Idade média - 3º Ano

9,144
-1

Published on

Published in: Technology
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,144
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
18
Actions
Shares
0
Downloads
121
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Idade média - 3º Ano

  1. 1. Feudalismo<br />Alta Idade Média<br />Baixa Idade Média<br />Séc V Séc XI Séc XV<br />
  2. 2. Alta Idade Média – Séc. V – XIA organização medieval do ocidente europeu<br />Queda do Império Romano Ocidental<br />Insegurança provocada pelas invasões bárbaras, árabes , vikings <br />Inicia-se um processo de ruralização<br />
  3. 3. 1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS:<br /><ul><li> Formação e apogeu do Feudalismo.
  4. 4. Período de constantes invasões e deslocamentos populacionais.
  5. 5. Síntese de elementos do antigo Império Romano + povos bárbaros + cristianismo.</li></li></ul><li>2 – OS POVOS BÁRBAROS:<br /><ul><li>Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana).
  6. 6. Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).
  7. 7. Economia agropastoril.
  8. 8. Ausência de comércio e moeda.
  9. 9. Ausência de escrita.
  10. 10. Politeístas.
  11. 11. Inicialmente sem propriedade privada.
  12. 12. Poder político = casta de guerreiros.
  13. 13. Direito Consuetudinário (tradição).
  14. 14. COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).</li></li></ul><li>Elementos feudais:<br />
  15. 15. Não Esqueça<br />Colonato Romano<br />Junta tudo<br />Comitatus Germânico<br />Troca de Terra por PRODUÇÃO e PROTEÇÃO!!!<br />
  16. 16. 3 – O FEUDALISMO<br />Economia: agrícola, auto-suficiente (subsistência), sem comércio e moeda.<br />O comércio era por meio do Escambo<br />Unidade econômica básica: FEUDO (benefício).<br />MANSO SENHORIAL – castelo + melhores terras.<br />MANSO SERVIL – terras arrendadas (lotes = glebas ou tenências).<br />MANSO COMUNAL – bosques e pastos (uso comum) <br />Visão interna da casa dos servos<br />
  17. 17. <ul><li>Sociedade:
  18. 18. Estamental (posição social definida pelo nascimento).
  19. 19. Poder vinculado à posse e extensão da terra.
  20. 20. Laços de dependência pessoal:
  21. 21. SUSERANIA e VASSALAGEM (entre nobres);
  22. 22. SENHOR e SERVOS.</li></ul>CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação)<br />NOBREZA: terra + poder político (defesa)<br />SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades, tostão de Pedro (dízimo), mão-morta, capitação, formariage...) e VILÕES: quase servos, porém com menos obrigações<br />
  23. 23. OBRIGAÇÕES SERVIS<br />Corvéia – Imposto pago em serviço. <br />Banalidades – Pagamento pela utilização de equipamentos e instalações do feudo.<br />
  24. 24. OBRIGAÇÕES SERVIS<br /><ul><li>Talha – Obrigação de entregar parte da produção agrícola ao senhor feudal.
