou cursos de informática básicaem software livre, novas tecnologias à distância e oficinas oferecidas pela UNEB. Questão 2: Diante da afirmação de 94% dos estudantes de que antes daUniversidade já usavam o e-mail para troca de informações com colegas e amigosesse resultado demonstra que as TIC já estavam presentes nas atividades deinteração e comunicações da população jovens, e alguns professores já tentavamtornar isso favorável para a Educação, embora muitas vezes sem orientações,recursos ou até mesmo formações tecnológica, como aponta os dados da questãoabaixo. Questão 3: Os dados revelaram que 67% dos estudantes tiveram professoresno nível básico que utilizavam alguns recursos tecnológicos em sala de aula, osmesmos também revelaram que tais recursos eram limitados a aparelhos de som ecomputadores sem internet, demonstrando o quanto é necessária a formação denovos e a qualificação de velhos profissionais de educação para o exercícioconstante da pesquisa em sala de aula, para que esses professores criemestratégias de aprendizagem que motivem e assegurem um aprendizado dequalidade que acompanhe as tendências da cada geração, pois a novas tecnologiasnão se restringem apenas a computadores e aparelhos de som. Questão 4: 84% dos estudantes responderam que já buscou algumaTecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para aprender uma SegundaLíngua. Esse dado revela que esse grupo de estudante de graduação apesar deainda inconscientes, compreendiam que as TIC faziam e fazem a diferença noaprendizado de uma L2, mesmo por que, nos ensinos tradicionais, apenas ashabilidades ler e escrever eram exaustivamente trabalhadas em sala de aula, masessa questão merece ser discutida em outro momento, para que não fujamos dosobjetivos deste trabalho. Você e as TIC na Universidade
    • 32 Para se adquirir uma boa formação tecnológica, tempo e dedicação é um fatorimprescindível, de maneira que os discentes consideraram carga horária dadisciplina de Novas Tecnologias e Educação à Distância no Ensino de Línguainsuficiente, como mostra os dados abaixo: Quadro 4: Carga horária da disciplina novas tecnologias. Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 13% 7% 60% 13% 7% Os resultados revelaram uma insatisfação dos graduandos para com a cargahorária da disciplina, ainda mais, por a mesma ser parcialmente à distância edisponibilizada no sétimo semestre de curso, com uma carga horária de 60horas/aulas apenas, o que não é suficiente para suprir os requisitos de uma boaqualificação para o uso das TIC. Pondo em risco a capacitação discente para o usodas novas tecnologias com prestígio educacional. É importante ressaltar Pereira(2005, p.13), quando ela afirma que a cada período, as organizações (escolas,universidades, dentre outras) enfrentam novos desafios, e é a forma como essas seorganizam que determinará o seu sucesso e objetivos. As abordagens formativas oferecidas na disciplina Novas Tecnologias eEducação à Distância são de extrema relevância para formação do educando e osresultados abaixo nos chama ainda mais atenção para esse fato. Quadro 5: Abordagem formativa na disciplina novas tecnologias. Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 0% 13% 54% 26% 7% O fato dos estudantes considerarem as abordagens formativas na disciplinaNovas Tecnologias como regular, se deve ao fato de à mesma ter trilhado apenas ocaminho da hipertextualidade, área de estudo do orientador da disciplina e “nesseprocesso, é importante que o professor propicie a interligação entre os saberes dasua área de atuação com os demais saberes que são necessários para a formaçãoescolar e vida do aluno” (CASARIN, 2009, p. 5), o que contribuiu para a insegurançano uso de outras tecnologias em sala de aula. O posicionamento do corpo docente durante as aulas para com as TIC noensino/aprendizagem de Língua Inglesa é outro fator relevante na formação dos
