Participação cívica em portugal afs  15_03_2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
487
On Slideshare
487
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Introdução – Base desta apresentação• Prática reflexiva (Schön) com base em: – Projectos de intervenção cívica entre 1965 e 1975 – Projecto “Reinventar Portugal”, Diário Económico e Portugalnet (1996) – Experiência Profissional de 20 anos como Systems Engineer da IBM e 10 anos como CEO de uma empresa de consultoria, com vários projectos e estadias prolongadas em muitos países, de vários continentes• Leituras e investigação sobre culturas nacionais e organizacionais e sobre processos de mudança e aprendizagem transformacional a vários níveis (individual, organizacional, de comunidades e social) AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 2 Cívica - 15/03/2012
  • 2. Geert Hofstede: Culturas Nacionais• Principais dimensões das culturas nacionais (em princípio, de 0 a 100): – Acesso ou Distância ao poder (distância hierárquica) – Medo da Incerteza (“Uncertainty avoidance”) – Grau de Individualismo (versus colectivismo) – Grau de Masculinidade (versus feminilidade) – Orientação a curto ou longo prazo AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 3 Cívica - 15/03/2012
  • 3. Geert Hofstede• Acesso ou Distância • Medo da Incerteza ao Poder – Grécia - 112 – EUA - 91 – Portugal - 104 – GB - 89 – Uruguai - 100 – Espanha - 51 – França - 86 – Brasil - 38 – Brasil - 76 – Portugal - 27 – Suécia - 58 – Venezuela - 12 – EUA - 46 – Guatemala - 6 – Singapura - 8 AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 4 Cívica - 15/03/2012
  • 4. Geert Hofstede• Grau de Individualismo • Grau de Masculinidade – EUA - 91 – Japão - 95 – Suécia - 71 – EUA - 62 – Espanha - 51 – Países Árabes - 53 – Brasil - 38 – Portugal - 31 – Portugal - 27 – Finlândia - 26 – Guatemala - 6 – Suécia - 5 AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 5 Cívica - 15/03/2012
  • 5. Geert Hofstede• Orientação a curto ou Longo Prazo – China - 118 – Brasil - 65 – Países Baixos - 44 – Portugal - 30 – EUA - 29 – Nigéria - 16 – Paquistão - 0 Ver também: http://geert-hofstede.com/portugal.html AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 6 Cívica - 15/03/2012
  • 6. Coimbra de Matos, Entrevista in Pública,Jornal Público, 4/03/2012• “Somos inseguros, imaturos, praticantes da transgressão na sombra, além de desorganizados, individualistas, garbosos, disponíveis. Nós, os portugueses, o que esperamos do chefe, do pai, do protector, é que decida por nós, que assuma a responsabilidade por nós, que saiba sempre a resposta.”• Influência de “não termos feito a revolução industrial”, “não termos feito a reforma protestante”, e termos, portanto, os “vícios do catolicismo” AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 7 Cívica - 15/03/2012
  • 7. Falta generalizada de Participação Cívica ede Civismo em Portugal? Sim!• Falta de sentido cívico nas relações interpessoais – Exemplo típico: a condução automóvel…• Uso e abuso de sinais de “status” – Exemplo típico: o parque automóvel…• Poucas actividades/organizações/projectos cívicos e pouca participação nos mesmos, bem como pouca articulação entre os que existem• Falta de Responsabilidade e de Autoconfiança – Medo do correr riscos e de errar – Pouca inovação AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 8 Cívica - 15/03/2012
  • 8. Falta generalizada de Participação Cívicaem Portugal• O abuso das qualificações académicas, em vez do que as pessoas fizeram e das competência que têm, ou não, para o fim em vista, em praticamente todos os tipos de debate – Exemplo: Debates políticos nos jornais e nas entrevistas: • Dr. Mário Soares, Arqª Helena Roseta, Eng. Sócrates, Prof. Cavaco Silva • Versus Monsieur Sarkosy, Madame Martine Aubry; Mister Blair; Herr Kohl, Frau Merkel, etc. – Um grau de advocacia, engenharia ou economia, um doutoramento em química quântica (Merkel) ou um posto académico são irrelevantes em política e não provam que uma pessoa seja um bom governante, um bom gestor ou um bom lider• A confiança crédula nos “especialistas” e “dirigentes” na procura de soluções para problemas complexos, em vez de envolver nelas todos os cidadãos interessados AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 9 Cívica - 15/03/2012
