Neoclassicismo E Romantismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Neoclassicismo E Romantismo

on

  • 27,978 views

 

Statistics

Views

Total Views
27,978
Views on SlideShare
27,927
Embed Views
51

Actions

Likes
3
Downloads
1,526
Comments
1

5 Embeds 51

http://www.slideshare.net 36
http://abaciente.blogspot.com 11
http://abaciente.blogspot.com.br 2
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://abaciente.blogs.sapo.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • muito bom
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Neoclassicismo E Romantismo Presentation Transcript

  • 1. Neoclassicismo e o Romantismo Profª. Auriene Cardozo 21.10.09
  • 2.
    • Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações dos artistas europeus.
    • Trata-se do Academicismo ou Neoclassicismo, que expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia, que assumiu a direção da sociedade européia após a Revolução Francesa e principalmente com o império de Napoleão.
  • 3. Revolução Francesa
    • Revolução Francesa era o nome dado ao conjunto de acontecimentos que, entre 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799, alteraram o quadro político e social da França. Em causa estavam o Antigo Regime e a autoridade do clero e da nobreza.
    • Foi influenciada pelos ideais do Iluminismo e da Independência Americana (1776). Está entre as maiores revoluções da história da humanidade.
    • A Revolução é considerada como o acontecimento que deu início à Idade Contemporanea. Aboliu a servidao e os direitos feudais e proclamou os princípios universais de “Liberdade , Igualdade e Fraternidade ", frase de autoria de Jean-Jacques Rousseau .
    • Para a França, abriu-se em 1789 o longo período de convulsões políticas do século XIX, fazendo-a passar por várias repúblicas, uma ditadura, uma monarquia constitucional e dois impérios.
  • 4.
    • Esse estilo chamou-se Neoclassicismo porque retomou os princípios da arte da Antiguidade greco-romana.
    • A outra denominação - Academicismo- deveu-se ao fato de que as concepções artísticas do mundo greco-romano tornaram-se os conceitos básicos para o ensino das artes nas academias mantidas pelos governos europeus.
  • 5.
    • De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos e os renascentistas italianos já haviam criado.
    • E esse trabalho de imitação só era possível través de um cuidadoso aprendizado das técnicas e convenções da arte clássica.
  • 6.
    • Por isso, O convencionalismo e o tecnicismo reinaram nas academias de belas-artes, até serem questionados pela arte moderna.
    • Vejamos, a seguir, como esse estilo se traduziu na arquitetura e na pintura da época.
  • 7. A arquitetura neoclássica
    • Tanto nas construções civis quanto nas religiosas, a arquitetura neoclássica seguiu o modelo dos templos greco-romanos ou o das edificações do Renascimento italiano.
    • Exemplos dessa arquitetura são a igreja de Santa Genoveva, transformada depois no Panteão Nacional, em Paris, e a Porta de Brandemburgo, em Berlim.
  • 8.
    • A igreja de Santa Genoveva foi projetada por Jacques Germain Souflot (17131780), que pode ser considerado um dos primeiros arquitetos neoclássicos.
    • Ele concebeu a planta do edifício com a forma de uma cruz grega, um pórtico de seis colunas e um frontão onde se encontram trabalhos escultóricos de David d'Angers (1788-1856).
  • 9. O Panteão de Paris
  • 10.  
  • 11. Porta de Brandemburgo, em Berlim.
  • 12. A pintura do neoclassicismo
    • A pintura desse período foi inspirada principalmente na escultura clássica grega e na pintura renascentista italiana, sobretudo em Rafael, mestre inegável do equilíbrio da composição e da harmonia do colorido.
    • O maior representante da pintura neoclássica é, sem dúvida, Jacques Louis David (1748-1825).
    • Ele nasceu em Paris e foi considerado o pintor da Revolução Francesa; mais tarde, tornou-se o pintor oficial do Império de Napoleão.
