Your SlideShare is downloading. ×
O Gênero Épico - Poesia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O Gênero Épico - Poesia

19,740

Published on

Apresentação sobre Poesia Clássica, Gênero Épico ou Epopeia.

Apresentação sobre Poesia Clássica, Gênero Épico ou Epopeia.

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
19,740
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
168
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Leitura de Homero, por Sir Lawrence Alma-TademaUm poema épico, ou epopeia é um poema heroico narrativo extenso, uma coleção de feitos, de fatoshistóricos, de um ou de vários indivíduos, reais, lendários ou mitológicos.A epopeia eterniza lendas seculares e tradições ancestrais, preservadas ao longo dos tempos pelatradição oral ou escrita. Os primeiros grandes modelos ocidentais de epopéia são os poemashoméricos a Ilíada e a Odisséia, os quais têm a sua origem nas lendas sobre a guerra de Tróia (Ílion).A epopeia pertence ao gênero épico, mas embora tenha fundamentos históricos, não representa osacontecimentos com fidelidade, geralmente reveste os acontecimentos relatados com conceitosmorais e atos exemplares que funcionam como modelos de comportamento.
  • 2. O Termo “Epopéia”provém do gregoantigo ἐποποΐα.Escultura “Aquiles ferido no calcanhar”
  • 3. Para os gregos e outros povos da Antiguidade, um Os poetas escolhiam os ritmos de seus versospoema não era bem o que hoje chamamos de segundo o efeito que desejavam produzir. Nas"poesia", e sim um arranjo de sílabas longas e breves comédias, por exemplo, usava-se muito os versosque dava aos poemas, quando declamados, uma iâmbicos, que se assemelhavam bastante à falamusicalidade característica. A poesia foi usada pelos durante uma conversação comum. Na poesiagregos extensivamente na epopéia, na lírica, na épica, a mais antiga forma conservada de poesiatragédia e na comédia. grega, a preferência recaía sobre o hexâmetroOs poemas eram organizados em versos, unidades dactílico, de efeito lento e solene. A poesia épica ourítmicas padronizadas que com o advento da escrita epopéia tem geralmente uma certa extensão eforam convencionalmente dispostas de modo a relata aventuras heróicas — míticas ou históricasocupar uma linha do texto. Não havia rimas, — em estilo elevado.costume que se desenvolveu muito mais tarde com o O hexâmetro dactílico (ou "heróico"), constituía-seadvento do Cristianismo e da poesia religiosa. essencialmente de seis pés dactílicos ou seusA poesia grega usava vários metros, combinações de equivalentes espondeus, cada um com umsílabas longas e breves, e aos grupos silbicos que elemento bem marcado e outro mais fraco; oformavam a estrutura básica dos versos chamamos "tempo" bem marcado correspondia sempre a umapés. Cada pé era constituído pela sucessão de longas sílaba longa, e o "tempo" fraco a uma sílaba longae breves e comportava dois "tempos", um mais ou duas breves. Havia geralmente uma "pausa" ouelevado e um mais baixo. A sucessão padronizada cesura no meio do verso (terceiro pé), de modo ade pés emprestava ao verso um ritmo característico, permitir a respiração do declamador...lento e solene, ou vivaz e agitado, e assim por diante. Eis a estrutura métrica do primeiro verso da Íliada de Homero composto por volta de -750: Μῆνιν ἄ|ειδε, θε|ά, || Πη| ληϊάδ|εω Ἀχιλ|ῆος
  • 4. Homero O nome de Homero (gr. Ὅμηρος), o mais antigo e respeitado poeta da Grécia Antiga, está vinculado há mais de 2.500 anos à Ilíada e à Odisséia. Não há nenhuma evidência, no entanto, de que ele tenha realmente existido ou de que tenha escrito qualquer uma das duas epopéias, tradicionalmente chamadas de poemas homéricos. Segundo Heródoto (aprox. 484/425 a. C.), Homero teria vivido 400 anos antes dele. Estudos recentes, porém, situam a data de composição daBusto de Homero Ilíada e da Odisséia no fim da Idade das Trevas (c. -750 a. C.) ou no início do Período Arcaico (-750/-713). O uso predominante do dialeto jônico sugere que o autor dos poemas veio provavelmente da Jônia. Que ele era um aedo cego nascido especificamente em Quios ou em outro lugar da região e se chamava Homero, porém, não tem qualquer comprovação histórica. Não são confiáveis, igualmente, as numerosas "Vidas" (lat. Vitae) de Homero que proliferaram na Antiguidade.