  • 9. Falta generalizada de Participação Cívicaem Portugal• Falta generalizada de ética – Abusos de poder, cunhas, mordomias, etc., por quem quer que tenha um “bocadinho de poder“ – A normalidade com que toda a gente aceita as mordomias, cunhas e mesmo a corrupção, sem grandes protestos e “se encolhe” perante as injustiças, por vezes indignas, a que são obrigados – Dificuldade dos líderes ou facilitadores de movimentos que podiam ser transformacionais em “perderem o controlo” e se “apagarem” para permitirem a auto-organização dos liderados ou “facilitados” AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 10 Cívica - 15/03/2012
  • 10. Falta generalizada de Participação Cívicaem Portugal• A constante preocupação com o “sistema de ensino” muito mais do que com a aprendizagem e com “aprender a aprender” e a adaptar-se às mudanças exteriores, em permanência, aos níveis individual, das comunidades e do país• A convicção de que a baixa produtividade do país se deve à baixa qualificação dos trabalhadores, ou à sua preguiça, sem perceber que ela se deve principalmente aos dirigentes e gestores incompetentes e que os mesmos trabalhadores quando vão para o estrangeiro e são bem geridos têm logo muito maior produtividade AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 11 Cívica - 15/03/2012
  • 11. Falta generalizada de Participação Cívicaem Portugal• A existência esporádica de Conferências ou outros Eventos interessantes que, independentemente da sua qualidade e interesse, constituem frequentemente “fogachos”, por não terem continuidade regular, não gerando, por isso, movimentos transformacionais• O uso predominante de formatos de eventos e de facilitação hierarquizados e controlados, por receio de métodos baseados na auto-organização, mais adequados à sociedade do conhecimento AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 12 Cívica - 15/03/2012
  • 12. Esta situação é inevitável ou podemosmudar a cultura nacional a este respeito?• É sempre possível mudar a cultura! E é mesmo indispensável fazê-lo!• Mas não é um processo fácil… Está na fronteira do caos e não há garantias de sucesso…• Para ser possível exige – Uma multiplicidade de iniciativas profundamente transformacionais – a sua articulação num “estado nascente” que produza uma radical “mudança de paradigma” civilizacional da nação AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 13 Cívica - 15/03/2012
  • 13. Pistas para a transformação: Alberoni• Em “Génese”, Alberoni estudou o “estado nascente” de múltiplos movimentos de transformação civilizacional• Caracteriza desenvolvidamente tais "estados nascentes" civilizacionais enquanto “processos de metanóia colectiva”• Esses movimentos podem levar a uma profunda mudança dos paradigmas culturais dominantes e à interiorização de novos paradigmas e “modelos mentais” ou, caso o não consigam, conduzem à estagnação dos movimentos. AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 14 Cívica - 15/03/2012
  • 14. Pistas para a transformação: Alexander• Alexander concebeu um conjunto de padrões para planear e construir regiões, cidades, ou edifícios que sejam “vivos” (“alive”) e possam suportar comunidades identicamente “vivas”• Os padrões de Alexander são aliás reconhecidos noutras áreas e aceites como inspiradores pelos movimentos de permacultura, de sustentabilidade e de transição, bem como pelos movimentos “Occupy” em vários países AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 15 Cívica - 15/03/2012