  • 13.
    • Durante o governo de Napoleão, registrou fatos históricos ligados à vida do imperador, dentre os quais estão, por exemplo, a sua coroação e a travessia dos Alpes.
    • David, sem dúvida, exerceu uma grande influência na pintura de seu tempo. Suas obras geralmente expressam um vibrante realismo, mas algumas delas exprimem fortes emoções, como é o caso do quadro que retrata a morte de seu amigo Marat.
  • 14. Bonaparte Atravessando os Alpes (1801), de Jacques Louis David. Dimensões: 272 cm x 232 cm. Museu de Versalhes, Paris.
  • 15. A Morte de Marat (1793), de Jacques Louis David. Dimensões: 163 cm x 126 cm. Museu Real de Belas-Artes, Bruxelas.
  • 16. Jean Auguste Dominique Ingres
    • Já no século XIX, quando outras tendências artísticas marcavam fortemente os pintores da época, Jean Auguste Dominique Ingres (1780-1867) conservava uma acentuada influência neoclássica, herdada de seus mestres, sobretudo de David, cujo ateliê freqüentou em 1797.
    • Sua obra abrange, além de composições mitológicas e literárias, nus, retratos e paisagens, mas a crítica moderna vê nos retratos e nus o seu trabalho mais admirável.
  • 17.
    • Ingres soube registrar a fisionomia da classe burguesa do seu tempo, principalmente no seu gosto pelo poder e na sua confiança na individualidade. Exemplo disso é o Retrato de Louis François Bertin , que nos põe diante de um vivo representante do homem do século XIX.
    • O retratado é visto com ausência de qualquer fantasia. As cores são poucas e os contornos nítidos. A pintura expressa a firmeza e a determinação do personagem que olha o observador diretamente.
  • 18.  
  • 19.
    • Por outro lado, Ingres revela um inegável apuro técnico na pintura do nu. Sua célebre tela Banhista de Valpinçon é um testemunho disso.
    • Nessa obra fica evidente o domínio dos tons claros e translúcidas para a representação da pele e o domínio do desenho, uma das características mais fortes de Ingres.
  • 20.  
  • 21. Romantismo: primeira reação à arte neoclássica
    • o século XIX foi agitado por fortes mudanças sociais, políticas e culturais causadas pela Revolução Industrial e pela Revolução Francesa do final do século XVIII.
    • Do mesmo modo, a atividade artística tornou-se mais complexa. Assim, podemos identificar nesse período vários movimentos que produziram obras de arte segundo diferentes concepções e tendências.
    • Por isso, quando estudamos a arte do século XIX, entramos em contato com movimentos artísticos muito diferentes, como é o caso do Romantismo, do Realismo, do Impressionismo, do Pós Impressionismo.
  • 22.
    • Dentre esses movimentos artísticos, o primeiro que vamos estudar é o Romantismo, que se caracteriza como uma reação ao Neoclassicismo do século XVIII e historicamente situa-se entre 1820 e 1850.
    • Enquanto os artistas neoclássicos voltaram-se para a imitação da arte greco-romana e dos mestres do Renascimento italiano, submetendo-se às regras determinadas pelas escolas de belas-artes, os românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão da personalidade do artista.
  • 23.
    • Assim, de modo geral, podemos afirmar que a característica mais marcante do Romantismo é a valorização dos sentimentos e da imaginação como princípios da criação artística.
    • Ao lado dessas características mais gerais, outros valores compuseram a estética romântica, tais como o sentimento do presente, o nacionalismo e a valorização da natureza.
  • 24. A pintura romântica
    • Ao negar a estética neoclássica, a pintura romântica aproxima-se das formas barrocas.
    • Assim, os pintores românticos, como Goya, Delacroix, Turner e Constable, recuperam o dinamismo e o realismo que os neoclássicos haviam negado.
    • Outro elemento que podemos observar nos quadros românticos é a composição em diagonal, que sugere instabilidade e dinamismo ao observador.