    • 33discentes, pois esses são exemplos “vivos” que exercessem influencias nas atitudese práticas educativas dos graduandos, e os resultados como podem ser vistos noquadro abaixo, não foram nada animador. Quadro 6: Posicionamento do corpo docente para com as TIC. Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 7% 20% 46% 20% 7% O resultado acima revela que os estudantes sentem a falta de uma posturamais ativa do corpo docente para com as TIC em sala de aula, pois são eles osprincipais formadores desses futuros professores e também necessitam usufruirmais das TIC na capacitação profissional. Casarin (2009, p.5) salienta que oeducador precisa se inserir no mundo das tecnologias para desfrutar dos benefíciosque as TIC oferecem ao ensino/aprendizagem. Assim sendo, esses formadorespoderão oferecer orientações adequadas em sala de aula. Durante o curso de graduação desenvolvem-se estágios supervisionados emsala de aula, as orientações teóricas e pedagógicas para a utilização das TICdurante esse período são extremamente necessárias, e os dados abaixo evidenciamuma ocorrência um pouco animadora. Quadro 7: Orientações para o uso das TIC em estágios. Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 0% 0% 26% 67% 7% Durante os estágios supervisionados, tivemos orientações para a utilizaçãodas TIC em nossas atividades em sala de aula, além de sugestões de atividades econteúdos com os quais as TIC poderiam ser úteis, mas ainda sim, houve anecessidade de aulas práticas, nas quais, pudessem desenvolver e elaborar nossospróprios exercícios de sala de aula, com embasamentos de utilização do radio,celular, jornal, hipertexto, internet, dentre outros, e não apenas aparelhos de som,TVs, data shows e computadores. Casarin (2009) em seus estudos evidencia aimportância do uso de todas as tecnologias no ensino aprendizagem de LI. Outro questionamento feito aos discentes foi: como você avalia a suaqualificação para utilizar as TIC no ensino/aprendizagem de Língua Inglesa?Vejamos os dados abaixo: Quadro 8: Qualificação para o uso das TIC no ensino de LI. Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo
    • 34 0% 0% 20% 67% 13% Os dados revelam que os estudantes se consideram com uma boaqualificação para utilizar as TIC no ensino de LI, mas estes resultados não estãorelacionados necessariamente à formação acadêmica dos mesmos, pois dadosanteriores e posteriores a esse nos conduziram as essa dedução, como havia dito,essa nova geração de professores possuem autonomia para buscar fontes deconhecimento para se próprios e para as suas atividades pedagógicas. Os dados quanto ao acervo bibliotecário no fornecimento de livros e teóricosque argumentam sobre as TIC, não foram muito excitantes como mostra o quadroabaixo. Quadro 9: Acervo bibliotecário Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 13% 40% 40% 7% 0% Na formação de professores o conhecimento teórico é de extrema relevânciapara as boas práticas educativas e o quadro acima revelou dados preocupantes,pois isso significa que o acervo bibliotecário da UNEB necessita de uma reposiçãourgente de livros teóricos e práticos que argumentem sobre o uso das TIC naeducação, dentre outras áreas do conhecimento, para que os próximos graduandosnão enfrentem as mesmas dificuldades materiais que esses futuros formandosenfrentaram. O laboratório de informática oferecido pelo Campus XIV, para a realização depesquisas e necessidades educativas, precisa de urgente atualização de hardware esoftware, pois como mostram os dados abaixo esse espaço não está propiciandobons resultados. Quadro 10: Laboratório de informática. Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 46% 40% 14% 0% 0% O laboratório de informática é um espaço de aprendizagem significativo emuma Universidade, visto que, no mesmo os alunos podem realizar pesquisas eatividades acadêmicas, Casarin (2008/09, p.4) ressalta que “diante dos avançostecnológicos, faz-se necessário que o(a) professor(a) utilize as TIC – especial ocomputador – nas aulas de Língua Inglesa” , porém os dados revelaram uma grande