  • 15. Pistas para a transformação: Alexander• Muitos outros padrões de Alexander também podiam ser úteis, como por exemplo: – 12 – Community of 7000 – 18 – Network of Learning – 43 – University as Marketplace – 67 – Common Land – 80 – Self-governing Workshops and Offices – Etc. – Etc. AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 16 Cívica - 15/03/2012
  • 16. Pistas para a transformação: Naisbitt• “Estamos a viver uma das raras épocas da História em que se encontram presentes dois elementos cruciais para a transformação social - novos valores e necessidade económica. “ (Naisbitt, 1985) AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 17 Cívica - 15/03/2012
  • 17. Pistas para a transformação: Ciclos de Desenvolvimento – Curvas em S “It’s one of the paradoxes of success that the things and the ways which got you where you are, are seldom B the things that keep youAchievements A there.” B ’ ’ A Charles Handy Time Fontes: Mendes, 2012, Handy, 1997, Pallete et al, 1988 AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 18 Cívica - 15/03/2012
  • 18. Pistas para a transformação: Para uma mudançade Paradigma da Ética e Cidadania em Portugal• Criação/Dinamização de múltiplos projectos transformacionais e de movimentos de entreajuda ou protesto de carácter cívico• Articulação (e sinergias) entre projectos criando movimentos transformacionais metanóicos• Utilização preferencial de metodologias de reunião/facilitação assentes na auto-organização de grupos/projectos/comunidades e em lideres que “se apagam” - Exemplo: Open Space Technology (OST)• Uso de plataformas colaborativas, segundo o modelo da Web 2.0, mas articuladas, e não completamente separadas entre si. AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 19 Cívica - 15/03/2012
  • 19. Pistas para a transformação: Para uma mudançade Paradigma de Ética e Cidadania em Portugal A Crise pode ajudar!• Vai impor um novo modo de viver e de pensar, atento aos processos de transição, sustentabilidade e resiliência• Vai impor um questionamento da democracia (dita) “representativa” em favor de modelos participativos• Não se pode fazer face à crise com modelos antigos, hierarquizados, de “comando e controlo”, mas com a compreensão dos sistemas complexos, emergentes e auto-organizados• Pode assentar nas características positivas da cultura nacional (baixo individualismo e alta feminilidade) AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 20 Cívica - 15/03/2012
  • 20. Pistas para a transformação: Para uma mudança deParadigma de Ética e Cidadania em Portugal• Que valores éticos, de convivencialidade e de criatividade estão já estão presentes nas empresas, comunidades e organizações de hoje que passarão para o futuro?• Que valores éticos, estéticos e científicos estão hoje presentes em milhões de pessoas em todo o mundo e, através dos “padrões das sua práticas” (e através dos amigos, colegas, alunos, filhos,…) passarão para o futuro e que "contra-valores" ou “anti-padrões” (que não passarão para o futuro) habitam noutros? AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 21 Cívica - 15/03/2012
  • 21. Pistas para a transformação: Reinventar oSistema de Ensino/Aprendizagem• Vale a pena recordar princípios já afirmados há muito (Unesco, "A Educação do Futuro", 1975) e perceber que, independentemente das reformas curriculares e de gestão escolar, ou da introdução das TIC no ensino, o mais importante é criar uma nova ética de ensino/aprendizagem, reciclar os pais e professores que o puderem ser e criar sistemas de aprendizagem assentes no respeito pelos sujeitos aprendentes e na criação de contextos facilitadores da aprendizagem e de docentes e lideres que os dinamizem e que não sejam apenas, nem principalmente, “transmissores de conhecimentos” para receptores passivos. Viver é aprender em permanência! (Fontes: Silva, 1991; IFF, 2009) AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 22 Cívica - 15/03/2012
  • 22. Pistas para a transformação: Para uma mudançade Paradigma da Ética e Cidadania em Portugal AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 23 Cívica - 15/03/2012