  • 25.
    • A cor é novamente valorizada e os contrastes de claro-escuro reaparecem, produzindo efeitos de dramaticidade.
    • Quanto aos temas, os fatos reais da história nacional e contemporânea dos artistas despertaram maior interesse do que os da mitologia greco-romana.
    • Além disso, a natureza, relegada a pano de fundo das cenas aristocráticas pelo Neoclassicismo, ganha importância. Ela mesma passa a ser o tema da pintura.
    • Ora calma, ora agitada, a natureza exibe, na tela dos românticos, um dinamismo equivalente às emoções humanas.
  • 26. Goya: a luta pela liberdade
    • Francisco José Goya y Lucientes (1746-1828) trabalhou temas diversos: retratos de personalidades da corte espanhola e de pessoas do povo (A Família Real e A Leiteira de Bordéus), os horrores da guerra (O Colosso), a ação incompreensível de monstros (Saturno Devorando um de seus Filhos) e cenas históricas.
    • Dessa variedade temática, vamos destacar uma cena histórica que é reconhecidamente um símbolo das lutas pela liberdade.
  • 27. Saturno devorando a un hijo (Saturno devorando um filho) Óleo sobre reboco transladado a tela 146 cm × 83 cm cm Museu do Prado ( Madrid )
  • 28.
    • No século XIX, a pintura de temas históricos já era considerada um gênero definitivo. Entretanto, Goya soube alterar fundamentalmente o modo de retratar o conteúdo histórico, dando-lhe um caráter mais geral.
    • O fuzilamento ocorrido em 3 de maio de 1808 é, então, apenas um pretexto para Goya expressar, de forma geral, as lutas da liberdade contra a tirania.
    • No dizer de Lionello Venturi, na pintura de Goya “é um símbolo eterno da revolta popular contra a opressão” (Lionello Venturi, Para Compreender a Pintura, p. 126.)
  • 29. Os Fuzilamentos de 3 de Maio de 1808 (1814-1815), de Goya. Dimensões:.,3,5cm x 41Ocm. Museu do Prado, Madri.
  • 30. Eugène Delacroix: a multidão agitada nas ruas
    • Aos 29 anos, Eugene Delacroix (1799-1863) viveu uma importante experiência para a sua arte. Ele visitou Marrocos como membro da comitiva do embaixador da França, com a missão de documentar os hábitos e costumes das pessoas daquela terra.
    • A visão que Delacroix teve de Marrocos e que retratou em seu quadro é a da realidade misturada ao mistério e ao exotismo.
  • 31.
    • Relacionada com essa experiência vivida em terras estrangeiras está a tela A Agitação de Tânger , importante pelos elementos pictóricos que prenunciam o impressionismo: o céu transparente, a luz intensamente refletida nas casas, em oposição às áreas de sombra.
    • Do ponto de vista temático, o artista revela-se entusiasmado com o movimento da multidão reunida na rua.
  • 32. A Agitação de Tânger
  • 33.
    • Aliás, esse tema de multidões agitando-se nas ruas também foi trabalhado por Delacroix no seu quadro mais conhecido: A Liberdade Guiando o Povo .
    • Esse trabalho foi realizado pelo artista como exaltação da Revolução de 1830. Apesar do forte comprometimento político e particularizador da obra, o valor pictural é assegurado pelo uso das cores e das luzes e sombras.
  • 34. A Liberdade Guiando o Povo
  • 35. A paisagem romântica
    • A pintura paisagística já havia se desenvolvido no século XVIII, mas foi no período romântico que ganhou nova força, principalmente na Inglaterra.
    • A paisagem romântica inglesa caracteriza-se, de um lado, por seu realismo e, por outro, pela recriação das contínuas modificações das cores da natureza causadas pela luz solar .
    • Segundo alguns historiadores da arte, essa segunda característica permite-nos afirmar que os paisagistas ingleses do século XIX anteciparam-se em algumas décadas aos impressionistas franceses.
  • 36. Chuva, Vapor e Velocidade (1844), De Turner. Dimensões; 91 cm x 122 cm. Galeria Nacional, Londres.
  • 37. Pesquisar para próxima aula:
    • John Constable
    • Joseph Mallord William Turner