  25. 25. Capitação – Imposto pessoal pago pelos servos
  26. 26. Tostão de Pedro –</li></ul> Dízimo pago a igreja.<br />
  27. 27. SUSERANIA E VASSALAGEM<br />
  28. 28. <ul><li>Política: descentralização;
  29. 29. Ideologia:
  30. 30. Teocentrismo
  31. 31. IGREJA: maior instituição (atuante em todos os setores)
  32. 32. Conformismo, continuismo
  33. 33. Ética paternalista cristã</li></li></ul><li>Maior Instituição MedievalIgreja Católica<br />Teocentrismo<br />
  34. 34. Filosofia Medieval – Alta Idade Média (séc. V – XI)<br />Santo Agostinho (354-430)<br />Obra: A cidade de Deus<br />Subordina a história à vontade divina e estabelece a predestinação<br />
  35. 35. Filosofia Medieval – Baixa Idade Média (séc. XI – XV)<br /><ul><li>Santo Tomás de Aquino (1225-1274)</li></ul>Tomismo ou Escolástica<br />Obra: Suma Teológica<br />Razão e Fé em equilíbrio<br />Livre-arbítrio<br />Condenava a Usura (lucro)<br />
  36. 36. Organização Interna da Igreja Católica<br />Clero Secular – Papa, bispos, padres (ocupavam-se das coisas terrenas)<br />Clero Regular – monges e abades (isolavam-se do mundo em mosteiros, vivendo segundo os princípios da castidade, da pobreza e da caridade)<br />Principais ordens: Beneditinos – Dominicanos - Franciscanos<br />
  37. 37. Não Esqueça!<br />Nobreza Feudal<br />Descentralização<br />Economia Agrícola<br />Subsistência<br />Sociedade Estamental<br />Poder Clerical<br />Cultura influenciada pela Igreja<br />Trevas/Ignorância<br />Religião Cristã<br />Poder do Papado<br />
  38. 38. O Sacro Império Romano-Germânico - SIRG<br />911 – Extinção da Dinastia Carolíngia<br />Fundação do Reino Germânico<br />Por pressão da Igreja, os quatro duques da região (Alemanha, Francônia, Saxônia, Suábia e Baviera)<br />Elegem Henrique da Saxônia (919-936)<br />Oto I (936-973) – Considerado o criador do SIRG (962)<br />I REICH<br />
  39. 39. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS:<br /><ul><li>Decadência do feudalismo.
  40. 40. Estruturação do modo de produção capitalista.
  41. 41. Transformações básicas:</li></ul>auto-suficiência para economia de mercado;<br />novo grupo social: burguesia;<br />formação das monarquias nacionais.<br />
  42. 42. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />2 – CRESCIMENTO POPULACIONAL:<br />Fim das invasões.<br />Maior consumo.<br />Excedentes populacionais expulsos dos feudos.<br />Retomada das cidades.<br />Aumento do comércio.<br />Aumento da criminalidade.<br />Aperfeiçoamento de técnicas agrícolas.<br />Moinho hidráulico, arado de ferro...<br />Busca de mais terras para cultivo<br />
  43. 43. As Cruzadas:a fé, as armas e o comércio(séc. 1096-1270)<br />
  44. 44. Fatores que ocasionaram as Cruzadas<br />Marginalização social – Crise feudal : Cavalaria andante e bandoleiros (servos marginalizados)<br />Trégua de Deus – limitavam os dias que poderiam ocorrer lutas (p/ resolver este problema foram criados os torneios)<br />Afastar os turcos seldjúcidas do Império Bizantino (Turquia)<br />Igreja Católica desejava unir-se com a Igreja Cristã Ortodoxa (Império Bizantino)<br />
  45. 45. Fatores que ocasionaram as Cruzadas<br />Cidades italianas – vantagens comerciais<br />Ideologia – libertar Jerusalém (Santo sepulcro) dominada pelos muçulmanos<br />
  46. 46. O discurso proferido pelo papa Urbano II, na França – Concílio de Clermont<br />""Deixai os que outrora estavam a se baterem, impiedosamente contra os fiéis, em guerras particulares, lutarem contra os infiéis... Deixai os que até aqui foram ladrões, tornarem-se soldados. Deixai aqueles que outrora se bateram contra seus irmãos e parentes, lutarem agora contra os bárbaros como devem. Deixai os que outrora foram mercenários, a baixos salários, receberem agora a recompensa eterna. Uma vez que a terra que vós habitais, fechada por todos os lados pelo mar e circundada por picos e montanhas, é demasiadamente pequena para vossa grande população: a sua riqueza não abunda, mal fornece o alimento necessário aos seus cultiva-dores... Tomai o caminho do Santo Sepulcro; arrebatai aquela terra à raça perversa e submetei-a a vós mesmos..."<br />
  47. 47. As Cruzadas ocorreram de 1096-1270.<br />As Principais:<br />1ª Cruzada (1096 – 1099) – Cruzada dos Nobres (reconquistou Jerusalém)<br />
  48. 48. 3ª Cruzadas (1189 – 1192) – Cruzada dos Reis (acordo entre Ricardo Coração de Leão e o sultão Saladino – permissão para os cristãos visitarem Jerusalém)<br />
  49. 49. 4ª Cruzada (1202 – 1204) – Cruzada Comercial (comerciantes venezianos dominando Constantinopla)<br />
  50. 50. Conseqüência das Cruzadas- reabertura do Mar Mediterrâneo<br />
  51. 51. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />– O RENASCIMENTO COMERCIAL:<br /><ul><li>Cidades italianas. (GÊNOVA – VENEZA)
  52. 52. Surgimento de rotas de comércio ligando o continente europeu.