  • 5. Há calorosas disputas que tentam esclarecer a origem da Ilíadae da Odisséia desde o Período Helenístico compõem a famosa"Questão Homérica", que pode ser resumida assim:- seriam a Ilíada e a Odisséia obra de um só poeta?- teriam sido criadas a partir da união de vários poemasisolados?- qual dos poemas é o mais antigo?- seria "Homero" o nome atribuído a algum poeta anônimoque organizou uma extensa e antiga tradição oral?- teria sido "Homero" um poeta genial que simplesmente sebaseou em temas da tradição oral de diversas épocas?- seriam os dois poemas, como os conhecemos, modificaçõestardias dos poemas originalmente compostos?Discute-se esses itens — e outros ainda — até hoje... Nomomento, a maior parte dos eruditos parecem inclinar-se àpossibilidade de que os dois poemas foram escritos por duaspessoas diferentes, e que a Ilíada é o mais antigo dos dois.Além da Ilíada e da Odisséia, outras obras foramtradicionalmente atribuídas a Homero na Antiguidade, massem respaldo histórico ou literário: o Margites, poema cômico arespeito de um herói trapalhão; a Batracomiomaquia, paródiaburlesca da Ilíada que relata uma guerra fantástica entre ratose rãs, e os hinos homéricos.Independentemente das numerosas questões que envolvemHomero, a poesia atribuída a ele foi profundamentereverenciada durante toda a Antiguidade e seus versos eramconsiderados fonte geral de sabedoria e citadosconstantemente por todos. Pintura Homero guiado por um garoto, por Jean Ingres
  • 6. Apoteose de Homero - Jean Auguste Dominique Ingres, 1827
  • 7. Odisseia IliadasTradução de Haroldo de Campos Tradução de Donaldo Schüler
  • 8. Fragmento de um papiroantigo, encontrado emescavações arqueológicas.Note-se que o papiro, emboradesgastado, ainda mantém agrafia original, em gregoarcaico.
  • 9. Em Grego Tradução de Haroldo de Campos para PortuguêsΜῆνιν ἄειδε θεὰ Πηληφάδευ Ἀσιλῆοροὐλομένην, ἣ μςπί Ἀσαιοῖρ ἄλγε ἔθηκε, A ira, Deusa, celebra do Peleioπολλὰρ δ ἰθθίμοςρ τςσὰρ Ἄφδι πποΐατεν Aquiles,ἡπώυν, αὐηοὺρ δὲ ἑλώπια ηεῦσε κύνεζζιν o irado desvario, que aos Aqueusοἰυνοῖζί ηε πᾶζι, Διὸρ δ ἐηελείεηο βοςλή, tantas penasἐξ οὗ δὴ ηὰ ππῶηα διαζηήηην ἐπίζανηε trouxe, e incontáveis almas arrojouἈηπεΐδηρ ηε ἄναξ ἀνδπῶν καὶ δῖορ Ἀσιλλεύρ. no Hades de valentes, de heróis, espólio para osIlíada, 1.1-7 cães, pasto de aves rapaces: fez-se a lei de Zeus; desde que por primeiro a discórdia apartou o Atreide, chefe de homens, e o divino Aquiles. Ilíada, 1.1-7
  • 10. Aquiles flechado no calcanhar por Páris Escultura em mármore Aquiles vivenciado pelo ator norte- americano Brad Pitt, no filme “Tróia”, em 2003
  • 11. Odisséia“Os Heróis Gregos reúnem-se em concílio”
  • 12. ΟΔΥΣΣΕΙΑΣ — a Odisséia — foi composta, Leitura de Homero, por Sir Lawrence Alma-Tademaprovavelmente, alguns anos depois da Ilíada,possivelmente entre -743 e -713 a. C. (Janko, 1982). Otítulo do poema deriva do nome do principalprotagonista, Odisseu, herói grego mais conhecidoentre nós pelo nome romano, Ulisses.A exemplo da Ilíada, a Odisséia se baseia em longatradição oral e assumiu forma escrita somente nofim do século -VI.
  • 13. Enquanto a Ilíada é uma história de guerra, a Odisséia é basicamente umahistória de viagens fantásticas. Nela, [Homero] relata as aventuras deOdisseu após a Guerra de Tróia. Durante dez anos o herói tenta retornar aÍtaca, seu reino, onde o aguardam ansiosos o pai Laerte, a esposa Penélopee o filho Telêmaco; numerosas aventuras, porém, retardam sua volta. EmÍtaca, a esposa (Penélope) e o filho (Telêmaco) são constantementeassediados por uma multidão de pretendentes ao trono e à esposa deOdisseu, que é dado como desaparecido.O poema começa no vigésimo ano de sua partida para Tróia (dez anos deguerra, mais dez anos de viagens), e as aventuras dos anos anteriores sãocontadas pelo próprio Odisseu. Ao mesmo tempo, o narrador relata asperipécias do jovem Telêmaco, que procura desesperadamente o pai porcausa dos atrevidos pretendentes que ameaçam sua vida, dissipam seusbens e cobiçam sua mãe. No final, é claro, Odisseu consegue retornar aolar e à família, matar todos os pretendentes e recuperar seu reino. O heroi Odisseu (Ulysses), caricatura por Laudo
