Ergonomia

3,007 views

Published on

HST - EFA Sicó Avelar

Published in: Education, Technology
1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
3,007
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ergonomia

  1. 1. História Ergonomia, como disciplina, teve as suas origens na Segunda Guerra Mundial, mais propriamente em 1949, quando falharam as formas tradicionais de resolução do conflito entre homens e máquinas - a selecção e o treino. Foi nessa época que se evidenciaram as incompatibilidades entre o progresso humano e o progresso técnico. Os equipamentos militares exigiam dos operadores decisões rápidas e execução de actividades novas (aviões mais velozes, radares e submarinos) em condições críticas, implicando complexidade e riscos de decisão.
  2. 2. A guerra solicitou e produziu máquinas novas e complexas, inovações essas, que não corresponderam ao que delas se desejava porque, na sua concepção, não foram tomadas em consideração as características e as capacidades humanas.
  3. 3. "as máquinas não lutam sozinhas". Chapanis
  4. 4. Surgiu, então, a necessidade do aparecimento de uma nova ciência, a…
  5. 5. Ergonomia “ergon” significa trabalho. “nomos” significa leis. "A Ergonomia é entendida como o domínio científico e tecnológico interdisciplinar que se ocupa da optimização das condições de trabalho visando de forma integrada, a saúde e o bem estar do trabalhador e o aumento da produtividade.” 1 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE: "A Ergonomia é uma ciência que visa o máximo rendimento, reduzindo os riscos do erro humano ao mínimo, ao mesmo tempo que trata de diminuir, dentro do possível, os perigos para o trabalhador. Estas funções são realizadas com a ajuda de métodos científicos e tendo em conta, simultaneamente, as possibilidades e as limitações humanas devido à anatomia, fisiologia e psicologia". ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE TRABALHO: "A Ergonomia consiste na aplicação das ciências biológicas do Homem em conjunto com as ciências de engenharia, para alcançar a adaptação do homem com o seu trabalho medindo os seus efeitos em torno da eficiência e do bem estar para o Homem".
  6. 6. A Associação Portuguesa de Ergonomia (APERGO) foi fundada a 12 de Janeiro de 1992. Este projecto tem por base a defesa e promoção da Ergonomia e dos ergonomistas associados. http://www.apergo.pt/index.php
  7. 7. Prática da Ergonomia INTERVENÇAO ANÁLISE consiste na identificação e compreensão das relações existentes entre as condições organizacionais técnicas, sociais e humanas que determinam a actividade de trabalho e os efeitos desta sobre o operador e o sistema produtivo. consiste na operacionalização de planos de acção resultantes da análise ergonómica. Pode situar-se a diferentes domínios de actuação: concepção e/ou reformulação, formação profissional, higiene, segurança e saúde ocupacional.
  8. 8. Em trabalho ou em repouso, o corpo pode assumir três posturas básicas: •Deitado •Sentado, •De pé O corpo humano não está preparado para estar sentado longos períodos de tempo. Sentar é uma postura que provoca estiramento dos músculos e ligamentos da coluna vertebral, que provocam diminuição da actividade muscular e diminuição da circulação sanguínea. As pressões intra-discais aumentam, se existirem maus hábitos Esta posição é vulgar nas actividades do sector terciário, comércio e serviços e é a recomendada para tarefas sujeitas a deslocamentos frequentes, ou quando há necessidade de aplicar forças significativas. Tem os seguintes inconvenientes: prejudica a circulação nas pernas, que se faz mais lentamente; o corpo repousa durante muito tempo numa superfície muito pequena; necessidade de manter o equilíbrio durante muito tempo com a consequente tensão muscular; diminuição da habilidade manual
  9. 9. •o tronco, a cabeça e os membros devem estar numa posição natural e relaxada, devendo ser evitada a cifose da coluna lombar; •as frequentes alterações de posição, são importantes na prevenção da fadiga; •a superfície de apoio deve ser ampla, para que seja mínima a pressão por unidade de superfície; •a altura do assento deve ser ligeiramente inferior ao comprimento da perna, estando o pé completamente apoiado no solo e o joelho flectido num ângulo recto; a profundidade do assento deve ser tal, que o seu bordo não exerça pressão contra a parte posterior do joelho; •as cadeiras devem ter um encosto que proporcione um apoio à região lombar, permitindo o relaxamento da musculatura lombar; •os cotovelos do indivíduo que trabalha sentado, devem ter, com a sua mesa de trabalho, a mesma relação que haveria se estivesse de pé. A altura do plano de trabalho, varia de acordo com a pressão que precisa de ser exercida. Princípios fundamentais da postura de Sentado:
  10. 10. •Devem ser evitadas todas as inclinações do corpo, pois a manutenção destas posturas, implica grandes esforços ao nível dos músculos das pernas, da coluna e dos ombros. Os músculos da coluna ficam em tensão e quando a pessoa se endireita, sente-se rígida e endurecida; •A altura da superfície de trabalho, deve ser ajustada à altura do trabalhador, de modo a estar ao nível dos cotovelos, quando se está direito, de pé e com os ombros descontraídos; •Deve-se poder estar parado e direito, em frente e perto da superfície sobre a qual se trabalha e com o peso do próprio corpo, igualmente distribuído sobre os pés. Deve haver espaço suficiente para as pernas ou pés; •A natureza especial de um trabalho, pode obrigar a mudar a altura do plano de trabalho; •Os controlos e outros objectos necessários à realização do trabalho, devem encontrar-se a uma altura inferior à dos ombros; •Se possível, o trabalhador deve ter a possibilidade de alternar entre a postura de pé e sentado; •se o trabalho se faz parcialmente sentado, deve-se poder dispor de uma cadeira móvel ou equivalente; •A superfície sobre a qual o trabalhador permanece de pé, deve ser adequada às condições de trabalho; •sapatos adequados diminuem os esforços ao nível das pernas e coluna lombar. Princípios fundamentais da postura em Pé:
  11. 11. Postura sentado – de pé É preferível às posições de “todo o dia sentado” ou “todo o dia de pé” com pouquíssima actividade física. Para isso tem de se elevar o posto de trabalho para a altura ideal para o trabalho de pé, dotando o posto de trabalho de um assento mais alto, com um apoio de costas que permita ao indivíduo trabalhar confortavelmente sentado, se assim o desejar. Do ponto de vista ortopédico e fisiológico, é altamente recomendável um local de trabalho que alterne o trabalho sentado com uma postura de pé. Uma postura sentada prolongada é muito menos comprometedora com trabalho estático do que a postura de pé. Apesar disso, também na posição sentada surgem complicações de fadiga, que pela alternância com o trabalho em pé, se tornam menos críticas. Realmente, os músculos usados na postura de pé e na sentada não são os mesmos, de modo que uma alternância da postura vai significar o alivio de determinados grupos musculares, em detrimento da carga de outros grupos de músculos.
  12. 12. A ergonomia é assim uma forma de adaptar o meio envolvente ás dimensões e capacidades humanas onde máquinas, dispositivos, utensílios e o ambiente físico sejam utilizados com o máximo de conforto, segurança e eficácia. A análise e intervenção ergonómica traduz-se em: - Melhores condições de trabalho - Menores riscos de incidente e acidente - Menores custos humanos - Formação com o objectivo de prevenir - Maior produtividade - Optimizar o sistema homem / máquina
  13. 13. Dados Bibliográficos: 1 (Departamento de Ergonomia da Faculdade de Motricidade Humana). http://www.apergo.pt/index.php Google Revista farmácia saúde edição Março 2010
  14. 14. Este trabalho foi realizado por: Judite Sousa, Olavo Simões.

×