  • 23. Lao Tse, Tao Te King, XVIIO Mestre eminente é ignorado pelo povo.Em seguida vem aquele que o povo ama e louva.Depois aquele que teme.Por fim, aquele que despreza.Se o mestre não tem senão confiança limitada no seu povotambém este suspeitará dele.O mestre eminente evita falarE quando a sua obra está pronta e o seu esforço acabadoo povo diz: “Isto foi feito pelas nossas próprias mãos.” AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 24 Cívica - 15/03/2012
  • 24. BibliografiaAlberoni, Francesco. 1990. Génese. Venda Nova: Bertrand Editora.Alexander, Chris. 1979. The Timeless Way of Building. New York: Oxford University Press.Alexander, Chris , Sara Ishikawa, Murray Siverstein, et. al. 1977. A Pattern Language – Towns, Buildings, Constructions. New York: Oxford University Press.Brangwyn, Ben e Rob Hopkins. 2008. Manual das Iniciativas de Transição. http://gaiabrasil.net/TransitionInitiativePrimer-Portuguese.pdf (Março 2012).Coimbra de Matos, António. 2012. “Paciente: Portugal. Diagnóstico: depressão desamparada”. In Pública, Jornal O Público, 4/03/2012.Handy, Charles. The Empty Raincoat – Making Sense of the Future. London: Random House Business Books.Hofstede, Geert. 1997. Cultura e Organizações – Compreender a nossa Programação Mental. Lisboa: Edições Sílabo.International Futures Forum. 2003. “Ten Things to Do in a Conceptual Emergence”. IFF.International Futures Forum. 2009. “Transformative Innovation in Education: a Playbook for Pragmatic Visionaries”. IFFKhun, Thomas. 1962. The Structure of Scientific Revolutions. Chicago: University of Chicago Press.Pallete, Felipe G., Rafael Calvo, Artur Silva e Henrique Marcelino. 1988. “Una Oportunidad para las Empresas Ibéricas”. Actas do 5º Congresso Português de Informática, 528-550. Lisboa: Bloco Editorial da API.Mendes, Carlos. 2012. “Innovation 2.0”. Apresentação nos 9º Seminários do IST-Taguspark, Porto Salvo, Março 1.Naisbitt, John e Patricia Aburdene. 1987. Reinventar a Empresa. Lisboa: Editorial Presença, Lda.Owen, Harrison, 1997. Open Space Technology – a User’s Guide. San Francisco: Berrett-Koelher Publishers, Inc.Rogers, Carl R. 1984. Tornar-se Pessoa. Lisboa: Moraes Editores.Schön, Donald . 1983. The Reflective Practitioner – How Professionals Think in Action. USA: Basic Books.Silva, Artur. 2002. “Metodologia de Reunião em Espaço Aberto”. In Cadernos INA, nº 2. Oeiras: INA.Silva, Artur. 1996. “Reinventar Portugal”. Disponível na Way Back Machine ( http://www.archive.org/ ), pesquisando por www.portugalnet.pt/portugal, nas entradas de 1998 e 1999 (Março 2012).Silva, Artur. 1991. “Para uma Ética da Sociedade da Informação”. Comunicação apresentada ao 2º Congresso da Associação Portuguesa para a Qualidade, Lisboa, Maio.Unesco, 1975. ABC - A Educação do Futuro. Venda Nova: Livraria Bertrand. AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 25 Cívica - 15/03/2012
  • 25. AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 26 Cívica - 15/03/2012
  • 26. Anexo - A experiência do “Reinventar Portugal” (Ver http://www.archive.org/ Pesquisar por www.portugalnet.pt/portugal e escolher 1998 ou 1999) Pode concluir-se sobre essa experiência e outras similares subsequentes que:• Questionar a Reinvenção de um país, sendo indispensável, é insuficiente, num mundo cada vez mais global, em que as mudanças de paradigma, para serem sustentáveis, e terem potencial para criar um mundo melhor, têm de ser vistas como fractais em várias escalas - local, regional, nacional e global;• Usar como base artigos de pessoas convidadas ou autopropostas, ocupando uma fracção maioritária do espaço ou do tempo, é limitativo,• A correcta selecção dos media a usar e do tipo de plataforma é essencial• Existem hoje múltiplas plataformas colaborativas que podem ser usadas antes, depois e durante eventos presenciais, para preparar, alargar ou continuar diálogos e processos de convergência, a nível local, regional, nacional e transnacional. AFS - (R)Evolucionar Portugal - Consciência 27 Cívica - 15/03/2012