  53. 53. Cruzamento de rotas: feiras.</li></ul> - Champanhe (FRANÇA) e Flandres (BÉLGICA).<br /><ul><li>Retomada da moeda.
  54. 54. Atividades de crédito e bancárias.
  55. 55. Séc. XII – HANSAS ou LIGAS: associações de comerciantes.</li></ul> - Comércio em grande escala.<br /> - LIGA HANSEÁTICA (ALEMANHA) – Mar do Norte<br />
  56. 56. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />ROTAS DE COMÉRCIO MEDIEVAIS:<br />
  57. 57. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />5 – O RENASCIMENTO URBANO:<br />Retomada do comércio impulsiona o renascimento urbano.<br />Burgos (fortalezas).<br /><ul><li> Burgueses: habitantes dos burgos (artesãos e comerciantes).
  58. 58. Movimento comunal (séc. XI – XIII): libertação das cidades da autoridade dos senhores feudais.</li></li></ul><li>BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br /><ul><li>GUILDAS: associações de mercadores (monopólio do comércio local, controle da concorrência estrangeira, regulamentação de preços).
  59. 59. CORPORAÇÕES DE OFÍCIO: associações de artesãos (monopólio das atividades artesanais, controle da concorrência, regulamentação de preços, estabelecimento de normas de produção, controle de qualidade e assistência aos membros).
  60. 60. Formação de grupo de grandes comerciantes e artesãos que se sobrepunham aos demais, impondo seu poder econômico.
  61. 61. Trabalho assalariado.</li></li></ul><li>BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />– FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS:<br /><ul><li>Aliança entre reis e burgueses.
  62. 62. Reis: redução de poderes dos nobres e da Igreja.
  63. 63. Burguesia: unificação de impostos, moeda e sistema de pesos e medidas.
  64. 64. Nobreza e clero: cargos e pensões concedidos pelo rei.
  65. 65. A monarquia francesa:</li></ul>Capetíngeos (987 – 1328): medidas que fortaleceram o poder real em detrimento da autoridade descentralizadora dos senhores feudais.<br />
  66. 66. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Principais Representantes Monarquia Francesa<br /><ul><li>Felipe Augusto (1180 – 1223): exército nacional, conquistas territoriais, controle de subvassalos, concessão de cartas de franquia (maior renda), criação de impostos nacionais.
  67. 67. Luís IX (1226 – 1270): maior poder para tribunais reais, moeda nacional, engajamento no movimento cruzadista (São Luís).
