Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano

on

  • 4,199 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,199
Slideshare-icon Views on SlideShare
3,678
Embed Views
521

Actions

Likes
3
Downloads
112
Comments
0

3 Embeds 521

http://auxisiqueira.blogspot.com 473
http://dorasiqueira.wordpress.com 47
http://www.auxisiqueira.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano Presentation Transcript

    • O IMPÉRIO BIZANTINO
      Império Romano do Oriente
      Constantinopla – capital.
      Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TURQUIA).
      Local privilegiado estrategicamente – contatos entre Oriente e Ocidente, rota de comércio.
      Comércio ativo + produção agrícola próspera = riquezas.
      Resistência às invasões bárbaras.
      Centralização política: Imperador.
      CESAROPAPISMO: Imperador = chefe do exército + Igreja
    • O IMPÉRIO BIZANTINO
      JUSTINIANO (527 – 565) – auge do Império.
      Conquistas territoriais.
      Península Itálica + Península Ibérica + Norte da África.
      Compilação do Direito Romano a partir do séc. II.
      CORPUS JURIS CIVILIS
      Poderes ilimitados ao imperador.
      Privilégios para a Igreja e para a nobreza.
      Marginalização de colonos e escravos.
      Burocracia centralizada + gastos militares + impostos.
      Igreja de Santa Sofia (estilo bizantino – majestosidade)
    • CATEDRAL DE SANTA SOFIA
    • EXTENSÃO MÁXIMA DO IMPÉRIO BIZANTINO (JUSTINIANO)
    • Influência de valores orientais.
      Grego – língua a partir do séc. VII.
      Surgimento de heresias:
      MONOFISISTAS – negação da santíssima trindade (Cristo apenas com natureza divina);
      ICONOCLASTAS – destruição de imagens (ícones).
      1054:CISMA DO ORIENTE:
      Igreja Cristã Ortodoxa (Patriarca de Constantinopla);
      Igreja Católica Apostólica Romana (Papa).
    • O IMPÉRIO BIZANTINO
      Decadência:
      séc. VII e VIII – invasões de bárbaros e árabes;
      séc. XI – XIII – alvo das Cruzadas;
      1453 – Conquistados pelos Turcos Otomanos (marco histórico que delimita oficialmente o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.
    • Os Povos Bárbaros
    • Quem eram os Bárbaros?
      Povos que não falavam o latim, não eram cristãos, portanto não compartilhavam dos costumes, da mentalidade e do comportamento estabelecido pelos romanos aos demais povos conquistados.
    • Os Povos Bárbaros
      Celtas – indo-europeus que habitavam a Europa Central e a Oriental
      Eslavos – que compreendiam russos, polacos, Tchecos, sérvios, bósnios entre outros
      Tártaro-mongóis – que incluíam os hunos, turcos, búlgaros, húngaros entre outros
      Germânicos – de origem indo-europeia, que englobavam vários povos, como os visigodos, ostrogodos, hérulos, anglos, saxões, francos, suevos, lombardos, vândalos entre outros
    • Germânicos
      • Atividade de maior prestígio: Guerra.
      • Formavam bandos chamados Comitatus (fidelidade).
      • O direito era Consuetudinário (fundado nos costumes)
      • Fragilidade das Instituições Estatais.
      • Família: Base de organização social.
      • Homem: Na maior parte do tempo Guerreiro
      • Mulher: Papel importante na Economia.
    • Religião
      Politeístas
      A natureza representava um campo de Batalhas
      Acreditavam na vida após a morte e no paraíso (walhala)
      Principais Divindades: Odin, Tiwas, Thor, Nerthus e Freya.
    • Reinos Germânicos
    • Francos - - dinastia Merovíngia
      • Foi o reino germânico mais estável e duradouro.
      • Meroveu – Vence Átila (rei dos Hunos)
      • Clóvis (481 – 511) impôs sua autoridade sobre os demais, fundou a dinastia Merovíngia e derrotou outros povos que estavam invadindo a região da Gália.
      • Clóvis se converteu ao Cristianismo, sendo o primeiro imperador a garantir o apoio da igreja católica.
      • Tal apoio era muito bom tanto para Clóvis, quanto para a Igreja.
    • Batismo de Clóvis
    • Francos - dinastia Merovíngia
      Clóvis (481 – 511) – Conversão dos francos ao cristianismo
      Durante a dinastia merovíngia, ocorre um
      processo de Descentralização Política. ( Pois as terras eram doadas a nobreza em troca de apoio político.)
      Assim ocorre uma diminuição do poder do Rei (Reis indolentes), e aumentava o poder do Major-domus(Prefeito do palácio)
    • Império Carolíngio
    • Em 714 Carlos Martel (Major-domus) se destaca nas batalhas contra os árabes. (Fortalecimento da nobreza)732 – Batalha de Poitiers
    • Seu filho, Pepino o Breve, torna-se major-domus em 741 d.C, e com apoio da igreja se torna, dez anos depois, o novo rei, iniciando a dinastia Carolíngia.
      Em 754 alguns territórios que pertenciam anteriormente a Roma são atacados pelos Lombardos, Pepino o Breve vence a batalha e doa parte do território para a Igreja.
      A Igreja passa a ter poder temporal (poder material)
    • Parte do Território doado.
    • Carlos Magno
      Filho de “Pepino” o Breve, se torna Rei, e em 800 d.C. é coroado novo imperador do Ocidente, pelo Papa