    • 35insatisfação dos graduandos, visto que o laboratório de informática possui umnúmero de computadores ultrapassados e uma conexão com a internet muitoprecária, o que impulsiona a desmotivação dos alunos para a realização deatividades no Campus, já que, o laboratório não garante a execução de atividadesprodutivas. Porem, não é apenas o laboratório de informática que deixa a desejar noCampus XIV, os aparelhos de sons e DVDs, TVs, data shows, dentre outros,disponíveis para atividades pedagógicas também necessitam seremavaliados/revistos pelos administradores do Campus. Vejamos o quadro abaixo: Quadro 11: Aparatos tecnológicos do campus XIV Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 0% 60% 20% 20% 0% Desenvolver uma boa formação para a manipulação das TIC em sala de aulacom equipamentos em condições precárias é quase impossível, ainda mais noensino de uma L2 que necessita praticar as quatro habilidades lingüísticas e osresultados acima revelam que os estudantes de graduação estão se sentindoprejudicados pela falta de equipamentos que funcionem com qualidade ainda queestejam velhos. Porém essa realidade carente de equipamentos eletrônicos não écaracterística exclusiva do Campus, mas uma realidade brasileira, Pereira (2005, p.21) afirma “embora o Brasil esteja entre os 12 países mais bem-posicionado emrelação à inclusão digital, apenas 5% da população utilizam os serviços de rede,havendo ainda grande déficit de meios físicos para acesso a internet.”Demonstrando que a educação Brasileira deixa muito a desejar quando o assunto étecnologia. Diante da percepção formativa demonstrada acima, os discentes classificam oseu aprendizado para a manipulação das TIC no ensino de Língua Inglesa nesseperíodo de formação profissional como 46% bom, os mesmo justificaram que essaclassificação não é necessariamente mérito da Universidade, mas sim, a prática emsala de aula e outras experiências tecnológicas. como mostra o quadro abaixo: Quadro 12: Formação para a manipulação da TIC em sala de aula. Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo 0% 7% 40% 46% 7%
    • 36 A última questão deste estudo foi reservada para sugestões, críticas e elogiosquanto à formação para o uso das TIC no ensino/aprendizagem de LI naUniversidade. Vejamos algumas respostas: Como abordei acima, a formação para o uso das Tics (SIC!) deixa muito a desejar. Todos nós aprendemos que temos que levar algo inovador para a sala de aula e até mesmo o uso das tics, mas como afirmei não aprendemos na prática o seu uso. Então como querem que haja o uso das tics se não aprendemos na prática a conciliá-las com o ensino em si? (aluno 01) Na universidade, temos apenas noção dos conteúdos, pois não existe espaço para praticar a uso de alguma tecnologia. Já na disciplina que foi a distância permitiu que aprendêssemos a usar o ambiente virtual e suas funções, espaço novo e atual para a sociedade moderna. (aluno 02) Os docentes deveriam se atualizar mais com relação ao uso das TIC, sabendo que vários não as utilizam por falta de conhecimento e o medo da modernidade, o que atrapalha bastante nossa vida acadêmica. (aluno 03) Sabemos que a universidade pode fazer muito mais para a formação dos universitários quando se trata de novas tecnologias, o descontentamento dos universitários dentro da universidade é geral, máquinas quebradas, falta de equipamento, máquinas velhas, má manutenção, falta de assistência técnica; os problemas são muitos, mas falta mais ainda à mobilização de quem mais precisa e mais utiliza estes equipamentos que são os alunos e professores para mudar esta realidade, enquanto isso quem poderia mudar está de braços cruzados. (aluno 04) Acredito que muitos professorem em formação ainda tenham pouco conhecimento quanto à utilização desses recursos tecnológicos, e a Universidade oferece mais a parte teórica. Deveria haver o ensino de como manusear e como trazer essas tecnologias para a sala de aula. (aluno 05). Diante dos dados e depoimentos apresentados neste estudo nota-se que osestudantes percebem o processo formativo realizado no Campus XIV para autilização das TIC no ensino/aprendizagem de LI como L2, precário e insatisfatório,visto que os mesmo têm consciência de que professor de Língua Estrangeiranecessita de uma qualificação para o uso das TIC em sala de aula, pois suautilização de forma inadequada pode não surtir efeito nenhum na aquisição da L2.
    • 37 A percepção estudantil acerca do seu curso de formação demosntra que ocurso de Letras, Licenciatura em Língua Inglesa, ainda não favorece umaqualificação aceitável para a manipulação das TIC em sala de aula, pois com tantascarências básicas como uma boa estruturação física e suportes apropriadas demateriais formativos para a capacitação tecnológica no Campus XIV, a formaçãoprofissional sofre interferências negativas em seu processo, gerando conseqüênciasfuturas para Educação.