  68. 68. Felipe IV, o Belo (1285 – 1314):
  69. 69. atritos com a Igreja (cobrança de impostos)
  70. 70. convocação dos Estados Gerais (1º - 2º - 3º Estado)
  71. 71. CISMA DO OCIDENTE. - Cativeiro de Avignon (1307 – 1377), </li></li></ul><li>Cisma do Ocidente – 1378-1417<br />
  72. 72. Monarquia Inglesa<br />1189 -1199 – Ricardo Coração de Leão<br />1199 -1216 – João Sem Terra<br />1215 – João Sem Terra assina a Magna Carta (limitação dos poderes do rei)<br />Grande Conselho 1265 – Parlamento<br />1350 – Divisão Câmara dos Lordes (Nobreza) e Câmara dos Comuns (Representantes do povo)<br />Rei + Parlamento<br />
  73. 73. Monarquia Inglesa<br />Guerra das Duas Rosas (1455 – 1485) <br /> Família Lancaster x Família York<br />Henrique VII – centralização monárquica.<br />Dinastia Tudor (mesmo com o parlamento conseguiu governar absolutamente)<br />
  74. 74. Guerra da Reconquista - (718 – 1492)<br />Os Portugueses e espanhóis (castelhanos) expulsam os mouros (muçulmanos da Península Ibérica)<br />
  75. 75. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br /><ul><li>As monarquias Ibéricas:</li></ul>Guerra de Reconquista (espírito cruzadista)<br />ESPANHA: Reis Católicos: Fernando (Aragão) e Isabel (Castela) – Simples Casamento<br />PORTUGAL<br />Diversos conflitos <br /><ul><li>Dinastia de Borgonha – Reconquista
  76. 76. Dinastia de Avis (1385) – Estado Nacional com aliança da burguesia.</li></li></ul><li>Sacro Império Romano Germânico x Igreja<br />Século XI – Movimento reformista liderado pela oredem de Cluny (FRANÇA)<br />Este movimento desejava moralizar a Igreja, eram contra: *Simonia = venda das relíquias eclesiásticas <br /> *Nicolaísmo = casamento dos padres<br /><ul><li>1073 – Papa Gregório VII (antigo monge de Cluny)
  77. 77. QUERELA DAS INVESTIDURAS (nomeação de bispo)</li></ul>Papa Gregório VII x Imperador Henrique IV<br />* 1122 – Concordata de Worms = Investidura espiritual feita pelo papa / investidura temporal feita pelo imperador<br />
  78. 78. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br /> A CRISE DOS SÉCULOS XIV E XV:<br /><ul><li>Guerra dos Cem Anos (1337 – 1453):</li></ul>FRANÇA X INGLATERRA<br />Causa Política: Sucessão do trono francês<br />Filipe VI (Dinastia Valois – FRA) X Eduardo III (ING)<br />Causa Econômica: Controle de Flandres (comércio de tecidos)<br />1ª fase – vantagem da INGLATERRA<br />Carlos V (FRANÇA) – recuperação parcial francesa<br />Recuperação francesa: Joana D’Arc + Carlos VII<br />Centralização política da FRANÇA<br />
  79. 79. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Peste Negra (1347 – 1350):<br />Peste bubônica. (proveniente do Oriente)<br />Morte de 1/3 dos europeus (25 milhões).<br />Enfraquecimento dos nobres.<br />
  80. 80.
  81. 81. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />JACQUERIES – França<br />rebeliões camponesas.<br />1381 – Inlgaterra - Wat Tyler e o padre John Ball<br />Manifestações de religiosidade contrárias aos dogmas da Igreja Católica<br />Heresia dos Valdeneses (pobres de Lyon)<br />Heresia dos Albigenses <br />(contra a corrupção do clero)<br />
  82. 82. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Baixa Idade Média: Escolástica(São Tomás de Aquino).<br />Harmonia entre razão e fé.<br />Valorização do esforço humano.<br />Livre arbítrio.<br />Clero = orientador moral e espiritual.<br />Liberdade de escolha = concepções da Igreja.<br />“preço justo” – condenação da usura.<br />Arquitetura<br />Alta Idade Média: ROMÂNICA – construção maciça, pesada, linhas simples, horizontalidade, poucas janelas (idéia de segurança e tranqüilidade).<br />
  83. 83. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Baixa Idade Média: GÓTICA – leveza, graciosidade, verticalidade, grandes janelas, vitrais, luminosidade.<br />ESTILO GÓTICO<br />ESTILO ROMÂNICO<br />