      Leão III, continuando assim o bom relacionamento com a Igreja.
    • Organização do Império Carolíngio
      • É dividido em unidades político-administrativas. (condados “conde”, ducados “ duque” e marcas “marques”).
      • Delega poderes à aristocracia rural e à própria igreja.
      • Para fiscalizar as unidades administrativas ele envia o Missi dominici. (Enviados do senhor).
      • O Império Carolíngo contribuiu muito para a formação do FEUDALISMO
    • Renascimento Carolíngio: Monges Copistas
    • Tratado de Verdun - 843Divisão do território franco entre os netos de Carlos Magno
    • O IMPÉRIO ÁRABE:
      Península arábica.
      Deserto predominante.
      Arábia Pré-Islâmica
      Até o séc. VI: divididos em aproximadamente 300 tribos.
      Beduínos – nômades, dedicados a saques, habitavam o deserto.
      Tribos urbanas – habitantes das margens do Mar Vermelho ou ao sul da Península. Dedicavam-se a agricultura e acima de tudo ao comércio. Formaram as principais cidades da região (Meca e Iatreb).
      Comando em ambas: xeques (sheiks)
      Meca: centro comercial e religioso.
      Caaba (cubo) – santuário e depósito de imagens de deuses politeístas das diferentes tribos.
      Administrada pela tribo dos coraixitas.
    • A CAABA – MECA
      Mohamed
      Ou
      Maomé
    • Arábia Islâmica
      MAOMÉ (570 – 632) – Família Haxemita- membro do ramo pobre dos coraixitas.
      Profeta que segue a linhagem de Noé, Abraão, Moisés e Jesus.
      610 – REVELAÇÃO: “Só há um Deus que é Alá, e Maomé é seu profeta”.
      Oposição dos administradores coraixitas de Meca.
      Repressão aos seguidores de Maomé.
      622 – HÉGIRA: fuga de Maomé e seus seguidores para Iatreb (posteriormente conhecida como Medina – a cidade do profeta).
      Início do calendário muçulmano.
      População local é convertida. Unificação Política
      Proclamação da primeira Jihad (esforço coletivo).
    • Dogmas do Islamismo
      As 5 principais regras que todo o muçulmano deve seguir são:
      1) Alá é o único Deus, e Maomé o seu enviado;
      2) Cada muçulmano dever orar 5 vezes ao dia;
      3) fazer a caridade; Dar esmolas
      4) Cumprir jejum durante o mês do Ramadão;
      5) Deslocar-se pelo menos uma vez na vida a Meca.
      Proibições:
      Ingerir bebida alcoólica
      Comer carne de porco
      Reprodução da figura humana
      Jogos de azar
      * Permissão
      Poligamia
    • 630 – Retorno a Meca com exército de populações convertidas.
      Destruição de divindades politeístas da Caaba.
      Anistia a antigos opositores.
      Península Arábica é completamente convertida ao islamismo.
      632 – Maomé morre.
      Califas continuam expansão do islamismo.
      1º Califa: ABU BEKR – sogro de Maomé.
      Motivações: crescimento populacional + busca de terras.
      Justificativa ideológica: Jihad (conversão dos infiéis).
      Amplas conquistas territoriais: Norte da África, Península Ibérica, Império Persa até parte da Índia, Império Bizantino.
      Séc. XIII – território comparável ao do Império Romano.
    • A expansão do islamismo: Califas (sucessores de Maomé) iniciaram a expansão (necessitavam de terras e melhorias na economia, por isso, recorriam ao Botim = saque dos vencidos)
    • Expansão do Islamismo
      A Dinastia Omíada
      Capital do Império – Damasco
      Divisão do Império em províncias controladas pelos Emires (atribuições civis e militares)
      Período de expansão para o Ocidente
      Conquista de áreas do Império Bizantino e da Península Ibérica
      Foram contidos por Carlos Martel (732 – Batalha de Poitiers)
      Essa dinastia foi derrubada em 750.
    • Expansão do islamismo
      Dinastia Abássida (750 – 1258)
      Provocou o declínio do império árabe e deu a chance para os cristãos da Península Ibérica iniciarem um processo bélico conhecido como Guerra da Reconquista (718-1492)
    • Seitas Maometas
      Xiitas
      crença no Corão
      Líder político descendente do profeta Maomé
      Sunitas
      * Crença no Corão e no Suna (livro que apresenta narrativas da vida de Maomé)
      * Líder político eleito
    • SUNITAS E XIITAS NO MUNDO HOJE:
    • Cultura muçulmana:
      Assimilação de valores de outros povos (hindus, persas, chineses e bizantinos).
      Tradução e conservação de obras clássicas (Aristóteles e Platão).
      Medicina: AVICENA (980 – 1037) – referência mundial até o século XVII com seu compêndio sobre o corpo humano.
      Matemática: números arábicos, zero, avanços em trigonometria e álgebra.
      Física: fundamentos da óptica.
      Literatura:Omar Kayam - As mil e uma noites .
      Filosofia: Averróis
      AVICENA
    • Química: descrição dos processos de destilação, filtração e sublimação; desenvolvimento do carbonato de sódio, nitrato de prata, ácidos nítrico e sulfúrico e álcool. Todas estas descobertas para tentar criar a “pedra filosofal” e o elixir da longa vida.
      Arquitetura: cúpulas, minaretes, arcos em ferradura, decoração com motivos geométricos e vegetais.