    • 38 Considerações Finais O uso das TIC na Educação contribuir significativamente para odesenvolvimento intelectual do homem, por essas possibilitar variedade e rapidez noacesso à informação, em função disso, os profissionais de educação necessitamadquirir uma formação autentica, contextualizada e critica de que as TIC não sãoequipamentos auxiliares de abordagens lúdicas em sala de aula, pois a suautilização de forma consciente e correta fornece ao aprendiz conhecimentosnecessários para viver na contemporaneidade de critica e autônoma. Os cursos de formação superior em LE necessitam desenvolver abordagensformativas condizentes com as necessidades educativas da contemporaneidade,usufruindo de todas as ferramentas de aprendizagem disponíveis na sociedadeincluindo as TIC que são extremamente úteis no aprendizado de uma L2, já que faz-se necessária a prática de habilidades como ler, escrever, ouvir e falar no idiomaestudado, e as TIC se tornam uma grande aliada para o aprimoramento ouaprendizagem dessas habilidades lingüísticas, além de ampliarem o campo dasinformações sociais, políticas e culturais, e possibilitando ao estudante vivenciarsituações reais com nativos da L2. O bom desenvolvimento de formações superiores refletem positivamente nasoutras categorias de ensino/aprendizagem, de modo que formar professores paraatuar no mercado de trabalho é uma tarefa difícil e delicada que necessita dedestreza, responsabilidade e compromisso. Este estudo realizado através da percepção estudantil sobre o processo deformação de professores realizado no Campus XIV para a manipulação e inclusãodas TIC no ensino/aprendizagem de Língua Inglesa foi de grande relevância paranos elucidar o quanto a formação de professores em Língua Estrangeira necessitamde uma qualificação mais eficaz para o uso das TIC em sala de aula, pois suautilização de forma inadequada não garante aquisição da L2, além de perderem seuvalor na construção do conhecimento. Os resultados apresentados pela pesquisa demonstraram que o Campus XIVe o curso de formação superior em Língua Inglesa, na visão discente, ainda nãoproporcionam uma legítima capacitação para o uso das novas tecnologias em sala
    • 39de aula, pois o Campus, ainda não oferece suportes de equipamentos eletrônicosadequados e livros teóricos que atendam necessidades dos estudantes, além dainsuficiência de atitudes mais representativas do corpo docente para com as TIC enão apenas a figura do orientador da disciplina novas tecnologias As discussões apresentadas neste estudo tiveram como fundamento teóricoconcepções tecnologicas e formativas de Pereira (2005), Casarin (2008/09), Dias(2009), Castells (1999) Demo (1998; 2002) dentre outros, que nos forneceramsubsídios para afirmar que a boa formação profissional para a utilização da TIC emsala de aula, proporciona a formação de sujeitos críticos e autônomos capazes deatuar na sociedade exercendo a sua cidadania e preparados para enfrentar omercado de trabalho em sua totalidade. Portanto, é necessário que o campus XIV se posiciona quanto ao processoformativo desenvolvido no mesmo, já que, a percepção estudantil que são sujeitosessências para existência do curso, demonstra que o mesmo deixa muito a desejarquando o assunto é TIC no ensino de LI, pois esses sujeitos, diante dos dados,apresentados não tiveram a formação desejada para a manipulação das TIC emsala de aula e embora saibamos da existência de muitos outros fatores quecontribuíram de forma direta ou indireta para esses resultados, não se pode “fecharos olhos” para essa situação que já foi identificada e vivenciada por todos doCampus. Por tanto, refletir criticamente sobre a formação superior em função daatuação dos egressos na Educação Básica é necessário para que se desenvolvauma capacitação significativa. Mas, apenas refletir não basta, é preciso que a partirdas conclusões chegadas, haja modificações contínuas no exercício da docência, namedida em que forem necessárias para a otimização das habilidades a seremdesenvolvidas pelos alunos, na busca por uma Educação formadora de sujeitoscríticos e autônomos capazes de interagir no mundo dentro das mudanças sociais
    • 40 ReferênciasBARROS, Adil de Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Apreciada de Souza.Fundamentos de metodologia científica. 2 ed. São Paulo: Makron books, 2000.BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org.). Repensando a pesquisa participante. 3 ed.São Paulo: Brasiliense, 1987.CARNEIRO, Ivana Libertadoira B. O Olhar do Outro em Jean-Paul Sartre. RevistaArgumento, n. 1, Salvador: UFBA, 1999.CASARIN, Dulce Pazinato. As Tecnologias de informações e comunicação e oensino/aprendizagem de língua inglesa. PDE - 2008/09 - Artigo final. Disponívelem:<http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1742-8.pdf>. Acessoem: 07 jul. 2010.CASTELLS, Manuel, A sociedade em rede – Tradução: Roneide Venâncio Majer. Aera da informação: economia sociedade e Cultura; V. a. São Paulo. Paz e Terra,1999.COSCARELLI, C. V.; RIBEIRO, A. E. (Org.). Letramento digital: aspectos sociaise possibilidades pedagógicas. Coleção Linguagem e Educação. Belo Horizonte:Ceale/Autêntica, 2005.DEMO, Pedro. Pesquisa: O que é?. In: ______ Pesquisa: Princípio Cientifico eEducativo. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 11-44.DEMO, Pedro. Desafios Modernos da Educação. Petrópolis: Editora Vozes. 1998.DIAS, Reinildes. Integração das TIC ao ensino e aprendizagem de língua.(Faculdade de Letras – UFMG). 2009. Disponível em:<http://www.macmillan.com.br/artigos/detalhe.php?ID=MTQ>. Acesso em: 30 abr.2010.FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.GARDNER, Howard. Educando as inteligências. In: ______. Inteligênciasmúltiplas: a teoria na prática. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronense.Porto Alegre: Artmed, 2000. P. 66-137.LUDKE, Menga. A complexa relação entre o professor e a pesquisa. In: ANDRÉ,Marli (org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. 6ed. Campinas: Papirus, 2007, p. 27-54.PEREIRA, João Tomaz. Educação e sociedade da informação. In: COSCARELLI,Carla; RIBEIRO, Ana Elisa. Letramento digital e possibilidades pedagógicas.Belo Horizonte: Autêntica, 2005, p.13-23.