  • 14. (...)"Enquanto isto acontecia, Odisseu, enfim, abriu os olhos.Ele se encontrava na sua terra, embora não a reconhecesse.Tudo lhe era estranho. Longe estava a nau.A névoa de Atena lhe obscurecia a visão.Ele próprio seria irreconhecível à esposa, aos cidadãos,aos amigos, para melhor punir a insolência dos pretendentes.Por essa razão, o que o rei via tinha outro aspecto: extensos caminhos,portos seguros, rochas escarpadas, árvores vigorosas.Erguendo-se de um salto, perdeu-se na contemplação da terra natal.Insistiam soluças. Caíram-lhe as mãos. Com um golpe na coxa,falou sem conter lágrimas: „Estou desolado.Na terra de que gente me encontro?Violentos, selvagens, homens sem lei? São hospitaleiros? Rendem culto aos deuses?Haverá lugar para guardar minhas riquezas?Para onde irei? Eu deveria ter ficado lá com os feáceos.Teria encontrado, com certeza, outro rei façanhudo,que teria me acolhido e devolvido à minha terra”. “Odisseu seduzido pelas Sereias”“A Odisséia”, canto XIIITradução do grego por Donaldo SchülerEditora LP &M Pocket
  • 15. O Famoso Cavalo de Tróia, concebido pela astúcia de Odisseu. O povo troianocomemora uma falsa vitória. Nem sequer sabiam o que se ocultava dentro do cavalo!
  • 16. I - “A Eneida”, do poeta romano Virgílio Maron, composta nos tempos do imperadorOtávio Augusto, narra a fuga do heroi troiano Enéas e de suas viagens até aportar napenínsula itálica, onde viria a fundar a cidade que daria origem à Roma.II - “Balada de Rolando”, de autor anônimo, do século IX d. C. Narra as aventuras deRolando, um dos paladinos do Imperador Carlos Magno.III - “Beowulf”, poema anglo-saxão do séc. XI d.C. que deu origem à Literatura Inglesa.Influenciou definitivamente o escritor britânico J. R. R. Tolkien na criação da saga “OSenhor dos Anéis”.IV - “A Epopéia de Gilgamesh”, narra as aventuras de um Rei Babilônio que busca aimortalidade. Diz-se que esta é a primeira epopéia da Humanidade. Mas, hácontrovérsias.V - A Divina Comédia”, de Dante Alighieri, composta no século XIII d. C., que narra aepopéia espiritual de Dante através do Inferno, Purgatório e Paraíso, em busca de sua O herói anglo-saxão Beowulfamada Beatrice.VI - “Os Lusíadas”, de Luís de Camões, composta no século XVI d. C., epopeia maisconhecida em língua portuguesa, que narra a viagem de Vasco da Gama até as Índias.VII - “O Mâhabhârata”, segundo a maioria dos estudiosos da História da Literatura e daFilologia, é a mais antiga epopeia já escrita. Atribui-se sua autoria ao poeta e místicoVyâsa, na antiga Índia. É um poema grandioso em dezoito volumes, contento milhares depáginas. Narra a guerra entre dos clãs (famílias) rivais, os Pândava e Kûrava.
  • 17. O Mâhabhârata (devanágari: ,translit. Mahābhārata), é um dos doismaiores épicos clássicos da Índia,juntamente com o Ramâyana. Sua autoriaé atribuída a Krishna Dvapayana Vyasa. Otexto é monumental, com mais de 74.000versos em sânscrito, e mais de 1,8milhões de palavras; se o Harivamsa forincluído como sendo anexo e parte daobra, chega-se a um total de 90.000versos, compondo o maior volume detexto numa única obra humana.
  • 18. “As coisas fáceis são para o vulgo e a gente comum.Os Homens heróicos e divinos passam pelo caminhoDas dificuldades afim de que estas, ao fim de suas provas,Lhes concedam a glória e a imortalidade”.Giordano Bruno, in “Os Heróicos Furores”
  • 19. Apresentação em Power PointConfeccionada por Awmergin.E-mail:awmergin@hotmail.comTodos os direitos reservados ©

×