  84. 84. Mudanças no final da Idade Média<br />Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder<br />Religião - Decadência da Igreja - Início da Reforma Religiosa (1517)<br />Economia – Capitalismo<br />Cultura - Novos padrões sociais burgueses (filosofia, artes e ciências) - RENASCIMENTO<br />
  85. 85. Características do Renascimento<br /><ul><li>Renovação da cultura greco-romana
  86. 86. Naturalismo
  87. 87. Humanismo (elemento central)
  88. 88. Antropocentrismo
  89. 89. Hedonismo (prazeres mundanos)
  90. 90. Otimismo</li></li></ul><li><ul><li>Berço do renascimento: Itália (Florença, Veneza, Roma, Milão)
  91. 91. Mecenas - apoiavam e</li></ul> financiavam as novas obras artísticas e literárias (os Medici , em Florença;e os Sforza, em Milão<br />
  92. 92. Fases do Renascimento Italiano<br />Precursor - Dante Alighieri<br />Obra: Divina Comédia (crítica ao comportamento eclesiástico, embora ainda apresente influências medievais)<br />
  93. 93. Trecento (anos trezentos) - língua italiana da Toscana - influências medievais<br />Giotto - Precursor do naturalismo (pintura)<br />
  94. 94. Trecento – Anos trezentosLiteratura <br />Francisco Petrarca – “Pai do Humanismo”<br />Obras: Canzonieri – De Vita Solitária – <br />África<br />Giovanni Boccaccio – “Paganismo”<br />Obra: Decameron<br />
  95. 95. Quatrocento (anos quatrocentos) língua latina, influência clássica e bizantina<br />Masaccio (1401-28) primeiro realista da arte renascentista<br />Obra: A expulsão de Adão e Eva do Paraíso<br />
  96. 96. Quatrocento (anos quatrocentos) língua latina, influência clássica e bizantina<br />Sandro Botticelli<br />Obra: Nascimento de Vênus<br />
  97. 97. Quatrocento - O Gênio Absoluto - Pintor, escultor, arquiteto, engenheiro e cientista = Da Vinci<br />
  98. 98. Cinquecento(anos quinhentos) apogeu do Renascimento<br />Nicolau Maquiavel<br />Obra: O príncipe (os fins justificam os meios)<br />
  99. 99. Maior representante do cinquecento - Michelangelo<br />
  100. 100. Tartarugas Ninjas é Cultura<br />Mestre Splinter para homenagear os homens da renascença chamou-os de:<br />Leonardo (da Vinci)<br />Rafael (Sanzio) - Pintura<br />Michelangelo (Buonarroti)<br />Donatelo - pintura<br />
  101. 101. Causas do declínio do renascimento italiano<br />Declínio econômico - Expansão Ultramarina<br />Reforma Católica - Contra Reforma<br />Instabilidade Política<br />Reação contra os humanistas (exemplo: Giordano Bruno)<br />
  102. 102. Expansão do Renascimento<br />LITERATURA<br /><ul><li>França </li></ul>- Rabelais (Gargântua e Pantagruel) <br /><ul><li>-Montaigne (Ensaios)
  103. 103. Inglaterra</li></ul> - Thomas Morus (Utopia) <br /> - William Shakespeare (Ricardo III - Hamlet – Marco Antônio e Cleópatra - Romeu e Julieta)<br />
  104. 104. Expansão do Renascimento<br />LITERATURA<br /><ul><li>Países Baixos - Erasmo de Roterdã (Elogio da Loucura)</li></ul>Espanha - Miguel de Cervantes (Dom Quixote)<br />Portugal - Luís de Camões (Os Lusíadas)<br />
  105. 105. RENASCIMENTO CIENTÍFICO<br /><ul><li>Nicolau Copérnico – Heliocentrismo
  106. 106. Galileu Galilei - defendeu o sistema de Copérnico
  107. 107. Johannes Kepler – </li></ul>Inventor do telescópio - movimento elíptico dos astros<br />
  108. 108. RENASCIMENTO CIENTÍFICO<br /><ul><li>Isaac Newton –</li></ul>Lei da Gravidade<br /><ul><li> Gabriel de Falópio – Trompas</li></ul> do aparelho genital feminino<br /><ul><li>Miguel Servet – </li></ul>Descobriu o funcionamento da pequena circulação sanguínea<br />
  109. 109. CONSEQÜÊNCIA DO RENASCIMENTO<br />EUROCENTRISMO - A Europa como centro do mundo (inferiorizando as demais culturas)<br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×