    • 41SOARES, Magda. As pesquisas nas áreas específicas influenciando o curso deformação de professores. In: ANDRÉ, Marli (org.). O papel da pesquisa naformação e na prática dos professores. 8 ed. Campinas: Papirus, 2000, p. 91-105.VEIGA NETO, Alípio Ramos. Atitudes de consumidores frente a novastecnologias. Dissertação de Mestrado. PUC-Campinas, Departamento de pós-graduação em psicologia. Campinas: PUC, 1999. Disponivel em: <http://www.veiga.net/tecnofobia/> Acesso em: 13 jun. 2011.
    • 42 Apêndice UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA Departamento de Educação – Campus XIV Orientador: Prof. MSc. Emanuel Nonato Pesquisadora: Deisiane SantanaA formação docente de LE para o uso das TIC em suas práticas pedagógicas.Caro (a) colega:Estou realizando uma pesquisa cujo objetivo principal é contribuir para a formaçãode futuros professores de Língua Inglesa. Por isso, peço a sua colaboração nessetrabalho. Desde já, agradeço a sua participação.Nome:__________________________________________________________Idade:_______________ Sexo:_______________ Semestre:______________Profissão:_______________________________________________________Você e as TIC antes da universidade: 1. Você já realizou algum tipo de curso na área das tecnologias da informação? ( ) sim ( ) não Qual?_____________________________________________________. 2. Você costumava utilizar o e-mail para troca de informações com colegas ou amigos? ( ) sim ( ) não 3. Durante a sua formação no Ensino Fundamental (EF) e Ensino Médio (EM) os seus professores utilizavam algum recurso que fizesse parte do grupo das TIC? ( ) sim ( ) não Quais?___________________________________________________.
    • 434. Você já buscou alguma Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para aprender uma segunda língua? ( ) sim ( ) não Qual?____________________________________________________. Você e as TIC na universidade:5. Como você avalia a carga horária da disciplina de novas tecnologias e educação a distância no ensino de línguas e literatura estrangeira que faz parte da sua grade curricular? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima6. Como você avalia a abordagem formativa oferecida na disciplina novas tecnologias e educação a distância no ensino de línguas e literatura? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima7. Como você avalia o posicionamento do corpo docente durante as aulas para com as TIC no ensino/aprendizagem de Língua Inglesa? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima8. Como você classifica as orientações teóricas e pedagógicas para a utilização das TIC durante os estágios supervisionados? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima9. Como você avalia a sua qualificação para utilizar as TIC no ensino aprendizagem de Língua Inglesa? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima10. Como você classifica o acervo bibliotecário quanto ao suporte de livros e teóricos que argumentam sobre as TIC? ( ) péssima ( ) ruim ( )Regular ( ) bom ( ) ótima
    • 4411. Como você avalia o laboratório de informática oferecido por essa universidade para a realização de pesquisas e necessidades educativas? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima12. Como você classifica os aparatos tecnológicos como, aparelhos de sons e DVDs, TVs, data shows, dentre outros, disponíveis no campus XIV para atividades pedagógicas? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima13. Como você classifica o seu aprendizado para a manipulação das TIC no ensino de Língua Inglesa, nesse período de formação profissional? ( ) Péssima ( ) Ruim ( )Regular ( ) Bom ( ) Ótima Justifique sua resposta: ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ ___________________________________________________________14. O que significa utilizar as TIC no ensino de Língua Inglesa para você? ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ __________________________________________________________15. Observações: (espaço reservado para sugestões, críticas e elogios quanto à formação para o uso das TIC oferecido pela Universidade). ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ _____________________________________________________________